SlideShare uma empresa Scribd logo
NUTRIÇÃO
A boa nutrição depende de uma dieta regular e equilibrada - ou seja, é preciso fornecer
às células do corpo não só a quantidade como também a variedade adequada de
nutrientes importantes para seu bom funcionamento. Os guias alimentares mais
conhecidos são as pirâmides alimentares.

A pirâmide alimentar americana atualizada, publicada em 2005, é um guia nutricional
geral para o consumo recomendado de comida. Em Portugal, desconsidera-se esta
ferramenta e utiliza-se a nova Roda dos Alimentos, elaborada pela FCNAUP e IC.

   NOVA PIRÂMIDE ALIMENTAR AMERICANA (2005), REVISÃO DA VERSÃO DE
1992

    Durante muitos anos a conhecida pirâmide alimentar foi apresentada na forma de
                                                níveis ou andares, cada um deles
                                                dizendo respeito a um dos
                                                princípios alimentares.

                                                        Recentemente os órgãos de
                                                    saúde do governo americano
                                                    mudaram a maneira de distribuição
                                                    dos alimentos, que agora passam a
                                                    ser     mostrados    em     faixas
                                                    longitudinais de cores diferentes,
                                                    que descem do alto até a base da
                                                    pirâmide. Este novo formato
                                                    permite uma melhor visualização e
                                                    compreensão sobre os princípios
                                                    básicos para uma alimentação
                                                    saudável. Fonte: www.pyramid.gov

    De acordo com a nova pirâmide as pessoas devem ter em conta as cores e a
qualidade dos alimentos de todos os dias, assim discriminados.

    - Cereais (na cor laranja): cereais integrais, de preferência, pão, arroz ou massa
todos os dias, um pouco mais de 500 gramas, isto é, sensivelmente, uma ou duas fatias
de pão integral, uma chávena de cereais no almoço (225 gramas), e meia chávena de
arroz ou massa no jantar, por pessoa.

    - Legumes (na cor verde): de preferência cor verde-escura, como os espinafres,
brócolis e couve sem esquecer os vegetais alaranjados ou ruivos como a cenoura e a
batata doce: ao todo, cada dia, duas chávenas e meia (cerca de 600 gramas) por pessoa.

    - Frutos (na cor vermelha): frutos variados, de preferência frescos, mas podem ser
igualmente frutos secos, congelados, enlatados, cristalizados. Consuma cerca de duas
chávenas por dia, uns 400 gramas. Atenção: não exagere nos sumos de frutas.
- Lacticínios (na cor azul): de preferência meio gordos ou sem gordura, leite,
iogurtes, queijos, recomenda-se umas três chávenas (cerca de 600 gramas) por dia e por
pessoa.

   - Carne e peixe (na cor lilás) e aves e proteínas vegetais como feijão, fava. Os
americanos podem ir até à 150-180 gramas por dia, por pessoa.

    O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos recomenda o consumo
adequado de calorias e a prática de atividade física, 30-60 minutos. É recomendado
também que as pessoas estejam atentas aos seus limites de gorduras, açúcares e sal.

    A PIRÂMIDE ALIMENTAR BRASILEIRA

    No entanto, os hábitos alimentares americanos são diferentes dos nossos. Por essa
razão,      PHILLIPPI,        Sônia
Tucunduva, em 1996, adaptou a
pirâmide americana de 1992, aos
hábitos brasileiros. Com a nova
Pirâmide Americana (2005) talvez a
pirâmide brasileira também precise
de uma releitura...

    A       “Pirâmide      Alimentar
Brasileira”, de acordo com as
Resoluções RDC 359 e 360, de 26
de dezembro de 2003, da ANVISA -
Agência Nacional de Vigilância
Sanitária, é em quatro níveis, sub-
divididos em 8 grupos. Cada um
desses níveis corresponde a um
grupo de alimentos (energéticos,
reguladores,      construtores     e
energéticos extras). Esses grupos
são divididos de acordo com as características dos alimentos que os formam e as
quantidades que eles devem ser ingeridos durante o dia. Quanto maior for a porção da
pirâmide que o grupo ocupa, maior é a quantidade que devemos ingerir de determinados
alimentos. Veja as porções a serem ingeridas:

    - Primeiro nível (base): é composto por cereais (arroz, trigo), raízes e tubérculos
(batata, mandioca, mandioquinha, inhame) e massas (pães, bolos). São alimentos ricos
em carboidratos, responsáveis pelo fornecimento de energia para o organismo. Deve-se
consumir de 5 a 9 porções por dia.

     - Segundo nível: é composto por hortaliças (verduras e legumes) e frutas. São
alimentos ricos em vitaminas e minerais, responsáveis pela regulagem das funções do
nosso organismo. Deve-se consumir de 4 a 6 porções de hortaliças e de 2 a 4 porções de
frutas por dia.

    - Terceiro nível: é composto por leite e derivados, carnes e ovos e leguminosas. São
alimentos ricos em proteínas, responsáveis pela formação e manutenção dos tecidos do
organismo. Deve-se consumir 3 porções de leite e derivados por dia; 1 a 2 porções de
carnes e ovos e 1 porção de leguminosas.

    - Quarto nível: é composto por óleos, gorduras, açúcares e doces. Pode-se consumir
de 2 a 3 porções de cada por dia.

    Cada um desses grupos de alimentos fornece um pouco, mas não todos, os
nutrientes que você precisa. Os alimentos em um grupo não podem substituir os de
outros. Nem um grupo alimentar é mais importante que outro. Devemos enfatizar que
para ter uma boa saúde cada indivíduo precisa de todos os grupos.




Roda dos Alimentos




A roda dos Alimentos.

A Roda dos Alimentos é uma representação gráfica criada em Portugal em 1977, no
âmbito da Campanha de Educação Alimentar "Saber comer é saber viver", que ajuda a
escolher e combinar os alimentos que deverão fazer parte da alimentação diária.

É um símbolo em forma de círculo que se divide em segmentos de diferentes tamanhos
que se designam por Grupos e que reúnem alimentos com propriedades nutricionais
semelhantes. Mas, em muitos outros países a roda dá lugar à pirâmide dos alimentos,
que na opinião dos especialistas nacionais não representa aquilo que deve ser uma
alimentação saudável, ou seja, completa, equilibrada e variada. É que a pirâmide
hierarquiza os alimentos, dando assim mais importância a uns que a outros. E isto não
está correcto, pois deve-se dar igual importância a todos os alimentos.
A evolução dos conhecimentos científicos e as diversas alterações na situação alimentar
portuguesa conduziram à necessidade da sua reestruturação. A nova Roda dos
Alimentos agora apresentada mantém o seu formato original, pois este é já facilmente
identificado e associa-se ao prato vulgarmente utilizado. Foram ainda objectivos desta
reestruturação a promoção dos valores culturais e sociais dos portugueses ao
promoverem-se produtos tradicionais como o pão, o azeite ou as hortícolas. Além disso,
foram considerados objectivos pedagógicos e nutricionais. A nova versão subdivide
alguns dos anteriores grupos e estabelece porções diárias equivalentes, além de incluir a
água no centro desta nova representação gráfica.




Constituição
Antiga

Existiam 5 grupos de alimentos sem indicação das porções recomendadas por dia. Os
grupos de alimentos eram os seguintes:

(1) Leite e derivados (2) Carne, peixe e ovos (3) Óleos e gorduras (4) Cereais e
leguminosas (5) Hortaliças, legumes e frutos.

Nova

A nova Roda dos Alimentos é composta por 7 grupos de alimentos de diferentes
dimensões, os quais indicam a proporção de peso com que cada um deles deve estar
presente na alimentação diária: - Cereais e derivados, tubérculos – 28% - Hortícolas –
23% - Fruta – 20% - Lacticínios – 18% - Carnes, pescado e ovos – 5% - Leguminosas –
4% - Gorduras e óleos – 2%


                  o


Cereais e derivados, tubérculos 4 a 11 porções 28%
Hortícolas                      3 a 5 porções     23%
Fruta                           3 a 5 porções     20%
Lacticínios                     2 a 3 porções     18%
Carnes, pescado e ovos          1,5 a 4,5 porções 5%
Leguminosas                     1 a 2 porções     4%
Gorduras e óleos                1 a 3 porções     2%

Embora não possuindo um grupo próprio, a água assume a posição central na nova roda
dos alimentos. Por ser um bem tão essencial à vida, recomenda-se o seu consumo diário
na ordem dos 1,5 a 3 litros.
Suplementação alimentar
Os suplementos alimentares são preparações destinadas a complementar a dieta e
fornecer nutrientes, como vitaminas, minerais, fibras, ácidos graxos ou aminoácidos,
que podem estar faltando ou não podem ser consumida em quantidade suficiente na
dieta de uma pessoa.

Os suplementos alimentares para fisiculturismo são usados por praticantes de
atividade física, mais comum em praticantes de musculação, proporciona nutrientes
essenciais como proteínas, carboidratos, aminoácidos, vitaminas e etc.

A grande vantagem dos suplementos para fisiculturismo é a pouca quantidade de
gordura presente neles.

Alguns suplementos protéicos:

       Albumina,
       Whey Protein,
       Caseína,
       Proteína de soja,
       Levedura de cerveja,
       Creatina
       PowerMax

Carboidratos:

       MaltoDextrina,
       Dextrose,
       Hipercalóricos em geral.

Utilidades para cada tipo de atividade
A ausência de recomendações nutricionais para atletas dos mais diversos esportes
facilita a difusão de conceitos infundados em relação à necessidade da suplementação.
Normalmente o consumo de suplementos é fomentado pela ideia de que é necessário
compensar uma dieta inadequada, para atender um suposto aumento nas necessidades
diárias imposto pelo treinamento ou pela vontade de ter um efeito sobre a performance.

Mas na verdade as carências nutricionais precisam de testes para ser identificadas. O
aumento do consumo energético normalmente pode ser feito pela dieta e muitas vezes
os conteúdos dos suplementos, como a proteína, já são abundantes na alimentação
normal. E a noção de melhorar a performance a custa do suplemento quase sempre
carece de evidência científica. Como alguns costumam dizer: existem dois tipos de
suplementos para aumentar a performance, os que não funcionam e os que são
proibidos.
Os suplementos podem e devem ser utilizados em treinos ou competições quando:

   1. há uma dificuldade em ingerir as calorias suficientes para repor o que o atleta
      gasta durante o treino ou competição;
   2. deseja-se diminuir o bolo fecal para evitar evacuação durante a competição;
   3. pretende-se fazer uma supercompensação com CHO (carboidrato) e não existe
      abundância de alimentos ricos em CHO ou as condições de higiene e preparo
      não são favoráveis;
   4. existe a necessidade de recuperação pós-esforço combinada com situações de
      falta de apetite;
   5. o indivíduo passa por uma situação temporária de restrição alimentar;
   6. competições e treinos longos que necessitam do consumo de CHO para serem
      mantidos em níveis de volume e intensidade aceitáveis.

Suplementos e Exercícios de Força

Sem dúvida o grande vilão do mercado de suplementos está em cima dos produtos para
ganho de massa muscular, principalmente aqueles à base de proteína concentrada.

Contrariando a crença popular, durante o exercício de endurance o corpo usa mais
proteína do que durante o exercício de força com sobrecarga. Mas quem faz uso do
suplemento alega que a proteína é importante durante a recuperação, o que é verdade,
mas também é verdade que a proteína da dieta normal quase sempre é suficiente ou
excessiva.

Uma das alegadas vantagens dos suplementos protéicos como o Whey Protein e
PowerMax, seria a sua rapidez de absorção. Realmente os hidrolisados de proteína são
mais rapidamente digeridos, mas dois aspectos chamam a atenção: 1. Existe evidência
de que as proteínas de rápida absorção como o whey protein ficam menos tempo
circulantes e 2. Normalmente os fisiculturistas e as pessoas que buscam hipertrofia
muscular fazem refeições a cada 2-3 horas. Com esse regime de horários não é possível
existir queda nos níveis de aminoácidos, portanto, a velocidade de absorção é
indiferente.

Uma refeição que contenha caseína mantém os níveis de aminoácidos aumentados por 7
horas, questionando também a necessidade em se fazer refeições tão próximas.

Não se nega o fato da maior necessidade protéica em atletas de exercícios de força, a
questão é que na maioria dos casos o consumo de proteína já é várias vezes acima do
necessário.

A suplementação com proteína pode ser indicada nos casos em que:

   1. existe uma necessidade real em se aumentar o aporte protéico e isso deve ser
      feito sem incrementar o conteúdo de gordura da dieta;
   2. a dieta deve ser complementada porque o indivíduo não tem condições no dia-
      dia de consumir proteína (mora sozinho, sem tempo de cozinhar, etc.);
   3. indivíduos que precisam passar por restrição calórica e não desejam perder
      massa magra.
Para quem visa aumento de massa muscular e vai consumir algum suplemento, o
melhor horário é assim que encerre os exercícios. Testes feitos com bebidas contendo
CHO e proteína ingeridas logo após o treino indicam que a síntese protéica foi
aumentada nessa situação.

Algumas pesquisas estão sendo feitas com a estratégia de ciclos de proteína. Alternando
dias de baixo consumo com períodos de alto consumo supostamente a absorção das
proteínas seria melhorada, mas os resultados ainda são muito imprecisos e duvidosos.

Suplementos mais conhecidos
       Cafeína: como a cafeína tem ação lipolítica, supôs-se que a suplementação
       auxiliaria na lipólise e pouparia glicogênio muscular. Mas os resultados foram
       contraditórios e apesar de ser também um forte estimulante, a cafeína é um
       diurético, aumentando a perda líquida em atividade, um fator indesejável. A
       quantidade de cafeína para ter um efeito significativo como estimulante é muito
       grande e seria considerada doping. Além disso, o consumo cotidiano de cafeína
       interfere na sua sensibilidade – pessoas que nunca consomem café são mais
       sensíveis aos seus efeitos. Essa variação pessoal seria mais um complicador caso
       se faça uma prescrição individual de uso.
       Carnitina: atua como transportadora de lipídios intracelulares e pensou-se que o
       uso poderia facilitar a utilização de AGL circulantes. Mas os estudos mostraram
       que esse tipo de suplementação não traz melhorias ao rendimento e que na
       verdade o que pode acelerar o processo é uma aceleração do funcionamento
       enzimático intracelular, o que só ocorre com o treinamento. Mesmo assim, a
       carnitina é vendida mundialmente sob o pretexto de ser um “queimador de
       gordura”.
       Aminoácidos isolados: o consumo de aminoácidos isolados como suplemento
       iniciou com a suplementação de pessoas doentes e os defensores desta prática
       para atletas alegam que poderiam estimular a secreção de hormônio do
       crescimento (GH), mas isso não foi provado. Existem indicações de que estes
       aminoácidos poderiam influenciar a absorção de outros aminoácidos, causar
       falha renal e lesões teciduais. A suplementação por longos períodos com
       aminoácidos não tem qualquer benefício comprovado sobre o rendimento,
       podendo ainda induzir um quadro de resistência periférica à insulina. Não há,
       portanto evidências apontando o uso de aminoácidos como sendo benéfico para
       o atleta ou para o seu rendimento.
       BCAA (Branched-chain amino acids): aminoácidos de cadeia ramificada, valina,
       leucina e isoleucina. A maior quantidade de estudos com BCAA deve-se ao
       quadro da fadiga central. As estratégias para utilização do BCAA em relação à
       fadiga central procuram estabelecer que sua suplementação realmente atrase o
       início da fadiga.
       Atualmente existem três manobras nutricionais para evitar a fadiga central:
       a) suplementação de CHO (carboidrato) durante o exercício, o que diminuiria o
       uso de BCAA, e consequentemente sua queda no sangue;
       b) suplementação com BCAA para manter seus níveis no sangue;
       c) uma mistura de BCAA e CHO durante o exercício.

       O poder anabólico e anticatabólico dos BCAA também vêm sendo estudado. O
       consumo de BCAA estimularia a liberação de hormônios anabólicos como o
GH, insulina e testosterona.

Vários estudos já mostraram que altas doses de BCAA podem afetar
negativamente o rendimento, reduzindo a absorção de água, causando distúrbios
gastrintestinais e aumentando a produção de amônia.
Beta-hidroxi metil butirato: quando associado ao treino de força parece
induzir aumentos na massa magra e na força, no entanto a quantidade dos
estudos e as populações estudadas não permitem fazer qualquer tipo de
prescrição confiável.
Glutamina: é o aminoácido mais comum em nosso plasma e é muito queimado
em exercício. Este aminoácido é fonte energética para as células do sistema
imunológico e as quedas da glutamina baixam a resistência contra infecções
oportunistas, um dos motivos para gripes e resfriados próximos à competições
ou treinos fortes. A glutamina não pode ser suplementada eficientemente porque
as células intestinais são altas consumidoras de glutamina e não permitem que
ela passe para o sangue.

Além do efeito sobre o sistema imunológico, a glutamina poderia ter um efeito
anabolizante e de estimular a síntese de glicogênio. Formas associadas do
aminoácido e outras alternativas estão sendo estudadas e existe alguma
indicação de que mesmo com a questão da absorção abdominal prejudicada, o
fato de suplementar poderia poupar glutamina endógena.
Creatina: a capacidade máxima do sistema anaeróbico em produzir energia é
regulada pela degradação do fosfato de creatina e dura em média 10 segundos. A
concentração de fosfato de creatina intramuscular é importante para a realização
de exercício anaeróbico, intermitente ou de apenas um esforço único que dure no
máximo 30 segundos.

A creatina que usamos pode ser fornecida diretamente pela alimentação (carnes)
ou ser produzida de forma endógena pelo fígado, rins e pâncreas a partir dos
aminoácidos glicina, arginina e metionina.

Os efeitos da creatina suplementada são mais bem percebidos em:
- testes de sprint na natação
- produção de força máxima em cicloergômetro;
- tiros de até 700 metros em corrida;
- velocidade final em tiros de 60 m em corrida;
- tempo até a exaustão em testes de alta intensidade em bicicleta;
- capacidade de força e na composição corporal de levantadores de peso;
- performance em saltos.

O uso da creatina deve obedecer a uma estratégia porque ela é transportada para
o interior celular por proteínas que, quando expostas por longos períodos a
grandes doses de creatina, perdem sua sensibilidade. Portanto, o consumo
regular de creatina não surte qualquer efeito. O período em que a creatina
intramuscular fica elevado é de 4-6 semanas.

A creatina é mais bem absorvida quando ingerida junto com CHO em líquidos
mornos. Até o momento não se conhece nenhum prejuízo à saúde devido à
suplementação com creatina como na estratégia proposta. O uso crônico não foi
avaliado.

Atletas de atividades mais longas do que 5 minutos parecem não ter qualquer
benefício com a creatina, podendo apresentar ligeiro ganho de peso, o que
normalmente é indesejável em várias modalidades.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides alimentação saudável profª engracia.pptx abc
Slides alimentação saudável   profª engracia.pptx abcSlides alimentação saudável   profª engracia.pptx abc
Slides alimentação saudável profª engracia.pptx abc
engraciam
 
Mudanca de habitos alimentares
Mudanca de habitos alimentaresMudanca de habitos alimentares
Mudanca de habitos alimentares
Vitor Xavier
 
Hábitos alimentares e qualidade de vida
Hábitos alimentares e qualidade de vidaHábitos alimentares e qualidade de vida
Hábitos alimentares e qualidade de vida
eebniltonkucker
 
Educopedia 4°ano sandrine gama
Educopedia 4°ano sandrine gamaEducopedia 4°ano sandrine gama
Educopedia 4°ano sandrine gama
oivili
 
Ciências - Alimentos
Ciências - AlimentosCiências - Alimentos
Ciências - Alimentos
Andrea Doria
 
4ºano ciencias tema1_christiane_queiroz
4ºano ciencias tema1_christiane_queiroz4ºano ciencias tema1_christiane_queiroz
4ºano ciencias tema1_christiane_queiroz
Christiane Queiroz
 
Habitos alimentares
Habitos alimentaresHabitos alimentares
Habitos alimentares
Maria Pires
 
Alimet saud
Alimet saudAlimet saud
Alimet saud
Betânea Santos
 
Alimentacaoe Saude
Alimentacaoe SaudeAlimentacaoe Saude
Alimentacaoe Saude
dianaoskli
 
Alimentação saudável trabalho de saúde infantil
Alimentação saudável trabalho de saúde infantilAlimentação saudável trabalho de saúde infantil
Alimentação saudável trabalho de saúde infantil
Gaby Veloso
 
Pirâmide Alimentar PMSJC
Pirâmide Alimentar PMSJCPirâmide Alimentar PMSJC
Pirâmide Alimentar PMSJC
Ma Rina
 
Piramide alimentar
Piramide alimentarPiramide alimentar
Piramide alimentar
Yeda Silva
 
Alimentacao saudavel
Alimentacao saudavelAlimentacao saudavel
Alimentacao saudavel
didapgdy
 
Alimentos diet, light , funcionais e transgênicos
Alimentos diet, light , funcionais e transgênicosAlimentos diet, light , funcionais e transgênicos
Alimentos diet, light , funcionais e transgênicos
Daynire Grisse
 
Educação nutricional e alimentar por uma correta formação dos hábitos alime...
Educação nutricional e alimentar   por uma correta formação dos hábitos alime...Educação nutricional e alimentar   por uma correta formação dos hábitos alime...
Educação nutricional e alimentar por uma correta formação dos hábitos alime...
Kaliane Cunha
 
A importância da alimentação na atividade física.
A importância da alimentação na atividade física.A importância da alimentação na atividade física.
A importância da alimentação na atividade física.
Selma Brunetti Silva
 
Jogo da alimentação saudável
Jogo da alimentação saudávelJogo da alimentação saudável
Jogo da alimentação saudável
Programa Promoção e Educação para a Saúde
 
Alimentação e nutrição
Alimentação e nutriçãoAlimentação e nutrição
Alimentação e nutrição
Arlete Monteiro
 
Alimentacao saudavel
Alimentacao saudavelAlimentacao saudavel
Alimentacao saudavel
correiateixeira
 
Nutrição, saúde e qualidade de vida
Nutrição, saúde e qualidade de vidaNutrição, saúde e qualidade de vida
Nutrição, saúde e qualidade de vida
Letícia Caroline
 

Mais procurados (20)

Slides alimentação saudável profª engracia.pptx abc
Slides alimentação saudável   profª engracia.pptx abcSlides alimentação saudável   profª engracia.pptx abc
Slides alimentação saudável profª engracia.pptx abc
 
Mudanca de habitos alimentares
Mudanca de habitos alimentaresMudanca de habitos alimentares
Mudanca de habitos alimentares
 
Hábitos alimentares e qualidade de vida
Hábitos alimentares e qualidade de vidaHábitos alimentares e qualidade de vida
Hábitos alimentares e qualidade de vida
 
Educopedia 4°ano sandrine gama
Educopedia 4°ano sandrine gamaEducopedia 4°ano sandrine gama
Educopedia 4°ano sandrine gama
 
Ciências - Alimentos
Ciências - AlimentosCiências - Alimentos
Ciências - Alimentos
 
4ºano ciencias tema1_christiane_queiroz
4ºano ciencias tema1_christiane_queiroz4ºano ciencias tema1_christiane_queiroz
4ºano ciencias tema1_christiane_queiroz
 
Habitos alimentares
Habitos alimentaresHabitos alimentares
Habitos alimentares
 
Alimet saud
Alimet saudAlimet saud
Alimet saud
 
Alimentacaoe Saude
Alimentacaoe SaudeAlimentacaoe Saude
Alimentacaoe Saude
 
Alimentação saudável trabalho de saúde infantil
Alimentação saudável trabalho de saúde infantilAlimentação saudável trabalho de saúde infantil
Alimentação saudável trabalho de saúde infantil
 
Pirâmide Alimentar PMSJC
Pirâmide Alimentar PMSJCPirâmide Alimentar PMSJC
Pirâmide Alimentar PMSJC
 
Piramide alimentar
Piramide alimentarPiramide alimentar
Piramide alimentar
 
Alimentacao saudavel
Alimentacao saudavelAlimentacao saudavel
Alimentacao saudavel
 
Alimentos diet, light , funcionais e transgênicos
Alimentos diet, light , funcionais e transgênicosAlimentos diet, light , funcionais e transgênicos
Alimentos diet, light , funcionais e transgênicos
 
Educação nutricional e alimentar por uma correta formação dos hábitos alime...
Educação nutricional e alimentar   por uma correta formação dos hábitos alime...Educação nutricional e alimentar   por uma correta formação dos hábitos alime...
Educação nutricional e alimentar por uma correta formação dos hábitos alime...
 
A importância da alimentação na atividade física.
A importância da alimentação na atividade física.A importância da alimentação na atividade física.
A importância da alimentação na atividade física.
 
Jogo da alimentação saudável
Jogo da alimentação saudávelJogo da alimentação saudável
Jogo da alimentação saudável
 
Alimentação e nutrição
Alimentação e nutriçãoAlimentação e nutrição
Alimentação e nutrição
 
Alimentacao saudavel
Alimentacao saudavelAlimentacao saudavel
Alimentacao saudavel
 
Nutrição, saúde e qualidade de vida
Nutrição, saúde e qualidade de vidaNutrição, saúde e qualidade de vida
Nutrição, saúde e qualidade de vida
 

Destaque

Leitura e interpretação de texto na alfabetização (alimentação saudável)
Leitura e interpretação de texto na alfabetização (alimentação saudável)Leitura e interpretação de texto na alfabetização (alimentação saudável)
Leitura e interpretação de texto na alfabetização (alimentação saudável)
Lorena Lopes
 
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Angela Maria
 
Dengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zikaDengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zika
Marco Costa
 
Atividades sobre a água
Atividades sobre a águaAtividades sobre a água
Atividades sobre a água
BrunaFeSi
 
Nat soc 3ª
Nat soc 3ªNat soc 3ª
Nat soc 3ª
Luzia Ester
 
Apresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaApresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zika
Paulo Firmino
 
Avaliação bimestral de ciencias 4ºbim estre 7ºano
Avaliação bimestral de ciencias      4ºbim estre  7ºanoAvaliação bimestral de ciencias      4ºbim estre  7ºano
Avaliação bimestral de ciencias 4ºbim estre 7ºano
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova.pb.ciencias.2ano.tarde.2bim (1) (4)
Prova.pb.ciencias.2ano.tarde.2bim (1) (4)Prova.pb.ciencias.2ano.tarde.2bim (1) (4)
Prova.pb.ciencias.2ano.tarde.2bim (1) (4)
Andrea Rosa
 
Prova bimestral de ciencias
Prova bimestral de cienciasProva bimestral de ciencias
Prova bimestral de ciencias
naymotaalmeida
 
Teste de ciências 3ª Unidade Helena Andrade 2º ano 2014
Teste de ciências  3ª Unidade   Helena  Andrade 2º ano 2014Teste de ciências  3ª Unidade   Helena  Andrade 2º ano 2014
Teste de ciências 3ª Unidade Helena Andrade 2º ano 2014
Angela Maria
 
Avaliação para 2º e 3º ano e. f.
Avaliação para 2º e 3º ano e. f.Avaliação para 2º e 3º ano e. f.
Avaliação para 2º e 3º ano e. f.
Justiniano Fonseca
 
Simulado prova-brasil- 2º ano
Simulado prova-brasil- 2º ano Simulado prova-brasil- 2º ano
Simulado prova-brasil- 2º ano
Mara Sueli
 
Avaliação de Ciência Helena Andrade
Avaliação de Ciência Helena AndradeAvaliação de Ciência Helena Andrade
Avaliação de Ciência Helena Andrade
Angela Maria
 
Provinhas para 2º ano
Provinhas para 2º anoProvinhas para 2º ano
Provinhas para 2º anoSherly Martins
 

Destaque (14)

Leitura e interpretação de texto na alfabetização (alimentação saudável)
Leitura e interpretação de texto na alfabetização (alimentação saudável)Leitura e interpretação de texto na alfabetização (alimentação saudável)
Leitura e interpretação de texto na alfabetização (alimentação saudável)
 
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
 
Dengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zikaDengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zika
 
Atividades sobre a água
Atividades sobre a águaAtividades sobre a água
Atividades sobre a água
 
Nat soc 3ª
Nat soc 3ªNat soc 3ª
Nat soc 3ª
 
Apresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaApresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zika
 
Avaliação bimestral de ciencias 4ºbim estre 7ºano
Avaliação bimestral de ciencias      4ºbim estre  7ºanoAvaliação bimestral de ciencias      4ºbim estre  7ºano
Avaliação bimestral de ciencias 4ºbim estre 7ºano
 
Prova.pb.ciencias.2ano.tarde.2bim (1) (4)
Prova.pb.ciencias.2ano.tarde.2bim (1) (4)Prova.pb.ciencias.2ano.tarde.2bim (1) (4)
Prova.pb.ciencias.2ano.tarde.2bim (1) (4)
 
Prova bimestral de ciencias
Prova bimestral de cienciasProva bimestral de ciencias
Prova bimestral de ciencias
 
Teste de ciências 3ª Unidade Helena Andrade 2º ano 2014
Teste de ciências  3ª Unidade   Helena  Andrade 2º ano 2014Teste de ciências  3ª Unidade   Helena  Andrade 2º ano 2014
Teste de ciências 3ª Unidade Helena Andrade 2º ano 2014
 
Avaliação para 2º e 3º ano e. f.
Avaliação para 2º e 3º ano e. f.Avaliação para 2º e 3º ano e. f.
Avaliação para 2º e 3º ano e. f.
 
Simulado prova-brasil- 2º ano
Simulado prova-brasil- 2º ano Simulado prova-brasil- 2º ano
Simulado prova-brasil- 2º ano
 
Avaliação de Ciência Helena Andrade
Avaliação de Ciência Helena AndradeAvaliação de Ciência Helena Andrade
Avaliação de Ciência Helena Andrade
 
Provinhas para 2º ano
Provinhas para 2º anoProvinhas para 2º ano
Provinhas para 2º ano
 

Semelhante a 2º ano prova bimestral 2º bimestre

Guia alimentar para a população brasileira ministério da saúde
Guia alimentar para a população brasileira   ministério da saúdeGuia alimentar para a população brasileira   ministério da saúde
Guia alimentar para a população brasileira ministério da saúde
Kamilly Moreira Bicalho
 
Roda dos alimentos
Roda dos alimentosRoda dos alimentos
Roda dos alimentos
brunomfdias
 
Alimentação e roda dos alimentos
Alimentação e roda dos alimentosAlimentação e roda dos alimentos
Alimentação e roda dos alimentos
joaosantosterrivel
 
5 alimentacao saudavel_faca_mais_pela_sua_saude
5 alimentacao saudavel_faca_mais_pela_sua_saude5 alimentacao saudavel_faca_mais_pela_sua_saude
5 alimentacao saudavel_faca_mais_pela_sua_saude
Licínia Simões
 
A Roda Dos Alimentos
A Roda Dos AlimentosA Roda Dos Alimentos
A Roda Dos Alimentos
lurdescosta
 
Guia para alimentação saudável - Pirâmide alimentar
Guia para alimentação saudável - Pirâmide alimentarGuia para alimentação saudável - Pirâmide alimentar
Guia para alimentação saudável - Pirâmide alimentar
ThiagoAlmeida458596
 
Roda dos alimentos
Roda dos alimentosRoda dos alimentos
Roda dos alimentos
Cristina Mendes
 
Almentação saudável
Almentação saudávelAlmentação saudável
Almentação saudável
Patrys Gen
 
Alimentacao
AlimentacaoAlimentacao
Alimentacao
Paulo Gomes
 
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
deboradamata
 
AlimentaçãO
AlimentaçãOAlimentaçãO
AlimentaçãO
ruilima1998
 
AlimentacaoAdequada.pdf
AlimentacaoAdequada.pdfAlimentacaoAdequada.pdf
AlimentacaoAdequada.pdf
TniaMarie
 
Alimentaçao saudavel
Alimentaçao saudavelAlimentaçao saudavel
Alimentaçao saudavel
educacaoraquetes
 
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
Guia alimentar para a população brasileira  .pdfGuia alimentar para a população brasileira  .pdf
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
ThiagoAlmeida458596
 
Guia alimentar - guia para a alimentação saudável.pdf
Guia alimentar  - guia para a alimentação saudável.pdfGuia alimentar  - guia para a alimentação saudável.pdf
Guia alimentar - guia para a alimentação saudável.pdf
ThiagoAlmeida458596
 
Hábitos Alimentares Para Uma Vida Saudável
Hábitos Alimentares Para Uma Vida SaudávelHábitos Alimentares Para Uma Vida Saudável
Hábitos Alimentares Para Uma Vida Saudável
Alimentação Saudável
 
Trabalho de ciências
Trabalho de ciênciasTrabalho de ciências
Trabalho de ciências
Davi Carneiro
 
Alimentação
AlimentaçãoAlimentação
Alimentação
carlosmoreira
 
A Roda Dos Alimentos
A Roda Dos AlimentosA Roda Dos Alimentos
A Roda Dos Alimentos
Helena Borralho
 
sistema digestivo
sistema digestivosistema digestivo
sistema digestivo
bonixe
 

Semelhante a 2º ano prova bimestral 2º bimestre (20)

Guia alimentar para a população brasileira ministério da saúde
Guia alimentar para a população brasileira   ministério da saúdeGuia alimentar para a população brasileira   ministério da saúde
Guia alimentar para a população brasileira ministério da saúde
 
Roda dos alimentos
Roda dos alimentosRoda dos alimentos
Roda dos alimentos
 
Alimentação e roda dos alimentos
Alimentação e roda dos alimentosAlimentação e roda dos alimentos
Alimentação e roda dos alimentos
 
5 alimentacao saudavel_faca_mais_pela_sua_saude
5 alimentacao saudavel_faca_mais_pela_sua_saude5 alimentacao saudavel_faca_mais_pela_sua_saude
5 alimentacao saudavel_faca_mais_pela_sua_saude
 
A Roda Dos Alimentos
A Roda Dos AlimentosA Roda Dos Alimentos
A Roda Dos Alimentos
 
Guia para alimentação saudável - Pirâmide alimentar
Guia para alimentação saudável - Pirâmide alimentarGuia para alimentação saudável - Pirâmide alimentar
Guia para alimentação saudável - Pirâmide alimentar
 
Roda dos alimentos
Roda dos alimentosRoda dos alimentos
Roda dos alimentos
 
Almentação saudável
Almentação saudávelAlmentação saudável
Almentação saudável
 
Alimentacao
AlimentacaoAlimentacao
Alimentacao
 
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
 
AlimentaçãO
AlimentaçãOAlimentaçãO
AlimentaçãO
 
AlimentacaoAdequada.pdf
AlimentacaoAdequada.pdfAlimentacaoAdequada.pdf
AlimentacaoAdequada.pdf
 
Alimentaçao saudavel
Alimentaçao saudavelAlimentaçao saudavel
Alimentaçao saudavel
 
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
Guia alimentar para a população brasileira  .pdfGuia alimentar para a população brasileira  .pdf
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
 
Guia alimentar - guia para a alimentação saudável.pdf
Guia alimentar  - guia para a alimentação saudável.pdfGuia alimentar  - guia para a alimentação saudável.pdf
Guia alimentar - guia para a alimentação saudável.pdf
 
Hábitos Alimentares Para Uma Vida Saudável
Hábitos Alimentares Para Uma Vida SaudávelHábitos Alimentares Para Uma Vida Saudável
Hábitos Alimentares Para Uma Vida Saudável
 
Trabalho de ciências
Trabalho de ciênciasTrabalho de ciências
Trabalho de ciências
 
Alimentação
AlimentaçãoAlimentação
Alimentação
 
A Roda Dos Alimentos
A Roda Dos AlimentosA Roda Dos Alimentos
A Roda Dos Alimentos
 
sistema digestivo
sistema digestivosistema digestivo
sistema digestivo
 

Mais de Tony

1º ano prova bimestral 4º bim.
1º ano prova bimestral 4º bim.1º ano prova bimestral 4º bim.
1º ano prova bimestral 4º bim.
Tony
 
2º ano prova bimestral 4º bim.
2º ano prova bimestral 4º bim.2º ano prova bimestral 4º bim.
2º ano prova bimestral 4º bim.
Tony
 
3º ano prova bimestral 4º bim.
3º ano prova bimestral 4º bim.3º ano prova bimestral 4º bim.
3º ano prova bimestral 4º bim.
Tony
 
1º ano prova mensal
1º ano prova mensal1º ano prova mensal
1º ano prova mensal
Tony
 
2º ano prova mensal
2º ano prova mensal2º ano prova mensal
2º ano prova mensal
Tony
 
Bimestral 1º ano 3º bimestre
Bimestral 1º ano 3º bimestreBimestral 1º ano 3º bimestre
Bimestral 1º ano 3º bimestre
Tony
 
Bimestral 2º ano 3º bimestre
Bimestral 2º ano 3º bimestreBimestral 2º ano 3º bimestre
Bimestral 2º ano 3º bimestre
Tony
 
Bimestral 3º ano 3º bimestre
Bimestral 3º ano 3º bimestreBimestral 3º ano 3º bimestre
Bimestral 3º ano 3º bimestre
Tony
 
Bimestral 3º ano 3º bimestre
Bimestral 3º ano 3º bimestreBimestral 3º ano 3º bimestre
Bimestral 3º ano 3º bimestre
Tony
 
1º ano prova bimestral 2º bimestre
1º ano prova bimestral 2º bimestre1º ano prova bimestral 2º bimestre
1º ano prova bimestral 2º bimestre
Tony
 
3º ano prova bimestral 2º bimestre
3º ano prova bimestral 2º bimestre3º ano prova bimestral 2º bimestre
3º ano prova bimestral 2º bimestre
Tony
 
3º ano. prova mensal. 2º bim. fatores que influenciam na ativ.física
3º ano. prova mensal. 2º bim. fatores que influenciam na ativ.física3º ano. prova mensal. 2º bim. fatores que influenciam na ativ.física
3º ano. prova mensal. 2º bim. fatores que influenciam na ativ.física
Tony
 
2º ano. prova mensal.2º bim.transtornos alimentares
2º ano. prova mensal.2º bim.transtornos alimentares2º ano. prova mensal.2º bim.transtornos alimentares
2º ano. prova mensal.2º bim.transtornos alimentares
Tony
 
1º ano. prova mensal 2º bim. drogas
1º ano. prova mensal 2º bim. drogas1º ano. prova mensal 2º bim. drogas
1º ano. prova mensal 2º bim. drogas
Tony
 
3º ano idade como fator de risco e sedentarismo
3º ano idade como fator de risco e sedentarismo3º ano idade como fator de risco e sedentarismo
3º ano idade como fator de risco e sedentarismo
Tony
 
2º ano glicose e diabetes
2º ano glicose e diabetes2º ano glicose e diabetes
2º ano glicose e diabetes
Tony
 
1º ano doenças cardiacas e hipertensão
1º ano doenças cardiacas e hipertensão1º ano doenças cardiacas e hipertensão
1º ano doenças cardiacas e hipertensão
Tony
 
3º ano alcoolismo e tabagismo
3º ano alcoolismo e tabagismo3º ano alcoolismo e tabagismo
3º ano alcoolismo e tabagismo
Tony
 
3º ano alcoolismo e tabagismo
3º ano alcoolismo e tabagismo3º ano alcoolismo e tabagismo
3º ano alcoolismo e tabagismo
Tony
 
2º ano obesidade x nutrição e colesterol
2º ano obesidade  x  nutrição e colesterol2º ano obesidade  x  nutrição e colesterol
2º ano obesidade x nutrição e colesterol
Tony
 

Mais de Tony (20)

1º ano prova bimestral 4º bim.
1º ano prova bimestral 4º bim.1º ano prova bimestral 4º bim.
1º ano prova bimestral 4º bim.
 
2º ano prova bimestral 4º bim.
2º ano prova bimestral 4º bim.2º ano prova bimestral 4º bim.
2º ano prova bimestral 4º bim.
 
3º ano prova bimestral 4º bim.
3º ano prova bimestral 4º bim.3º ano prova bimestral 4º bim.
3º ano prova bimestral 4º bim.
 
1º ano prova mensal
1º ano prova mensal1º ano prova mensal
1º ano prova mensal
 
2º ano prova mensal
2º ano prova mensal2º ano prova mensal
2º ano prova mensal
 
Bimestral 1º ano 3º bimestre
Bimestral 1º ano 3º bimestreBimestral 1º ano 3º bimestre
Bimestral 1º ano 3º bimestre
 
Bimestral 2º ano 3º bimestre
Bimestral 2º ano 3º bimestreBimestral 2º ano 3º bimestre
Bimestral 2º ano 3º bimestre
 
Bimestral 3º ano 3º bimestre
Bimestral 3º ano 3º bimestreBimestral 3º ano 3º bimestre
Bimestral 3º ano 3º bimestre
 
Bimestral 3º ano 3º bimestre
Bimestral 3º ano 3º bimestreBimestral 3º ano 3º bimestre
Bimestral 3º ano 3º bimestre
 
1º ano prova bimestral 2º bimestre
1º ano prova bimestral 2º bimestre1º ano prova bimestral 2º bimestre
1º ano prova bimestral 2º bimestre
 
3º ano prova bimestral 2º bimestre
3º ano prova bimestral 2º bimestre3º ano prova bimestral 2º bimestre
3º ano prova bimestral 2º bimestre
 
3º ano. prova mensal. 2º bim. fatores que influenciam na ativ.física
3º ano. prova mensal. 2º bim. fatores que influenciam na ativ.física3º ano. prova mensal. 2º bim. fatores que influenciam na ativ.física
3º ano. prova mensal. 2º bim. fatores que influenciam na ativ.física
 
2º ano. prova mensal.2º bim.transtornos alimentares
2º ano. prova mensal.2º bim.transtornos alimentares2º ano. prova mensal.2º bim.transtornos alimentares
2º ano. prova mensal.2º bim.transtornos alimentares
 
1º ano. prova mensal 2º bim. drogas
1º ano. prova mensal 2º bim. drogas1º ano. prova mensal 2º bim. drogas
1º ano. prova mensal 2º bim. drogas
 
3º ano idade como fator de risco e sedentarismo
3º ano idade como fator de risco e sedentarismo3º ano idade como fator de risco e sedentarismo
3º ano idade como fator de risco e sedentarismo
 
2º ano glicose e diabetes
2º ano glicose e diabetes2º ano glicose e diabetes
2º ano glicose e diabetes
 
1º ano doenças cardiacas e hipertensão
1º ano doenças cardiacas e hipertensão1º ano doenças cardiacas e hipertensão
1º ano doenças cardiacas e hipertensão
 
3º ano alcoolismo e tabagismo
3º ano alcoolismo e tabagismo3º ano alcoolismo e tabagismo
3º ano alcoolismo e tabagismo
 
3º ano alcoolismo e tabagismo
3º ano alcoolismo e tabagismo3º ano alcoolismo e tabagismo
3º ano alcoolismo e tabagismo
 
2º ano obesidade x nutrição e colesterol
2º ano obesidade  x  nutrição e colesterol2º ano obesidade  x  nutrição e colesterol
2º ano obesidade x nutrição e colesterol
 

2º ano prova bimestral 2º bimestre

  • 1. NUTRIÇÃO A boa nutrição depende de uma dieta regular e equilibrada - ou seja, é preciso fornecer às células do corpo não só a quantidade como também a variedade adequada de nutrientes importantes para seu bom funcionamento. Os guias alimentares mais conhecidos são as pirâmides alimentares. A pirâmide alimentar americana atualizada, publicada em 2005, é um guia nutricional geral para o consumo recomendado de comida. Em Portugal, desconsidera-se esta ferramenta e utiliza-se a nova Roda dos Alimentos, elaborada pela FCNAUP e IC. NOVA PIRÂMIDE ALIMENTAR AMERICANA (2005), REVISÃO DA VERSÃO DE 1992 Durante muitos anos a conhecida pirâmide alimentar foi apresentada na forma de níveis ou andares, cada um deles dizendo respeito a um dos princípios alimentares. Recentemente os órgãos de saúde do governo americano mudaram a maneira de distribuição dos alimentos, que agora passam a ser mostrados em faixas longitudinais de cores diferentes, que descem do alto até a base da pirâmide. Este novo formato permite uma melhor visualização e compreensão sobre os princípios básicos para uma alimentação saudável. Fonte: www.pyramid.gov De acordo com a nova pirâmide as pessoas devem ter em conta as cores e a qualidade dos alimentos de todos os dias, assim discriminados. - Cereais (na cor laranja): cereais integrais, de preferência, pão, arroz ou massa todos os dias, um pouco mais de 500 gramas, isto é, sensivelmente, uma ou duas fatias de pão integral, uma chávena de cereais no almoço (225 gramas), e meia chávena de arroz ou massa no jantar, por pessoa. - Legumes (na cor verde): de preferência cor verde-escura, como os espinafres, brócolis e couve sem esquecer os vegetais alaranjados ou ruivos como a cenoura e a batata doce: ao todo, cada dia, duas chávenas e meia (cerca de 600 gramas) por pessoa. - Frutos (na cor vermelha): frutos variados, de preferência frescos, mas podem ser igualmente frutos secos, congelados, enlatados, cristalizados. Consuma cerca de duas chávenas por dia, uns 400 gramas. Atenção: não exagere nos sumos de frutas.
  • 2. - Lacticínios (na cor azul): de preferência meio gordos ou sem gordura, leite, iogurtes, queijos, recomenda-se umas três chávenas (cerca de 600 gramas) por dia e por pessoa. - Carne e peixe (na cor lilás) e aves e proteínas vegetais como feijão, fava. Os americanos podem ir até à 150-180 gramas por dia, por pessoa. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos recomenda o consumo adequado de calorias e a prática de atividade física, 30-60 minutos. É recomendado também que as pessoas estejam atentas aos seus limites de gorduras, açúcares e sal. A PIRÂMIDE ALIMENTAR BRASILEIRA No entanto, os hábitos alimentares americanos são diferentes dos nossos. Por essa razão, PHILLIPPI, Sônia Tucunduva, em 1996, adaptou a pirâmide americana de 1992, aos hábitos brasileiros. Com a nova Pirâmide Americana (2005) talvez a pirâmide brasileira também precise de uma releitura... A “Pirâmide Alimentar Brasileira”, de acordo com as Resoluções RDC 359 e 360, de 26 de dezembro de 2003, da ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária, é em quatro níveis, sub- divididos em 8 grupos. Cada um desses níveis corresponde a um grupo de alimentos (energéticos, reguladores, construtores e energéticos extras). Esses grupos são divididos de acordo com as características dos alimentos que os formam e as quantidades que eles devem ser ingeridos durante o dia. Quanto maior for a porção da pirâmide que o grupo ocupa, maior é a quantidade que devemos ingerir de determinados alimentos. Veja as porções a serem ingeridas: - Primeiro nível (base): é composto por cereais (arroz, trigo), raízes e tubérculos (batata, mandioca, mandioquinha, inhame) e massas (pães, bolos). São alimentos ricos em carboidratos, responsáveis pelo fornecimento de energia para o organismo. Deve-se consumir de 5 a 9 porções por dia. - Segundo nível: é composto por hortaliças (verduras e legumes) e frutas. São alimentos ricos em vitaminas e minerais, responsáveis pela regulagem das funções do nosso organismo. Deve-se consumir de 4 a 6 porções de hortaliças e de 2 a 4 porções de frutas por dia. - Terceiro nível: é composto por leite e derivados, carnes e ovos e leguminosas. São alimentos ricos em proteínas, responsáveis pela formação e manutenção dos tecidos do
  • 3. organismo. Deve-se consumir 3 porções de leite e derivados por dia; 1 a 2 porções de carnes e ovos e 1 porção de leguminosas. - Quarto nível: é composto por óleos, gorduras, açúcares e doces. Pode-se consumir de 2 a 3 porções de cada por dia. Cada um desses grupos de alimentos fornece um pouco, mas não todos, os nutrientes que você precisa. Os alimentos em um grupo não podem substituir os de outros. Nem um grupo alimentar é mais importante que outro. Devemos enfatizar que para ter uma boa saúde cada indivíduo precisa de todos os grupos. Roda dos Alimentos A roda dos Alimentos. A Roda dos Alimentos é uma representação gráfica criada em Portugal em 1977, no âmbito da Campanha de Educação Alimentar "Saber comer é saber viver", que ajuda a escolher e combinar os alimentos que deverão fazer parte da alimentação diária. É um símbolo em forma de círculo que se divide em segmentos de diferentes tamanhos que se designam por Grupos e que reúnem alimentos com propriedades nutricionais semelhantes. Mas, em muitos outros países a roda dá lugar à pirâmide dos alimentos, que na opinião dos especialistas nacionais não representa aquilo que deve ser uma alimentação saudável, ou seja, completa, equilibrada e variada. É que a pirâmide hierarquiza os alimentos, dando assim mais importância a uns que a outros. E isto não está correcto, pois deve-se dar igual importância a todos os alimentos.
  • 4. A evolução dos conhecimentos científicos e as diversas alterações na situação alimentar portuguesa conduziram à necessidade da sua reestruturação. A nova Roda dos Alimentos agora apresentada mantém o seu formato original, pois este é já facilmente identificado e associa-se ao prato vulgarmente utilizado. Foram ainda objectivos desta reestruturação a promoção dos valores culturais e sociais dos portugueses ao promoverem-se produtos tradicionais como o pão, o azeite ou as hortícolas. Além disso, foram considerados objectivos pedagógicos e nutricionais. A nova versão subdivide alguns dos anteriores grupos e estabelece porções diárias equivalentes, além de incluir a água no centro desta nova representação gráfica. Constituição Antiga Existiam 5 grupos de alimentos sem indicação das porções recomendadas por dia. Os grupos de alimentos eram os seguintes: (1) Leite e derivados (2) Carne, peixe e ovos (3) Óleos e gorduras (4) Cereais e leguminosas (5) Hortaliças, legumes e frutos. Nova A nova Roda dos Alimentos é composta por 7 grupos de alimentos de diferentes dimensões, os quais indicam a proporção de peso com que cada um deles deve estar presente na alimentação diária: - Cereais e derivados, tubérculos – 28% - Hortícolas – 23% - Fruta – 20% - Lacticínios – 18% - Carnes, pescado e ovos – 5% - Leguminosas – 4% - Gorduras e óleos – 2% o Cereais e derivados, tubérculos 4 a 11 porções 28% Hortícolas 3 a 5 porções 23% Fruta 3 a 5 porções 20% Lacticínios 2 a 3 porções 18% Carnes, pescado e ovos 1,5 a 4,5 porções 5% Leguminosas 1 a 2 porções 4% Gorduras e óleos 1 a 3 porções 2% Embora não possuindo um grupo próprio, a água assume a posição central na nova roda dos alimentos. Por ser um bem tão essencial à vida, recomenda-se o seu consumo diário na ordem dos 1,5 a 3 litros.
  • 5. Suplementação alimentar Os suplementos alimentares são preparações destinadas a complementar a dieta e fornecer nutrientes, como vitaminas, minerais, fibras, ácidos graxos ou aminoácidos, que podem estar faltando ou não podem ser consumida em quantidade suficiente na dieta de uma pessoa. Os suplementos alimentares para fisiculturismo são usados por praticantes de atividade física, mais comum em praticantes de musculação, proporciona nutrientes essenciais como proteínas, carboidratos, aminoácidos, vitaminas e etc. A grande vantagem dos suplementos para fisiculturismo é a pouca quantidade de gordura presente neles. Alguns suplementos protéicos: Albumina, Whey Protein, Caseína, Proteína de soja, Levedura de cerveja, Creatina PowerMax Carboidratos: MaltoDextrina, Dextrose, Hipercalóricos em geral. Utilidades para cada tipo de atividade A ausência de recomendações nutricionais para atletas dos mais diversos esportes facilita a difusão de conceitos infundados em relação à necessidade da suplementação. Normalmente o consumo de suplementos é fomentado pela ideia de que é necessário compensar uma dieta inadequada, para atender um suposto aumento nas necessidades diárias imposto pelo treinamento ou pela vontade de ter um efeito sobre a performance. Mas na verdade as carências nutricionais precisam de testes para ser identificadas. O aumento do consumo energético normalmente pode ser feito pela dieta e muitas vezes os conteúdos dos suplementos, como a proteína, já são abundantes na alimentação normal. E a noção de melhorar a performance a custa do suplemento quase sempre carece de evidência científica. Como alguns costumam dizer: existem dois tipos de suplementos para aumentar a performance, os que não funcionam e os que são proibidos.
  • 6. Os suplementos podem e devem ser utilizados em treinos ou competições quando: 1. há uma dificuldade em ingerir as calorias suficientes para repor o que o atleta gasta durante o treino ou competição; 2. deseja-se diminuir o bolo fecal para evitar evacuação durante a competição; 3. pretende-se fazer uma supercompensação com CHO (carboidrato) e não existe abundância de alimentos ricos em CHO ou as condições de higiene e preparo não são favoráveis; 4. existe a necessidade de recuperação pós-esforço combinada com situações de falta de apetite; 5. o indivíduo passa por uma situação temporária de restrição alimentar; 6. competições e treinos longos que necessitam do consumo de CHO para serem mantidos em níveis de volume e intensidade aceitáveis. Suplementos e Exercícios de Força Sem dúvida o grande vilão do mercado de suplementos está em cima dos produtos para ganho de massa muscular, principalmente aqueles à base de proteína concentrada. Contrariando a crença popular, durante o exercício de endurance o corpo usa mais proteína do que durante o exercício de força com sobrecarga. Mas quem faz uso do suplemento alega que a proteína é importante durante a recuperação, o que é verdade, mas também é verdade que a proteína da dieta normal quase sempre é suficiente ou excessiva. Uma das alegadas vantagens dos suplementos protéicos como o Whey Protein e PowerMax, seria a sua rapidez de absorção. Realmente os hidrolisados de proteína são mais rapidamente digeridos, mas dois aspectos chamam a atenção: 1. Existe evidência de que as proteínas de rápida absorção como o whey protein ficam menos tempo circulantes e 2. Normalmente os fisiculturistas e as pessoas que buscam hipertrofia muscular fazem refeições a cada 2-3 horas. Com esse regime de horários não é possível existir queda nos níveis de aminoácidos, portanto, a velocidade de absorção é indiferente. Uma refeição que contenha caseína mantém os níveis de aminoácidos aumentados por 7 horas, questionando também a necessidade em se fazer refeições tão próximas. Não se nega o fato da maior necessidade protéica em atletas de exercícios de força, a questão é que na maioria dos casos o consumo de proteína já é várias vezes acima do necessário. A suplementação com proteína pode ser indicada nos casos em que: 1. existe uma necessidade real em se aumentar o aporte protéico e isso deve ser feito sem incrementar o conteúdo de gordura da dieta; 2. a dieta deve ser complementada porque o indivíduo não tem condições no dia- dia de consumir proteína (mora sozinho, sem tempo de cozinhar, etc.); 3. indivíduos que precisam passar por restrição calórica e não desejam perder massa magra.
  • 7. Para quem visa aumento de massa muscular e vai consumir algum suplemento, o melhor horário é assim que encerre os exercícios. Testes feitos com bebidas contendo CHO e proteína ingeridas logo após o treino indicam que a síntese protéica foi aumentada nessa situação. Algumas pesquisas estão sendo feitas com a estratégia de ciclos de proteína. Alternando dias de baixo consumo com períodos de alto consumo supostamente a absorção das proteínas seria melhorada, mas os resultados ainda são muito imprecisos e duvidosos. Suplementos mais conhecidos Cafeína: como a cafeína tem ação lipolítica, supôs-se que a suplementação auxiliaria na lipólise e pouparia glicogênio muscular. Mas os resultados foram contraditórios e apesar de ser também um forte estimulante, a cafeína é um diurético, aumentando a perda líquida em atividade, um fator indesejável. A quantidade de cafeína para ter um efeito significativo como estimulante é muito grande e seria considerada doping. Além disso, o consumo cotidiano de cafeína interfere na sua sensibilidade – pessoas que nunca consomem café são mais sensíveis aos seus efeitos. Essa variação pessoal seria mais um complicador caso se faça uma prescrição individual de uso. Carnitina: atua como transportadora de lipídios intracelulares e pensou-se que o uso poderia facilitar a utilização de AGL circulantes. Mas os estudos mostraram que esse tipo de suplementação não traz melhorias ao rendimento e que na verdade o que pode acelerar o processo é uma aceleração do funcionamento enzimático intracelular, o que só ocorre com o treinamento. Mesmo assim, a carnitina é vendida mundialmente sob o pretexto de ser um “queimador de gordura”. Aminoácidos isolados: o consumo de aminoácidos isolados como suplemento iniciou com a suplementação de pessoas doentes e os defensores desta prática para atletas alegam que poderiam estimular a secreção de hormônio do crescimento (GH), mas isso não foi provado. Existem indicações de que estes aminoácidos poderiam influenciar a absorção de outros aminoácidos, causar falha renal e lesões teciduais. A suplementação por longos períodos com aminoácidos não tem qualquer benefício comprovado sobre o rendimento, podendo ainda induzir um quadro de resistência periférica à insulina. Não há, portanto evidências apontando o uso de aminoácidos como sendo benéfico para o atleta ou para o seu rendimento. BCAA (Branched-chain amino acids): aminoácidos de cadeia ramificada, valina, leucina e isoleucina. A maior quantidade de estudos com BCAA deve-se ao quadro da fadiga central. As estratégias para utilização do BCAA em relação à fadiga central procuram estabelecer que sua suplementação realmente atrase o início da fadiga. Atualmente existem três manobras nutricionais para evitar a fadiga central: a) suplementação de CHO (carboidrato) durante o exercício, o que diminuiria o uso de BCAA, e consequentemente sua queda no sangue; b) suplementação com BCAA para manter seus níveis no sangue; c) uma mistura de BCAA e CHO durante o exercício. O poder anabólico e anticatabólico dos BCAA também vêm sendo estudado. O consumo de BCAA estimularia a liberação de hormônios anabólicos como o
  • 8. GH, insulina e testosterona. Vários estudos já mostraram que altas doses de BCAA podem afetar negativamente o rendimento, reduzindo a absorção de água, causando distúrbios gastrintestinais e aumentando a produção de amônia. Beta-hidroxi metil butirato: quando associado ao treino de força parece induzir aumentos na massa magra e na força, no entanto a quantidade dos estudos e as populações estudadas não permitem fazer qualquer tipo de prescrição confiável. Glutamina: é o aminoácido mais comum em nosso plasma e é muito queimado em exercício. Este aminoácido é fonte energética para as células do sistema imunológico e as quedas da glutamina baixam a resistência contra infecções oportunistas, um dos motivos para gripes e resfriados próximos à competições ou treinos fortes. A glutamina não pode ser suplementada eficientemente porque as células intestinais são altas consumidoras de glutamina e não permitem que ela passe para o sangue. Além do efeito sobre o sistema imunológico, a glutamina poderia ter um efeito anabolizante e de estimular a síntese de glicogênio. Formas associadas do aminoácido e outras alternativas estão sendo estudadas e existe alguma indicação de que mesmo com a questão da absorção abdominal prejudicada, o fato de suplementar poderia poupar glutamina endógena. Creatina: a capacidade máxima do sistema anaeróbico em produzir energia é regulada pela degradação do fosfato de creatina e dura em média 10 segundos. A concentração de fosfato de creatina intramuscular é importante para a realização de exercício anaeróbico, intermitente ou de apenas um esforço único que dure no máximo 30 segundos. A creatina que usamos pode ser fornecida diretamente pela alimentação (carnes) ou ser produzida de forma endógena pelo fígado, rins e pâncreas a partir dos aminoácidos glicina, arginina e metionina. Os efeitos da creatina suplementada são mais bem percebidos em: - testes de sprint na natação - produção de força máxima em cicloergômetro; - tiros de até 700 metros em corrida; - velocidade final em tiros de 60 m em corrida; - tempo até a exaustão em testes de alta intensidade em bicicleta; - capacidade de força e na composição corporal de levantadores de peso; - performance em saltos. O uso da creatina deve obedecer a uma estratégia porque ela é transportada para o interior celular por proteínas que, quando expostas por longos períodos a grandes doses de creatina, perdem sua sensibilidade. Portanto, o consumo regular de creatina não surte qualquer efeito. O período em que a creatina intramuscular fica elevado é de 4-6 semanas. A creatina é mais bem absorvida quando ingerida junto com CHO em líquidos mornos. Até o momento não se conhece nenhum prejuízo à saúde devido à suplementação com creatina como na estratégia proposta. O uso crônico não foi
  • 9. avaliado. Atletas de atividades mais longas do que 5 minutos parecem não ter qualquer benefício com a creatina, podendo apresentar ligeiro ganho de peso, o que normalmente é indesejável em várias modalidades.