SlideShare uma empresa Scribd logo
31 maio as limitações dos discípulos irmão jin final
TEXTO ÁUREO
2
"E roguei aos teus discípulos que o
expulsassem, e não puderam."
(Lc 9.40)
VERDADE PRÁTICA
3
Ao longo de seu ministério, Jesus foi
seguido por homens simples,
imperfeitos e limitados, mas jamais
os descartou por isso.
OBJETIVOS
4
• Destacar que a melhor maneira de encher-se de fé é
pela oração e conhecimento da Palavra de Deus.
• Mostrar que o exclusivismo nada tem a ver com o
ensinamento de Jesus.
• Explicar o perigo de um coração avarento e suas
consequências.
• Estimular o perdão.
INTRODUÇÃO
5
• Os discípulos de Cristo demonstraram, em
certos momentos da vida, exclusivismo,
egoísmo, imaturidade, bairrismo, etc. Eles
erraram quando se esperava que acertassem
(Lc 9.40,41).
• Jesus censurou tais comportamentos e corrigiu
o grupo, mas não abandonou os discípulos.
Lucas 9
39 Eis que um espírito o toma, e de repente clama, e o despedaça
até espumar; e só o larga depois de o ter quebrantado.
40 E roguei aos teus discípulos que o expulsassem, e não puderam.
41 E Jesus, respondendo, disse: Ó geração incrédula e perversa!
Até quando estarei ainda convosco e vos sofrerei? Traze-me cá o
teu filho.
• Abraçamos a causa do
Evangelho por amor ou por
vantagens? ???prestígios?
6
I - LIDANDO COM A DÚVIDA
7
1. A oração e a fé.
• Logo após acalmar a tempestade no
mar da Galileia, Jesus perguntou aos
seus discípulos: "Onde está a vossa
fé?" (Lc 8.25).
• Essa não foi a única vez que o Senhor
censurou os discípulos por não
demonstrarem a fé necessária em
Deus.
I - LIDANDO COM A DÚVIDA
8
1. A oração e a fé.
• Quando viu a inoperância dos discípulos
frente a um menino endemoninhado, Ele
disse: "Ó geração incrédula e perversa! Até
quando estarei ainda convosco e vos
sofrerei?" (Lc 9.41).
• Há algo em comum nestas passagens
bíblicas - elas se relacionam com a vida
devocional dos discípulos.
I - LIDANDO COM A DÚVIDA
9
1. A oração e a fé.
A timidez mostrada durante a
travessia do mar da Galileia (Lc
8.25) e a falta de autoridade para
expelir o demônio do garoto eram
frutos de uma vida devocional
pobre.
I - LIDANDO COM A DÚVIDA
10
2. A Palavra de Deus e a fé.
• Se a falta de oração traz
incredulidade, por outro
lado, a falta de
conhecimento da Palavra de
Deus produz efeito
semelhante.
I - LIDANDO COM A DÚVIDA
11
2. A Palavra de Deus e a fé.
• Dois discípulos no caminho de Emaús (Lc
24.13-35).
• Depois de dialogar com eles, Jesus
percebeu o quanto eram incrédulos. O
Mestre reprovou a incredulidade dos
discípulos e os chamou de néscios, isto é,
desprovidos de conhecimento ou
discernimento (Lc 24.25).
Lucas 24
25 E ele lhes disse: Ó néscios e tardos de coração para crer tudo o
que os profetas disseram!
26 Porventura, não convinha que o Cristo padecesse essas coisas
e entrasse na sua glória?
I - LIDANDO COM A DÚVIDA
12
2. A Palavra de Deus e a fé.
I - LIDANDO COM A DÚVIDA
12
2. A Palavra de Deus e a fé.
• Dois discípulos no caminho de Emaús (Lc 24.13-35).
• Depois de dialogar com eles, Jesus percebeu o quanto
eram incrédulos. O Mestre reprovou a incredulidade dos
discípulos e os chamou de néscios, isto é, desprovidos de
conhecimento ou discernimento (Lc 24.25).
Lucas 24
25 E ele lhes disse: Ó néscios e tardos de coração para crer tudo o
que os profetas disseram!
26 Porventura, não convinha que o Cristo padecesse essas coisas e
entrasse na sua glória?
13
Alguns fatos marcam o capítulo 9 de Lucas.
• (1) a falta de poder dos discípulos para expulsar o demônio;
• (2) a falta de capacidade dos discípulos em compreender o
caminho do calvário de Jesus Cristo;
• (3) o orgulho dos discípulos;
• (4) a intolerância dos discípulos em relação a outros que não
andavam com eles.
Capítulo 9: vv.37-43; vv.44,45; vv.46-48; vv.49,50.
CONHEÇA MAIS
14
Os setenta
Um grupo notável eram os setenta
que Jesus enviou para preparar o
terreno para Ele nas cidades que
visitaria em seu caminho para
Jerusalém.
(Lc 10.1)
Lucas 10
1 E, depois disso, designou o Senhor ainda outros setenta e mandou-os
adiante da sua face, de dois em dois, a todas as cidades e lugares
aonde ele havia de ir.
2 E dizia-lhes: Grande é, em verdade, a seara, mas os obreiros são
poucos; rogai, pois, ao Senhor da seara que envie obreiros para a sua
seara.
3 Ide; eis que vos mando como cordeiros ao meio de lobos.
4 E não leveis bolsa, nem alforje, nem sandálias; e a ninguém saudeis
pelo caminho.
5 E, em qualquer casa onde entrardes, dizei primeiro: Paz seja nesta
casa.
Será que um discípulo de Cristo pode
adotar facilmente uma vida de renúncia
e de sofrimento por Ele?
15
II - LIDANDO COM A PRIMAZIA E O EXCLUSIVISMO
Suscitou-se entre os discípulos uma
discussão sobre qual deles seria o
maior...
16
1. Evitando a primazia.
Lucas 9
46 E suscitou-se entre eles uma discussão sobre qual deles seria
o maior.
47 Mas Jesus, vendo o pensamento do coração deles, tomou
uma criança, pô-la junto a si
48 e disse-lhes: Qualquer que receber esta criança em meu
nome recebe-me a mim; e qualquer que me recebe a mim
recebe o que me enviou; porque aquele que entre vós todos for
o menor, esse mesmo é grande.
II - LIDANDO COM A PRIMAZIA E O EXCLUSIVISMO
18
1. Evitando a primazia.
• O adjetivo comparativo meizon, traduzido como "maior", nesse
texto, mantém o sentido de "mais forte que".
II - LIDANDO COM A PRIMAZIA E O
EXCLUSIVISMO
• Infelizmente, muitos
problemas nas igrejas são
causados por leigos e
clérigos que querem
exercer a primazia.
19
1. Evitando a primazia.
II - LIDANDO COM A PRIMAZIA E O
EXCLUSIVISMO
• Jesus também
combateu o
exclusivismo
que se revela
através da
mentalidade de
um grupo
fechado.
(Lc 9.49,50).
20
2. Evitando o exclusivismo.
Lucas 9
49 E, respondendo João, disse: Mestre, vimos um
que em teu nome expulsava os demônios, e lho
proibimos, porque não te segue conosco.
50 E Jesus lhes disse: Não o proibais, porque quem
não é contra nós é por nós.
III - LIDANDO COM A AVAREZA
• Jesus acabara de incentivar seus
discípulos a dependerem do
Espírito Santo (Lc 12.12) quando
um homem que estava no meio
da multidão falou: "Mestre, dize a
meu irmão que reparta comigo a
herança" (Lc 12.13).
22
1. Valores invertidos.
III - LIDANDO COM A AVAREZA
• Aquela solicitação estava na
contramão dos ensinos de Cristo
e por isso recebeu a censura dEle:
"Homem, quem me pôs a mim
por juiz ou repartidor entre vós?“.
(Lc 12.14)
23
1. Valores invertidos.
III - LIDANDO COM A AVAREZA
• Ele estava preocupado com
a herança!
• Como muitos fazem hoje,
não estava preocupado em
seguir os ensinos de Cristo,
mas usá-lo como trampolim
para alcançar seu objetivo, a
satisfação material.
24
1. Valores invertidos.
III - LIDANDO COM A AVAREZA
• Logo a seguir, Jesus profere um dos
mais belos ensinamentos sobre
como deve ser a vida de um
verdadeiro discípulo.
(Lc 12.22-34).
25
26
III - LIDANDO COM A AVAREZA
• As palavras de Jesus também revelam duas maneiras de se
enxergar o mundo:
27
2. Evitando a ansiedade.
Como "os gentios do
mundo" (Lc 12.30)
entendem a
realidade à sua volta
Como os seus discípulos
deveriam agir diante das
mesmas circunstâncias.
• São duas cosmovisões totalmente diferentes e opostas entre si.
Enquanto uma interpreta a realidade da vida tomando por base os
valores meramente materiais, a outra a vê a partir de valores
absolutos e espirituais.
Lc 12:30 Porque os gentios
do mundo buscam todas
essas coisas; mas vosso Pai
sabe que necessitais delas.
IV - LIDANDO COM O RESSENTIMENTO
Jesus alertava os discípulos quanto aos malefícios da
falta de perdão e do ressentimento.
28
1. A necessidade do perdão.
3 Olhai por vós mesmos. E, se teu irmão pecar contra ti,
repreende-o; e, se ele se arrepender, perdoa-lhe;
4 e, se pecar contra ti sete vezes no dia e sete vezes no dia
vier ter contigo, dizendo: Arrependo-me, perdoa-lhe.
IV - LIDANDO COM O RESSENTIMENTO
• De fato, a Bíblia mostra que a raiz de amargura é um mal que deve
ser evitado a qualquer custo (Ef 4.31).
• A falta de perdão é vista como uma raiz que produz brotos
extremamente maléficos (Hb 12.15).
29
1. A necessidade do perdão
Ef 4:31 Toda amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmias, e toda
malícia seja tirada de entre vós.
Hb 12:15 Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus,
e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por
ela muitos se contaminem.
IV - LIDANDO COM O RESSENTIMENTO
" Olhai por vós mesmos. E, se teu
irmão pecar contra ti, repreende-o;
e, se ele se arrepender, perdoa-lhe;
e, se pecar contra ti sete vezes no
dia e sete vezes no dia vier ter
contigo, dizendo: Arrependo-me,
perdoa-lhe“. (Lc 17.3,4).
30
1. A necessidade do perdão.
IV - LIDANDO COM O RESSENTIMENTO
• Jesus foi categórico em dizer que quem
não perdoa também não será
perdoado:
"Se, porém, não perdoardes aos
homens as suas ofensas, também vosso Pai
vos não perdoará as vossas ofensas" (Mt
6.15).
31
2. Perdão, uma via de mão dupla.
Conclusões sobre as limitações:
• A incapacidade para enfrentar Satanás é justificada
pela falta de fé;
• A incredulidade dos discípulos no caminho de Emaús
é justificada pela falta de conhecimento das Escrituras;
• O desejo por grandeza e primazia é uma consequência
de terem se amoldado à cultura do mundo, e
• A falta de perdão existe por não se reconhecer a
natureza perdoadora do Pai celestial.
32
Próxima aula na EBD
07 de junho
33
31 maio as limitações dos discípulos irmão jin final

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

23 erros do pregador
23 erros do pregador23 erros do pregador
23 erros do pregador
adrianojose1983
 
A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (c. h. spurgeon)
A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (c. h. spurgeon)A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (c. h. spurgeon)
A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (c. h. spurgeon)
soarescastrodf
 
Mais erros que os pregadores devem evitar ciro sanches zibordi
Mais erros que os pregadores devem evitar   ciro sanches zibordiMais erros que os pregadores devem evitar   ciro sanches zibordi
Mais erros que os pregadores devem evitar ciro sanches zibordi
iriberto
 
A prática da homilética de joão wesley
A prática da homilética de joão wesleyA prática da homilética de joão wesley
A prática da homilética de joão wesley
Paulo Dias Nogueira
 
4 Motivos Para Você não ir Para Emaús
4 Motivos Para Você não ir Para Emaús4 Motivos Para Você não ir Para Emaús
4 Motivos Para Você não ir Para Emaús
Samuel Couto
 
Partilhando nossa Fé - Fev/2012
Partilhando nossa Fé - Fev/2012Partilhando nossa Fé - Fev/2012
Partilhando nossa Fé - Fev/2012
Petterson Dantas
 
Paulo de tarso
Paulo de tarsoPaulo de tarso
1981 maconaria do-outro-lado-da-luz-william-schnoebelen
1981 maconaria do-outro-lado-da-luz-william-schnoebelen1981 maconaria do-outro-lado-da-luz-william-schnoebelen
1981 maconaria do-outro-lado-da-luz-william-schnoebelen
José Silva
 
3 maçonaria - do outro lado da luz pdf
3   maçonaria - do outro lado da luz pdf3   maçonaria - do outro lado da luz pdf
3 maçonaria - do outro lado da luz pdf
Orlando Oliveira Júnior
 
A reforma-wesleyana-do-século-xvii
A reforma-wesleyana-do-século-xviiA reforma-wesleyana-do-século-xvii
A reforma-wesleyana-do-século-xvii
Paulo Dias Nogueira
 
(Creio as razões da nossa fé (1-)) - impressão
(Creio   as razões da nossa fé  (1-)) - impressão(Creio   as razões da nossa fé  (1-)) - impressão
(Creio as razões da nossa fé (1-)) - impressão
Fernando Catarino
 
ENTENDA A CONGREGAÇÃO CRISTÃ - VOLUME II (DELIBERAÇÕES DAS CONVENÇÕES DE 1965...
ENTENDA A CONGREGAÇÃO CRISTÃ - VOLUME II (DELIBERAÇÕES DAS CONVENÇÕES DE 1965...ENTENDA A CONGREGAÇÃO CRISTÃ - VOLUME II (DELIBERAÇÕES DAS CONVENÇÕES DE 1965...
ENTENDA A CONGREGAÇÃO CRISTÃ - VOLUME II (DELIBERAÇÕES DAS CONVENÇÕES DE 1965...
ESCRIBAVALDEMIR
 
Discipulando os enfermos_Lição_original com textos_512014
Discipulando os enfermos_Lição_original com textos_512014Discipulando os enfermos_Lição_original com textos_512014
Discipulando os enfermos_Lição_original com textos_512014
Gerson G. Ramos
 
17 10 2010
17 10 201017 10 2010
17 10 2010
Israel serique
 
O custo do discipulado_Lição_original com textos_1312014
O custo do discipulado_Lição_original com textos_1312014O custo do discipulado_Lição_original com textos_1312014
O custo do discipulado_Lição_original com textos_1312014
Gerson G. Ramos
 
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO
Natalino das Neves Neves
 
23 01 2011
23 01 201123 01 2011
23 01 2011
Israel serique
 
Pregação e pregadores (d.martin lloyd jones)
Pregação e pregadores (d.martin lloyd jones)Pregação e pregadores (d.martin lloyd jones)
Pregação e pregadores (d.martin lloyd jones)
ETENAC - Escola Teológica Nova Aliança em Cristo
 

Mais procurados (18)

23 erros do pregador
23 erros do pregador23 erros do pregador
23 erros do pregador
 
A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (c. h. spurgeon)
A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (c. h. spurgeon)A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (c. h. spurgeon)
A incredulidade humana não afeta a fidelidade eterna (c. h. spurgeon)
 
Mais erros que os pregadores devem evitar ciro sanches zibordi
Mais erros que os pregadores devem evitar   ciro sanches zibordiMais erros que os pregadores devem evitar   ciro sanches zibordi
Mais erros que os pregadores devem evitar ciro sanches zibordi
 
A prática da homilética de joão wesley
A prática da homilética de joão wesleyA prática da homilética de joão wesley
A prática da homilética de joão wesley
 
4 Motivos Para Você não ir Para Emaús
4 Motivos Para Você não ir Para Emaús4 Motivos Para Você não ir Para Emaús
4 Motivos Para Você não ir Para Emaús
 
Partilhando nossa Fé - Fev/2012
Partilhando nossa Fé - Fev/2012Partilhando nossa Fé - Fev/2012
Partilhando nossa Fé - Fev/2012
 
Paulo de tarso
Paulo de tarsoPaulo de tarso
Paulo de tarso
 
1981 maconaria do-outro-lado-da-luz-william-schnoebelen
1981 maconaria do-outro-lado-da-luz-william-schnoebelen1981 maconaria do-outro-lado-da-luz-william-schnoebelen
1981 maconaria do-outro-lado-da-luz-william-schnoebelen
 
3 maçonaria - do outro lado da luz pdf
3   maçonaria - do outro lado da luz pdf3   maçonaria - do outro lado da luz pdf
3 maçonaria - do outro lado da luz pdf
 
A reforma-wesleyana-do-século-xvii
A reforma-wesleyana-do-século-xviiA reforma-wesleyana-do-século-xvii
A reforma-wesleyana-do-século-xvii
 
(Creio as razões da nossa fé (1-)) - impressão
(Creio   as razões da nossa fé  (1-)) - impressão(Creio   as razões da nossa fé  (1-)) - impressão
(Creio as razões da nossa fé (1-)) - impressão
 
ENTENDA A CONGREGAÇÃO CRISTÃ - VOLUME II (DELIBERAÇÕES DAS CONVENÇÕES DE 1965...
ENTENDA A CONGREGAÇÃO CRISTÃ - VOLUME II (DELIBERAÇÕES DAS CONVENÇÕES DE 1965...ENTENDA A CONGREGAÇÃO CRISTÃ - VOLUME II (DELIBERAÇÕES DAS CONVENÇÕES DE 1965...
ENTENDA A CONGREGAÇÃO CRISTÃ - VOLUME II (DELIBERAÇÕES DAS CONVENÇÕES DE 1965...
 
Discipulando os enfermos_Lição_original com textos_512014
Discipulando os enfermos_Lição_original com textos_512014Discipulando os enfermos_Lição_original com textos_512014
Discipulando os enfermos_Lição_original com textos_512014
 
17 10 2010
17 10 201017 10 2010
17 10 2010
 
O custo do discipulado_Lição_original com textos_1312014
O custo do discipulado_Lição_original com textos_1312014O custo do discipulado_Lição_original com textos_1312014
O custo do discipulado_Lição_original com textos_1312014
 
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO
 
23 01 2011
23 01 201123 01 2011
23 01 2011
 
Pregação e pregadores (d.martin lloyd jones)
Pregação e pregadores (d.martin lloyd jones)Pregação e pregadores (d.martin lloyd jones)
Pregação e pregadores (d.martin lloyd jones)
 

Destaque

Marcos 009
Marcos   009Marcos   009
Marcos 009
Marcos Nori
 
Um libertador para Israel
Um libertador para IsraelUm libertador para Israel
Um libertador para Israel
Moisés Sampaio
 
O cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião puraO cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião pura
Moisés Sampaio
 
A infidelidade conjugal
A infidelidade conjugalA infidelidade conjugal
A infidelidade conjugal
Moisés Sampaio
 
A atualidade dos últimos conselhos de Tiago
A atualidade dos últimos conselhos de TiagoA atualidade dos últimos conselhos de Tiago
A atualidade dos últimos conselhos de Tiago
Moisés Sampaio
 
Outros Grandes Ensinos do Ministério de Jesus
Outros Grandes Ensinos do Ministério de JesusOutros Grandes Ensinos do Ministério de Jesus
Outros Grandes Ensinos do Ministério de Jesus
Rogério Nunes
 
Os pecados de omissão e de opressão
Os pecados de omissão e de opressãoOs pecados de omissão e de opressão
Os pecados de omissão e de opressão
Moisés Sampaio
 
Ajuda-nos na Nossa Incredulidade
Ajuda-nos na Nossa IncredulidadeAjuda-nos na Nossa Incredulidade
Ajuda-nos na Nossa Incredulidade
IBMemorialJC
 
O Deus que intervém na história
O Deus que intervém na históriaO Deus que intervém na história
O Deus que intervém na história
Moisés Sampaio
 
Deus abomina a soberba
Deus abomina a soberbaDeus abomina a soberba
Deus abomina a soberba
Moisés Sampaio
 
A alegria do salvo em Cristo
A alegria do salvo em CristoA alegria do salvo em Cristo
A alegria do salvo em Cristo
Moisés Sampaio
 
Integridade moral e espiritual - Introducao
Integridade moral e espiritual - IntroducaoIntegridade moral e espiritual - Introducao
Integridade moral e espiritual - Introducao
Moisés Sampaio
 
O propósito da tentação
O propósito da tentaçãoO propósito da tentação
O propósito da tentação
Moisés Sampaio
 
O ministério do pastor
O ministério do pastorO ministério do pastor
O ministério do pastor
Moisés Sampaio
 
A celebração da primeira páscoa
A celebração da primeira páscoaA celebração da primeira páscoa
A celebração da primeira páscoa
Moisés Sampaio
 
Daniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneoDaniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneo
Moisés Sampaio
 
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obrasTiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Moisés Sampaio
 
Família, criação de Deus
Família, criação de DeusFamília, criação de Deus
Família, criação de Deus
Moisés Sampaio
 
Moisés sua liderança e seus auxiliares
Moisés   sua liderança e seus auxiliaresMoisés   sua liderança e seus auxiliares
Moisés sua liderança e seus auxiliares
Moisés Sampaio
 
O diaconato
O diaconatoO diaconato
O diaconato
Moisés Sampaio
 

Destaque (20)

Marcos 009
Marcos   009Marcos   009
Marcos 009
 
Um libertador para Israel
Um libertador para IsraelUm libertador para Israel
Um libertador para Israel
 
O cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião puraO cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião pura
 
A infidelidade conjugal
A infidelidade conjugalA infidelidade conjugal
A infidelidade conjugal
 
A atualidade dos últimos conselhos de Tiago
A atualidade dos últimos conselhos de TiagoA atualidade dos últimos conselhos de Tiago
A atualidade dos últimos conselhos de Tiago
 
Outros Grandes Ensinos do Ministério de Jesus
Outros Grandes Ensinos do Ministério de JesusOutros Grandes Ensinos do Ministério de Jesus
Outros Grandes Ensinos do Ministério de Jesus
 
Os pecados de omissão e de opressão
Os pecados de omissão e de opressãoOs pecados de omissão e de opressão
Os pecados de omissão e de opressão
 
Ajuda-nos na Nossa Incredulidade
Ajuda-nos na Nossa IncredulidadeAjuda-nos na Nossa Incredulidade
Ajuda-nos na Nossa Incredulidade
 
O Deus que intervém na história
O Deus que intervém na históriaO Deus que intervém na história
O Deus que intervém na história
 
Deus abomina a soberba
Deus abomina a soberbaDeus abomina a soberba
Deus abomina a soberba
 
A alegria do salvo em Cristo
A alegria do salvo em CristoA alegria do salvo em Cristo
A alegria do salvo em Cristo
 
Integridade moral e espiritual - Introducao
Integridade moral e espiritual - IntroducaoIntegridade moral e espiritual - Introducao
Integridade moral e espiritual - Introducao
 
O propósito da tentação
O propósito da tentaçãoO propósito da tentação
O propósito da tentação
 
O ministério do pastor
O ministério do pastorO ministério do pastor
O ministério do pastor
 
A celebração da primeira páscoa
A celebração da primeira páscoaA celebração da primeira páscoa
A celebração da primeira páscoa
 
Daniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneoDaniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneo
 
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obrasTiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obras
 
Família, criação de Deus
Família, criação de DeusFamília, criação de Deus
Família, criação de Deus
 
Moisés sua liderança e seus auxiliares
Moisés   sua liderança e seus auxiliaresMoisés   sua liderança e seus auxiliares
Moisés sua liderança e seus auxiliares
 
O diaconato
O diaconatoO diaconato
O diaconato
 

Semelhante a 31 maio as limitações dos discípulos irmão jin final

2° trimestre 2015 lição 09
2° trimestre 2015   lição 092° trimestre 2015   lição 09
2° trimestre 2015 lição 09
ebdadultos
 
2° trimestre 2015 lição 09\; As limitações dos Discípulos.
2° trimestre 2015   lição 09\; As limitações dos Discípulos.2° trimestre 2015   lição 09\; As limitações dos Discípulos.
2° trimestre 2015 lição 09\; As limitações dos Discípulos.
Joel Silva
 
2° trimestre 2015 lição 09
2° trimestre 2015   lição 092° trimestre 2015   lição 09
2° trimestre 2015 lição 09
Joel Silva
 
2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
Joel Silva
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
Moisés Sampaio
 
As limitaçôes dos discpulos
As limitaçôes dos discpulosAs limitaçôes dos discpulos
As limitaçôes dos discpulos
José Nilson Virgino
 
LIÇÃO 09 - AS LIMITAÇÕES DOS DISCÍPULOS
LIÇÃO 09 - AS LIMITAÇÕES DOS DISCÍPULOSLIÇÃO 09 - AS LIMITAÇÕES DOS DISCÍPULOS
LIÇÃO 09 - AS LIMITAÇÕES DOS DISCÍPULOS
Lourinaldo Serafim
 
As Limitações dos Discipulos
As Limitações dos DiscipulosAs Limitações dos Discipulos
As Limitações dos Discipulos
Pr. Gerson Eller
 
(REVISTA E CORRIGIDA) Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com texto...
(REVISTA E CORRIGIDA) Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com texto...(REVISTA E CORRIGIDA) Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com texto...
(REVISTA E CORRIGIDA) Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com texto...
Gerson G. Ramos
 
Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com textos_922015
Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com textos_922015Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com textos_922015
Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com textos_922015
Gerson G. Ramos
 
A multidão e Jesus
A multidão e JesusA multidão e Jesus
A multidão e Jesus
Graça Maciel
 
“Falsos apóstolos, obreiros fraudulentos”
“Falsos apóstolos, obreiros fraudulentos”“Falsos apóstolos, obreiros fraudulentos”
“Falsos apóstolos, obreiros fraudulentos”
JUERP
 
o evangelho no mundo academico e politico
 o evangelho no mundo academico e politico o evangelho no mundo academico e politico
o evangelho no mundo academico e politico
Nivaldo R. Santos
 
Lição 12 - O processo de formação do discípulo II
Lição 12 - O processo de formação do discípulo IILição 12 - O processo de formação do discípulo II
Lição 12 - O processo de formação do discípulo II
Erberson Pinheiro
 
Comentário: 14º Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 14º Domingo do Tempo Comum - Ano BComentário: 14º Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 14º Domingo do Tempo Comum - Ano B
José Lima
 
5ª Aula para Formação de Discipuladores
5ª Aula para Formação de Discipuladores5ª Aula para Formação de Discipuladores
5ª Aula para Formação de Discipuladores
IBC de Jacarepaguá
 
Seguindo Jesus na vida diária_Lição_original com textos_1022015
Seguindo Jesus na vida diária_Lição_original com textos_1022015Seguindo Jesus na vida diária_Lição_original com textos_1022015
Seguindo Jesus na vida diária_Lição_original com textos_1022015
Gerson G. Ramos
 
Lição 12 - O processo de formação do discípulo II
Lição 12 - O processo de formação do discípulo IILição 12 - O processo de formação do discípulo II
Lição 12 - O processo de formação do discípulo II
Éder Tomé
 
Lição 9 - Um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9 - Um lugar de adoração a deus no desertoLição 9 - Um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9 - Um lugar de adoração a deus no deserto
Natalino das Neves Neves
 
EBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de Cristo
EBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de CristoEBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de Cristo
EBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de Cristo
André Ferreira
 

Semelhante a 31 maio as limitações dos discípulos irmão jin final (20)

2° trimestre 2015 lição 09
2° trimestre 2015   lição 092° trimestre 2015   lição 09
2° trimestre 2015 lição 09
 
2° trimestre 2015 lição 09\; As limitações dos Discípulos.
2° trimestre 2015   lição 09\; As limitações dos Discípulos.2° trimestre 2015   lição 09\; As limitações dos Discípulos.
2° trimestre 2015 lição 09\; As limitações dos Discípulos.
 
2° trimestre 2015 lição 09
2° trimestre 2015   lição 092° trimestre 2015   lição 09
2° trimestre 2015 lição 09
 
2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
 
As limitaçôes dos discpulos
As limitaçôes dos discpulosAs limitaçôes dos discpulos
As limitaçôes dos discpulos
 
LIÇÃO 09 - AS LIMITAÇÕES DOS DISCÍPULOS
LIÇÃO 09 - AS LIMITAÇÕES DOS DISCÍPULOSLIÇÃO 09 - AS LIMITAÇÕES DOS DISCÍPULOS
LIÇÃO 09 - AS LIMITAÇÕES DOS DISCÍPULOS
 
As Limitações dos Discipulos
As Limitações dos DiscipulosAs Limitações dos Discipulos
As Limitações dos Discipulos
 
(REVISTA E CORRIGIDA) Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com texto...
(REVISTA E CORRIGIDA) Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com texto...(REVISTA E CORRIGIDA) Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com texto...
(REVISTA E CORRIGIDA) Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com texto...
 
Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com textos_922015
Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com textos_922015Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com textos_922015
Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com textos_922015
 
A multidão e Jesus
A multidão e JesusA multidão e Jesus
A multidão e Jesus
 
“Falsos apóstolos, obreiros fraudulentos”
“Falsos apóstolos, obreiros fraudulentos”“Falsos apóstolos, obreiros fraudulentos”
“Falsos apóstolos, obreiros fraudulentos”
 
o evangelho no mundo academico e politico
 o evangelho no mundo academico e politico o evangelho no mundo academico e politico
o evangelho no mundo academico e politico
 
Lição 12 - O processo de formação do discípulo II
Lição 12 - O processo de formação do discípulo IILição 12 - O processo de formação do discípulo II
Lição 12 - O processo de formação do discípulo II
 
Comentário: 14º Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 14º Domingo do Tempo Comum - Ano BComentário: 14º Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 14º Domingo do Tempo Comum - Ano B
 
5ª Aula para Formação de Discipuladores
5ª Aula para Formação de Discipuladores5ª Aula para Formação de Discipuladores
5ª Aula para Formação de Discipuladores
 
Seguindo Jesus na vida diária_Lição_original com textos_1022015
Seguindo Jesus na vida diária_Lição_original com textos_1022015Seguindo Jesus na vida diária_Lição_original com textos_1022015
Seguindo Jesus na vida diária_Lição_original com textos_1022015
 
Lição 12 - O processo de formação do discípulo II
Lição 12 - O processo de formação do discípulo IILição 12 - O processo de formação do discípulo II
Lição 12 - O processo de formação do discípulo II
 
Lição 9 - Um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9 - Um lugar de adoração a deus no desertoLição 9 - Um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9 - Um lugar de adoração a deus no deserto
 
EBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de Cristo
EBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de CristoEBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de Cristo
EBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de Cristo
 

Mais de Jeronimo Nunes

licao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptx
licao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptxlicao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptx
licao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptx
Jeronimo Nunes
 
Licao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptx
Licao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptxLicao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptx
Licao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptx
Jeronimo Nunes
 
Do you speak global
Do you speak globalDo you speak global
Do you speak global
Jeronimo Nunes
 
O nascimento de jesus ibe 512 irmão jin
O nascimento de jesus ibe 512 irmão jinO nascimento de jesus ibe 512 irmão jin
O nascimento de jesus ibe 512 irmão jin
Jeronimo Nunes
 
Escatologia bíblica jin 17 jan final
Escatologia bíblica jin 17 jan finalEscatologia bíblica jin 17 jan final
Escatologia bíblica jin 17 jan final
Jeronimo Nunes
 
Lição 10 o líder diante da chegada da morte jin
Lição 10   o líder diante da chegada da morte jinLição 10   o líder diante da chegada da morte jin
Lição 10 o líder diante da chegada da morte jin
Jeronimo Nunes
 
Aula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jin
Aula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jinAula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jin
Aula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jin
Jeronimo Nunes
 
Apostasia, fidelidade e diligência no ministério lição 05 final irmão jin
Apostasia, fidelidade e diligência no ministério   lição 05 final irmão jinApostasia, fidelidade e diligência no ministério   lição 05 final irmão jin
Apostasia, fidelidade e diligência no ministério lição 05 final irmão jin
Jeronimo Nunes
 
A ressurreição de jesus irmão jin ibe
A ressurreição de jesus   irmão jin ibeA ressurreição de jesus   irmão jin ibe
A ressurreição de jesus irmão jin ibe
Jeronimo Nunes
 
A morte de jesus final Irmão JIN
A morte de jesus final Irmão JINA morte de jesus final Irmão JIN
A morte de jesus final Irmão JIN
Jeronimo Nunes
 
Manual xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principles
Manual  xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principlesManual  xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principles
Manual xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principles
Jeronimo Nunes
 
Dicionário de estudos bíblicos
Dicionário de estudos bíblicosDicionário de estudos bíblicos
Dicionário de estudos bíblicos
Jeronimo Nunes
 
O exemplo pessoal na educação dos filhos aula jin
O exemplo pessoal na educação dos filhos aula jinO exemplo pessoal na educação dos filhos aula jin
O exemplo pessoal na educação dos filhos aula jin
Jeronimo Nunes
 
Ibe 19 jan pragas divinas e faraó aula irm jin final
Ibe 19 jan pragas divinas e faraó  aula irm jin finalIbe 19 jan pragas divinas e faraó  aula irm jin final
Ibe 19 jan pragas divinas e faraó aula irm jin final
Jeronimo Nunes
 
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Jeronimo Nunes
 
O sacrifício que agrada a Deus
O sacrifício que agrada a DeusO sacrifício que agrada a Deus
O sacrifício que agrada a Deus
Jeronimo Nunes
 
CAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JIN
CAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JINCAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JIN
CAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JIN
Jeronimo Nunes
 
Família, um projeto de Deus (JIN).ppt
Família, um projeto de Deus (JIN).pptFamília, um projeto de Deus (JIN).ppt
Família, um projeto de Deus (JIN).ppt
Jeronimo Nunes
 
Eliseu e a escola de profetas (JIN)
Eliseu e a escola de profetas (JIN)Eliseu e a escola de profetas (JIN)
Eliseu e a escola de profetas (JIN)
Jeronimo Nunes
 
Os milagres de Eliseu (JIN)
Os milagres de  Eliseu (JIN)Os milagres de  Eliseu (JIN)
Os milagres de Eliseu (JIN)
Jeronimo Nunes
 

Mais de Jeronimo Nunes (20)

licao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptx
licao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptxlicao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptx
licao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptx
 
Licao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptx
Licao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptxLicao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptx
Licao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptx
 
Do you speak global
Do you speak globalDo you speak global
Do you speak global
 
O nascimento de jesus ibe 512 irmão jin
O nascimento de jesus ibe 512 irmão jinO nascimento de jesus ibe 512 irmão jin
O nascimento de jesus ibe 512 irmão jin
 
Escatologia bíblica jin 17 jan final
Escatologia bíblica jin 17 jan finalEscatologia bíblica jin 17 jan final
Escatologia bíblica jin 17 jan final
 
Lição 10 o líder diante da chegada da morte jin
Lição 10   o líder diante da chegada da morte jinLição 10   o líder diante da chegada da morte jin
Lição 10 o líder diante da chegada da morte jin
 
Aula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jin
Aula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jinAula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jin
Aula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jin
 
Apostasia, fidelidade e diligência no ministério lição 05 final irmão jin
Apostasia, fidelidade e diligência no ministério   lição 05 final irmão jinApostasia, fidelidade e diligência no ministério   lição 05 final irmão jin
Apostasia, fidelidade e diligência no ministério lição 05 final irmão jin
 
A ressurreição de jesus irmão jin ibe
A ressurreição de jesus   irmão jin ibeA ressurreição de jesus   irmão jin ibe
A ressurreição de jesus irmão jin ibe
 
A morte de jesus final Irmão JIN
A morte de jesus final Irmão JINA morte de jesus final Irmão JIN
A morte de jesus final Irmão JIN
 
Manual xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principles
Manual  xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principlesManual  xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principles
Manual xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principles
 
Dicionário de estudos bíblicos
Dicionário de estudos bíblicosDicionário de estudos bíblicos
Dicionário de estudos bíblicos
 
O exemplo pessoal na educação dos filhos aula jin
O exemplo pessoal na educação dos filhos aula jinO exemplo pessoal na educação dos filhos aula jin
O exemplo pessoal na educação dos filhos aula jin
 
Ibe 19 jan pragas divinas e faraó aula irm jin final
Ibe 19 jan pragas divinas e faraó  aula irm jin finalIbe 19 jan pragas divinas e faraó  aula irm jin final
Ibe 19 jan pragas divinas e faraó aula irm jin final
 
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
 
O sacrifício que agrada a Deus
O sacrifício que agrada a DeusO sacrifício que agrada a Deus
O sacrifício que agrada a Deus
 
CAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JIN
CAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JINCAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JIN
CAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JIN
 
Família, um projeto de Deus (JIN).ppt
Família, um projeto de Deus (JIN).pptFamília, um projeto de Deus (JIN).ppt
Família, um projeto de Deus (JIN).ppt
 
Eliseu e a escola de profetas (JIN)
Eliseu e a escola de profetas (JIN)Eliseu e a escola de profetas (JIN)
Eliseu e a escola de profetas (JIN)
 
Os milagres de Eliseu (JIN)
Os milagres de  Eliseu (JIN)Os milagres de  Eliseu (JIN)
Os milagres de Eliseu (JIN)
 

Último

Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 

Último (15)

Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 

31 maio as limitações dos discípulos irmão jin final

  • 2. TEXTO ÁUREO 2 "E roguei aos teus discípulos que o expulsassem, e não puderam." (Lc 9.40)
  • 3. VERDADE PRÁTICA 3 Ao longo de seu ministério, Jesus foi seguido por homens simples, imperfeitos e limitados, mas jamais os descartou por isso.
  • 4. OBJETIVOS 4 • Destacar que a melhor maneira de encher-se de fé é pela oração e conhecimento da Palavra de Deus. • Mostrar que o exclusivismo nada tem a ver com o ensinamento de Jesus. • Explicar o perigo de um coração avarento e suas consequências. • Estimular o perdão.
  • 5. INTRODUÇÃO 5 • Os discípulos de Cristo demonstraram, em certos momentos da vida, exclusivismo, egoísmo, imaturidade, bairrismo, etc. Eles erraram quando se esperava que acertassem (Lc 9.40,41). • Jesus censurou tais comportamentos e corrigiu o grupo, mas não abandonou os discípulos. Lucas 9 39 Eis que um espírito o toma, e de repente clama, e o despedaça até espumar; e só o larga depois de o ter quebrantado. 40 E roguei aos teus discípulos que o expulsassem, e não puderam. 41 E Jesus, respondendo, disse: Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei ainda convosco e vos sofrerei? Traze-me cá o teu filho.
  • 6. • Abraçamos a causa do Evangelho por amor ou por vantagens? ???prestígios? 6
  • 7. I - LIDANDO COM A DÚVIDA 7 1. A oração e a fé. • Logo após acalmar a tempestade no mar da Galileia, Jesus perguntou aos seus discípulos: "Onde está a vossa fé?" (Lc 8.25). • Essa não foi a única vez que o Senhor censurou os discípulos por não demonstrarem a fé necessária em Deus.
  • 8. I - LIDANDO COM A DÚVIDA 8 1. A oração e a fé. • Quando viu a inoperância dos discípulos frente a um menino endemoninhado, Ele disse: "Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei ainda convosco e vos sofrerei?" (Lc 9.41). • Há algo em comum nestas passagens bíblicas - elas se relacionam com a vida devocional dos discípulos.
  • 9. I - LIDANDO COM A DÚVIDA 9 1. A oração e a fé. A timidez mostrada durante a travessia do mar da Galileia (Lc 8.25) e a falta de autoridade para expelir o demônio do garoto eram frutos de uma vida devocional pobre.
  • 10. I - LIDANDO COM A DÚVIDA 10 2. A Palavra de Deus e a fé. • Se a falta de oração traz incredulidade, por outro lado, a falta de conhecimento da Palavra de Deus produz efeito semelhante.
  • 11. I - LIDANDO COM A DÚVIDA 11 2. A Palavra de Deus e a fé. • Dois discípulos no caminho de Emaús (Lc 24.13-35). • Depois de dialogar com eles, Jesus percebeu o quanto eram incrédulos. O Mestre reprovou a incredulidade dos discípulos e os chamou de néscios, isto é, desprovidos de conhecimento ou discernimento (Lc 24.25). Lucas 24 25 E ele lhes disse: Ó néscios e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! 26 Porventura, não convinha que o Cristo padecesse essas coisas e entrasse na sua glória?
  • 12. I - LIDANDO COM A DÚVIDA 12 2. A Palavra de Deus e a fé. I - LIDANDO COM A DÚVIDA 12 2. A Palavra de Deus e a fé. • Dois discípulos no caminho de Emaús (Lc 24.13-35). • Depois de dialogar com eles, Jesus percebeu o quanto eram incrédulos. O Mestre reprovou a incredulidade dos discípulos e os chamou de néscios, isto é, desprovidos de conhecimento ou discernimento (Lc 24.25). Lucas 24 25 E ele lhes disse: Ó néscios e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! 26 Porventura, não convinha que o Cristo padecesse essas coisas e entrasse na sua glória?
  • 13. 13 Alguns fatos marcam o capítulo 9 de Lucas. • (1) a falta de poder dos discípulos para expulsar o demônio; • (2) a falta de capacidade dos discípulos em compreender o caminho do calvário de Jesus Cristo; • (3) o orgulho dos discípulos; • (4) a intolerância dos discípulos em relação a outros que não andavam com eles. Capítulo 9: vv.37-43; vv.44,45; vv.46-48; vv.49,50.
  • 14. CONHEÇA MAIS 14 Os setenta Um grupo notável eram os setenta que Jesus enviou para preparar o terreno para Ele nas cidades que visitaria em seu caminho para Jerusalém. (Lc 10.1) Lucas 10 1 E, depois disso, designou o Senhor ainda outros setenta e mandou-os adiante da sua face, de dois em dois, a todas as cidades e lugares aonde ele havia de ir. 2 E dizia-lhes: Grande é, em verdade, a seara, mas os obreiros são poucos; rogai, pois, ao Senhor da seara que envie obreiros para a sua seara. 3 Ide; eis que vos mando como cordeiros ao meio de lobos. 4 E não leveis bolsa, nem alforje, nem sandálias; e a ninguém saudeis pelo caminho. 5 E, em qualquer casa onde entrardes, dizei primeiro: Paz seja nesta casa.
  • 15. Será que um discípulo de Cristo pode adotar facilmente uma vida de renúncia e de sofrimento por Ele? 15
  • 16. II - LIDANDO COM A PRIMAZIA E O EXCLUSIVISMO Suscitou-se entre os discípulos uma discussão sobre qual deles seria o maior... 16 1. Evitando a primazia.
  • 17. Lucas 9 46 E suscitou-se entre eles uma discussão sobre qual deles seria o maior. 47 Mas Jesus, vendo o pensamento do coração deles, tomou uma criança, pô-la junto a si 48 e disse-lhes: Qualquer que receber esta criança em meu nome recebe-me a mim; e qualquer que me recebe a mim recebe o que me enviou; porque aquele que entre vós todos for o menor, esse mesmo é grande.
  • 18. II - LIDANDO COM A PRIMAZIA E O EXCLUSIVISMO 18 1. Evitando a primazia. • O adjetivo comparativo meizon, traduzido como "maior", nesse texto, mantém o sentido de "mais forte que".
  • 19. II - LIDANDO COM A PRIMAZIA E O EXCLUSIVISMO • Infelizmente, muitos problemas nas igrejas são causados por leigos e clérigos que querem exercer a primazia. 19 1. Evitando a primazia.
  • 20. II - LIDANDO COM A PRIMAZIA E O EXCLUSIVISMO • Jesus também combateu o exclusivismo que se revela através da mentalidade de um grupo fechado. (Lc 9.49,50). 20 2. Evitando o exclusivismo.
  • 21. Lucas 9 49 E, respondendo João, disse: Mestre, vimos um que em teu nome expulsava os demônios, e lho proibimos, porque não te segue conosco. 50 E Jesus lhes disse: Não o proibais, porque quem não é contra nós é por nós.
  • 22. III - LIDANDO COM A AVAREZA • Jesus acabara de incentivar seus discípulos a dependerem do Espírito Santo (Lc 12.12) quando um homem que estava no meio da multidão falou: "Mestre, dize a meu irmão que reparta comigo a herança" (Lc 12.13). 22 1. Valores invertidos.
  • 23. III - LIDANDO COM A AVAREZA • Aquela solicitação estava na contramão dos ensinos de Cristo e por isso recebeu a censura dEle: "Homem, quem me pôs a mim por juiz ou repartidor entre vós?“. (Lc 12.14) 23 1. Valores invertidos.
  • 24. III - LIDANDO COM A AVAREZA • Ele estava preocupado com a herança! • Como muitos fazem hoje, não estava preocupado em seguir os ensinos de Cristo, mas usá-lo como trampolim para alcançar seu objetivo, a satisfação material. 24 1. Valores invertidos.
  • 25. III - LIDANDO COM A AVAREZA • Logo a seguir, Jesus profere um dos mais belos ensinamentos sobre como deve ser a vida de um verdadeiro discípulo. (Lc 12.22-34). 25
  • 26. 26
  • 27. III - LIDANDO COM A AVAREZA • As palavras de Jesus também revelam duas maneiras de se enxergar o mundo: 27 2. Evitando a ansiedade. Como "os gentios do mundo" (Lc 12.30) entendem a realidade à sua volta Como os seus discípulos deveriam agir diante das mesmas circunstâncias. • São duas cosmovisões totalmente diferentes e opostas entre si. Enquanto uma interpreta a realidade da vida tomando por base os valores meramente materiais, a outra a vê a partir de valores absolutos e espirituais. Lc 12:30 Porque os gentios do mundo buscam todas essas coisas; mas vosso Pai sabe que necessitais delas.
  • 28. IV - LIDANDO COM O RESSENTIMENTO Jesus alertava os discípulos quanto aos malefícios da falta de perdão e do ressentimento. 28 1. A necessidade do perdão. 3 Olhai por vós mesmos. E, se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; e, se ele se arrepender, perdoa-lhe; 4 e, se pecar contra ti sete vezes no dia e sete vezes no dia vier ter contigo, dizendo: Arrependo-me, perdoa-lhe.
  • 29. IV - LIDANDO COM O RESSENTIMENTO • De fato, a Bíblia mostra que a raiz de amargura é um mal que deve ser evitado a qualquer custo (Ef 4.31). • A falta de perdão é vista como uma raiz que produz brotos extremamente maléficos (Hb 12.15). 29 1. A necessidade do perdão Ef 4:31 Toda amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmias, e toda malícia seja tirada de entre vós. Hb 12:15 Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem.
  • 30. IV - LIDANDO COM O RESSENTIMENTO " Olhai por vós mesmos. E, se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; e, se ele se arrepender, perdoa-lhe; e, se pecar contra ti sete vezes no dia e sete vezes no dia vier ter contigo, dizendo: Arrependo-me, perdoa-lhe“. (Lc 17.3,4). 30 1. A necessidade do perdão.
  • 31. IV - LIDANDO COM O RESSENTIMENTO • Jesus foi categórico em dizer que quem não perdoa também não será perdoado: "Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas" (Mt 6.15). 31 2. Perdão, uma via de mão dupla.
  • 32. Conclusões sobre as limitações: • A incapacidade para enfrentar Satanás é justificada pela falta de fé; • A incredulidade dos discípulos no caminho de Emaús é justificada pela falta de conhecimento das Escrituras; • O desejo por grandeza e primazia é uma consequência de terem se amoldado à cultura do mundo, e • A falta de perdão existe por não se reconhecer a natureza perdoadora do Pai celestial. 32
  • 33. Próxima aula na EBD 07 de junho 33