SlideShare uma empresa Scribd logo
INJÚRIAS E VIOLÊNCIAS
1. Bem-aventurados os que são brandos, porque
possuirão a Terra. (S.
MATEUS, cap. V, v. 4.)
2. Bem-aventurados os pacíficos, porque serão
chamados filhos de Deus. (Id., v.9)
ESE CAP. IX
INJÚRIAS E VIOLÊNCIAS
Sabeis que foi dito aos antigos: Não matareis e quem
quer que mate merecerá
condenação pelo juízo. - Eu, porém, vos digo que
quem quer que se puser em cólera
contra seu irmão merecerá condenado no juízo; que
aquele que disser a seu irmão:
Raca, merecerá condenado pelo conselho; e que
aquele que lhe disser: És louco,
merecerá condenado ao fogo do inferno. (Id., vv. 21
e 22.)
A exaltação da cortesia
Caderno de Mensagens
À frente da multidão de sofredores e desalentados,
relacionou o Mestre as bem-aventuranças,
destacando, com ênfase, a declaração de que os
mansos herdariam a Terra.
A afirmativa, porém, soou entre os discípulos de maneira
menos agradável.
Tal asserção não seria encorajamento à ociosidade
mental até mesmo a preguiça?
Se o evangelho reclamava espíritos valorosos na sementeira das
verdades renovadoras, como acomodar a promessa com a
necessidade do destemor?
Se o mal era atrevido e contundente, em todos os climas e
posições, como estabelecer o triunfo inadiável do bem através da
incapacidade de reagir, embora pacificamente?
Nessas interrogações imprecisas, reuniu-se a assembleia familiar
no domicílio de Pedro.
Iniciado os comentários edificantes da noite, entreolhavam-se os
discípulos entre a indagação e a curiosidade.
O Divino amigo parecia perceber os motivos da
Expectação em torno, mas esperava,
sereno, que os seguidores se pronunciassem.
Foi então que Judas, rompendo o véu de respeito que aureolava
a presença do Mestre, inquiriu, loquaz:
- Senhor, por que atribuíste aos mansos a posse final da Terra?
Os corações acovardados gozarão de semelhante benção?
Os incapazes de testemunhar a fé, nos momentos graves
De luta e sacrifício, serão igualmente bem-aventurados?
Jesus não respondeu, de imediato.
Vagueou o olhar, através dos circunstantes, como a
pedir-lhes a exposição de quaisquer dúvidas
que lhe povoassem a alma.
Rio Jordão
Pedro cobrou ânimo e perguntou:
- Sim, Mestre: se um malfeitor visitar-me a casa, não devo recordar-
lhe os imperativos do acatamento recíproco?
- Entregar-me-ei sem qualquer admoestação fraternal aos seus
delituoso caprichos, a pretexto de guardar a mansidão que te
referiste?
O Cristo sorriu, como tantas vezes, e enunciou, calmo:
- Enganam-se todos, naturalmente. Eu não fiz o elogio da
preguiça, que se mascara de humildade, nem da covardia que se
veste de cordura para melhor acomodar-se às conveniências
humanas. As criaturas que se afeiçoam a semelhantes artifícios
sofrerão duramente os instrumentos espirituais de que o mundo
se utiliza para reajustar os caracteres tortuosos e indecisos.
Exaltei, na realidade, a cortesia de que
somos credores uns dos outros.
Mar de Galiléia
Bem-aventurados os homens de trato ameno que sabem
usar a energia construtiva entre o gesto de bondade e o
verbo da compreensão!
Mar de Galiléia
Bem-aventurados os filhos do equilíbrio e da
gentileza que aprendem a negar o mal,
sem ferir o irmão ignorante que os solicita sem
saber o que pede!
Mar de Galiléia
EXEMPLO
Abençoados os que repetem mil vezes a mesma lição, sem
alarde, para que o próximo lhes aproveite a influenciação
na felicidade justa de todos!
EXEMPLO
Bem-aventurados aqueles que sabem tratar o rico e o
pobre, o sábio e o inculto, o bom e o mau com espírito de
serviço e entendimento dando a cada um,
de conformidade com seus méritos e necessidades e
deixando os sinais de melhoria, de elevação, bem-estar e
contentamento por onde cruzam!
Em verdade vos digo que a eles pertencerá o domínio espiritual
da Terra, porque todo aquele que acolhe os semelhantes,
dentro das normas do amor e do respeito, é senhor dos
corações que se aperfeiçoam no mundo!
Alívio e alegria transbordaram do ânimo geral e, de olhos fitos,
agora, nas águas imensas do grande lago, o Senhor pediu a
Mateus encerrasse o fraterno entendimento da noite,
pronunciando uma prece.
Do livro : Jesus no Lar de Neio Lúcio
Por Chico Xavier

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moral
Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moralPalestra Espírita - A caridade material e a caridade moral
Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moral
Divulgador do Espiritismo
 
Palestra convidar os pobres e estropiados
Palestra convidar os pobres e estropiadosPalestra convidar os pobres e estropiados
Palestra convidar os pobres e estropiados
Elizabeth Pimentel
 
Palestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Palestra ESE cap 8 bem aventurados purosPalestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Palestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Tiburcio Santos
 
Retribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bemRetribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bem
Izabel Cristina Fonseca
 
Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho
   Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho   Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho
Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho
carlos freire
 
Se alguém bater na face direita
Se alguém bater na face direitaSe alguém bater na face direita
Se alguém bater na face direita
Izabel Cristina Fonseca
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
Leonardo Pereira
 
Dai gratuitamente...
Dai gratuitamente...Dai gratuitamente...
Dai gratuitamente...
Mirian De Lima Mendes
 
Nao Julgues Compreenda
Nao Julgues CompreendaNao Julgues Compreenda
Nao Julgues Compreenda
Graça Maciel
 
O poder da Prece
O poder da PreceO poder da Prece
O poder da Prece
Cleuta Fraga
 
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
Izabel Cristina Fonseca
 
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
JulianoCarvalho29
 
Amai vossos inimigos_versão final
Amai vossos inimigos_versão finalAmai vossos inimigos_versão final
Amai vossos inimigos_versão final
grupodepaisceb
 
A prece
A prece A prece
A prece
Graça Maciel
 
Reconhece cristao l.ppt
Reconhece cristao l.pptReconhece cristao l.ppt
Reconhece cristao l.ppt
Vanda Machado
 
Palestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bemPalestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bem
Jose Ferreira Almeida Almeida
 
Injúrias E Violências
Injúrias E ViolênciasInjúrias E Violências
Injúrias E Violências
Grupo Espírita Cristão
 
Indulgencia www.forumespirita.net
Indulgencia www.forumespirita.netIndulgencia www.forumespirita.net
Indulgencia www.forumespirita.net
Fórum Espírita
 
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
Patricia Farias
 
Afabilidade e doçura
Afabilidade e doçuraAfabilidade e doçura
Afabilidade e doçura
Lorena Dias
 

Mais procurados (20)

Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moral
Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moralPalestra Espírita - A caridade material e a caridade moral
Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moral
 
Palestra convidar os pobres e estropiados
Palestra convidar os pobres e estropiadosPalestra convidar os pobres e estropiados
Palestra convidar os pobres e estropiados
 
Palestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Palestra ESE cap 8 bem aventurados purosPalestra ESE cap 8 bem aventurados puros
Palestra ESE cap 8 bem aventurados puros
 
Retribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bemRetribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bem
 
Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho
   Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho   Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho
Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho
 
Se alguém bater na face direita
Se alguém bater na face direitaSe alguém bater na face direita
Se alguém bater na face direita
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
 
Dai gratuitamente...
Dai gratuitamente...Dai gratuitamente...
Dai gratuitamente...
 
Nao Julgues Compreenda
Nao Julgues CompreendaNao Julgues Compreenda
Nao Julgues Compreenda
 
O poder da Prece
O poder da PreceO poder da Prece
O poder da Prece
 
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
 
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
 
Amai vossos inimigos_versão final
Amai vossos inimigos_versão finalAmai vossos inimigos_versão final
Amai vossos inimigos_versão final
 
A prece
A prece A prece
A prece
 
Reconhece cristao l.ppt
Reconhece cristao l.pptReconhece cristao l.ppt
Reconhece cristao l.ppt
 
Palestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bemPalestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bem
 
Injúrias E Violências
Injúrias E ViolênciasInjúrias E Violências
Injúrias E Violências
 
Indulgencia www.forumespirita.net
Indulgencia www.forumespirita.netIndulgencia www.forumespirita.net
Indulgencia www.forumespirita.net
 
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
 
Afabilidade e doçura
Afabilidade e doçuraAfabilidade e doçura
Afabilidade e doçura
 

Semelhante a 2015 08-11 - PAE terça - Injúrias e Violências

A família zebedeu
A família zebedeuA família zebedeu
A família zebedeu
Fatoze
 
Fidelidade a Deus
Fidelidade a DeusFidelidade a Deus
Fidelidade a Deus
Fatoze
 
Evangelho Cap5 item18
Evangelho Cap5 item18Evangelho Cap5 item18
Evangelho Cap5 item18
Patricia Farias
 
A lição da vigilância
A lição da vigilânciaA lição da vigilância
A lição da vigilância
Fatoze
 
Lição 7 – A crise continua + Textos_GGR
Lição 7 – A crise continua + Textos_GGRLição 7 – A crise continua + Textos_GGR
Lição 7 – A crise continua + Textos_GGR
Gerson G. Ramos
 
O perdão
O perdãoO perdão
O perdão
Fatoze
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Bruno Cechinel Filho
 
O sermão do monte
O sermão do monteO sermão do monte
O sermão do monte
Fatoze
 
Amor e renúncia
Amor e renúnciaAmor e renúncia
Amor e renúncia
Fatoze
 
Ensino1 as bem_aventurancas
Ensino1 as bem_aventurancasEnsino1 as bem_aventurancas
Ensino1 as bem_aventurancas
DÉBORA S. M. COELHO
 
O servo bom
O servo bomO servo bom
O servo bom
Fatoze
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
Ricardo Azevedo
 
Fonte viva
Fonte vivaFonte viva
Oração Dominical
Oração DominicalOração Dominical
Oração Dominical
Fatoze
 
Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03
Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03
Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03
Candice Gunther
 
A Exaltação da Cortesia.pps
A Exaltação da Cortesia.ppsA Exaltação da Cortesia.pps
A Exaltação da Cortesia.pps
Joao Minelli Neto
 
2015 08-10 Palestra Centro Espírita Paz e Amor - A Exaltação da Cortesia
2015 08-10 Palestra Centro Espírita Paz e Amor - A Exaltação da Cortesia2015 08-10 Palestra Centro Espírita Paz e Amor - A Exaltação da Cortesia
2015 08-10 Palestra Centro Espírita Paz e Amor - A Exaltação da Cortesia
Joao Minelli Neto
 
2015 08-22 Palestra CERLUZ - Lei do Trabalho
2015 08-22 Palestra CERLUZ - Lei do Trabalho2015 08-22 Palestra CERLUZ - Lei do Trabalho
2015 08-22 Palestra CERLUZ - Lei do Trabalho
Joao Minelli Neto
 
2015 08-21 - Palestra O Semeador - Lei do Trabalho
2015 08-21 - Palestra O Semeador - Lei do Trabalho2015 08-21 - Palestra O Semeador - Lei do Trabalho
2015 08-21 - Palestra O Semeador - Lei do Trabalho
Joao Minelli Neto
 
2015 08-13 - FEEGO quinta - Lei do Trabalho
2015 08-13 - FEEGO quinta - Lei do Trabalho2015 08-13 - FEEGO quinta - Lei do Trabalho
2015 08-13 - FEEGO quinta - Lei do Trabalho
Joao Minelli Neto
 

Semelhante a 2015 08-11 - PAE terça - Injúrias e Violências (20)

A família zebedeu
A família zebedeuA família zebedeu
A família zebedeu
 
Fidelidade a Deus
Fidelidade a DeusFidelidade a Deus
Fidelidade a Deus
 
Evangelho Cap5 item18
Evangelho Cap5 item18Evangelho Cap5 item18
Evangelho Cap5 item18
 
A lição da vigilância
A lição da vigilânciaA lição da vigilância
A lição da vigilância
 
Lição 7 – A crise continua + Textos_GGR
Lição 7 – A crise continua + Textos_GGRLição 7 – A crise continua + Textos_GGR
Lição 7 – A crise continua + Textos_GGR
 
O perdão
O perdãoO perdão
O perdão
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
 
O sermão do monte
O sermão do monteO sermão do monte
O sermão do monte
 
Amor e renúncia
Amor e renúnciaAmor e renúncia
Amor e renúncia
 
Ensino1 as bem_aventurancas
Ensino1 as bem_aventurancasEnsino1 as bem_aventurancas
Ensino1 as bem_aventurancas
 
O servo bom
O servo bomO servo bom
O servo bom
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
 
Fonte viva
Fonte vivaFonte viva
Fonte viva
 
Oração Dominical
Oração DominicalOração Dominical
Oração Dominical
 
Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03
Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03
Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03
 
A Exaltação da Cortesia.pps
A Exaltação da Cortesia.ppsA Exaltação da Cortesia.pps
A Exaltação da Cortesia.pps
 
2015 08-10 Palestra Centro Espírita Paz e Amor - A Exaltação da Cortesia
2015 08-10 Palestra Centro Espírita Paz e Amor - A Exaltação da Cortesia2015 08-10 Palestra Centro Espírita Paz e Amor - A Exaltação da Cortesia
2015 08-10 Palestra Centro Espírita Paz e Amor - A Exaltação da Cortesia
 
2015 08-22 Palestra CERLUZ - Lei do Trabalho
2015 08-22 Palestra CERLUZ - Lei do Trabalho2015 08-22 Palestra CERLUZ - Lei do Trabalho
2015 08-22 Palestra CERLUZ - Lei do Trabalho
 
2015 08-21 - Palestra O Semeador - Lei do Trabalho
2015 08-21 - Palestra O Semeador - Lei do Trabalho2015 08-21 - Palestra O Semeador - Lei do Trabalho
2015 08-21 - Palestra O Semeador - Lei do Trabalho
 
2015 08-13 - FEEGO quinta - Lei do Trabalho
2015 08-13 - FEEGO quinta - Lei do Trabalho2015 08-13 - FEEGO quinta - Lei do Trabalho
2015 08-13 - FEEGO quinta - Lei do Trabalho
 

Último

Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
claudiovieira83
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 

Último (12)

Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 

2015 08-11 - PAE terça - Injúrias e Violências

  • 1. INJÚRIAS E VIOLÊNCIAS 1. Bem-aventurados os que são brandos, porque possuirão a Terra. (S. MATEUS, cap. V, v. 4.) 2. Bem-aventurados os pacíficos, porque serão chamados filhos de Deus. (Id., v.9) ESE CAP. IX
  • 2. INJÚRIAS E VIOLÊNCIAS Sabeis que foi dito aos antigos: Não matareis e quem quer que mate merecerá condenação pelo juízo. - Eu, porém, vos digo que quem quer que se puser em cólera contra seu irmão merecerá condenado no juízo; que aquele que disser a seu irmão: Raca, merecerá condenado pelo conselho; e que aquele que lhe disser: És louco, merecerá condenado ao fogo do inferno. (Id., vv. 21 e 22.)
  • 3. A exaltação da cortesia Caderno de Mensagens
  • 4. À frente da multidão de sofredores e desalentados, relacionou o Mestre as bem-aventuranças, destacando, com ênfase, a declaração de que os mansos herdariam a Terra.
  • 5. A afirmativa, porém, soou entre os discípulos de maneira menos agradável. Tal asserção não seria encorajamento à ociosidade mental até mesmo a preguiça?
  • 6. Se o evangelho reclamava espíritos valorosos na sementeira das verdades renovadoras, como acomodar a promessa com a necessidade do destemor? Se o mal era atrevido e contundente, em todos os climas e posições, como estabelecer o triunfo inadiável do bem através da incapacidade de reagir, embora pacificamente?
  • 7. Nessas interrogações imprecisas, reuniu-se a assembleia familiar no domicílio de Pedro. Iniciado os comentários edificantes da noite, entreolhavam-se os discípulos entre a indagação e a curiosidade.
  • 8. O Divino amigo parecia perceber os motivos da Expectação em torno, mas esperava, sereno, que os seguidores se pronunciassem.
  • 9. Foi então que Judas, rompendo o véu de respeito que aureolava a presença do Mestre, inquiriu, loquaz: - Senhor, por que atribuíste aos mansos a posse final da Terra? Os corações acovardados gozarão de semelhante benção? Os incapazes de testemunhar a fé, nos momentos graves De luta e sacrifício, serão igualmente bem-aventurados?
  • 10. Jesus não respondeu, de imediato. Vagueou o olhar, através dos circunstantes, como a pedir-lhes a exposição de quaisquer dúvidas que lhe povoassem a alma.
  • 11. Rio Jordão Pedro cobrou ânimo e perguntou: - Sim, Mestre: se um malfeitor visitar-me a casa, não devo recordar- lhe os imperativos do acatamento recíproco? - Entregar-me-ei sem qualquer admoestação fraternal aos seus delituoso caprichos, a pretexto de guardar a mansidão que te referiste?
  • 12. O Cristo sorriu, como tantas vezes, e enunciou, calmo: - Enganam-se todos, naturalmente. Eu não fiz o elogio da preguiça, que se mascara de humildade, nem da covardia que se veste de cordura para melhor acomodar-se às conveniências humanas. As criaturas que se afeiçoam a semelhantes artifícios sofrerão duramente os instrumentos espirituais de que o mundo se utiliza para reajustar os caracteres tortuosos e indecisos.
  • 13. Exaltei, na realidade, a cortesia de que somos credores uns dos outros.
  • 14. Mar de Galiléia Bem-aventurados os homens de trato ameno que sabem usar a energia construtiva entre o gesto de bondade e o verbo da compreensão!
  • 15. Mar de Galiléia Bem-aventurados os filhos do equilíbrio e da gentileza que aprendem a negar o mal, sem ferir o irmão ignorante que os solicita sem saber o que pede!
  • 17. Abençoados os que repetem mil vezes a mesma lição, sem alarde, para que o próximo lhes aproveite a influenciação na felicidade justa de todos!
  • 19. Bem-aventurados aqueles que sabem tratar o rico e o pobre, o sábio e o inculto, o bom e o mau com espírito de serviço e entendimento dando a cada um, de conformidade com seus méritos e necessidades e deixando os sinais de melhoria, de elevação, bem-estar e contentamento por onde cruzam!
  • 20. Em verdade vos digo que a eles pertencerá o domínio espiritual da Terra, porque todo aquele que acolhe os semelhantes, dentro das normas do amor e do respeito, é senhor dos corações que se aperfeiçoam no mundo!
  • 21. Alívio e alegria transbordaram do ânimo geral e, de olhos fitos, agora, nas águas imensas do grande lago, o Senhor pediu a Mateus encerrasse o fraterno entendimento da noite, pronunciando uma prece.
  • 22. Do livro : Jesus no Lar de Neio Lúcio Por Chico Xavier

Notas do Editor

  1. Todos que aqui estão se dispuseram a trabalhar hoje e doar um pouco de si mesmos, do seu tempo, e de sua energia, de seu ectoplasma, de seus fluidos, para auxiliar e aprender nesta manhã. Todos os dias estamos trabalhando…tudo trabalha, tudo está em constante movimento, o planeta, as pessoas, as mentes, as dimensoes, o mundo espiritual..tudo. Nós não paramos, nao podemos parar, porque do nosso trabalho depende nossa evolucao. Nós trabalhamos no plano spiritual, e trabalhamos quando reencarnamos no plano material. (o espermatozoiode leva 72 horas para fecundar o ovulo e sofre varias transformacoes no decorrer deste pouco tempo). O trabalho que dá para o espírito reencarnar.. O trabalho que dá para o espírito desencarnar… e tudo está interligado… ESSE Cap. XXVIII - IV. Dá-nos o pão de cada dia. Dá-nos o alimento indispensável à sustentação das forças do corpo; mas, dá-nos também o alimento espiritual para o desenvolvimento do nosso Espírito. O bruto encontra a sua pastagem; o homem, porém, deve o sustento à sua própria atividade e aos recursos da sua inteligência, porque o criaste livre. Tu lhe hás dito: "Tirarás da terra o alimento com o suor da tua fronte." Desse modo, fizeste do trabalho, para ele, uma obrigação, a fim de que exercitasse a inteligência na procura dos meios de prover às suas necessidades e ao seu bem-estar, uns mediante o labor manual, outros pelo labor intelectual. Sem o trabalho, ele se conservaria estacionário e não poderia aspirar à felicidade dos Espíritos superiores.
  2. Todos que aqui estão se dispuseram a trabalhar hoje e doar um pouco de si mesmos, do seu tempo, e de sua energia, de seu ectoplasma, de seus fluidos, para auxiliar e aprender nesta manhã. Todos os dias estamos trabalhando…tudo trabalha, tudo está em constante movimento, o planeta, as pessoas, as mentes, as dimensoes, o mundo espiritual..tudo. Nós não paramos, nao podemos parar, porque do nosso trabalho depende nossa evolucao. Nós trabalhamos no plano spiritual, e trabalhamos quando reencarnamos no plano material. (o espermatozoiode leva 72 horas para fecundar o ovulo e sofre varias transformacoes no decorrer deste pouco tempo). O trabalho que dá para o espírito reencarnar.. O trabalho que dá para o espírito desencarnar… e tudo está interligado… ESSE Cap. XXVIII - IV. Dá-nos o pão de cada dia. Dá-nos o alimento indispensável à sustentação das forças do corpo; mas, dá-nos também o alimento espiritual para o desenvolvimento do nosso Espírito. O bruto encontra a sua pastagem; o homem, porém, deve o sustento à sua própria atividade e aos recursos da sua inteligência, porque o criaste livre. Tu lhe hás dito: "Tirarás da terra o alimento com o suor da tua fronte." Desse modo, fizeste do trabalho, para ele, uma obrigação, a fim de que exercitasse a inteligência na procura dos meios de prover às suas necessidades e ao seu bem-estar, uns mediante o labor manual, outros pelo labor intelectual. Sem o trabalho, ele se conservaria estacionário e não poderia aspirar à felicidade dos Espíritos superiores.
  3. 1 – Gestos e Verbos 2 – Ter equilíbrio e gentileza, pois às vezes quem nos procura está precisando aliviar suas más tendências. 3 – Se nós repetirmos o bem, o outro acaba aprendendo. 4 – Pode ser feito com todos, ricos, pobres, bons maus, novos, idosos, etc.