SlideShare uma empresa Scribd logo
TRICICLOS MOTORIZADOS COMO ALTERNATIVAAOS TÁXIS E
MOTOTÁXIS DE FORTALEZAi
Resumo
A busca por soluções de transporte urbano demanda cada vez mais esforços da academia e dos
governos, em virtude da enormidade do problema. São comuns registros de
congestionamentos, lentidão, poluição e insatisfação generalizada de pedestres, condutores e
passageiros. Em cidades do porte de Fortaleza, em que a situação do transporte urbano tem
apresentado piora nos últimos anos, esta necessidade é ainda maior, apesar das iniciativas do
poder público no sentido de minorar os problemas. O presente artigo apresenta a adoção de
triciclos motorizados como forma auxiliar de transporte urbano de passageiros na cidade de
Fortaleza. O texto apresenta inicialmente a questão do transporte urbano de passageiros, e em
seguida aborda a situação do transporte na cidade de Fortaleza. A seção subsequente discorre
sobre os triciclos motorizados, suas características e potencialidades como alternativa de
transporte urbano. O texto encerra-se com a proposição da adoção dos triciclos motorizados
como alternativa aos táxis e mototáxis já empregados na cidade, seus pressupostos e as notas
conclusivas do texto.
Palavras-Chave: Mobilidade Urbana. Problemas de Transporte. Triciclo Motorizado.
1. Introdução
A busca por soluções de transporte urbano demanda cada vez mais esforços, em virtude
da enormidade do problema. São comuns registros de congestionamentos, poluição, lentidão e
insatisfação de pedestres, motoristas e passageiros (AKIN-TEPEDE, 2010; GUILLEN, 2004;
STARKEY, 2000). Em cidades do porte de Fortaleza, em que a situação do transporte urbano
tem apresentado piora nos últimos anos, esta necessidade é ainda maior.
Atualmente a capital do estado do Ceará conta com uma frota crescente de veículos, e
apresenta congestionamentos cada vez maiores e mais frequentes, o que toma tempo das
pessoas, causa poluição sonora e do ar, aumenta os custos com combustíveis e gera
insatisfação generalizada. Soluções inovadoras que abordem a temática dos transportes
urbanos apresentam potencial para minorar este quadro, oferecendo alternativas à população.
O presente artigo apresenta a adoção de triciclos motorizados como forma auxiliar de
transporte urbano de passageiros na cidade de Fortaleza.
O texto apresenta inicialmente a questão do transporte urbano de passageiros. Em
seguida aborda a situação do transporte na cidade de Fortaleza. A seção subsequente aborda os
triciclos motorizados e suas características. O texto se encerra com a proposição da adoção
dos triciclos motorizados como alternativa aos táxis e mototáxis já empregados na cidade e as
notas conclusivas.
2. Problemas Correntes do Transporte Urbano de Passageiros
Pode-se afirmar que a qualidade do transporte urbano é crucial para a qualidade de vida
das grandes cidades. No entanto, com o crescimento dos grandes centros urbanos, a
manutenção de padrões aceitáveis de transporte tem sido bastante ameaçada. A literatura cita
problemas recorrentes, dos quais destacam-se os congestionamentos, a falta de segurança
física, a poluição sonora e do ar, o desconforto dos passageiros e os custos elevados (AKIN-
TEPEDE, 2010; GUILLEN, 2004; STARKEY, 2000).
No Brasil, congestionamentos de vários quilômetros de extensão ocorrem
cotidianamente nas grandes cidades do país. As vias existentes estão saturadas e qualquer
ocorrência atípica, como um acidente, obra de pequeno porte ou quebra de algum veículo
ocasiona grandes transtornos.
O uso de motos sem o uso de capacacete e a falta de cinto de segurança estão entre
vários problemas recorrentes envolvendo a segurança física dos passageiros de veículos em
áreas urbanas. Embora a legislação coiba as más práticas, as mesmas continuam ocorrendo. O
número de acidentes com lesões e mortes no país é preocupante.
A queima de combustíveis fósseis é uma questão importante, embora seu impacto
negativo tenha diminuído pela adição de álcool à gasolina e pela redução de enxofre no diesel.
A liberação de carbono e enxofre, entre outros poluentes, aumenta quando os veículos ficam
presos a congestionamentos ou rodam distâncias maiores para contorná-los. A situação piora
pelo fato de muitos dos veículos serem mal regulados, emitindo muito mais poluentes. A
poluição sonora gerada pelos motores dos veículos é agravada pela falta de cortesia e
educação no trânsito, por veículos desregulados e pelo tráfego de ambulâncias, viaturas
policiais e outros veículos com sirenes, em serviço.
Um problema pouco abordado pelas autoridades são as condições de conforto no
transporte público. Assentos desconfortáveis, superlotação com grandes jornadas feitas em pé,
pouco espaço, níveis de calor, luz e barulho intoleráveis são realidades dentro dos transportes
públicos que não têm sido considerados pelas autoridades competentes.
Pode-se supor que os custos causados pelos problemas de transporte urbano são bastante
elevados, embora a metodologia para calculá-los seja complexa e existam várias formas
distintas de fazer esta aferição. Uma forma empírica simples de se fazer este levantamento é
multiplicar o número médio de horas perdidas pelas pessoas no trânsito pelo valor médio de
hora de trabalho. Esta regra de cálculo não leva em conta prejuízos à saúde dos indivíduos
pelo atraso no atendimento médico por parte das ambulâncias ou pela poluição, gastos
adicionais com a manutenção de veículos e os danos ambientais.
Salienta-se após uma breve revisão bibliográfica que melhorar o transporte urbano é
reduzir custos para todos os envolvidos e aumentar a sua satisfação com este tipo de serviço.
3. A Organização do Transporte Urbano de Passageiros em Fortaleza
O trânsito de Fortaleza, assim como o dos grandes centros urbanos, sofre
recorrentemente com problemas de trânsito. A cidade padece de todos os grandes problemas
relacionados ao transporte urbano de passageiros: congestionamentos, insegurança, poluição
sonora e do ar, condições desconfortáveis de transporte dos passageiros e custos elevados. Os
problemas de transporte público estão relacionados às características das modalidades de
transporte urbano oferecidas à população. A ETUFOR, Empresa de Transporte Urbano de
Fortaleza, é o órgão responsável pela gestão do sistema de transporte utrbano da cidade
(ETUFOR, 2014; WIKIPEDIA, 2014).
O transporte ferroviário transporte uma pequena fração de passageiros a preços
populares, mas sofre com malha ferroviária diminuta e vandalismo. Esta forma de transporte
tende a se expandir futuramente com a implantação de linhas de metrô, embora esta expansão
ocorra em um ritmo muito aquém da necessidade da cidade. O desenrolar do processo de
crescimento da cidade ao longo do tempo priorizou o transporte em vias asfaltadas, em
detrimento do transporte por via férrea.
As empresas de ônibus, responsáveis por grande parte dos transportes na cidade,
apresentam veículos quase sempre lotados, sem proteção contra o sol e o calor, com nível
elevado de ruído, e superlotados. O deslocamento dos ônibus conta com poucas vias
exclusivas, o que faz com que este tipo de veícuo dispute o espaço disponível com outros
veículoes como motos e carros, retardando a velocidade de transporte. Os ônibus participam
de um sistema integrado que permite a troca de linha de ônibus sem pagamento adicional nos
terminais rodoviários e a utilização do chamado "bilhete único", complementado pelas
chamadas "vans", que fazem o chamado transporte alternativo (ETUFOR, 2014;
WIKIPEDIA, 2014).
O sistema de táxis apresenta-se caro como alternativa para a maior parte da população, e
apresenta um número subdimensionado de permissionários cadastrados, o que causa um
grande tempo de espera para que os clientes sejam atendidos. Houve recentemente um edital
para concessão de mais vagas, que está em andamento. No entanto, em virtude do preço
praticado para esta modalidade de transporte, esta medida terá seu impacto reduzido na
questão do transporte urbano na cidade.
Os mototáxis apresentam uma alternativa de transporte popular, porém desconfortátel,
com limitações para transporte de cargas, ainda que pequenas, riscos substanciais de
acidentes, e a necessidade incômoda de se utilizar capacetes compartilhados por todos os
demais passageiros.
A malha de ciclovias ainda é pequena, embora esteja em crescimento. As grandes
distâncias percorridas pela população e os riscos tornam a opção cicloviária menos atraente
para médias distâncias.
Em um ambiente em que as soluções de transporte público oferecidas apresentam
lacunas e problemas diversos, a opção por transporte próprio em automóvel ganhou
atratividade, o que contribuiu para a geração de congestionamentos, mais poluição, maior
tempo nos deslocamentos, desconforto, e para uma insatisfação generalizada com as
condições de transporte da cidade.
A prefeitura e o estado têm se mobilizado para contornar o problema pela promoção de
reformas, alterações do fluxo dos veículos nas vias, introdução de semáforos inteligentes,
entre outras medidas (ETUFOR, 2014; WIKIPEDIA, 2014). No entanto, os custos e o longo
tempo de conclusão das obras geram descontentamento e contestação.
Toda esta problemática aponta para a necessidade de novas soluções alternativas que
suavizem o desgaste no deslocamento dentro da cidade. Neste contexto, os triciclos
motorizados caracterizam-se como uma opção para se atacar a questão do transporte urbano
em Fortaleza.
4. Triciclos Motorizados e suas Características
Triciclos motorizados são basicamente veículos motorizados em três rodas. Apresentam
traços em comum com tradicional triciclo de tração humana, comum em alguns países
orientais, mas também estão presentes na África e em países da América Latina (AKIN-
TEPEDE, 2010; GUILLEN, 2004; STARKEY, 2000). Apresentam-se em diversas
configurações, desde uma motocicleta comum com um sidecar adaptado, até veículos
sofisticados, com maiores recursos de segurança e conforto (AKIN-TEPEDE, 2010;
GUILLEN, 2004; STARKEY, 2000). Podem utilizar diversos tipos de combustíveis, incluindo
gasolina, álcool e gás natural, existindo a possibilidade futura de desenvolvimento de triciclos
elétricos comercialmente viáveis.
A análise das características dos triciclos motorizados os colocam como intermediários
entre os táxis e as motocicletas em uma série de quesitos: Conforto, segurança, custo para o
passageiro, poluição, capacidade de carga e custo de manutenção.
Embora possuam menos espaço interno e conforto que um táxi, os triciclos motorizados
apresentam muito mais recursos de conforto que o transporte em mototáxis. Acolchoamento,
apoio para as costas dos passageiros, proteção contra sol e chuva e espaço para acomodação
de pequenos volumes estão entre as principais possibilidades. Tanto o condutor quanto o
passageiro são beneficiados pelo ganho em conforto pelo uso de triciclos motorizados.
Adicionalmente, adaptações especiais podem ser feitas para melhor transportar os muito
jovens, os idosos e os portadores de deficiências que necessitem de facilidades para
locomoção (STARKEY, 2000).
A segurança física dos triciclos motorizados também é superior à dos mototáxis, pois
estes veículos apresentam compatibilidade com cinto de segurança, extintores de incêndio,
freio de mão, barras de proteção, capota e para-brisa reforçado, entre outros equipamentos de
segurança, dispensando em certos casos o uso do capacete. É conveniente denotar que
convém ao poder público regular que equipamentos de segurança serão considerados
obrigatórios.
O custo para o passageiro também é menor que o proporcionado pelos táxis, uma vez
que o consumo de combustível é menor e as cargas transportadas são menores. Ao mesmo
tempo, o custo é maior que o transporte em mototáxi, por ser um serviço de maior valor
agregado.
A poluição gerada por um triciclo motorizado é igual ou superior superior à de uma
motocicleta, embora normalmente inferior à de um automóvel. Empregar este meio como
alternativa aos táxis seria uma medida positiva em termos de combate à poluição do ar,
embora a sua utilização no lugar da motocicleta não seja necessariamente benéfica neste
sentido. Cabe salientar que se o parque instalado de triciclos motorizados for muito grande,
como no caso da Indonésia, pode haver um grande impacto ambiental negativo (STARKEY,
2000), mas este não seria o caso na adoção deste veículo como alternativa aos táxis e
mototáxis.
A capacidade de carga de um triciclo motorizado é superior à de um mototáxi, podendo
ser expandida de acordo com as configurações do veículo. Triciclos motorizados são
particularmente úteis no transporte em curtas distâncias de cargas pequenas, onde apresentam
melhor custo-benefício que opções com maior capacidade de carga (STARKEY, 2000).
Adicionalmente, o custo de aquisição e manutenção de um triciclo é intermediário entre o do
táxi e o dos mototáxis, facilitando a aquisição por parte dos condutores.
O fato de atuar em um nicho não totalmente suportado pelas motocicletas nem pelos
táxis faz com que a adoção de triciclos motorizados melhore as condições de transporte para
os condutores e passageiros sem excluir opções de transporte. Esta afirmação encontra eco na
literatura que afirma que meios de transporte intermediários apresentam-se como mais
apropriados, convenientes e acessíveis (STARKEY, 2000)
5. Proposta de uma Frota de Triciclos Motorizados na Cidade de Fortaleza
Tendo em base os argumentos apresentados, propõe-se a adoção de triciclos
motorizados como uma alternativa de transporte urbano na cidade de Fortaleza. Este tipo de
veículo atuaria de forma complementar aos os táxis e mototáxis empregados pela população
da cidade.
Existe um evidente potencial de ganho em espaço de estacionamento, em velocidade, no
transporte de pequenas cargas, na satisfação dos passageiros, entre outros benefícios. No
entanto, a mera adoção de triciclos motorizados na cidade poderia aumentar os problemas, ao
invés de amenizá-los, e existem várias referências de problemas e implantações mal sucedidas
desta tecnologia de transporte (AKIN-TEPEDE, 2010; GUILLEN, 2004; STARKEY, 2000). É
necessário satisfazer requisitos básicos para aumentar a possibilidade de sucesso.
Os três grandes requisitos para a implantação de uma frota de triciclos motorizados no
transporte urbano da cidade de Fortaleza são: A promoção, coordenação e normatização deve
ser feita pelo poder público, particularmente pela prefeitura da cidade; o padrão adotado deve
apresentar modernos recursos de conforto e segurança física para os condutores e passageiros
e por fim deve ser adotada uma política de preços clara, que impeça abusos ou concorrência
predatória de preços.
A adoção legalizada e normatizada pela prefeitura fará com que cada triciclo cumpra os
requisitos relativos à segurança, ao padrão visual, às vistorias periódicas, níveis de ruído e
poluição, ao estado de conservação e aos tributos devidos, entre outras necessidades que um
sistema de transporte deve suprir. A prefeitura também deverá estabelecer a quantidade de
triciclos a serem concedidos, abrir vagas de estacionamento e estabelecer um currículo
mínimo a ser exigido dos condutores. A falta de políticas públicas adequadas pode gerar
efeitos negativos, como a falta de controle e padronização ocorrida nas Filipinas, em que
várias modalidades de triciclos motorizados foram adotadas de forma desordenada, o que
gerou proibições tardias e conflitos com os condutores (GUILLEN, ISHIDA, 2004).
Outra atribuição vital da prefeitura será obter a tecnologia dos triciclos para a cidade.
Este processo demanda a prospecção de fornecedores que satisfaçam condições técnicas, de
preços e de assistência técnica contínua, com o fornecimento de peças sobressalentes.
Segundo a literatura, é necessário atingir uma massa crítica de usuários para adotar um meio
de transporte intermediário como o triciclo motorizado, em locais onde é difícil adquiri-los,
utilizá-los e mantê-los (STARKEY, 2000).
A normatização de recursos de segurança física, tais como cinto de segurança, faróis,
extintor de incêndio, kit de primeiros socorros, vidros e carenagens de proteção, entre outros,
deve ser implementada pela prefeitura segundo os padrões de segurança nacionais e
internacionais. Desta forma previnem-se acidentes em que vidas possam ser ameaçadas.
A política de preços é um instrumento que a prefeitura pode adotar para evitar a
competição predatória de preços e coibir abusos como a cobrança exorbitante ou taxas
adicionais que firam os direitos dos consumidores. Deve ser pública, transparente e conhecida
pelos condutores e pelos clientes em potencial do serviço.
Assumindo-se o cumprimento dos requisitos básicos, a implantação de um sistema de
transporte alternativo baseado em triciclos tem potencial de amenizar os problemas de
transporte da cidade de Fortaleza. A implementação desta tecnologia de transporte como
política pública não se trata de uma solução mágica para o problema, mas de uma entre várias
medidas que podem ser aplicadas, apresentando a vantagem de gerar empregos e utilizar
melhor o disputado espaço disponível para os veículos de transporte urbano de passageiros.
6. Notas Conclusivas
O presente artigo apresenta o uso de triciclos motorizados como alternativa a ser
adotada para melhorar o transporte urbano da cidade de Fortaleza. A utilização desta
tecnologia por si só não resolveria as principais questões, mas amenizaria o quadro de
dificuldades de deslocamento vivenciado diariamente pela população.
Pesquisas adicionais se fazem necessárias a respeito de possíveis problemas na
implantação dos triciclos, no detalhamento de requisitos de conforto e segurança e
principalmente na identificação de experiências positivas e negativas da adoção dos triciclos
urbanos como meio de transporte urbano.
Bibliografia
AKIN-TEPEDE; Oladipupo. Impediments to Adopting Sustainable Transportation in
Developing Countries – The Case of Tricycles in Nigeria. Monografia de Especialização do
Master of Business Administration in Marketing Management. 68p. 2010.
ETUFOR. Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza – Prefeitura de Fortaleza.
Disponível em: <http://www.fortaleza.ce.gov.br/etufor>
GUILLEN, Marie Danielle V.; ISHIDA , Haruo. Motorcycle-Propelled Public Transport
And Local Policy Development. IATSS RESEARCH. Vol. 28. N.1, 2004.
STARKEY; Paul. Local transport solutions: people, paradoxes and progress. Sub-Saharan
Africa Transport Policy Program Working Paper 56, World Bank, Washington, DC. 2000.
WIKIPEDIA. Transporte em Fortaleza. 2014. Disponível em:
<http://pt.wikipedia.org/wiki/Transporte_em_Fortaleza>
i Artigo apresentado por Cláudio Bezerra Leopoldino no Encontro de Pesquisadores Unichristus – 2014
claudiob_br@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade UrbanaMobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade Urbana
Milton R. Almeida
 
A Política Nacional de Mobilidade Urbana e o Transporte Ativo
A Política Nacional de Mobilidade Urbana e o Transporte AtivoA Política Nacional de Mobilidade Urbana e o Transporte Ativo
A Política Nacional de Mobilidade Urbana e o Transporte Ativo
Gabriella Ribeiro
 
Af wri cities_saferbydesign_portugues_pgsimples (3)
Af wri cities_saferbydesign_portugues_pgsimples (3)Af wri cities_saferbydesign_portugues_pgsimples (3)
Af wri cities_saferbydesign_portugues_pgsimples (3)
CARLOS FELIX
 
Capítulo 14 - Mobilidade não motorizada e o trânsito urbano
Capítulo 14 -  Mobilidade não motorizada e o trânsito urbanoCapítulo 14 -  Mobilidade não motorizada e o trânsito urbano
Capítulo 14 - Mobilidade não motorizada e o trânsito urbano
Brasil Não Motorizado
 
Carona solidária (O Globo)
Carona solidária (O Globo)Carona solidária (O Globo)
Carona solidária (O Globo)
Marcos Leite
 
Mobilidade Urbana em Salvador
Mobilidade Urbana em SalvadorMobilidade Urbana em Salvador
Mobilidade Urbana em Salvador
Nelt Logística e Tecnologias
 
Ppt educação geografia_educaçãono_trânsito
Ppt educação geografia_educaçãono_trânsitoPpt educação geografia_educaçãono_trânsito
Ppt educação geografia_educaçãono_trânsito
Joao Paulo
 
Balanço de Gestão - CET - Companhia de Engenharia de Tráfego - 2001 /2003
Balanço de Gestão - CET -  Companhia de Engenharia de Tráfego - 2001 /2003Balanço de Gestão - CET -  Companhia de Engenharia de Tráfego - 2001 /2003
Balanço de Gestão - CET - Companhia de Engenharia de Tráfego - 2001 /2003
Chico Macena
 
Capítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicleta
Capítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicletaCapítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicleta
Capítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicleta
Brasil Não Motorizado
 
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
trans_smt
 
Marcos Bicalho
Marcos BicalhoMarcos Bicalho
Texto argumentativo
Texto argumentativoTexto argumentativo
Texto argumentativo
Priscila Hilária
 
Miriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbana
Miriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbanaMiriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbana
Miriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbana
Palácio do Planalto
 

Mais procurados (13)

Mobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade UrbanaMobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade Urbana
 
A Política Nacional de Mobilidade Urbana e o Transporte Ativo
A Política Nacional de Mobilidade Urbana e o Transporte AtivoA Política Nacional de Mobilidade Urbana e o Transporte Ativo
A Política Nacional de Mobilidade Urbana e o Transporte Ativo
 
Af wri cities_saferbydesign_portugues_pgsimples (3)
Af wri cities_saferbydesign_portugues_pgsimples (3)Af wri cities_saferbydesign_portugues_pgsimples (3)
Af wri cities_saferbydesign_portugues_pgsimples (3)
 
Capítulo 14 - Mobilidade não motorizada e o trânsito urbano
Capítulo 14 -  Mobilidade não motorizada e o trânsito urbanoCapítulo 14 -  Mobilidade não motorizada e o trânsito urbano
Capítulo 14 - Mobilidade não motorizada e o trânsito urbano
 
Carona solidária (O Globo)
Carona solidária (O Globo)Carona solidária (O Globo)
Carona solidária (O Globo)
 
Mobilidade Urbana em Salvador
Mobilidade Urbana em SalvadorMobilidade Urbana em Salvador
Mobilidade Urbana em Salvador
 
Ppt educação geografia_educaçãono_trânsito
Ppt educação geografia_educaçãono_trânsitoPpt educação geografia_educaçãono_trânsito
Ppt educação geografia_educaçãono_trânsito
 
Balanço de Gestão - CET - Companhia de Engenharia de Tráfego - 2001 /2003
Balanço de Gestão - CET -  Companhia de Engenharia de Tráfego - 2001 /2003Balanço de Gestão - CET -  Companhia de Engenharia de Tráfego - 2001 /2003
Balanço de Gestão - CET - Companhia de Engenharia de Tráfego - 2001 /2003
 
Capítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicleta
Capítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicletaCapítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicleta
Capítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicleta
 
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
 
Marcos Bicalho
Marcos BicalhoMarcos Bicalho
Marcos Bicalho
 
Texto argumentativo
Texto argumentativoTexto argumentativo
Texto argumentativo
 
Miriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbana
Miriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbanaMiriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbana
Miriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbana
 

Destaque

Imagens do catálogo do postgresql
Imagens do catálogo do postgresqlImagens do catálogo do postgresql
Imagens do catálogo do postgresql
Cláudio Leopoldino
 
Postgresql 50 Sabores - PgDay Ceará 2013
Postgresql 50 Sabores - PgDay Ceará 2013Postgresql 50 Sabores - PgDay Ceará 2013
Postgresql 50 Sabores - PgDay Ceará 2013
Cláudio Leopoldino
 
2015 leopoldino-inclusao de autistas no mercado de trabalho
2015 leopoldino-inclusao de autistas no mercado de trabalho2015 leopoldino-inclusao de autistas no mercado de trabalho
2015 leopoldino-inclusao de autistas no mercado de trabalho
Cláudio Leopoldino
 
Modelagem de Processos com BPM
Modelagem de Processos com BPMModelagem de Processos com BPM
Modelagem de Processos com BPM
Cláudio Leopoldino
 
Case Study: Transforming the Worker's Compensation Experience
Case Study: Transforming the Worker's Compensation ExperienceCase Study: Transforming the Worker's Compensation Experience
Case Study: Transforming the Worker's Compensation Experience
Miron Construction
 
PostgreSQL
PostgreSQLPostgreSQL

Destaque (6)

Imagens do catálogo do postgresql
Imagens do catálogo do postgresqlImagens do catálogo do postgresql
Imagens do catálogo do postgresql
 
Postgresql 50 Sabores - PgDay Ceará 2013
Postgresql 50 Sabores - PgDay Ceará 2013Postgresql 50 Sabores - PgDay Ceará 2013
Postgresql 50 Sabores - PgDay Ceará 2013
 
2015 leopoldino-inclusao de autistas no mercado de trabalho
2015 leopoldino-inclusao de autistas no mercado de trabalho2015 leopoldino-inclusao de autistas no mercado de trabalho
2015 leopoldino-inclusao de autistas no mercado de trabalho
 
Modelagem de Processos com BPM
Modelagem de Processos com BPMModelagem de Processos com BPM
Modelagem de Processos com BPM
 
Case Study: Transforming the Worker's Compensation Experience
Case Study: Transforming the Worker's Compensation ExperienceCase Study: Transforming the Worker's Compensation Experience
Case Study: Transforming the Worker's Compensation Experience
 
PostgreSQL
PostgreSQLPostgreSQL
PostgreSQL
 

Semelhante a Triciclos como Alternativa de Transporte Urbano para Fortaleza

TAV e os Trens Regionais
TAV e os Trens Regionais TAV e os Trens Regionais
Sistema transporte aula uni9 2011
Sistema transporte aula uni9 2011Sistema transporte aula uni9 2011
Sistema transporte aula uni9 2011
Eduardo Facchini
 
Propostas ANTP Eleições 2020
Propostas ANTP Eleições 2020Propostas ANTP Eleições 2020
Propostas ANTP Eleições 2020
Roberta Soares
 
Relatorio Ciclo de Debates: Inovações em Mobilidade Urbana
Relatorio Ciclo de Debates: Inovações em Mobilidade UrbanaRelatorio Ciclo de Debates: Inovações em Mobilidade Urbana
Relatorio Ciclo de Debates: Inovações em Mobilidade Urbana
Anthony Ling
 
Confiabilidade e variabilidade do tempo de viagem em sistemas Bus Rapid Transit
Confiabilidade e variabilidade do tempo de viagem em sistemas Bus Rapid TransitConfiabilidade e variabilidade do tempo de viagem em sistemas Bus Rapid Transit
Confiabilidade e variabilidade do tempo de viagem em sistemas Bus Rapid Transit
Diego Mateus da Silva
 
Mkt Dig - Mobilidade e Transportes
Mkt Dig - Mobilidade e Transportes Mkt Dig - Mobilidade e Transportes
Mkt Dig - Mobilidade e Transportes
Erika Santos
 
Reunião 10-10-13
Reunião 10-10-13 Reunião 10-10-13
Reunião 10-10-13
Gianlucca Hernandez
 
70_RG_-_O_Crescente_Desequilbrio_entre_os_Custos_e_as_Tarifas_do_Sistema_de_T...
70_RG_-_O_Crescente_Desequilbrio_entre_os_Custos_e_as_Tarifas_do_Sistema_de_T...70_RG_-_O_Crescente_Desequilbrio_entre_os_Custos_e_as_Tarifas_do_Sistema_de_T...
70_RG_-_O_Crescente_Desequilbrio_entre_os_Custos_e_as_Tarifas_do_Sistema_de_T...
PaulusViniciusdaSilv
 
Carta aberta aos prefeitos eleitos
Carta aberta aos prefeitos eleitosCarta aberta aos prefeitos eleitos
Carta aberta aos prefeitos eleitos
Roberta Soares
 
propostaderedao-mobilidadeurbananobrasil-171026040951.pptx
propostaderedao-mobilidadeurbananobrasil-171026040951.pptxpropostaderedao-mobilidadeurbananobrasil-171026040951.pptx
propostaderedao-mobilidadeurbananobrasil-171026040951.pptx
ChristianBarbosa26
 
Mobilidadesegura.pdf
Mobilidadesegura.pdfMobilidadesegura.pdf
Mobilidadesegura.pdf
AndresaCostaSantana
 
Envolverde - Dia sem carro
Envolverde - Dia sem carroEnvolverde - Dia sem carro
Envolverde - Dia sem carro
Fabricio
 
Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]
Blendon Mendonça
 
Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]
Blendon Mendonça
 
SLIDE Crise dos Transportes.pptx
SLIDE Crise dos Transportes.pptxSLIDE Crise dos Transportes.pptx
SLIDE Crise dos Transportes.pptx
TiagoBritoMacedo1
 
O preço da gratuidade no transporte público urbano
O preço da gratuidade no transporte público urbanoO preço da gratuidade no transporte público urbano
O preço da gratuidade no transporte público urbano
André Ramos
 
Mobilidade urbana - Colégio Mlobato
Mobilidade urbana - Colégio MlobatoMobilidade urbana - Colégio Mlobato
Mobilidade urbana - Colégio Mlobato
Isabel Cabral
 
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
loyx
 
Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.
Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.
Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.
Carlos Eduardo
 
Infraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas Cidades
Infraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas CidadesInfraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas Cidades
Infraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas Cidades
Daniel Pettini
 

Semelhante a Triciclos como Alternativa de Transporte Urbano para Fortaleza (20)

TAV e os Trens Regionais
TAV e os Trens Regionais TAV e os Trens Regionais
TAV e os Trens Regionais
 
Sistema transporte aula uni9 2011
Sistema transporte aula uni9 2011Sistema transporte aula uni9 2011
Sistema transporte aula uni9 2011
 
Propostas ANTP Eleições 2020
Propostas ANTP Eleições 2020Propostas ANTP Eleições 2020
Propostas ANTP Eleições 2020
 
Relatorio Ciclo de Debates: Inovações em Mobilidade Urbana
Relatorio Ciclo de Debates: Inovações em Mobilidade UrbanaRelatorio Ciclo de Debates: Inovações em Mobilidade Urbana
Relatorio Ciclo de Debates: Inovações em Mobilidade Urbana
 
Confiabilidade e variabilidade do tempo de viagem em sistemas Bus Rapid Transit
Confiabilidade e variabilidade do tempo de viagem em sistemas Bus Rapid TransitConfiabilidade e variabilidade do tempo de viagem em sistemas Bus Rapid Transit
Confiabilidade e variabilidade do tempo de viagem em sistemas Bus Rapid Transit
 
Mkt Dig - Mobilidade e Transportes
Mkt Dig - Mobilidade e Transportes Mkt Dig - Mobilidade e Transportes
Mkt Dig - Mobilidade e Transportes
 
Reunião 10-10-13
Reunião 10-10-13 Reunião 10-10-13
Reunião 10-10-13
 
70_RG_-_O_Crescente_Desequilbrio_entre_os_Custos_e_as_Tarifas_do_Sistema_de_T...
70_RG_-_O_Crescente_Desequilbrio_entre_os_Custos_e_as_Tarifas_do_Sistema_de_T...70_RG_-_O_Crescente_Desequilbrio_entre_os_Custos_e_as_Tarifas_do_Sistema_de_T...
70_RG_-_O_Crescente_Desequilbrio_entre_os_Custos_e_as_Tarifas_do_Sistema_de_T...
 
Carta aberta aos prefeitos eleitos
Carta aberta aos prefeitos eleitosCarta aberta aos prefeitos eleitos
Carta aberta aos prefeitos eleitos
 
propostaderedao-mobilidadeurbananobrasil-171026040951.pptx
propostaderedao-mobilidadeurbananobrasil-171026040951.pptxpropostaderedao-mobilidadeurbananobrasil-171026040951.pptx
propostaderedao-mobilidadeurbananobrasil-171026040951.pptx
 
Mobilidadesegura.pdf
Mobilidadesegura.pdfMobilidadesegura.pdf
Mobilidadesegura.pdf
 
Envolverde - Dia sem carro
Envolverde - Dia sem carroEnvolverde - Dia sem carro
Envolverde - Dia sem carro
 
Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]
 
Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]
 
SLIDE Crise dos Transportes.pptx
SLIDE Crise dos Transportes.pptxSLIDE Crise dos Transportes.pptx
SLIDE Crise dos Transportes.pptx
 
O preço da gratuidade no transporte público urbano
O preço da gratuidade no transporte público urbanoO preço da gratuidade no transporte público urbano
O preço da gratuidade no transporte público urbano
 
Mobilidade urbana - Colégio Mlobato
Mobilidade urbana - Colégio MlobatoMobilidade urbana - Colégio Mlobato
Mobilidade urbana - Colégio Mlobato
 
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
 
Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.
Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.
Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.
 
Infraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas Cidades
Infraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas CidadesInfraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas Cidades
Infraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas Cidades
 

Último

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 

Último (20)

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 

Triciclos como Alternativa de Transporte Urbano para Fortaleza

  • 1. TRICICLOS MOTORIZADOS COMO ALTERNATIVAAOS TÁXIS E MOTOTÁXIS DE FORTALEZAi Resumo A busca por soluções de transporte urbano demanda cada vez mais esforços da academia e dos governos, em virtude da enormidade do problema. São comuns registros de congestionamentos, lentidão, poluição e insatisfação generalizada de pedestres, condutores e passageiros. Em cidades do porte de Fortaleza, em que a situação do transporte urbano tem apresentado piora nos últimos anos, esta necessidade é ainda maior, apesar das iniciativas do poder público no sentido de minorar os problemas. O presente artigo apresenta a adoção de triciclos motorizados como forma auxiliar de transporte urbano de passageiros na cidade de Fortaleza. O texto apresenta inicialmente a questão do transporte urbano de passageiros, e em seguida aborda a situação do transporte na cidade de Fortaleza. A seção subsequente discorre sobre os triciclos motorizados, suas características e potencialidades como alternativa de transporte urbano. O texto encerra-se com a proposição da adoção dos triciclos motorizados como alternativa aos táxis e mototáxis já empregados na cidade, seus pressupostos e as notas conclusivas do texto. Palavras-Chave: Mobilidade Urbana. Problemas de Transporte. Triciclo Motorizado. 1. Introdução A busca por soluções de transporte urbano demanda cada vez mais esforços, em virtude da enormidade do problema. São comuns registros de congestionamentos, poluição, lentidão e insatisfação de pedestres, motoristas e passageiros (AKIN-TEPEDE, 2010; GUILLEN, 2004; STARKEY, 2000). Em cidades do porte de Fortaleza, em que a situação do transporte urbano tem apresentado piora nos últimos anos, esta necessidade é ainda maior. Atualmente a capital do estado do Ceará conta com uma frota crescente de veículos, e apresenta congestionamentos cada vez maiores e mais frequentes, o que toma tempo das pessoas, causa poluição sonora e do ar, aumenta os custos com combustíveis e gera insatisfação generalizada. Soluções inovadoras que abordem a temática dos transportes urbanos apresentam potencial para minorar este quadro, oferecendo alternativas à população. O presente artigo apresenta a adoção de triciclos motorizados como forma auxiliar de transporte urbano de passageiros na cidade de Fortaleza. O texto apresenta inicialmente a questão do transporte urbano de passageiros. Em
  • 2. seguida aborda a situação do transporte na cidade de Fortaleza. A seção subsequente aborda os triciclos motorizados e suas características. O texto se encerra com a proposição da adoção dos triciclos motorizados como alternativa aos táxis e mototáxis já empregados na cidade e as notas conclusivas. 2. Problemas Correntes do Transporte Urbano de Passageiros Pode-se afirmar que a qualidade do transporte urbano é crucial para a qualidade de vida das grandes cidades. No entanto, com o crescimento dos grandes centros urbanos, a manutenção de padrões aceitáveis de transporte tem sido bastante ameaçada. A literatura cita problemas recorrentes, dos quais destacam-se os congestionamentos, a falta de segurança física, a poluição sonora e do ar, o desconforto dos passageiros e os custos elevados (AKIN- TEPEDE, 2010; GUILLEN, 2004; STARKEY, 2000). No Brasil, congestionamentos de vários quilômetros de extensão ocorrem cotidianamente nas grandes cidades do país. As vias existentes estão saturadas e qualquer ocorrência atípica, como um acidente, obra de pequeno porte ou quebra de algum veículo ocasiona grandes transtornos. O uso de motos sem o uso de capacacete e a falta de cinto de segurança estão entre vários problemas recorrentes envolvendo a segurança física dos passageiros de veículos em áreas urbanas. Embora a legislação coiba as más práticas, as mesmas continuam ocorrendo. O número de acidentes com lesões e mortes no país é preocupante. A queima de combustíveis fósseis é uma questão importante, embora seu impacto negativo tenha diminuído pela adição de álcool à gasolina e pela redução de enxofre no diesel. A liberação de carbono e enxofre, entre outros poluentes, aumenta quando os veículos ficam presos a congestionamentos ou rodam distâncias maiores para contorná-los. A situação piora pelo fato de muitos dos veículos serem mal regulados, emitindo muito mais poluentes. A poluição sonora gerada pelos motores dos veículos é agravada pela falta de cortesia e educação no trânsito, por veículos desregulados e pelo tráfego de ambulâncias, viaturas policiais e outros veículos com sirenes, em serviço. Um problema pouco abordado pelas autoridades são as condições de conforto no transporte público. Assentos desconfortáveis, superlotação com grandes jornadas feitas em pé, pouco espaço, níveis de calor, luz e barulho intoleráveis são realidades dentro dos transportes
  • 3. públicos que não têm sido considerados pelas autoridades competentes. Pode-se supor que os custos causados pelos problemas de transporte urbano são bastante elevados, embora a metodologia para calculá-los seja complexa e existam várias formas distintas de fazer esta aferição. Uma forma empírica simples de se fazer este levantamento é multiplicar o número médio de horas perdidas pelas pessoas no trânsito pelo valor médio de hora de trabalho. Esta regra de cálculo não leva em conta prejuízos à saúde dos indivíduos pelo atraso no atendimento médico por parte das ambulâncias ou pela poluição, gastos adicionais com a manutenção de veículos e os danos ambientais. Salienta-se após uma breve revisão bibliográfica que melhorar o transporte urbano é reduzir custos para todos os envolvidos e aumentar a sua satisfação com este tipo de serviço. 3. A Organização do Transporte Urbano de Passageiros em Fortaleza O trânsito de Fortaleza, assim como o dos grandes centros urbanos, sofre recorrentemente com problemas de trânsito. A cidade padece de todos os grandes problemas relacionados ao transporte urbano de passageiros: congestionamentos, insegurança, poluição sonora e do ar, condições desconfortáveis de transporte dos passageiros e custos elevados. Os problemas de transporte público estão relacionados às características das modalidades de transporte urbano oferecidas à população. A ETUFOR, Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza, é o órgão responsável pela gestão do sistema de transporte utrbano da cidade (ETUFOR, 2014; WIKIPEDIA, 2014). O transporte ferroviário transporte uma pequena fração de passageiros a preços populares, mas sofre com malha ferroviária diminuta e vandalismo. Esta forma de transporte tende a se expandir futuramente com a implantação de linhas de metrô, embora esta expansão ocorra em um ritmo muito aquém da necessidade da cidade. O desenrolar do processo de crescimento da cidade ao longo do tempo priorizou o transporte em vias asfaltadas, em detrimento do transporte por via férrea. As empresas de ônibus, responsáveis por grande parte dos transportes na cidade, apresentam veículos quase sempre lotados, sem proteção contra o sol e o calor, com nível elevado de ruído, e superlotados. O deslocamento dos ônibus conta com poucas vias exclusivas, o que faz com que este tipo de veícuo dispute o espaço disponível com outros veículoes como motos e carros, retardando a velocidade de transporte. Os ônibus participam
  • 4. de um sistema integrado que permite a troca de linha de ônibus sem pagamento adicional nos terminais rodoviários e a utilização do chamado "bilhete único", complementado pelas chamadas "vans", que fazem o chamado transporte alternativo (ETUFOR, 2014; WIKIPEDIA, 2014). O sistema de táxis apresenta-se caro como alternativa para a maior parte da população, e apresenta um número subdimensionado de permissionários cadastrados, o que causa um grande tempo de espera para que os clientes sejam atendidos. Houve recentemente um edital para concessão de mais vagas, que está em andamento. No entanto, em virtude do preço praticado para esta modalidade de transporte, esta medida terá seu impacto reduzido na questão do transporte urbano na cidade. Os mototáxis apresentam uma alternativa de transporte popular, porém desconfortátel, com limitações para transporte de cargas, ainda que pequenas, riscos substanciais de acidentes, e a necessidade incômoda de se utilizar capacetes compartilhados por todos os demais passageiros. A malha de ciclovias ainda é pequena, embora esteja em crescimento. As grandes distâncias percorridas pela população e os riscos tornam a opção cicloviária menos atraente para médias distâncias. Em um ambiente em que as soluções de transporte público oferecidas apresentam lacunas e problemas diversos, a opção por transporte próprio em automóvel ganhou atratividade, o que contribuiu para a geração de congestionamentos, mais poluição, maior tempo nos deslocamentos, desconforto, e para uma insatisfação generalizada com as condições de transporte da cidade. A prefeitura e o estado têm se mobilizado para contornar o problema pela promoção de reformas, alterações do fluxo dos veículos nas vias, introdução de semáforos inteligentes, entre outras medidas (ETUFOR, 2014; WIKIPEDIA, 2014). No entanto, os custos e o longo tempo de conclusão das obras geram descontentamento e contestação. Toda esta problemática aponta para a necessidade de novas soluções alternativas que suavizem o desgaste no deslocamento dentro da cidade. Neste contexto, os triciclos motorizados caracterizam-se como uma opção para se atacar a questão do transporte urbano em Fortaleza. 4. Triciclos Motorizados e suas Características
  • 5. Triciclos motorizados são basicamente veículos motorizados em três rodas. Apresentam traços em comum com tradicional triciclo de tração humana, comum em alguns países orientais, mas também estão presentes na África e em países da América Latina (AKIN- TEPEDE, 2010; GUILLEN, 2004; STARKEY, 2000). Apresentam-se em diversas configurações, desde uma motocicleta comum com um sidecar adaptado, até veículos sofisticados, com maiores recursos de segurança e conforto (AKIN-TEPEDE, 2010; GUILLEN, 2004; STARKEY, 2000). Podem utilizar diversos tipos de combustíveis, incluindo gasolina, álcool e gás natural, existindo a possibilidade futura de desenvolvimento de triciclos elétricos comercialmente viáveis. A análise das características dos triciclos motorizados os colocam como intermediários entre os táxis e as motocicletas em uma série de quesitos: Conforto, segurança, custo para o passageiro, poluição, capacidade de carga e custo de manutenção. Embora possuam menos espaço interno e conforto que um táxi, os triciclos motorizados apresentam muito mais recursos de conforto que o transporte em mototáxis. Acolchoamento, apoio para as costas dos passageiros, proteção contra sol e chuva e espaço para acomodação de pequenos volumes estão entre as principais possibilidades. Tanto o condutor quanto o passageiro são beneficiados pelo ganho em conforto pelo uso de triciclos motorizados. Adicionalmente, adaptações especiais podem ser feitas para melhor transportar os muito jovens, os idosos e os portadores de deficiências que necessitem de facilidades para locomoção (STARKEY, 2000). A segurança física dos triciclos motorizados também é superior à dos mototáxis, pois estes veículos apresentam compatibilidade com cinto de segurança, extintores de incêndio, freio de mão, barras de proteção, capota e para-brisa reforçado, entre outros equipamentos de segurança, dispensando em certos casos o uso do capacete. É conveniente denotar que convém ao poder público regular que equipamentos de segurança serão considerados obrigatórios. O custo para o passageiro também é menor que o proporcionado pelos táxis, uma vez que o consumo de combustível é menor e as cargas transportadas são menores. Ao mesmo tempo, o custo é maior que o transporte em mototáxi, por ser um serviço de maior valor agregado. A poluição gerada por um triciclo motorizado é igual ou superior superior à de uma motocicleta, embora normalmente inferior à de um automóvel. Empregar este meio como
  • 6. alternativa aos táxis seria uma medida positiva em termos de combate à poluição do ar, embora a sua utilização no lugar da motocicleta não seja necessariamente benéfica neste sentido. Cabe salientar que se o parque instalado de triciclos motorizados for muito grande, como no caso da Indonésia, pode haver um grande impacto ambiental negativo (STARKEY, 2000), mas este não seria o caso na adoção deste veículo como alternativa aos táxis e mototáxis. A capacidade de carga de um triciclo motorizado é superior à de um mototáxi, podendo ser expandida de acordo com as configurações do veículo. Triciclos motorizados são particularmente úteis no transporte em curtas distâncias de cargas pequenas, onde apresentam melhor custo-benefício que opções com maior capacidade de carga (STARKEY, 2000). Adicionalmente, o custo de aquisição e manutenção de um triciclo é intermediário entre o do táxi e o dos mototáxis, facilitando a aquisição por parte dos condutores. O fato de atuar em um nicho não totalmente suportado pelas motocicletas nem pelos táxis faz com que a adoção de triciclos motorizados melhore as condições de transporte para os condutores e passageiros sem excluir opções de transporte. Esta afirmação encontra eco na literatura que afirma que meios de transporte intermediários apresentam-se como mais apropriados, convenientes e acessíveis (STARKEY, 2000) 5. Proposta de uma Frota de Triciclos Motorizados na Cidade de Fortaleza Tendo em base os argumentos apresentados, propõe-se a adoção de triciclos motorizados como uma alternativa de transporte urbano na cidade de Fortaleza. Este tipo de veículo atuaria de forma complementar aos os táxis e mototáxis empregados pela população da cidade. Existe um evidente potencial de ganho em espaço de estacionamento, em velocidade, no transporte de pequenas cargas, na satisfação dos passageiros, entre outros benefícios. No entanto, a mera adoção de triciclos motorizados na cidade poderia aumentar os problemas, ao invés de amenizá-los, e existem várias referências de problemas e implantações mal sucedidas desta tecnologia de transporte (AKIN-TEPEDE, 2010; GUILLEN, 2004; STARKEY, 2000). É necessário satisfazer requisitos básicos para aumentar a possibilidade de sucesso. Os três grandes requisitos para a implantação de uma frota de triciclos motorizados no transporte urbano da cidade de Fortaleza são: A promoção, coordenação e normatização deve
  • 7. ser feita pelo poder público, particularmente pela prefeitura da cidade; o padrão adotado deve apresentar modernos recursos de conforto e segurança física para os condutores e passageiros e por fim deve ser adotada uma política de preços clara, que impeça abusos ou concorrência predatória de preços. A adoção legalizada e normatizada pela prefeitura fará com que cada triciclo cumpra os requisitos relativos à segurança, ao padrão visual, às vistorias periódicas, níveis de ruído e poluição, ao estado de conservação e aos tributos devidos, entre outras necessidades que um sistema de transporte deve suprir. A prefeitura também deverá estabelecer a quantidade de triciclos a serem concedidos, abrir vagas de estacionamento e estabelecer um currículo mínimo a ser exigido dos condutores. A falta de políticas públicas adequadas pode gerar efeitos negativos, como a falta de controle e padronização ocorrida nas Filipinas, em que várias modalidades de triciclos motorizados foram adotadas de forma desordenada, o que gerou proibições tardias e conflitos com os condutores (GUILLEN, ISHIDA, 2004). Outra atribuição vital da prefeitura será obter a tecnologia dos triciclos para a cidade. Este processo demanda a prospecção de fornecedores que satisfaçam condições técnicas, de preços e de assistência técnica contínua, com o fornecimento de peças sobressalentes. Segundo a literatura, é necessário atingir uma massa crítica de usuários para adotar um meio de transporte intermediário como o triciclo motorizado, em locais onde é difícil adquiri-los, utilizá-los e mantê-los (STARKEY, 2000). A normatização de recursos de segurança física, tais como cinto de segurança, faróis, extintor de incêndio, kit de primeiros socorros, vidros e carenagens de proteção, entre outros, deve ser implementada pela prefeitura segundo os padrões de segurança nacionais e internacionais. Desta forma previnem-se acidentes em que vidas possam ser ameaçadas. A política de preços é um instrumento que a prefeitura pode adotar para evitar a competição predatória de preços e coibir abusos como a cobrança exorbitante ou taxas adicionais que firam os direitos dos consumidores. Deve ser pública, transparente e conhecida pelos condutores e pelos clientes em potencial do serviço. Assumindo-se o cumprimento dos requisitos básicos, a implantação de um sistema de transporte alternativo baseado em triciclos tem potencial de amenizar os problemas de transporte da cidade de Fortaleza. A implementação desta tecnologia de transporte como política pública não se trata de uma solução mágica para o problema, mas de uma entre várias medidas que podem ser aplicadas, apresentando a vantagem de gerar empregos e utilizar melhor o disputado espaço disponível para os veículos de transporte urbano de passageiros.
  • 8. 6. Notas Conclusivas O presente artigo apresenta o uso de triciclos motorizados como alternativa a ser adotada para melhorar o transporte urbano da cidade de Fortaleza. A utilização desta tecnologia por si só não resolveria as principais questões, mas amenizaria o quadro de dificuldades de deslocamento vivenciado diariamente pela população. Pesquisas adicionais se fazem necessárias a respeito de possíveis problemas na implantação dos triciclos, no detalhamento de requisitos de conforto e segurança e principalmente na identificação de experiências positivas e negativas da adoção dos triciclos urbanos como meio de transporte urbano. Bibliografia AKIN-TEPEDE; Oladipupo. Impediments to Adopting Sustainable Transportation in Developing Countries – The Case of Tricycles in Nigeria. Monografia de Especialização do Master of Business Administration in Marketing Management. 68p. 2010. ETUFOR. Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza – Prefeitura de Fortaleza. Disponível em: <http://www.fortaleza.ce.gov.br/etufor> GUILLEN, Marie Danielle V.; ISHIDA , Haruo. Motorcycle-Propelled Public Transport And Local Policy Development. IATSS RESEARCH. Vol. 28. N.1, 2004. STARKEY; Paul. Local transport solutions: people, paradoxes and progress. Sub-Saharan Africa Transport Policy Program Working Paper 56, World Bank, Washington, DC. 2000. WIKIPEDIA. Transporte em Fortaleza. 2014. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Transporte_em_Fortaleza>
  • 9. i Artigo apresentado por Cláudio Bezerra Leopoldino no Encontro de Pesquisadores Unichristus – 2014 claudiob_br@yahoo.com.br