SlideShare uma empresa Scribd logo
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA
PRÓ-REITORIA DE ENSINO
Rua Esmeralda, 430 – Faixa Nova – Camobi -97110-767 – Santa Maria – RS
Fone/FAX: (55) 3217 0625
E-Mail: prensino@iffarroupilha.edu.br
Plano de Ensino
Orientação para a elaboração dos Planos de Ensino
1. Orientação Teórica:
• Dimensão Legal: De acordo com o Artigo 13, LDB, o plano de ensino
deve ser feito pelo docente..
Art. 13. Os docentes incumbir-se-ão de:
I - participar da elaboração da proposta pedagógica do
estabelecimento de ensino;
II - elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta
pedagógica do estabelecimento de ensino;
III - zelar pela aprendizagem dos alunos;
IV - estabelecer estratégias de recuperação para os alunos de menor
rendimento;
V - ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além de
participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à
avaliação e ao desenvolvimento profissional. (Grifo Nosso)
• Requer conhecimento prévio do Projeto Pedagógico do Curso e das
Diretrizes Institucionais (PDI...)
• Instrumento que irá viabilizar o desenvolvimento da proposta pedagógica
do curso, em consonância com os princípios norteadores das políticas
educacionais do Instituto Federal Farroupilha e com a legislação vigente
para a Educação Nacional.
• Documento que organiza o ensino-aprendizagem em sala de aula por
registrar o que se pensa fazer (de acordo com o PPC do curso), como
fazer, quando fazer, com o quê fazer e com quem fazer.
• Diretriz para as ações educacionais do docente através da formalização
dos diversos momentos do processo de planejamento.
• Registro escrito, sistematizado e justificado das decisões tomadas pelo
docente.
• Auxilia na organização do tempo e materiais utilizados.
• Permite uma avaliação do processo de ensino e aprendizagem.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA
PRÓ-REITORIA DE ENSINO
Rua Esmeralda, 430 – Faixa Nova – Camobi -97110-767 – Santa Maria – RS
Fone/FAX: (55) 3217 0625
E-Mail: prensino@iffarroupilha.edu.br
• Possibilita compreender a concepção de ensino e aprendizagem e de
avaliação do docente;
• Pressupõe a reflexão da prática educativa.
2. Estrutura do Plano de Ensino
• Identificação:
Os dados preenchidos na tabela serão baseados no Projeto Pedagógico
do Curso, Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos, nome das autoridades
institucionais e conforme o andamento da turma no qual o plano será aplicado.
IDENTIFICAÇÃO
EIXO TECNOLÓGICO: Conforme Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos
CURSO / FORMA ou GRAU / MODALIDADE:
CURSO: Conforme Projeto Pedagógico do curso (PPC)
FORMA/GRAU: ( )integrado, ( )subsequente ( ) concomitante( )(bacharelado ( )icenciatura ( ) tecnólogo
MODALIDADE: ( ) presencial ( ) PROEJA ( ) EaD
COMPONENTE CURRÌCULAR: Conforme indicado na matriz curricular do PPC
ANO / SEMESTRE: Ano e
semestre que o plano será
aplicado
SEMESTRE ou ANO DA
TURMA: Se semestral indicar
semestre, se anual indicar ano da
turma (primeiro, segundo ou terceiro)
CARGA HORÀRIA: Quando
previsto a Prática Profissionais
Integradas contabilizar junto à
carga horária.
TURNO: turno que o curso ter suas atividades TURMA: Siglas das turmas (conforme adotado
pelo campus)
DIRETOR(A) GERAL DO CAMPUS:
DIRETOR (A) DE ENSINO:
DOCENTE(A):
EMENTA
A ementa a ser seguida pelo docente é a mesma formulada e descrita no PPC, não podendo ser
alterada no Plano de Trabalho Docente, pois o documento maior do curso onde consta o ementário foi
discutido e aprovado pelo colegiado do curso e instancias superiores.
Obs: O docente pode flexibilizar e atualizar temas e assuntos da ementa na descrição do conteúdo
programático.
OBJETIVOS
OBJETIVO GERAL DO CURSO
O objetivo do curso deverá ser copiado do PPC do curso. A importância do objetivo do curso no Plano de
Ensino esta diretamente ligada à formação voltada para o perfil do egresso, todo e qualquer componente
curricular do curso deverá estar em consonância com o objetivo de formação do aluno.
OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR
Da mesma forma, os objetivos do componente curricular deverão estar diretamente ligado ao perfil de
formação do aluno e ao objetivo do curso.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA
PRÓ-REITORIA DE ENSINO
Rua Esmeralda, 430 – Faixa Nova – Camobi -97110-767 – Santa Maria – RS
Fone/FAX: (55) 3217 0625
E-Mail: prensino@iffarroupilha.edu.br
METODOLOGIA
O que são estratégias utilizadas no processo de ensino e aprendizagem?
Para Petrucci e Batiston (2006, p. 263), podemos falar em estratégia pensando em:
[...] a palavra ‘estratégia’ possui estreita ligação com o ensino.
Ensinar requer arte por parte do docente, que precisa envolver o
aluno e fazer com ele se encante com o saber. O docente precisa
promover a curiosidade, a segurança e a criatividade para que o
principal objetivo educacional, a aprendizagem do aluno, seja
alcançada.
Sendo assim, o termo “estratégia de ensino”, refere-se aos meios utilizados pelos
docentes na articulação do processo de ensino, de acordo com cada atividade e os resultados
esperados. É necessário ter clareza do objetivo da aprendizagem para ambos envolvidos no
processo, alunos e docentes.
Logo abaixo, descrevem-se algumas estratégias de ensino que poderão servir como
base no pensar da prática educativa, podendo ser utilizada outras conforme necessidade de
cada docente no planejamento de sua aula.
Aula expositiva dialogada
Aula expositiva
Estudo de texto
Dissertação ou resumos
Portfólio
Tempestade cerebral
Mapa conceitual
Estudo dirigido
Aulas orientadas
Lista de discussão por meios informatizados
Filmes
Ensino à distância
Solução de problemas
Resolução de exercícios
Ensino em pequenos grupos
Grupo de verbalização e de observação
Dramatização
Seminário
Estudo de caso
Simpósio
Painel
Palestras
Entrevistas
Fórum Discussão e debates
Oficina
Estudo do meio
Ensino com pesquisa
Exposições e visitas
Ensino individualizado
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA
PRÓ-REITORIA DE ENSINO
Rua Esmeralda, 430 – Faixa Nova – Camobi -97110-767 – Santa Maria – RS
Fone/FAX: (55) 3217 0625
E-Mail: prensino@iffarroupilha.edu.br
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
Conjunto ordenado de atividades, estruturadas e articuladas para a consecução de um objetivo em relação a
um conteúdo proposto. No Plano de Ensino, ela corresponde ao conceito mais amplo dos conteúdos que deve
ser desmembrado no local destinado aos conteúdos.
CRONOGRAMA DE CARGA HORÁRIA (ANEXO) Opcional Sugestão: Descrever o número de aulas previstas no
semestre em cada mês e demais atividades conforme organização do docente.
Dias FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ
1 4h/a 20 h/a ... F R
2
3
F = FERIADO
R – RECESSO
RECUPERAÇÃO PARALELA:
Na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 9394/96) no seu inciso V letra e está
AVALIAÇÃO
(Texto para leitura, não é necessário permanecer no plano).
OBSERVAR O REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR Aprovado
pela Resolução nº04/2010.
A avaliação do processo de ensino-aprendizagem se dará segundo o regulamento do Instituto
Federal Farroupilha, que em seu art. Art. 1º A avaliação deverá ser contínua e cumulativa, assumindo, de
forma integrada, no processo de ensino-aprendizagem, as funções diagnóstica, formativa e somativa, com
preponderância dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos. § 2º A avaliação, enquanto elemento
formativo e sendo condição integradora entre ensino aprendizagem, deverá ser ampla, contínua, gradual,
dinâmica e cooperativa, em que os seus resultados serão sistematizados, analisados e divulgados ao final
de cada semestre letivo e/ou final de cada elemento curricular.
A avaliação é trabalhada numa perspectiva formativa, que inclui a análise do processo de ensino-
aprendizagem e se materializa nos contextos vividos pelos educadores e educandos. Possui como função
primordial o acompanhamento das aprendizagens e a participação efetiva de todos os atores do processo.
Baseia-se em princípios que decorrem do cognitivismo, do construtivismo, do interacionismo, das teorias
socioculturais e das sóciocognitivas.
A avaliação formativa passa, então, a ser concebida no meio educacional do Instituto Federal
Farroupilha como um eficiente mecanismo de diagnóstico contínuo, capaz de conduzir, após uma análise
de resultados parciais obtidos, a novas estratégias que contemplem os objetivos educacionais propostos.
Instrumentos a serem usados pelo docente (a):
O Docente deverá descrever os instrumentos que irá utilizar, podendo já orientar o aluno como será
realizado o somatório final das notas do componente curricular. OBSERVAR O REGULAMENTO DA
AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR Aprovado pela Resolução nº04/2010.
Critérios de avaliação:
No critério de avaliação o docente irá descrever quais são os critérios levado em conta na composição
da nota do aluno, critérios qualitativos e também pontos observados e exigidos nos trabalhos, provas e
demais instrumentos avaliativos.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA
PRÓ-REITORIA DE ENSINO
Rua Esmeralda, 430 – Faixa Nova – Camobi -97110-767 – Santa Maria – RS
Fone/FAX: (55) 3217 0625
E-Mail: prensino@iffarroupilha.edu.br
descrito a “obrigatoriedade de estudos de recuperação, de preferência paralelos ao período letivo, para os
casos de baixo rendimento escolar, a serem disciplinados pelas instituições de ensino em seus
regimentos”;
Além da garantia da recuperação da aprendizagem apresentada pela LDB o Regulamento da
Avaliação do Rendimento Escolar do Instituto Federal Farroupilha traz na seção V a seguinte orientação:
§ 1° o docente deverá constar, nos Planos de Ensino da disciplina, a forma como
desenvolverá a recuperação da aprendizagem.
§ 2° Ficará a critério do docente, estabelecer os instrumentos que serão utilizados, de
forma a atender às peculiaridades de disciplina. Devem ser oportunizadas novas
situações de ensino-aprendizagem e de avaliação, para que o aluno seja desafiado a
formular reformular conhecimentos, desenvolvendo-se cognitiva, psíquica, emocional e
fisicamente. Esses instrumentos poderão ser executados na forma de exercícios,
seminários, trabalhos, testes, provas, auto-avaliação, aulas práticas, entre outros.
PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA (PPI)
(Texto para leitura, não necessário permanecer no plano).
As Práticas Profissionais Integradas tem como objetivo articular os conhecimentos construídos nos
diferentes componentes curriculares trabalhados em sala de aula, é uma proposta de atuação
profissional, onde os docentees planejam juntos buscando a flexibilização do currículo e a integração
entre os diferentes conhecimentos, possibilitando ao aluno ampliar seus saberes e seus fazeres na sua
formação profissional. É importante reforçar que as PPI devem ser pensadas e planejadas tendo o perfil
do egresso como base.
De acordo com o IF Farroupilha:
A prática profissional deverá ser desenvolvida no decorrer do curso por meio de
atividades como projetos, estudos de caso, pesquisas individuais e/ou em grupo,
prestação de serviços, produção artística, desenvolvimento de instrumentos,
equipamentos em que o estudante possa relacionar teoria e prática a partir dos
conhecimentos (re)construídos no respectivo curso. As formas de realização da prática
profissional bem como a avaliação e carga horária deverão ser apresentadas no Projeto
Pedagógico do Curso.
A prática profissional integrada deve articular os conhecimentos teóricos trabalhados em um ou
mais componentes curriculares com vista a ofertar atividades práticas que possibilitem ao aluno a
vivencia de experiências, que possivelmente ele terá contato em sua atuação profissional futura.
Se o componente curricular tiver horas destinadas para as PPI o docente deverá registra-las no seu Plano
de Trabalho Docente e anexar o projeto pensado e articulado com os demais componentes curriculares
informando a atividade a ser realizada. Caso o Projeto Pedagógico do Curso já tenha fixado a atividade
de PPI fazer referencia ao projeto indicando a ação prevista.
O componente curricular prevê PPI: ( ) Sim ( )Não ( )Colaboração Articulação
com os componentes curriculares:_____________________________________________
______________________________________________________________________
Obs: Se o Componente prevê PPI anexar projeto ao Plano de Trabalho Docente
Obs: Caso o componente curricular não preveja PPI, esse item não é obrigatório no
Plano de Trabalho Docente.
Planejamento da realização das atividades não presenciais
Só deverão acontecer atividades não presenciais se estiver previsto no Projeto Pedagógico do Curso de
acordo com a Portaria nº 4.059, de dezembro de 2004 (superior) ou Resolução nº 6, de 20 de
setembro de 2012 (técnicos).
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA
PRÓ-REITORIA DE ENSINO
Rua Esmeralda, 430 – Faixa Nova – Camobi -97110-767 – Santa Maria – RS
Fone/FAX: (55) 3217 0625
E-Mail: prensino@iffarroupilha.edu.br
BIBLIOGRAFIA
BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
As bibliografias apresentadas no Plano de Ensino devem ser as mesmas descritas no Projeto
Pedagógico de Curso, podendo ser acrescentado às bibliografias para aprofundamento conforme o
docente julgar ser importante.
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
BIBLIOGRAFIAS PARA APROFUNDAMENTO
São bibliografias extras, que não constam no PPC, mas que o docente utiliza como suporte em suas aulas.
OBSERVAÇÃO
Espaço utilizado para acrescentar informações extras sobre o Plano de Ensino, como por
exemplo, a apresentação do plano a turma, ações extras etc.
Revisado em ___/___/2013 Por:________________________________
ASSINATURAS
Coordenação:
...
Coordenador do Eixo Tecnológico ou Curso
Docente:
...
Docente
Coordenação Geral de Ensino:
...
Coordenação Geral de Ensino
Supervisão Pedagógica:
...
Pedagoga
Obs: O Plano de Ensino só deverá ser arquivado no setor pedagógico após ser
assinado pelas partes responsáveis desse documento.
Referencias Bibliográficas utilizadas para a elaboração do modelo de
Plano de Trabalho Docente
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA
PRÓ-REITORIA DE ENSINO
Rua Esmeralda, 430 – Faixa Nova – Camobi -97110-767 – Santa Maria – RS
Fone/FAX: (55) 3217 0625
E-Mail: prensino@iffarroupilha.edu.br
BRASIL, LDB. Lei 9394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.
Disponível em<
www.mec.gov.br>. Acesso em: 07 Nov 2011.
Regulamento da Avaliação do Rendimento Escolar do Instituto
Federal Farroupilha. Aprovado pela resolução n° 04-2010, de 22 de fevereiro de
2010)
Plano de Desenvolvimento Institucional para o Instituto Federal
Farroupilha
Manual do Estudante do Instituto Federal Farroupilha.
PETRUCCI, Valéria Bezzera Cavalcanti; BATISTON, Renato Reis. Estratégias de
ensino e avaliação de aprendizagem em contabilidade. In: PELEIAS, Ivam Ricardo.
(Org.) Didática do ensino da contabilidade. São Paulo: Saraiva, 2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto pps-luciene
Projeto pps-lucieneProjeto pps-luciene
Projeto pps-luciene
Ðouglas Rocha
 
Livreto ana
Livreto anaLivreto ana
Livreto ana
Selmy Araujo
 
2W MIC JENIFA.docx
2W MIC JENIFA.docx2W MIC JENIFA.docx
2W MIC JENIFA.docx
Samuel Zefanias
 
2W PP1 JENIFA.docx
2W PP1 JENIFA.docx2W PP1 JENIFA.docx
2W PP1 JENIFA.docx
Samuel Zefanias
 
Ma74 i s83-metodologia do ensino de matematica
Ma74 i s83-metodologia do ensino de matematicaMa74 i s83-metodologia do ensino de matematica
Ma74 i s83-metodologia do ensino de matematica
Valdanho Di Mello
 
2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf
2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf
2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf
Samuel Zefanias
 
2W PORTUG JENIFA.docx
2W PORTUG JENIFA.docx2W PORTUG JENIFA.docx
2W PORTUG JENIFA.docx
Samuel Zefanias
 
Dialnet a producao-dematerialdidaticoparaoensinodehistoria-6238665
Dialnet a producao-dematerialdidaticoparaoensinodehistoria-6238665Dialnet a producao-dematerialdidaticoparaoensinodehistoria-6238665
Dialnet a producao-dematerialdidaticoparaoensinodehistoria-6238665
Renata Cunha
 
Plano anual primeiro_ano
Plano anual primeiro_anoPlano anual primeiro_ano
Plano anual primeiro_ano
Claudia Ortolan Ortolan
 
Plano De Estagio Neidejorge
Plano De Estagio NeidejorgePlano De Estagio Neidejorge
Plano De Estagio Neidejorge
Neide Jorge
 
Apresentação pacto brasil
Apresentação pacto brasilApresentação pacto brasil
Apresentação pacto brasil
Deborah Martinez Griebler
 
Estrutura do guia geral
Estrutura do guia geralEstrutura do guia geral
Estrutura do guia geral
Cláudia Santos
 
Aap 6º ano_-_todas_as_disciplinas
Aap 6º ano_-_todas_as_disciplinasAap 6º ano_-_todas_as_disciplinas
Aap 6º ano_-_todas_as_disciplinas
Glauco Roberto Bertucci
 
Avaliacao nacional da_alfabetizacao
Avaliacao nacional da_alfabetizacaoAvaliacao nacional da_alfabetizacao
Avaliacao nacional da_alfabetizacao
taboao
 
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
ElieneDias
 
Técnico em multimeios didáticos
Técnico em multimeios didáticosTécnico em multimeios didáticos
Técnico em multimeios didáticos
gervaine
 
An2avaliacao das aprendizagens
An2avaliacao das aprendizagensAn2avaliacao das aprendizagens
An2avaliacao das aprendizagens
Abel Antunes
 
Relatório ppel_ava_2015_elizabethbatista_23.06.2015
Relatório ppel_ava_2015_elizabethbatista_23.06.2015Relatório ppel_ava_2015_elizabethbatista_23.06.2015
Relatório ppel_ava_2015_elizabethbatista_23.06.2015
Elizabeth Batista
 
Abertura pnaic 2016 sao roque
Abertura pnaic 2016 sao roqueAbertura pnaic 2016 sao roque
Abertura pnaic 2016 sao roque
educacao sao roque
 
Esboco do projeto de intervencao educacional nova versão
Esboco do projeto de intervencao educacional  nova versãoEsboco do projeto de intervencao educacional  nova versão
Esboco do projeto de intervencao educacional nova versão
Claudemirarocha
 

Mais procurados (20)

Projeto pps-luciene
Projeto pps-lucieneProjeto pps-luciene
Projeto pps-luciene
 
Livreto ana
Livreto anaLivreto ana
Livreto ana
 
2W MIC JENIFA.docx
2W MIC JENIFA.docx2W MIC JENIFA.docx
2W MIC JENIFA.docx
 
2W PP1 JENIFA.docx
2W PP1 JENIFA.docx2W PP1 JENIFA.docx
2W PP1 JENIFA.docx
 
Ma74 i s83-metodologia do ensino de matematica
Ma74 i s83-metodologia do ensino de matematicaMa74 i s83-metodologia do ensino de matematica
Ma74 i s83-metodologia do ensino de matematica
 
2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf
2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf
2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf
 
2W PORTUG JENIFA.docx
2W PORTUG JENIFA.docx2W PORTUG JENIFA.docx
2W PORTUG JENIFA.docx
 
Dialnet a producao-dematerialdidaticoparaoensinodehistoria-6238665
Dialnet a producao-dematerialdidaticoparaoensinodehistoria-6238665Dialnet a producao-dematerialdidaticoparaoensinodehistoria-6238665
Dialnet a producao-dematerialdidaticoparaoensinodehistoria-6238665
 
Plano anual primeiro_ano
Plano anual primeiro_anoPlano anual primeiro_ano
Plano anual primeiro_ano
 
Plano De Estagio Neidejorge
Plano De Estagio NeidejorgePlano De Estagio Neidejorge
Plano De Estagio Neidejorge
 
Apresentação pacto brasil
Apresentação pacto brasilApresentação pacto brasil
Apresentação pacto brasil
 
Estrutura do guia geral
Estrutura do guia geralEstrutura do guia geral
Estrutura do guia geral
 
Aap 6º ano_-_todas_as_disciplinas
Aap 6º ano_-_todas_as_disciplinasAap 6º ano_-_todas_as_disciplinas
Aap 6º ano_-_todas_as_disciplinas
 
Avaliacao nacional da_alfabetizacao
Avaliacao nacional da_alfabetizacaoAvaliacao nacional da_alfabetizacao
Avaliacao nacional da_alfabetizacao
 
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
 
Técnico em multimeios didáticos
Técnico em multimeios didáticosTécnico em multimeios didáticos
Técnico em multimeios didáticos
 
An2avaliacao das aprendizagens
An2avaliacao das aprendizagensAn2avaliacao das aprendizagens
An2avaliacao das aprendizagens
 
Relatório ppel_ava_2015_elizabethbatista_23.06.2015
Relatório ppel_ava_2015_elizabethbatista_23.06.2015Relatório ppel_ava_2015_elizabethbatista_23.06.2015
Relatório ppel_ava_2015_elizabethbatista_23.06.2015
 
Abertura pnaic 2016 sao roque
Abertura pnaic 2016 sao roqueAbertura pnaic 2016 sao roque
Abertura pnaic 2016 sao roque
 
Esboco do projeto de intervencao educacional nova versão
Esboco do projeto de intervencao educacional  nova versãoEsboco do projeto de intervencao educacional  nova versão
Esboco do projeto de intervencao educacional nova versão
 

Destaque

Comprobantes de contabilidad
Comprobantes de contabilidadComprobantes de contabilidad
Comprobantes de contabilidad
Mateo Zambrano
 
nueva era tecnologica
nueva era tecnologicanueva era tecnologica
nueva era tecnologica
yuripolancohernandez
 
Programa volver a las raices
Programa volver a las  raicesPrograma volver a las  raices
Programa volver a las raices
ceipsanpelayo
 
Paisajes naturales "La Puna"
Paisajes naturales "La Puna"Paisajes naturales "La Puna"
Paisajes naturales "La Puna"
Silvana Arroyo
 
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
AngieeMarenni
 
Tudo depende de mim individualidade positiva
Tudo depende de mim   individualidade positivaTudo depende de mim   individualidade positiva
Tudo depende de mim individualidade positiva
Kél Costa
 
Universidad nacional de chimborazo1
Universidad nacional de chimborazo1Universidad nacional de chimborazo1
Universidad nacional de chimborazo1
Silvanaguanoluisa
 
Caza de tesoro
Caza de tesoroCaza de tesoro
Caza de tesoro
Lili LU
 
Mohandas K. Gandhi
Mohandas K. GandhiMohandas K. Gandhi
Mohandas K. Gandhi
luz_19
 
redes sociales
redes socialesredes sociales
redes sociales
Andreita Triana
 
Átomos Y Especies Quimicas
Átomos Y Especies QuimicasÁtomos Y Especies Quimicas
Átomos Y Especies Quimicas
Ivan Moran
 
Curiosidades biblicas
Curiosidades biblicasCuriosidades biblicas
Curiosidades biblicas
semeando123
 
Retos actuales y futuros del Cómputo en la Nube - Un enfoque académico
Retos actuales y futuros del Cómputo en la Nube - Un enfoque académicoRetos actuales y futuros del Cómputo en la Nube - Un enfoque académico
Retos actuales y futuros del Cómputo en la Nube - Un enfoque académico
Javier Mijail Espadas Pech
 
Pacie en la asignatura economia
Pacie en la asignatura economiaPacie en la asignatura economia
Pacie en la asignatura economia
oliveraquino
 
Uma Gota Milagrosa Para As Empresas - A Psicologia Organizacional
Uma Gota Milagrosa Para As Empresas - A Psicologia OrganizacionalUma Gota Milagrosa Para As Empresas - A Psicologia Organizacional
Uma Gota Milagrosa Para As Empresas - A Psicologia Organizacional
José Affonso Fausto Barbosa
 
Case analysis warm up lesson 1of 3
Case analysis warm up lesson 1of 3Case analysis warm up lesson 1of 3
Case analysis warm up lesson 1of 3
angelwatler
 
Tarea 8 may bolaños biografia y discografia animacion y transicion
Tarea 8 may bolaños biografia y discografia animacion y transicionTarea 8 may bolaños biografia y discografia animacion y transicion
Tarea 8 may bolaños biografia y discografia animacion y transicion
maytareas
 
Medula
MedulaMedula
Medula
Tamara Lagos
 
Modelo gavilan grupo e_soni_asmed_ricardo
Modelo gavilan grupo e_soni_asmed_ricardoModelo gavilan grupo e_soni_asmed_ricardo
Modelo gavilan grupo e_soni_asmed_ricardo
Ricardo Astaiza
 
Seminário Defesa Civil - Planos de Contigências
Seminário Defesa Civil - Planos de ContigênciasSeminário Defesa Civil - Planos de Contigências
Seminário Defesa Civil - Planos de Contigências
Alexandre Salvador
 

Destaque (20)

Comprobantes de contabilidad
Comprobantes de contabilidadComprobantes de contabilidad
Comprobantes de contabilidad
 
nueva era tecnologica
nueva era tecnologicanueva era tecnologica
nueva era tecnologica
 
Programa volver a las raices
Programa volver a las  raicesPrograma volver a las  raices
Programa volver a las raices
 
Paisajes naturales "La Puna"
Paisajes naturales "La Puna"Paisajes naturales "La Puna"
Paisajes naturales "La Puna"
 
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
 
Tudo depende de mim individualidade positiva
Tudo depende de mim   individualidade positivaTudo depende de mim   individualidade positiva
Tudo depende de mim individualidade positiva
 
Universidad nacional de chimborazo1
Universidad nacional de chimborazo1Universidad nacional de chimborazo1
Universidad nacional de chimborazo1
 
Caza de tesoro
Caza de tesoroCaza de tesoro
Caza de tesoro
 
Mohandas K. Gandhi
Mohandas K. GandhiMohandas K. Gandhi
Mohandas K. Gandhi
 
redes sociales
redes socialesredes sociales
redes sociales
 
Átomos Y Especies Quimicas
Átomos Y Especies QuimicasÁtomos Y Especies Quimicas
Átomos Y Especies Quimicas
 
Curiosidades biblicas
Curiosidades biblicasCuriosidades biblicas
Curiosidades biblicas
 
Retos actuales y futuros del Cómputo en la Nube - Un enfoque académico
Retos actuales y futuros del Cómputo en la Nube - Un enfoque académicoRetos actuales y futuros del Cómputo en la Nube - Un enfoque académico
Retos actuales y futuros del Cómputo en la Nube - Un enfoque académico
 
Pacie en la asignatura economia
Pacie en la asignatura economiaPacie en la asignatura economia
Pacie en la asignatura economia
 
Uma Gota Milagrosa Para As Empresas - A Psicologia Organizacional
Uma Gota Milagrosa Para As Empresas - A Psicologia OrganizacionalUma Gota Milagrosa Para As Empresas - A Psicologia Organizacional
Uma Gota Milagrosa Para As Empresas - A Psicologia Organizacional
 
Case analysis warm up lesson 1of 3
Case analysis warm up lesson 1of 3Case analysis warm up lesson 1of 3
Case analysis warm up lesson 1of 3
 
Tarea 8 may bolaños biografia y discografia animacion y transicion
Tarea 8 may bolaños biografia y discografia animacion y transicionTarea 8 may bolaños biografia y discografia animacion y transicion
Tarea 8 may bolaños biografia y discografia animacion y transicion
 
Medula
MedulaMedula
Medula
 
Modelo gavilan grupo e_soni_asmed_ricardo
Modelo gavilan grupo e_soni_asmed_ricardoModelo gavilan grupo e_soni_asmed_ricardo
Modelo gavilan grupo e_soni_asmed_ricardo
 
Seminário Defesa Civil - Planos de Contigências
Seminário Defesa Civil - Planos de ContigênciasSeminário Defesa Civil - Planos de Contigências
Seminário Defesa Civil - Planos de Contigências
 

201312010588203orientacoes para elaboracao_do_plano_do_ensino (1)

  • 1. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE ENSINO Rua Esmeralda, 430 – Faixa Nova – Camobi -97110-767 – Santa Maria – RS Fone/FAX: (55) 3217 0625 E-Mail: prensino@iffarroupilha.edu.br Plano de Ensino Orientação para a elaboração dos Planos de Ensino 1. Orientação Teórica: • Dimensão Legal: De acordo com o Artigo 13, LDB, o plano de ensino deve ser feito pelo docente.. Art. 13. Os docentes incumbir-se-ão de: I - participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino; II - elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta pedagógica do estabelecimento de ensino; III - zelar pela aprendizagem dos alunos; IV - estabelecer estratégias de recuperação para os alunos de menor rendimento; V - ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional. (Grifo Nosso) • Requer conhecimento prévio do Projeto Pedagógico do Curso e das Diretrizes Institucionais (PDI...) • Instrumento que irá viabilizar o desenvolvimento da proposta pedagógica do curso, em consonância com os princípios norteadores das políticas educacionais do Instituto Federal Farroupilha e com a legislação vigente para a Educação Nacional. • Documento que organiza o ensino-aprendizagem em sala de aula por registrar o que se pensa fazer (de acordo com o PPC do curso), como fazer, quando fazer, com o quê fazer e com quem fazer. • Diretriz para as ações educacionais do docente através da formalização dos diversos momentos do processo de planejamento. • Registro escrito, sistematizado e justificado das decisões tomadas pelo docente. • Auxilia na organização do tempo e materiais utilizados. • Permite uma avaliação do processo de ensino e aprendizagem.
  • 2. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE ENSINO Rua Esmeralda, 430 – Faixa Nova – Camobi -97110-767 – Santa Maria – RS Fone/FAX: (55) 3217 0625 E-Mail: prensino@iffarroupilha.edu.br • Possibilita compreender a concepção de ensino e aprendizagem e de avaliação do docente; • Pressupõe a reflexão da prática educativa. 2. Estrutura do Plano de Ensino • Identificação: Os dados preenchidos na tabela serão baseados no Projeto Pedagógico do Curso, Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos, nome das autoridades institucionais e conforme o andamento da turma no qual o plano será aplicado. IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Conforme Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos CURSO / FORMA ou GRAU / MODALIDADE: CURSO: Conforme Projeto Pedagógico do curso (PPC) FORMA/GRAU: ( )integrado, ( )subsequente ( ) concomitante( )(bacharelado ( )icenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( ) presencial ( ) PROEJA ( ) EaD COMPONENTE CURRÌCULAR: Conforme indicado na matriz curricular do PPC ANO / SEMESTRE: Ano e semestre que o plano será aplicado SEMESTRE ou ANO DA TURMA: Se semestral indicar semestre, se anual indicar ano da turma (primeiro, segundo ou terceiro) CARGA HORÀRIA: Quando previsto a Prática Profissionais Integradas contabilizar junto à carga horária. TURNO: turno que o curso ter suas atividades TURMA: Siglas das turmas (conforme adotado pelo campus) DIRETOR(A) GERAL DO CAMPUS: DIRETOR (A) DE ENSINO: DOCENTE(A): EMENTA A ementa a ser seguida pelo docente é a mesma formulada e descrita no PPC, não podendo ser alterada no Plano de Trabalho Docente, pois o documento maior do curso onde consta o ementário foi discutido e aprovado pelo colegiado do curso e instancias superiores. Obs: O docente pode flexibilizar e atualizar temas e assuntos da ementa na descrição do conteúdo programático. OBJETIVOS OBJETIVO GERAL DO CURSO O objetivo do curso deverá ser copiado do PPC do curso. A importância do objetivo do curso no Plano de Ensino esta diretamente ligada à formação voltada para o perfil do egresso, todo e qualquer componente curricular do curso deverá estar em consonância com o objetivo de formação do aluno. OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR Da mesma forma, os objetivos do componente curricular deverão estar diretamente ligado ao perfil de formação do aluno e ao objetivo do curso.
  • 3. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE ENSINO Rua Esmeralda, 430 – Faixa Nova – Camobi -97110-767 – Santa Maria – RS Fone/FAX: (55) 3217 0625 E-Mail: prensino@iffarroupilha.edu.br METODOLOGIA O que são estratégias utilizadas no processo de ensino e aprendizagem? Para Petrucci e Batiston (2006, p. 263), podemos falar em estratégia pensando em: [...] a palavra ‘estratégia’ possui estreita ligação com o ensino. Ensinar requer arte por parte do docente, que precisa envolver o aluno e fazer com ele se encante com o saber. O docente precisa promover a curiosidade, a segurança e a criatividade para que o principal objetivo educacional, a aprendizagem do aluno, seja alcançada. Sendo assim, o termo “estratégia de ensino”, refere-se aos meios utilizados pelos docentes na articulação do processo de ensino, de acordo com cada atividade e os resultados esperados. É necessário ter clareza do objetivo da aprendizagem para ambos envolvidos no processo, alunos e docentes. Logo abaixo, descrevem-se algumas estratégias de ensino que poderão servir como base no pensar da prática educativa, podendo ser utilizada outras conforme necessidade de cada docente no planejamento de sua aula. Aula expositiva dialogada Aula expositiva Estudo de texto Dissertação ou resumos Portfólio Tempestade cerebral Mapa conceitual Estudo dirigido Aulas orientadas Lista de discussão por meios informatizados Filmes Ensino à distância Solução de problemas Resolução de exercícios Ensino em pequenos grupos Grupo de verbalização e de observação Dramatização Seminário Estudo de caso Simpósio Painel Palestras Entrevistas Fórum Discussão e debates Oficina Estudo do meio Ensino com pesquisa Exposições e visitas Ensino individualizado
  • 4. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE ENSINO Rua Esmeralda, 430 – Faixa Nova – Camobi -97110-767 – Santa Maria – RS Fone/FAX: (55) 3217 0625 E-Mail: prensino@iffarroupilha.edu.br CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Conjunto ordenado de atividades, estruturadas e articuladas para a consecução de um objetivo em relação a um conteúdo proposto. No Plano de Ensino, ela corresponde ao conceito mais amplo dos conteúdos que deve ser desmembrado no local destinado aos conteúdos. CRONOGRAMA DE CARGA HORÁRIA (ANEXO) Opcional Sugestão: Descrever o número de aulas previstas no semestre em cada mês e demais atividades conforme organização do docente. Dias FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ 1 4h/a 20 h/a ... F R 2 3 F = FERIADO R – RECESSO RECUPERAÇÃO PARALELA: Na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 9394/96) no seu inciso V letra e está AVALIAÇÃO (Texto para leitura, não é necessário permanecer no plano). OBSERVAR O REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR Aprovado pela Resolução nº04/2010. A avaliação do processo de ensino-aprendizagem se dará segundo o regulamento do Instituto Federal Farroupilha, que em seu art. Art. 1º A avaliação deverá ser contínua e cumulativa, assumindo, de forma integrada, no processo de ensino-aprendizagem, as funções diagnóstica, formativa e somativa, com preponderância dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos. § 2º A avaliação, enquanto elemento formativo e sendo condição integradora entre ensino aprendizagem, deverá ser ampla, contínua, gradual, dinâmica e cooperativa, em que os seus resultados serão sistematizados, analisados e divulgados ao final de cada semestre letivo e/ou final de cada elemento curricular. A avaliação é trabalhada numa perspectiva formativa, que inclui a análise do processo de ensino- aprendizagem e se materializa nos contextos vividos pelos educadores e educandos. Possui como função primordial o acompanhamento das aprendizagens e a participação efetiva de todos os atores do processo. Baseia-se em princípios que decorrem do cognitivismo, do construtivismo, do interacionismo, das teorias socioculturais e das sóciocognitivas. A avaliação formativa passa, então, a ser concebida no meio educacional do Instituto Federal Farroupilha como um eficiente mecanismo de diagnóstico contínuo, capaz de conduzir, após uma análise de resultados parciais obtidos, a novas estratégias que contemplem os objetivos educacionais propostos. Instrumentos a serem usados pelo docente (a): O Docente deverá descrever os instrumentos que irá utilizar, podendo já orientar o aluno como será realizado o somatório final das notas do componente curricular. OBSERVAR O REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR Aprovado pela Resolução nº04/2010. Critérios de avaliação: No critério de avaliação o docente irá descrever quais são os critérios levado em conta na composição da nota do aluno, critérios qualitativos e também pontos observados e exigidos nos trabalhos, provas e demais instrumentos avaliativos.
  • 5. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE ENSINO Rua Esmeralda, 430 – Faixa Nova – Camobi -97110-767 – Santa Maria – RS Fone/FAX: (55) 3217 0625 E-Mail: prensino@iffarroupilha.edu.br descrito a “obrigatoriedade de estudos de recuperação, de preferência paralelos ao período letivo, para os casos de baixo rendimento escolar, a serem disciplinados pelas instituições de ensino em seus regimentos”; Além da garantia da recuperação da aprendizagem apresentada pela LDB o Regulamento da Avaliação do Rendimento Escolar do Instituto Federal Farroupilha traz na seção V a seguinte orientação: § 1° o docente deverá constar, nos Planos de Ensino da disciplina, a forma como desenvolverá a recuperação da aprendizagem. § 2° Ficará a critério do docente, estabelecer os instrumentos que serão utilizados, de forma a atender às peculiaridades de disciplina. Devem ser oportunizadas novas situações de ensino-aprendizagem e de avaliação, para que o aluno seja desafiado a formular reformular conhecimentos, desenvolvendo-se cognitiva, psíquica, emocional e fisicamente. Esses instrumentos poderão ser executados na forma de exercícios, seminários, trabalhos, testes, provas, auto-avaliação, aulas práticas, entre outros. PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA (PPI) (Texto para leitura, não necessário permanecer no plano). As Práticas Profissionais Integradas tem como objetivo articular os conhecimentos construídos nos diferentes componentes curriculares trabalhados em sala de aula, é uma proposta de atuação profissional, onde os docentees planejam juntos buscando a flexibilização do currículo e a integração entre os diferentes conhecimentos, possibilitando ao aluno ampliar seus saberes e seus fazeres na sua formação profissional. É importante reforçar que as PPI devem ser pensadas e planejadas tendo o perfil do egresso como base. De acordo com o IF Farroupilha: A prática profissional deverá ser desenvolvida no decorrer do curso por meio de atividades como projetos, estudos de caso, pesquisas individuais e/ou em grupo, prestação de serviços, produção artística, desenvolvimento de instrumentos, equipamentos em que o estudante possa relacionar teoria e prática a partir dos conhecimentos (re)construídos no respectivo curso. As formas de realização da prática profissional bem como a avaliação e carga horária deverão ser apresentadas no Projeto Pedagógico do Curso. A prática profissional integrada deve articular os conhecimentos teóricos trabalhados em um ou mais componentes curriculares com vista a ofertar atividades práticas que possibilitem ao aluno a vivencia de experiências, que possivelmente ele terá contato em sua atuação profissional futura. Se o componente curricular tiver horas destinadas para as PPI o docente deverá registra-las no seu Plano de Trabalho Docente e anexar o projeto pensado e articulado com os demais componentes curriculares informando a atividade a ser realizada. Caso o Projeto Pedagógico do Curso já tenha fixado a atividade de PPI fazer referencia ao projeto indicando a ação prevista. O componente curricular prevê PPI: ( ) Sim ( )Não ( )Colaboração Articulação com os componentes curriculares:_____________________________________________ ______________________________________________________________________ Obs: Se o Componente prevê PPI anexar projeto ao Plano de Trabalho Docente Obs: Caso o componente curricular não preveja PPI, esse item não é obrigatório no Plano de Trabalho Docente. Planejamento da realização das atividades não presenciais Só deverão acontecer atividades não presenciais se estiver previsto no Projeto Pedagógico do Curso de acordo com a Portaria nº 4.059, de dezembro de 2004 (superior) ou Resolução nº 6, de 20 de setembro de 2012 (técnicos).
  • 6. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE ENSINO Rua Esmeralda, 430 – Faixa Nova – Camobi -97110-767 – Santa Maria – RS Fone/FAX: (55) 3217 0625 E-Mail: prensino@iffarroupilha.edu.br BIBLIOGRAFIA BIBLIOGRAFIA BÁSICA: As bibliografias apresentadas no Plano de Ensino devem ser as mesmas descritas no Projeto Pedagógico de Curso, podendo ser acrescentado às bibliografias para aprofundamento conforme o docente julgar ser importante. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: BIBLIOGRAFIAS PARA APROFUNDAMENTO São bibliografias extras, que não constam no PPC, mas que o docente utiliza como suporte em suas aulas. OBSERVAÇÃO Espaço utilizado para acrescentar informações extras sobre o Plano de Ensino, como por exemplo, a apresentação do plano a turma, ações extras etc. Revisado em ___/___/2013 Por:________________________________ ASSINATURAS Coordenação: ... Coordenador do Eixo Tecnológico ou Curso Docente: ... Docente Coordenação Geral de Ensino: ... Coordenação Geral de Ensino Supervisão Pedagógica: ... Pedagoga Obs: O Plano de Ensino só deverá ser arquivado no setor pedagógico após ser assinado pelas partes responsáveis desse documento. Referencias Bibliográficas utilizadas para a elaboração do modelo de Plano de Trabalho Docente
  • 7. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE ENSINO Rua Esmeralda, 430 – Faixa Nova – Camobi -97110-767 – Santa Maria – RS Fone/FAX: (55) 3217 0625 E-Mail: prensino@iffarroupilha.edu.br BRASIL, LDB. Lei 9394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em< www.mec.gov.br>. Acesso em: 07 Nov 2011. Regulamento da Avaliação do Rendimento Escolar do Instituto Federal Farroupilha. Aprovado pela resolução n° 04-2010, de 22 de fevereiro de 2010) Plano de Desenvolvimento Institucional para o Instituto Federal Farroupilha Manual do Estudante do Instituto Federal Farroupilha. PETRUCCI, Valéria Bezzera Cavalcanti; BATISTON, Renato Reis. Estratégias de ensino e avaliação de aprendizagem em contabilidade. In: PELEIAS, Ivam Ricardo. (Org.) Didática do ensino da contabilidade. São Paulo: Saraiva, 2006.