SlideShare uma empresa Scribd logo
MANUSEIO
E ARMAZENAMENTO
DE ÓLEO DIESEL B
ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS
Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação
daLeinº11.097,de13dejaneirode2005,ogovernobrasileirointroduziuobiodieselnamatriz
energética nacional.
Desde 1° de janeiro de 2010, todo o óleo diesel veicular comercializado ao consumidor final
contém5%debiodiesel.EssamisturaédenominadaóleodieselBe,assimcomoocombustível
deorigemfóssil,requerdeterminadoscuidadosparaqueaqualidadedoprodutosemantenha
ao longo de toda a cadeia de abastecimento – da produção até o consumidor final.
Este folheto apresenta os procedimentos a serem aplicados no manuseio, transporte e
armazenamento de óleo diesel B. Tais procedimentos foram estabelecidos em conjunto por
representantes de governo, mercado e academia, levando em conta a viabilidade prática para
o atendimento dos requisitos.
Em meio a esse processo de conhecimento e aprendizagem acerca do novo combustível,
é muito importante que esta não seja a única fonte de informações adotada pelo mercado,
sendo necessária a busca contínua das melhores práticas em relação ao tema. Da mesma
forma,énecessárioressaltarqueaadoçãodasorientaçõespresentesnessefolhetotemcaráter
voluntário, não sendo alvo de ações de fiscalização da ANP.
2
- É necessário que toda a cadeia de abastecimento incorpore às rotinas do óleo diesel B
os mesmos cuidados inerentes ao manuseio e ao armazenamento do óleo diesel A (100%
de óleo diesel de petróleo).
- É imprescindível a aquisição e uso da norma ABNT NBR 15.512*, que estabelece os
requisitos e procedimentos para o armazenamento, transporte, abastecimento e controle
de qualidade de biodiesel e/ou mistura óleo diesel/biodiesel.
- A adoção e efetiva aplicação da norma pelos agentes do mercado é indispensável
para garantir a qualidade do combustível, uma vez que minimiza a contaminação por
impurezas, a degradação microbiológica, oxidativa e a formação de borra.
- É primordial, ainda, que o biodiesel recebido para a realização da mistura com o óleo
diesel A esteja dentro da especificação estabelecida pela Agência Nacional do Petróleo,
Gás Natural e Biocombustíveis - ANP.
*http://www.abntcatalogo.com.br
ORIENTAÇÕES
E PROCEDIMENTOS
3
- O óleo diesel B pode ser estocado por longo período visto que o atendimento às boas
práticas de manuseio e armazenamento possibilita a manutenção da sua qualidade. O
combustível estocado, desconsiderando-se tais práticas, pode se deteriorar e apresentar
formação de material insolúvel.
- A presença de material insolúvel no combustível pode levar à obstrução de filtros e
injetores, além de favorecer a formação de depósitos no sistema de combustão e a
ocorrência de corrosão.
- Os tanques de armazenamento devem estar limpos, secos e protegidos de luz e de
temperaturas extremas. Busca-se com isso evitar a oxidação do combustível ou a
incorporação de contaminantes.
- O armazenamento pode ocorrer em tanques subterrâneos ou aéreos, devendo ser
observada a temperatura à qual o combustível será submetido.
- Deve-se evitar a exposição do óleo diesel B a substâncias incompatíveis, buscando-se
desta forma minimizar a sua degradação.
- Também deve ser evitado o contato do óleo diesel B com materiais incompatíveis,
como certos tipos de elastômeros e metais, de forma a minimizar a incorporação de
contaminantes ao combustível.
ESTOCAGEM
E TRANSPORTE
4
- O biodiesel e suas misturas com óleo diesel A poderão apresentar formação de
sedimentos decorrentes de reações de oxidação, quando em contato com materiais à
base de cobre, chumbo, titânio, zinco, aços revestidos, bronze e latões. Portanto, o
uso desses metais deve ser evitado, tanto no transporte como no armazenamento do
biodiesel e do óleo diesel B.
-ObiodieseleoóleodieselBsãocompatíveiscomaçocarbono,açoinoxidávelealumínio.
- Após a lavagem de tanques, tubulações, bombas e filtros, o óleo diesel B deve ser
circulado por todo o sistema, em volume adequado para carrear resíduos remanescentes.
Em seguida, deve-se drenar todo esse volume de forma a preparar o tanque para o
recebimento do produto.
- O biodiesel pode dissolver ferrugem e outras impurezas provenientes de tanques de
armazenamento e transporte e, apesar dos efeitos destes contaminantes serem menores
no óleo diesel B, pelo seu baixo teor de biodiesel, é necessária a verificação dos filtros
periodicamente, de forma a inibir sua obstrução.
- A presença de ar nos tanques de armazenamento pode favorecer a oxidação do
combustível. Portanto, como medida preventiva é importante manter os tanques
no limite máximo permitido, reduzindo assim a quantidade de ar em contato com o
combustível.
- É muito importante garantir a contínua renovação do conteúdo dos tanques de
estocagem para limitar a presença de combustível envelhecido.
- Deve ser feita semanalmente a drenagem de produto remanescente no fundo do tanque
dearmazenamento,paraaretiradadeágua,materialmicrobiológicoououtrasimpurezas.
5
ABSORÇÃO DE ÁGUA PELO BIODIESEL:
COMO PREVENIR
O biodiesel, por sua natureza química, possui certo grau de higroscopicidade.
Essa característica tende a favorecer a incorporação de água ao produto, o que deve
ser definitivamente evitado. Quando o biodiesel é misturado ao óleo diesel A, a água
dissolvidanoprimeiropodepassarparaafaselivre.Apresençadeágualivrepodefavorecer
a formação de depósitos, tanto decorrentes da borra química quanto do crescimento
microbiano de bactérias e fungos, podendo provocar o entupimento de filtros e corrosão
metálica. Portanto, algumas medidas preventivas devem ser incorporadas ao manuseio
do combustível:
- Verificar se os tanques e compartimentos de armazenamento e transporte estão isentos
de água antes do abastecimento com o óleo diesel B.
- Verificar periodicamente a presença de água, principalmente no fundo dos tanques.
- Manter os tanques de armazenamento preferencialmente na capacidade máxima
permitida para minimizar a presença de oxigênio e vapor d’água.
- Drenar equipamentos e veículos que não serão usados por longos períodos, de forma a
evitar o acúmulo de água e a deterioração do combustível.
- Analisar, frequentemente, amostra de seu combustível para verificar sua qualidade,
bem como a presença de microorganismos contaminantes.
6
O folheto “MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO
DIESEL B – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS” é
uma publicação da Agência Nacional do Petróleo,
Gás Natural e Biocombustíveis. Foi desenvolvido
com a colaboração de BrasilCom, SindTRR,
Fecombustíveis, Sindicom, Ubrabio, SindiBio-
MT, Instituto Nacional de Tecnologia, UFRGS e
Petrobras.
7
Dez2012

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Especificacoes tecnicas casa36_35m2_pag30a36
Especificacoes tecnicas  casa36_35m2_pag30a36Especificacoes tecnicas  casa36_35m2_pag30a36
Especificacoes tecnicas casa36_35m2_pag30a36
charlessousa192
 
AFO Aula 02
AFO Aula 02AFO Aula 02
AFO Aula 02
charlessousa192
 
10 15 incendio 01
10 15 incendio 0110 15 incendio 01
10 15 incendio 01
charlessousa192
 
Resistência dos materiais
Resistência dos materiaisResistência dos materiais
Resistência dos materiais
charlessousa192
 
PPP da EEEP MARIA CÉLIA
PPP da EEEP MARIA CÉLIAPPP da EEEP MARIA CÉLIA
PPP da EEEP MARIA CÉLIA
Jobenemar Carvalho
 
Projeto elétrico i e ii
Projeto elétrico i e iiProjeto elétrico i e ii
Projeto elétrico i e ii
charlessousa192
 
Diesel
DieselDiesel
Normas tecnicas edificacoes - livro web-rev02
Normas tecnicas   edificacoes - livro web-rev02Normas tecnicas   edificacoes - livro web-rev02
Normas tecnicas edificacoes - livro web-rev02
Carlos Elson Cunha
 
Regimento escolar 2014.
Regimento escolar 2014.Regimento escolar 2014.
Regimento escolar 2014.
ticseeep
 
Técnicas de construções
Técnicas de construçõesTécnicas de construções
Técnicas de construções
charlessousa192
 
Trabalho de economia - Setor Público
Trabalho de economia - Setor PúblicoTrabalho de economia - Setor Público
Trabalho de economia - Setor Público
Ismael Paulo Santos
 
Patologia das construções
Patologia das construçõesPatologia das construções
Patologia das construções
charlessousa192
 
Locações topográficas
Locações topográficasLocações topográficas
Locações topográficas
charlessousa192
 
Projeto hidrossanitário i e ii
Projeto hidrossanitário i e iiProjeto hidrossanitário i e ii
Projeto hidrossanitário i e ii
charlessousa192
 
Materiais de construções
Materiais de construçõesMateriais de construções
Materiais de construções
charlessousa192
 
Segurança do trabalho
Segurança do trabalhoSegurança do trabalho
Segurança do trabalho
charlessousa192
 
Projeto de estrutura i e ii
Projeto de estrutura i e iiProjeto de estrutura i e ii
Projeto de estrutura i e ii
charlessousa192
 
slide02
slide02slide02
slide 05
slide 05slide 05
slide 05
Gabriel Santos
 
Mecânica dos solos
Mecânica dos solosMecânica dos solos
Mecânica dos solos
charlessousa192
 

Destaque (20)

Especificacoes tecnicas casa36_35m2_pag30a36
Especificacoes tecnicas  casa36_35m2_pag30a36Especificacoes tecnicas  casa36_35m2_pag30a36
Especificacoes tecnicas casa36_35m2_pag30a36
 
AFO Aula 02
AFO Aula 02AFO Aula 02
AFO Aula 02
 
10 15 incendio 01
10 15 incendio 0110 15 incendio 01
10 15 incendio 01
 
Resistência dos materiais
Resistência dos materiaisResistência dos materiais
Resistência dos materiais
 
PPP da EEEP MARIA CÉLIA
PPP da EEEP MARIA CÉLIAPPP da EEEP MARIA CÉLIA
PPP da EEEP MARIA CÉLIA
 
Projeto elétrico i e ii
Projeto elétrico i e iiProjeto elétrico i e ii
Projeto elétrico i e ii
 
Diesel
DieselDiesel
Diesel
 
Normas tecnicas edificacoes - livro web-rev02
Normas tecnicas   edificacoes - livro web-rev02Normas tecnicas   edificacoes - livro web-rev02
Normas tecnicas edificacoes - livro web-rev02
 
Regimento escolar 2014.
Regimento escolar 2014.Regimento escolar 2014.
Regimento escolar 2014.
 
Técnicas de construções
Técnicas de construçõesTécnicas de construções
Técnicas de construções
 
Trabalho de economia - Setor Público
Trabalho de economia - Setor PúblicoTrabalho de economia - Setor Público
Trabalho de economia - Setor Público
 
Patologia das construções
Patologia das construçõesPatologia das construções
Patologia das construções
 
Locações topográficas
Locações topográficasLocações topográficas
Locações topográficas
 
Projeto hidrossanitário i e ii
Projeto hidrossanitário i e iiProjeto hidrossanitário i e ii
Projeto hidrossanitário i e ii
 
Materiais de construções
Materiais de construçõesMateriais de construções
Materiais de construções
 
Segurança do trabalho
Segurança do trabalhoSegurança do trabalho
Segurança do trabalho
 
Projeto de estrutura i e ii
Projeto de estrutura i e iiProjeto de estrutura i e ii
Projeto de estrutura i e ii
 
slide02
slide02slide02
slide02
 
slide 05
slide 05slide 05
slide 05
 
Mecânica dos solos
Mecânica dos solosMecânica dos solos
Mecânica dos solos
 

Semelhante a Manuseio e Armazenamento de Óleo Diesel B

Cuidados no transporte armazenamento e uso do biodiesel b5
Cuidados no transporte armazenamento e uso do biodiesel b5Cuidados no transporte armazenamento e uso do biodiesel b5
Cuidados no transporte armazenamento e uso do biodiesel b5
Fernando Baschirotto
 
Estudo referente ao Biodiesel
Estudo referente ao BiodieselEstudo referente ao Biodiesel
Estudo referente ao Biodiesel
Denis Borges Maurício
 
Cartilha - Os impactos da má qualidade do óleo diesel brasileiro.pdf
Cartilha - Os impactos da má qualidade do óleo diesel brasileiro.pdfCartilha - Os impactos da má qualidade do óleo diesel brasileiro.pdf
Cartilha - Os impactos da má qualidade do óleo diesel brasileiro.pdf
SpinemaxPeas
 
Biodiesel apertir do oleo de cozinha
Biodiesel apertir do oleo de cozinhaBiodiesel apertir do oleo de cozinha
Biodiesel apertir do oleo de cozinha
gustavo augusto
 
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
Sérgio Valadão
 
Tópicos especiais biodiesel
Tópicos especiais   biodieselTópicos especiais   biodiesel
Tópicos especiais biodiesel
UERGS
 
Puridiesel-Axion Química- Tratamento Multifuncional Motores Diesel e Biodiesel
Puridiesel-Axion Química-  Tratamento Multifuncional Motores Diesel e BiodieselPuridiesel-Axion Química-  Tratamento Multifuncional Motores Diesel e Biodiesel
Puridiesel-Axion Química- Tratamento Multifuncional Motores Diesel e Biodiesel
LeMartins3
 
TCC sobre Biodiesel
TCC sobre Biodiesel TCC sobre Biodiesel
TCC sobre Biodiesel
Márcio Roberto de Mattos
 
Estudo para fabricação de cilindros especiais
Estudo para fabricação de cilindros especiaisEstudo para fabricação de cilindros especiais
Estudo para fabricação de cilindros especiais
Jose de Souza
 
Joana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdf
Joana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdfJoana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdf
Joana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdf
MrioCouto1
 
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso BejanMinicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
Encontro de Química e Formação Docente
 
Despoluidor - Programa Ambiental de Transporte
Despoluidor - Programa Ambiental de TransporteDespoluidor - Programa Ambiental de Transporte
Despoluidor - Programa Ambiental de Transporte
ProjetoBr
 
Gasolina automotiva
Gasolina automotiva  Gasolina automotiva
Gasolina automotiva
Anderson Formiga
 
Gasolina de aviação
Gasolina de aviaçãoGasolina de aviação
Gasolina de aviação
kefferson
 
Daniel
DanielDaniel
Daniel
Jean Cassio
 
Folheto biodiesel 2008
Folheto biodiesel 2008Folheto biodiesel 2008
Folheto biodiesel 2008
Geraldo Sebastian
 
ATIVIDADE.docxAula ciencias da natureza e suas tecnologias
ATIVIDADE.docxAula ciencias da natureza e suas tecnologiasATIVIDADE.docxAula ciencias da natureza e suas tecnologias
ATIVIDADE.docxAula ciencias da natureza e suas tecnologias
LindalvaAlves2
 
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
Rural Pecuária
 
Qualidade diesel
Qualidade dieselQualidade diesel
Qualidade diesel
lfprosa
 
Biodiesel(poster)
Biodiesel(poster)Biodiesel(poster)
Biodiesel(poster)
belavideira
 

Semelhante a Manuseio e Armazenamento de Óleo Diesel B (20)

Cuidados no transporte armazenamento e uso do biodiesel b5
Cuidados no transporte armazenamento e uso do biodiesel b5Cuidados no transporte armazenamento e uso do biodiesel b5
Cuidados no transporte armazenamento e uso do biodiesel b5
 
Estudo referente ao Biodiesel
Estudo referente ao BiodieselEstudo referente ao Biodiesel
Estudo referente ao Biodiesel
 
Cartilha - Os impactos da má qualidade do óleo diesel brasileiro.pdf
Cartilha - Os impactos da má qualidade do óleo diesel brasileiro.pdfCartilha - Os impactos da má qualidade do óleo diesel brasileiro.pdf
Cartilha - Os impactos da má qualidade do óleo diesel brasileiro.pdf
 
Biodiesel apertir do oleo de cozinha
Biodiesel apertir do oleo de cozinhaBiodiesel apertir do oleo de cozinha
Biodiesel apertir do oleo de cozinha
 
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
 
Tópicos especiais biodiesel
Tópicos especiais   biodieselTópicos especiais   biodiesel
Tópicos especiais biodiesel
 
Puridiesel-Axion Química- Tratamento Multifuncional Motores Diesel e Biodiesel
Puridiesel-Axion Química-  Tratamento Multifuncional Motores Diesel e BiodieselPuridiesel-Axion Química-  Tratamento Multifuncional Motores Diesel e Biodiesel
Puridiesel-Axion Química- Tratamento Multifuncional Motores Diesel e Biodiesel
 
TCC sobre Biodiesel
TCC sobre Biodiesel TCC sobre Biodiesel
TCC sobre Biodiesel
 
Estudo para fabricação de cilindros especiais
Estudo para fabricação de cilindros especiaisEstudo para fabricação de cilindros especiais
Estudo para fabricação de cilindros especiais
 
Joana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdf
Joana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdfJoana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdf
Joana_Fonseca_PRIO Introdução Biodiesel em Portugal.pdf
 
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso BejanMinicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
 
Despoluidor - Programa Ambiental de Transporte
Despoluidor - Programa Ambiental de TransporteDespoluidor - Programa Ambiental de Transporte
Despoluidor - Programa Ambiental de Transporte
 
Gasolina automotiva
Gasolina automotiva  Gasolina automotiva
Gasolina automotiva
 
Gasolina de aviação
Gasolina de aviaçãoGasolina de aviação
Gasolina de aviação
 
Daniel
DanielDaniel
Daniel
 
Folheto biodiesel 2008
Folheto biodiesel 2008Folheto biodiesel 2008
Folheto biodiesel 2008
 
ATIVIDADE.docxAula ciencias da natureza e suas tecnologias
ATIVIDADE.docxAula ciencias da natureza e suas tecnologiasATIVIDADE.docxAula ciencias da natureza e suas tecnologias
ATIVIDADE.docxAula ciencias da natureza e suas tecnologias
 
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
 
Qualidade diesel
Qualidade dieselQualidade diesel
Qualidade diesel
 
Biodiesel(poster)
Biodiesel(poster)Biodiesel(poster)
Biodiesel(poster)
 

Mais de charlessousa192

Projeto de piscinas
Projeto de piscinasProjeto de piscinas
Projeto de piscinas
charlessousa192
 
Sugestão de casa de máquinas
Sugestão de casa de máquinasSugestão de casa de máquinas
Sugestão de casa de máquinas
charlessousa192
 
Aula 01 ÉTICA DO SERVIDOR PÚBLICO
Aula 01 ÉTICA DO SERVIDOR PÚBLICOAula 01 ÉTICA DO SERVIDOR PÚBLICO
Aula 01 ÉTICA DO SERVIDOR PÚBLICO
charlessousa192
 
AFO Aula 01
AFO Aula 01AFO Aula 01
AFO Aula 01
charlessousa192
 
AFO Aula 03
AFO Aula 03AFO Aula 03
AFO Aula 03
charlessousa192
 
Manual Saneamento - FUNASA
Manual Saneamento - FUNASAManual Saneamento - FUNASA
Manual Saneamento - FUNASA
charlessousa192
 
Resoluções Conama Postos de Combustíveis
Resoluções Conama Postos de CombustíveisResoluções Conama Postos de Combustíveis
Resoluções Conama Postos de Combustíveis
charlessousa192
 
Alvenaria
AlvenariaAlvenaria
Alvenaria
charlessousa192
 

Mais de charlessousa192 (8)

Projeto de piscinas
Projeto de piscinasProjeto de piscinas
Projeto de piscinas
 
Sugestão de casa de máquinas
Sugestão de casa de máquinasSugestão de casa de máquinas
Sugestão de casa de máquinas
 
Aula 01 ÉTICA DO SERVIDOR PÚBLICO
Aula 01 ÉTICA DO SERVIDOR PÚBLICOAula 01 ÉTICA DO SERVIDOR PÚBLICO
Aula 01 ÉTICA DO SERVIDOR PÚBLICO
 
AFO Aula 01
AFO Aula 01AFO Aula 01
AFO Aula 01
 
AFO Aula 03
AFO Aula 03AFO Aula 03
AFO Aula 03
 
Manual Saneamento - FUNASA
Manual Saneamento - FUNASAManual Saneamento - FUNASA
Manual Saneamento - FUNASA
 
Resoluções Conama Postos de Combustíveis
Resoluções Conama Postos de CombustíveisResoluções Conama Postos de Combustíveis
Resoluções Conama Postos de Combustíveis
 
Alvenaria
AlvenariaAlvenaria
Alvenaria
 

Último

Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 

Último (8)

Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 

Manuseio e Armazenamento de Óleo Diesel B

  • 1. MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS
  • 2. Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação daLeinº11.097,de13dejaneirode2005,ogovernobrasileirointroduziuobiodieselnamatriz energética nacional. Desde 1° de janeiro de 2010, todo o óleo diesel veicular comercializado ao consumidor final contém5%debiodiesel.EssamisturaédenominadaóleodieselBe,assimcomoocombustível deorigemfóssil,requerdeterminadoscuidadosparaqueaqualidadedoprodutosemantenha ao longo de toda a cadeia de abastecimento – da produção até o consumidor final. Este folheto apresenta os procedimentos a serem aplicados no manuseio, transporte e armazenamento de óleo diesel B. Tais procedimentos foram estabelecidos em conjunto por representantes de governo, mercado e academia, levando em conta a viabilidade prática para o atendimento dos requisitos. Em meio a esse processo de conhecimento e aprendizagem acerca do novo combustível, é muito importante que esta não seja a única fonte de informações adotada pelo mercado, sendo necessária a busca contínua das melhores práticas em relação ao tema. Da mesma forma,énecessárioressaltarqueaadoçãodasorientaçõespresentesnessefolhetotemcaráter voluntário, não sendo alvo de ações de fiscalização da ANP. 2
  • 3. - É necessário que toda a cadeia de abastecimento incorpore às rotinas do óleo diesel B os mesmos cuidados inerentes ao manuseio e ao armazenamento do óleo diesel A (100% de óleo diesel de petróleo). - É imprescindível a aquisição e uso da norma ABNT NBR 15.512*, que estabelece os requisitos e procedimentos para o armazenamento, transporte, abastecimento e controle de qualidade de biodiesel e/ou mistura óleo diesel/biodiesel. - A adoção e efetiva aplicação da norma pelos agentes do mercado é indispensável para garantir a qualidade do combustível, uma vez que minimiza a contaminação por impurezas, a degradação microbiológica, oxidativa e a formação de borra. - É primordial, ainda, que o biodiesel recebido para a realização da mistura com o óleo diesel A esteja dentro da especificação estabelecida pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP. *http://www.abntcatalogo.com.br ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS 3
  • 4. - O óleo diesel B pode ser estocado por longo período visto que o atendimento às boas práticas de manuseio e armazenamento possibilita a manutenção da sua qualidade. O combustível estocado, desconsiderando-se tais práticas, pode se deteriorar e apresentar formação de material insolúvel. - A presença de material insolúvel no combustível pode levar à obstrução de filtros e injetores, além de favorecer a formação de depósitos no sistema de combustão e a ocorrência de corrosão. - Os tanques de armazenamento devem estar limpos, secos e protegidos de luz e de temperaturas extremas. Busca-se com isso evitar a oxidação do combustível ou a incorporação de contaminantes. - O armazenamento pode ocorrer em tanques subterrâneos ou aéreos, devendo ser observada a temperatura à qual o combustível será submetido. - Deve-se evitar a exposição do óleo diesel B a substâncias incompatíveis, buscando-se desta forma minimizar a sua degradação. - Também deve ser evitado o contato do óleo diesel B com materiais incompatíveis, como certos tipos de elastômeros e metais, de forma a minimizar a incorporação de contaminantes ao combustível. ESTOCAGEM E TRANSPORTE 4
  • 5. - O biodiesel e suas misturas com óleo diesel A poderão apresentar formação de sedimentos decorrentes de reações de oxidação, quando em contato com materiais à base de cobre, chumbo, titânio, zinco, aços revestidos, bronze e latões. Portanto, o uso desses metais deve ser evitado, tanto no transporte como no armazenamento do biodiesel e do óleo diesel B. -ObiodieseleoóleodieselBsãocompatíveiscomaçocarbono,açoinoxidávelealumínio. - Após a lavagem de tanques, tubulações, bombas e filtros, o óleo diesel B deve ser circulado por todo o sistema, em volume adequado para carrear resíduos remanescentes. Em seguida, deve-se drenar todo esse volume de forma a preparar o tanque para o recebimento do produto. - O biodiesel pode dissolver ferrugem e outras impurezas provenientes de tanques de armazenamento e transporte e, apesar dos efeitos destes contaminantes serem menores no óleo diesel B, pelo seu baixo teor de biodiesel, é necessária a verificação dos filtros periodicamente, de forma a inibir sua obstrução. - A presença de ar nos tanques de armazenamento pode favorecer a oxidação do combustível. Portanto, como medida preventiva é importante manter os tanques no limite máximo permitido, reduzindo assim a quantidade de ar em contato com o combustível. - É muito importante garantir a contínua renovação do conteúdo dos tanques de estocagem para limitar a presença de combustível envelhecido. - Deve ser feita semanalmente a drenagem de produto remanescente no fundo do tanque dearmazenamento,paraaretiradadeágua,materialmicrobiológicoououtrasimpurezas. 5
  • 6. ABSORÇÃO DE ÁGUA PELO BIODIESEL: COMO PREVENIR O biodiesel, por sua natureza química, possui certo grau de higroscopicidade. Essa característica tende a favorecer a incorporação de água ao produto, o que deve ser definitivamente evitado. Quando o biodiesel é misturado ao óleo diesel A, a água dissolvidanoprimeiropodepassarparaafaselivre.Apresençadeágualivrepodefavorecer a formação de depósitos, tanto decorrentes da borra química quanto do crescimento microbiano de bactérias e fungos, podendo provocar o entupimento de filtros e corrosão metálica. Portanto, algumas medidas preventivas devem ser incorporadas ao manuseio do combustível: - Verificar se os tanques e compartimentos de armazenamento e transporte estão isentos de água antes do abastecimento com o óleo diesel B. - Verificar periodicamente a presença de água, principalmente no fundo dos tanques. - Manter os tanques de armazenamento preferencialmente na capacidade máxima permitida para minimizar a presença de oxigênio e vapor d’água. - Drenar equipamentos e veículos que não serão usados por longos períodos, de forma a evitar o acúmulo de água e a deterioração do combustível. - Analisar, frequentemente, amostra de seu combustível para verificar sua qualidade, bem como a presença de microorganismos contaminantes. 6
  • 7. O folheto “MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS” é uma publicação da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Foi desenvolvido com a colaboração de BrasilCom, SindTRR, Fecombustíveis, Sindicom, Ubrabio, SindiBio- MT, Instituto Nacional de Tecnologia, UFRGS e Petrobras. 7