SlideShare uma empresa Scribd logo
Rev. Ageu Magalhães
As Marcas da
Verdadeira Igreja
As Marcas da Verdadeira Igreja
As marcas para se conhecer a verdadeira igreja são estas:
Fidelidade na pregação do Evangelho
Correta administração dos sacramentos
Fiel exercício da disciplina eclesiástica
Em resumo, a verdadeira igreja se orienta sempre segundo a
Palavra de Deus, rejeitando todo o contrário a essa Palavra e
reconhecendo Jesus Cristo como o único cabeça.
As Marcas da Verdadeira Igreja
 A Confissão de Fé Escocesa, de 1560: “...nós cremos, confessamos e
declaramos que as marcas da verdadeira Igreja são, primeiro e
antes de tudo, a verdadeira pregação da Palavra de Deus, na qual
Deus mesmo se revelou a nós, como nos declaram os escritos dos
profetas e apóstolos; segundo, a correta administração dos
sacramentos de Jesus Cristo, os quais devem ser associados à
Palavra e à promessa de Deus para selá-las e confirmá-las em
nossos corações; e, finalmente, a disciplina eclesiástica
corretamente administrada, como prescreve a Palavra de Deus,
para reprimir o vício e estimular a virtude. Onde quer que essas
marcas se encontrem e continuem por algum tempo — ainda que o
número de pessoas não exceda de duas ou três — ali, sem dúvida
alguma, está a verdadeira Igreja de Cristo...” Artigo XVIII.
As Marcas da Verdadeira Igreja
“Quanto à falsa igreja, ela atribui mais poder e autoridade a si
mesma e a seus regulamentos do que à Palavra de Deus e não
quer submeter-se ao jugo de Cristo. Ela não administra os
sacramentos como Cristo ordenou em sua Palavra, mas
acrescenta ou elimina o que lhe convém. Ela se baseia mais
nos homens que em Cristo. Ela persegue aqueles que vivem
de maneira santa, conforme a Palavra de Deus, e que lhe
repreendem os pecados, a avareza e a idolatria.” (Confissão
Belga (1561), Editora Cultura Cristã, Art. 29, p. 27).
As Marcas da Verdadeira Igreja
"Onde quer que achemos a palavra de Deus puramente
pregada e ouvida, e os sacramentos administrados de acordo
com a instituição de Cristo, existe uma Igreja de Deus.“ (João
Calvino, Institutas, 4.2.3.)
 “... a santidade e a firmeza da igreja consistem,
principalmente, destas três coisas: doutrina, disciplina e
sacramentos vindo em quarto lugar as cerimônias para
exercitar as pessoas no dever da misericórdia.” (Calvino,
Resposta ao Cardeal Sadoleto, Felire, p. 32, 1539)
As Marcas da Verdadeira Igreja
I. Fidelidade na Pregação
Visto que a Bíblia é a Palavra de Deus, a igreja só é verdadeira
enquanto anda estritamente de acordo com esta Palavra.
Esta é a mais importante marca da Igreja. Quando esta marca
é encontrada, as outras duas, consequentemente, também o
são.
Berkhof: “Estritamente falando, pode-se dizer que a pregação
verdadeira da Palavra e seu reconhecimento como o modelo
da doutrina e da vida é a única marca da igreja. Sem ela não
há igreja, e ela determina a reta administração dos
sacramentos e o exercício fiel da disciplina eclesiástica.”
(Berkhof, Teologia Sistemática, 689).
As Marcas da Verdadeira Igreja
 Herman Hoeksema: “...podemos dizer que a única marca
importante distintiva da verdadeira igreja é a pura pregação
da Palavra de Deus. Onde a Palavra de Deus é pregada e
ouvida, ai está a igreja de Deus. Onde esta Palavra não é
pregada, aí a igreja não está presente. E aonde esta Palavra é
adulterada, a igreja deve ou arrepender-se ou morrerá.”
(Herman Hoeksema, Reformed Dogmatics, p. 620.)
A igreja só pode ser considerada verdadeira quando seus
discípulos permanecem na Palavra (João 8.31,32,47)
A forma pela qual a Igreja demonstra amor a Jesus é a guarda
da Palavra (João 14.23)
Tem a Deus aqueles que permanecem na sua doutrina (2 João
9) e nada acrescentam a ela (Gálatas 1.8,9).
As Marcas da Verdadeira Igreja
II. Correta Administração dos Sacramentos
O batismo e a santa ceia só têm valor quando administrados
de acordo com as instruções de Deus. E estas instruções são
encontradas na Bíblia. Logo, os sacramentos nunca devem se
divorciar da Palavra de Deus.
Os textos que dão base para esta marca são: Mateus 28.19;
Marcos 16.15,16; Atos 2.42; 1 Coríntios 11.23-30
Livro IV das Institutas
As Marcas da Verdadeira Igreja
III. Fiel Exercício da Disciplina
A disciplina é extremamente necessária para que seja mantida
a pureza na Igreja. Através dela, Deus, no decorrer dos
séculos, educou o seu povo.
“A disciplina na igreja é um dos principais meios que Deus usa
para corrigir e restaurar seus filhos, quando caem em pecado.
É também um modo pelo qual Ele mantém a unidade, pureza,
integridade e boa reputação da Igreja. Através de instrução,
admoestação, conselho e repreensão, tanto em público como
em particular e, em alguns casos...
As Marcas da Verdadeira Igreja
... até por meio de exclusão social ou remoção do rol de
membros, Deus corrige seus filhos desobedientes ou, então,
remove da igreja aqueles que não são realmente seus. O
próprio Senhor Jesus declarou ser a igreja o instrumento que
o céu emprega para executar essa difícil, porém necessária,
função (Mt 18.18-20)” (Jim Elliff & Daryl Wingerd, Disciplina
na Igreja, Editora Fiel).
As Marcas da Verdadeira Igreja
A disciplina é instrumento de santificação:
“A Escritura ensina que Deus é o autor da santificação. A obra
da santificação é atribuída à três pessoas da Trindade. Jesus
orou ao Pai: ‘Santifica-os na verdade’ (Jo 17.17), atribuindo,
assim, a santificação ao Pai. O autor de Hebreus faz o mesmo:
‘Eles [nossos pais] nos corrigiam por pouco tempo, segundo
melhor lhes parecia; Deus, porém, nos disciplina para
aproveitamento, a fim de sermos participantes de sua
santidade (12.10)...
As Marcas da Verdadeira Igreja
... ‘Disciplina’ (gr. paideuo, literalmente "treinamento da
criança") sugere coisas como sofrimento, adversidade e
perseguição. Já que o propósito da disciplina é que
partilhemos na santidade de Deus, concluímos que o processo
descrito é o da santificação, e que Deus talvez use coisas
como sofrimento e dor como meio de santificação. Aqui é dito
que Deus, ‘o Pai dos nossos espíritos, é o autor dessas
disciplinas.” (Anthony Hoekema, Salvos pela Graça).
As Marcas da Verdadeira Igreja
Textos base para a disciplina
 Hebreus 12.14-16
 Efésios 5.11
 Mateus 18.15-17
 1Co 5.1,2, 5-7, 11-13
 Gálatas 6.1,2
 Tiago 5.19,20
 1 Ts 5.14
 2 Ts 3.6,14,15
 1 Timóteo 5.20
 Provérbios 27.5
 Tito 3.10,11
 Romanos 16.17
 2 João 9-11
 2 Coríntios 7.9-11
As Marcas da Verdadeira Igreja
A disciplina na Igreja Presbiteriana do Brasil
Art.1º. A igreja reconhece o foro íntimo da consciência, que
escapa à sua jurisdição, e da qual só Deus é Juiz; mas
reconhece também o foro externo que está sujeito à sua
vigilância e observação.
Art. 2º. Disciplina eclesiástica é o exercício da jurisdição
espiritual da igreja sobre seus membros, aplicada de acordo
com a Palavra de Deus.
Parágrafo único. Toda disciplina visa edificar o povo de Deus,
corrigir escândalos, erros ou faltas, promover a honra de
Deus, a glória de Nosso Senhor Jesus Cristo e o próprio bem
dos culpados.
As Marcas da Verdadeira Igreja
Art. 9º. Os concílios só podem aplicar a pena de:
a) admoestação, que consiste em chamar à ordem o culpado,
verbalmente ou por escrito, de modo reservado, exortando-o
a corrigir-se;
b) afastamento, que em referência aos membros da igreja,
consiste em serem impedidos de comunhão; em referência,
porém, aos oficiais, consiste em serem impedidos do exercício
do seu ofício e, se for o caso, da comunhão da igreja.
As Marcas da Verdadeira Igreja
O afastamento deve dar-se quando o crédito da religião, a
honra de Cristo e o bem do faltoso o exigem, mesmo depois
de ter dado satisfação ao tribunal. Aplica-se por tempo
indeterminado, até o faltoso dar prova do seu
arrependimento, ou até que a sua conduta mostre a
necessidade de lhe ser imposta outra pena mais severa;
c) exclusão, que consiste em eliminar o faltoso da comunhão
da igreja. Esta pena só pode ser imposta quando o faltoso se
mostra incorrigível e contumaz;
d) deposição é a destituição de ministro, presbítero ou
diácono de seu ofício.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo
André Rocha
 
Livro de Salmos
Livro de SalmosLivro de Salmos
Livro de Salmos
profsempre
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igrejaLição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
Éder Tomé
 
Aula de pneumatologia
Aula de pneumatologiaAula de pneumatologia
Aula de pneumatologia
Alberto Nery
 
O Cânone Das Escrituras
O Cânone Das EscriturasO Cânone Das Escrituras
O Cânone Das Escrituras
DimensaoCatolica
 
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser SuestimadaLição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Éder Tomé
 
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais
Lição 2 - O Propósito dos Dons EspirituaisLição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais
Éder Tomé
 
1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia
faculdadeteologica
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Lição 10 - O discípulo e o discipulado
Lição 10 - O discípulo e o discipuladoLição 10 - O discípulo e o discipulado
Lição 10 - O discípulo e o discipulado
Erberson Pinheiro
 
Esperando a volta de jesus
Esperando a volta de jesusEsperando a volta de jesus
Esperando a volta de jesus
Márcio Martins
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
Viva a Igreja
 
Estudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoEstudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito Santo
Rodrigo Bomfim
 
Apostila de teologia sistemática
Apostila de teologia sistemáticaApostila de teologia sistemática
Apostila de teologia sistemática
Rita de Cássia Souza Santos
 
Aula 2 hamartiologia
Aula 2   hamartiologiaAula 2   hamartiologia
Aula 2 hamartiologia
magnao2
 
Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da Carne
Márcio Martins
 
Aula 1 - História da Bíblia
Aula 1 - História da BíbliaAula 1 - História da Bíblia
Aula 1 - História da Bíblia
Gustavo Zimmermann
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
Ricardo Gondim
 

Mais procurados (20)

A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo
 
Livro de Salmos
Livro de SalmosLivro de Salmos
Livro de Salmos
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
 
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igrejaLição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
 
Aula de pneumatologia
Aula de pneumatologiaAula de pneumatologia
Aula de pneumatologia
 
O Cânone Das Escrituras
O Cânone Das EscriturasO Cânone Das Escrituras
O Cânone Das Escrituras
 
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser SuestimadaLição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
 
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais
Lição 2 - O Propósito dos Dons EspirituaisLição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais
 
1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
 
Lição 10 - O discípulo e o discipulado
Lição 10 - O discípulo e o discipuladoLição 10 - O discípulo e o discipulado
Lição 10 - O discípulo e o discipulado
 
Esperando a volta de jesus
Esperando a volta de jesusEsperando a volta de jesus
Esperando a volta de jesus
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
Estudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoEstudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito Santo
 
Apostila de teologia sistemática
Apostila de teologia sistemáticaApostila de teologia sistemática
Apostila de teologia sistemática
 
Aula 2 hamartiologia
Aula 2   hamartiologiaAula 2   hamartiologia
Aula 2 hamartiologia
 
Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da Carne
 
Aula 1 - História da Bíblia
Aula 1 - História da BíbliaAula 1 - História da Bíblia
Aula 1 - História da Bíblia
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
 

Semelhante a 3. as marcas da verdadeira igreja

Ibadep administracao e lideranca
Ibadep   administracao e liderancaIbadep   administracao e lideranca
Ibadep administracao e lideranca
claudiosilva375
 
Lição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptx
Lição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptxLição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptx
Lição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptx
EdinaldoVieiradeSous
 
A ordem de deus bruce anstey
A ordem de deus   bruce ansteyA ordem de deus   bruce anstey
A ordem de deus bruce anstey
Jessé Ferreira
 
Bruce anstey-a-ordem-de-deus
Bruce anstey-a-ordem-de-deusBruce anstey-a-ordem-de-deus
Bruce anstey-a-ordem-de-deus
Alysson Pessoa Miranda
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
Paulo Kuke
 
Lição 3 - A Natureza da Igreja - Escola Bíblica Dominical.pptx
Lição 3 - A Natureza da Igreja - Escola Bíblica Dominical.pptxLição 3 - A Natureza da Igreja - Escola Bíblica Dominical.pptx
Lição 3 - A Natureza da Igreja - Escola Bíblica Dominical.pptx
Celso Napoleon
 
Discipulado lição 4 conhecendo a igreja
Discipulado lição 4 conhecendo a igrejaDiscipulado lição 4 conhecendo a igreja
Discipulado lição 4 conhecendo a igreja
Josue Lima
 
Razões da nossa fé lição 5
Razões da nossa fé   lição 5Razões da nossa fé   lição 5
Razões da nossa fé lição 5
Mariângela Domeniche Perdomo
 
Liçao 04
Liçao 04  Liçao 04
Liçao 04
Edson Soeiro
 
Liçao- 04
Liçao- 04  Liçao- 04
Liçao- 04
Edson Soeiro
 
Liçao-04
Liçao-04  Liçao-04
Liçao-04
Edson Soeiro
 
Os meios da graça
Os meios da graçaOs meios da graça
Os meios da graça
Guilherme Souza Oliveira
 
Princípios e ações bíblicas para o desenvolvimento da igreja
Princípios e ações bíblicas para o desenvolvimento da igrejaPrincípios e ações bíblicas para o desenvolvimento da igreja
Princípios e ações bíblicas para o desenvolvimento da igreja
Pastor Marcelo Silva
 
A MISSÃO DA IGREJA
A MISSÃO DA IGREJAA MISSÃO DA IGREJA
A MISSÃO DA IGREJA
Romildo Fernandes Gurgel Gurgel
 
As 10 marcas de uma igreja poderosa
As 10 marcas de uma igreja poderosaAs 10 marcas de uma igreja poderosa
As 10 marcas de uma igreja poderosa
Instituto Teológico Gamaliel
 
A igreja que deus deseja pedro júnior
A igreja que deus deseja   pedro júniorA igreja que deus deseja   pedro júnior
A igreja que deus deseja pedro júnior
Pedro Júnior
 
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
Pastor Eldo
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
Paulo Kuke
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
Paulo Kuke
 
Manual de Liturgia Assembleiana
Manual de Liturgia AssembleianaManual de Liturgia Assembleiana
Manual de Liturgia Assembleiana
Paulo Dias
 

Semelhante a 3. as marcas da verdadeira igreja (20)

Ibadep administracao e lideranca
Ibadep   administracao e liderancaIbadep   administracao e lideranca
Ibadep administracao e lideranca
 
Lição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptx
Lição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptxLição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptx
Lição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptx
 
A ordem de deus bruce anstey
A ordem de deus   bruce ansteyA ordem de deus   bruce anstey
A ordem de deus bruce anstey
 
Bruce anstey-a-ordem-de-deus
Bruce anstey-a-ordem-de-deusBruce anstey-a-ordem-de-deus
Bruce anstey-a-ordem-de-deus
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
 
Lição 3 - A Natureza da Igreja - Escola Bíblica Dominical.pptx
Lição 3 - A Natureza da Igreja - Escola Bíblica Dominical.pptxLição 3 - A Natureza da Igreja - Escola Bíblica Dominical.pptx
Lição 3 - A Natureza da Igreja - Escola Bíblica Dominical.pptx
 
Discipulado lição 4 conhecendo a igreja
Discipulado lição 4 conhecendo a igrejaDiscipulado lição 4 conhecendo a igreja
Discipulado lição 4 conhecendo a igreja
 
Razões da nossa fé lição 5
Razões da nossa fé   lição 5Razões da nossa fé   lição 5
Razões da nossa fé lição 5
 
Liçao 04
Liçao 04  Liçao 04
Liçao 04
 
Liçao- 04
Liçao- 04  Liçao- 04
Liçao- 04
 
Liçao-04
Liçao-04  Liçao-04
Liçao-04
 
Os meios da graça
Os meios da graçaOs meios da graça
Os meios da graça
 
Princípios e ações bíblicas para o desenvolvimento da igreja
Princípios e ações bíblicas para o desenvolvimento da igrejaPrincípios e ações bíblicas para o desenvolvimento da igreja
Princípios e ações bíblicas para o desenvolvimento da igreja
 
A MISSÃO DA IGREJA
A MISSÃO DA IGREJAA MISSÃO DA IGREJA
A MISSÃO DA IGREJA
 
As 10 marcas de uma igreja poderosa
As 10 marcas de uma igreja poderosaAs 10 marcas de uma igreja poderosa
As 10 marcas de uma igreja poderosa
 
A igreja que deus deseja pedro júnior
A igreja que deus deseja   pedro júniorA igreja que deus deseja   pedro júnior
A igreja que deus deseja pedro júnior
 
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
 
Manual de Liturgia Assembleiana
Manual de Liturgia AssembleianaManual de Liturgia Assembleiana
Manual de Liturgia Assembleiana
 

3. as marcas da verdadeira igreja

  • 1. Rev. Ageu Magalhães As Marcas da Verdadeira Igreja
  • 2. As Marcas da Verdadeira Igreja As marcas para se conhecer a verdadeira igreja são estas: Fidelidade na pregação do Evangelho Correta administração dos sacramentos Fiel exercício da disciplina eclesiástica Em resumo, a verdadeira igreja se orienta sempre segundo a Palavra de Deus, rejeitando todo o contrário a essa Palavra e reconhecendo Jesus Cristo como o único cabeça.
  • 3. As Marcas da Verdadeira Igreja  A Confissão de Fé Escocesa, de 1560: “...nós cremos, confessamos e declaramos que as marcas da verdadeira Igreja são, primeiro e antes de tudo, a verdadeira pregação da Palavra de Deus, na qual Deus mesmo se revelou a nós, como nos declaram os escritos dos profetas e apóstolos; segundo, a correta administração dos sacramentos de Jesus Cristo, os quais devem ser associados à Palavra e à promessa de Deus para selá-las e confirmá-las em nossos corações; e, finalmente, a disciplina eclesiástica corretamente administrada, como prescreve a Palavra de Deus, para reprimir o vício e estimular a virtude. Onde quer que essas marcas se encontrem e continuem por algum tempo — ainda que o número de pessoas não exceda de duas ou três — ali, sem dúvida alguma, está a verdadeira Igreja de Cristo...” Artigo XVIII.
  • 4. As Marcas da Verdadeira Igreja “Quanto à falsa igreja, ela atribui mais poder e autoridade a si mesma e a seus regulamentos do que à Palavra de Deus e não quer submeter-se ao jugo de Cristo. Ela não administra os sacramentos como Cristo ordenou em sua Palavra, mas acrescenta ou elimina o que lhe convém. Ela se baseia mais nos homens que em Cristo. Ela persegue aqueles que vivem de maneira santa, conforme a Palavra de Deus, e que lhe repreendem os pecados, a avareza e a idolatria.” (Confissão Belga (1561), Editora Cultura Cristã, Art. 29, p. 27).
  • 5. As Marcas da Verdadeira Igreja "Onde quer que achemos a palavra de Deus puramente pregada e ouvida, e os sacramentos administrados de acordo com a instituição de Cristo, existe uma Igreja de Deus.“ (João Calvino, Institutas, 4.2.3.)  “... a santidade e a firmeza da igreja consistem, principalmente, destas três coisas: doutrina, disciplina e sacramentos vindo em quarto lugar as cerimônias para exercitar as pessoas no dever da misericórdia.” (Calvino, Resposta ao Cardeal Sadoleto, Felire, p. 32, 1539)
  • 6. As Marcas da Verdadeira Igreja I. Fidelidade na Pregação Visto que a Bíblia é a Palavra de Deus, a igreja só é verdadeira enquanto anda estritamente de acordo com esta Palavra. Esta é a mais importante marca da Igreja. Quando esta marca é encontrada, as outras duas, consequentemente, também o são. Berkhof: “Estritamente falando, pode-se dizer que a pregação verdadeira da Palavra e seu reconhecimento como o modelo da doutrina e da vida é a única marca da igreja. Sem ela não há igreja, e ela determina a reta administração dos sacramentos e o exercício fiel da disciplina eclesiástica.” (Berkhof, Teologia Sistemática, 689).
  • 7. As Marcas da Verdadeira Igreja  Herman Hoeksema: “...podemos dizer que a única marca importante distintiva da verdadeira igreja é a pura pregação da Palavra de Deus. Onde a Palavra de Deus é pregada e ouvida, ai está a igreja de Deus. Onde esta Palavra não é pregada, aí a igreja não está presente. E aonde esta Palavra é adulterada, a igreja deve ou arrepender-se ou morrerá.” (Herman Hoeksema, Reformed Dogmatics, p. 620.) A igreja só pode ser considerada verdadeira quando seus discípulos permanecem na Palavra (João 8.31,32,47) A forma pela qual a Igreja demonstra amor a Jesus é a guarda da Palavra (João 14.23) Tem a Deus aqueles que permanecem na sua doutrina (2 João 9) e nada acrescentam a ela (Gálatas 1.8,9).
  • 8. As Marcas da Verdadeira Igreja II. Correta Administração dos Sacramentos O batismo e a santa ceia só têm valor quando administrados de acordo com as instruções de Deus. E estas instruções são encontradas na Bíblia. Logo, os sacramentos nunca devem se divorciar da Palavra de Deus. Os textos que dão base para esta marca são: Mateus 28.19; Marcos 16.15,16; Atos 2.42; 1 Coríntios 11.23-30 Livro IV das Institutas
  • 9. As Marcas da Verdadeira Igreja III. Fiel Exercício da Disciplina A disciplina é extremamente necessária para que seja mantida a pureza na Igreja. Através dela, Deus, no decorrer dos séculos, educou o seu povo. “A disciplina na igreja é um dos principais meios que Deus usa para corrigir e restaurar seus filhos, quando caem em pecado. É também um modo pelo qual Ele mantém a unidade, pureza, integridade e boa reputação da Igreja. Através de instrução, admoestação, conselho e repreensão, tanto em público como em particular e, em alguns casos...
  • 10. As Marcas da Verdadeira Igreja ... até por meio de exclusão social ou remoção do rol de membros, Deus corrige seus filhos desobedientes ou, então, remove da igreja aqueles que não são realmente seus. O próprio Senhor Jesus declarou ser a igreja o instrumento que o céu emprega para executar essa difícil, porém necessária, função (Mt 18.18-20)” (Jim Elliff & Daryl Wingerd, Disciplina na Igreja, Editora Fiel).
  • 11. As Marcas da Verdadeira Igreja A disciplina é instrumento de santificação: “A Escritura ensina que Deus é o autor da santificação. A obra da santificação é atribuída à três pessoas da Trindade. Jesus orou ao Pai: ‘Santifica-os na verdade’ (Jo 17.17), atribuindo, assim, a santificação ao Pai. O autor de Hebreus faz o mesmo: ‘Eles [nossos pais] nos corrigiam por pouco tempo, segundo melhor lhes parecia; Deus, porém, nos disciplina para aproveitamento, a fim de sermos participantes de sua santidade (12.10)...
  • 12. As Marcas da Verdadeira Igreja ... ‘Disciplina’ (gr. paideuo, literalmente "treinamento da criança") sugere coisas como sofrimento, adversidade e perseguição. Já que o propósito da disciplina é que partilhemos na santidade de Deus, concluímos que o processo descrito é o da santificação, e que Deus talvez use coisas como sofrimento e dor como meio de santificação. Aqui é dito que Deus, ‘o Pai dos nossos espíritos, é o autor dessas disciplinas.” (Anthony Hoekema, Salvos pela Graça).
  • 13. As Marcas da Verdadeira Igreja Textos base para a disciplina  Hebreus 12.14-16  Efésios 5.11  Mateus 18.15-17  1Co 5.1,2, 5-7, 11-13  Gálatas 6.1,2  Tiago 5.19,20  1 Ts 5.14  2 Ts 3.6,14,15  1 Timóteo 5.20  Provérbios 27.5  Tito 3.10,11  Romanos 16.17  2 João 9-11  2 Coríntios 7.9-11
  • 14. As Marcas da Verdadeira Igreja A disciplina na Igreja Presbiteriana do Brasil Art.1º. A igreja reconhece o foro íntimo da consciência, que escapa à sua jurisdição, e da qual só Deus é Juiz; mas reconhece também o foro externo que está sujeito à sua vigilância e observação. Art. 2º. Disciplina eclesiástica é o exercício da jurisdição espiritual da igreja sobre seus membros, aplicada de acordo com a Palavra de Deus. Parágrafo único. Toda disciplina visa edificar o povo de Deus, corrigir escândalos, erros ou faltas, promover a honra de Deus, a glória de Nosso Senhor Jesus Cristo e o próprio bem dos culpados.
  • 15. As Marcas da Verdadeira Igreja Art. 9º. Os concílios só podem aplicar a pena de: a) admoestação, que consiste em chamar à ordem o culpado, verbalmente ou por escrito, de modo reservado, exortando-o a corrigir-se; b) afastamento, que em referência aos membros da igreja, consiste em serem impedidos de comunhão; em referência, porém, aos oficiais, consiste em serem impedidos do exercício do seu ofício e, se for o caso, da comunhão da igreja.
  • 16. As Marcas da Verdadeira Igreja O afastamento deve dar-se quando o crédito da religião, a honra de Cristo e o bem do faltoso o exigem, mesmo depois de ter dado satisfação ao tribunal. Aplica-se por tempo indeterminado, até o faltoso dar prova do seu arrependimento, ou até que a sua conduta mostre a necessidade de lhe ser imposta outra pena mais severa; c) exclusão, que consiste em eliminar o faltoso da comunhão da igreja. Esta pena só pode ser imposta quando o faltoso se mostra incorrigível e contumaz; d) deposição é a destituição de ministro, presbítero ou diácono de seu ofício.