SlideShare uma empresa Scribd logo
UMA VISÃO GERAL DA BIOLOGIA
A Biologia é a ciência que estuda os seres vivos em todos os seus
aspectos de abrangência, quer sejam anatômicos, funcionais,
genéticos, ambientais, comportamentais, evolutivos, geográficos
ou taxinômicos. Ela compreende muitos princípios e leis, mas se
baseia essencialmente na observação e descrição dos
fenômenos intrínsecos à natureza dos chamados sistemas
organizados. Como ciência, a BIOLOGIA é filha da curiosidade,
da investigação, do longo pensar, da experiência e da
emocionante prazer da conclusão. É um constante indagar sobre
a intimidade dos seres, inclusive daquele que por certo, também
devem pensar ou indagar alguma coisa sobre nós.
DIVISÕES DA BIOLOGIA
A biologia estuda todos os níveis de organização dos seres vivos e pode ser dividida nas
seguintes especialidade:
 Citologia - estuda as células, sua composição química, seu estado físico e a forma e
função de suas estruturas internas.
 Histologia – estuda os tecidos
 Anatomia e fisiologia – estudam a estrutura e o funcionamento dos orgãos e
sistemas.
 Embriologia – estuda a formação e o desenvolvimento do embrião.
 Genética – estuda as leis da hereditariedade.
 Evolução – estuda as transformações das populações e das espécies ao longo do
tempo.
 Ecologia – estuda as relações entre o ser vivo e o ambiente.
 Taxonomia – estuda a classificação dos organismos.
A BIOLOGIA pode também ser dividida de acordo com o tipo de organismo estudado.
Nesse caso, temos:
• Zoologia – estuda os animais.
• Botânica – estuda as plantas.
• Microbiologia – estuda os microrganismos.
De que são feitos os seres vivos ??
Toda matéria é feita de átomos. Se representarmos o átomo como uma
pequena esfera – ou seja, um modelo de átomo com forma esférica – seu
diâmetro será, em média, 10 milhões de vezes menor que 1 milímetro.
No centro (núcleo) de átomo há partículas com carga positiva – os prótons – e
partículas sem carga elétrica – os nêutrons . Ao redor dessa região central,
estão os elétrons, com carga elétrica negativa.
 Os átomos podem se ligar uns aos outros, formando moléculas.
 A força que mantém os átomos unidos é chamada de ligação química.
A ORGANIZAÇÃO DA VIDA
O organismo é reunido em células que formam tecidos que se
abrigam em órgãos que juntos formam os sistemas. A ecologia
estuda as relações que vão além do organismo: populações,
comunidades e ecossistemas.
-Populações: vários indivíduos da mesma espécie que vivem em
uma mesma área e relacionam entre si.
-Comunidade: várias populações que habitam a mesma área.
-Ecossistema: várias comunidades que interagem; O ambiente
físico está dividido em fatores abióticos (ar, luz, temperatura, tipo
de solo etc) e fatores bióticos (seres vivos).
-Biosfera: conjunto de ecossitemas.
Composição Química da Célula
2   uma visão geral da biologia
PRINCIPAIS COMPONENTES QUÍMICOS
DAS CÉLULAS
• Substâncias Inorgânicas
• formados por moléculas pequenas e com
poucos átomos.
• baixa complexidade e rendimento energético
• também encontrados livremente no mundo
mineral
- Água
- Sais Minerais
INTRODUÇÃO
• A matéria que compõe basicamente os seres vivos é constituída por
carboidratos, proteínas, lipídios e ácidos nucleicos (é um tipo de composto molecular, que
possui ácido fosfórico, açúcares e bases purínicas e pirimidínicas. São portanto macromoléculas formadas por nucleotídeos).
• Na composição química dessas moléculas orgânicas, os principais átomos
são: carbono,hidrogênio,oxigênio e nitrogênio.
• 95% COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS: O, C, H e N
• BIOLOGICAMENTE IMPORTANTES: sódio (Na), potássio (K), cálcio (Ca),
fósforo (P), enxofre (S), entre outros.
• SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS E ORGÂNICAS
Composição Química da Célula
2   uma visão geral da biologia
Composição Química da Célula*
Substâncias Animais Plantas
Água 62% 74%
Sais Minerais 4% 2,5%
Carboidratos 6% 18%
Lipídios 11% 0,5%
Proteínas 17% 4%
* valores médios
ÁGUA
Considerando o componente químico mais abundante da matéria
viva, a água atua como solvente universal. Essa característica da
água é de fundamental importância para os seres vivos, uma vez
que as reações químicas de natureza biológica se desenvolvem em
soluções.
A água é, ainda, um importante veículo de transporte de
substâncias, permitindo o contínuo intercâmbio e moléculas entre
os líquidos extra e intracelular.
VEJA O RESUMO DAS PRINCIPAIS FUNÇÕES DA ÁGUA NOS SERES VIVOS:
 Solvente de líquidos corpóreos;
 Meio de transporte de moléculas;
 Regulação térmica;
 Ação lubrificante;
 Atuação na reações hidrólises; (é uma reação química de quebra de uma molécula devido a água.)
 Matéria-prima para a realização da fotossíntese.
Aproximadamente 70% da superfície da terra está coberta por água e foi no ambiente
aquático que surgiram os primeiros seres vivos.
A substancia em maior quantidade nos seres vivos é água. No corpo humano, ela
representa cerca de 70% a 80% do seu peso isso significa que uma pessoa de 70Kg
contém aproximadamente 50Kg de água.
A molécula de água é composta de dois
átomos de hidrogênio e um oxigênio que
formam um ângulo de 104,5º.
Água é um exemplo comum de uma molécula polar
(dipolo). As duas cargas parciais, negativa e positiva,
estão representadas, respectivamente, pelas cores
vermelhas e azuis. Isso se deve porque os elétrons se
concentram mais sobre átomo de oxigênio, uma vez que
ele é muito mais eletronegativo do que os de hidrogênio.
Polaridade influi em uma série de propriedades físicas e
químicas como tensão superficial, solubilidade, ponto de
fusão e ponto de ebulição.
Por causa dessa estrutura, a água possui uma série de
propriedades importante para os seres vivos, como sua
capacidade de dissolver várias substâncias orgânicas e
inorgânicas.
Desidratação
Biologia e Saúde
A desidratação significa que o seu corpo não possui a quantidade de água e fluidos
que deveria. A desidratação pode ser causada por muita perda de fluidos, pela
ingestão insuficiente de água, fluidos ou ambos. Vômito e diarreia são causas
comuns.
As crianças são mais suscetíveis à desidratação do que os adultos devido ao peso
inferior do corpo e maior circulação de água e eletrólitos.
Os idosos e os que se encontram doentes também possuem maior propensão.
A desidratação é classificada como leve, moderada ou grave dependendo da
quantidade de fluido que o corpo perdeu ou que não foi reposto. Quando grave, a
desidratação é uma condição que pode colocar a vida em risco.
Sintomas de Desidratação
Boca seca ou grudenta
Pouca ou nenhuma excreção de urina
a urina concentrada surge amarela escura
Não produção de lágrimas
Olhos encovados
Fontanela (moleira) marcadamente baixa em bebês
Letargia ou coma (na desidratação grave)
2   uma visão geral da biologia
CURIOSIDADE
Nosso organismo perde diariamente de 3 a 5 litros de
água sendo: 1,5 a 2,5 litros pela urina, 500 mL pela
expiração, 800 mL pela transpiração e cerca de 200 mL
entram na composição das fezes.
É recomendável a ingestão diária de 2 a 3,5 litros de
água para uma reposição satisfatória do volume,
fazendo com que os rins e intestino funcionem melhor.
A perda de 10% dos teores de água no organismo
humano provoca a desidratação. Esse quadro de
desequilíbrio hídrico pode levar à morte.
Os sais minerais podem participar como constituintes de estruturas esqueléticas do corpo dos seres
vivos, como é o caso do fosfato de cálcio, abundante nos ossos e nos dentes. Podem também ocorrer
dissolvidos em água, caso em que eles e dissociam em íons, que são partículas com carga elétrica
positiva ou negativa. Os íons são fundamentais ao metabolismo celular.
Os sais minerais têm funções variadas nos seres vivos
• Representam cerca de 1% do total da composição celular;
• São necessários em concentrações da ordem de miligramas por litro de cultura.
• Atuam principalmente como reguladores da atividade celular.
• livres no reino mineral ou nos seres vivos = reguladores da atividade das células
• Podem ser solúveis ou insolúveis em água.
• FORMA IÔNICA: sais minerais solúveis dissolvidos em água, formam os íons. É nessa forma que
eles desempenham a sua atividade reguladora fundamental.
• FORMA IMOBILIZADA: sais minerais insolúveis em água entram na composição de estruturas
esqueléticas e de sustentação, como os ossos, nos vertebrados, ou os pólipos de corais ou
carapaças de algas diatomáceas, entre outras.
SAIS MINERAIS
Na química, um íon é uma molécula ou átomo que ganhou ou
perdeu elétrons num processo conhecido como ionização.
2   uma visão geral da biologia
ELEMENTOS MINERAIS
• Íon fosfato: é encontrado nos líquidos intercelulares e no plasma
sangüíneo. Liga-se a determinados lipídios, formando os fosfolipídios,
que são importantes componentes na estrutura de membranas
celulares. No esqueleto, o íon fosfato, sob a forma de fosfato de cálcio,
confere rigidez aos ossos. Os íons fosfatos participam da composição dos
ácidos nucléicos e são fundamentais nos processos de transferência de
energia na célula, pois fazem parte das moléculas de ADP (adenosina
difosfato) e ATP (adenosina trifosfato). Essas moléculas são verdadeiras
“pilhas” fornecedoras da energia para o funcionamento da célula.
• Íon magnésio: encontra-se em maior concentração no meio intracelular.
É o átomo central das moléculas de clorofila.
• Íon cloreto: é um dos componentes do suco gástrico de animais sob a
forma de ácido clorídrico (HCl). Encontra-se no plasma sangüíneo, nos
líquidos intercelulares e em pequenas concentrações no interior das
células. Participa dos processos de equilíbrio hídrico celular.
Íon sódio: é o único que deve ser adicionado artificialmente à
alimentação sob a forma de cloreto de sódio (NaCl), pois não se
encontra nos alimentos em concentrações compatíveis com as
necessidades celulares humanas. Está ligado à condução de estímulos
nervosos nos neurônios. Também participa dos processos de equilíbrio
hídrico das células. O sódio é um íon de elevada concentração nos
líquidos extracelulares e baixa nos líquidos intracelulares.
Íon potássio: está relacionado à condução de estímulos nervosos e ao
equilíbrio hídrico das células. Ao contrário do sódio, encontra-se em
maior concentração no meio intracelular e em menor concentração no
meio extracelular.
Íon ferro: é um dos constituintes das moléculas da hemoglobina
presente nas hemácias, responsável pelo transporte de gases pelo
sangue. Também atua juntamente com enzimas no processo da
fotossíntese.
Íon cálcio: a maior parte do cálcio encontrado no organismo encontra-se
sob a forma insolúvel (sais de cálcio) como componente do esqueleto.
Está presente sob a forma iônica nos músculos, participando da
contração muscular, nos líquidos intercelulares, linfa e no plasma
sangüíneo, em que auxilia no processo de coagulação.
2   uma visão geral da biologia
BIOLOGIA E SAÚDE
ANEMIA
Anemia é definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a condição na
qual o conteúdo de hemoglobina no sangue está abaixo do normal como resultado da
carência de um ou mais nutrientes essenciais, seja qual for a causa dessa deficiência.
As anemias podem ser causadas por deficiência de vários nutrientes como ferro, zinco,
vitamina B12 e proteínas. Porém, a anemia causada por deficiência de ferro,
denominada Anemia Ferropriva, é muito mais comum que as demais (estima-se que
90% das anemias sejam causadas por carência de Ferro). O ferro é um nutriente
essencial para a vida e atua principalmente na síntese (fabricação) das células
vermelhas do sangue e no transporte do oxigênio para todas as células do corpo.
Os principais sinais e sintomas da anemia por carência de ferro são:
• fadiga generalizada
• anorexia (falta de apetite)
• palidez de pele e mucosas (parte interna do olho, gengivas)
• indisposição para o trabalho
• dificuldade de aprendizagem nas crianças
• apatia (crianças muito "paradas")
BÓCIO ENDÊMICO
Bócio é o termo que caracteriza o aumento de volume
da glândula tireóidea. Por tal motivo, verifica-se um
inchaço característico ou a formação de nódulos na
região do pescoço de seus portadores. Tal fato faz com
que o indivíduo tenha dificuldades para respirar e
deglutir, além de tossir mais frequentemente.
O bócio decorrente da falta de iodo é registrado desde os
tempos mais antigos, antes de Cristo, principalmente em
regiões montanhosas e mais afastadas do mar.
Atualmente, ocorre com menor frequência em razão da
obrigatoriedade da adição de iodo no sal de cozinha.
O diagnóstico consiste na análise da história de vida do
paciente e palpação da glândula, além de exames de
sangue, a fim de verificar a dosagem do hormônio TSH;
ultrassonografia e cintilografia. A punção biópsia por
agulha fina (PAAF) é necessária para verificação de
possível malignidade do bócio.
Substâncias Orgânicas
As substâncias orgânicas são formadas a partir dos arranjos do
elemento químico carbono. O carbono é, por esse motivo, a
base de todas as formas de vida que conhecemos.
As moléculas orgânicas naturais são as sintetizadas pelos seres vivos e denominadas
biomoléculas. Os açúcares, as proteínas e os lipídios são substâncias orgânicas
encontradas nos tecidos vivos. Glicose, sacarose, frutose, lactose, por exemplo, são
substâncias empregadas pela indústria alimentícia na fabricação de balas, bombons,
biscoitos, bolos. Elas são açúcares e também são empregadas pela indústria
farmacêutica.
Diariamente consumimos produtos derivados do leite, um alimento essencialmente
orgânico. A indústria de cosméticos também usa substâncias orgânicas de origem
animal e vegetal na fabricação de xampus, óleos, loções, cremes, sabonetes, etc. Na
composição desses produtos também entram compostos orgânicos sintéticos, como
acontece com os detergentes, os pigmentos aromatizantes, etc.
PRINCIPAIS COMPONENTES:
- Carboidratos (Glicídios)
- Lipídios
- Proteínas
- Ácidos nucléicos
- Vitaminas
CARBOIDRATOS
Os carboidratos são tambem chamados glicídios, hidratos de
carbono ou açucares.
• Representam a principal fonte de energia para a célula.
• Abrangem um dos maiores grupos de compostos orgânicos
encontrados na natureza.
• Junto com as proteínas formam os principais constituintes dos
organismos vivos.
Os carboidratos podem ser divididos em três grupos:
MONOSSACARÍDEOS
OLIGOSSACARÍDEOS
POLISSACARÍDEOS
CLASSIFICAÇÃO DOS CARBOIDRATOS
MONOSSACARÍDEOS ou açucares ( hidrossolúveis e adocicados)
• Os monossacarídeos são os glicídios mais simples. A fórmula geral
de suas moléculas é (CH2O)n de carbono. Eles podem ser
considerados reuniões de n grupos de carbono ligados por um
lado por um átomo de hidrogênio e por outro a um grupo de OH.
Daí o nome de carbono ou carboidrato.
• Os nomes dados aos monossacarídeos dizem respeito ao números
de átomos de carbono da molécula:
• Trioses (3 átomos de carbono) - C3H6O3
• Tetroses ( 4 átomos de carbono) - C4H8O4
• Pentoses (5 átomos de carbono)- C5H10O5
• Hexoses (6 átomos de carbono) - C6H12O6
Para os organismos, os principais monossacarídeos são as
pentoses e as hexoses
• Dentre as pentoses existem duas particularmente importante:
a ribose e a desoxirribose, que participam da constituição dos
ácidos nucléicos.
• Como principais exemplos de hexoses citamos a glicose e a
frutose, importantes fontes de energia par os seres vivos.
• Embora todas as hexoses tenham a mesma fórmula química,
elas diferem entre si pela maneira como átomos se ligam.
Assim, a fórmula geral C6H12O6 serve tanto para a glicose
como para a frutose, ou para qualquer hexose.
CARBOIDRATOS
MONOSSACARÍDEOS
Ribose Desoxirribose
RNA é o responsável pela síntese de proteínas da célula
MONOSSACARÍDEOS
• Dissacarídeos – São glicídios formados pela a união de duas moléculas de
monossacarídeos. Os principais são a: SACAROSE, A LACTOSE E A MALTOSE
• Hidrossolúveis e adocicados
POLISSACARÍDEOS
São formados por várias moléculas de monossacarídeos,
principalmente a glicose, unidas entre si formando extensas
cadeias. São insolúveis em água e podem ser desdobrados em
açucares simples por hidrólise.
A insolubilidade dos polissacarídeos é vantajoso por dois
motivos: permite que eles participem como componentes
estruturais da célula ou que funcionem como armazenadores de
energia.
Como em cada ligação de entre dois monossacarídeos há perda
de uma molécula de água, a formula geral dos polissacarídeos
formados de hexoses é (C6H10O5)n
PRINCIPAIS POLISSACARÍDEOS
POLISSACARÍDEOS ESTRUTURAIS CELULOSE
QUITINA
POLISSACARÍDEOS ENERGÉTICOS AMIDO
GLICOGÊNIO
2   uma visão geral da biologia
Glicídios e Lipídios
Os alimentos ricos em glicídios são chamados ENRGÉTICOS e, com exceção do
mel, são de origem vegetal:
Cereais - arroz, trigo, aveia, etc.
Raízes e tubérculos - batata, aipim, cenoura, beterraba, mandioca, etc.
Leguminosas – feijão, ervilha, soja, etc.
Frutas – mamão, banana, laranja, etc.
Os lipídios abrangem uma classe de compostos com estrutura muito variada e
exercem diferentes funções biológicas. São substâncias fisicamente caracterizadas
pela insolubilidade em água e solubilidade em solventes orgânicos, como o éter, o
álcool e o clorofórmio.
Os principais grupos de lipídios serão abordados a seguir:
Carotenóides;
Triglicerídeos;
Fosfolípidios;
Cerideos;
esteróides
LIPÍDIOS
 Os lipídios (do grego lipos: gordura) são moléculas orgânicas que resultam da associação
entre ácidos graxos e álcool. Dá-se nome de ésteres aos componentes orgânicos
formados pela reação de um ácido e um álcool
 Moléculas orgânicas insolúveis em água.
 Abrangem os glicerídeos (óleos e gorduras), os cerídeos (ceras) e os esteróides
(colesterol).
 Formados pela união de ácido graxo e álcool (ésteres)
 Os principais tipos de lipídios são os glicerídeos, os cerídeos e os esteroides.
ONDE SÃO ENCONTRADOS OS LIPÍDIOS
• Associados a membrana;
• Transportados pelo plasma;
• Barreira hidrofóbica ( impermeabilização - ceras)
• Funções reguladoras ou de coenzimas ( óleos);
• Controle da homeostase do corpo ( gorduras)
www.bioaula.com.br
Meio extracelular
citoplasma
filamentos
protéicos
proteína de
reconhecimento receptor protéico
proteína
transportadora
sítio ligante
bicamada
lipídica
fosfolipídio colesterol
carboidrato
LIPÍDIOS NA MEMBRANA PLASMÁTICA
GLICERÍDIOS - triglicerídeos
São formados pela união de três moléculas de ácidos graxos com glicerol (um
álcool).Nessa união há perda de água.
Os óleos são encontrados principalmente em plantas, como é o caso dos óleos
de algodão, de amendoim, de milho, de arroz e de soja. Podem ser
encontrados também nos animais, como é o caso do óleo de fígado de
bacalhau.
Os triglicerídeos constituem a maneira mais eficiente de reserva de energia
nos seres vivos. Além disso, os triglicerídeos constituem uma forma de
armazenamento de ácidos graxos, substâncias que participam de importantes
processos metabólicos.
ÁCIDOS GRAXOS
Saturados:
Sólidos à temperatura ambiente.
Ex: Margarina
Insaturados:
Líquidos à temperatura ambiente.
Ex:Óleo de oliva
No caso ser humano, dietas ricas em ácidos graxos
saturados podem contribuir para a ocorrência de doenças
cardiovasculares, como a aterosclerose (perda da
elasticidade da parede dos vasos sanguíneos em função da
disposição de placas de gordura).
FOSFOLIPÍDIOS
• Contêm ácidos graxos unidos a uma molécula de glicerol.
• São moléculas anfipáticas.
• São os principais componentes das membranas celulares.
 Os fosfolipídios por duas
moléculas de ácido graxo e
uma contendo fosfato, ligadas
a uma molécula de glicerol.
 função estrutural,
 energética,
 hormonal,
 impermeabilizante,
 isolante térmico,
 isolante elétrico.
Cerídeos
• São ésteres de ácidos graxos com álcool de cadeia longa
(até 16 c) representados pela ceras.
• São altamente insolúveis na água.
• Nos vegetais impermeabilizam evitando a transpiração
excessiva.
• Ceras de abelha, cera de ouvido (cerúmen) são ceras
animais.
ESTERÓIDES
• APRESENTAM 4 ANÉIS DE C INTERLIGADOS.
• ALÉM DE FORMAR HORMÔNIOS ENTRAM NA COMPOSIÇÃO DAS MEMBRANAS
CELULARES.
• O COLESTEROL É O PRINCIPAL: SERVE DE MATÉRIA PRIMA PARA OS DEMAIS.
Os esteroides são considerados uma classe especial de gordura e compreendem
os hormônios sexuais, os corticosteroides, os sais biliares do fígado, a vitamina D e
o colesterol, o mais conhecido.
O colesterol é uma substância essencial para o nosso organismo, pois é utilizado por
nossas células para a produção das membranas celulares e dos hormônios esteroides
(estrógeno e testosterona), sendo, por esse motivo, produzido em nosso próprio
organismo, principalmente no fígado. O colesterol também pode ser encontrado em
outros alimentos de origem animal, como carnes, leite, ovos, etc. Mesmo exercendo
funções extremamente importantes em nosso organismo, o colesterol em excesso pode
fazer mal, trazendo muitos distúrbios à saúde.
Biologia e Saúde
COLESTEROL
O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso
organismo. O colesterol está presente em alimentos de origem animal (carne, leite
integral, ovos etc.). Em nosso organismo, o colesterol desempenha funções essenciais,
como produção de hormônio e vitamina D. No entanto, o excesso de colesterol no
sangue é prejudicial e aumenta o risco de desenvolver doenças cardiovasculares. Em
nosso sangue, existem dois tipos de colesterol:
LDL colesterol: conhecido como "ruim", ele pode se depositar nas artérias e provocar o
seu entupimento
HDL colesterol: conhecido como "bom", retira o excesso de colesterol para fora das
artérias, impedindo o seu depósito e diminuindo a formação da placa de gordura.
Tipos
Podemos dizer que existem vários tipos de colesterol circulando no sangue. O total da
soma de todos eles chama-se "Colesterol Total". Como visto, colesterol é uma espécie
de "gordura do sangue" e, como gorduras não se misturam com líquidos, o colesterol é
insolúvel no sangue. Por isso, o colesterol precisa da "carona" de certas proteínas para
cumprir as suas funções.
Sintomas de Colesterol
O colesterol alto não apresenta sintomas, por isso, quem tem aterosclerose e obesidade,
possui história de morte na família por infarto, é sedentário e/ou alimenta-se com ingestão
exagerada de gorduras saturadas tem mais chances de ter colesterol alto. A aterosclerose
não produz qualquer tipo de sintoma até que ocorra a obstrução de uma ou mais artérias.
Aterosclerose é o endurecimento das paredes dos vasos
causado pela deposição de gordura
Prevenção
Além de uma alimentação equilibrada, há outras
maneiras de evitar o aumento do colesterol e,
até mesmo, diminuí-lo:
Fazer exercícios físicos: a atividade física pode
ajudá-lo a emagrecer e a diminuir as tensões.
Controlando o peso, fazendo exercício ou
praticando esporte, você se sente melhor e
diminui o risco de infarto e os níveis de
colesterol no sangue
Não fumar: o cigarro é um fator de risco para doença coronária. Aliado ao colesterol,
multiplica os riscos
Evitar o estresse: uma vida menos estressada também diminui o risco de infarto e redução
do colesterol. Procure transformar as suas atividades diárias em algo que lhe dê satisfação
Fazer uma dieta com baixos níveis de gordura e colesterol: seja rigoroso no controle da
alimentação.
2   uma visão geral da biologia
2   uma visão geral da biologia
As proteínas formam várias estruturas da célula, além de controlarem a entrada e
a saída de substâncias pela membrana da célula. Conferem também sustentação
a muitos tecidos do corpo e são responsáveis pela contração dos músculos e pelo
transporte de oxigênio no sangue de muitos animais. As proteínas são formadas
pela união de moléculas menores, os aminoácidos. Dizemos que elas são
polímeros de aminoácidos.
Além disso, existem proteínas que desempenham muitas outras funções
importantes para os seres vivos, como por exemplo:
• As enzimas, substâncias que aumentam a velocidade das reações químicas;
• Os anticorpos, substâncias fundamentais nos mecanismos de defesa do corpo;
• Alguns hormônios, como a insulina e o glucagon, que atuam no metabolismo
de açucares.
Vamos começar a estudar as proteínas a partir de suas unidades constituintes: os
aminoácidos
PROTEÍNAS
2   uma visão geral da biologia
2   uma visão geral da biologia
Os aminoácidos são cadeias de carbono com hidrogênio, oxigênio,
nitrogênio e, às vezes, enxofre. Em sua molécula, há um
agrupamento carboxila (COOH) – que caracteriza os ácidos orgânicos
– e um grupamento amina (NH2),vindo daí o nome aminoácido.
AMINOÁCIDOS
A SEQUÊNCIA DE AMINOÁCIDOS E A FORMA DAS PROTEÍNAS
Os aminoácidos se unem através de ligações peptídicas, formando as proteínas. Para
que as células possam produzir sua proteínas, elas precisam de aminoácidos, que
podem ser obtidos a partir da alimentação ou serem fabricados pelo próprio
organismo.
Aminoácidos naturais
Também chamados de aminoácidos não essenciais, são produzidos pelo próprio
organismo. O organismo animal é capaz de produzir apenas 12 dos 20 aminoácidos
existentes na natureza, devendo os demais serem retirados da alimentação. Já os
vegetais são capazes de produzir os 20 aminoácidos.
Aminoácidos essenciais
São os aminoácidos que os animais não conseguem produzir, mas são obrigatórios na
fabricação das proteínas, portanto devem ser retirados dos alimentos.
Naturais Essenciais
Glicina Histidina Fenilalanina
Alanina Asparagina Valina
Serina Glutamina Triptofano
Cisteína Prolina Treonina
Tirosina Lisina
Ácido Aspártico Leucina
Ácido Glutâmico Isoleucina
Arginina Metionina
Nem todos os alimentos contêm todos os aminoácidos, por isso a alimentação deve
ser bastante diversificada. Os alimentos mais ricos em aminoácidos essenciais são de
origem animal: carne, ovos, leite, queijos, etc.
Os vegetais não possuem todos os aminoácidos essenciais, logo uma dieta
vegetariana precisa ser bem diversificada.
• AS PROTEÍNAS SÃO FEITAS POR DEZENAS OU
CENTENAS DE AMINOÁCIDOS LIGADOS POR
LIGAÇÕES PEPTÍDICAS (ENTRE AMINOÁCIDOS).
• QUANDO DIGERIMOS AS PROTEÍNAS
QUEBRAMOS AS LIGAÇÕES PEPTÍDICAS E
USAMOS OS AMINOÁCIDOS.
Ligação peptídica
PROTEÍNAS – LIGAÇÕES PEPTÍDICAS
• A função de cada proteína depende de sua forma.
• Proteínas podem ser material de construção dos seres vivos: função estrutural.
• Proteínas podem promover reações químicas (catalisadores) e são chamadas
enzimas.
• A forma da proteína é determinada pela sua estrutura:
• Primária: é dada pela seqüência de aminoácidos. É filamentosa. A troca de um
aminoácido pode alterar sua forma.
• Secundária: é o filamento primário enrolado em espiral.
• Terciária: a espiral secundária se enrola formando uma esfera.
• Quaternária: é o modo como as proteínas terciárias se dispõem.
PROTEÍNAS – FUNÇÃO E FORMA
Ordem dos
aminoácidos
Espiral da
estrutura
primária
A secundária
dobrada sobre
si em globo.
Várias proteínas
terciárias.
PROTEÍNAS
Tipo Função
Proteínas estruturais
Componentes das membranas celulares Desempenham diversas funções:
determinam o diâmetro dos poros; auxiliam
os hormônios no “reconhecimento” celular
Colágeno Componente estrutural dos músculos e
tendões
Queratina Parte da pele e do pêlo
Hormônios peptídicos (p. ex., insulina,
hormônio do crescimento)
Muitos hormônios são proteínas e exercem
efeitos sobre diversos sistemas orgânicos
Hemoglobina Transporte de oxigênio
Anticorpos Protegem o corpo contra organismos
causadores de doenças
Proteínas plasmáticas Coágulo sangüíneo; equilíbrio de líquidos
Proteínas musculares Tornam o músculo capaz de contrair
Enzimas Regulam os padrões das reações químicas
CLASSIFICAÇÃO DAS PROTEÍNAS
Quanto à composição:
 Proteínas simples
Ex. albuminas, globulinas
 Proteínas conjugadas
Ex. hemeproteínas, lipoproteínas, glicoproteínas
Quanto à forma:
 Proteínas fibrosas: são insolúveis em água, compridas e filamentosas. A maioria tem
função estrutural ou protetiva. Ex. colágeno
 Proteínas globulares: geralmente solúveis em água, formam estruturas compactas
fortemente enroladas em forma globular ou esférica.
Função relacionada com manutenção e regularização de processos vitais:
enzimática, transporte, defesa e hormonal. Ex. hemoglobina.
GRAU DE ESTRUTURAÇÃO DAS PROTEÍNAS
Ligações
peptídicas
Pontes de Hidrogênio
Interações de Van der Waals
Interações Eletrostáticas
Interações Hidrofóbicas
Uniões Covalentes de Dissulfeto
Pontes de Hidrogênio
Interações de Van der Waals
Interações Eletrostáticas
Interações Hidrofóbicas
Estrutura
primária
Estrutura
secundária
Estrutura
terciária
Estrutura
quaternária
• É A ALTERAÇÃO DA FORMA (ESTRUTURA) DA PROTEÍNA POR EFEITO DO CALOR
OU MUDANÇA DO PH. PODE SER IRREVERSÍVEL OU REVERSÍVEL.
• CLARA DE OVO: NO OVO CRU É PROTEINA NATIVA. APÓS FRITA OU COZIDA É
PROTEÍNA É DESNATURADA.
• CASEÍNA (DO LEITE) ACRESCENTANDO ÁCIDO (LIMÃO OU VINAGRE) COALHA,
VIRA PARACASEÍNA (COALHADA – é a proteína desnanturada).
PROTEÍNAS – DESNATURAÇÃO
Às vezes, a célula é comparada a uma indústria química em miniatura. Moléculas
pequenas entram na célula e são transformadas em moléculas maiores, enquanto outras
são decompostas, liberando energia. A cada momento, milhares de reações químicas
ocorrem nos seres vivos graças à ação das enzimas.
PROMOVENDO REAÇÕES QUÍMICAS: ENZIMAS
• ENZIMAS SÃO PROTEÍNAS CAPAZES DE CATALISAR REAÇÕES QUÍMICAS,
DIMINUINDO A ENERGIA DE ATIVAÇÃO OU AUMENTANDO A VELOCIDADE DA
REAÇÃO QUÍMICA.
• PARA DIGERIR CARNE SEM ENZIMA O HCl A 80ºC LEVARIA 36 HORAS. COM A
PEPSINA (ENZIMA DO ESTÔMAGO) LEVA 2 HORAS A 37ºC.
• AS ENZIMAS SÃO ESPECÍFICAS: PROMOVEM UM TIPO DE REAÇÃO.
• CADA ENZIMA POSSUI UM ENCAIXE QUE SÓ SERVE EM UMA SUBSTÂNCIA
CHAMADA DE SUBSTRATO.
• O ENCAIXE É CHAMADO CENTRO OU SÍTIO ATIVO. MODIFICANDO O ENCAIXE A
ENZIMA NÃO SERVE NO MESMO SUBSTRATO, FICANDO INATIVA.
• É NECESSARIO QUE ENZIMA E SUBSTRATO SE ENCAIXEM PARA A REAÇÃO OCORRER.
ENZIMAS
• TEMPERATURA:
• O CALOR FORNECE ENERGIA CINÉTICA PARA ENZIMA E SUBSTRATO SE UNIR.
– SE HOUVER FALTA DE ENERGIA CINÉTICA AS ENZIMAS FICAM INATIVAS (O FRIO FAZ
ISTO)
– TEMPERATURAS MUITO ALTAS DESNANTURAM AS ENZIMAS (POR ISTO FEBRE ALTA
MATA).
• PH:
• CADA ENZIMA TEM SEU PH ÓTIMO.
• A MUDANÇA DE PH AFETA A CARGA ELÉTRICA DA ENZIMA E IMPOSSIBILITA A
UNIÃO AO SUBSTRATO. É O QUE OCORRE NA AZIA.
ENZIMAS – INFLUÊNCIA NA AÇÃO ENZIMÁTICA
2   uma visão geral da biologia
A fenilcetonúria (PKU) é uma doença rara na qual o bebê nasce sem a habilidade de quebrar
adequadamente um aminoácido chamado fenilalanina.
Causas
A fenilcetonúria é hereditária, isto é, passa de pais para filhos. O pai e a mãe devem passar o gene
defeituoso para que o bebê tenha essa doença. Isso é conhecido como traço recessivo
autossômico.
Os bebês com PKU não possuem uma enzima chamada fenilalanina hidroxilase, necessária para
quebrar um aminoácido essencial denominado fenilalanina. Essa substância é encontrada em
alimentos que contêm proteínas.
Sem essa enzima, os níveis de fenilalanina e de duas substâncias associadas a ela crescem no
organismo. Tais substâncias são prejudiciais ao sistema nervoso central e causam dano cerebral.
Exames
A fenilcetonúria pode ser fácilmente detectada em um simples exame de sangue. Em todos os
estados brasileiros, o exame de triagem para PKU (ou fenilcetonúria), chamado teste do pezinho, é
exigido para todos os recém-nascidos como parte do painel de triagem. O teste normalmente é
realizado por meio da retirada de algumas gotas de sangue do bebê antes da saída dele do
hospital.
Se o teste inicial é positivo, exames de sangue e urina são feitos para confirmar o diagnóstico.
Fenilcetonúria
Sinais e sintomas
A fenilalanina atua na produção de melanina, o pigmento responsável pela cor da pele
e do cabelo. Portanto, bebês com essa doença geralmente posuem pele, cabelo e olhos
mais claros do que seus irmãos que não sofrem dessa doença.
Outros sintomas podem incluir:
Atraso mental e das habilidades sociais
Tamanho da cabeça significantemente menor do normal
Hiperatividade
Movimentos incontroláveis de braços e pernas
Retardo mental
Convulsões
Erupções cutâneas
Tremores
Posicionamento incomum das mãos
Se a doença não for tratada ou se os alimentos contendo fenilalanina não forem
evitados, um odor "de rato" poderá ser sentido no hálito, na pele e na urina. Esse odor
incomum deve-se ao aumento de substâncias de fenilalanina no organismo.
ÁCIDOS NUCLÉICOS
NUCLEOTÍDEO:
É unidade estrutural básica dos ácidos nucléicos (DNA e RNA), constituídos
por bases purinas (A, G) ou pirimídicas (C, T), ribose ou desoxirribose e
ainda grupamento fosfato.
NUCLEOTÍDEOS
• DNA E RNA SÃO MACROMOLÉCULAS (POLÍMEROS) FEITOS
PELA UNIÃO DE NUMEROSAS MOLÉCULAS PEQUENAS
(MONÔMEROS) DENOMINADOS NUCLEOTÍDEOS.
• NUCLEOTÍDEO É COMPOSTO DE:
– PENTOSE
– FOSFATO
– BASE NITROGENADA
Seu comprimento linear seria de 2 m de comprimento.
DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLÉICO:
Tem forma de uma escada em espiral.
Contém as informações genéticas das
células.
Localizado no núcleo, nas mitocôndrias e
plastos.
É um polímero formado por nucleotídeos,
sendo o açúcar desoxirribose e as bases
purinas e pirimídicas (C, T, G, A),
proporcionando formação de uma fita
dupla.
Está envolvido em decifrar a informação do DNA e carregar sua instrução.
RNA - ÁCIDO RIBONUCLÉICO
É produzido a partir do DNA.
Está localizado principalmente no
citoplasma.
Auxilia o DNA no controle da expressão
de características hereditárias.
Assim como o DNA, o RNA também é
composto por nucleotídeos, porém
difere em certos aspectos:
O açúcar é uma ribose;
A base pirimídica timina é substituída
pela uracila;
Forma somente fita de RNA simples, isto
implica que haverá uma porcentagem
diferente de A com T e C com G
TIPOS DE RNA
1) RNAm (mensageiro)
Produzido pelo DNA no núcleo;
Leva a “mensagem” ao citoplasma;
Associa-se aos ribossomos.
2) RNAr (ribossômico)
É o mais comprido;
Matéria-prima para formar os ribossomos;
Sem ribossomo não há tradução.
3) RNAt (transportador)
Em certa região, apresenta 3 bases livres, chamadas anti-códon;
Captura os aminoácidos do citoplasma e os leva aos ribossomos;
O mesmo aminoácido pode ser carregado por 2 ou 3 tipos de RNA-t.
NUCLEOTÍDEOS
• AS PENTOSES QUE ENTRAM NOS
NUCLEOTÍDEOS SÃO:
– DESOXIRRIBOSE (C5H10O4) NO DNA
– RIBOSE: (C5H10O5) NO RNA.
• AS PENTOSES SÃO OS CENTROS DOS
NUCLEOTÍDEOS. NELES LIGAM-SE OS
FOSFATOS E AS BASES NITROGENADAS.
• FOSFATO: H3PO4 (ÁCIDO FOSFÓRICO).
– LIGA OS NUCLEOTÍDEOS ENTRE SI.
– DÃO CARÁTER ÁCIDO AO DNA E RNA.
BASES NITROGENADAS
• SÃO MOLÉCULAS QUE TEM REAÇÃO ALCALINA E RICAS EM NITROGÊNIO.
• DERIVAM DE DOIS GRUPOS:
• DA PURINA: BASES PÚRICAS. SÃO MOLÉCULAS MAIORES.
– ADENINA (A) NO DNA E RNA
– GUANINA (G) NO DNA E RNA
• DA PIRIMIDINA: BASES PIRIMIDICAS. SÃO MENORES.
– CITOSINA (C) NO DNA E RNA
– TIMINA (T) EXCLUSIVA DO DNA
– URACINA (U) EXCLUSIVA DO RNA
DNA
• A MOLÉCULA DO DNA É MUITO
GRANDE SENDO CONSTITUÍDA POR
BILHÕES DE PARES DE NUCLEOTÍDEOS.
• A MOLÉCULA DO DNA TEM A FORMA
DE UMA ESCADA DE MARINHEIRO EM
ESPIRAL.
• OS CORRIMÕES DA ESCADA SÃO
FEITOS POR DESOXIRRIBOSES E
FOSFATOS.
• OS DEGRAUS DA ESCADA SÃO FEITOS
POR PARES DE BASES NITROGENADAS,
LIGANDO-SE UMA ADENINA COM
UMA TIMINA E UMA ADENINA COM
UMA CITOSINA POR MEIO DE PONTES
DE HIDROGÊNIO.
• ENTRE UMA ADENINA E TIMINA HÁ
DUAS PONTES DE H E ENTRE
GUANINA E CITOSINA HÁ 3 PONTES
DE H.
FUNÇÃO DO DNA
• O DNA É POR ASSIM DIZER A
PROGRAMAÇÃO DE CADA
CÉLULA. NELE FICA A
INFORMAÇÃO GENÉTICA (OS
GENES).
• A INFORMAÇÃO GENÉTICA
ESTÁ GUARDADA NA ORDEM
EM QUE OS NUCLEOTÍDEOS
APARECEM NA MOLÉCULA.
• ALTERANDO A ORDEM DOS
NUCLEOTÍDEOS MUDAMOS A
INFORMAÇÃO GENÉTICA: SÃO
AS MUTAÇÕES.
RNA
• O RNA É PRODUZIDO A PARTIR
DO DNA POR UM PROCESSO
CHAMADO TRANSCRIÇÃO.
• O RNA TEM SEMPRE CADEIA
SIMPLES.
• AO INVÉS DE DESOXIRRIBOSE
TEM RIBOSE.
• EM LUGAR DA TIMINA TEM
URACILA.
• O RNA AUXILIA O DNA NO
CUMPRIMENTO DA
INFORMAÇÃO GENÉTICA,
AJUDANDO-O A PRODUZIR AS
PROTEÍNAS DA CÉLULA.
SÍNTESE DE RNA A PARTIR DO DNA
FUNÇÕES:
• Agem muitas vezes como coenzimas ou como parte de enzimas
responsáveis por reações químicas essenciais à saúde humana.
• Mantêm a saúde ideal e a prevenção de doenças crônicas.
• HIPERVITAMINOSE: VITAMINAS EM EXCESSO
• Não se acumulam no organismo.
CLASSIFICAÇÃO:
• HIDROSSOLÚVEIS: C e complexo B, Tiamina, Riboflavina, Niacina,
Biotina, Ácido Pantotênico, Ácido Fólico, Cobalamina, Peridoxida e
Ácido Ascórbico.
• LIPOSSOLÚVEIS: Vitamina A, D, E e K.
VITAMINAS
As vitaminas são compostos orgânicos,
presentes nos alimentos, essenciais
para o funcionamento normal do
metabolismo, e em caso de falta, pode
levar a doenças. Quase todas não são
produzidas pelo organismo em
questão, devendo obrigatoriamente
ser obtidas na dieta. A disfunção de
vitaminas no corpo é chamada
de hipovitaminose ou avitaminose. O
excesso pode trazer problemas, no
caso das vitaminas lipossolúveis, de
mais difícil eliminação, é chamado
de hipervitaminose. Atualmente é
reconhecido que os seres humanos
necessitam de 13 vitaminas diferentes,
sendo que o nosso corpo só consegue
produzir vitamina D.
VITAMINAS
Vitaminas Função Carência
C
ácido ascóbico
Aumenta a resistência e tecido
conjuntivo
Escorbuto
D
calciferol
Fixação de cálcio e fósforo Raquitismo
E
tocoferol
Antioxidante, favorece o
metabolismo muscular
Aumenta os radicais
livres
K
filoquinona
Formação dos fatores
Coagulantes (bactérias)
Hemorragia
PP
niacina
Prevenção da pelagra
Diarréia, dermatite e
demência
VITAMINAS
2   uma visão geral da biologia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

II. 1 Água, sais minerais e vitaminas
II. 1 Água, sais minerais e vitaminasII. 1 Água, sais minerais e vitaminas
II. 1 Água, sais minerais e vitaminas
Rebeca Vale
 
Fluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistemaFluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistema
Reinan Santos
 
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino MédioAula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
Ronaldo Santana
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivos
César Milani
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Silvana Sanches
 
Aula sobre células
Aula sobre célulasAula sobre células
Aula sobre células
cienciasdinamica
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Marcia Bantim
 
Aminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínasAminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínas
Adrianne Mendonça
 
Reino animal
Reino animalReino animal
14 o sistema nervoso
14   o sistema nervoso14   o sistema nervoso
14 o sistema nervoso
Rebeca Vale
 
Tecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humanoTecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humano
Lilia Nascimento
 
Tabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º anoTabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º ano
7 de Setembro
 
Apresentação de células
Apresentação de célulasApresentação de células
Apresentação de células
cejlrodrigues
 
Organização celular
Organização celularOrganização celular
Organização celular
Sara Moraes
 
2 os tecidos
2   os tecidos2   os tecidos
2 os tecidos
Rebeca Vale
 
Aula 2 introdução a biologia - 1º ano
Aula 2 introdução a biologia - 1º anoAula 2 introdução a biologia - 1º ano
Aula 2 introdução a biologia - 1º ano
camaceio
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
Gabriela de Lima
 
II. 2 Carboidratos e lipídios
II. 2 Carboidratos e lipídiosII. 2 Carboidratos e lipídios
II. 2 Carboidratos e lipídios
Rebeca Vale
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres Vivos
Plínio Gonçalves
 
Divisão celular mitose e meiose
Divisão celular  mitose e meioseDivisão celular  mitose e meiose
Divisão celular mitose e meiose
César Milani
 

Mais procurados (20)

II. 1 Água, sais minerais e vitaminas
II. 1 Água, sais minerais e vitaminasII. 1 Água, sais minerais e vitaminas
II. 1 Água, sais minerais e vitaminas
 
Fluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistemaFluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistema
 
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino MédioAula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivos
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
 
Aula sobre células
Aula sobre célulasAula sobre células
Aula sobre células
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
 
Aminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínasAminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínas
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
14 o sistema nervoso
14   o sistema nervoso14   o sistema nervoso
14 o sistema nervoso
 
Tecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humanoTecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humano
 
Tabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º anoTabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º ano
 
Apresentação de células
Apresentação de célulasApresentação de células
Apresentação de células
 
Organização celular
Organização celularOrganização celular
Organização celular
 
2 os tecidos
2   os tecidos2   os tecidos
2 os tecidos
 
Aula 2 introdução a biologia - 1º ano
Aula 2 introdução a biologia - 1º anoAula 2 introdução a biologia - 1º ano
Aula 2 introdução a biologia - 1º ano
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
 
II. 2 Carboidratos e lipídios
II. 2 Carboidratos e lipídiosII. 2 Carboidratos e lipídios
II. 2 Carboidratos e lipídios
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres Vivos
 
Divisão celular mitose e meiose
Divisão celular  mitose e meioseDivisão celular  mitose e meiose
Divisão celular mitose e meiose
 

Destaque

Biologia - Fenômeno da vida
Biologia - Fenômeno da vidaBiologia - Fenômeno da vida
Biologia - Fenômeno da vida
NAPNE
 
Introdução à biologia 1º ano
Introdução à biologia   1º anoIntrodução à biologia   1º ano
Introdução à biologia 1º ano
Luciana Mendes
 
Biologia introdução
Biologia introduçãoBiologia introdução
Biologia introdução
Marcos Santos
 
Capitulo 2 ciência e método científico
Capitulo 2 ciência e método científicoCapitulo 2 ciência e método científico
Capitulo 2 ciência e método científico
Professora Raquel
 
Biologia Geral
Biologia GeralBiologia Geral
Biologia Geral
jonatascunha
 
Aula introdutória - Conceito de Biologia
Aula introdutória - Conceito de BiologiaAula introdutória - Conceito de Biologia
Aula introdutória - Conceito de Biologia
Universidade Federal Rural do Semi-Árido
 
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e LipídiosAula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
Fernando Mori Miyazawa
 
Composição química da célula
Composição química da célulaComposição química da célula
Composição química da célula
MARCIAMP
 
Uma Visão Geral da Célula
Uma Visão Geral da CélulaUma Visão Geral da Célula
Uma Visão Geral da Célula
Nilderlânia Paulino Sampaio
 
Niveis de organização na biologia
Niveis de organização na biologiaNiveis de organização na biologia
Niveis de organização na biologia
Diana Costa
 
Biologia ciencia e vida
Biologia ciencia e vidaBiologia ciencia e vida
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
Fatima Comiotto
 
8 olho-e-visao-humana
8 olho-e-visao-humana8 olho-e-visao-humana
8 olho-e-visao-humana
William Benfica
 
Aula01 introducao a biologia
Aula01 introducao a biologiaAula01 introducao a biologia
Aula01 introducao a biologia
Barbara Samartini Queiroz Alves
 
17417 biologia celular_1_aula_01_volume_01
17417 biologia celular_1_aula_01_volume_0117417 biologia celular_1_aula_01_volume_01
17417 biologia celular_1_aula_01_volume_01
helonasc
 
Olho e Visão
Olho e VisãoOlho e Visão
Olho e Visão
Yan Soares da Silvaa
 
O olho humano
O olho humanoO olho humano
O olho humano
cindymacedo
 
Visão
Visão Visão
O que é a Biologia
O que é a BiologiaO que é a Biologia
O que é a Biologia
João Coloia
 
Compostos inorganicos
Compostos inorganicosCompostos inorganicos
Compostos inorganicos
bhbiohorrores
 

Destaque (20)

Biologia - Fenômeno da vida
Biologia - Fenômeno da vidaBiologia - Fenômeno da vida
Biologia - Fenômeno da vida
 
Introdução à biologia 1º ano
Introdução à biologia   1º anoIntrodução à biologia   1º ano
Introdução à biologia 1º ano
 
Biologia introdução
Biologia introduçãoBiologia introdução
Biologia introdução
 
Capitulo 2 ciência e método científico
Capitulo 2 ciência e método científicoCapitulo 2 ciência e método científico
Capitulo 2 ciência e método científico
 
Biologia Geral
Biologia GeralBiologia Geral
Biologia Geral
 
Aula introdutória - Conceito de Biologia
Aula introdutória - Conceito de BiologiaAula introdutória - Conceito de Biologia
Aula introdutória - Conceito de Biologia
 
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e LipídiosAula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
 
Composição química da célula
Composição química da célulaComposição química da célula
Composição química da célula
 
Uma Visão Geral da Célula
Uma Visão Geral da CélulaUma Visão Geral da Célula
Uma Visão Geral da Célula
 
Niveis de organização na biologia
Niveis de organização na biologiaNiveis de organização na biologia
Niveis de organização na biologia
 
Biologia ciencia e vida
Biologia ciencia e vidaBiologia ciencia e vida
Biologia ciencia e vida
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
8 olho-e-visao-humana
8 olho-e-visao-humana8 olho-e-visao-humana
8 olho-e-visao-humana
 
Aula01 introducao a biologia
Aula01 introducao a biologiaAula01 introducao a biologia
Aula01 introducao a biologia
 
17417 biologia celular_1_aula_01_volume_01
17417 biologia celular_1_aula_01_volume_0117417 biologia celular_1_aula_01_volume_01
17417 biologia celular_1_aula_01_volume_01
 
Olho e Visão
Olho e VisãoOlho e Visão
Olho e Visão
 
O olho humano
O olho humanoO olho humano
O olho humano
 
Visão
Visão Visão
Visão
 
O que é a Biologia
O que é a BiologiaO que é a Biologia
O que é a Biologia
 
Compostos inorganicos
Compostos inorganicosCompostos inorganicos
Compostos inorganicos
 

Semelhante a 2 uma visão geral da biologia

Citologia
CitologiaCitologia
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptxBIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
Drylima
 
Ciências da natureza e suas tecnologias
Ciências da natureza e suas tecnologiasCiências da natureza e suas tecnologias
Ciências da natureza e suas tecnologias
Kogata Kyoryu
 
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).pptAula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
HerminioMendes3
 
Aula primeiro ano compostos da celula
Aula primeiro ano compostos da celulaAula primeiro ano compostos da celula
Aula primeiro ano compostos da celula
Raquel Freiry
 
Biologia1 apóstila
Biologia1 apóstilaBiologia1 apóstila
Biologia1 apóstila
Camile Mohana
 
2o ano célula - parte 1
2o ano   célula - parte 12o ano   célula - parte 1
2o ano célula - parte 1
SESI 422 - Americana
 
Biologia0
Biologia0Biologia0
Biologia0
Luís Santos
 
Bioquímica básica
Bioquímica básicaBioquímica básica
Bioquímica básica
SESI 422 - Americana
 
Aula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA
Aula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICAAula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA
Aula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA
Leonardo Delgado
 
Bioquimica celular
Bioquimica celularBioquimica celular
Bioquimica celular
Cristiane Arruda
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
Agassis Paulo Bezerra
 
Aula bioquimica2
Aula bioquimica2Aula bioquimica2
Aula bioquimica2
Pedro Araújo
 
Apostila Citologia 9 Ano Prof Luca
Apostila Citologia 9 Ano   Prof  LucaApostila Citologia 9 Ano   Prof  Luca
Apostila Citologia 9 Ano Prof Luca
Luis carlos de Luna
 
a composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivosa composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivos
Luciana Menezes de Oliveira
 
Aula1bioquíMica
Aula1bioquíMicaAula1bioquíMica
Aula1bioquíMica
guest927391
 
Aula1bioquíMica
Aula1bioquíMicaAula1bioquíMica
www.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímica
www.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímicawww.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímica
www.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímica
Vídeo Aulas Apoio
 
Aula 1 bio em
Aula 1   bio emAula 1   bio em
Aula 1 bio em
Walney M.F
 
3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia
preuniversitarioitab
 

Semelhante a 2 uma visão geral da biologia (20)

Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptxBIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
 
Ciências da natureza e suas tecnologias
Ciências da natureza e suas tecnologiasCiências da natureza e suas tecnologias
Ciências da natureza e suas tecnologias
 
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).pptAula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
 
Aula primeiro ano compostos da celula
Aula primeiro ano compostos da celulaAula primeiro ano compostos da celula
Aula primeiro ano compostos da celula
 
Biologia1 apóstila
Biologia1 apóstilaBiologia1 apóstila
Biologia1 apóstila
 
2o ano célula - parte 1
2o ano   célula - parte 12o ano   célula - parte 1
2o ano célula - parte 1
 
Biologia0
Biologia0Biologia0
Biologia0
 
Bioquímica básica
Bioquímica básicaBioquímica básica
Bioquímica básica
 
Aula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA
Aula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICAAula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA
Aula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA
 
Bioquimica celular
Bioquimica celularBioquimica celular
Bioquimica celular
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
 
Aula bioquimica2
Aula bioquimica2Aula bioquimica2
Aula bioquimica2
 
Apostila Citologia 9 Ano Prof Luca
Apostila Citologia 9 Ano   Prof  LucaApostila Citologia 9 Ano   Prof  Luca
Apostila Citologia 9 Ano Prof Luca
 
a composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivosa composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivos
 
Aula1bioquíMica
Aula1bioquíMicaAula1bioquíMica
Aula1bioquíMica
 
Aula1bioquíMica
Aula1bioquíMicaAula1bioquíMica
Aula1bioquíMica
 
www.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímica
www.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímicawww.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímica
www.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímica
 
Aula 1 bio em
Aula 1   bio emAula 1   bio em
Aula 1 bio em
 
3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia
 

Último

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 

2 uma visão geral da biologia

  • 1. UMA VISÃO GERAL DA BIOLOGIA
  • 2. A Biologia é a ciência que estuda os seres vivos em todos os seus aspectos de abrangência, quer sejam anatômicos, funcionais, genéticos, ambientais, comportamentais, evolutivos, geográficos ou taxinômicos. Ela compreende muitos princípios e leis, mas se baseia essencialmente na observação e descrição dos fenômenos intrínsecos à natureza dos chamados sistemas organizados. Como ciência, a BIOLOGIA é filha da curiosidade, da investigação, do longo pensar, da experiência e da emocionante prazer da conclusão. É um constante indagar sobre a intimidade dos seres, inclusive daquele que por certo, também devem pensar ou indagar alguma coisa sobre nós.
  • 3. DIVISÕES DA BIOLOGIA A biologia estuda todos os níveis de organização dos seres vivos e pode ser dividida nas seguintes especialidade:  Citologia - estuda as células, sua composição química, seu estado físico e a forma e função de suas estruturas internas.  Histologia – estuda os tecidos  Anatomia e fisiologia – estudam a estrutura e o funcionamento dos orgãos e sistemas.  Embriologia – estuda a formação e o desenvolvimento do embrião.  Genética – estuda as leis da hereditariedade.  Evolução – estuda as transformações das populações e das espécies ao longo do tempo.  Ecologia – estuda as relações entre o ser vivo e o ambiente.  Taxonomia – estuda a classificação dos organismos. A BIOLOGIA pode também ser dividida de acordo com o tipo de organismo estudado. Nesse caso, temos: • Zoologia – estuda os animais. • Botânica – estuda as plantas. • Microbiologia – estuda os microrganismos.
  • 4. De que são feitos os seres vivos ?? Toda matéria é feita de átomos. Se representarmos o átomo como uma pequena esfera – ou seja, um modelo de átomo com forma esférica – seu diâmetro será, em média, 10 milhões de vezes menor que 1 milímetro. No centro (núcleo) de átomo há partículas com carga positiva – os prótons – e partículas sem carga elétrica – os nêutrons . Ao redor dessa região central, estão os elétrons, com carga elétrica negativa.  Os átomos podem se ligar uns aos outros, formando moléculas.  A força que mantém os átomos unidos é chamada de ligação química.
  • 5. A ORGANIZAÇÃO DA VIDA O organismo é reunido em células que formam tecidos que se abrigam em órgãos que juntos formam os sistemas. A ecologia estuda as relações que vão além do organismo: populações, comunidades e ecossistemas. -Populações: vários indivíduos da mesma espécie que vivem em uma mesma área e relacionam entre si. -Comunidade: várias populações que habitam a mesma área. -Ecossistema: várias comunidades que interagem; O ambiente físico está dividido em fatores abióticos (ar, luz, temperatura, tipo de solo etc) e fatores bióticos (seres vivos). -Biosfera: conjunto de ecossitemas.
  • 8. PRINCIPAIS COMPONENTES QUÍMICOS DAS CÉLULAS • Substâncias Inorgânicas • formados por moléculas pequenas e com poucos átomos. • baixa complexidade e rendimento energético • também encontrados livremente no mundo mineral - Água - Sais Minerais
  • 9. INTRODUÇÃO • A matéria que compõe basicamente os seres vivos é constituída por carboidratos, proteínas, lipídios e ácidos nucleicos (é um tipo de composto molecular, que possui ácido fosfórico, açúcares e bases purínicas e pirimidínicas. São portanto macromoléculas formadas por nucleotídeos). • Na composição química dessas moléculas orgânicas, os principais átomos são: carbono,hidrogênio,oxigênio e nitrogênio. • 95% COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS: O, C, H e N • BIOLOGICAMENTE IMPORTANTES: sódio (Na), potássio (K), cálcio (Ca), fósforo (P), enxofre (S), entre outros. • SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS E ORGÂNICAS
  • 12. Composição Química da Célula* Substâncias Animais Plantas Água 62% 74% Sais Minerais 4% 2,5% Carboidratos 6% 18% Lipídios 11% 0,5% Proteínas 17% 4% * valores médios
  • 13. ÁGUA Considerando o componente químico mais abundante da matéria viva, a água atua como solvente universal. Essa característica da água é de fundamental importância para os seres vivos, uma vez que as reações químicas de natureza biológica se desenvolvem em soluções. A água é, ainda, um importante veículo de transporte de substâncias, permitindo o contínuo intercâmbio e moléculas entre os líquidos extra e intracelular. VEJA O RESUMO DAS PRINCIPAIS FUNÇÕES DA ÁGUA NOS SERES VIVOS:  Solvente de líquidos corpóreos;  Meio de transporte de moléculas;  Regulação térmica;  Ação lubrificante;  Atuação na reações hidrólises; (é uma reação química de quebra de uma molécula devido a água.)  Matéria-prima para a realização da fotossíntese.
  • 14. Aproximadamente 70% da superfície da terra está coberta por água e foi no ambiente aquático que surgiram os primeiros seres vivos. A substancia em maior quantidade nos seres vivos é água. No corpo humano, ela representa cerca de 70% a 80% do seu peso isso significa que uma pessoa de 70Kg contém aproximadamente 50Kg de água. A molécula de água é composta de dois átomos de hidrogênio e um oxigênio que formam um ângulo de 104,5º. Água é um exemplo comum de uma molécula polar (dipolo). As duas cargas parciais, negativa e positiva, estão representadas, respectivamente, pelas cores vermelhas e azuis. Isso se deve porque os elétrons se concentram mais sobre átomo de oxigênio, uma vez que ele é muito mais eletronegativo do que os de hidrogênio. Polaridade influi em uma série de propriedades físicas e químicas como tensão superficial, solubilidade, ponto de fusão e ponto de ebulição. Por causa dessa estrutura, a água possui uma série de propriedades importante para os seres vivos, como sua capacidade de dissolver várias substâncias orgânicas e inorgânicas.
  • 16. Biologia e Saúde A desidratação significa que o seu corpo não possui a quantidade de água e fluidos que deveria. A desidratação pode ser causada por muita perda de fluidos, pela ingestão insuficiente de água, fluidos ou ambos. Vômito e diarreia são causas comuns. As crianças são mais suscetíveis à desidratação do que os adultos devido ao peso inferior do corpo e maior circulação de água e eletrólitos. Os idosos e os que se encontram doentes também possuem maior propensão. A desidratação é classificada como leve, moderada ou grave dependendo da quantidade de fluido que o corpo perdeu ou que não foi reposto. Quando grave, a desidratação é uma condição que pode colocar a vida em risco. Sintomas de Desidratação Boca seca ou grudenta Pouca ou nenhuma excreção de urina a urina concentrada surge amarela escura Não produção de lágrimas Olhos encovados Fontanela (moleira) marcadamente baixa em bebês Letargia ou coma (na desidratação grave)
  • 18. CURIOSIDADE Nosso organismo perde diariamente de 3 a 5 litros de água sendo: 1,5 a 2,5 litros pela urina, 500 mL pela expiração, 800 mL pela transpiração e cerca de 200 mL entram na composição das fezes. É recomendável a ingestão diária de 2 a 3,5 litros de água para uma reposição satisfatória do volume, fazendo com que os rins e intestino funcionem melhor. A perda de 10% dos teores de água no organismo humano provoca a desidratação. Esse quadro de desequilíbrio hídrico pode levar à morte.
  • 19. Os sais minerais podem participar como constituintes de estruturas esqueléticas do corpo dos seres vivos, como é o caso do fosfato de cálcio, abundante nos ossos e nos dentes. Podem também ocorrer dissolvidos em água, caso em que eles e dissociam em íons, que são partículas com carga elétrica positiva ou negativa. Os íons são fundamentais ao metabolismo celular. Os sais minerais têm funções variadas nos seres vivos • Representam cerca de 1% do total da composição celular; • São necessários em concentrações da ordem de miligramas por litro de cultura. • Atuam principalmente como reguladores da atividade celular. • livres no reino mineral ou nos seres vivos = reguladores da atividade das células • Podem ser solúveis ou insolúveis em água. • FORMA IÔNICA: sais minerais solúveis dissolvidos em água, formam os íons. É nessa forma que eles desempenham a sua atividade reguladora fundamental. • FORMA IMOBILIZADA: sais minerais insolúveis em água entram na composição de estruturas esqueléticas e de sustentação, como os ossos, nos vertebrados, ou os pólipos de corais ou carapaças de algas diatomáceas, entre outras. SAIS MINERAIS Na química, um íon é uma molécula ou átomo que ganhou ou perdeu elétrons num processo conhecido como ionização.
  • 21. ELEMENTOS MINERAIS • Íon fosfato: é encontrado nos líquidos intercelulares e no plasma sangüíneo. Liga-se a determinados lipídios, formando os fosfolipídios, que são importantes componentes na estrutura de membranas celulares. No esqueleto, o íon fosfato, sob a forma de fosfato de cálcio, confere rigidez aos ossos. Os íons fosfatos participam da composição dos ácidos nucléicos e são fundamentais nos processos de transferência de energia na célula, pois fazem parte das moléculas de ADP (adenosina difosfato) e ATP (adenosina trifosfato). Essas moléculas são verdadeiras “pilhas” fornecedoras da energia para o funcionamento da célula. • Íon magnésio: encontra-se em maior concentração no meio intracelular. É o átomo central das moléculas de clorofila. • Íon cloreto: é um dos componentes do suco gástrico de animais sob a forma de ácido clorídrico (HCl). Encontra-se no plasma sangüíneo, nos líquidos intercelulares e em pequenas concentrações no interior das células. Participa dos processos de equilíbrio hídrico celular.
  • 22. Íon sódio: é o único que deve ser adicionado artificialmente à alimentação sob a forma de cloreto de sódio (NaCl), pois não se encontra nos alimentos em concentrações compatíveis com as necessidades celulares humanas. Está ligado à condução de estímulos nervosos nos neurônios. Também participa dos processos de equilíbrio hídrico das células. O sódio é um íon de elevada concentração nos líquidos extracelulares e baixa nos líquidos intracelulares. Íon potássio: está relacionado à condução de estímulos nervosos e ao equilíbrio hídrico das células. Ao contrário do sódio, encontra-se em maior concentração no meio intracelular e em menor concentração no meio extracelular. Íon ferro: é um dos constituintes das moléculas da hemoglobina presente nas hemácias, responsável pelo transporte de gases pelo sangue. Também atua juntamente com enzimas no processo da fotossíntese. Íon cálcio: a maior parte do cálcio encontrado no organismo encontra-se sob a forma insolúvel (sais de cálcio) como componente do esqueleto. Está presente sob a forma iônica nos músculos, participando da contração muscular, nos líquidos intercelulares, linfa e no plasma sangüíneo, em que auxilia no processo de coagulação.
  • 24. BIOLOGIA E SAÚDE ANEMIA Anemia é definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a condição na qual o conteúdo de hemoglobina no sangue está abaixo do normal como resultado da carência de um ou mais nutrientes essenciais, seja qual for a causa dessa deficiência. As anemias podem ser causadas por deficiência de vários nutrientes como ferro, zinco, vitamina B12 e proteínas. Porém, a anemia causada por deficiência de ferro, denominada Anemia Ferropriva, é muito mais comum que as demais (estima-se que 90% das anemias sejam causadas por carência de Ferro). O ferro é um nutriente essencial para a vida e atua principalmente na síntese (fabricação) das células vermelhas do sangue e no transporte do oxigênio para todas as células do corpo. Os principais sinais e sintomas da anemia por carência de ferro são: • fadiga generalizada • anorexia (falta de apetite) • palidez de pele e mucosas (parte interna do olho, gengivas) • indisposição para o trabalho • dificuldade de aprendizagem nas crianças • apatia (crianças muito "paradas")
  • 25. BÓCIO ENDÊMICO Bócio é o termo que caracteriza o aumento de volume da glândula tireóidea. Por tal motivo, verifica-se um inchaço característico ou a formação de nódulos na região do pescoço de seus portadores. Tal fato faz com que o indivíduo tenha dificuldades para respirar e deglutir, além de tossir mais frequentemente. O bócio decorrente da falta de iodo é registrado desde os tempos mais antigos, antes de Cristo, principalmente em regiões montanhosas e mais afastadas do mar. Atualmente, ocorre com menor frequência em razão da obrigatoriedade da adição de iodo no sal de cozinha. O diagnóstico consiste na análise da história de vida do paciente e palpação da glândula, além de exames de sangue, a fim de verificar a dosagem do hormônio TSH; ultrassonografia e cintilografia. A punção biópsia por agulha fina (PAAF) é necessária para verificação de possível malignidade do bócio.
  • 26. Substâncias Orgânicas As substâncias orgânicas são formadas a partir dos arranjos do elemento químico carbono. O carbono é, por esse motivo, a base de todas as formas de vida que conhecemos.
  • 27. As moléculas orgânicas naturais são as sintetizadas pelos seres vivos e denominadas biomoléculas. Os açúcares, as proteínas e os lipídios são substâncias orgânicas encontradas nos tecidos vivos. Glicose, sacarose, frutose, lactose, por exemplo, são substâncias empregadas pela indústria alimentícia na fabricação de balas, bombons, biscoitos, bolos. Elas são açúcares e também são empregadas pela indústria farmacêutica. Diariamente consumimos produtos derivados do leite, um alimento essencialmente orgânico. A indústria de cosméticos também usa substâncias orgânicas de origem animal e vegetal na fabricação de xampus, óleos, loções, cremes, sabonetes, etc. Na composição desses produtos também entram compostos orgânicos sintéticos, como acontece com os detergentes, os pigmentos aromatizantes, etc. PRINCIPAIS COMPONENTES: - Carboidratos (Glicídios) - Lipídios - Proteínas - Ácidos nucléicos - Vitaminas
  • 28. CARBOIDRATOS Os carboidratos são tambem chamados glicídios, hidratos de carbono ou açucares. • Representam a principal fonte de energia para a célula. • Abrangem um dos maiores grupos de compostos orgânicos encontrados na natureza. • Junto com as proteínas formam os principais constituintes dos organismos vivos. Os carboidratos podem ser divididos em três grupos: MONOSSACARÍDEOS OLIGOSSACARÍDEOS POLISSACARÍDEOS
  • 29. CLASSIFICAÇÃO DOS CARBOIDRATOS MONOSSACARÍDEOS ou açucares ( hidrossolúveis e adocicados) • Os monossacarídeos são os glicídios mais simples. A fórmula geral de suas moléculas é (CH2O)n de carbono. Eles podem ser considerados reuniões de n grupos de carbono ligados por um lado por um átomo de hidrogênio e por outro a um grupo de OH. Daí o nome de carbono ou carboidrato. • Os nomes dados aos monossacarídeos dizem respeito ao números de átomos de carbono da molécula: • Trioses (3 átomos de carbono) - C3H6O3 • Tetroses ( 4 átomos de carbono) - C4H8O4 • Pentoses (5 átomos de carbono)- C5H10O5 • Hexoses (6 átomos de carbono) - C6H12O6 Para os organismos, os principais monossacarídeos são as pentoses e as hexoses
  • 30. • Dentre as pentoses existem duas particularmente importante: a ribose e a desoxirribose, que participam da constituição dos ácidos nucléicos. • Como principais exemplos de hexoses citamos a glicose e a frutose, importantes fontes de energia par os seres vivos. • Embora todas as hexoses tenham a mesma fórmula química, elas diferem entre si pela maneira como átomos se ligam. Assim, a fórmula geral C6H12O6 serve tanto para a glicose como para a frutose, ou para qualquer hexose. CARBOIDRATOS
  • 31. MONOSSACARÍDEOS Ribose Desoxirribose RNA é o responsável pela síntese de proteínas da célula
  • 33. • Dissacarídeos – São glicídios formados pela a união de duas moléculas de monossacarídeos. Os principais são a: SACAROSE, A LACTOSE E A MALTOSE • Hidrossolúveis e adocicados
  • 34. POLISSACARÍDEOS São formados por várias moléculas de monossacarídeos, principalmente a glicose, unidas entre si formando extensas cadeias. São insolúveis em água e podem ser desdobrados em açucares simples por hidrólise. A insolubilidade dos polissacarídeos é vantajoso por dois motivos: permite que eles participem como componentes estruturais da célula ou que funcionem como armazenadores de energia. Como em cada ligação de entre dois monossacarídeos há perda de uma molécula de água, a formula geral dos polissacarídeos formados de hexoses é (C6H10O5)n PRINCIPAIS POLISSACARÍDEOS POLISSACARÍDEOS ESTRUTURAIS CELULOSE QUITINA POLISSACARÍDEOS ENERGÉTICOS AMIDO GLICOGÊNIO
  • 36. Glicídios e Lipídios Os alimentos ricos em glicídios são chamados ENRGÉTICOS e, com exceção do mel, são de origem vegetal: Cereais - arroz, trigo, aveia, etc. Raízes e tubérculos - batata, aipim, cenoura, beterraba, mandioca, etc. Leguminosas – feijão, ervilha, soja, etc. Frutas – mamão, banana, laranja, etc. Os lipídios abrangem uma classe de compostos com estrutura muito variada e exercem diferentes funções biológicas. São substâncias fisicamente caracterizadas pela insolubilidade em água e solubilidade em solventes orgânicos, como o éter, o álcool e o clorofórmio. Os principais grupos de lipídios serão abordados a seguir: Carotenóides; Triglicerídeos; Fosfolípidios; Cerideos; esteróides
  • 37. LIPÍDIOS  Os lipídios (do grego lipos: gordura) são moléculas orgânicas que resultam da associação entre ácidos graxos e álcool. Dá-se nome de ésteres aos componentes orgânicos formados pela reação de um ácido e um álcool  Moléculas orgânicas insolúveis em água.  Abrangem os glicerídeos (óleos e gorduras), os cerídeos (ceras) e os esteróides (colesterol).  Formados pela união de ácido graxo e álcool (ésteres)  Os principais tipos de lipídios são os glicerídeos, os cerídeos e os esteroides.
  • 38. ONDE SÃO ENCONTRADOS OS LIPÍDIOS • Associados a membrana; • Transportados pelo plasma; • Barreira hidrofóbica ( impermeabilização - ceras) • Funções reguladoras ou de coenzimas ( óleos); • Controle da homeostase do corpo ( gorduras)
  • 39. www.bioaula.com.br Meio extracelular citoplasma filamentos protéicos proteína de reconhecimento receptor protéico proteína transportadora sítio ligante bicamada lipídica fosfolipídio colesterol carboidrato LIPÍDIOS NA MEMBRANA PLASMÁTICA
  • 40. GLICERÍDIOS - triglicerídeos São formados pela união de três moléculas de ácidos graxos com glicerol (um álcool).Nessa união há perda de água. Os óleos são encontrados principalmente em plantas, como é o caso dos óleos de algodão, de amendoim, de milho, de arroz e de soja. Podem ser encontrados também nos animais, como é o caso do óleo de fígado de bacalhau. Os triglicerídeos constituem a maneira mais eficiente de reserva de energia nos seres vivos. Além disso, os triglicerídeos constituem uma forma de armazenamento de ácidos graxos, substâncias que participam de importantes processos metabólicos. ÁCIDOS GRAXOS Saturados: Sólidos à temperatura ambiente. Ex: Margarina Insaturados: Líquidos à temperatura ambiente. Ex:Óleo de oliva No caso ser humano, dietas ricas em ácidos graxos saturados podem contribuir para a ocorrência de doenças cardiovasculares, como a aterosclerose (perda da elasticidade da parede dos vasos sanguíneos em função da disposição de placas de gordura).
  • 41. FOSFOLIPÍDIOS • Contêm ácidos graxos unidos a uma molécula de glicerol. • São moléculas anfipáticas. • São os principais componentes das membranas celulares.  Os fosfolipídios por duas moléculas de ácido graxo e uma contendo fosfato, ligadas a uma molécula de glicerol.  função estrutural,  energética,  hormonal,  impermeabilizante,  isolante térmico,  isolante elétrico.
  • 42. Cerídeos • São ésteres de ácidos graxos com álcool de cadeia longa (até 16 c) representados pela ceras. • São altamente insolúveis na água. • Nos vegetais impermeabilizam evitando a transpiração excessiva. • Ceras de abelha, cera de ouvido (cerúmen) são ceras animais.
  • 43. ESTERÓIDES • APRESENTAM 4 ANÉIS DE C INTERLIGADOS. • ALÉM DE FORMAR HORMÔNIOS ENTRAM NA COMPOSIÇÃO DAS MEMBRANAS CELULARES. • O COLESTEROL É O PRINCIPAL: SERVE DE MATÉRIA PRIMA PARA OS DEMAIS. Os esteroides são considerados uma classe especial de gordura e compreendem os hormônios sexuais, os corticosteroides, os sais biliares do fígado, a vitamina D e o colesterol, o mais conhecido. O colesterol é uma substância essencial para o nosso organismo, pois é utilizado por nossas células para a produção das membranas celulares e dos hormônios esteroides (estrógeno e testosterona), sendo, por esse motivo, produzido em nosso próprio organismo, principalmente no fígado. O colesterol também pode ser encontrado em outros alimentos de origem animal, como carnes, leite, ovos, etc. Mesmo exercendo funções extremamente importantes em nosso organismo, o colesterol em excesso pode fazer mal, trazendo muitos distúrbios à saúde.
  • 44. Biologia e Saúde COLESTEROL O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. O colesterol está presente em alimentos de origem animal (carne, leite integral, ovos etc.). Em nosso organismo, o colesterol desempenha funções essenciais, como produção de hormônio e vitamina D. No entanto, o excesso de colesterol no sangue é prejudicial e aumenta o risco de desenvolver doenças cardiovasculares. Em nosso sangue, existem dois tipos de colesterol: LDL colesterol: conhecido como "ruim", ele pode se depositar nas artérias e provocar o seu entupimento HDL colesterol: conhecido como "bom", retira o excesso de colesterol para fora das artérias, impedindo o seu depósito e diminuindo a formação da placa de gordura. Tipos Podemos dizer que existem vários tipos de colesterol circulando no sangue. O total da soma de todos eles chama-se "Colesterol Total". Como visto, colesterol é uma espécie de "gordura do sangue" e, como gorduras não se misturam com líquidos, o colesterol é insolúvel no sangue. Por isso, o colesterol precisa da "carona" de certas proteínas para cumprir as suas funções.
  • 45. Sintomas de Colesterol O colesterol alto não apresenta sintomas, por isso, quem tem aterosclerose e obesidade, possui história de morte na família por infarto, é sedentário e/ou alimenta-se com ingestão exagerada de gorduras saturadas tem mais chances de ter colesterol alto. A aterosclerose não produz qualquer tipo de sintoma até que ocorra a obstrução de uma ou mais artérias. Aterosclerose é o endurecimento das paredes dos vasos causado pela deposição de gordura Prevenção Além de uma alimentação equilibrada, há outras maneiras de evitar o aumento do colesterol e, até mesmo, diminuí-lo: Fazer exercícios físicos: a atividade física pode ajudá-lo a emagrecer e a diminuir as tensões. Controlando o peso, fazendo exercício ou praticando esporte, você se sente melhor e diminui o risco de infarto e os níveis de colesterol no sangue Não fumar: o cigarro é um fator de risco para doença coronária. Aliado ao colesterol, multiplica os riscos Evitar o estresse: uma vida menos estressada também diminui o risco de infarto e redução do colesterol. Procure transformar as suas atividades diárias em algo que lhe dê satisfação Fazer uma dieta com baixos níveis de gordura e colesterol: seja rigoroso no controle da alimentação.
  • 48. As proteínas formam várias estruturas da célula, além de controlarem a entrada e a saída de substâncias pela membrana da célula. Conferem também sustentação a muitos tecidos do corpo e são responsáveis pela contração dos músculos e pelo transporte de oxigênio no sangue de muitos animais. As proteínas são formadas pela união de moléculas menores, os aminoácidos. Dizemos que elas são polímeros de aminoácidos. Além disso, existem proteínas que desempenham muitas outras funções importantes para os seres vivos, como por exemplo: • As enzimas, substâncias que aumentam a velocidade das reações químicas; • Os anticorpos, substâncias fundamentais nos mecanismos de defesa do corpo; • Alguns hormônios, como a insulina e o glucagon, que atuam no metabolismo de açucares. Vamos começar a estudar as proteínas a partir de suas unidades constituintes: os aminoácidos PROTEÍNAS
  • 51. Os aminoácidos são cadeias de carbono com hidrogênio, oxigênio, nitrogênio e, às vezes, enxofre. Em sua molécula, há um agrupamento carboxila (COOH) – que caracteriza os ácidos orgânicos – e um grupamento amina (NH2),vindo daí o nome aminoácido. AMINOÁCIDOS A SEQUÊNCIA DE AMINOÁCIDOS E A FORMA DAS PROTEÍNAS Os aminoácidos se unem através de ligações peptídicas, formando as proteínas. Para que as células possam produzir sua proteínas, elas precisam de aminoácidos, que podem ser obtidos a partir da alimentação ou serem fabricados pelo próprio organismo. Aminoácidos naturais Também chamados de aminoácidos não essenciais, são produzidos pelo próprio organismo. O organismo animal é capaz de produzir apenas 12 dos 20 aminoácidos existentes na natureza, devendo os demais serem retirados da alimentação. Já os vegetais são capazes de produzir os 20 aminoácidos. Aminoácidos essenciais São os aminoácidos que os animais não conseguem produzir, mas são obrigatórios na fabricação das proteínas, portanto devem ser retirados dos alimentos.
  • 52. Naturais Essenciais Glicina Histidina Fenilalanina Alanina Asparagina Valina Serina Glutamina Triptofano Cisteína Prolina Treonina Tirosina Lisina Ácido Aspártico Leucina Ácido Glutâmico Isoleucina Arginina Metionina Nem todos os alimentos contêm todos os aminoácidos, por isso a alimentação deve ser bastante diversificada. Os alimentos mais ricos em aminoácidos essenciais são de origem animal: carne, ovos, leite, queijos, etc. Os vegetais não possuem todos os aminoácidos essenciais, logo uma dieta vegetariana precisa ser bem diversificada.
  • 53. • AS PROTEÍNAS SÃO FEITAS POR DEZENAS OU CENTENAS DE AMINOÁCIDOS LIGADOS POR LIGAÇÕES PEPTÍDICAS (ENTRE AMINOÁCIDOS). • QUANDO DIGERIMOS AS PROTEÍNAS QUEBRAMOS AS LIGAÇÕES PEPTÍDICAS E USAMOS OS AMINOÁCIDOS. Ligação peptídica PROTEÍNAS – LIGAÇÕES PEPTÍDICAS
  • 54. • A função de cada proteína depende de sua forma. • Proteínas podem ser material de construção dos seres vivos: função estrutural. • Proteínas podem promover reações químicas (catalisadores) e são chamadas enzimas. • A forma da proteína é determinada pela sua estrutura: • Primária: é dada pela seqüência de aminoácidos. É filamentosa. A troca de um aminoácido pode alterar sua forma. • Secundária: é o filamento primário enrolado em espiral. • Terciária: a espiral secundária se enrola formando uma esfera. • Quaternária: é o modo como as proteínas terciárias se dispõem. PROTEÍNAS – FUNÇÃO E FORMA
  • 55. Ordem dos aminoácidos Espiral da estrutura primária A secundária dobrada sobre si em globo. Várias proteínas terciárias.
  • 56. PROTEÍNAS Tipo Função Proteínas estruturais Componentes das membranas celulares Desempenham diversas funções: determinam o diâmetro dos poros; auxiliam os hormônios no “reconhecimento” celular Colágeno Componente estrutural dos músculos e tendões Queratina Parte da pele e do pêlo Hormônios peptídicos (p. ex., insulina, hormônio do crescimento) Muitos hormônios são proteínas e exercem efeitos sobre diversos sistemas orgânicos Hemoglobina Transporte de oxigênio Anticorpos Protegem o corpo contra organismos causadores de doenças Proteínas plasmáticas Coágulo sangüíneo; equilíbrio de líquidos Proteínas musculares Tornam o músculo capaz de contrair Enzimas Regulam os padrões das reações químicas
  • 57. CLASSIFICAÇÃO DAS PROTEÍNAS Quanto à composição:  Proteínas simples Ex. albuminas, globulinas  Proteínas conjugadas Ex. hemeproteínas, lipoproteínas, glicoproteínas Quanto à forma:  Proteínas fibrosas: são insolúveis em água, compridas e filamentosas. A maioria tem função estrutural ou protetiva. Ex. colágeno  Proteínas globulares: geralmente solúveis em água, formam estruturas compactas fortemente enroladas em forma globular ou esférica. Função relacionada com manutenção e regularização de processos vitais: enzimática, transporte, defesa e hormonal. Ex. hemoglobina.
  • 58. GRAU DE ESTRUTURAÇÃO DAS PROTEÍNAS Ligações peptídicas Pontes de Hidrogênio Interações de Van der Waals Interações Eletrostáticas Interações Hidrofóbicas Uniões Covalentes de Dissulfeto Pontes de Hidrogênio Interações de Van der Waals Interações Eletrostáticas Interações Hidrofóbicas Estrutura primária Estrutura secundária Estrutura terciária Estrutura quaternária
  • 59. • É A ALTERAÇÃO DA FORMA (ESTRUTURA) DA PROTEÍNA POR EFEITO DO CALOR OU MUDANÇA DO PH. PODE SER IRREVERSÍVEL OU REVERSÍVEL. • CLARA DE OVO: NO OVO CRU É PROTEINA NATIVA. APÓS FRITA OU COZIDA É PROTEÍNA É DESNATURADA. • CASEÍNA (DO LEITE) ACRESCENTANDO ÁCIDO (LIMÃO OU VINAGRE) COALHA, VIRA PARACASEÍNA (COALHADA – é a proteína desnanturada). PROTEÍNAS – DESNATURAÇÃO
  • 60. Às vezes, a célula é comparada a uma indústria química em miniatura. Moléculas pequenas entram na célula e são transformadas em moléculas maiores, enquanto outras são decompostas, liberando energia. A cada momento, milhares de reações químicas ocorrem nos seres vivos graças à ação das enzimas. PROMOVENDO REAÇÕES QUÍMICAS: ENZIMAS
  • 61. • ENZIMAS SÃO PROTEÍNAS CAPAZES DE CATALISAR REAÇÕES QUÍMICAS, DIMINUINDO A ENERGIA DE ATIVAÇÃO OU AUMENTANDO A VELOCIDADE DA REAÇÃO QUÍMICA. • PARA DIGERIR CARNE SEM ENZIMA O HCl A 80ºC LEVARIA 36 HORAS. COM A PEPSINA (ENZIMA DO ESTÔMAGO) LEVA 2 HORAS A 37ºC. • AS ENZIMAS SÃO ESPECÍFICAS: PROMOVEM UM TIPO DE REAÇÃO. • CADA ENZIMA POSSUI UM ENCAIXE QUE SÓ SERVE EM UMA SUBSTÂNCIA CHAMADA DE SUBSTRATO. • O ENCAIXE É CHAMADO CENTRO OU SÍTIO ATIVO. MODIFICANDO O ENCAIXE A ENZIMA NÃO SERVE NO MESMO SUBSTRATO, FICANDO INATIVA. • É NECESSARIO QUE ENZIMA E SUBSTRATO SE ENCAIXEM PARA A REAÇÃO OCORRER. ENZIMAS
  • 62. • TEMPERATURA: • O CALOR FORNECE ENERGIA CINÉTICA PARA ENZIMA E SUBSTRATO SE UNIR. – SE HOUVER FALTA DE ENERGIA CINÉTICA AS ENZIMAS FICAM INATIVAS (O FRIO FAZ ISTO) – TEMPERATURAS MUITO ALTAS DESNANTURAM AS ENZIMAS (POR ISTO FEBRE ALTA MATA). • PH: • CADA ENZIMA TEM SEU PH ÓTIMO. • A MUDANÇA DE PH AFETA A CARGA ELÉTRICA DA ENZIMA E IMPOSSIBILITA A UNIÃO AO SUBSTRATO. É O QUE OCORRE NA AZIA. ENZIMAS – INFLUÊNCIA NA AÇÃO ENZIMÁTICA
  • 64. A fenilcetonúria (PKU) é uma doença rara na qual o bebê nasce sem a habilidade de quebrar adequadamente um aminoácido chamado fenilalanina. Causas A fenilcetonúria é hereditária, isto é, passa de pais para filhos. O pai e a mãe devem passar o gene defeituoso para que o bebê tenha essa doença. Isso é conhecido como traço recessivo autossômico. Os bebês com PKU não possuem uma enzima chamada fenilalanina hidroxilase, necessária para quebrar um aminoácido essencial denominado fenilalanina. Essa substância é encontrada em alimentos que contêm proteínas. Sem essa enzima, os níveis de fenilalanina e de duas substâncias associadas a ela crescem no organismo. Tais substâncias são prejudiciais ao sistema nervoso central e causam dano cerebral. Exames A fenilcetonúria pode ser fácilmente detectada em um simples exame de sangue. Em todos os estados brasileiros, o exame de triagem para PKU (ou fenilcetonúria), chamado teste do pezinho, é exigido para todos os recém-nascidos como parte do painel de triagem. O teste normalmente é realizado por meio da retirada de algumas gotas de sangue do bebê antes da saída dele do hospital. Se o teste inicial é positivo, exames de sangue e urina são feitos para confirmar o diagnóstico. Fenilcetonúria
  • 65. Sinais e sintomas A fenilalanina atua na produção de melanina, o pigmento responsável pela cor da pele e do cabelo. Portanto, bebês com essa doença geralmente posuem pele, cabelo e olhos mais claros do que seus irmãos que não sofrem dessa doença. Outros sintomas podem incluir: Atraso mental e das habilidades sociais Tamanho da cabeça significantemente menor do normal Hiperatividade Movimentos incontroláveis de braços e pernas Retardo mental Convulsões Erupções cutâneas Tremores Posicionamento incomum das mãos Se a doença não for tratada ou se os alimentos contendo fenilalanina não forem evitados, um odor "de rato" poderá ser sentido no hálito, na pele e na urina. Esse odor incomum deve-se ao aumento de substâncias de fenilalanina no organismo.
  • 67. NUCLEOTÍDEO: É unidade estrutural básica dos ácidos nucléicos (DNA e RNA), constituídos por bases purinas (A, G) ou pirimídicas (C, T), ribose ou desoxirribose e ainda grupamento fosfato.
  • 68. NUCLEOTÍDEOS • DNA E RNA SÃO MACROMOLÉCULAS (POLÍMEROS) FEITOS PELA UNIÃO DE NUMEROSAS MOLÉCULAS PEQUENAS (MONÔMEROS) DENOMINADOS NUCLEOTÍDEOS. • NUCLEOTÍDEO É COMPOSTO DE: – PENTOSE – FOSFATO – BASE NITROGENADA
  • 69. Seu comprimento linear seria de 2 m de comprimento. DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLÉICO: Tem forma de uma escada em espiral. Contém as informações genéticas das células. Localizado no núcleo, nas mitocôndrias e plastos. É um polímero formado por nucleotídeos, sendo o açúcar desoxirribose e as bases purinas e pirimídicas (C, T, G, A), proporcionando formação de uma fita dupla.
  • 70. Está envolvido em decifrar a informação do DNA e carregar sua instrução. RNA - ÁCIDO RIBONUCLÉICO É produzido a partir do DNA. Está localizado principalmente no citoplasma. Auxilia o DNA no controle da expressão de características hereditárias. Assim como o DNA, o RNA também é composto por nucleotídeos, porém difere em certos aspectos: O açúcar é uma ribose; A base pirimídica timina é substituída pela uracila; Forma somente fita de RNA simples, isto implica que haverá uma porcentagem diferente de A com T e C com G
  • 71. TIPOS DE RNA 1) RNAm (mensageiro) Produzido pelo DNA no núcleo; Leva a “mensagem” ao citoplasma; Associa-se aos ribossomos. 2) RNAr (ribossômico) É o mais comprido; Matéria-prima para formar os ribossomos; Sem ribossomo não há tradução. 3) RNAt (transportador) Em certa região, apresenta 3 bases livres, chamadas anti-códon; Captura os aminoácidos do citoplasma e os leva aos ribossomos; O mesmo aminoácido pode ser carregado por 2 ou 3 tipos de RNA-t.
  • 72. NUCLEOTÍDEOS • AS PENTOSES QUE ENTRAM NOS NUCLEOTÍDEOS SÃO: – DESOXIRRIBOSE (C5H10O4) NO DNA – RIBOSE: (C5H10O5) NO RNA. • AS PENTOSES SÃO OS CENTROS DOS NUCLEOTÍDEOS. NELES LIGAM-SE OS FOSFATOS E AS BASES NITROGENADAS. • FOSFATO: H3PO4 (ÁCIDO FOSFÓRICO). – LIGA OS NUCLEOTÍDEOS ENTRE SI. – DÃO CARÁTER ÁCIDO AO DNA E RNA.
  • 73. BASES NITROGENADAS • SÃO MOLÉCULAS QUE TEM REAÇÃO ALCALINA E RICAS EM NITROGÊNIO. • DERIVAM DE DOIS GRUPOS: • DA PURINA: BASES PÚRICAS. SÃO MOLÉCULAS MAIORES. – ADENINA (A) NO DNA E RNA – GUANINA (G) NO DNA E RNA • DA PIRIMIDINA: BASES PIRIMIDICAS. SÃO MENORES. – CITOSINA (C) NO DNA E RNA – TIMINA (T) EXCLUSIVA DO DNA – URACINA (U) EXCLUSIVA DO RNA
  • 74. DNA • A MOLÉCULA DO DNA É MUITO GRANDE SENDO CONSTITUÍDA POR BILHÕES DE PARES DE NUCLEOTÍDEOS. • A MOLÉCULA DO DNA TEM A FORMA DE UMA ESCADA DE MARINHEIRO EM ESPIRAL. • OS CORRIMÕES DA ESCADA SÃO FEITOS POR DESOXIRRIBOSES E FOSFATOS. • OS DEGRAUS DA ESCADA SÃO FEITOS POR PARES DE BASES NITROGENADAS, LIGANDO-SE UMA ADENINA COM UMA TIMINA E UMA ADENINA COM UMA CITOSINA POR MEIO DE PONTES DE HIDROGÊNIO. • ENTRE UMA ADENINA E TIMINA HÁ DUAS PONTES DE H E ENTRE GUANINA E CITOSINA HÁ 3 PONTES DE H.
  • 75. FUNÇÃO DO DNA • O DNA É POR ASSIM DIZER A PROGRAMAÇÃO DE CADA CÉLULA. NELE FICA A INFORMAÇÃO GENÉTICA (OS GENES). • A INFORMAÇÃO GENÉTICA ESTÁ GUARDADA NA ORDEM EM QUE OS NUCLEOTÍDEOS APARECEM NA MOLÉCULA. • ALTERANDO A ORDEM DOS NUCLEOTÍDEOS MUDAMOS A INFORMAÇÃO GENÉTICA: SÃO AS MUTAÇÕES.
  • 76. RNA • O RNA É PRODUZIDO A PARTIR DO DNA POR UM PROCESSO CHAMADO TRANSCRIÇÃO. • O RNA TEM SEMPRE CADEIA SIMPLES. • AO INVÉS DE DESOXIRRIBOSE TEM RIBOSE. • EM LUGAR DA TIMINA TEM URACILA. • O RNA AUXILIA O DNA NO CUMPRIMENTO DA INFORMAÇÃO GENÉTICA, AJUDANDO-O A PRODUZIR AS PROTEÍNAS DA CÉLULA.
  • 77. SÍNTESE DE RNA A PARTIR DO DNA
  • 78. FUNÇÕES: • Agem muitas vezes como coenzimas ou como parte de enzimas responsáveis por reações químicas essenciais à saúde humana. • Mantêm a saúde ideal e a prevenção de doenças crônicas. • HIPERVITAMINOSE: VITAMINAS EM EXCESSO • Não se acumulam no organismo. CLASSIFICAÇÃO: • HIDROSSOLÚVEIS: C e complexo B, Tiamina, Riboflavina, Niacina, Biotina, Ácido Pantotênico, Ácido Fólico, Cobalamina, Peridoxida e Ácido Ascórbico. • LIPOSSOLÚVEIS: Vitamina A, D, E e K. VITAMINAS
  • 79. As vitaminas são compostos orgânicos, presentes nos alimentos, essenciais para o funcionamento normal do metabolismo, e em caso de falta, pode levar a doenças. Quase todas não são produzidas pelo organismo em questão, devendo obrigatoriamente ser obtidas na dieta. A disfunção de vitaminas no corpo é chamada de hipovitaminose ou avitaminose. O excesso pode trazer problemas, no caso das vitaminas lipossolúveis, de mais difícil eliminação, é chamado de hipervitaminose. Atualmente é reconhecido que os seres humanos necessitam de 13 vitaminas diferentes, sendo que o nosso corpo só consegue produzir vitamina D. VITAMINAS
  • 80. Vitaminas Função Carência C ácido ascóbico Aumenta a resistência e tecido conjuntivo Escorbuto D calciferol Fixação de cálcio e fósforo Raquitismo E tocoferol Antioxidante, favorece o metabolismo muscular Aumenta os radicais livres K filoquinona Formação dos fatores Coagulantes (bactérias) Hemorragia PP niacina Prevenção da pelagra Diarréia, dermatite e demência