SlideShare uma empresa Scribd logo
1Ministério
da Saúde
MINISTÉRIO DA SAÚDE
Brasília – DF
2014
1ª edição
1ª reimpressão
2 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis
em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
3Ministério
da Saúde
MINISTÉRIO DA SAÚDE
Secretaria de Atenção à Saúde
Brasília-DF
2014
Aleitamento Materno,
Distribuição de Leites
e Fórmulas Infantis em
Estabelecimentos de
Saúde e a Legislação
1ª edição
1ª reimpressão
4 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis
em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
2012 Ministério da Saúde.
Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons – Atribuição – Não Comercial –
Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida a reprodução parcial ou total
desta obra, desde que citada a fonte.
A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual
em Saúde do Ministério da Saúde: <www.saude.gov.br/bvs>. O conteúdo desta e de outras obras da Editora do Ministério da
Saúde pode ser acessado na página: <http://editora.saude.gov.br>.
Elaboração, distribuição e informações
MINISTÉRIO DA SAÚDE
Secretaria de Atenção à Saúde
Departamento de Atenção Básica
Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição
Edifício Premium, SAF Sul, Quadra 2, Lote 5/6, Bloco II, Subsolo
CEP: 70.070-600, Brasília – DF
Fone: (61) 3315-9044 / 6606-8044
E-mail: dab@saude.gov.br
Site: www.saude.gov.br/dab
http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/area.cfm?id_area=962#
Secretaria de Atenção à Saúde
Departamento de Ações Programáticas Estratégicas
Coordenação-Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno
SAF/Sul, Trecho 02, Lote 05/06 - Torre II - Edifício
Premium - Bloco 02 1º Subsolo - Sala 01
CEP: 70070-600, Brasília/DF
Telefone (61) 3315.9070
E-mail: crianca@saude.gov.br
Site: www.saude.gov.br/crianca
Supervisão Geral
Paulo Vicente Bonilha Almeida
Patrícia Constante Jaime
Coordenação Técnica Geral
Paulo Vicente Bonilha Almeida
Patrícia Constante Jaime
Impresso no Brasil / Printed in Brazil
Revisão Técnica
Amanda Souza Moura
Ana Carolina Feldenheimer
Carolina Belomo de Souza
Fernanda Ramos Monteiro
Gisele Ane Bortolini
Neide Maria da Silva Cruz
Elaboração Técnica
Amanda Souza Moura
Ana Carolina Feldenheimer
Carolina Belomo de Souza
Fernanda Ramos Monteiro
Gisele Ane Bortolini
Neide Maria da Silva Cruz
Projeto Gráfico e Capa
Alisson Sbrana - MS
Normalização
Marjorie Fernandes Gonçalves - MS
Ficha Catalográfica
_______________________________________________________________________________________________________
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em estabelecimentos de saúde e a legislação / Ministério
da Saúde. Secretaria Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Departamento de Atenção
Básica. – 1. ed.; 1. reimpr. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014.
28 p.
ISBN 978-85-334-1935-3
1. Aleitamento materno. 2. Fórmulas infantis. 3. Leite. I. Título.	
CDU 613.287.1
_______________________________________________________________________________________________________
Catalogação na fonte – Coordenação-Geral de Documentação e Informação – Editora MS – 2014/0443
Títulos para indexação:
Em inglês: Breastfeeding. Distribution of Milk and Infant Formulas in Health Establishments and Legislation
Em espanhol: Lactancia Materna. La Distribución de leches y preparados infantiles en Establecimientos de Salud y La Legislación.
Tiragem:1ª edição – 1ª reimpressão – 2014 – 10.000 exemplares
5Ministério
da Saúde
e Fórmulas Infan
Estabelecimentos
Saúde e a LegislaSUMÁRIO
APRESENTAÇÃO
1 INTRODUÇÃO
2 INDICADORES NACIONAIS DE ALEITAMENTO MATERNO
3 PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E APOIO AO ALEITAMENTO
MATERNO E AS POLITICAS DE SAÚDE
3.1 POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E
APOIO AO ALEITAMENTO MATERNO
3.2 POLÍTICA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO –
PNAN
3.3 PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA
QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ-AB)
4 LEITE MATERNO, FÓRMULAS INFANTIS E LEITES
ARTIFICIAIS
5 PROTEÇÃO LEGAL
6 CONCLUSÃO
REFERÊNCIAS
7
8
11
13
13
14
15
17
19
21
24
6 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis
em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
7Ministério
da Saúde
Aleitamento M
Distribuição d
e Fórmulas In
Estabelecimen
APRESENTAÇÃO
Em decorrência da existência de projetos de Prefeituras
Municipais propondo a distribuição de fórmulas e leites
artificiais para crianças na faixa etária de 0-24 meses, a Área
Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno/DAPES/
SAS e a Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição/DAB/
SAS elaboraram a presente nota técnica que discorre sobre a
distribuição de leites e fórmulas infantis em estabelecimentos
de saúde.
Objetiva esclarecer a intervenção e o impacto que
a distribuição de fórmulas infantis e leites artificiais, em
estabelecimentos de saúde tem na promoção, proteção e apoio
ao aleitamento materno.
8 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis
em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
rmulas Infantis em
belecimentos de
de e a Legislação
1 INTRODUÇÃO
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS)
e o Ministério da Saúde (MS), as crianças com até seis meses de
vida devem ser alimentadas exclusivamente com leite materno,
sem outros líquidos ou sólidos, com exceção de gotas ou xaropes
contendo vitaminas, sais de reidratação oral, suplementos
mineraisemedicamentos;equeapósosseismesesoaleitamento
seja complementado com outros alimentos de forma oportuna e
saudável até os dois anos ou mais.
A mortalidade infantil é uma grande preocupação
da Saúde Pública, e combatê-la é parte de uma série de
compromissos assumidos pelo Brasil, como os Objetivos de
Desenvolvimento do Milênio (ODM), Pacto de Redução da
Mortalidade Materna e Neonatal, Pacto pela Redução da
Mortalidade Infantil no Nordeste e Amazônia Legal e, no
presente momento, com a Rede Cegonha.
De 1990 a 2007 a taxa de mortalidade infantil no Brasil
apresentou tendência de queda, passando de 47,1/1000
nascidos vivos em 1990 para 19,3/1000 em 2007, com uma
redução média de 59,0%. Apesar do declínio, os níveis atuais são
considerados elevados e incompatíveis com o desenvolvimento
9Ministério
da Saúde
m
doPaís,poisataxaatualésemelhanteadospaísesdesenvolvidos
no final da década de 60, e cerca de três a seis vezes maior
do que a de países como o Japão, Canadá, Cuba, Chile e Costa
Rica, que apresentam taxas entre 3 e 10/1000 nascidos vivos,
segundo dados do Fundo das Nações Unidas Para a Infância
(UNICEF, 2008).
O declínio da mortalidade infantil no Brasil é resultado
de um conjunto de fatores, em especial o aumento das taxas
de amamentação, visto que, em todo o mundo, o aleitamento
materno reduz em até 13% as mortes de crianças menores de
cinco anos por causas evitáveis.
Vários são os argumentos que favorecem a prática da
amamentação, valendo ressaltar que as crianças de menor nível
socioeconômico são as mais vulneráveis e que o leite materno,
além de proteger contra várias infecções, apresenta benefícios
em longo prazo na diminuição dos riscos de doenças crônicas
decorrentes da alimentação inadequada, como obesidade,
hipertensão e dislipidemias, assim como o diabetes melittus tipo
I, estimando-se, nesse último caso, que 30% das ocorrências
poderiam ser prevenidas se 90% das crianças até três meses não
recebessem leite de vaca (GERSTEIN, 1994 apud BRASIL, 2009c).
10 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis
em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
Aleitamento Mater
Distribuição de Lei
e Fórmulas Infantis
Estabelecimentos d
Saúde e a Legislaç
Segundo o Ministério da Saúde, o gasto médio mensal
com a compra de leite para alimentar um bebê nos primeiros
seis meses de vida no Brasil, em 2004, variou de 38% a
133% do salário-mínimo, dependendo da marca da fórmula
infantil, acrescentando-se, ainda, a esse gasto, os custos com
mamadeiras, bicos, gás de cozinha, além de eventuais gastos
decorrentes de doenças, que são mais comuns em crianças
não amamentadas. Não amamentar pode significar sacrifícios
financeiros para a família, sendo que essa economia nos
gastos poderia ser utilizada em outras despesas da família,
proporcionando um maior bem estar social (BRASIL, 2009c).
11Ministério
da Saúde
rno,
ites
s em
de
ção
2 INDICADORES NACIONAIS DE ALEITAMENTO
MATERNO
Na última década, o Brasil realizou Pesquisas Nacionais
de Prevalência de Aleitamento Materno, que tiveram por
objetivo verificar a evolução dos indicadores de aleitamento
materno e da alimentação complementar no período de 1999
a 2008, de identificar grupos populacionais mais vulneráveis
à interrupção da amamentação e avaliar práticas alimentares
saudáveis e não saudáveis. No conjunto das capitais brasileiras
e DF, referente ao aleitamento materno exclusivo, constatou-
se aumento da prevalência em menores de quatro meses, de
35,5% em 1999, para 51,2% em 2008, sendo que na última
pesquisa, em 2008, houve uma prevalência em menores de seis
meses, de 41%. A comparação do percentual de crianças entre 9
e 12 meses amamentadas, entre 1999 e 2008, também mostrou
aumento, passando de 42,4%, em 1999, para 58,7%, em 2008.
É importante ressaltar que na pesquisa de 2008, constatou-
se introdução precoce de água, chás e outros leites com
13,8%, 15,3% e 17,8% das crianças recebendo esses líquidos,
respectivamente, já no primeiro mês de vida. Dados de 2010 do
Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) apontam
que 48% das crianças de 6 meses a 2 anos, que frequentam
12 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis
em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
Aleitame
Distribu
e Fórmu
Unidades Básicas de Saúde, já consomem leites ou leites com
farinha nessa faixa etária. Apesar do avanço significativo nos
índices do aleitamento materno, percebe-se que o Brasil ainda
está distante do cumprimento das metas propostas pela OMS.
Acerca do estado nutricional das crianças, a Pesquisa
Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher (PNDS)
de 2006, apontou que, no Brasil, houve uma prevalência de
baixo peso para a estatura em crianças menores de 5 anos de
1,6%, baixa estatura para a idade de 6,8% e excesso de peso
de 7,4%, demonstrando a transição nutricional que segue do
declínio da desnutrição para a tendência à obesidade infantil
(BRASIL, 2010a).
13Ministério
da Saúde
ento Materno,
uição de Leites
ulas Infantis em
de
3 PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E APOIO AO
ALEITAMENTO MATERNO E AS POLITICAS DE
SAÚDE
3.1 POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO,
PROTEÇÃO E APOIO AO ALEITAMENTO MATERNO
O Brasil vem desenvolvendo ao longo de 30 anos ações
de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno, um
esforço no sentido de aumentar as taxas de amamentação
no país. Nos últimos anos esse empenho tem enfoque,
especialmente, no âmbito hospitalar com a normatização
do sistema de alojamento conjunto, estabelecimento de
normas para o funcionamento de bancos de leite humano,
a implementação da Iniciativa Hospital Amigo da Criança
(IHAC) e a interrupção da distribuição de “substitutos” de leite
materno nos serviços de saúde. No eixo da atenção básica,
alguns municípios e estados brasileiros já desenvolviam ações
de promoção do AM em Unidades Básicas de Saúde (UBS), no
entanto sentiu-se a necessidade de criar uma estratégia em
nível nacional para promover o AM nas UBS. Com isso, em
2008 instituiu-se a Rede Amamenta Brasil, uma importante
estratégia de promoção, proteção e apoio ao AM na atenção
básica. Visando ainda, abranger o apoio ao AM para todas as
14 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis
em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
aterno,
e Leites
antis em
tos de
slação
realidades, em 2010 o Ministério da Saúde criou a iniciativa
de promover a implantação de salas de apoio à amamentação
em empresas, com o intuito de incentivar a continuidade da
amamentação mesmo após o retorno da mulher ao trabalho.
3.2 POLÍTICA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO E
NUTRIÇÃO – PNAN
A PNAN apresenta-se com o propósito de melhorar
as condições de alimentação, nutrição e saúde da população
brasileira. Ela está organizada em diretrizes que abrangem o
escopo da atenção nutricional no Sistema Único de Saúde com
foco na vigilância, promoção, prevenção e cuidado integral dos
agravos relacionados à alimentação e nutrição.
O aleitamento materno é a primeira prática alimentar
a ser recomendada para a promoção da saúde e adequado
desenvolvimento infantil, devendo ser complementado a partir
dos seis meses de vida até os dois anos ou mais. A introdução
de outros alimentos na alimentação infantil deve ocorrer em
momento oportuno, em quantidade e qualidade adequadas
às fases do desenvolvimento infantil. Nesse período ocorre a
formação dos hábitos alimentares e a correta introdução dos
alimentos tem importante papel na promoção da saúde além
15Ministério
da Saúde
de proteger a criança de deficiências de micronutrientes e
doenças crônicas na idade adulta.
Nesse sentido, algumas ações desenvolvidas pelo
Ministério da Saúde, que estão inseridas no contexto da PNAN
e da Política Nacional de Atenção Básica (PNAB), também se
somamàpromoçãodoaleitamentomaterno,comoapublicação
dos “Dez Passos para uma Alimentação Saudável – Guia
Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos”, implementado
a partir de 2009, com a proposta da Estratégia Nacional para
Alimentação Complementar Saudável– ENPACS, que tem como
objetivo incentivar a orientação da alimentação complementar
para crianças menores de dois anos, atendidas em UBS.
3.3 PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO
ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA
(PMAQ-AB)
O Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da
Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) traduz-se em esforço
recente da Política Nacional de Atenção Básica de induzir a
ampliação do acesso e a melhoria da qualidade da atenção
básica, com garantia de um padrão de qualidade comparável
nacional, regional e localmente de maneira a permitir maior
16 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis
em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
Aleitamento Mat
Distribuição de L
e Fórmulas Infan
Estabelecimento
l
transparência e efetividade das ações governamentais
direcionadas à Atenção Básica em Saúde.
Um importante padrão de qualidade definido diz
respeito ao desenvolvimento, pelas equipes de Atenção
Básica, de ações sistemáticas, coletivas e individuais, desde o
pré‐natal até os 2 anos de vida da criança, para incentivar e
orientar o aleitamento materno e a introdução de alimentação
complementar saudável.
Para contemplar esse padrão de qualidade, as equipes
de saúde devem, entre outros, conhecer os 10 (dez) passos
para a alimentação saudável de crianças menores de dois anos;
promover o aleitamento materno e a introdução de outros
alimentos saudáveis; recomendar o aleitamento materno
exclusivo até os seis primeiros meses de vida da criança e a partir
do sexto mês a alimentação complementar, compreendendo
esse processo em seu contexto sociocultural e familiar.
17Ministério
da Saúde
terno,
Leites
ntis em
os de
lação
4 LEITE MATERNO, FÓRMULAS INFANTIS E
LEITES ARTIFICIAIS
Estudos científicos comprovam a importância e a
superioridade do leite materno em relação aos leites de outras
espécies; a introdução precoce de outros alimentos (antes do
sexto mês) pode estar associada a um aumento de episódios
de diarreia, hospitalizações por doença respiratória, diminuição
na absorção de minerais como o ferro e o zinco, importantes
para o crescimento e desenvolvimento infantil, e pelo maior
risco de desnutrição, tanto pela possibilidade da hiperdiluição
das fórmulas lácteas, como pela oferta inadequada de outros
alimentos.
Com relação às proteínas o que mais diferencia o leite
de vaca do leite humano (LH) é o tipo e quantidade deste
nutriente. O leite de vaca possui três vezes mais proteína que
o LH, sobrecarregando os rins quando consumido em alta
quantidade, aumentando a excreção de cálcio pela urina. O leite
de vaca possui ainda uma proteína potencialmente alergênica,
a betalactoglobulina.
As fórmulas infantis foram criadas com o intuito de se
assemelhar ao leite materno, no entanto sua composição não
18 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis
em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
Aleitamento
Distribuição
e Fórmulas
Estabelecim
se iguala as propriedades fisiológicas do LH, que são específicas
da mãe para o próprio filho. As fontes de carboidratos, proteínas
e outros componentes presentes nas fórmulas infantis diferem
em identidade e qualidade dos componentes do LH.
19Ministério
da Saúde
o Materno,
o de Leites
Infantis em
mentos de
o
5 PROTEÇÃO LEGAL
Além das ações de promoção e apoio à Amamentação,
importantes medidas foram criadas com o intuito de proteger
legalmente o aleitamento materno, como a aprovação da
Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para
Lactentes e Crianças de Primeira Infância (NBCAL), tentando
garantir a segurança alimentar como um direito humano,
apoiando as políticas públicas no sentido de minimizar o
marketing abusivo e as pressões das indústrias de grande
porte às instituições que prestam serviços ao binômio mãe-
bebê, tanto no nível público como privado. Baseada no
Código Internacional de Mercadização de Substitutos do Leite
Materno recomendado pela Organização Mundial de Saúde
(OMS) em 1979, a NBCAL teve sua primeira versão publicada
como Resolução do Conselho Nacional de Saúde em 1988. Em
1992 a publicação da Portaria Ministerial 2051 e novamente
em 2001/2002 as Resoluções 221 e 222. Além disso, foi
publicada no dia 04 de janeiro de 2006, a Lei 11.265 que
regulamenta a comercialização de alimentos para lactentes
e crianças de primeira infância e também de produtos de
puericultura correlatos. Dentre os principais pontos do
Código, estão a proibição da promoção de substitutos do leite
20 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis
em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
materno em unidades de saúde e da doação de suprimentos,
gratuitos ou subsidiados, de substitutos do leite materno ou
outros produtos, em qualquer parte do sistema de saúde.
A NBCAL é uma das ações prioritárias do Ministério da
Saúde que visa a proteção do aleitamento materno.
Aleitamento Materno,
Distribuição de Leites
e Fórmulas Infantis em
Estabelecimentos de
Saúde e a Legislação
21Ministério
da Saúde
6 CONCLUSÃO
Com as atuais políticas e programas de saúde
relacionadas ao aleitamento materno devem-se levar em
consideração os fatores que influem negativamente na
amamentação, como a promoção inapropriada de substitutos
do leite materno.
Ao longo desses anos e buscando-se uma proposta
de vida saudável para todos os ciclos de vida, muitos projetos
e programas têm sido desenvolvidos nas diversas regiões e
realidadesbrasileiras,promovendoadistribuiçãode“substitutos”
do leite materno para crianças em “risco nutricional”.
É necessário cautela na implementação de ações dessa
magnitude, pois já se sabe da superioridade do leite materno
com relação a outros leites ou fórmulas e do impacto negativo
que a promoção do uso desses “substitutos” tem no sucesso da
amamentação e na saúde infantil. Neste sentido é absolutamente
condenável a distribuição em larga escala destes produtos, em
especial em serviços de saúde, sem prescrição por profissional
médico ou nutricionista, de forma individualizada e criteriosa.
Excluindo-se casos onde há razões médicas aceitáveis para o uso
de leites ou fórmulas infantis (BRASIL, 2009d), a prescrição desses
produtos para crianças que não necessitam desses alimentos
deve ser considerada inapropriada.
m
22 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis
em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
Assim como em Hospitais Amigos da Criança, onde a
promoção e distribuição de leites ou fórmulas infantis a mães e
bebês não são permitidas, pois caracterizam o descumprimento
da NBCAL e dos critérios da IHAC, em UBS, onde se desenvolvem
ações de promoção, proteção e apoio ao AM estas práticas
também são repreensíveis.
O Ministério da Saúde reconhece que UBS integrantes
da Rede Amamenta Brasil que cumprem critérios para
promover, proteger e apoiar o AM devem receber o certificado
por tamanho empenho, mas entende que unidades que
desenvolvem, simultaneamente, ações para promoção do AM
e distribuição de “substitutos” do leite materno não podem
receber tal certificação.
Sabe-se que as indústrias de leites e fórmulas infantis
possuem liberdade para a comercialização de seus produtos,
no entanto é necessário desvincular a promoção e distribuição
desses alimentos, dos estabelecimentos de saúde. Por fim, é
necessário reconhecer os esforços dos serviços de saúde para
cumprirem as metas e padrões de qualidade que promovam
o aleitamento materno exclusivo e a adequada introdução de
alimentos na rede de atenção à saúde do Sistema Único de
Saúde.
23Ministério
da Saúde
REFERÊNCIAS
BRASIL. Ministério da Saúde. Dez passos para uma
alimentação saudável: guia alimentar para menores de
dois anos: um guia para o profissional de saúde na atenção
básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2010a.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.715 de 17
de Novembro de 2011. Atualiza a Política Nacional de
Alimentação e Nutrição. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil. Seção 1, 18 de novembro de 2011a, p. 89.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.654/GM, de 19 de
junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde,
o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade
da Atenção Básica (PMAQ-AB) e o Incentivo Financeiro do
PMAQ-AB, denominado Componente de Qualidade do Piso
de Atenção Básica Variável - PAB Variável. Diário Oficial [da]
República Federativa do Brasil. Seção 1, n. 138, 20 jul. 2011b,
p. 79.
BRASIL. Ministério da Saúde. Seminário Nacional de
Alimentação e Nutrição no SUS: PNAN 10 anos. Relatório
final. Brasília: Ministério da Saúde, 2010b.
24 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis
em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
entos
egislaçãoBRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Departamento de Atenção Básica. Autoavaliação para
a melhoria do acesso e da qualidade da Atenção Básica:
AMAQ. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. (Série B. Textos
básicos de saúde)
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. II
Pesquisa de Prevalência do Aleitamento Materno nas
capitais brasileiras e Distrito Federal. Brasília: Editora do
Ministério da Saúde, 2009a. (Série C. Projetos, Programas e
Relatórios).
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Departamento de Atenção Básica. Indicadores de vigilância
alimentar e nutricional: Brasil 2006. Brasília: Ministério da
Saúde, 2009b. (B. Textos Básicos de Saúde)
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição
infantil: aleitamento materno e alimentação complementar.
Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009c. (Série A.
Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica n.
23)
25Ministério
da Saúde
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Hospital
Amigo da Criança: revista, atualizada e ampliada para o cuidado
integrado. módulo 1: histórico e implementação. Brasília:
Ministério da Saúde, 2009d.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Rede Amamenta Brasil: os primeiros passos (2007–2010)
Brasília: Ministério da Saúde, 2011. (Série I. História da
Saúde).
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à
Saúde. Política Nacional de Aleitamento materno. Brasília:
Ministério da Saúde, [s.d.]. No prelo.
FUNDO das Nações Unidas para a Infância. Hospital Amigo
da Criança: revista, atualizada e ampliada para o cuidado
integrado: módulo 1: histórico e implementação. Brasília:
Ministério da Saúde, 2008. (Série A. Normas e Manuais
Técnicos).
REDE INTERNACIONALEM DEFESADO DIREITODE AMAMENTAR
(IBFANBRASIL).Inimigosdopeito.RevistadoInstitutoBrasileiro
do Consumidor – IDEC, n. 159, p. 21-25 .Disponível em: <http://
www.idec.org.br/em-acao/revista/159>. Acesso em: jan. 2012.
26 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis
em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
tamento Materno,
ribuição de Leites
UNICEF. Situação Mundial da Infância 2008: caderno
Brasil. 2008. Disponível em <http://www.unicef.org/lac/
cadernobrasil2008.pdf>. Acesso em: fev. 2012.
WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Estratégia global
para Alimentação de Lactentes e Crianças de primeira
Infância. OMS, UNICEF, IBFAN Brasil, 2005.
Al
Di
e
Es
Sa
leitamento Mat
istribuição de L
Fórmulas Infan
stabelecimento
aúde e a Legisl
28 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis
em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde
www.saude.gov.br/bvs
9 788533 419353
ISBN 978853341935-3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
IHAC: promove Amamentação & diminui Mortalidade Infantil no Brasil
IHAC: promove Amamentação & diminui Mortalidade Infantil no Brasil IHAC: promove Amamentação & diminui Mortalidade Infantil no Brasil
IHAC: promove Amamentação & diminui Mortalidade Infantil no Brasil
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP
Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP
Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa
Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa
Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
TendêNcia Secular Do Aleitamento Materno Em Uma Unidade De AtençãO PrimáRia à...
TendêNcia Secular Do Aleitamento Materno Em Uma Unidade De AtençãO PrimáRia à...TendêNcia Secular Do Aleitamento Materno Em Uma Unidade De AtençãO PrimáRia à...
TendêNcia Secular Do Aleitamento Materno Em Uma Unidade De AtençãO PrimáRia à...
Biblioteca Virtual
 
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para açõesSMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...
Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...
Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
ENAM-ENACS online: programa oficial / Encontro Nacional de Aleitamento
ENAM-ENACS online: programa oficial / Encontro Nacional de Aleitamento ENAM-ENACS online: programa oficial / Encontro Nacional de Aleitamento
ENAM-ENACS online: programa oficial / Encontro Nacional de Aleitamento
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...
NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...
NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
#SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil
#SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil #SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil
#SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Norma Brasileira De ComercializaçãO De Alimentos Para Lactentes E CriançAs De...
Norma Brasileira De ComercializaçãO De Alimentos Para Lactentes E CriançAs De...Norma Brasileira De ComercializaçãO De Alimentos Para Lactentes E CriançAs De...
Norma Brasileira De ComercializaçãO De Alimentos Para Lactentes E CriançAs De...
Biblioteca Virtual
 
Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância
Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância
Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aleitamento Materno continuado X Desmame: SBP - Departamento Científico 2017
Aleitamento Materno continuado X Desmame: SBP - Departamento Científico 2017Aleitamento Materno continuado X Desmame: SBP - Departamento Científico 2017
Aleitamento Materno continuado X Desmame: SBP - Departamento Científico 2017
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
XV ENAM - 3rd WBC - V ENACS - 1st WCFC: um resumo das principais atrações
XV ENAM - 3rd WBC - V ENACS - 1st WCFC: um resumo das principais atrações XV ENAM - 3rd WBC - V ENACS - 1st WCFC: um resumo das principais atrações
XV ENAM - 3rd WBC - V ENACS - 1st WCFC: um resumo das principais atrações
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Guia Alimentar para Crianças Brasileiras menores de 2 anos / 2019
Guia Alimentar para Crianças Brasileiras menores de 2 anos / 2019Guia Alimentar para Crianças Brasileiras menores de 2 anos / 2019
Guia Alimentar para Crianças Brasileiras menores de 2 anos / 2019
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas
Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas
Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Mais procurados (20)

The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...
 
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
 
IHAC: promove Amamentação & diminui Mortalidade Infantil no Brasil
IHAC: promove Amamentação & diminui Mortalidade Infantil no Brasil IHAC: promove Amamentação & diminui Mortalidade Infantil no Brasil
IHAC: promove Amamentação & diminui Mortalidade Infantil no Brasil
 
Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP
Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP
Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP
 
Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa
Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa
Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa
 
TendêNcia Secular Do Aleitamento Materno Em Uma Unidade De AtençãO PrimáRia à...
TendêNcia Secular Do Aleitamento Materno Em Uma Unidade De AtençãO PrimáRia à...TendêNcia Secular Do Aleitamento Materno Em Uma Unidade De AtençãO PrimáRia à...
TendêNcia Secular Do Aleitamento Materno Em Uma Unidade De AtençãO PrimáRia à...
 
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para açõesSMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
 
Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...
Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...
Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...
 
ENAM-ENACS online: programa oficial / Encontro Nacional de Aleitamento
ENAM-ENACS online: programa oficial / Encontro Nacional de Aleitamento ENAM-ENACS online: programa oficial / Encontro Nacional de Aleitamento
ENAM-ENACS online: programa oficial / Encontro Nacional de Aleitamento
 
NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...
NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...
NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...
 
#SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil
#SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil #SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil
#SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil
 
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
 
Norma Brasileira De ComercializaçãO De Alimentos Para Lactentes E CriançAs De...
Norma Brasileira De ComercializaçãO De Alimentos Para Lactentes E CriançAs De...Norma Brasileira De ComercializaçãO De Alimentos Para Lactentes E CriançAs De...
Norma Brasileira De ComercializaçãO De Alimentos Para Lactentes E CriançAs De...
 
Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância
Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância
Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância
 
Aleitamento Materno continuado X Desmame: SBP - Departamento Científico 2017
Aleitamento Materno continuado X Desmame: SBP - Departamento Científico 2017Aleitamento Materno continuado X Desmame: SBP - Departamento Científico 2017
Aleitamento Materno continuado X Desmame: SBP - Departamento Científico 2017
 
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
 
XV ENAM - 3rd WBC - V ENACS - 1st WCFC: um resumo das principais atrações
XV ENAM - 3rd WBC - V ENACS - 1st WCFC: um resumo das principais atrações XV ENAM - 3rd WBC - V ENACS - 1st WCFC: um resumo das principais atrações
XV ENAM - 3rd WBC - V ENACS - 1st WCFC: um resumo das principais atrações
 
Guia Alimentar para Crianças Brasileiras menores de 2 anos / 2019
Guia Alimentar para Crianças Brasileiras menores de 2 anos / 2019Guia Alimentar para Crianças Brasileiras menores de 2 anos / 2019
Guia Alimentar para Crianças Brasileiras menores de 2 anos / 2019
 
Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
 
Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas
Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas
Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas
 

Semelhante a 2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em estabelecimentos de saúde e a legislação

WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODSWABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Amamentação e sustentabilidade
Amamentação e sustentabilidadeAmamentação e sustentabilidade
Amamentação e sustentabilidade
Silvia Marina Anaruma
 
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudávelComo a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
Silvia Marina Anaruma
 
Continuação
ContinuaçãoContinuação
Continuação
Anna Karla Maia
 
TendêNcia Do Aleitamento Materno Em MunicíPio Da RegiãO Centro Sul Do Estado ...
TendêNcia Do Aleitamento Materno Em MunicíPio Da RegiãO Centro Sul Do Estado ...TendêNcia Do Aleitamento Materno Em MunicíPio Da RegiãO Centro Sul Do Estado ...
TendêNcia Do Aleitamento Materno Em MunicíPio Da RegiãO Centro Sul Do Estado ...
Biblioteca Virtual
 
Amamentação, determinação social e trabalho intersetorial
Amamentação, determinação social e trabalho intersetorialAmamentação, determinação social e trabalho intersetorial
Amamentação, determinação social e trabalho intersetorial
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
2350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-2004
2350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-20042350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-2004
2350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-2004
na cozinha
 
Aleitamento materno uma prioridade nacional (lição 2)
Aleitamento materno uma prioridade nacional (lição 2)Aleitamento materno uma prioridade nacional (lição 2)
Aleitamento materno uma prioridade nacional (lição 2)
Juliane Stivanin da Silva
 
Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1
Mabi Almeida
 
PNAISC.pdf
PNAISC.pdfPNAISC.pdf
PNAISC.pdf
ShesterDamaceno1
 
Iniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criançaIniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criança
Camila Ferreira
 
Guia alimentar para população brasileira
Guia alimentar para população brasileiraGuia alimentar para população brasileira
Guia alimentar para população brasileira
Letícia Spina Tapia
 
Guia alimentar para a população brasileira - Ministério da Saúde
Guia alimentar para a população brasileira - Ministério da SaúdeGuia alimentar para a população brasileira - Ministério da Saúde
Guia alimentar para a população brasileira - Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da SaúdeRECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
Letícia Spina Tapia
 
Manual 4 rnpt
Manual 4 rnptManual 4 rnpt
Manual 4 rnpt
Luzia Alves
 
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Visa educação e nutrição - peso saudável
Visa   educação e nutrição - peso saudávelVisa   educação e nutrição - peso saudável
Visa educação e nutrição - peso saudável
HEBERT ANDRADE RIBEIRO FILHO
 

Semelhante a 2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em estabelecimentos de saúde e a legislação (20)

WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODSWABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
 
Amamentação e sustentabilidade
Amamentação e sustentabilidadeAmamentação e sustentabilidade
Amamentação e sustentabilidade
 
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
 
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
 
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudávelComo a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
 
Continuação
ContinuaçãoContinuação
Continuação
 
TendêNcia Do Aleitamento Materno Em MunicíPio Da RegiãO Centro Sul Do Estado ...
TendêNcia Do Aleitamento Materno Em MunicíPio Da RegiãO Centro Sul Do Estado ...TendêNcia Do Aleitamento Materno Em MunicíPio Da RegiãO Centro Sul Do Estado ...
TendêNcia Do Aleitamento Materno Em MunicíPio Da RegiãO Centro Sul Do Estado ...
 
Amamentação, determinação social e trabalho intersetorial
Amamentação, determinação social e trabalho intersetorialAmamentação, determinação social e trabalho intersetorial
Amamentação, determinação social e trabalho intersetorial
 
2350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-2004
2350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-20042350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-2004
2350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-2004
 
Aleitamento materno uma prioridade nacional (lição 2)
Aleitamento materno uma prioridade nacional (lição 2)Aleitamento materno uma prioridade nacional (lição 2)
Aleitamento materno uma prioridade nacional (lição 2)
 
Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1
 
PNAISC.pdf
PNAISC.pdfPNAISC.pdf
PNAISC.pdf
 
Iniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criançaIniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criança
 
Guia alimentar para população brasileira
Guia alimentar para população brasileiraGuia alimentar para população brasileira
Guia alimentar para população brasileira
 
Guia alimentar para a população brasileira - Ministério da Saúde
Guia alimentar para a população brasileira - Ministério da SaúdeGuia alimentar para a população brasileira - Ministério da Saúde
Guia alimentar para a população brasileira - Ministério da Saúde
 
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da SaúdeRECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
 
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
 
Manual 4 rnpt
Manual 4 rnptManual 4 rnpt
Manual 4 rnpt
 
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
 
Visa educação e nutrição - peso saudável
Visa   educação e nutrição - peso saudávelVisa   educação e nutrição - peso saudável
Visa educação e nutrição - peso saudável
 

Mais de bibliotecasaude

Vídeos
VídeosVídeos
Livros
LivrosLivros
Catálogo de vídeos - 2017
Catálogo de vídeos - 2017Catálogo de vídeos - 2017
Catálogo de vídeos - 2017
bibliotecasaude
 
0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...
0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...
0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...
bibliotecasaude
 
Catálogo de Livros - 2017
Catálogo de Livros - 2017Catálogo de Livros - 2017
Catálogo de Livros - 2017
bibliotecasaude
 
0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva
0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva
0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva
bibliotecasaude
 
0646 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 2
0646 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 20646 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 2
0646 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 2
bibliotecasaude
 
0645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 1
0645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 10645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 1
0645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 1
bibliotecasaude
 
2722 - L - Juventude e Sexualidade
2722 - L - Juventude e Sexualidade2722 - L - Juventude e Sexualidade
2722 - L - Juventude e Sexualidade
bibliotecasaude
 
2524 - L - O gatão e seus amigos - De homem para homem
2524 - L - O gatão e seus amigos - De homem para homem2524 - L - O gatão e seus amigos - De homem para homem
2524 - L - O gatão e seus amigos - De homem para homem
bibliotecasaude
 
2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva
2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva
2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva
bibliotecasaude
 
2206 - L - Prazer sem medo - Cartilha sobre saúde e sexualidade para mulheres...
2206 - L - Prazer sem medo - Cartilha sobre saúde e sexualidade para mulheres...2206 - L - Prazer sem medo - Cartilha sobre saúde e sexualidade para mulheres...
2206 - L - Prazer sem medo - Cartilha sobre saúde e sexualidade para mulheres...
bibliotecasaude
 
1740 - L - SUS - Saúde sexual e reprodutiva no brasil
1740 - L - SUS - Saúde sexual e reprodutiva no brasil1740 - L - SUS - Saúde sexual e reprodutiva no brasil
1740 - L - SUS - Saúde sexual e reprodutiva no brasil
bibliotecasaude
 
0647 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 3
0647 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 30647 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 3
0647 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 3
bibliotecasaude
 
0833-L - Cartilha de Formação de Processos - Gestão Administrativa
0833-L - Cartilha de Formação de Processos - Gestão Administrativa0833-L - Cartilha de Formação de Processos - Gestão Administrativa
0833-L - Cartilha de Formação de Processos - Gestão Administrativa
bibliotecasaude
 
0100-L - O Atestado de Óbito - Série Divulgação (nº 1)
0100-L - O Atestado de Óbito - Série Divulgação (nº 1)0100-L - O Atestado de Óbito - Série Divulgação (nº 1)
0100-L - O Atestado de Óbito - Série Divulgação (nº 1)
bibliotecasaude
 
0099-L - Ética e Eutanásia
0099-L - Ética e Eutanásia0099-L - Ética e Eutanásia
0099-L - Ética e Eutanásia
bibliotecasaude
 
2397-L - Manual de Condutas Básicas na Doença Falciforme
2397-L - Manual de Condutas Básicas na Doença Falciforme2397-L - Manual de Condutas Básicas na Doença Falciforme
2397-L - Manual de Condutas Básicas na Doença Falciforme
bibliotecasaude
 
2367-L - Anemia Falciforme
2367-L - Anemia Falciforme2367-L - Anemia Falciforme
2367-L - Anemia Falciforme
bibliotecasaude
 
2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde
2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde
2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde
bibliotecasaude
 

Mais de bibliotecasaude (20)

Vídeos
VídeosVídeos
Vídeos
 
Livros
LivrosLivros
Livros
 
Catálogo de vídeos - 2017
Catálogo de vídeos - 2017Catálogo de vídeos - 2017
Catálogo de vídeos - 2017
 
0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...
0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...
0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...
 
Catálogo de Livros - 2017
Catálogo de Livros - 2017Catálogo de Livros - 2017
Catálogo de Livros - 2017
 
0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva
0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva
0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva
 
0646 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 2
0646 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 20646 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 2
0646 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 2
 
0645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 1
0645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 10645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 1
0645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 1
 
2722 - L - Juventude e Sexualidade
2722 - L - Juventude e Sexualidade2722 - L - Juventude e Sexualidade
2722 - L - Juventude e Sexualidade
 
2524 - L - O gatão e seus amigos - De homem para homem
2524 - L - O gatão e seus amigos - De homem para homem2524 - L - O gatão e seus amigos - De homem para homem
2524 - L - O gatão e seus amigos - De homem para homem
 
2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva
2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva
2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva
 
2206 - L - Prazer sem medo - Cartilha sobre saúde e sexualidade para mulheres...
2206 - L - Prazer sem medo - Cartilha sobre saúde e sexualidade para mulheres...2206 - L - Prazer sem medo - Cartilha sobre saúde e sexualidade para mulheres...
2206 - L - Prazer sem medo - Cartilha sobre saúde e sexualidade para mulheres...
 
1740 - L - SUS - Saúde sexual e reprodutiva no brasil
1740 - L - SUS - Saúde sexual e reprodutiva no brasil1740 - L - SUS - Saúde sexual e reprodutiva no brasil
1740 - L - SUS - Saúde sexual e reprodutiva no brasil
 
0647 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 3
0647 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 30647 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 3
0647 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 3
 
0833-L - Cartilha de Formação de Processos - Gestão Administrativa
0833-L - Cartilha de Formação de Processos - Gestão Administrativa0833-L - Cartilha de Formação de Processos - Gestão Administrativa
0833-L - Cartilha de Formação de Processos - Gestão Administrativa
 
0100-L - O Atestado de Óbito - Série Divulgação (nº 1)
0100-L - O Atestado de Óbito - Série Divulgação (nº 1)0100-L - O Atestado de Óbito - Série Divulgação (nº 1)
0100-L - O Atestado de Óbito - Série Divulgação (nº 1)
 
0099-L - Ética e Eutanásia
0099-L - Ética e Eutanásia0099-L - Ética e Eutanásia
0099-L - Ética e Eutanásia
 
2397-L - Manual de Condutas Básicas na Doença Falciforme
2397-L - Manual de Condutas Básicas na Doença Falciforme2397-L - Manual de Condutas Básicas na Doença Falciforme
2397-L - Manual de Condutas Básicas na Doença Falciforme
 
2367-L - Anemia Falciforme
2367-L - Anemia Falciforme2367-L - Anemia Falciforme
2367-L - Anemia Falciforme
 
2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde
2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde
2204-L - Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde
 

2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em estabelecimentos de saúde e a legislação

  • 1. 1Ministério da Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília – DF 2014 1ª edição 1ª reimpressão
  • 2. 2 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
  • 3. 3Ministério da Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Brasília-DF 2014 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação 1ª edição 1ª reimpressão
  • 4. 4 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação 2012 Ministério da Saúde. Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons – Atribuição – Não Comercial – Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde: <www.saude.gov.br/bvs>. O conteúdo desta e de outras obras da Editora do Ministério da Saúde pode ser acessado na página: <http://editora.saude.gov.br>. Elaboração, distribuição e informações MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Edifício Premium, SAF Sul, Quadra 2, Lote 5/6, Bloco II, Subsolo CEP: 70.070-600, Brasília – DF Fone: (61) 3315-9044 / 6606-8044 E-mail: dab@saude.gov.br Site: www.saude.gov.br/dab http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/area.cfm?id_area=962# Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Coordenação-Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno SAF/Sul, Trecho 02, Lote 05/06 - Torre II - Edifício Premium - Bloco 02 1º Subsolo - Sala 01 CEP: 70070-600, Brasília/DF Telefone (61) 3315.9070 E-mail: crianca@saude.gov.br Site: www.saude.gov.br/crianca Supervisão Geral Paulo Vicente Bonilha Almeida Patrícia Constante Jaime Coordenação Técnica Geral Paulo Vicente Bonilha Almeida Patrícia Constante Jaime Impresso no Brasil / Printed in Brazil Revisão Técnica Amanda Souza Moura Ana Carolina Feldenheimer Carolina Belomo de Souza Fernanda Ramos Monteiro Gisele Ane Bortolini Neide Maria da Silva Cruz Elaboração Técnica Amanda Souza Moura Ana Carolina Feldenheimer Carolina Belomo de Souza Fernanda Ramos Monteiro Gisele Ane Bortolini Neide Maria da Silva Cruz Projeto Gráfico e Capa Alisson Sbrana - MS Normalização Marjorie Fernandes Gonçalves - MS Ficha Catalográfica _______________________________________________________________________________________________________ Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em estabelecimentos de saúde e a legislação / Ministério da Saúde. Secretaria Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Departamento de Atenção Básica. – 1. ed.; 1. reimpr. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. 28 p. ISBN 978-85-334-1935-3 1. Aleitamento materno. 2. Fórmulas infantis. 3. Leite. I. Título. CDU 613.287.1 _______________________________________________________________________________________________________ Catalogação na fonte – Coordenação-Geral de Documentação e Informação – Editora MS – 2014/0443 Títulos para indexação: Em inglês: Breastfeeding. Distribution of Milk and Infant Formulas in Health Establishments and Legislation Em espanhol: Lactancia Materna. La Distribución de leches y preparados infantiles en Establecimientos de Salud y La Legislación. Tiragem:1ª edição – 1ª reimpressão – 2014 – 10.000 exemplares
  • 5. 5Ministério da Saúde e Fórmulas Infan Estabelecimentos Saúde e a LegislaSUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 INDICADORES NACIONAIS DE ALEITAMENTO MATERNO 3 PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E APOIO AO ALEITAMENTO MATERNO E AS POLITICAS DE SAÚDE 3.1 POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E APOIO AO ALEITAMENTO MATERNO 3.2 POLÍTICA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO – PNAN 3.3 PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ-AB) 4 LEITE MATERNO, FÓRMULAS INFANTIS E LEITES ARTIFICIAIS 5 PROTEÇÃO LEGAL 6 CONCLUSÃO REFERÊNCIAS 7 8 11 13 13 14 15 17 19 21 24
  • 6. 6 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
  • 7. 7Ministério da Saúde Aleitamento M Distribuição d e Fórmulas In Estabelecimen APRESENTAÇÃO Em decorrência da existência de projetos de Prefeituras Municipais propondo a distribuição de fórmulas e leites artificiais para crianças na faixa etária de 0-24 meses, a Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno/DAPES/ SAS e a Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição/DAB/ SAS elaboraram a presente nota técnica que discorre sobre a distribuição de leites e fórmulas infantis em estabelecimentos de saúde. Objetiva esclarecer a intervenção e o impacto que a distribuição de fórmulas infantis e leites artificiais, em estabelecimentos de saúde tem na promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno.
  • 8. 8 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação rmulas Infantis em belecimentos de de e a Legislação 1 INTRODUÇÃO De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde (MS), as crianças com até seis meses de vida devem ser alimentadas exclusivamente com leite materno, sem outros líquidos ou sólidos, com exceção de gotas ou xaropes contendo vitaminas, sais de reidratação oral, suplementos mineraisemedicamentos;equeapósosseismesesoaleitamento seja complementado com outros alimentos de forma oportuna e saudável até os dois anos ou mais. A mortalidade infantil é uma grande preocupação da Saúde Pública, e combatê-la é parte de uma série de compromissos assumidos pelo Brasil, como os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), Pacto de Redução da Mortalidade Materna e Neonatal, Pacto pela Redução da Mortalidade Infantil no Nordeste e Amazônia Legal e, no presente momento, com a Rede Cegonha. De 1990 a 2007 a taxa de mortalidade infantil no Brasil apresentou tendência de queda, passando de 47,1/1000 nascidos vivos em 1990 para 19,3/1000 em 2007, com uma redução média de 59,0%. Apesar do declínio, os níveis atuais são considerados elevados e incompatíveis com o desenvolvimento
  • 9. 9Ministério da Saúde m doPaís,poisataxaatualésemelhanteadospaísesdesenvolvidos no final da década de 60, e cerca de três a seis vezes maior do que a de países como o Japão, Canadá, Cuba, Chile e Costa Rica, que apresentam taxas entre 3 e 10/1000 nascidos vivos, segundo dados do Fundo das Nações Unidas Para a Infância (UNICEF, 2008). O declínio da mortalidade infantil no Brasil é resultado de um conjunto de fatores, em especial o aumento das taxas de amamentação, visto que, em todo o mundo, o aleitamento materno reduz em até 13% as mortes de crianças menores de cinco anos por causas evitáveis. Vários são os argumentos que favorecem a prática da amamentação, valendo ressaltar que as crianças de menor nível socioeconômico são as mais vulneráveis e que o leite materno, além de proteger contra várias infecções, apresenta benefícios em longo prazo na diminuição dos riscos de doenças crônicas decorrentes da alimentação inadequada, como obesidade, hipertensão e dislipidemias, assim como o diabetes melittus tipo I, estimando-se, nesse último caso, que 30% das ocorrências poderiam ser prevenidas se 90% das crianças até três meses não recebessem leite de vaca (GERSTEIN, 1994 apud BRASIL, 2009c).
  • 10. 10 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação Aleitamento Mater Distribuição de Lei e Fórmulas Infantis Estabelecimentos d Saúde e a Legislaç Segundo o Ministério da Saúde, o gasto médio mensal com a compra de leite para alimentar um bebê nos primeiros seis meses de vida no Brasil, em 2004, variou de 38% a 133% do salário-mínimo, dependendo da marca da fórmula infantil, acrescentando-se, ainda, a esse gasto, os custos com mamadeiras, bicos, gás de cozinha, além de eventuais gastos decorrentes de doenças, que são mais comuns em crianças não amamentadas. Não amamentar pode significar sacrifícios financeiros para a família, sendo que essa economia nos gastos poderia ser utilizada em outras despesas da família, proporcionando um maior bem estar social (BRASIL, 2009c).
  • 11. 11Ministério da Saúde rno, ites s em de ção 2 INDICADORES NACIONAIS DE ALEITAMENTO MATERNO Na última década, o Brasil realizou Pesquisas Nacionais de Prevalência de Aleitamento Materno, que tiveram por objetivo verificar a evolução dos indicadores de aleitamento materno e da alimentação complementar no período de 1999 a 2008, de identificar grupos populacionais mais vulneráveis à interrupção da amamentação e avaliar práticas alimentares saudáveis e não saudáveis. No conjunto das capitais brasileiras e DF, referente ao aleitamento materno exclusivo, constatou- se aumento da prevalência em menores de quatro meses, de 35,5% em 1999, para 51,2% em 2008, sendo que na última pesquisa, em 2008, houve uma prevalência em menores de seis meses, de 41%. A comparação do percentual de crianças entre 9 e 12 meses amamentadas, entre 1999 e 2008, também mostrou aumento, passando de 42,4%, em 1999, para 58,7%, em 2008. É importante ressaltar que na pesquisa de 2008, constatou- se introdução precoce de água, chás e outros leites com 13,8%, 15,3% e 17,8% das crianças recebendo esses líquidos, respectivamente, já no primeiro mês de vida. Dados de 2010 do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) apontam que 48% das crianças de 6 meses a 2 anos, que frequentam
  • 12. 12 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação Aleitame Distribu e Fórmu Unidades Básicas de Saúde, já consomem leites ou leites com farinha nessa faixa etária. Apesar do avanço significativo nos índices do aleitamento materno, percebe-se que o Brasil ainda está distante do cumprimento das metas propostas pela OMS. Acerca do estado nutricional das crianças, a Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher (PNDS) de 2006, apontou que, no Brasil, houve uma prevalência de baixo peso para a estatura em crianças menores de 5 anos de 1,6%, baixa estatura para a idade de 6,8% e excesso de peso de 7,4%, demonstrando a transição nutricional que segue do declínio da desnutrição para a tendência à obesidade infantil (BRASIL, 2010a).
  • 13. 13Ministério da Saúde ento Materno, uição de Leites ulas Infantis em de 3 PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E APOIO AO ALEITAMENTO MATERNO E AS POLITICAS DE SAÚDE 3.1 POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E APOIO AO ALEITAMENTO MATERNO O Brasil vem desenvolvendo ao longo de 30 anos ações de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno, um esforço no sentido de aumentar as taxas de amamentação no país. Nos últimos anos esse empenho tem enfoque, especialmente, no âmbito hospitalar com a normatização do sistema de alojamento conjunto, estabelecimento de normas para o funcionamento de bancos de leite humano, a implementação da Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC) e a interrupção da distribuição de “substitutos” de leite materno nos serviços de saúde. No eixo da atenção básica, alguns municípios e estados brasileiros já desenvolviam ações de promoção do AM em Unidades Básicas de Saúde (UBS), no entanto sentiu-se a necessidade de criar uma estratégia em nível nacional para promover o AM nas UBS. Com isso, em 2008 instituiu-se a Rede Amamenta Brasil, uma importante estratégia de promoção, proteção e apoio ao AM na atenção básica. Visando ainda, abranger o apoio ao AM para todas as
  • 14. 14 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação aterno, e Leites antis em tos de slação realidades, em 2010 o Ministério da Saúde criou a iniciativa de promover a implantação de salas de apoio à amamentação em empresas, com o intuito de incentivar a continuidade da amamentação mesmo após o retorno da mulher ao trabalho. 3.2 POLÍTICA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO – PNAN A PNAN apresenta-se com o propósito de melhorar as condições de alimentação, nutrição e saúde da população brasileira. Ela está organizada em diretrizes que abrangem o escopo da atenção nutricional no Sistema Único de Saúde com foco na vigilância, promoção, prevenção e cuidado integral dos agravos relacionados à alimentação e nutrição. O aleitamento materno é a primeira prática alimentar a ser recomendada para a promoção da saúde e adequado desenvolvimento infantil, devendo ser complementado a partir dos seis meses de vida até os dois anos ou mais. A introdução de outros alimentos na alimentação infantil deve ocorrer em momento oportuno, em quantidade e qualidade adequadas às fases do desenvolvimento infantil. Nesse período ocorre a formação dos hábitos alimentares e a correta introdução dos alimentos tem importante papel na promoção da saúde além
  • 15. 15Ministério da Saúde de proteger a criança de deficiências de micronutrientes e doenças crônicas na idade adulta. Nesse sentido, algumas ações desenvolvidas pelo Ministério da Saúde, que estão inseridas no contexto da PNAN e da Política Nacional de Atenção Básica (PNAB), também se somamàpromoçãodoaleitamentomaterno,comoapublicação dos “Dez Passos para uma Alimentação Saudável – Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos”, implementado a partir de 2009, com a proposta da Estratégia Nacional para Alimentação Complementar Saudável– ENPACS, que tem como objetivo incentivar a orientação da alimentação complementar para crianças menores de dois anos, atendidas em UBS. 3.3 PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ-AB) O Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) traduz-se em esforço recente da Política Nacional de Atenção Básica de induzir a ampliação do acesso e a melhoria da qualidade da atenção básica, com garantia de um padrão de qualidade comparável nacional, regional e localmente de maneira a permitir maior
  • 16. 16 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação Aleitamento Mat Distribuição de L e Fórmulas Infan Estabelecimento l transparência e efetividade das ações governamentais direcionadas à Atenção Básica em Saúde. Um importante padrão de qualidade definido diz respeito ao desenvolvimento, pelas equipes de Atenção Básica, de ações sistemáticas, coletivas e individuais, desde o pré‐natal até os 2 anos de vida da criança, para incentivar e orientar o aleitamento materno e a introdução de alimentação complementar saudável. Para contemplar esse padrão de qualidade, as equipes de saúde devem, entre outros, conhecer os 10 (dez) passos para a alimentação saudável de crianças menores de dois anos; promover o aleitamento materno e a introdução de outros alimentos saudáveis; recomendar o aleitamento materno exclusivo até os seis primeiros meses de vida da criança e a partir do sexto mês a alimentação complementar, compreendendo esse processo em seu contexto sociocultural e familiar.
  • 17. 17Ministério da Saúde terno, Leites ntis em os de lação 4 LEITE MATERNO, FÓRMULAS INFANTIS E LEITES ARTIFICIAIS Estudos científicos comprovam a importância e a superioridade do leite materno em relação aos leites de outras espécies; a introdução precoce de outros alimentos (antes do sexto mês) pode estar associada a um aumento de episódios de diarreia, hospitalizações por doença respiratória, diminuição na absorção de minerais como o ferro e o zinco, importantes para o crescimento e desenvolvimento infantil, e pelo maior risco de desnutrição, tanto pela possibilidade da hiperdiluição das fórmulas lácteas, como pela oferta inadequada de outros alimentos. Com relação às proteínas o que mais diferencia o leite de vaca do leite humano (LH) é o tipo e quantidade deste nutriente. O leite de vaca possui três vezes mais proteína que o LH, sobrecarregando os rins quando consumido em alta quantidade, aumentando a excreção de cálcio pela urina. O leite de vaca possui ainda uma proteína potencialmente alergênica, a betalactoglobulina. As fórmulas infantis foram criadas com o intuito de se assemelhar ao leite materno, no entanto sua composição não
  • 18. 18 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação Aleitamento Distribuição e Fórmulas Estabelecim se iguala as propriedades fisiológicas do LH, que são específicas da mãe para o próprio filho. As fontes de carboidratos, proteínas e outros componentes presentes nas fórmulas infantis diferem em identidade e qualidade dos componentes do LH.
  • 19. 19Ministério da Saúde o Materno, o de Leites Infantis em mentos de o 5 PROTEÇÃO LEGAL Além das ações de promoção e apoio à Amamentação, importantes medidas foram criadas com o intuito de proteger legalmente o aleitamento materno, como a aprovação da Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes e Crianças de Primeira Infância (NBCAL), tentando garantir a segurança alimentar como um direito humano, apoiando as políticas públicas no sentido de minimizar o marketing abusivo e as pressões das indústrias de grande porte às instituições que prestam serviços ao binômio mãe- bebê, tanto no nível público como privado. Baseada no Código Internacional de Mercadização de Substitutos do Leite Materno recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 1979, a NBCAL teve sua primeira versão publicada como Resolução do Conselho Nacional de Saúde em 1988. Em 1992 a publicação da Portaria Ministerial 2051 e novamente em 2001/2002 as Resoluções 221 e 222. Além disso, foi publicada no dia 04 de janeiro de 2006, a Lei 11.265 que regulamenta a comercialização de alimentos para lactentes e crianças de primeira infância e também de produtos de puericultura correlatos. Dentre os principais pontos do Código, estão a proibição da promoção de substitutos do leite
  • 20. 20 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação materno em unidades de saúde e da doação de suprimentos, gratuitos ou subsidiados, de substitutos do leite materno ou outros produtos, em qualquer parte do sistema de saúde. A NBCAL é uma das ações prioritárias do Ministério da Saúde que visa a proteção do aleitamento materno. Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação
  • 21. 21Ministério da Saúde 6 CONCLUSÃO Com as atuais políticas e programas de saúde relacionadas ao aleitamento materno devem-se levar em consideração os fatores que influem negativamente na amamentação, como a promoção inapropriada de substitutos do leite materno. Ao longo desses anos e buscando-se uma proposta de vida saudável para todos os ciclos de vida, muitos projetos e programas têm sido desenvolvidos nas diversas regiões e realidadesbrasileiras,promovendoadistribuiçãode“substitutos” do leite materno para crianças em “risco nutricional”. É necessário cautela na implementação de ações dessa magnitude, pois já se sabe da superioridade do leite materno com relação a outros leites ou fórmulas e do impacto negativo que a promoção do uso desses “substitutos” tem no sucesso da amamentação e na saúde infantil. Neste sentido é absolutamente condenável a distribuição em larga escala destes produtos, em especial em serviços de saúde, sem prescrição por profissional médico ou nutricionista, de forma individualizada e criteriosa. Excluindo-se casos onde há razões médicas aceitáveis para o uso de leites ou fórmulas infantis (BRASIL, 2009d), a prescrição desses produtos para crianças que não necessitam desses alimentos deve ser considerada inapropriada. m
  • 22. 22 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação Assim como em Hospitais Amigos da Criança, onde a promoção e distribuição de leites ou fórmulas infantis a mães e bebês não são permitidas, pois caracterizam o descumprimento da NBCAL e dos critérios da IHAC, em UBS, onde se desenvolvem ações de promoção, proteção e apoio ao AM estas práticas também são repreensíveis. O Ministério da Saúde reconhece que UBS integrantes da Rede Amamenta Brasil que cumprem critérios para promover, proteger e apoiar o AM devem receber o certificado por tamanho empenho, mas entende que unidades que desenvolvem, simultaneamente, ações para promoção do AM e distribuição de “substitutos” do leite materno não podem receber tal certificação. Sabe-se que as indústrias de leites e fórmulas infantis possuem liberdade para a comercialização de seus produtos, no entanto é necessário desvincular a promoção e distribuição desses alimentos, dos estabelecimentos de saúde. Por fim, é necessário reconhecer os esforços dos serviços de saúde para cumprirem as metas e padrões de qualidade que promovam o aleitamento materno exclusivo e a adequada introdução de alimentos na rede de atenção à saúde do Sistema Único de Saúde.
  • 23. 23Ministério da Saúde REFERÊNCIAS BRASIL. Ministério da Saúde. Dez passos para uma alimentação saudável: guia alimentar para menores de dois anos: um guia para o profissional de saúde na atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2010a. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.715 de 17 de Novembro de 2011. Atualiza a Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Seção 1, 18 de novembro de 2011a, p. 89. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.654/GM, de 19 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) e o Incentivo Financeiro do PMAQ-AB, denominado Componente de Qualidade do Piso de Atenção Básica Variável - PAB Variável. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Seção 1, n. 138, 20 jul. 2011b, p. 79. BRASIL. Ministério da Saúde. Seminário Nacional de Alimentação e Nutrição no SUS: PNAN 10 anos. Relatório final. Brasília: Ministério da Saúde, 2010b.
  • 24. 24 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação entos egislaçãoBRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Autoavaliação para a melhoria do acesso e da qualidade da Atenção Básica: AMAQ. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. (Série B. Textos básicos de saúde) BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. II Pesquisa de Prevalência do Aleitamento Materno nas capitais brasileiras e Distrito Federal. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009a. (Série C. Projetos, Programas e Relatórios). BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Indicadores de vigilância alimentar e nutricional: Brasil 2006. Brasília: Ministério da Saúde, 2009b. (B. Textos Básicos de Saúde) BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009c. (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica n. 23)
  • 25. 25Ministério da Saúde BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Hospital Amigo da Criança: revista, atualizada e ampliada para o cuidado integrado. módulo 1: histórico e implementação. Brasília: Ministério da Saúde, 2009d. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Rede Amamenta Brasil: os primeiros passos (2007–2010) Brasília: Ministério da Saúde, 2011. (Série I. História da Saúde). BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Aleitamento materno. Brasília: Ministério da Saúde, [s.d.]. No prelo. FUNDO das Nações Unidas para a Infância. Hospital Amigo da Criança: revista, atualizada e ampliada para o cuidado integrado: módulo 1: histórico e implementação. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). REDE INTERNACIONALEM DEFESADO DIREITODE AMAMENTAR (IBFANBRASIL).Inimigosdopeito.RevistadoInstitutoBrasileiro do Consumidor – IDEC, n. 159, p. 21-25 .Disponível em: <http:// www.idec.org.br/em-acao/revista/159>. Acesso em: jan. 2012.
  • 26. 26 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação tamento Materno, ribuição de Leites UNICEF. Situação Mundial da Infância 2008: caderno Brasil. 2008. Disponível em <http://www.unicef.org/lac/ cadernobrasil2008.pdf>. Acesso em: fev. 2012. WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Estratégia global para Alimentação de Lactentes e Crianças de primeira Infância. OMS, UNICEF, IBFAN Brasil, 2005. Al Di e Es Sa
  • 27. leitamento Mat istribuição de L Fórmulas Infan stabelecimento aúde e a Legisl
  • 28. 28 Aleitamento Materno, Distribuição de Leites e Fórmulas Infantis em Estabelecimentos de Saúde e a Legislação Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs 9 788533 419353 ISBN 978853341935-3