SlideShare uma empresa Scribd logo
Ictus 09-1 119
A Escola Normal de Música da Bahia de
Pedro Irineu Jatobá e o Curso de Música
de Zulmira Silvany
Moisés Silva Mendes1
Pablo Sotuyo Blanco2
Resumo: Este trabalho aborda a atuação de instituições musicais de ensino e
performance durante a primeira metade do século XX, na cidade de Salvador, rela-
tando e analisando alguns fatos que aconteceram nesta época. Aspectos do Insti-
tuto de Música da Bahia, da Escola Normal de Música da Bahia, fundada pelo
professor Pedro Irineu Jatobá e do Curso de Música da professora Zulmira Silvany,
foram analisados concomitantemente com contexto sócio-cultural da época e o
impacto social da atuação destas instituições foi medido de acordo com as críticas
de jornais coletadas e entrevistas realizadas.
Instituiçõesdeperformanceeensinomusicalnaprimeira
metade do século XX em Salvador
As atividades musicais desenvolvidas nas primeiras décadas do sécu-
lo XX, na cidade de Salvador, eram realizadas principalmente pelas bandas
filarmônicas que atuavam nesta cidade. Esses conjuntos estavam presentes
em vários momentos da sociedade soteropolitana visando ensinar, executar
música, entreter os expectadores, promover eventos e a inserção social de
seus participantes, entre outras funções.
Outro tipo de atividade musical que acontecia nesta época eram os
Concertos que aconteciam de acordo com o grupo instrumental disponível
1
Estudante do curso de Licenciatura em Música da UFBA. Bolsista FAPESB, PIBIC/
UFBA. Iniciação Científica. Orientando do Prof. Dr. Pablo Sotuyo Blanco. E-mail de
contato: moises_mendes@yahoo.com.br
2
Doutor em Música pelo Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade
Federal da Bahia (2003), atualmente é Professor Adjunto I, atuando também no
PPGMUS-UFBA. Coordenador da ação musicológica histórica no Núcleo de Estu-
dos Musicais (NEMUS), liderado pelo Prof. Manuel Veiga, PHD. E-mail de contato:
psotuyo@ufba.br
Ictus 09-1120
na ocasião. Geralmente as apresentações aconteciam com um grupo musi-
cal reduzido, um conjunto de câmara composto por instrumentos de cordas
como violino, viola, violoncelo, acompanhados por um pianista. As peças
que eram executadas pelos conjuntos de câmara eram adaptações das obras
originais ao instrumental disponível. Os Concertos poderiam ser instrumen-
tais e/ou vocais, sendo que, até as duas primeiras décadas do século XX
aconteciam em menor freqüência do que as apresentações das bandas fi-
larmônicas, tendo seus programas e datas noticiadas continuamente nos
jornais, a exemplo do que segue abaixo (DIÁRIO DE NOTÍCIAS, 1900).
Concerto
Effectua-se na proxima sexta-feira 20 corrente, no Club
AllemãoGermania,umbelloconcerto,promovidopelodistincto
maestro Julios Weber, e no qual tomarão parte varios
musicistas e amadores. / Eis o programma:
I theil – I. Rosini – Ouverture Wilhelm Tell, piano 4 mãos,
violinos e violoncello – II. Marcus – Widmung – Solo para
Violoncello: sr.Alfredo Domschke – III.Alrde – Brindisi, valze-
Solo para violino: d. Olga Domschke, acompanhamento de
quartetto – IV. Tosca – Aria para barytono, dr. João Martins.
II theil – I. Willibald – Ode D’Amore Romance-Solo para
violino: D. Olga Domschke – II. Salvador Rosa – Aria para
barytono: dr. João Martins. – III. Vieux-temps – Fantasie
Caprice – Solo para violino, professor R. Scheel. – IV, Haydn –
Quartetto para instrumentos de cordas, professor Scheel,
Alferdo Domschke, I. Allioni e professor Weber. Os acompa-
nhamentos são executados pelos srs. Alberto Muylaert, Fi-
gueiras e Th. Domschke. (DIARIO DE NOTICIAS, 1905, p.2.)
Além dos Concertos e apresentações de bandas filarmônicas, os jor-
nais noticiavam várias apresentações das companhias internacionais de ópe-
ras e operetas nos teatros baianos.
O cenário musical desta época incluía também a ação de instituições
de ensino musical que ofereciam instrução técnica-musical, de forma siste-
mática, para músicos e futuros professores de música. Neste contexto, as
principais instituições eram o Instituto de Música da Bahia3
, o Curso de
3
Antigo Conservatório de Música da Bahia, fundado no ano de 1897 como um
anexo da Escola de Belas Artes, que consegue, no ano de 1917, efetivar o seu
processo de desanexação da referida escola. No ano de 1918, de acordo com as
novas diretrizes e a nova diretoria, o Conservatório passa a se chamar Instituto de
Música da Bahia. (PERRONE e CRUZ, 1997, p. 80)
Ictus 09-1 121
Música da professora Zulmira Silvany e a Escola Normal de Música da
Bahia. As duas últimas instituições referidas, a partir da década de
trinta4
também se inseriram e influenciaram na prática e na cultura musical,
através da promoção de eventos musicais.
O Curso de Música da maestrina Zulmira Silvany
Uma das personalidades que participou ativamente do contexto musi-
cal baiano, na primeira metade do século XX, foi a pianista, compositora e
maestrina Zulmira Silvany:
Nascida em Itaberaba (BA), em 26 de outubro de 1878, filha do
Coronel Flávio Silvany. Iniciou seus estudos musicais na sua
cidade natal, sendo aluna do compositor Roberto Lydio Dantas.
Transferindo-se para Salvador, em novembro de 1910, con-
cluiu seu curso no Conservatório de Música, com distinção e
louvor, já tendo exercido, anteriormente, com reconhecida pro-
ficiência o ensino de piano nesta cidade (PERRONE e CRUZ,
1997,p.77).
Formada pelo Instituto de Música da Bahia, Silvany foi professora
nessa instituição, onde participou de um movimento pela elevação do nível
musical da Bahia, cujos ideais manteve vivos no seu Curso de Música, que
funcionava em sua residência (Cf. PERRONE e CRUZ, 1997, p. 80). Se-
gundo o jornal A Tarde (1931) a professora manteve o seu Curso num ele-
vado nível, organizando vários concertos e aulas públicas a cargo dos seus
alunos. Tais eventos, por muitas vezes, se tornavam acontecimentos públi-
cos memoráveis.
CONSTITUIU-SEBELLANOITEDEARTE
A recente e magnifica aula pratica do conceituado Curso de
Musica Zulmira Silvany
O “Curso de Musica Zulmira Silvany”, incontestavelmente
um bom nucleo de ensino musical na Bahia, efficiente e mo-
derno, já assignalando expressivas victorias, sem embargo de
fundado, apenas, ha tres annos realizou, domingo ultimo, 28
de outubro, em sua sede, uma excellente “aula pratica” assis-
4
O curso particular de piano da professora Zulmira Silvany foi fundado em 1930 e a
Escola Normal de Música da Bahia, criada pelo professor Pedro Jatobá, o foi em
1934.Ambos eram ex-professores do Instituto de Música da Bahia que se afastaram
por desentendimentos com o referido Instituto.
Ictus 09-1122
tida por numerosas familias e representantes da imprensa e do
mundo official. Precedeu o programma da vesperal encanta-
dora organizado com perfeito senso, uma homenagem á
memoria do dr. Pedro Emilio Gomes da Silva, grande amigo da
directora do curso e amante e cultor das artes. Seguiu-se a
execução do programma em que tomaram parte as seguintes
alumnas:AmandaAndrade, Lea Faria eAlice Ribeiro que exe-
cutaram satisfactoriamente trechos de B. Netto, F. Vianna eA.
Vianna ao piano, depois de fazerem referencias á personalida-
de e ás obras desses compositores brazileiros. Olga Conrado
que cantou muito bem “Supplica”, poesia de O. Guerra musica
de Z. Silvany; Nair Hagge e Carmem Lucas, que tocaram com
bravura a celebre “Polonaise” de Chopin, a quatro mãos;Alzira
Borges, Nair Hagge, novamente, e Carmen Lucas, executaram,
a seguir. na 2.ª parte “Capricho Catalão”; deAlbeniz. Rapsodia
n. 10 de Liszt e Estudo n. 6 de Liszt, Paganini, respectivamen-
te. Magdalena Vita dona de uma linda voz, cantou “Viola Ser-
taneja”, musica de Z. Silvany e letra de A. Dantas e Angelita
Moacyr uma das principais alumnas do curso fez, a 1.ª vista,
transposição de um trecho ao piano.Aalumna Hebe Machado
leu o ensaio literario e a professora Zulmira Silvany, que fez
uma breve exposição sobre o sentido da palavra “Harmonia”
impressionando pelo acerto dos conceitos, foi ao fim da festa,
alvo de expressiva manifestação por parte de suas alumnas,
que lhe offereceram flores e uma linda lembrança, interpretan-
do o sentir de todas a alumna Hebe Machado. A homenagea-
da agradeceu commovida ouvindo-se no final o Hymno do
Caixeiro Brasileiro, letra de Fransisco de Mattos e musica do
maestro R. Domenech. Foi uma festa encantadora que impres-
sionou a quantos a assistiram. (DIARIO DE NOTICIAS, 1934,
1 nov, 1934, p.1)
As aulas públicas da professora Silvany eram organizadas com a fina-
lidade de se tornar apresentações significativas na cidade, pois eram convi-
dados a participar destes eventos a sociedade soteropolitana, em especial, a
imprensa e algumas autoridades. O convite era realizado através de matéri-
as publicadas em jornais e o repertório apresentado pelos alunos consistia
em composições de nível elevado; além das apresentações instrumentais,
também eram realizadas apresentações vocais, declamação de poemas e
explanações sobre temas musicais.
Em 1933, Zulmira procurou o interventor federal, o Capitão Juracy
Magalhães, a fim de solicitar do Governo o reconhecimento oficial do seu
Curso de Música, documentando as suas realizações no âmbito musical
baiano (notadamente a organização de concertos e festivais) com as várias
matérias publicadas em jornais. O Curso foi reconhecido através da publi-
cação de um decreto. “Organizados os Estatutos, êstes foram publicados no
Diário Oficial de 28 de março de 1933, adotando o programa do Instituto
Ictus 09-1 123
Nacional de Música [no Rio de Janeiro]” (BRASIL; XAVIER, 1965, p.40).
No mesmo ano Silvany organizou uma aula prática, em comemoração ao
supracitado reconhecimento oficial, homenageando o interventor federal com
a apresentação musical do hino “Por Deus e a Pátria”, composto por Silvany
especialmente para a ocasião.
Em 1938 ela liderou o movimento soteropolitano pela criação de Esco-
las Públicas de Música, propondo tal idéia ao então interventor do Estado da
Bahia, Landulpho Alves, o que lhe foi negado sob a alegação de falta de
verbas (idem, p. 46).
Suas aulas públicas e eventos continuaram a acontecer até 1958, quando
faleceu.
O Curso de Música de Zulmira Silvany conseguiu ultrapassar o âmbito
de um simples curso de piano local e provinciano, pois além de promover
eventos musicais públicos, fez da sua “instituição”, se tornar uma referência
no ensino e na performance de música na sociedade baiana da época, per-
mitindo aos seus alunos possuírem uma diplomação validada pelo Governo a
partir de um currículo moldado no do Instituto Nacional de Música do Rio de
Janeiro.
A Escola Normal de Música da Bahia de Pedro Irineu
Jatobá
Em 1933, Pedro Irineu Jatobá ainda era professor e secretário do Ins-
tituto de Música da Bahia. Mas no ano seguinte, devido às divergências
administrativas que vinham acontecendo no Instituto, Jatobá desligou-se de
suas atividades naquela instituição, fundando em março desse ano a Escola
Normal de Música da Bahia.
A Escola Normal tinha como objetivo formar professores de música,
“segundo os métodos mais avançados de ensino, com o curso de oito anos,
destes quatro anos eram fundamentais, dois gerais e dois superiores”, além
de um curso infantil. Piano, canto, harmônio, violino, violoncelo, solfejo, teo-
ria, harmonia, análise harmônica, história da música, leitura a primeira vista,
transposição, acústica, pedagogia eram as principais matérias oferecidas,
sendo o canto orfeônico obrigatório (VIANNA, 1974).
Ao oferecer um curso de música infantil, a Escola Normal de Música
estava sendo pioneira nesta tarefa (o que também lhe rendeu críticas pela
iniciativa) pois até o momento, não foi possível identificar nenhuma outra
instituição de ensino de música naquela época que oferecesse esse tipo de
ensino.
Ictus 09-1124
O anúncio publicado a 14 de março de 1934, convocava a sociedade
para se inscrever nos cursos da Escola Normal. O anúncio trazia informa-
ções sobre a data do início das aulas e o endereço da Escola.
[Anúncio]
Escola Normal de Musica
Estão abertas as inscripções para os diversos cursos d’essa
Escola, cujas aulas começarão a 15 do corrente.
Informações na Secretaria da Escola Normal de Musica
á Praça 13 de Maio (Piedade) n.6
(DIARIODENOTICIAS,1934,p.7)
A Escola Normal de Música foi recebida pela crítica baiana com ma-
nifestações diversas. Algumas parabenizavam a criação de uma nova esco-
la que possuía um corpo docente competente e um conteúdo de ensino mo-
derno. Outras criticaram duramente o seu pioneirismo.
DAESCOLANORMALDEMUSICADABAHIARECENTE-
MENTEFUNDADA.NESTACAPITAL
Um matutino de hontem publicou um “sueltro”, em que fez
referencias elogiosas ao projectado curso Infantil de Musica,
da chamada Escola de Musica da Bahia, instituição particular
recentemente fundada nesta Capital.
[...] Sem discordar dos conceitos emitidos pelo articulista, de
que as qualidades artisticas veem do berço, mister se faz, to-
davia, que tal iniciativa não seja assim levianamente levada a
effeito, entre nós, por qualquer pessoa desautorizada no
assumpto, que, nunca tendo cursado outro meio que não o
nosso, não tenha, no particular, os necessarios conhecimen-
tos especializados. Todos sabem, pelos acertados conceitos
da pedagogia moderna, de par com os ensinamentos salutares
da pediatria, que não se deve cansar precoce e inultilmente, a
intelligencia da criança, botão de flôr, que, seguindo as etapas
da sua evolução, caminha para o desabrochar em rosa, quan-
do dará o maximo da sua actividade.” Não será porque o petiz
em tenra idade, articule, inconscientemente algumas notas d’
O teu cabello não nega. Lourinha, ou qualquer outra canção
popular que se lhe ha-de atribuir vocação musical
re[z]ambiando-o, quase criminosamente, a um curso qualquer
de musica, armado, neste caso, para surtir effeito e... cavar as
mensalidades dos pais incautos...
[...] E, em que pese o conceito lisonjeiro que faço do corpo
doscente da referida escola, porque é composto, na sua quase
totalidade de ex-alumnos e professores do velho e tradicional
Ictus 09-1 125
Instituto de Musica da Bahia, muitos dos quaes alli formaram
o seu espirito sob o influxo benéfico e orientador da notavel
capacidade musical de Sylvio Deolindo Fróes, nome que dei-
xou de ser somente nosso, porque transpôs as fronteiras do
País, creio que não se encontre, entre os seus componentes,
ninguém autorizado a praticar, com proeficiencia e efficiencia,
aquella indispensavel prova de capacidade mental. (DIARIO
DENOTICIAS,1934,p.1)
[No topo da matéria, o jornal incluiu uma grande foto de Sylvio
Deolindo Fróes, com a legenda: “notavel capacidade musical,
lembrada na carta infra”]
Analisando esta matéria, pode se perceber o incômodo que a Escola
Normal de Música causou em seus primeiros dias de funcionamento. Ga-
nhou uma grande crítica em um dos jornais de maior circulação da época, o
Diário de Notícias, que desqualificava o local onde a escola funcionaria
juntamente com o projeto educacional. No decorrer da matéria o redator
elogiou o corpo docente da Escola que em quase sua totalidade era oriundo
do Instituto de Música, mas colocou o nome de Silvio Deolindo Fróes, dire-
tor do Instituto de Música da Bahia, como referência no que dizia respeito
ao ensino de música na cidade de Salvador.
A Escola Normal de Música não se intimidou com as críticas recebidas
e continuou realizando as suas atividades. Com o tempo perceberam-se os
resultados advindos do seu trabalho, conseguindo se estabelecer no contexto
baiano de ensino musical de forma eficiente e sistemática, segundo surge das
matérias de jornal relatando os seus positivos feitos, como as apresentações
do seu coro de crianças, ou as apresentações dos seus alunos.
ASEMANADACRIANÇA
[...]As crianças da Bahia tiveram, hontem, a tarde, além de uma
hora de arte musical, uma série de predecções, úteis á sua
intelligencia e á formação do seu caracter, com a celebração,
no Instituto Historico da Bahia, do “Dia da Tradição”, levada
a effeito pelo Rotary Club da Bahia, no desempenho de uma
parte do programma da Semana da Criança, por ella promovida
e patrocinada. [...]Asolennidade teve inicio ás 15 horas, reple-
tos o salão nobre e adjacencias do escol social da cidade [...].
[...] Estavam alli presentes, com os seus professores e dirigen-
tes, a Escola Normal de Musica, os Gymnasios N.S. de Loudes,
N.S. daVictoria, Gymnasio da Bahia, Carneiro Ribeiro, Escola
Normal da Bahia, Instituto Bahiano de Ensino, C. N. S.
Auxiliadora e GymnasioYpiranga.[...]
[...] Um côro juvenil de 20 crianças da E. N. de Musica, acom-
Ictus 09-1126
panhado ao piano pela respectiva prof.ª d. Nomia Maria, exe-
cutou trechos de musica, que mereceram demorados applausos
da assistência. Aseguir, fôram interpretados uma “polonaise”
deChopin,pelaalumnaDulcePoltiGuimarães,eum“nocturno”
domesmoautor, op. 15, pela alumna Lygia Gerbosi.As alumnas
do curso normal da mesma Escola cantaram trechos escolhi-
dos, acompanhados, todos, ao piano, pelo maestro Jatobá.
(DIARIODENOTICIAS,10,out,1934,p.5)
Além de promover a formação musical de seus alunos a Escola Nor-
mal também tentava erguer o meio artístico da cidade, propiciando a forma-
ção do grande público. Depois de instalada num casarão, no bairro da Pie-
dade, próximo à Secretaria de Segurança Pública, tão logo foi criada a So-
ciedade de Concertos da Escola Normal de Música, que realizou o seu
primeiro concerto no salão da Escola. Segundo Hildegardes Vianna (1974),
este espaço era pequeno e inadequado, dessa forma, os concertos que se
seguiram foram realizados sucessivamente no Gabinete Português de Lei-
tura, no Liceu de Artes e Ofícios e na Beneficiência Caixeiral. A partir da
transferência da Escola para um sobrado maior, no mesmo bairro, os con-
certos aconteciam num grande auditório da nova casa.
O primeiro concerto da “Sociedade de Concertos da Escola
Normal de Musica”
Hoje, ás 20 ½ horas em ponto, realizar-se-á, na sua sede, á
Praça da Piedade, 6, o primeiro concerto da “Sociedade de
Concertos da Escola Normal de Musica”, desta Capital. O
programma está bem organisado, e nelle tomarão parte conhe-
cidos artistas baianos. O DIARIO DE NOTICIAS agradece o
attencioso convite que recebeu para assistir a esse esplendido
concerto da novel sociedade musical da Bahia. (DIARIO DE
NOTICIAS,1934,p.2)
Dentre os eventos promovidos pela Escola, se destacaram as home-
nagens aos onomásticos de grandes compositores, que eram festejados com
concertos e festivais, o que ajudava na promoção cultural e institucional no
meio baiano. “O centenário de Carlos Gomes, com uma memorável sema-
na de concertos e conferências, acabou por firmar a Escola no conceito
geral” (VIANNA, 1974). A disciplina na Escola era das mais rígidas, pois
os alunos eram obrigados a participar de atividades extra-classe, como reci-
tais e concertos mas, com o passar do tempo, começaram a freqüentar os
eventos por vontade própria, levando as suas famílias. Vários artistas de
renome da época prestigiaram com suas execuções a Sociedade de Con-
certos da Escola como o Trio Schneider, Vera Janacopoulos, Souza Lima,
Max Modern, Lea Bach, Mario Neves, Leonidas Autuori, Dulce de Saules,
Ictus 09-1 127
Branca Caldeira, Adolfo Tabacof, Arnaldo Rebelo, Tomás Teran, Alonso
Aníbal da Fonseca. (Cf. VIANNA, 1974)
O recital com que Sousa Lima se despedirá, hoje, da Bahia
Sousa Lima, o grande artista do teclado, a quem a Bahia ouviu
em concerto recente, dar-nos-á, hoje, uma segunda audição,
na Escola Normal de Musica. Esse concerto será as 16 horas,
em virtude de ter de viajar, hoje mesmo, o maravilhoso pianis-
ta, considerado, pela critica nacional, o maior do Brazil, senão
da America do Sul. O programma que Souza Lima organizou
para o seu recital de despedida reúne composições dos mais
celebres musicistas, os quaes elle sabe, com primorosa mes-
tria, interpretar. Por tudo isso, não ha duvida que a Escola
Normalobterá,hoje,umacasacheia.(DIARIODENOTICIAS,
1934,p.1)
A Sociedade de Concertos da Escola Normal de Música da Bahia
demonstrou ser um dos elementos de fundamental importância na composi-
ção da estrutura da Escola Normal de Música, pois ao promover eventos
musicais propiciava o envolvimento entre a Escola, seu corpo docente, seus
alunos e a população, tornando-se uma escola de referência no ensino e na
execução musical na cidade de Salvador, tendo superado todas as dificulda-
des de inserção e manutenção impostas pela sociedade de sua época tor-
nando-se uma página relevante na história da música da Bahia5
.
A professora Marineide Costa, ex-aluna e ex-professora da Escola de
Música, descreve: “A Escola Normal de Música da Bahia preparava pro-
fessores para ensinar Canto Orfeônico, no projeto de Villa-Lobos.” (COS-
TA, 2008). Ainda, Costa relembrou que a Escola de Música contava com
um auditório onde aconteciam os concertos, no andar térreo do casarão,
onde se encontrava o piano de calda utilizado nos eventos.
Infelizmente o estudo e análise mais aprofundados dos motivos para o
fechamento da Escola de Música da Bahia, assim como o seu impacto cul-
5
No dia 10 de outubro de 1948 faleceu o professor Pedro Irineu Jatobá e a Escola
Normal de Música da Bahia passou a ser dirigida pelo seu filho, Paulo Jatobá (Cf.
JATOBÁ, 2008). Em 1950 a Escola Normal de Música mudou de nome para Escola de
Música da Bahia, oferecendo os cursos de Musicalização Infantil baseado no méto-
do Sá Pereira, Curso superior em Instrumento, Licenciatura em Piano e Canto
Orfeônico (Cf. MENEZES; COSTAe BASTIÃO, 2007, p. 238).AEscola de Música
da Bahia fechou as suas portas no ano de 1976.
Ictus 09-1128
tural e musical na sociedade baiana e brasileira6
, não puderam ser esclare-
cidos devido à indisponibilidade de documentos para a análise7
.
ConsideraçõesFinais
Comparando a Escola Normal de Música da Bahia de Jatobá com o
Curso de Música de Silvany é possível perceber que ambas instituições,
mesmo concorrendo no mesmo meio social e cultural, souberam co-existir
e, de alguma forma, se complementarem.
Se por um lado o Curso de Música da professora Silvany oferecia uni-
camente a formação de professores de piano, por outro a Escola Normal
oferecia opções mais diversificadas, pois a sua atuação englobava o ensino de
professores de música que atuariam nas escolas, seja no projeto do Canto
Orfeônico deVilla-Lobos, no ensino de piano ou na musicalização infantil.
Enquanto Silvany procurava sensibilizar as autoridades da necessida-
de da criação de escolas públicas de música, enquanto necessário elemento
na formação da personalidade e eventual possível celeiro de talentos, Jatobá
procurava apresentar os horizontes que o caminho musical permitiria atingir
nacional e internacionalmente (e muito provavelmente por isso tenha sido
tão resistida inicialmente a sua instalação).
Finalmente, através das suas atividades de ensino e extensão (além
das diversas propostas de estabelecimento de novas políticas relativas à
música) ambas as instituições e personalidades contribuíram largamente para
a expansão da formação e cultura musical baiana durante a primeira meta-
6
Como indicador desse possível impacto a médio e longo prazo, Marineide Costa
também informou que a sua professora de piano particular, Maria Angélica Alves
Gomes, estudou na Escola Normal de Música da Bahia, se formando na turma de
1941. Segundo documentos da formatura da sua professora, foi possível concluir
que MariaAngélica, foi colega de Maria Rosita Salgado Góes que, juntamente com
o professor Koellreuter, Benda e outros, viriam fazer parte do movimento de funda-
ção dos Seminários Livres de Música da Universidade Federal da Bahia, semente da
atual Escola de Música da UFBA (Cf. BASTIANELLI, 2004).
7
Marineide Costa, que ainda mantém contato com o Prof. Paulo Jatobá e sua espo-
sa, D. Dirce Jatobá, foi informada por eles que o acervo documental relacionado às
atividades da Escola desde a sua fundação até o fechamento, se encontra em fase
de organização e catalogação na residência do casal, na Península Itapagipana, mas
ainda indisponível à pesquisa.
Ictus 09-1 129
de do século XX, talvez de forma mais constante do que o Instituto de
Música da Bahia. Também permitiram, a médio e longo prazo o desenvolvi-
mento e manutenção de atividades musicais de cunho didático e prático
(instrumental e composicional), fornecendo os eventuais alicerces e recur-
sos humanos a serem aproveitados pelas orquestras sinfônicas que, tanto no
passado quanto no presente, a sociedade baiana mantêm e das instituições
de ensino superior musical presentes e ativas na Bahia.
Referências
A INFANCIA E A MUSICA. Diário de Noticias, Salvador, p.1, 8 mar.
1934.
A SEMANA DA CRIANÇA. Diario de Noticias, Salvador, p. 5, 10 out.
1934.
BASTIANELLI, Piero. A Universidade e a Música, uma memória 1954
a 2004. Salvador: EMUS/UFBA, 2004.
BRASIL, Hebe Machado; XAVIER, Carlota. A Música em 50 Anos.
Salvador: Editora Beneditina LTDA, 1965.
CONCERTO. Diário de Noticias, Salvador, p. 2, 17 jan. 1905.
CONSTITUIU-SE BELLA NOITE DE ARTE. Diario de Noticias, Sal-
vador, p. 1, 1 nov. 1934.
COSTA, Marineide Marinho Maciel. Educação Musical na Bahia. Cro-
nologia: um olhar pedagógico. Trabalho apresentado na disciplina
Educação Musical no Brasil. Programa de Pós-Graduação em Músi-
ca, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2002. Não publicado.
____. Entrevista concedida pela professora Marineide Costa. Entrevistador:
Moisés Mendes. Salvador: 13 jun. 2008.
Ictus 09-1130
ESCOLA NORMAL DE MÚSICA. Diário de Noticias. Salvador, 14 mar.
1934. Sessão Anúncios, p. 7.
JATOBÁ, Dirce. Entrevista cedida à professora Marineide Costa. Salva-
dor, 13 jun. 2008.
MENEZES, Mara; COSTA, Marineide Marinho Maciel; BASTIÃO, Zuraida
Abud. A Educação Musical na Bahia. In: Educação Musical no
Brasil. Salvador: P&A, 2007.
O PRIMEIRO CONCERTO DA “SOCIEDADE DE CONCERTOS DA
ESCOLA NORMAL DE MUSICA. Diario de Noticias, Salvador,
p. 2, 25 abr. 1934.
O RECITAL COM QUE SOUSA LIMA SE DESPEDIRÁ, HOJE, DA
BAHIA. Diario de Noticias, Salvador, p. 1, 19 nov. 1934.
PERRONE, Maria da Conceição Costa Perrone; CRUZ, Selma Boulhosa
Alban. Instituto de Música: Um século de tradição musical na Bahia.
Salvador: Gráfica da Universidade Federal da Bahia, 1997.
VIANNA, Hildegardes. A Escola Normal de Música. Jornal A Tarde.
Salvador, 29 jul. 1974.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Histórias da Música no Brasil e Musicologia: uma leitura preliminar
Histórias da Música no Brasil e Musicologia: uma leitura preliminarHistórias da Música no Brasil e Musicologia: uma leitura preliminar
Histórias da Música no Brasil e Musicologia: uma leitura preliminar
Renato Borges
 
História da Música Brasileira
História da Música BrasileiraHistória da Música Brasileira
História da Música Brasileira
Carlos Zaranza
 
Violino, Formas Musicais Etc
Violino, Formas Musicais EtcViolino, Formas Musicais Etc
Violino, Formas Musicais Etc
HOME
 
História do axé_(1)
História do axé_(1)História do axé_(1)
História do axé_(1)
Elô Ribeiro
 
A INFLUÊNCIA DOS PRINCIPAIS PEDAGOGOS MUSICAIS DA PRIMEIRA GERAÇÃO NA PRÁTICA...
A INFLUÊNCIA DOS PRINCIPAIS PEDAGOGOS MUSICAIS DA PRIMEIRA GERAÇÃO NA PRÁTICA...A INFLUÊNCIA DOS PRINCIPAIS PEDAGOGOS MUSICAIS DA PRIMEIRA GERAÇÃO NA PRÁTICA...
A INFLUÊNCIA DOS PRINCIPAIS PEDAGOGOS MUSICAIS DA PRIMEIRA GERAÇÃO NA PRÁTICA...
Gisele Laura Haddad
 
Pdf
PdfPdf
Pdf
tchoyn
 
Música estilo musical
Música   estilo musicalMúsica   estilo musical
Música estilo musical
Jéssica Cristina
 
A clave setembro 10
A clave setembro 10A clave setembro 10
A clave setembro 10
FilarmonicaCortense
 
A formação da Música Brasileira
A formação da Música BrasileiraA formação da Música Brasileira
A formação da Música Brasileira
Isabela Meni Cosenza Marques
 
Apostila ensino médio danca
Apostila ensino médio dancaApostila ensino médio danca
Apostila ensino médio danca
Reginaldo Pazinatto
 
Danças existentes no brasil
Danças existentes no brasilDanças existentes no brasil
Danças existentes no brasil
Atylla Maria
 
Música
MúsicaMúsica
Música
Sandraferraz
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
guilas
 
MúSica
MúSicaMúSica
MúSica
Ruben Santos
 
História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915
História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915
História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915
Leonardo Brum
 
Danças da região sudeste
Danças da região sudesteDanças da região sudeste
Danças da região sudeste
Rose Gonçalves
 
Trabalho De Artes
Trabalho De ArtesTrabalho De Artes
Trabalho De Artes
martinsramon
 
Gêneros Musicais
Gêneros MusicaisGêneros Musicais
Gêneros Musicais
Aurelio1
 

Mais procurados (18)

Histórias da Música no Brasil e Musicologia: uma leitura preliminar
Histórias da Música no Brasil e Musicologia: uma leitura preliminarHistórias da Música no Brasil e Musicologia: uma leitura preliminar
Histórias da Música no Brasil e Musicologia: uma leitura preliminar
 
História da Música Brasileira
História da Música BrasileiraHistória da Música Brasileira
História da Música Brasileira
 
Violino, Formas Musicais Etc
Violino, Formas Musicais EtcViolino, Formas Musicais Etc
Violino, Formas Musicais Etc
 
História do axé_(1)
História do axé_(1)História do axé_(1)
História do axé_(1)
 
A INFLUÊNCIA DOS PRINCIPAIS PEDAGOGOS MUSICAIS DA PRIMEIRA GERAÇÃO NA PRÁTICA...
A INFLUÊNCIA DOS PRINCIPAIS PEDAGOGOS MUSICAIS DA PRIMEIRA GERAÇÃO NA PRÁTICA...A INFLUÊNCIA DOS PRINCIPAIS PEDAGOGOS MUSICAIS DA PRIMEIRA GERAÇÃO NA PRÁTICA...
A INFLUÊNCIA DOS PRINCIPAIS PEDAGOGOS MUSICAIS DA PRIMEIRA GERAÇÃO NA PRÁTICA...
 
Pdf
PdfPdf
Pdf
 
Música estilo musical
Música   estilo musicalMúsica   estilo musical
Música estilo musical
 
A clave setembro 10
A clave setembro 10A clave setembro 10
A clave setembro 10
 
A formação da Música Brasileira
A formação da Música BrasileiraA formação da Música Brasileira
A formação da Música Brasileira
 
Apostila ensino médio danca
Apostila ensino médio dancaApostila ensino médio danca
Apostila ensino médio danca
 
Danças existentes no brasil
Danças existentes no brasilDanças existentes no brasil
Danças existentes no brasil
 
Música
MúsicaMúsica
Música
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
MúSica
MúSicaMúSica
MúSica
 
História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915
História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915
História da filarmônica Nossa Senhora da Conceição entre 1898 e 1915
 
Danças da região sudeste
Danças da região sudesteDanças da região sudeste
Danças da região sudeste
 
Trabalho De Artes
Trabalho De ArtesTrabalho De Artes
Trabalho De Artes
 
Gêneros Musicais
Gêneros MusicaisGêneros Musicais
Gêneros Musicais
 

Semelhante a 34319 122553-1-pb

Bandafolheto
BandafolhetoBandafolheto
Bandafolheto
Rui Oliveira
 
Lucianaoliveira
LucianaoliveiraLucianaoliveira
Lucianaoliveira
Saulo Gomes
 
Avaré e suas bandas musicais
Avaré e suas bandas musicaisAvaré e suas bandas musicais
Avaré e suas bandas musicais
Guilherme Ferrari
 
Música Brasileira.docx
Música Brasileira.docxMúsica Brasileira.docx
Música Brasileira.docx
RaymundoNonnatoJr
 
Quinteto Sine Nomine
Quinteto Sine NomineQuinteto Sine Nomine
Quinteto Sine Nomine
Paulo1976
 
5 dia cópia
5 dia   cópia5 dia   cópia
5 dia cópia
trilusofona
 
A Importância da música na Educação Infantil
A Importância da música na Educação InfantilA Importância da música na Educação Infantil
A Importância da música na Educação Infantil
Ainsf Eder Dalberto
 
616 665-1-pb
616 665-1-pb616 665-1-pb
616 665-1-pb
Luiz Cunha
 
Palestra Sobre a Historia da Musica em Chapeco-SC
Palestra Sobre a Historia da Musica em Chapeco-SC Palestra Sobre a Historia da Musica em Chapeco-SC
Palestra Sobre a Historia da Musica em Chapeco-SC
Sergio Paulo Ribeiro
 
Curriculum breve
Curriculum breveCurriculum breve
Curriculum breve
trilusofona
 
Alfabetização musical e paulo freire
Alfabetização musical e paulo freireAlfabetização musical e paulo freire
Alfabetização musical e paulo freire
metodotedem
 
Os Instrumentos na Idade Média
Os Instrumentos na Idade MédiaOs Instrumentos na Idade Média
Os Instrumentos na Idade Média
rcarvalho83
 
Izabellaneves
IzabellanevesIzabellaneves
Izabellaneves
Saulo Gomes
 
O CAVAQUINHO COMO ELEMENTO MOTIVADOR DA INICIAÇÃO MUSICAL
O CAVAQUINHO COMO ELEMENTO MOTIVADOR DA INICIAÇÃO MUSICALO CAVAQUINHO COMO ELEMENTO MOTIVADOR DA INICIAÇÃO MUSICAL
O CAVAQUINHO COMO ELEMENTO MOTIVADOR DA INICIAÇÃO MUSICAL
Saulo Gomes
 
A pedagogia do piano o método de oscar guanabarino
A pedagogia do piano   o método de oscar guanabarino A pedagogia do piano   o método de oscar guanabarino
A pedagogia do piano o método de oscar guanabarino
Aparecida Valiatti
 
1360961 agenda vm_setembro2014_simples
1360961 agenda vm_setembro2014_simples1360961 agenda vm_setembro2014_simples
1360961 agenda vm_setembro2014_simples
Ubaldo Rizzaldo Jr
 
Música clássica
Música clássicaMúsica clássica
Música clássica
IsabelPereira2010
 
Maestro José Dário de Moura - Uma História dedicada a Música
Maestro José Dário de Moura - Uma História dedicada a MúsicaMaestro José Dário de Moura - Uma História dedicada a Música
Maestro José Dário de Moura - Uma História dedicada a Música
DboraIldncio1
 
Obras apresentam o universo de Laban
Obras apresentam o universo de LabanObras apresentam o universo de Laban
Obras apresentam o universo de Laban
Juliana Ravelli
 
Teoria musical 1o ano
Teoria musical 1o anoTeoria musical 1o ano
Teoria musical 1o ano
Saulo Gomes
 

Semelhante a 34319 122553-1-pb (20)

Bandafolheto
BandafolhetoBandafolheto
Bandafolheto
 
Lucianaoliveira
LucianaoliveiraLucianaoliveira
Lucianaoliveira
 
Avaré e suas bandas musicais
Avaré e suas bandas musicaisAvaré e suas bandas musicais
Avaré e suas bandas musicais
 
Música Brasileira.docx
Música Brasileira.docxMúsica Brasileira.docx
Música Brasileira.docx
 
Quinteto Sine Nomine
Quinteto Sine NomineQuinteto Sine Nomine
Quinteto Sine Nomine
 
5 dia cópia
5 dia   cópia5 dia   cópia
5 dia cópia
 
A Importância da música na Educação Infantil
A Importância da música na Educação InfantilA Importância da música na Educação Infantil
A Importância da música na Educação Infantil
 
616 665-1-pb
616 665-1-pb616 665-1-pb
616 665-1-pb
 
Palestra Sobre a Historia da Musica em Chapeco-SC
Palestra Sobre a Historia da Musica em Chapeco-SC Palestra Sobre a Historia da Musica em Chapeco-SC
Palestra Sobre a Historia da Musica em Chapeco-SC
 
Curriculum breve
Curriculum breveCurriculum breve
Curriculum breve
 
Alfabetização musical e paulo freire
Alfabetização musical e paulo freireAlfabetização musical e paulo freire
Alfabetização musical e paulo freire
 
Os Instrumentos na Idade Média
Os Instrumentos na Idade MédiaOs Instrumentos na Idade Média
Os Instrumentos na Idade Média
 
Izabellaneves
IzabellanevesIzabellaneves
Izabellaneves
 
O CAVAQUINHO COMO ELEMENTO MOTIVADOR DA INICIAÇÃO MUSICAL
O CAVAQUINHO COMO ELEMENTO MOTIVADOR DA INICIAÇÃO MUSICALO CAVAQUINHO COMO ELEMENTO MOTIVADOR DA INICIAÇÃO MUSICAL
O CAVAQUINHO COMO ELEMENTO MOTIVADOR DA INICIAÇÃO MUSICAL
 
A pedagogia do piano o método de oscar guanabarino
A pedagogia do piano   o método de oscar guanabarino A pedagogia do piano   o método de oscar guanabarino
A pedagogia do piano o método de oscar guanabarino
 
1360961 agenda vm_setembro2014_simples
1360961 agenda vm_setembro2014_simples1360961 agenda vm_setembro2014_simples
1360961 agenda vm_setembro2014_simples
 
Música clássica
Música clássicaMúsica clássica
Música clássica
 
Maestro José Dário de Moura - Uma História dedicada a Música
Maestro José Dário de Moura - Uma História dedicada a MúsicaMaestro José Dário de Moura - Uma História dedicada a Música
Maestro José Dário de Moura - Uma História dedicada a Música
 
Obras apresentam o universo de Laban
Obras apresentam o universo de LabanObras apresentam o universo de Laban
Obras apresentam o universo de Laban
 
Teoria musical 1o ano
Teoria musical 1o anoTeoria musical 1o ano
Teoria musical 1o ano
 

Mais de Gabriel Oliveira

Materiale completo corso di lingua e cultura italiane ppgesa uneb 2020 on.line
Materiale completo corso di lingua e cultura italiane ppgesa uneb 2020 on.lineMateriale completo corso di lingua e cultura italiane ppgesa uneb 2020 on.line
Materiale completo corso di lingua e cultura italiane ppgesa uneb 2020 on.line
Gabriel Oliveira
 
Cartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessor
CartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessorCartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessor
Cartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessor
Gabriel Oliveira
 
Cartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessor
CartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessorCartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessor
Cartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessor
Gabriel Oliveira
 
Edital de abertura patos
Edital de abertura   patosEdital de abertura   patos
Edital de abertura patos
Gabriel Oliveira
 
Sintese do-feste-2018
Sintese do-feste-2018Sintese do-feste-2018
Sintese do-feste-2018
Gabriel Oliveira
 
Diario oficial 2013_05_151420003511
Diario oficial 2013_05_151420003511Diario oficial 2013_05_151420003511
Diario oficial 2013_05_151420003511
Gabriel Oliveira
 
1 aprendendo a compor
1 aprendendo a compor1 aprendendo a compor
1 aprendendo a compor
Gabriel Oliveira
 
Edital 067-2016-seleção-de-aluno-regular-2017
Edital 067-2016-seleção-de-aluno-regular-2017Edital 067-2016-seleção-de-aluno-regular-2017
Edital 067-2016-seleção-de-aluno-regular-2017
Gabriel Oliveira
 

Mais de Gabriel Oliveira (8)

Materiale completo corso di lingua e cultura italiane ppgesa uneb 2020 on.line
Materiale completo corso di lingua e cultura italiane ppgesa uneb 2020 on.lineMateriale completo corso di lingua e cultura italiane ppgesa uneb 2020 on.line
Materiale completo corso di lingua e cultura italiane ppgesa uneb 2020 on.line
 
Cartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessor
CartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessorCartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessor
Cartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessor
 
Cartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessor
CartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessorCartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessor
Cartilhaestrategiasprotetorasdavozdoprofessor
 
Edital de abertura patos
Edital de abertura   patosEdital de abertura   patos
Edital de abertura patos
 
Sintese do-feste-2018
Sintese do-feste-2018Sintese do-feste-2018
Sintese do-feste-2018
 
Diario oficial 2013_05_151420003511
Diario oficial 2013_05_151420003511Diario oficial 2013_05_151420003511
Diario oficial 2013_05_151420003511
 
1 aprendendo a compor
1 aprendendo a compor1 aprendendo a compor
1 aprendendo a compor
 
Edital 067-2016-seleção-de-aluno-regular-2017
Edital 067-2016-seleção-de-aluno-regular-2017Edital 067-2016-seleção-de-aluno-regular-2017
Edital 067-2016-seleção-de-aluno-regular-2017
 

Último

APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 

Último (20)

APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 

34319 122553-1-pb

  • 1. Ictus 09-1 119 A Escola Normal de Música da Bahia de Pedro Irineu Jatobá e o Curso de Música de Zulmira Silvany Moisés Silva Mendes1 Pablo Sotuyo Blanco2 Resumo: Este trabalho aborda a atuação de instituições musicais de ensino e performance durante a primeira metade do século XX, na cidade de Salvador, rela- tando e analisando alguns fatos que aconteceram nesta época. Aspectos do Insti- tuto de Música da Bahia, da Escola Normal de Música da Bahia, fundada pelo professor Pedro Irineu Jatobá e do Curso de Música da professora Zulmira Silvany, foram analisados concomitantemente com contexto sócio-cultural da época e o impacto social da atuação destas instituições foi medido de acordo com as críticas de jornais coletadas e entrevistas realizadas. Instituiçõesdeperformanceeensinomusicalnaprimeira metade do século XX em Salvador As atividades musicais desenvolvidas nas primeiras décadas do sécu- lo XX, na cidade de Salvador, eram realizadas principalmente pelas bandas filarmônicas que atuavam nesta cidade. Esses conjuntos estavam presentes em vários momentos da sociedade soteropolitana visando ensinar, executar música, entreter os expectadores, promover eventos e a inserção social de seus participantes, entre outras funções. Outro tipo de atividade musical que acontecia nesta época eram os Concertos que aconteciam de acordo com o grupo instrumental disponível 1 Estudante do curso de Licenciatura em Música da UFBA. Bolsista FAPESB, PIBIC/ UFBA. Iniciação Científica. Orientando do Prof. Dr. Pablo Sotuyo Blanco. E-mail de contato: moises_mendes@yahoo.com.br 2 Doutor em Música pelo Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal da Bahia (2003), atualmente é Professor Adjunto I, atuando também no PPGMUS-UFBA. Coordenador da ação musicológica histórica no Núcleo de Estu- dos Musicais (NEMUS), liderado pelo Prof. Manuel Veiga, PHD. E-mail de contato: psotuyo@ufba.br
  • 2. Ictus 09-1120 na ocasião. Geralmente as apresentações aconteciam com um grupo musi- cal reduzido, um conjunto de câmara composto por instrumentos de cordas como violino, viola, violoncelo, acompanhados por um pianista. As peças que eram executadas pelos conjuntos de câmara eram adaptações das obras originais ao instrumental disponível. Os Concertos poderiam ser instrumen- tais e/ou vocais, sendo que, até as duas primeiras décadas do século XX aconteciam em menor freqüência do que as apresentações das bandas fi- larmônicas, tendo seus programas e datas noticiadas continuamente nos jornais, a exemplo do que segue abaixo (DIÁRIO DE NOTÍCIAS, 1900). Concerto Effectua-se na proxima sexta-feira 20 corrente, no Club AllemãoGermania,umbelloconcerto,promovidopelodistincto maestro Julios Weber, e no qual tomarão parte varios musicistas e amadores. / Eis o programma: I theil – I. Rosini – Ouverture Wilhelm Tell, piano 4 mãos, violinos e violoncello – II. Marcus – Widmung – Solo para Violoncello: sr.Alfredo Domschke – III.Alrde – Brindisi, valze- Solo para violino: d. Olga Domschke, acompanhamento de quartetto – IV. Tosca – Aria para barytono, dr. João Martins. II theil – I. Willibald – Ode D’Amore Romance-Solo para violino: D. Olga Domschke – II. Salvador Rosa – Aria para barytono: dr. João Martins. – III. Vieux-temps – Fantasie Caprice – Solo para violino, professor R. Scheel. – IV, Haydn – Quartetto para instrumentos de cordas, professor Scheel, Alferdo Domschke, I. Allioni e professor Weber. Os acompa- nhamentos são executados pelos srs. Alberto Muylaert, Fi- gueiras e Th. Domschke. (DIARIO DE NOTICIAS, 1905, p.2.) Além dos Concertos e apresentações de bandas filarmônicas, os jor- nais noticiavam várias apresentações das companhias internacionais de ópe- ras e operetas nos teatros baianos. O cenário musical desta época incluía também a ação de instituições de ensino musical que ofereciam instrução técnica-musical, de forma siste- mática, para músicos e futuros professores de música. Neste contexto, as principais instituições eram o Instituto de Música da Bahia3 , o Curso de 3 Antigo Conservatório de Música da Bahia, fundado no ano de 1897 como um anexo da Escola de Belas Artes, que consegue, no ano de 1917, efetivar o seu processo de desanexação da referida escola. No ano de 1918, de acordo com as novas diretrizes e a nova diretoria, o Conservatório passa a se chamar Instituto de Música da Bahia. (PERRONE e CRUZ, 1997, p. 80)
  • 3. Ictus 09-1 121 Música da professora Zulmira Silvany e a Escola Normal de Música da Bahia. As duas últimas instituições referidas, a partir da década de trinta4 também se inseriram e influenciaram na prática e na cultura musical, através da promoção de eventos musicais. O Curso de Música da maestrina Zulmira Silvany Uma das personalidades que participou ativamente do contexto musi- cal baiano, na primeira metade do século XX, foi a pianista, compositora e maestrina Zulmira Silvany: Nascida em Itaberaba (BA), em 26 de outubro de 1878, filha do Coronel Flávio Silvany. Iniciou seus estudos musicais na sua cidade natal, sendo aluna do compositor Roberto Lydio Dantas. Transferindo-se para Salvador, em novembro de 1910, con- cluiu seu curso no Conservatório de Música, com distinção e louvor, já tendo exercido, anteriormente, com reconhecida pro- ficiência o ensino de piano nesta cidade (PERRONE e CRUZ, 1997,p.77). Formada pelo Instituto de Música da Bahia, Silvany foi professora nessa instituição, onde participou de um movimento pela elevação do nível musical da Bahia, cujos ideais manteve vivos no seu Curso de Música, que funcionava em sua residência (Cf. PERRONE e CRUZ, 1997, p. 80). Se- gundo o jornal A Tarde (1931) a professora manteve o seu Curso num ele- vado nível, organizando vários concertos e aulas públicas a cargo dos seus alunos. Tais eventos, por muitas vezes, se tornavam acontecimentos públi- cos memoráveis. CONSTITUIU-SEBELLANOITEDEARTE A recente e magnifica aula pratica do conceituado Curso de Musica Zulmira Silvany O “Curso de Musica Zulmira Silvany”, incontestavelmente um bom nucleo de ensino musical na Bahia, efficiente e mo- derno, já assignalando expressivas victorias, sem embargo de fundado, apenas, ha tres annos realizou, domingo ultimo, 28 de outubro, em sua sede, uma excellente “aula pratica” assis- 4 O curso particular de piano da professora Zulmira Silvany foi fundado em 1930 e a Escola Normal de Música da Bahia, criada pelo professor Pedro Jatobá, o foi em 1934.Ambos eram ex-professores do Instituto de Música da Bahia que se afastaram por desentendimentos com o referido Instituto.
  • 4. Ictus 09-1122 tida por numerosas familias e representantes da imprensa e do mundo official. Precedeu o programma da vesperal encanta- dora organizado com perfeito senso, uma homenagem á memoria do dr. Pedro Emilio Gomes da Silva, grande amigo da directora do curso e amante e cultor das artes. Seguiu-se a execução do programma em que tomaram parte as seguintes alumnas:AmandaAndrade, Lea Faria eAlice Ribeiro que exe- cutaram satisfactoriamente trechos de B. Netto, F. Vianna eA. Vianna ao piano, depois de fazerem referencias á personalida- de e ás obras desses compositores brazileiros. Olga Conrado que cantou muito bem “Supplica”, poesia de O. Guerra musica de Z. Silvany; Nair Hagge e Carmem Lucas, que tocaram com bravura a celebre “Polonaise” de Chopin, a quatro mãos;Alzira Borges, Nair Hagge, novamente, e Carmen Lucas, executaram, a seguir. na 2.ª parte “Capricho Catalão”; deAlbeniz. Rapsodia n. 10 de Liszt e Estudo n. 6 de Liszt, Paganini, respectivamen- te. Magdalena Vita dona de uma linda voz, cantou “Viola Ser- taneja”, musica de Z. Silvany e letra de A. Dantas e Angelita Moacyr uma das principais alumnas do curso fez, a 1.ª vista, transposição de um trecho ao piano.Aalumna Hebe Machado leu o ensaio literario e a professora Zulmira Silvany, que fez uma breve exposição sobre o sentido da palavra “Harmonia” impressionando pelo acerto dos conceitos, foi ao fim da festa, alvo de expressiva manifestação por parte de suas alumnas, que lhe offereceram flores e uma linda lembrança, interpretan- do o sentir de todas a alumna Hebe Machado. A homenagea- da agradeceu commovida ouvindo-se no final o Hymno do Caixeiro Brasileiro, letra de Fransisco de Mattos e musica do maestro R. Domenech. Foi uma festa encantadora que impres- sionou a quantos a assistiram. (DIARIO DE NOTICIAS, 1934, 1 nov, 1934, p.1) As aulas públicas da professora Silvany eram organizadas com a fina- lidade de se tornar apresentações significativas na cidade, pois eram convi- dados a participar destes eventos a sociedade soteropolitana, em especial, a imprensa e algumas autoridades. O convite era realizado através de matéri- as publicadas em jornais e o repertório apresentado pelos alunos consistia em composições de nível elevado; além das apresentações instrumentais, também eram realizadas apresentações vocais, declamação de poemas e explanações sobre temas musicais. Em 1933, Zulmira procurou o interventor federal, o Capitão Juracy Magalhães, a fim de solicitar do Governo o reconhecimento oficial do seu Curso de Música, documentando as suas realizações no âmbito musical baiano (notadamente a organização de concertos e festivais) com as várias matérias publicadas em jornais. O Curso foi reconhecido através da publi- cação de um decreto. “Organizados os Estatutos, êstes foram publicados no Diário Oficial de 28 de março de 1933, adotando o programa do Instituto
  • 5. Ictus 09-1 123 Nacional de Música [no Rio de Janeiro]” (BRASIL; XAVIER, 1965, p.40). No mesmo ano Silvany organizou uma aula prática, em comemoração ao supracitado reconhecimento oficial, homenageando o interventor federal com a apresentação musical do hino “Por Deus e a Pátria”, composto por Silvany especialmente para a ocasião. Em 1938 ela liderou o movimento soteropolitano pela criação de Esco- las Públicas de Música, propondo tal idéia ao então interventor do Estado da Bahia, Landulpho Alves, o que lhe foi negado sob a alegação de falta de verbas (idem, p. 46). Suas aulas públicas e eventos continuaram a acontecer até 1958, quando faleceu. O Curso de Música de Zulmira Silvany conseguiu ultrapassar o âmbito de um simples curso de piano local e provinciano, pois além de promover eventos musicais públicos, fez da sua “instituição”, se tornar uma referência no ensino e na performance de música na sociedade baiana da época, per- mitindo aos seus alunos possuírem uma diplomação validada pelo Governo a partir de um currículo moldado no do Instituto Nacional de Música do Rio de Janeiro. A Escola Normal de Música da Bahia de Pedro Irineu Jatobá Em 1933, Pedro Irineu Jatobá ainda era professor e secretário do Ins- tituto de Música da Bahia. Mas no ano seguinte, devido às divergências administrativas que vinham acontecendo no Instituto, Jatobá desligou-se de suas atividades naquela instituição, fundando em março desse ano a Escola Normal de Música da Bahia. A Escola Normal tinha como objetivo formar professores de música, “segundo os métodos mais avançados de ensino, com o curso de oito anos, destes quatro anos eram fundamentais, dois gerais e dois superiores”, além de um curso infantil. Piano, canto, harmônio, violino, violoncelo, solfejo, teo- ria, harmonia, análise harmônica, história da música, leitura a primeira vista, transposição, acústica, pedagogia eram as principais matérias oferecidas, sendo o canto orfeônico obrigatório (VIANNA, 1974). Ao oferecer um curso de música infantil, a Escola Normal de Música estava sendo pioneira nesta tarefa (o que também lhe rendeu críticas pela iniciativa) pois até o momento, não foi possível identificar nenhuma outra instituição de ensino de música naquela época que oferecesse esse tipo de ensino.
  • 6. Ictus 09-1124 O anúncio publicado a 14 de março de 1934, convocava a sociedade para se inscrever nos cursos da Escola Normal. O anúncio trazia informa- ções sobre a data do início das aulas e o endereço da Escola. [Anúncio] Escola Normal de Musica Estão abertas as inscripções para os diversos cursos d’essa Escola, cujas aulas começarão a 15 do corrente. Informações na Secretaria da Escola Normal de Musica á Praça 13 de Maio (Piedade) n.6 (DIARIODENOTICIAS,1934,p.7) A Escola Normal de Música foi recebida pela crítica baiana com ma- nifestações diversas. Algumas parabenizavam a criação de uma nova esco- la que possuía um corpo docente competente e um conteúdo de ensino mo- derno. Outras criticaram duramente o seu pioneirismo. DAESCOLANORMALDEMUSICADABAHIARECENTE- MENTEFUNDADA.NESTACAPITAL Um matutino de hontem publicou um “sueltro”, em que fez referencias elogiosas ao projectado curso Infantil de Musica, da chamada Escola de Musica da Bahia, instituição particular recentemente fundada nesta Capital. [...] Sem discordar dos conceitos emitidos pelo articulista, de que as qualidades artisticas veem do berço, mister se faz, to- davia, que tal iniciativa não seja assim levianamente levada a effeito, entre nós, por qualquer pessoa desautorizada no assumpto, que, nunca tendo cursado outro meio que não o nosso, não tenha, no particular, os necessarios conhecimen- tos especializados. Todos sabem, pelos acertados conceitos da pedagogia moderna, de par com os ensinamentos salutares da pediatria, que não se deve cansar precoce e inultilmente, a intelligencia da criança, botão de flôr, que, seguindo as etapas da sua evolução, caminha para o desabrochar em rosa, quan- do dará o maximo da sua actividade.” Não será porque o petiz em tenra idade, articule, inconscientemente algumas notas d’ O teu cabello não nega. Lourinha, ou qualquer outra canção popular que se lhe ha-de atribuir vocação musical re[z]ambiando-o, quase criminosamente, a um curso qualquer de musica, armado, neste caso, para surtir effeito e... cavar as mensalidades dos pais incautos... [...] E, em que pese o conceito lisonjeiro que faço do corpo doscente da referida escola, porque é composto, na sua quase totalidade de ex-alumnos e professores do velho e tradicional
  • 7. Ictus 09-1 125 Instituto de Musica da Bahia, muitos dos quaes alli formaram o seu espirito sob o influxo benéfico e orientador da notavel capacidade musical de Sylvio Deolindo Fróes, nome que dei- xou de ser somente nosso, porque transpôs as fronteiras do País, creio que não se encontre, entre os seus componentes, ninguém autorizado a praticar, com proeficiencia e efficiencia, aquella indispensavel prova de capacidade mental. (DIARIO DENOTICIAS,1934,p.1) [No topo da matéria, o jornal incluiu uma grande foto de Sylvio Deolindo Fróes, com a legenda: “notavel capacidade musical, lembrada na carta infra”] Analisando esta matéria, pode se perceber o incômodo que a Escola Normal de Música causou em seus primeiros dias de funcionamento. Ga- nhou uma grande crítica em um dos jornais de maior circulação da época, o Diário de Notícias, que desqualificava o local onde a escola funcionaria juntamente com o projeto educacional. No decorrer da matéria o redator elogiou o corpo docente da Escola que em quase sua totalidade era oriundo do Instituto de Música, mas colocou o nome de Silvio Deolindo Fróes, dire- tor do Instituto de Música da Bahia, como referência no que dizia respeito ao ensino de música na cidade de Salvador. A Escola Normal de Música não se intimidou com as críticas recebidas e continuou realizando as suas atividades. Com o tempo perceberam-se os resultados advindos do seu trabalho, conseguindo se estabelecer no contexto baiano de ensino musical de forma eficiente e sistemática, segundo surge das matérias de jornal relatando os seus positivos feitos, como as apresentações do seu coro de crianças, ou as apresentações dos seus alunos. ASEMANADACRIANÇA [...]As crianças da Bahia tiveram, hontem, a tarde, além de uma hora de arte musical, uma série de predecções, úteis á sua intelligencia e á formação do seu caracter, com a celebração, no Instituto Historico da Bahia, do “Dia da Tradição”, levada a effeito pelo Rotary Club da Bahia, no desempenho de uma parte do programma da Semana da Criança, por ella promovida e patrocinada. [...]Asolennidade teve inicio ás 15 horas, reple- tos o salão nobre e adjacencias do escol social da cidade [...]. [...] Estavam alli presentes, com os seus professores e dirigen- tes, a Escola Normal de Musica, os Gymnasios N.S. de Loudes, N.S. daVictoria, Gymnasio da Bahia, Carneiro Ribeiro, Escola Normal da Bahia, Instituto Bahiano de Ensino, C. N. S. Auxiliadora e GymnasioYpiranga.[...] [...] Um côro juvenil de 20 crianças da E. N. de Musica, acom-
  • 8. Ictus 09-1126 panhado ao piano pela respectiva prof.ª d. Nomia Maria, exe- cutou trechos de musica, que mereceram demorados applausos da assistência. Aseguir, fôram interpretados uma “polonaise” deChopin,pelaalumnaDulcePoltiGuimarães,eum“nocturno” domesmoautor, op. 15, pela alumna Lygia Gerbosi.As alumnas do curso normal da mesma Escola cantaram trechos escolhi- dos, acompanhados, todos, ao piano, pelo maestro Jatobá. (DIARIODENOTICIAS,10,out,1934,p.5) Além de promover a formação musical de seus alunos a Escola Nor- mal também tentava erguer o meio artístico da cidade, propiciando a forma- ção do grande público. Depois de instalada num casarão, no bairro da Pie- dade, próximo à Secretaria de Segurança Pública, tão logo foi criada a So- ciedade de Concertos da Escola Normal de Música, que realizou o seu primeiro concerto no salão da Escola. Segundo Hildegardes Vianna (1974), este espaço era pequeno e inadequado, dessa forma, os concertos que se seguiram foram realizados sucessivamente no Gabinete Português de Lei- tura, no Liceu de Artes e Ofícios e na Beneficiência Caixeiral. A partir da transferência da Escola para um sobrado maior, no mesmo bairro, os con- certos aconteciam num grande auditório da nova casa. O primeiro concerto da “Sociedade de Concertos da Escola Normal de Musica” Hoje, ás 20 ½ horas em ponto, realizar-se-á, na sua sede, á Praça da Piedade, 6, o primeiro concerto da “Sociedade de Concertos da Escola Normal de Musica”, desta Capital. O programma está bem organisado, e nelle tomarão parte conhe- cidos artistas baianos. O DIARIO DE NOTICIAS agradece o attencioso convite que recebeu para assistir a esse esplendido concerto da novel sociedade musical da Bahia. (DIARIO DE NOTICIAS,1934,p.2) Dentre os eventos promovidos pela Escola, se destacaram as home- nagens aos onomásticos de grandes compositores, que eram festejados com concertos e festivais, o que ajudava na promoção cultural e institucional no meio baiano. “O centenário de Carlos Gomes, com uma memorável sema- na de concertos e conferências, acabou por firmar a Escola no conceito geral” (VIANNA, 1974). A disciplina na Escola era das mais rígidas, pois os alunos eram obrigados a participar de atividades extra-classe, como reci- tais e concertos mas, com o passar do tempo, começaram a freqüentar os eventos por vontade própria, levando as suas famílias. Vários artistas de renome da época prestigiaram com suas execuções a Sociedade de Con- certos da Escola como o Trio Schneider, Vera Janacopoulos, Souza Lima, Max Modern, Lea Bach, Mario Neves, Leonidas Autuori, Dulce de Saules,
  • 9. Ictus 09-1 127 Branca Caldeira, Adolfo Tabacof, Arnaldo Rebelo, Tomás Teran, Alonso Aníbal da Fonseca. (Cf. VIANNA, 1974) O recital com que Sousa Lima se despedirá, hoje, da Bahia Sousa Lima, o grande artista do teclado, a quem a Bahia ouviu em concerto recente, dar-nos-á, hoje, uma segunda audição, na Escola Normal de Musica. Esse concerto será as 16 horas, em virtude de ter de viajar, hoje mesmo, o maravilhoso pianis- ta, considerado, pela critica nacional, o maior do Brazil, senão da America do Sul. O programma que Souza Lima organizou para o seu recital de despedida reúne composições dos mais celebres musicistas, os quaes elle sabe, com primorosa mes- tria, interpretar. Por tudo isso, não ha duvida que a Escola Normalobterá,hoje,umacasacheia.(DIARIODENOTICIAS, 1934,p.1) A Sociedade de Concertos da Escola Normal de Música da Bahia demonstrou ser um dos elementos de fundamental importância na composi- ção da estrutura da Escola Normal de Música, pois ao promover eventos musicais propiciava o envolvimento entre a Escola, seu corpo docente, seus alunos e a população, tornando-se uma escola de referência no ensino e na execução musical na cidade de Salvador, tendo superado todas as dificulda- des de inserção e manutenção impostas pela sociedade de sua época tor- nando-se uma página relevante na história da música da Bahia5 . A professora Marineide Costa, ex-aluna e ex-professora da Escola de Música, descreve: “A Escola Normal de Música da Bahia preparava pro- fessores para ensinar Canto Orfeônico, no projeto de Villa-Lobos.” (COS- TA, 2008). Ainda, Costa relembrou que a Escola de Música contava com um auditório onde aconteciam os concertos, no andar térreo do casarão, onde se encontrava o piano de calda utilizado nos eventos. Infelizmente o estudo e análise mais aprofundados dos motivos para o fechamento da Escola de Música da Bahia, assim como o seu impacto cul- 5 No dia 10 de outubro de 1948 faleceu o professor Pedro Irineu Jatobá e a Escola Normal de Música da Bahia passou a ser dirigida pelo seu filho, Paulo Jatobá (Cf. JATOBÁ, 2008). Em 1950 a Escola Normal de Música mudou de nome para Escola de Música da Bahia, oferecendo os cursos de Musicalização Infantil baseado no méto- do Sá Pereira, Curso superior em Instrumento, Licenciatura em Piano e Canto Orfeônico (Cf. MENEZES; COSTAe BASTIÃO, 2007, p. 238).AEscola de Música da Bahia fechou as suas portas no ano de 1976.
  • 10. Ictus 09-1128 tural e musical na sociedade baiana e brasileira6 , não puderam ser esclare- cidos devido à indisponibilidade de documentos para a análise7 . ConsideraçõesFinais Comparando a Escola Normal de Música da Bahia de Jatobá com o Curso de Música de Silvany é possível perceber que ambas instituições, mesmo concorrendo no mesmo meio social e cultural, souberam co-existir e, de alguma forma, se complementarem. Se por um lado o Curso de Música da professora Silvany oferecia uni- camente a formação de professores de piano, por outro a Escola Normal oferecia opções mais diversificadas, pois a sua atuação englobava o ensino de professores de música que atuariam nas escolas, seja no projeto do Canto Orfeônico deVilla-Lobos, no ensino de piano ou na musicalização infantil. Enquanto Silvany procurava sensibilizar as autoridades da necessida- de da criação de escolas públicas de música, enquanto necessário elemento na formação da personalidade e eventual possível celeiro de talentos, Jatobá procurava apresentar os horizontes que o caminho musical permitiria atingir nacional e internacionalmente (e muito provavelmente por isso tenha sido tão resistida inicialmente a sua instalação). Finalmente, através das suas atividades de ensino e extensão (além das diversas propostas de estabelecimento de novas políticas relativas à música) ambas as instituições e personalidades contribuíram largamente para a expansão da formação e cultura musical baiana durante a primeira meta- 6 Como indicador desse possível impacto a médio e longo prazo, Marineide Costa também informou que a sua professora de piano particular, Maria Angélica Alves Gomes, estudou na Escola Normal de Música da Bahia, se formando na turma de 1941. Segundo documentos da formatura da sua professora, foi possível concluir que MariaAngélica, foi colega de Maria Rosita Salgado Góes que, juntamente com o professor Koellreuter, Benda e outros, viriam fazer parte do movimento de funda- ção dos Seminários Livres de Música da Universidade Federal da Bahia, semente da atual Escola de Música da UFBA (Cf. BASTIANELLI, 2004). 7 Marineide Costa, que ainda mantém contato com o Prof. Paulo Jatobá e sua espo- sa, D. Dirce Jatobá, foi informada por eles que o acervo documental relacionado às atividades da Escola desde a sua fundação até o fechamento, se encontra em fase de organização e catalogação na residência do casal, na Península Itapagipana, mas ainda indisponível à pesquisa.
  • 11. Ictus 09-1 129 de do século XX, talvez de forma mais constante do que o Instituto de Música da Bahia. Também permitiram, a médio e longo prazo o desenvolvi- mento e manutenção de atividades musicais de cunho didático e prático (instrumental e composicional), fornecendo os eventuais alicerces e recur- sos humanos a serem aproveitados pelas orquestras sinfônicas que, tanto no passado quanto no presente, a sociedade baiana mantêm e das instituições de ensino superior musical presentes e ativas na Bahia. Referências A INFANCIA E A MUSICA. Diário de Noticias, Salvador, p.1, 8 mar. 1934. A SEMANA DA CRIANÇA. Diario de Noticias, Salvador, p. 5, 10 out. 1934. BASTIANELLI, Piero. A Universidade e a Música, uma memória 1954 a 2004. Salvador: EMUS/UFBA, 2004. BRASIL, Hebe Machado; XAVIER, Carlota. A Música em 50 Anos. Salvador: Editora Beneditina LTDA, 1965. CONCERTO. Diário de Noticias, Salvador, p. 2, 17 jan. 1905. CONSTITUIU-SE BELLA NOITE DE ARTE. Diario de Noticias, Sal- vador, p. 1, 1 nov. 1934. COSTA, Marineide Marinho Maciel. Educação Musical na Bahia. Cro- nologia: um olhar pedagógico. Trabalho apresentado na disciplina Educação Musical no Brasil. Programa de Pós-Graduação em Músi- ca, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2002. Não publicado. ____. Entrevista concedida pela professora Marineide Costa. Entrevistador: Moisés Mendes. Salvador: 13 jun. 2008.
  • 12. Ictus 09-1130 ESCOLA NORMAL DE MÚSICA. Diário de Noticias. Salvador, 14 mar. 1934. Sessão Anúncios, p. 7. JATOBÁ, Dirce. Entrevista cedida à professora Marineide Costa. Salva- dor, 13 jun. 2008. MENEZES, Mara; COSTA, Marineide Marinho Maciel; BASTIÃO, Zuraida Abud. A Educação Musical na Bahia. In: Educação Musical no Brasil. Salvador: P&A, 2007. O PRIMEIRO CONCERTO DA “SOCIEDADE DE CONCERTOS DA ESCOLA NORMAL DE MUSICA. Diario de Noticias, Salvador, p. 2, 25 abr. 1934. O RECITAL COM QUE SOUSA LIMA SE DESPEDIRÁ, HOJE, DA BAHIA. Diario de Noticias, Salvador, p. 1, 19 nov. 1934. PERRONE, Maria da Conceição Costa Perrone; CRUZ, Selma Boulhosa Alban. Instituto de Música: Um século de tradição musical na Bahia. Salvador: Gráfica da Universidade Federal da Bahia, 1997. VIANNA, Hildegardes. A Escola Normal de Música. Jornal A Tarde. Salvador, 29 jul. 1974.