SlideShare uma empresa Scribd logo
Caso Prático 1

Caso Prático
PEQUENAS USINAS HIDRELÉTRICAS
Caso Práctico 2
Caso Prático
PEQUENAS USINAS HIDRELÉTRICAS
OBJETIVOS
Com a resolução deste caso pratico pretende-se que o aluno possa realizar um estudo prévio de
viabilidade tanto técnica quanto econômica da implantação de uma pequena usina hidráulica em
uma localidade concreta, aplicando os conteúdos desenvolvidos no documento base do módulo
“Energia Mini hidráulica” ou “Small Hydro Energy”. As tarefas a determinar são:
Determinar o valor da queda bruta e líquida disponível.
Dimensionar os seguintes componentes: canal de derivação e conduto forçado
Determinar o tipo de turbina hidráulica e sua velocidade específica
Determinar a relação da caixa multiplicadora de velocidade
Determinar a potencia elétrica instalada da usina e a produção elétrica anual no ponto de
conexão com a empresa distribuidora de energia
Determinar: Fator de capacidade, índice de energia, índice de potencia e horas equivalentes
de funcionamento
Realizar um estudo de viabilidade econômica utilizando o programa RETScreen, obtendo o
VAL e o TIR a 15 anos e o ‘Pay-Back’.
Conclusões
ENUNCIADO
Projeto de uma pequena usina hidráulica tipo corrente com canal de derivação nas
proximidades da cidade de Urcos, capital da província de Quispicanchi, Departamento
de Cuzco, Peru. A cerca de 40km ao SE da cidade de Cuzco. O rio é o Vilcanota
(Willcamayo em quéchua).
O açude de concreto se encontra situado a uma quota de 3112,5 m.sn.m e não é
considerado para a regulação da vazão. Sua função será a de reter um pequeno volume
de água. A água, que não é derivada, corre pelo vertedouro de coroação a uma altura de
2,5m e uma quota de 3115 m.s.n.m e segue seu curso normal. Precisará de comportas
para a regulação.
O perfil do vertedouro é de tipo parabólico e dispõe de uma bacia de amortecimento de
trampolim submergida. Figura 1.
Caso Práctico 3
Figura 1. Detalhe do perfil do açude com vertedouro tipo parabólico
O açude possuirá duas descargas de fundo e em sua embocadura estará situada uma
válvula de fluxo oco para proceder ao esvaziamento quando se realizem operações de
limpeza (segundo a normativa de represas) (figura 2).
Figura 2. Localização das descargas de fundo no açude
O açude permite a captação da vazão de desenho, com sua correspondente tomada de água situada
na margem esquerda. A escada de peixes, tipo labirinto, estará situada na margem direita e formada
por oito degraus com uma altura de 30 cm cada. O comprimento em coroação do vertedouro é de
20m, sendo o comprimento total até os extremos dos estribos de 40m.
3 m
2,5 m
Caso Práctico 4
Pra regular a vazão derivada, estabelece-se uma comporta na entrada da tomada provida também
de uma grade para evitar a entrada de obstáculos.
Da tomada de água parte um canal aberto com forma retangular de concreto armado, construído
sobre a rocha, com um comprimento total de 1814m e com uma inclinação de 0,5 metros por mil,
até a câmara de carga da qual parte um conduto forçado de aço até o edifício da usina, construída
por um único trecho reto de comprimento 189m. O edifício da usina estará situado na margem
esquerda do rio, a uma quota de 3104,3 m.s.n.m. Uma vez turbinada, a água é devolvida ao curso do
rio através de um canal de descarga a uma quota de 3103 m.s.n.m.
A central projetada se conectaria através de uma linha aérea elétrica a 15 kV, com um comprimento
de 3 km, a uma subestação localizada na população de Churubamba.
Em anexo segue um arquivo tipo *.kmz (Google Earth) (figura 3) e uma imagem em formato .jpg
com a localização (figura 4).
Figura 3. Vista aérea da localização.
Caso Práctico 5
Figura 4. Detalhe da localização do diferentes elementos.
Os dados de vazões média mensais (Tabela 1) podem ser obtidos da estação hidrométrica mais
próxima a nossa central, que é a de Pisac, a uma quota de 2971 m.s.n.m (13º26’latitude,
71º51’’longitude) e que dispõe de um medidor com forma de vertedouro de parede fina com
linígrafo. O operador da estação hidrométrica é a SENAMHI. A precipitação média anual na bacia do
rio Vilcanota é de 811 mm. A superfície da bacia é de 6911 km2.
A vazão ecologia que concebemos, em observância ao previsto pelo Organismo da bacia hidrográfica
ANA (Autoridade Nacional de Água do Peru), no trecho do rio aceito para manter o habitat da área é
de 60% da vazão média do rio, durante todos os meses do ano.
DADOS DE VAZÕES NATURAIS DA ESTAÇÃO DE PISAC (M3/S)
Os dados de vazões naturais da estação de Pisac procedem do relatório da EGEMSA de junho de
2004.
Rio Vilcanota
Comporta
Caso Práctico 6
Tabela 1. Dados de vazões médias mensais.
A concessão de água permitida pelo Organismo da Bacia Hidrográfica ANA no Peru é de 3,78 m3/s.
Portanto, este valor será a vazão de equipamento Qe de nossa usina. Observando os valores médios
de vazões disponíveis em todos os meses do ano, a disponibilidade desta vazão durante todo o ano
é de 100%.
DADOS:
Para dimensionar o canal de derivação:
I = Inclinação longitudinal = 0,5 metros por mil
n = coeficiente de rugosidade de Manning. Para revestimento de concreto 0,014
V = velocidade média de circulação da água pelo canal. Toma-se 1,37 m/s
Longitude= 1814m
Seção retangular de concreto armado
Aplicar a condição de seção mais econômica
Para o dimensionamento do conduto forçado
Comprimento 189m
Conduto de aço dúctil
Velocidade máxima da água por seu interior 4 m/s
P: pressão interior da água considerando sobrepressão por golpe do martelo de água
(normalmente 6. 105 N/m2)
σadm: tensão admissível de calculo (para o aço toma-se um valor de 2400 N/m2)
Caso Práctico 7
Dados do gerador síncrono:
Velocidade síncrona = 1500 rpm (2 pares de pólos)
Tensão nominal = 3kV
Rendimento = 0,97
cosφ = 0.88
Auto-excitação com excitatriz e diodos giratórios
Dados de rendimento
Rendimento do conduto hidráulico = 0,92
Rendimento caixa multiplicadora de velocidade = 0,97
Autoconsumo de 2% da potencia instalada = ( auto = 0,98)
Rendimento do transformador principal de TP= 0,98
Rendimento da linha elétrica de saída L= 0,96
O equipamento eletromecânico estará formado pelos seguintes elementos
Transformador principal de 3/15 kV. Grupo de conexão Dyn11
Linha elétrica aérea de 15 kV, comprimento 3km (até o povoado de Churubamba)
Transformador de serviços auxiliares de 50kVA
Equipamentos elétricos auxiliares e de tele-mando e controle
Comportas (escada para peixes, tomada de água, câmara de carga e canal de restituição)
Grupo óleo-hidráulico
Válvula de descarga de fundo
Válvula esférica na entrada da turbina
Ponte guindaste
Bancada de baterias
Dados para o estudo de viabilidade econômica
A estimativa de custo do investimento será obtida através do seguinte gráfico (figura 5):
Figura 5. Estimativa de custo de investimento
Caso Práctico 8
Preço venda do MWh 91 $/MWh (*)
Custo de operação e manutenção (2%
do custo de investimento))
Relação de dívida 80%
Taxa de juros da dívida 2,5%
Duração da dívida 10 anos
Vida útil 40 anos
(*) O preço de venda do MWh é um valor adotado segunda a tarifa atual de eletricidade no Peru
Para a análise financeira, deverá ser utilizado o programa RETScreen da Natural Resources Canada
(http://www.retscreen.net).
Resolva o caso e compare com a resposta do caso resolvido que será entregue a você (esta atividade
não é avaliável).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hidrometria
HidrometriaHidrometria
Hidrometria
Lúcio Déo
 
Lista4 av3erq2013
Lista4 av3erq2013Lista4 av3erq2013
Lista4 av3erq2013
Diego Henrique
 
2010 2 28_artigo
2010 2 28_artigo2010 2 28_artigo
2010 2 28_artigo
Robert Ximenes
 
05 hidrodinamica exercicios_bernoulli_1
05 hidrodinamica exercicios_bernoulli_105 hidrodinamica exercicios_bernoulli_1
05 hidrodinamica exercicios_bernoulli_1
Melk Ramalho
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
Jose Luis Prado Sánchez
 
Exercicios de 1 a 6
Exercicios de 1 a 6Exercicios de 1 a 6
Exercicios de 1 a 6
zeramento contabil
 
folhagem
folhagemfolhagem
bombom
bombombombom
Formulas fisica
Formulas fisicaFormulas fisica
Formulas fisica
jose ricarte
 
Parte2 no pw
Parte2 no pwParte2 no pw
Parte2 no pw
nyboy8118
 
Apresentação - TAI VI
Apresentação - TAI VIApresentação - TAI VI
Apresentação - TAI VI
MONIQUE CARVALHO SOUZA
 
Ch 5
Ch 5Ch 5
3 curvas de rendimento de grupos de bombagem 2021
3   curvas de rendimento de grupos de bombagem 20213   curvas de rendimento de grupos de bombagem 2021
3 curvas de rendimento de grupos de bombagem 2021
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Apresentação circuito rc (atualizado)
Apresentação circuito rc (atualizado)Apresentação circuito rc (atualizado)
Apresentação circuito rc (atualizado)
thiago oda
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Selecao bombas
Selecao bombasSelecao bombas
Selecao bombas
João Rafael Rodrigues
 
T 395 ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
T 395   ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriaisT 395   ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
T 395 ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
Zacarias Junior
 
Física 2 relatório Circuito RC
Física 2  relatório Circuito RCFísica 2  relatório Circuito RC
Física 2 relatório Circuito RC
Sabrina Fermano
 
Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e DimensionamentoRede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Mateus Dezotti
 
Abastecimento de Água
Abastecimento de ÁguaAbastecimento de Água
Abastecimento de Água
MOSE FIRMINO
 

Mais procurados (20)

Hidrometria
HidrometriaHidrometria
Hidrometria
 
Lista4 av3erq2013
Lista4 av3erq2013Lista4 av3erq2013
Lista4 av3erq2013
 
2010 2 28_artigo
2010 2 28_artigo2010 2 28_artigo
2010 2 28_artigo
 
05 hidrodinamica exercicios_bernoulli_1
05 hidrodinamica exercicios_bernoulli_105 hidrodinamica exercicios_bernoulli_1
05 hidrodinamica exercicios_bernoulli_1
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
 
Exercicios de 1 a 6
Exercicios de 1 a 6Exercicios de 1 a 6
Exercicios de 1 a 6
 
folhagem
folhagemfolhagem
folhagem
 
bombom
bombombombom
bombom
 
Formulas fisica
Formulas fisicaFormulas fisica
Formulas fisica
 
Parte2 no pw
Parte2 no pwParte2 no pw
Parte2 no pw
 
Apresentação - TAI VI
Apresentação - TAI VIApresentação - TAI VI
Apresentação - TAI VI
 
Ch 5
Ch 5Ch 5
Ch 5
 
3 curvas de rendimento de grupos de bombagem 2021
3   curvas de rendimento de grupos de bombagem 20213   curvas de rendimento de grupos de bombagem 2021
3 curvas de rendimento de grupos de bombagem 2021
 
Apresentação circuito rc (atualizado)
Apresentação circuito rc (atualizado)Apresentação circuito rc (atualizado)
Apresentação circuito rc (atualizado)
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
 
Selecao bombas
Selecao bombasSelecao bombas
Selecao bombas
 
T 395 ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
T 395   ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriaisT 395   ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
T 395 ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
 
Física 2 relatório Circuito RC
Física 2  relatório Circuito RCFísica 2  relatório Circuito RC
Física 2 relatório Circuito RC
 
Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e DimensionamentoRede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
 
Abastecimento de Água
Abastecimento de ÁguaAbastecimento de Água
Abastecimento de Água
 

Destaque

Energy Council Presentation 3 7 09
Energy Council Presentation 3 7 09Energy Council Presentation 3 7 09
Energy Council Presentation 3 7 09
jasbeach
 
Health Care Reform
Health Care ReformHealth Care Reform
Health Care Reform
Louiemiller
 
Pauerpoin Del Achraf
Pauerpoin Del AchrafPauerpoin Del Achraf
Pauerpoin Del Achrafachraf9
 
Making Of Bries
Making Of BriesMaking Of Bries
Making Of Bries
Robin van Egmond
 
Friend
FriendFriend
Friend
I.M.Dhokai
 
The Faux Pro Hershey Story Museum
The Faux Pro Hershey Story MuseumThe Faux Pro Hershey Story Museum
The Faux Pro Hershey Story Museum
Bernadette Forese
 
Suniture Zerodix Project
Suniture Zerodix ProjectSuniture Zerodix Project
Suniture Zerodix Project
Robin van Egmond
 
For You My Mates
For You My MatesFor You My Mates
For You My Mates
DeepakNarayanan
 

Destaque (8)

Energy Council Presentation 3 7 09
Energy Council Presentation 3 7 09Energy Council Presentation 3 7 09
Energy Council Presentation 3 7 09
 
Health Care Reform
Health Care ReformHealth Care Reform
Health Care Reform
 
Pauerpoin Del Achraf
Pauerpoin Del AchrafPauerpoin Del Achraf
Pauerpoin Del Achraf
 
Making Of Bries
Making Of BriesMaking Of Bries
Making Of Bries
 
Friend
FriendFriend
Friend
 
The Faux Pro Hershey Story Museum
The Faux Pro Hershey Story MuseumThe Faux Pro Hershey Story Museum
The Faux Pro Hershey Story Museum
 
Suniture Zerodix Project
Suniture Zerodix ProjectSuniture Zerodix Project
Suniture Zerodix Project
 
For You My Mates
For You My MatesFor You My Mates
For You My Mates
 

Semelhante a 327 estudo decaso5 enunciado

Exercicios e respostas
Exercicios e respostasExercicios e respostas
Exercicios e respostas
Lucas Pereira Leão
 
aula7_teoria.pdf
aula7_teoria.pdfaula7_teoria.pdf
aula7_teoria.pdf
ssuserae274c
 
Exercício de bomba e sistema de recalque
Exercício de bomba e sistema de recalqueExercício de bomba e sistema de recalque
Exercício de bomba e sistema de recalque
Natalia Ferreira
 
Exercicios hidraulicaprova1
Exercicios hidraulicaprova1Exercicios hidraulicaprova1
Exercicios hidraulicaprova1
Stefanny Costa
 
Revisão
RevisãoRevisão
Abastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptxAbastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptx
FernandoBonifcio3
 
Segundo relatório da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), a g...
Segundo relatório da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), a g...Segundo relatório da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), a g...
Segundo relatório da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), a g...
IntegrareAcademy2
 
A Eletrônica de Potência pode ser compeendida como uma ciência cujo objeto de...
A Eletrônica de Potência pode ser compeendida como uma ciência cujo objeto de...A Eletrônica de Potência pode ser compeendida como uma ciência cujo objeto de...
A Eletrônica de Potência pode ser compeendida como uma ciência cujo objeto de...
IntegrareAcademy2
 
2.c) Qual o modo de atuação do circuito se se o ângulo de disparo for ajustad...
2.c) Qual o modo de atuação do circuito se se o ângulo de disparo for ajustad...2.c) Qual o modo de atuação do circuito se se o ângulo de disparo for ajustad...
2.c) Qual o modo de atuação do circuito se se o ângulo de disparo for ajustad...
IntegrareAcademy2
 
Fato é que a tecnologia dos aerogeradores está crescendo ano a ano, onde as a...
Fato é que a tecnologia dos aerogeradores está crescendo ano a ano, onde as a...Fato é que a tecnologia dos aerogeradores está crescendo ano a ano, onde as a...
Fato é que a tecnologia dos aerogeradores está crescendo ano a ano, onde as a...
IntegrareAcademy2
 
Dados do circuito: D1, D2, D3, D4: Diodos ideais; Vs: Fonte de tensão...
Dados do circuito: D1, D2, D3, D4:         Diodos ideais; Vs: Fonte de tensão...Dados do circuito: D1, D2, D3, D4:         Diodos ideais; Vs: Fonte de tensão...
Dados do circuito: D1, D2, D3, D4: Diodos ideais; Vs: Fonte de tensão...
IntegrareAcademy2
 
1.2.d) Calcule a potência média dissipada na chave em relação ao ciclo de cha...
1.2.d) Calcule a potência média dissipada na chave em relação ao ciclo de cha...1.2.d) Calcule a potência média dissipada na chave em relação ao ciclo de cha...
1.2.d) Calcule a potência média dissipada na chave em relação ao ciclo de cha...
IntegrareAcademy2
 
1.2.c) Calcule a potência máxima dissipada durante a ligação da chave;
1.2.c) Calcule a potência máxima dissipada durante a ligação da chave;1.2.c) Calcule a potência máxima dissipada durante a ligação da chave;
1.2.c) Calcule a potência máxima dissipada durante a ligação da chave;
IntegrareAcademy2
 
são essenciais. Um diagrama de blocos pode ilustrar o sistema de geração de e...
são essenciais. Um diagrama de blocos pode ilustrar o sistema de geração de e...são essenciais. Um diagrama de blocos pode ilustrar o sistema de geração de e...
são essenciais. Um diagrama de blocos pode ilustrar o sistema de geração de e...
IntegrareAcademy2
 
O chaveamento remete ao fato de que as chaves estáticas “abrem e fecham” perm...
O chaveamento remete ao fato de que as chaves estáticas “abrem e fecham” perm...O chaveamento remete ao fato de que as chaves estáticas “abrem e fecham” perm...
O chaveamento remete ao fato de que as chaves estáticas “abrem e fecham” perm...
IntegrareAcademy2
 
ASSUNTO 1: CONTROLE DE POTÊNCIA DE FORNO INDUSTRIAL
ASSUNTO 1: CONTROLE DE POTÊNCIA DE FORNO INDUSTRIALASSUNTO 1: CONTROLE DE POTÊNCIA DE FORNO INDUSTRIAL
ASSUNTO 1: CONTROLE DE POTÊNCIA DE FORNO INDUSTRIAL
IntegrareAcademy2
 
1.1.c) A partir dos itens anteriores, qual o valor médio da potência na chave...
1.1.c) A partir dos itens anteriores, qual o valor médio da potência na chave...1.1.c) A partir dos itens anteriores, qual o valor médio da potência na chave...
1.1.c) A partir dos itens anteriores, qual o valor médio da potência na chave...
IntegrareAcademy2
 
Uma vez que entendemos uma das aplicações mais importantes dos circuitos reti...
Uma vez que entendemos uma das aplicações mais importantes dos circuitos reti...Uma vez que entendemos uma das aplicações mais importantes dos circuitos reti...
Uma vez que entendemos uma das aplicações mais importantes dos circuitos reti...
IntegrareAcademy2
 

Semelhante a 327 estudo decaso5 enunciado (18)

Exercicios e respostas
Exercicios e respostasExercicios e respostas
Exercicios e respostas
 
aula7_teoria.pdf
aula7_teoria.pdfaula7_teoria.pdf
aula7_teoria.pdf
 
Exercício de bomba e sistema de recalque
Exercício de bomba e sistema de recalqueExercício de bomba e sistema de recalque
Exercício de bomba e sistema de recalque
 
Exercicios hidraulicaprova1
Exercicios hidraulicaprova1Exercicios hidraulicaprova1
Exercicios hidraulicaprova1
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
Abastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptxAbastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptx
 
Segundo relatório da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), a g...
Segundo relatório da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), a g...Segundo relatório da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), a g...
Segundo relatório da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), a g...
 
A Eletrônica de Potência pode ser compeendida como uma ciência cujo objeto de...
A Eletrônica de Potência pode ser compeendida como uma ciência cujo objeto de...A Eletrônica de Potência pode ser compeendida como uma ciência cujo objeto de...
A Eletrônica de Potência pode ser compeendida como uma ciência cujo objeto de...
 
2.c) Qual o modo de atuação do circuito se se o ângulo de disparo for ajustad...
2.c) Qual o modo de atuação do circuito se se o ângulo de disparo for ajustad...2.c) Qual o modo de atuação do circuito se se o ângulo de disparo for ajustad...
2.c) Qual o modo de atuação do circuito se se o ângulo de disparo for ajustad...
 
Fato é que a tecnologia dos aerogeradores está crescendo ano a ano, onde as a...
Fato é que a tecnologia dos aerogeradores está crescendo ano a ano, onde as a...Fato é que a tecnologia dos aerogeradores está crescendo ano a ano, onde as a...
Fato é que a tecnologia dos aerogeradores está crescendo ano a ano, onde as a...
 
Dados do circuito: D1, D2, D3, D4: Diodos ideais; Vs: Fonte de tensão...
Dados do circuito: D1, D2, D3, D4:         Diodos ideais; Vs: Fonte de tensão...Dados do circuito: D1, D2, D3, D4:         Diodos ideais; Vs: Fonte de tensão...
Dados do circuito: D1, D2, D3, D4: Diodos ideais; Vs: Fonte de tensão...
 
1.2.d) Calcule a potência média dissipada na chave em relação ao ciclo de cha...
1.2.d) Calcule a potência média dissipada na chave em relação ao ciclo de cha...1.2.d) Calcule a potência média dissipada na chave em relação ao ciclo de cha...
1.2.d) Calcule a potência média dissipada na chave em relação ao ciclo de cha...
 
1.2.c) Calcule a potência máxima dissipada durante a ligação da chave;
1.2.c) Calcule a potência máxima dissipada durante a ligação da chave;1.2.c) Calcule a potência máxima dissipada durante a ligação da chave;
1.2.c) Calcule a potência máxima dissipada durante a ligação da chave;
 
são essenciais. Um diagrama de blocos pode ilustrar o sistema de geração de e...
são essenciais. Um diagrama de blocos pode ilustrar o sistema de geração de e...são essenciais. Um diagrama de blocos pode ilustrar o sistema de geração de e...
são essenciais. Um diagrama de blocos pode ilustrar o sistema de geração de e...
 
O chaveamento remete ao fato de que as chaves estáticas “abrem e fecham” perm...
O chaveamento remete ao fato de que as chaves estáticas “abrem e fecham” perm...O chaveamento remete ao fato de que as chaves estáticas “abrem e fecham” perm...
O chaveamento remete ao fato de que as chaves estáticas “abrem e fecham” perm...
 
ASSUNTO 1: CONTROLE DE POTÊNCIA DE FORNO INDUSTRIAL
ASSUNTO 1: CONTROLE DE POTÊNCIA DE FORNO INDUSTRIALASSUNTO 1: CONTROLE DE POTÊNCIA DE FORNO INDUSTRIAL
ASSUNTO 1: CONTROLE DE POTÊNCIA DE FORNO INDUSTRIAL
 
1.1.c) A partir dos itens anteriores, qual o valor médio da potência na chave...
1.1.c) A partir dos itens anteriores, qual o valor médio da potência na chave...1.1.c) A partir dos itens anteriores, qual o valor médio da potência na chave...
1.1.c) A partir dos itens anteriores, qual o valor médio da potência na chave...
 
Uma vez que entendemos uma das aplicações mais importantes dos circuitos reti...
Uma vez que entendemos uma das aplicações mais importantes dos circuitos reti...Uma vez que entendemos uma das aplicações mais importantes dos circuitos reti...
Uma vez que entendemos uma das aplicações mais importantes dos circuitos reti...
 

Último

Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
RafaelDantas32562
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 

Último (13)

Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 

327 estudo decaso5 enunciado

  • 1. Caso Prático 1  Caso Prático PEQUENAS USINAS HIDRELÉTRICAS
  • 2. Caso Práctico 2 Caso Prático PEQUENAS USINAS HIDRELÉTRICAS OBJETIVOS Com a resolução deste caso pratico pretende-se que o aluno possa realizar um estudo prévio de viabilidade tanto técnica quanto econômica da implantação de uma pequena usina hidráulica em uma localidade concreta, aplicando os conteúdos desenvolvidos no documento base do módulo “Energia Mini hidráulica” ou “Small Hydro Energy”. As tarefas a determinar são: Determinar o valor da queda bruta e líquida disponível. Dimensionar os seguintes componentes: canal de derivação e conduto forçado Determinar o tipo de turbina hidráulica e sua velocidade específica Determinar a relação da caixa multiplicadora de velocidade Determinar a potencia elétrica instalada da usina e a produção elétrica anual no ponto de conexão com a empresa distribuidora de energia Determinar: Fator de capacidade, índice de energia, índice de potencia e horas equivalentes de funcionamento Realizar um estudo de viabilidade econômica utilizando o programa RETScreen, obtendo o VAL e o TIR a 15 anos e o ‘Pay-Back’. Conclusões ENUNCIADO Projeto de uma pequena usina hidráulica tipo corrente com canal de derivação nas proximidades da cidade de Urcos, capital da província de Quispicanchi, Departamento de Cuzco, Peru. A cerca de 40km ao SE da cidade de Cuzco. O rio é o Vilcanota (Willcamayo em quéchua). O açude de concreto se encontra situado a uma quota de 3112,5 m.sn.m e não é considerado para a regulação da vazão. Sua função será a de reter um pequeno volume de água. A água, que não é derivada, corre pelo vertedouro de coroação a uma altura de 2,5m e uma quota de 3115 m.s.n.m e segue seu curso normal. Precisará de comportas para a regulação. O perfil do vertedouro é de tipo parabólico e dispõe de uma bacia de amortecimento de trampolim submergida. Figura 1.
  • 3. Caso Práctico 3 Figura 1. Detalhe do perfil do açude com vertedouro tipo parabólico O açude possuirá duas descargas de fundo e em sua embocadura estará situada uma válvula de fluxo oco para proceder ao esvaziamento quando se realizem operações de limpeza (segundo a normativa de represas) (figura 2). Figura 2. Localização das descargas de fundo no açude O açude permite a captação da vazão de desenho, com sua correspondente tomada de água situada na margem esquerda. A escada de peixes, tipo labirinto, estará situada na margem direita e formada por oito degraus com uma altura de 30 cm cada. O comprimento em coroação do vertedouro é de 20m, sendo o comprimento total até os extremos dos estribos de 40m. 3 m 2,5 m
  • 4. Caso Práctico 4 Pra regular a vazão derivada, estabelece-se uma comporta na entrada da tomada provida também de uma grade para evitar a entrada de obstáculos. Da tomada de água parte um canal aberto com forma retangular de concreto armado, construído sobre a rocha, com um comprimento total de 1814m e com uma inclinação de 0,5 metros por mil, até a câmara de carga da qual parte um conduto forçado de aço até o edifício da usina, construída por um único trecho reto de comprimento 189m. O edifício da usina estará situado na margem esquerda do rio, a uma quota de 3104,3 m.s.n.m. Uma vez turbinada, a água é devolvida ao curso do rio através de um canal de descarga a uma quota de 3103 m.s.n.m. A central projetada se conectaria através de uma linha aérea elétrica a 15 kV, com um comprimento de 3 km, a uma subestação localizada na população de Churubamba. Em anexo segue um arquivo tipo *.kmz (Google Earth) (figura 3) e uma imagem em formato .jpg com a localização (figura 4). Figura 3. Vista aérea da localização.
  • 5. Caso Práctico 5 Figura 4. Detalhe da localização do diferentes elementos. Os dados de vazões média mensais (Tabela 1) podem ser obtidos da estação hidrométrica mais próxima a nossa central, que é a de Pisac, a uma quota de 2971 m.s.n.m (13º26’latitude, 71º51’’longitude) e que dispõe de um medidor com forma de vertedouro de parede fina com linígrafo. O operador da estação hidrométrica é a SENAMHI. A precipitação média anual na bacia do rio Vilcanota é de 811 mm. A superfície da bacia é de 6911 km2. A vazão ecologia que concebemos, em observância ao previsto pelo Organismo da bacia hidrográfica ANA (Autoridade Nacional de Água do Peru), no trecho do rio aceito para manter o habitat da área é de 60% da vazão média do rio, durante todos os meses do ano. DADOS DE VAZÕES NATURAIS DA ESTAÇÃO DE PISAC (M3/S) Os dados de vazões naturais da estação de Pisac procedem do relatório da EGEMSA de junho de 2004. Rio Vilcanota Comporta
  • 6. Caso Práctico 6 Tabela 1. Dados de vazões médias mensais. A concessão de água permitida pelo Organismo da Bacia Hidrográfica ANA no Peru é de 3,78 m3/s. Portanto, este valor será a vazão de equipamento Qe de nossa usina. Observando os valores médios de vazões disponíveis em todos os meses do ano, a disponibilidade desta vazão durante todo o ano é de 100%. DADOS: Para dimensionar o canal de derivação: I = Inclinação longitudinal = 0,5 metros por mil n = coeficiente de rugosidade de Manning. Para revestimento de concreto 0,014 V = velocidade média de circulação da água pelo canal. Toma-se 1,37 m/s Longitude= 1814m Seção retangular de concreto armado Aplicar a condição de seção mais econômica Para o dimensionamento do conduto forçado Comprimento 189m Conduto de aço dúctil Velocidade máxima da água por seu interior 4 m/s P: pressão interior da água considerando sobrepressão por golpe do martelo de água (normalmente 6. 105 N/m2) σadm: tensão admissível de calculo (para o aço toma-se um valor de 2400 N/m2)
  • 7. Caso Práctico 7 Dados do gerador síncrono: Velocidade síncrona = 1500 rpm (2 pares de pólos) Tensão nominal = 3kV Rendimento = 0,97 cosφ = 0.88 Auto-excitação com excitatriz e diodos giratórios Dados de rendimento Rendimento do conduto hidráulico = 0,92 Rendimento caixa multiplicadora de velocidade = 0,97 Autoconsumo de 2% da potencia instalada = ( auto = 0,98) Rendimento do transformador principal de TP= 0,98 Rendimento da linha elétrica de saída L= 0,96 O equipamento eletromecânico estará formado pelos seguintes elementos Transformador principal de 3/15 kV. Grupo de conexão Dyn11 Linha elétrica aérea de 15 kV, comprimento 3km (até o povoado de Churubamba) Transformador de serviços auxiliares de 50kVA Equipamentos elétricos auxiliares e de tele-mando e controle Comportas (escada para peixes, tomada de água, câmara de carga e canal de restituição) Grupo óleo-hidráulico Válvula de descarga de fundo Válvula esférica na entrada da turbina Ponte guindaste Bancada de baterias Dados para o estudo de viabilidade econômica A estimativa de custo do investimento será obtida através do seguinte gráfico (figura 5): Figura 5. Estimativa de custo de investimento
  • 8. Caso Práctico 8 Preço venda do MWh 91 $/MWh (*) Custo de operação e manutenção (2% do custo de investimento)) Relação de dívida 80% Taxa de juros da dívida 2,5% Duração da dívida 10 anos Vida útil 40 anos (*) O preço de venda do MWh é um valor adotado segunda a tarifa atual de eletricidade no Peru Para a análise financeira, deverá ser utilizado o programa RETScreen da Natural Resources Canada (http://www.retscreen.net). Resolva o caso e compare com a resposta do caso resolvido que será entregue a você (esta atividade não é avaliável).