SlideShare uma empresa Scribd logo
Diagnóstico de Motores Eléctricos 13
Introdução à
ISO 20958:2013 - Análise de assinatura elétrica de
motores de indução trifásicos
www.DMC.pt
Objetivo desta apresentação
• Esta apresentação constitui uma introdução ao referido na
norma:
• ISO 20958:2013 - Análise de assinatura
elétrica de motores de indução trifásicos
Objetivo desta apresentação
• Esta apresentação constitui uma introdução ao referido na
norma:
• ISO 20958:2013 - Análise de assinatura
elétrica de motores de indução trifásicos
• Constitui um resumo muito abreviado do que consta na
norma;
Objetivo desta apresentação
• Esta apresentação constitui uma introdução ao referido na
norma:
• ISO 20958:2013 - Análise de assinatura
elétrica de motores de indução trifásicos
• Constitui um resumo muito abreviado do que consta na
norma;
• Aconselha-se aos mais interessados no tema, a leitura da
norma.
Conteúdo da norma
1. Introdução
2. Análise do espetro da corrente de alimentação do estator
3. Análise da corrente de alimentação do estator - Vector de
Park
4. Análise da corrente, tensão e potência
5. Fluxo elétrico-magnético
6. Descargas parciais
7. Interferência eletromagnética
8. Análise da corrente de alimentação do rotor
9. Análise da tensão do veio
Introdução
• Este Norma Internacional fornece orientações para
monitorização de condição on-line e diagnóstico de
máquinas no campo da análise da assinatura elétrica de
motores de indução trifásicos.
Introdução
• Este Norma Internacional fornece orientações para
monitorização de condição on-line e diagnóstico de
máquinas no campo da análise da assinatura elétrica de
motores de indução trifásicos.
• A fim de esclarecer a situação e atenção direta para os
últimos desenvolvimentos neste campo, esta Norma
Internacional apresenta:
• Uma visão geral de técnicas de monitorização de condição
bem estabelecidas,
• Uma indicação de algumas que são ser menos conhecidas.
Conceitos gerais
a) Estudos de fiabilidade mostram que as partes mais vulneráveis de um motor de
indução são os rolamentos, as bobines do estator e a bobinagem da gaiola do rotor.
Conceitos gerais
a) Estudos de fiabilidade mostram que as partes mais vulneráveis de um motor de
indução são os rolamentos, as bobines do estator e a bobinagem da gaiola do rotor.
b) Há muito material publicado sobre um grupo de técnicas de monitorização e
diagnóstico, coletivamente referidas como análise de assinatura elétrica, que podem
ser usadas para monitorização de condições de motores de indução.
Conceitos gerais
a) Estudos de fiabilidade mostram que as partes mais vulneráveis de um motor de
indução são os rolamentos, as bobines do estator e a bobinagem da gaiola do rotor.
b) Há muito material publicado sobre um grupo de técnicas de monitorização e
diagnóstico, coletivamente referidas como análise de assinatura elétrica, que podem
ser usadas para monitorização de condições de motores de indução.
c) Em geral, estas técnicas são baseadas na análise dos sinais disponíveis nos terminais
do motor ou obtidos através de transdutores apropriados instalados na estrutura.
Conceitos gerais
a) Estudos de fiabilidade mostram que as partes mais vulneráveis de um motor de
indução são os rolamentos, as bobines do estator e a bobinagem da gaiola do rotor.
b) Há muito material publicado sobre um grupo de técnicas de monitorização e
diagnóstico, coletivamente referidas como análise de assinatura elétrica, que podem
ser usadas para monitorização de condições de motores de indução.
c) Em geral, estas técnicas são baseadas na análise dos sinais disponíveis nos terminais
do motor ou obtidos através de transdutores apropriados instalados na estrutura.
d) É possível obter informações sobre a saúde e integridade de um motor de indução
através da análise de sua assinatura elétrica.
Conceitos gerais
a) Estudos de fiabilidade mostram que as partes mais vulneráveis de um motor de
indução são os rolamentos, as bobines do estator e a bobinagem da gaiola do rotor.
b) Há muito material publicado sobre um grupo de técnicas de monitorização e
diagnóstico, coletivamente referidas como análise de assinatura elétrica, que podem
ser usadas para monitorização de condições de motores de indução.
c) Em geral, estas técnicas são baseadas na análise dos sinais disponíveis nos terminais
do motor ou obtidos através de transdutores apropriados instalados na estrutura.
d) É possível obter informações sobre a saúde e integridade de um motor de indução
através da análise de sua assinatura elétrica.
e) As variações na corrente elétrica, tensão e energia podem ser igualmente causadas
pelo equipamento acionado
1 - Análise da corrente de alimentação do estator (CSA)
• Como a corrente do estator também é afetada por fluxos de entreferros e pela
corrente do rotor, a análise corrente do estator é capaz de detetar problemas no rotor
e no equipamento accionado;
1 - Análise da corrente de alimentação do estator (CSA)
• Como a corrente do estator também é afetada por fluxos de entreferros e pela
corrente do rotor, a análise corrente do estator é capaz de detetar problemas no rotor
e no equipamento accionado;
• O monitorização da CSA revolucionou a deteção de barras de rotor quebradas e anéis
de curto-circuito fendidos em rotores motores de indução de gaiolas de esquilo (SCI).
1 - Análise da corrente de alimentação do estator (CSA)
• Como a corrente do estator também é afetada por fluxos de entreferros e pela
corrente do rotor, a análise corrente do estator é capaz de detetar problemas no rotor
e no equipamento accionado;
• O monitorização da CSA revolucionou a deteção de barras de rotor quebradas e anéis
de curto-circuito fendidos em rotores motores de indução de gaiolas de esquilo (SCI).
• Frequências específicas na corrente indicam a presença de enrolamentos de rotor
defeituosos durante a operação normal do motor.
1 - Análise da corrente de alimentação do estator (CSA)
• Como a corrente do estator também é afetada por fluxos de entreferros e pela
corrente do rotor, a análise corrente do estator é capaz de detetar problemas no rotor
e no equipamento accionado;
• O monitorização da CSA revolucionou a deteção de barras de rotor quebradas e anéis
de curto-circuito fendidos em rotores motores de indução de gaiolas de esquilo (SCI).
• Frequências específicas na corrente indicam a presença de enrolamentos de rotor
defeituosos durante a operação normal do motor.
• A deteção de barras de rotor quebradas pela CSA às vezes também pode ser
confirmada por uma análise de vibração.
Análise espetral da corrente de alimentação do estator
A análise corrente de alimentação (CSA) tem a capacidade de detectar os seguintes
problemas em motores da indução da gaiola de esquilo e de rotor bobinado:
• Barras de rotor com fendas ou partidas;
• Defeitos de fundição com grandes chochos internos;
• Barras partidas e fendidas e ligações quebradas do anel de topo;
• Anéis de curto-circuito fendidos;
• Excentricidade excessiva da entreferros;
• Defeitos de rolamentos;
• Desalinhamento do acoplamento;
• Curto circuito nos enrolamentos do estator;
• Problemas no equipamento acionado.
Defeitos da gaiola do rotor
• Durante a operação normal do motor, existem frequências específicas no espetro de
corrente que indicam a presença de enrolamentos defeituosos no rotor.
Defeitos da gaiola do rotor
• Durante a operação normal do motor, existem frequências específicas no espetro de
corrente que indicam a presença de enrolamentos defeituosos no rotor.
• A deteção de barras de rotor quebradas pela CSA às vezes também pode ser confirmada por
uma análise de vibração.
Defeitos da gaiola do rotor
• Durante a operação normal do motor, existem frequências específicas no espetro de
corrente que indicam a presença de enrolamentos defeituosos no rotor.
• A deteção de barras de rotor quebradas pela CSA às vezes também pode ser confirmada por
uma análise de vibração.
• Em termos simples, a corrente que flui no bobines do estator não depende apenas da fonte
de alimentação e da impedância do bobines do estator, mas também inclui a corrente
induzida no bobines do estator pelo campo magnético do rotor.
Defeitos da gaiola do rotor
• Durante a operação normal do motor, existem frequências específicas no espetro de
corrente que indicam a presença de enrolamentos defeituosos no rotor.
• A deteção de barras de rotor quebradas pela CSA às vezes também pode ser confirmada por
uma análise de vibração.
• Em termos simples, a corrente que flui no bobines do estator não depende apenas da fonte
de alimentação e da impedância do bobines do estator, mas também inclui a corrente
induzida no bobines do estator pelo campo magnético do rotor.
• Ou seja, as bobines do estator são uma sonda ou "transdutor" para problemas no rotor.
Defeitos da gaiola do rotor
• Durante a operação normal do motor, existem frequências específicas no espetro de
corrente que indicam a presença de enrolamentos defeituosos no rotor.
• A deteção de barras de rotor quebradas pela CSA às vezes também pode ser confirmada por
uma análise de vibração.
• Em termos simples, a corrente que flui no bobines do estator não depende apenas da fonte
de alimentação e da impedância do bobines do estator, mas também inclui a corrente
induzida no bobines do estator pelo campo magnético do rotor.
• Ou seja, as bobines do estator são uma sonda ou "transdutor" para problemas no rotor.
• A questão-chave é separar as correntes que fluem através do estator para accionar o rotor,
das correntes que o rotor induz de volta para o estator, se houver um problema.
Defeitos da gaiola do rotor
• Durante a operação normal do motor, existem frequências específicas no espetro de
corrente que indicam a presença de enrolamentos defeituosos no rotor.
• A deteção de barras de rotor quebradas pela CSA às vezes também pode ser confirmada por
uma análise de vibração.
• Em termos simples, a corrente que flui no bobines do estator não depende apenas da fonte
de alimentação e da impedância do bobines do estator, mas também inclui a corrente
induzida no bobines do estator pelo campo magnético do rotor.
• Ou seja, as bobines do estator são uma sonda ou "transdutor" para problemas no rotor.
• A questão-chave é separar as correntes que fluem através do estator para accionar o rotor,
das correntes que o rotor induz de volta para o estator, se houver um problema.
• Essa separação é realizada medindo componentes de corrente a outras frequências além da
frequência de rede, usando um analisador de espectro de frequência de alta resolução.
Interpretação do espetro de corrente
• A interpretação básica requer comparação da banda lateral inferior, a duas vezes a
frequência de deslizamento, com a componente à frequência da rede
Interpretação do espetro de corrente
• A interpretação básica requer comparação da banda lateral inferior, a duas vezes a
frequência de deslizamento, com a componente à frequência da rede
• A experiência mostra que, se a amplitude banda lateral se tornar maior do que cerca
(≤-50 dB) da componente à frequência de rede, então são prováveis avarias no rotor
Interpretação do espetro de corrente
• A interpretação básica requer comparação da banda lateral inferior, a duas vezes a
frequência de deslizamento, com a componente à frequência da rede
• A experiência mostra que, se a amplitude banda lateral se tornar maior do que cerca
(≤-50 dB) da componente à frequência de rede, então são prováveis avarias no rotor
• Quanto maior a amplitude da banda lateral, então mais grave é a deterioração do
rotor.
Outras frequências no espetro de corrente
• Engrenagens
• As engrenagens acionadas podem criar bandas laterais simétricas em torno da corrente de frequência
fundamental, que podem parecer barras no rotor com defeitos.
Outras frequências no espetro de corrente
• Engrenagens
• As engrenagens acionadas podem criar bandas laterais simétricas em torno da corrente de frequência
fundamental, que podem parecer barras no rotor com defeitos.
• Excentricidade na folga de entreferros
• A excentricidade da entreferros dá uma série de componentes à frequência da passagem de barras do rotor
com bandas laterais à frequência de rotação do rotor. Para avaliar a excentricidade da entreferros do motor a
partir deste espectro, é selecionada a componente de frequência de passagem de barras com o maior
magnitude. De seguida é determinada a diferença média de magnitude entre as bandas laterais à velocidade
de rotação em relação à componente à velocidade de passagem de barras do rotor, anteriormente
selecionada. Quanto menor for a diferença média de magnitude, mais excêntrico está a folga de entre-ferros.
Outras frequências no espetro de corrente
• Engrenagens
• As engrenagens acionadas podem criar bandas laterais simétricas em torno da corrente de frequência
fundamental, que podem parecer barras no rotor com defeitos.
• Excentricidade na folga de entreferros
• A excentricidade da entreferros dá uma série de componentes à frequência da passagem de barras do rotor
com bandas laterais à frequência de rotação do rotor. Para avaliar a excentricidade da entreferros do motor a
partir deste espectro, é selecionada a componente de frequência de passagem de barras com o maior
magnitude. De seguida é determinada a diferença média de magnitude entre as bandas laterais à velocidade
de rotação em relação à componente à velocidade de passagem de barras do rotor, anteriormente
selecionada. Quanto menor for a diferença média de magnitude, mais excêntrico está a folga de entre-ferros.
• Curto circuitos nas bobines do estator em motores de baixa tensão
Outras frequências no espetro de corrente
• Engrenagens
• As engrenagens acionadas podem criar bandas laterais simétricas em torno da corrente de frequência
fundamental, que podem parecer barras no rotor com defeitos.
• Excentricidade na folga de entreferros
• A excentricidade da entreferros dá uma série de componentes à frequência da passagem de barras do rotor
com bandas laterais à frequência de rotação do rotor. Para avaliar a excentricidade da entreferros do motor a
partir deste espectro, é selecionada a componente de frequência de passagem de barras com o maior
magnitude. De seguida é determinada a diferença média de magnitude entre as bandas laterais à velocidade
de rotação em relação à componente à velocidade de passagem de barras do rotor, anteriormente
selecionada. Quanto menor for a diferença média de magnitude, mais excêntrico está a folga de entre-ferros.
• Curto circuitos nas bobines do estator em motores de baixa tensão
• Rolamentos
• As frequências especificas de defeitos nos rolamentos surgem no espetro de corrente
Outras frequências no espetro de corrente
• Engrenagens
• As engrenagens acionadas podem criar bandas laterais simétricas em torno da corrente de frequência
fundamental, que podem parecer barras no rotor com defeitos.
• Excentricidade na folga de entreferros
• A excentricidade da entreferros dá uma série de componentes à frequência da passagem de barras do rotor
com bandas laterais à frequência de rotação do rotor. Para avaliar a excentricidade da entreferros do motor a
partir deste espectro, é selecionada a componente de frequência de passagem de barras com o maior
magnitude. De seguida é determinada a diferença média de magnitude entre as bandas laterais à velocidade
de rotação em relação à componente à velocidade de passagem de barras do rotor, anteriormente
selecionada. Quanto menor for a diferença média de magnitude, mais excêntrico está a folga de entre-ferros.
• Curto circuitos nas bobines do estator em motores de baixa tensão
• Rolamentos
• As frequências especificas de defeitos nos rolamentos surgem no espetro de corrente
• Outros problemas mecânicos
• Quando influenciam a folga de ferros as respetivas frequências aparecem no espetro de corrente
2- Análise de corrente – o Vector de Park
• O vetor de Park é uma abordagem matemática para representar três fases como duas fases
ortogonais, o que permite uma análise muito mais simples.
• Isto pode ser usado para monitorar as correntes de alimentação de motores de indução.
• Este aproximação, não invasiva, tem sido usado com sucesso em ambientes industriais para
diagnosticar avarias motores de indução trifásicos, como sejam:
• Tensões de alimentação desequilibradas,
• Excentricidade do entre-ferros,
• Falhas de isolamento entre fases
• Desalinhamento mecânico,
• Falhas de isolamento entre fases em rotores bobinados
• Falhas em motores de gaiola de esquilo
3 - Análise de tensão, corrente e potência
• Além da corrente de alimentação do motor, a tensão também é facilmente acessível e pode dar
informação adicional para a análise da condição do motor.
3 - Análise de tensão, corrente e potência
• Além da corrente de alimentação do motor, a tensão também é facilmente acessível e pode dar
informação adicional para a análise da condição do motor.
• Nesse contexto a potência, sendo uma quantidade diretamente relacionada com a corrente e a
tensão, adquire um significado particular.
3 - Análise de tensão, corrente e potência
• Além da corrente de alimentação do motor, a tensão também é facilmente acessível e pode dar
informação adicional para a análise da condição do motor.
• Nesse contexto a potência, sendo uma quantidade diretamente relacionada com a corrente e a
tensão, adquire um significado particular.
• Monitorar as correntes das três fases, as tensões de alimentação fase-a-fase e a entrada de
energia quadro do motor, durante o seu funcionamento ou arranque podem fornecer
identificação precoce de defeitos relacionados o estator ou com o rotor.
3 - Análise de tensão, corrente e potência - ensaios
• Em serviço
• Corrente (devido a impedância desequilibrada) ou tensão desequilibrada;
• Tensão desequilibrada devido a problemas na alimentação;
• Monitorização da potência;
• Análise de conteúdo harmónico da tensão
• Arranques
• Tempo de arranque;
• Análise de transientes
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• Este sistema funciona de acordo com o esquema da Figura.
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• Este sistema funciona de acordo com o esquema da Figura.
• Mede a corrente e a tensão quando o motor está em funcionamento.
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• Este sistema funciona de acordo com o esquema da Figura.
• Mede a corrente e a tensão quando o motor está em funcionamento.
• Cria automaticamente um modelo matemático do relacionamento entre a corrente e a tensão.
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• Este sistema funciona de acordo com o esquema da Figura.
• Mede a corrente e a tensão quando o motor está em funcionamento.
• Cria automaticamente um modelo matemático do relacionamento entre a corrente e a tensão.
• Ao aplicar este modelo à tensão medida, uma corrente modelada é calculada e este resultado é
comparado (subtraído) com a corrente medida real.
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• Os desvios entre a corrente medida e a corrente modelada representam imperfeições no motor e
máquinas acionadas, que podem ser analisados usando uma combinação de:
• Vetor de Park para simplificar as correntes trifásicos em duas fases ortogonais (D & Q),
• análise Fourier para dar um gráfico de densidade espectral de energia,
• Avaliação algorítmica do espectro resultante para identificar falhas específicas ou modos de falha.
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• Os desvios entre a corrente medida e a corrente modelada representam imperfeições no motor e
máquinas acionadas, que podem ser analisados usando uma combinação de:
• Vetor de Park para simplificar as correntes trifásicos em duas fases ortogonais (D & Q),
• análise Fourier para dar um gráfico de densidade espectral de energia,
• Avaliação algorítmica do espectro resultante para identificar falhas específicas ou modos de falha.
• Estes sistemas são projetados para a instalação permanente como uma solução da monitorização
da condição;
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais
como:
• Desequilíbrio;
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais
como:
• Desequilíbrio;
• Desalinhamento;
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais
como:
• Desequilíbrio;
• Desalinhamento;
• Problemas nos rolamentos no motor e equipamentos acionados;
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais
como:
• Desequilíbrio;
• Desalinhamento;
• Problemas nos rolamentos no motor e equipamentos acionados;
• Problemas de isolamento,
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais
como:
• Desequilíbrio;
• Desalinhamento;
• Problemas nos rolamentos no motor e equipamentos acionados;
• Problemas de isolamento,
• Enrolamentos do estator soltos,
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais
como:
• Desequilíbrio;
• Desalinhamento;
• Problemas nos rolamentos no motor e equipamentos acionados;
• Problemas de isolamento,
• Enrolamentos do estator soltos,
• Problemas no rotor,
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais
como:
• Desequilíbrio;
• Desalinhamento;
• Problemas nos rolamentos no motor e equipamentos acionados;
• Problemas de isolamento,
• Enrolamentos do estator soltos,
• Problemas no rotor,
• Desequilíbrio corrente ou de tensão e distorção harmónica.
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais
como:
• Desequilíbrio;
• Desalinhamento;
• Problemas nos rolamentos no motor e equipamentos acionados;
• Problemas de isolamento,
• Enrolamentos do estator soltos,
• Problemas no rotor,
• Desequilíbrio corrente ou de tensão e distorção harmónica.
• Como esses sistemas medem a corrente e a tensão, também monitorizam a energia e são capazes
de identificar problemas causados por condições operacionais incomuns e identificar causas de
perda de eficiência.
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM) – diferença relativamente á análise do espetro de frequência da
corrente
• Como estes sistemas examinam apenas a diferença entre as correntes reais e as previstas, efetivamente
filtram todos os sinais elétricos normais que são tão aparentes na Análise Espectral de Corrente convencional
(CSA), deixando um conjunto muito mais simples de sinais a serem analisados.
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM) – diferença relativamente á análise do espetro de frequência da
corrente
• Como estes sistemas examinam apenas a diferença entre as correntes reais e as previstas, efetivamente
filtram todos os sinais elétricos normais que são tão aparentes na Análise Espectral de Corrente convencional
(CSA), deixando um conjunto muito mais simples de sinais a serem analisados.
• Como esses sistemas são baseados na relação entre tensão e a corrente, lidam bem com sistemas accionados
para variador de frequência , onde a tensão de entrada pode ser de uma frequência variável e pode haver
uma forma de onda barulhenta com muitas harmónicas.
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM) – diferença relativamente á análise do espetro de frequência da
corrente
• Como estes sistemas examinam apenas a diferença entre as correntes reais e as previstas, efetivamente
filtram todos os sinais elétricos normais que são tão aparentes na Análise Espectral de Corrente convencional
(CSA), deixando um conjunto muito mais simples de sinais a serem analisados.
• Como esses sistemas são baseados na relação entre tensão e a corrente, lidam bem com sistemas accionados
para variador de frequência , onde a tensão de entrada pode ser de uma frequência variável e pode haver
uma forma de onda barulhenta com muitas harmónicas.
• Os sistemas baseados em modelo retiram efetivamente todo o ruído do sinal de tensão do sinal corrente
resultante, deixando apenas as imperfeições subjacentes.
Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo
(MCM)
• A facilidade de utilização e baixo custo deste tipo de equipamento torna-o apropriado
também para equipamentos de menor criticidade.
5 - Análise de fluxo magnético
• Qualquer distorção na densidade do fluxo de entreferros devido a defeitos no rotor ou no estator
configura um fluxo homopolar axial no eixo que pode ser detectado por uma bobina de pesquisa
instalada ao redor do eixo.
• Uma escala de defeitos do estator e do rotor pode ser deduzida do espectro do fluxo axial obtido
realizando uma transformação de Fourier na forma de onda da bobina da busca.
6- Análise de descargas parciais (DP)
• O aviso da avaria elétrica incipiente da bobine de um estator do motor pode ser obtido pela
medida em linha da atividade de Descargas Parciais.
• A degradação gradual do isolamento da bobine leva a um aumento da atividade de DP;
• Ainda não foi comprovado com sucesso a relação quantitativa entre essa atividade e a vida
restante do isolamento, que é necessária para o monitorização da condição,.
Descargas Parciais – o que são e quando ocorrem
• As Descargas Parciais são pequenas faíscas elétricas que ocorrem em bobines convencionais de
50 ou 60 Hz classificados como 3,3 kV ou superior.
• As Descargas Parciais são inexistente ou insignificante em bobines do estator bem feitas e que
estão em boas condições.
• No entanto, se o sistema de isolamento das bobines for mal feito, ou se deteriorou devido ao
sobreaquecimento, movimento da bobina ou contaminação, então a podem ocorrer Descargas
Parciais.
• Um teste de DP mede diretamente as correntes de pulso resultantes das Desrcargas Parciais
dentro de uma bobine.
7 - Teste de interferência eletromagnética
• O teste de interferência eletromagnética (EMI) é uma técnica que pode detectar e identificar a
atividade de descargas parciais resultante de defeitos de isolamento, bem como condições de
arco que resultam de defeitos condutores e mecânicos.
• A EMI foi aplicada a motores de indução em aplicações industriais de serviços públicos,
petroquímicas e pesadas.
• O teste é realizado enquanto o motor está em serviço durante as condições normais de carga.
• A Interferência Eletromagnética é uma medida no domínio de frequência da energia de
radiofrequência que resulta de Descargas Parciais, e arco em defeitos motores, tais como
correntes de veio através de rolamentos, barras de rotor quebrado, condutores do estator
quebrados, conexões soltas, legação do veio à terra inadequado, e alguns tipos de problemas
mecânicos, tais como desalinhamento de acoplamento.
8 - Análise corrente do rotor
• A corrente do rotor de um motor da indução é facilmente acessível em máquinas do rotor
bobinado.
• No entanto, em tais máquinas, o circuito de rotor é mal protegido na maioria das instalações.
• Defeitos nas junções efetuadas por brasagem muitas vezes causaram danos graves, porque não
foram detetados prontamente.
• O superaquecimento do rotor também pode ser causado pelo desequilíbrio de corrente nos
resistores externos ligados aos anéis de deslizamento.
9 - Análise de tensão do veio
• É sabido que qualquer distorção na distribuição interna de fluxo numa
máquina elétrica pode produzir tensões no veio e os efeitos prejudiciais das
correntes produzidas por tais tensões têm sido reconhecidos como a causa
das correntes de veio que podem causar avarias.
9 - Análise de tensão do veio
• É sabido que qualquer distorção na distribuição interna de fluxo numa
máquina elétrica pode produzir tensões no veio e os efeitos prejudiciais das
correntes produzidas por tais tensões têm sido reconhecidos como a causa
das correntes de veio que podem causar avarias.
• Tais tensões do veio resultam da assimetria no circuito magnético de um
motor devido às variações em propriedades magnéticas do aço do núcleo
dentro dos trajetos de giro do fluxo magnético.
9 - Análise de tensão do veio
• É sabido que qualquer distorção na distribuição interna de fluxo numa
máquina elétrica pode produzir tensões no veio e os efeitos prejudiciais das
correntes produzidas por tais tensões têm sido reconhecidos como a causa
das correntes de veio que podem causar avarias.
• Tais tensões do veio resultam da assimetria no circuito magnético de um
motor devido às variações em propriedades magnéticas do aço do núcleo
dentro dos trajetos de giro do fluxo magnético.
• Isto induz uma tensão do AC do laço condutor que compreende o eixo do
motor, os rolamentos, os suportes finais, e ao estrutura exterior do motor.
9 - Análise de tensão do veio
• É sabido que qualquer distorção na distribuição interna de fluxo numa
máquina elétrica pode produzir tensões no veio e os efeitos prejudiciais das
correntes produzidas por tais tensões têm sido reconhecidos como a causa
das correntes de veio que podem causar avarias.
• Tais tensões do veio resultam da assimetria no circuito magnético de um
motor devido às variações em propriedades magnéticas do aço do núcleo
dentro dos trajetos de giro do fluxo magnético.
• Isto induz uma tensão do AC do laço condutor que compreende o eixo do
motor, os rolamentos, os suportes finais, e ao estrutura exterior do motor.
• Se a tensão induzida é suficiente para quebrar o isolamento fornecido pelo
lubrificante, a corrente flui através do anel, incluindo ambos os rolamentos.
9 - Análise de tensão do veio
• É sabido que qualquer distorção na distribuição interna de fluxo numa
máquina elétrica pode produzir tensões no veio e os efeitos prejudiciais das
correntes produzidas por tais tensões têm sido reconhecidos como a causa
das correntes de veio que podem causar avarias.
• Tais tensões do veio resultam da assimetria no circuito magnético de um
motor devido às variações em propriedades magnéticas do aço do núcleo
dentro dos trajetos de giro do fluxo magnético.
• Isto induz uma tensão do AC do laço condutor que compreende o eixo do
motor, os rolamentos, os suportes finais, e ao estrutura exterior do motor.
• Se a tensão induzida é suficiente para quebrar o isolamento fornecido pelo
lubrificante, a corrente flui através do anel, incluindo ambos os rolamentos.
• Desenvolvimentos recentes, levaram a alguma fiabilidade e utilidade deste
método.
OBRIGADO
Esperamos que esta
apresentação tenho
sido interessante

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seleçâo mancais de rolamento
Seleçâo mancais de rolamentoSeleçâo mancais de rolamento
Seleçâo mancais de rolamento
Valério Fernandes
 
10 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Medição de Temperatura
10 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Medição de Temperatura10 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Medição de Temperatura
10 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Medição de Temperatura
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Motores cc
Motores ccMotores cc
Motores cc
Daiane Krupa
 
Curso análise de vibração em máquinas rotativas críticas
Curso análise de vibração em máquinas rotativas críticasCurso análise de vibração em máquinas rotativas críticas
Curso análise de vibração em máquinas rotativas críticas
Matheus Silva
 
Análise de vibrações em engrenagens 3 - Técnicas de diagnóstico
Análise de vibrações em engrenagens 3  - Técnicas de diagnósticoAnálise de vibrações em engrenagens 3  - Técnicas de diagnóstico
Análise de vibrações em engrenagens 3 - Técnicas de diagnóstico
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Manual de serviço cbx750 f (1990) rodadian
Manual de serviço cbx750 f (1990) rodadianManual de serviço cbx750 f (1990) rodadian
Manual de serviço cbx750 f (1990) rodadian
Thiago Huari
 
Análise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avarias
Análise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avariasAnálise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avarias
Análise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avarias
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Análise de vibraçoes e envelope
Análise de vibraçoes e envelopeAnálise de vibraçoes e envelope
Análise de vibraçoes e envelope
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Vibration analysis of process plant machinery best
Vibration analysis of process plant machinery bestVibration analysis of process plant machinery best
Vibration analysis of process plant machinery best
Boulegroune Nabil
 
ORBIT PLOT ANALYSIS - VIBRATION ANALYSIS
ORBIT PLOT ANALYSIS - VIBRATION ANALYSISORBIT PLOT ANALYSIS - VIBRATION ANALYSIS
ORBIT PLOT ANALYSIS - VIBRATION ANALYSIS
MUHAMMAD RIFQIFAUZI WIJAYA
 
Curso de medição de vibrações
Curso de medição de vibraçõesCurso de medição de vibrações
Curso de medição de vibrações
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
Sala da Elétrica
 
Vibration signature analysis
Vibration signature analysisVibration signature analysis
Vibration signature analysis
girish_raghunathan4488
 
Vibration
VibrationVibration
Vibration
Sumanth Karanam
 
Analise ferrografica
Analise ferrograficaAnalise ferrografica
Analise ferrografica
Antenor Carmelio
 
[Motores sincronos e assincronos]
[Motores sincronos e assincronos][Motores sincronos e assincronos]
[Motores sincronos e assincronos]
Daniel Santos
 
Mecânica básica elementos de maquinas
Mecânica básica elementos de maquinasMecânica básica elementos de maquinas
Mecânica básica elementos de maquinas
Rerisson Cristiano R Rodrigues
 
1 análise de vibração - definições técnicas
1  análise de vibração - definições técnicas1  análise de vibração - definições técnicas
1 análise de vibração - definições técnicas
Evaldo Agnoletto
 
Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens V Casos Práticos
Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens V Casos PráticosCurso de Análise de Vibrações em Engrenagens V Casos Práticos
Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens V Casos Práticos
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
ODS (Operational Deflection Shape) Analysis, When and Why?
ODS (Operational Deflection Shape) Analysis, When and Why?ODS (Operational Deflection Shape) Analysis, When and Why?
ODS (Operational Deflection Shape) Analysis, When and Why?
Taqi-ud-Din Haider
 

Mais procurados (20)

Seleçâo mancais de rolamento
Seleçâo mancais de rolamentoSeleçâo mancais de rolamento
Seleçâo mancais de rolamento
 
10 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Medição de Temperatura
10 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Medição de Temperatura10 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Medição de Temperatura
10 Diagnóstico de Motores Eléctricos - Medição de Temperatura
 
Motores cc
Motores ccMotores cc
Motores cc
 
Curso análise de vibração em máquinas rotativas críticas
Curso análise de vibração em máquinas rotativas críticasCurso análise de vibração em máquinas rotativas críticas
Curso análise de vibração em máquinas rotativas críticas
 
Análise de vibrações em engrenagens 3 - Técnicas de diagnóstico
Análise de vibrações em engrenagens 3  - Técnicas de diagnósticoAnálise de vibrações em engrenagens 3  - Técnicas de diagnóstico
Análise de vibrações em engrenagens 3 - Técnicas de diagnóstico
 
Manual de serviço cbx750 f (1990) rodadian
Manual de serviço cbx750 f (1990) rodadianManual de serviço cbx750 f (1990) rodadian
Manual de serviço cbx750 f (1990) rodadian
 
Análise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avarias
Análise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avariasAnálise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avarias
Análise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avarias
 
Análise de vibraçoes e envelope
Análise de vibraçoes e envelopeAnálise de vibraçoes e envelope
Análise de vibraçoes e envelope
 
Vibration analysis of process plant machinery best
Vibration analysis of process plant machinery bestVibration analysis of process plant machinery best
Vibration analysis of process plant machinery best
 
ORBIT PLOT ANALYSIS - VIBRATION ANALYSIS
ORBIT PLOT ANALYSIS - VIBRATION ANALYSISORBIT PLOT ANALYSIS - VIBRATION ANALYSIS
ORBIT PLOT ANALYSIS - VIBRATION ANALYSIS
 
Curso de medição de vibrações
Curso de medição de vibraçõesCurso de medição de vibrações
Curso de medição de vibrações
 
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
 
Vibration signature analysis
Vibration signature analysisVibration signature analysis
Vibration signature analysis
 
Vibration
VibrationVibration
Vibration
 
Analise ferrografica
Analise ferrograficaAnalise ferrografica
Analise ferrografica
 
[Motores sincronos e assincronos]
[Motores sincronos e assincronos][Motores sincronos e assincronos]
[Motores sincronos e assincronos]
 
Mecânica básica elementos de maquinas
Mecânica básica elementos de maquinasMecânica básica elementos de maquinas
Mecânica básica elementos de maquinas
 
1 análise de vibração - definições técnicas
1  análise de vibração - definições técnicas1  análise de vibração - definições técnicas
1 análise de vibração - definições técnicas
 
Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens V Casos Práticos
Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens V Casos PráticosCurso de Análise de Vibrações em Engrenagens V Casos Práticos
Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens V Casos Práticos
 
ODS (Operational Deflection Shape) Analysis, When and Why?
ODS (Operational Deflection Shape) Analysis, When and Why?ODS (Operational Deflection Shape) Analysis, When and Why?
ODS (Operational Deflection Shape) Analysis, When and Why?
 

Semelhante a 13 Diagnóstico de motores eléctricos A Norma ISO 20958 - Análise de assinatura elétrica de motores de indução trifásicos

Análise de vibrações num motor elétrico - avaria no rotor de um motor AC de 2...
Análise de vibrações num motor elétrico - avaria no rotor de um motor AC de 2...Análise de vibrações num motor elétrico - avaria no rotor de um motor AC de 2...
Análise de vibrações num motor elétrico - avaria no rotor de um motor AC de 2...
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
motores trifasicos de ca
  motores trifasicos de ca  motores trifasicos de ca
motores trifasicos de ca
Renato Campos
 
Artigo fuga de corrrente 2 (2)
Artigo fuga de corrrente 2 (2)Artigo fuga de corrrente 2 (2)
Artigo fuga de corrrente 2 (2)
Alcimar Nunes de Paula
 
Assincronas
AssincronasAssincronas
Assincronas
redesinforma
 
Apresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoApresentação motores de indução
Apresentação motores de indução
Luiz Carlos Farkas
 
Maquinas assincronas
Maquinas assincronasMaquinas assincronas
Maquinas assincronas
Samuel R
 
Motores elétricos de ca
Motores elétricos de caMotores elétricos de ca
Motores elétricos de ca
Claudio Queiroz Nascimento
 
Máquinas cc
Máquinas ccMáquinas cc
Máquinas cc
A.C MADEIRA
 
Apostila manutenã§ã£o eletrica
Apostila manutenã§ã£o eletricaApostila manutenã§ã£o eletrica
Apostila manutenã§ã£o eletrica
Rui Pedro Sousa
 
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdfte039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
antoniogff
 
Teoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativasTeoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativas
Rodrigo Prado
 
APRESENTAÇÃO - INSPEÇÃO PREDITIVA EM MANCAIS DE ROLAMENTO DE UMA BOMBA CENTR...
APRESENTAÇÃO -  INSPEÇÃO PREDITIVA EM MANCAIS DE ROLAMENTO DE UMA BOMBA CENTR...APRESENTAÇÃO -  INSPEÇÃO PREDITIVA EM MANCAIS DE ROLAMENTO DE UMA BOMBA CENTR...
APRESENTAÇÃO - INSPEÇÃO PREDITIVA EM MANCAIS DE ROLAMENTO DE UMA BOMBA CENTR...
Sandro Marques Solidario
 
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdfte344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
Tomaz13
 
SLIDE MAQUINAS II.pptx
SLIDE MAQUINAS II.pptxSLIDE MAQUINAS II.pptx
SLIDE MAQUINAS II.pptx
antoniogff
 
Nbr 8400 calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
Nbr 8400   calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargasNbr 8400   calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
Nbr 8400 calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
teyson
 
Nbr 8400 calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
Nbr 8400   calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargasNbr 8400   calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
Nbr 8400 calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
Ailton Macedo Medeiros
 
Manual geral-de-instruções
Manual geral-de-instruçõesManual geral-de-instruções
Manual geral-de-instruções
Adriano Rocha Rocha
 
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
DeyvidDacoregio
 
Norma nbr 8400 calculo de equip.para levantamento e movim.de cargas (1)
Norma nbr 8400 calculo de equip.para levantamento e  movim.de cargas (1)Norma nbr 8400 calculo de equip.para levantamento e  movim.de cargas (1)
Norma nbr 8400 calculo de equip.para levantamento e movim.de cargas (1)
Roserique oliveira carvalho
 
Montagem de painel procedimentos de qualidade
Montagem de painel procedimentos de qualidadeMontagem de painel procedimentos de qualidade
Montagem de painel procedimentos de qualidade
Cezar de Barros
 

Semelhante a 13 Diagnóstico de motores eléctricos A Norma ISO 20958 - Análise de assinatura elétrica de motores de indução trifásicos (20)

Análise de vibrações num motor elétrico - avaria no rotor de um motor AC de 2...
Análise de vibrações num motor elétrico - avaria no rotor de um motor AC de 2...Análise de vibrações num motor elétrico - avaria no rotor de um motor AC de 2...
Análise de vibrações num motor elétrico - avaria no rotor de um motor AC de 2...
 
motores trifasicos de ca
  motores trifasicos de ca  motores trifasicos de ca
motores trifasicos de ca
 
Artigo fuga de corrrente 2 (2)
Artigo fuga de corrrente 2 (2)Artigo fuga de corrrente 2 (2)
Artigo fuga de corrrente 2 (2)
 
Assincronas
AssincronasAssincronas
Assincronas
 
Apresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoApresentação motores de indução
Apresentação motores de indução
 
Maquinas assincronas
Maquinas assincronasMaquinas assincronas
Maquinas assincronas
 
Motores elétricos de ca
Motores elétricos de caMotores elétricos de ca
Motores elétricos de ca
 
Máquinas cc
Máquinas ccMáquinas cc
Máquinas cc
 
Apostila manutenã§ã£o eletrica
Apostila manutenã§ã£o eletricaApostila manutenã§ã£o eletrica
Apostila manutenã§ã£o eletrica
 
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdfte039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
 
Teoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativasTeoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativas
 
APRESENTAÇÃO - INSPEÇÃO PREDITIVA EM MANCAIS DE ROLAMENTO DE UMA BOMBA CENTR...
APRESENTAÇÃO -  INSPEÇÃO PREDITIVA EM MANCAIS DE ROLAMENTO DE UMA BOMBA CENTR...APRESENTAÇÃO -  INSPEÇÃO PREDITIVA EM MANCAIS DE ROLAMENTO DE UMA BOMBA CENTR...
APRESENTAÇÃO - INSPEÇÃO PREDITIVA EM MANCAIS DE ROLAMENTO DE UMA BOMBA CENTR...
 
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdfte344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
 
SLIDE MAQUINAS II.pptx
SLIDE MAQUINAS II.pptxSLIDE MAQUINAS II.pptx
SLIDE MAQUINAS II.pptx
 
Nbr 8400 calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
Nbr 8400   calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargasNbr 8400   calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
Nbr 8400 calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
 
Nbr 8400 calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
Nbr 8400   calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargasNbr 8400   calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
Nbr 8400 calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
 
Manual geral-de-instruções
Manual geral-de-instruçõesManual geral-de-instruções
Manual geral-de-instruções
 
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
 
Norma nbr 8400 calculo de equip.para levantamento e movim.de cargas (1)
Norma nbr 8400 calculo de equip.para levantamento e  movim.de cargas (1)Norma nbr 8400 calculo de equip.para levantamento e  movim.de cargas (1)
Norma nbr 8400 calculo de equip.para levantamento e movim.de cargas (1)
 
Montagem de painel procedimentos de qualidade
Montagem de painel procedimentos de qualidadeMontagem de painel procedimentos de qualidade
Montagem de painel procedimentos de qualidade
 

Mais de DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda

Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursosRecursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticosSistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Caso práctico ventilador
Caso práctico ventiladorCaso práctico ventilador
Caso práctico ventilador
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Caso practico bomba
Caso practico bombaCaso practico bomba
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequênciaAnalisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações X o Cepstro
Analisador de vibrações X  o CepstroAnalisador de vibrações X  o Cepstro
Analisador de vibrações X o Cepstro
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base soltaMCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionadaMCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempoAnalisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequênciaAnalisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
MCM exemplos práticos  - avaria no rotorMCM exemplos práticos  - avaria no rotor
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelopeIII Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelopeII Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentosI Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicasControlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 

Mais de DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda (20)

Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursosRecursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
 
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticosSistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
 
Caso práctico ventilador
Caso práctico ventiladorCaso práctico ventilador
Caso práctico ventilador
 
Caso practico bomba
Caso practico bombaCaso practico bomba
Caso practico bomba
 
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
 
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
 
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequênciaAnalisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
 
Analisador de vibrações X o Cepstro
Analisador de vibrações X  o CepstroAnalisador de vibrações X  o Cepstro
Analisador de vibrações X o Cepstro
 
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base soltaMCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
 
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionadaMCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
 
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempoAnalisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
 
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
 
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequênciaAnalisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
 
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
MCM exemplos práticos  - avaria no rotorMCM exemplos práticos  - avaria no rotor
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
 
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
 
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelopeIII Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
 
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelopeII Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
 
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentosI Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
 
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
 
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicasControlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
 

Último

se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptxSegurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Divina Vitorino
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão
 
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdfEletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
barbosajucy47
 

Último (7)

se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptxSegurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
 
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdfEletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
 

13 Diagnóstico de motores eléctricos A Norma ISO 20958 - Análise de assinatura elétrica de motores de indução trifásicos

  • 1. Diagnóstico de Motores Eléctricos 13 Introdução à ISO 20958:2013 - Análise de assinatura elétrica de motores de indução trifásicos www.DMC.pt
  • 2. Objetivo desta apresentação • Esta apresentação constitui uma introdução ao referido na norma: • ISO 20958:2013 - Análise de assinatura elétrica de motores de indução trifásicos
  • 3. Objetivo desta apresentação • Esta apresentação constitui uma introdução ao referido na norma: • ISO 20958:2013 - Análise de assinatura elétrica de motores de indução trifásicos • Constitui um resumo muito abreviado do que consta na norma;
  • 4. Objetivo desta apresentação • Esta apresentação constitui uma introdução ao referido na norma: • ISO 20958:2013 - Análise de assinatura elétrica de motores de indução trifásicos • Constitui um resumo muito abreviado do que consta na norma; • Aconselha-se aos mais interessados no tema, a leitura da norma.
  • 5. Conteúdo da norma 1. Introdução 2. Análise do espetro da corrente de alimentação do estator 3. Análise da corrente de alimentação do estator - Vector de Park 4. Análise da corrente, tensão e potência 5. Fluxo elétrico-magnético 6. Descargas parciais 7. Interferência eletromagnética 8. Análise da corrente de alimentação do rotor 9. Análise da tensão do veio
  • 6. Introdução • Este Norma Internacional fornece orientações para monitorização de condição on-line e diagnóstico de máquinas no campo da análise da assinatura elétrica de motores de indução trifásicos.
  • 7. Introdução • Este Norma Internacional fornece orientações para monitorização de condição on-line e diagnóstico de máquinas no campo da análise da assinatura elétrica de motores de indução trifásicos. • A fim de esclarecer a situação e atenção direta para os últimos desenvolvimentos neste campo, esta Norma Internacional apresenta: • Uma visão geral de técnicas de monitorização de condição bem estabelecidas, • Uma indicação de algumas que são ser menos conhecidas.
  • 8. Conceitos gerais a) Estudos de fiabilidade mostram que as partes mais vulneráveis de um motor de indução são os rolamentos, as bobines do estator e a bobinagem da gaiola do rotor.
  • 9. Conceitos gerais a) Estudos de fiabilidade mostram que as partes mais vulneráveis de um motor de indução são os rolamentos, as bobines do estator e a bobinagem da gaiola do rotor. b) Há muito material publicado sobre um grupo de técnicas de monitorização e diagnóstico, coletivamente referidas como análise de assinatura elétrica, que podem ser usadas para monitorização de condições de motores de indução.
  • 10. Conceitos gerais a) Estudos de fiabilidade mostram que as partes mais vulneráveis de um motor de indução são os rolamentos, as bobines do estator e a bobinagem da gaiola do rotor. b) Há muito material publicado sobre um grupo de técnicas de monitorização e diagnóstico, coletivamente referidas como análise de assinatura elétrica, que podem ser usadas para monitorização de condições de motores de indução. c) Em geral, estas técnicas são baseadas na análise dos sinais disponíveis nos terminais do motor ou obtidos através de transdutores apropriados instalados na estrutura.
  • 11. Conceitos gerais a) Estudos de fiabilidade mostram que as partes mais vulneráveis de um motor de indução são os rolamentos, as bobines do estator e a bobinagem da gaiola do rotor. b) Há muito material publicado sobre um grupo de técnicas de monitorização e diagnóstico, coletivamente referidas como análise de assinatura elétrica, que podem ser usadas para monitorização de condições de motores de indução. c) Em geral, estas técnicas são baseadas na análise dos sinais disponíveis nos terminais do motor ou obtidos através de transdutores apropriados instalados na estrutura. d) É possível obter informações sobre a saúde e integridade de um motor de indução através da análise de sua assinatura elétrica.
  • 12. Conceitos gerais a) Estudos de fiabilidade mostram que as partes mais vulneráveis de um motor de indução são os rolamentos, as bobines do estator e a bobinagem da gaiola do rotor. b) Há muito material publicado sobre um grupo de técnicas de monitorização e diagnóstico, coletivamente referidas como análise de assinatura elétrica, que podem ser usadas para monitorização de condições de motores de indução. c) Em geral, estas técnicas são baseadas na análise dos sinais disponíveis nos terminais do motor ou obtidos através de transdutores apropriados instalados na estrutura. d) É possível obter informações sobre a saúde e integridade de um motor de indução através da análise de sua assinatura elétrica. e) As variações na corrente elétrica, tensão e energia podem ser igualmente causadas pelo equipamento acionado
  • 13. 1 - Análise da corrente de alimentação do estator (CSA) • Como a corrente do estator também é afetada por fluxos de entreferros e pela corrente do rotor, a análise corrente do estator é capaz de detetar problemas no rotor e no equipamento accionado;
  • 14. 1 - Análise da corrente de alimentação do estator (CSA) • Como a corrente do estator também é afetada por fluxos de entreferros e pela corrente do rotor, a análise corrente do estator é capaz de detetar problemas no rotor e no equipamento accionado; • O monitorização da CSA revolucionou a deteção de barras de rotor quebradas e anéis de curto-circuito fendidos em rotores motores de indução de gaiolas de esquilo (SCI).
  • 15. 1 - Análise da corrente de alimentação do estator (CSA) • Como a corrente do estator também é afetada por fluxos de entreferros e pela corrente do rotor, a análise corrente do estator é capaz de detetar problemas no rotor e no equipamento accionado; • O monitorização da CSA revolucionou a deteção de barras de rotor quebradas e anéis de curto-circuito fendidos em rotores motores de indução de gaiolas de esquilo (SCI). • Frequências específicas na corrente indicam a presença de enrolamentos de rotor defeituosos durante a operação normal do motor.
  • 16. 1 - Análise da corrente de alimentação do estator (CSA) • Como a corrente do estator também é afetada por fluxos de entreferros e pela corrente do rotor, a análise corrente do estator é capaz de detetar problemas no rotor e no equipamento accionado; • O monitorização da CSA revolucionou a deteção de barras de rotor quebradas e anéis de curto-circuito fendidos em rotores motores de indução de gaiolas de esquilo (SCI). • Frequências específicas na corrente indicam a presença de enrolamentos de rotor defeituosos durante a operação normal do motor. • A deteção de barras de rotor quebradas pela CSA às vezes também pode ser confirmada por uma análise de vibração.
  • 17. Análise espetral da corrente de alimentação do estator A análise corrente de alimentação (CSA) tem a capacidade de detectar os seguintes problemas em motores da indução da gaiola de esquilo e de rotor bobinado: • Barras de rotor com fendas ou partidas; • Defeitos de fundição com grandes chochos internos; • Barras partidas e fendidas e ligações quebradas do anel de topo; • Anéis de curto-circuito fendidos; • Excentricidade excessiva da entreferros; • Defeitos de rolamentos; • Desalinhamento do acoplamento; • Curto circuito nos enrolamentos do estator; • Problemas no equipamento acionado.
  • 18. Defeitos da gaiola do rotor • Durante a operação normal do motor, existem frequências específicas no espetro de corrente que indicam a presença de enrolamentos defeituosos no rotor.
  • 19. Defeitos da gaiola do rotor • Durante a operação normal do motor, existem frequências específicas no espetro de corrente que indicam a presença de enrolamentos defeituosos no rotor. • A deteção de barras de rotor quebradas pela CSA às vezes também pode ser confirmada por uma análise de vibração.
  • 20. Defeitos da gaiola do rotor • Durante a operação normal do motor, existem frequências específicas no espetro de corrente que indicam a presença de enrolamentos defeituosos no rotor. • A deteção de barras de rotor quebradas pela CSA às vezes também pode ser confirmada por uma análise de vibração. • Em termos simples, a corrente que flui no bobines do estator não depende apenas da fonte de alimentação e da impedância do bobines do estator, mas também inclui a corrente induzida no bobines do estator pelo campo magnético do rotor.
  • 21. Defeitos da gaiola do rotor • Durante a operação normal do motor, existem frequências específicas no espetro de corrente que indicam a presença de enrolamentos defeituosos no rotor. • A deteção de barras de rotor quebradas pela CSA às vezes também pode ser confirmada por uma análise de vibração. • Em termos simples, a corrente que flui no bobines do estator não depende apenas da fonte de alimentação e da impedância do bobines do estator, mas também inclui a corrente induzida no bobines do estator pelo campo magnético do rotor. • Ou seja, as bobines do estator são uma sonda ou "transdutor" para problemas no rotor.
  • 22. Defeitos da gaiola do rotor • Durante a operação normal do motor, existem frequências específicas no espetro de corrente que indicam a presença de enrolamentos defeituosos no rotor. • A deteção de barras de rotor quebradas pela CSA às vezes também pode ser confirmada por uma análise de vibração. • Em termos simples, a corrente que flui no bobines do estator não depende apenas da fonte de alimentação e da impedância do bobines do estator, mas também inclui a corrente induzida no bobines do estator pelo campo magnético do rotor. • Ou seja, as bobines do estator são uma sonda ou "transdutor" para problemas no rotor. • A questão-chave é separar as correntes que fluem através do estator para accionar o rotor, das correntes que o rotor induz de volta para o estator, se houver um problema.
  • 23. Defeitos da gaiola do rotor • Durante a operação normal do motor, existem frequências específicas no espetro de corrente que indicam a presença de enrolamentos defeituosos no rotor. • A deteção de barras de rotor quebradas pela CSA às vezes também pode ser confirmada por uma análise de vibração. • Em termos simples, a corrente que flui no bobines do estator não depende apenas da fonte de alimentação e da impedância do bobines do estator, mas também inclui a corrente induzida no bobines do estator pelo campo magnético do rotor. • Ou seja, as bobines do estator são uma sonda ou "transdutor" para problemas no rotor. • A questão-chave é separar as correntes que fluem através do estator para accionar o rotor, das correntes que o rotor induz de volta para o estator, se houver um problema. • Essa separação é realizada medindo componentes de corrente a outras frequências além da frequência de rede, usando um analisador de espectro de frequência de alta resolução.
  • 24. Interpretação do espetro de corrente • A interpretação básica requer comparação da banda lateral inferior, a duas vezes a frequência de deslizamento, com a componente à frequência da rede
  • 25. Interpretação do espetro de corrente • A interpretação básica requer comparação da banda lateral inferior, a duas vezes a frequência de deslizamento, com a componente à frequência da rede • A experiência mostra que, se a amplitude banda lateral se tornar maior do que cerca (≤-50 dB) da componente à frequência de rede, então são prováveis avarias no rotor
  • 26. Interpretação do espetro de corrente • A interpretação básica requer comparação da banda lateral inferior, a duas vezes a frequência de deslizamento, com a componente à frequência da rede • A experiência mostra que, se a amplitude banda lateral se tornar maior do que cerca (≤-50 dB) da componente à frequência de rede, então são prováveis avarias no rotor • Quanto maior a amplitude da banda lateral, então mais grave é a deterioração do rotor.
  • 27. Outras frequências no espetro de corrente • Engrenagens • As engrenagens acionadas podem criar bandas laterais simétricas em torno da corrente de frequência fundamental, que podem parecer barras no rotor com defeitos.
  • 28. Outras frequências no espetro de corrente • Engrenagens • As engrenagens acionadas podem criar bandas laterais simétricas em torno da corrente de frequência fundamental, que podem parecer barras no rotor com defeitos. • Excentricidade na folga de entreferros • A excentricidade da entreferros dá uma série de componentes à frequência da passagem de barras do rotor com bandas laterais à frequência de rotação do rotor. Para avaliar a excentricidade da entreferros do motor a partir deste espectro, é selecionada a componente de frequência de passagem de barras com o maior magnitude. De seguida é determinada a diferença média de magnitude entre as bandas laterais à velocidade de rotação em relação à componente à velocidade de passagem de barras do rotor, anteriormente selecionada. Quanto menor for a diferença média de magnitude, mais excêntrico está a folga de entre-ferros.
  • 29. Outras frequências no espetro de corrente • Engrenagens • As engrenagens acionadas podem criar bandas laterais simétricas em torno da corrente de frequência fundamental, que podem parecer barras no rotor com defeitos. • Excentricidade na folga de entreferros • A excentricidade da entreferros dá uma série de componentes à frequência da passagem de barras do rotor com bandas laterais à frequência de rotação do rotor. Para avaliar a excentricidade da entreferros do motor a partir deste espectro, é selecionada a componente de frequência de passagem de barras com o maior magnitude. De seguida é determinada a diferença média de magnitude entre as bandas laterais à velocidade de rotação em relação à componente à velocidade de passagem de barras do rotor, anteriormente selecionada. Quanto menor for a diferença média de magnitude, mais excêntrico está a folga de entre-ferros. • Curto circuitos nas bobines do estator em motores de baixa tensão
  • 30. Outras frequências no espetro de corrente • Engrenagens • As engrenagens acionadas podem criar bandas laterais simétricas em torno da corrente de frequência fundamental, que podem parecer barras no rotor com defeitos. • Excentricidade na folga de entreferros • A excentricidade da entreferros dá uma série de componentes à frequência da passagem de barras do rotor com bandas laterais à frequência de rotação do rotor. Para avaliar a excentricidade da entreferros do motor a partir deste espectro, é selecionada a componente de frequência de passagem de barras com o maior magnitude. De seguida é determinada a diferença média de magnitude entre as bandas laterais à velocidade de rotação em relação à componente à velocidade de passagem de barras do rotor, anteriormente selecionada. Quanto menor for a diferença média de magnitude, mais excêntrico está a folga de entre-ferros. • Curto circuitos nas bobines do estator em motores de baixa tensão • Rolamentos • As frequências especificas de defeitos nos rolamentos surgem no espetro de corrente
  • 31. Outras frequências no espetro de corrente • Engrenagens • As engrenagens acionadas podem criar bandas laterais simétricas em torno da corrente de frequência fundamental, que podem parecer barras no rotor com defeitos. • Excentricidade na folga de entreferros • A excentricidade da entreferros dá uma série de componentes à frequência da passagem de barras do rotor com bandas laterais à frequência de rotação do rotor. Para avaliar a excentricidade da entreferros do motor a partir deste espectro, é selecionada a componente de frequência de passagem de barras com o maior magnitude. De seguida é determinada a diferença média de magnitude entre as bandas laterais à velocidade de rotação em relação à componente à velocidade de passagem de barras do rotor, anteriormente selecionada. Quanto menor for a diferença média de magnitude, mais excêntrico está a folga de entre-ferros. • Curto circuitos nas bobines do estator em motores de baixa tensão • Rolamentos • As frequências especificas de defeitos nos rolamentos surgem no espetro de corrente • Outros problemas mecânicos • Quando influenciam a folga de ferros as respetivas frequências aparecem no espetro de corrente
  • 32. 2- Análise de corrente – o Vector de Park • O vetor de Park é uma abordagem matemática para representar três fases como duas fases ortogonais, o que permite uma análise muito mais simples. • Isto pode ser usado para monitorar as correntes de alimentação de motores de indução. • Este aproximação, não invasiva, tem sido usado com sucesso em ambientes industriais para diagnosticar avarias motores de indução trifásicos, como sejam: • Tensões de alimentação desequilibradas, • Excentricidade do entre-ferros, • Falhas de isolamento entre fases • Desalinhamento mecânico, • Falhas de isolamento entre fases em rotores bobinados • Falhas em motores de gaiola de esquilo
  • 33. 3 - Análise de tensão, corrente e potência • Além da corrente de alimentação do motor, a tensão também é facilmente acessível e pode dar informação adicional para a análise da condição do motor.
  • 34. 3 - Análise de tensão, corrente e potência • Além da corrente de alimentação do motor, a tensão também é facilmente acessível e pode dar informação adicional para a análise da condição do motor. • Nesse contexto a potência, sendo uma quantidade diretamente relacionada com a corrente e a tensão, adquire um significado particular.
  • 35. 3 - Análise de tensão, corrente e potência • Além da corrente de alimentação do motor, a tensão também é facilmente acessível e pode dar informação adicional para a análise da condição do motor. • Nesse contexto a potência, sendo uma quantidade diretamente relacionada com a corrente e a tensão, adquire um significado particular. • Monitorar as correntes das três fases, as tensões de alimentação fase-a-fase e a entrada de energia quadro do motor, durante o seu funcionamento ou arranque podem fornecer identificação precoce de defeitos relacionados o estator ou com o rotor.
  • 36. 3 - Análise de tensão, corrente e potência - ensaios • Em serviço • Corrente (devido a impedância desequilibrada) ou tensão desequilibrada; • Tensão desequilibrada devido a problemas na alimentação; • Monitorização da potência; • Análise de conteúdo harmónico da tensão • Arranques • Tempo de arranque; • Análise de transientes
  • 37. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • Este sistema funciona de acordo com o esquema da Figura.
  • 38. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • Este sistema funciona de acordo com o esquema da Figura. • Mede a corrente e a tensão quando o motor está em funcionamento.
  • 39. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • Este sistema funciona de acordo com o esquema da Figura. • Mede a corrente e a tensão quando o motor está em funcionamento. • Cria automaticamente um modelo matemático do relacionamento entre a corrente e a tensão.
  • 40. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • Este sistema funciona de acordo com o esquema da Figura. • Mede a corrente e a tensão quando o motor está em funcionamento. • Cria automaticamente um modelo matemático do relacionamento entre a corrente e a tensão. • Ao aplicar este modelo à tensão medida, uma corrente modelada é calculada e este resultado é comparado (subtraído) com a corrente medida real.
  • 41. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • Os desvios entre a corrente medida e a corrente modelada representam imperfeições no motor e máquinas acionadas, que podem ser analisados usando uma combinação de: • Vetor de Park para simplificar as correntes trifásicos em duas fases ortogonais (D & Q), • análise Fourier para dar um gráfico de densidade espectral de energia, • Avaliação algorítmica do espectro resultante para identificar falhas específicas ou modos de falha.
  • 42. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • Os desvios entre a corrente medida e a corrente modelada representam imperfeições no motor e máquinas acionadas, que podem ser analisados usando uma combinação de: • Vetor de Park para simplificar as correntes trifásicos em duas fases ortogonais (D & Q), • análise Fourier para dar um gráfico de densidade espectral de energia, • Avaliação algorítmica do espectro resultante para identificar falhas específicas ou modos de falha. • Estes sistemas são projetados para a instalação permanente como uma solução da monitorização da condição;
  • 43. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais como: • Desequilíbrio;
  • 44. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais como: • Desequilíbrio; • Desalinhamento;
  • 45. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais como: • Desequilíbrio; • Desalinhamento; • Problemas nos rolamentos no motor e equipamentos acionados;
  • 46. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais como: • Desequilíbrio; • Desalinhamento; • Problemas nos rolamentos no motor e equipamentos acionados; • Problemas de isolamento,
  • 47. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais como: • Desequilíbrio; • Desalinhamento; • Problemas nos rolamentos no motor e equipamentos acionados; • Problemas de isolamento, • Enrolamentos do estator soltos,
  • 48. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais como: • Desequilíbrio; • Desalinhamento; • Problemas nos rolamentos no motor e equipamentos acionados; • Problemas de isolamento, • Enrolamentos do estator soltos, • Problemas no rotor,
  • 49. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais como: • Desequilíbrio; • Desalinhamento; • Problemas nos rolamentos no motor e equipamentos acionados; • Problemas de isolamento, • Enrolamentos do estator soltos, • Problemas no rotor, • Desequilíbrio corrente ou de tensão e distorção harmónica.
  • 50. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • O tipo de falhas que podem ser detetadas inclui uma série de problemas mecânicos elétricos tais como: • Desequilíbrio; • Desalinhamento; • Problemas nos rolamentos no motor e equipamentos acionados; • Problemas de isolamento, • Enrolamentos do estator soltos, • Problemas no rotor, • Desequilíbrio corrente ou de tensão e distorção harmónica. • Como esses sistemas medem a corrente e a tensão, também monitorizam a energia e são capazes de identificar problemas causados por condições operacionais incomuns e identificar causas de perda de eficiência.
  • 51. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) – diferença relativamente á análise do espetro de frequência da corrente • Como estes sistemas examinam apenas a diferença entre as correntes reais e as previstas, efetivamente filtram todos os sinais elétricos normais que são tão aparentes na Análise Espectral de Corrente convencional (CSA), deixando um conjunto muito mais simples de sinais a serem analisados.
  • 52. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) – diferença relativamente á análise do espetro de frequência da corrente • Como estes sistemas examinam apenas a diferença entre as correntes reais e as previstas, efetivamente filtram todos os sinais elétricos normais que são tão aparentes na Análise Espectral de Corrente convencional (CSA), deixando um conjunto muito mais simples de sinais a serem analisados. • Como esses sistemas são baseados na relação entre tensão e a corrente, lidam bem com sistemas accionados para variador de frequência , onde a tensão de entrada pode ser de uma frequência variável e pode haver uma forma de onda barulhenta com muitas harmónicas.
  • 53. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) – diferença relativamente á análise do espetro de frequência da corrente • Como estes sistemas examinam apenas a diferença entre as correntes reais e as previstas, efetivamente filtram todos os sinais elétricos normais que são tão aparentes na Análise Espectral de Corrente convencional (CSA), deixando um conjunto muito mais simples de sinais a serem analisados. • Como esses sistemas são baseados na relação entre tensão e a corrente, lidam bem com sistemas accionados para variador de frequência , onde a tensão de entrada pode ser de uma frequência variável e pode haver uma forma de onda barulhenta com muitas harmónicas. • Os sistemas baseados em modelo retiram efetivamente todo o ruído do sinal de tensão do sinal corrente resultante, deixando apenas as imperfeições subjacentes.
  • 54. Análise de tensão, corrente e potência – método de comparação com modelo (MCM) • A facilidade de utilização e baixo custo deste tipo de equipamento torna-o apropriado também para equipamentos de menor criticidade.
  • 55. 5 - Análise de fluxo magnético • Qualquer distorção na densidade do fluxo de entreferros devido a defeitos no rotor ou no estator configura um fluxo homopolar axial no eixo que pode ser detectado por uma bobina de pesquisa instalada ao redor do eixo. • Uma escala de defeitos do estator e do rotor pode ser deduzida do espectro do fluxo axial obtido realizando uma transformação de Fourier na forma de onda da bobina da busca.
  • 56. 6- Análise de descargas parciais (DP) • O aviso da avaria elétrica incipiente da bobine de um estator do motor pode ser obtido pela medida em linha da atividade de Descargas Parciais. • A degradação gradual do isolamento da bobine leva a um aumento da atividade de DP; • Ainda não foi comprovado com sucesso a relação quantitativa entre essa atividade e a vida restante do isolamento, que é necessária para o monitorização da condição,.
  • 57. Descargas Parciais – o que são e quando ocorrem • As Descargas Parciais são pequenas faíscas elétricas que ocorrem em bobines convencionais de 50 ou 60 Hz classificados como 3,3 kV ou superior. • As Descargas Parciais são inexistente ou insignificante em bobines do estator bem feitas e que estão em boas condições. • No entanto, se o sistema de isolamento das bobines for mal feito, ou se deteriorou devido ao sobreaquecimento, movimento da bobina ou contaminação, então a podem ocorrer Descargas Parciais. • Um teste de DP mede diretamente as correntes de pulso resultantes das Desrcargas Parciais dentro de uma bobine.
  • 58. 7 - Teste de interferência eletromagnética • O teste de interferência eletromagnética (EMI) é uma técnica que pode detectar e identificar a atividade de descargas parciais resultante de defeitos de isolamento, bem como condições de arco que resultam de defeitos condutores e mecânicos. • A EMI foi aplicada a motores de indução em aplicações industriais de serviços públicos, petroquímicas e pesadas. • O teste é realizado enquanto o motor está em serviço durante as condições normais de carga. • A Interferência Eletromagnética é uma medida no domínio de frequência da energia de radiofrequência que resulta de Descargas Parciais, e arco em defeitos motores, tais como correntes de veio através de rolamentos, barras de rotor quebrado, condutores do estator quebrados, conexões soltas, legação do veio à terra inadequado, e alguns tipos de problemas mecânicos, tais como desalinhamento de acoplamento.
  • 59. 8 - Análise corrente do rotor • A corrente do rotor de um motor da indução é facilmente acessível em máquinas do rotor bobinado. • No entanto, em tais máquinas, o circuito de rotor é mal protegido na maioria das instalações. • Defeitos nas junções efetuadas por brasagem muitas vezes causaram danos graves, porque não foram detetados prontamente. • O superaquecimento do rotor também pode ser causado pelo desequilíbrio de corrente nos resistores externos ligados aos anéis de deslizamento.
  • 60. 9 - Análise de tensão do veio • É sabido que qualquer distorção na distribuição interna de fluxo numa máquina elétrica pode produzir tensões no veio e os efeitos prejudiciais das correntes produzidas por tais tensões têm sido reconhecidos como a causa das correntes de veio que podem causar avarias.
  • 61. 9 - Análise de tensão do veio • É sabido que qualquer distorção na distribuição interna de fluxo numa máquina elétrica pode produzir tensões no veio e os efeitos prejudiciais das correntes produzidas por tais tensões têm sido reconhecidos como a causa das correntes de veio que podem causar avarias. • Tais tensões do veio resultam da assimetria no circuito magnético de um motor devido às variações em propriedades magnéticas do aço do núcleo dentro dos trajetos de giro do fluxo magnético.
  • 62. 9 - Análise de tensão do veio • É sabido que qualquer distorção na distribuição interna de fluxo numa máquina elétrica pode produzir tensões no veio e os efeitos prejudiciais das correntes produzidas por tais tensões têm sido reconhecidos como a causa das correntes de veio que podem causar avarias. • Tais tensões do veio resultam da assimetria no circuito magnético de um motor devido às variações em propriedades magnéticas do aço do núcleo dentro dos trajetos de giro do fluxo magnético. • Isto induz uma tensão do AC do laço condutor que compreende o eixo do motor, os rolamentos, os suportes finais, e ao estrutura exterior do motor.
  • 63. 9 - Análise de tensão do veio • É sabido que qualquer distorção na distribuição interna de fluxo numa máquina elétrica pode produzir tensões no veio e os efeitos prejudiciais das correntes produzidas por tais tensões têm sido reconhecidos como a causa das correntes de veio que podem causar avarias. • Tais tensões do veio resultam da assimetria no circuito magnético de um motor devido às variações em propriedades magnéticas do aço do núcleo dentro dos trajetos de giro do fluxo magnético. • Isto induz uma tensão do AC do laço condutor que compreende o eixo do motor, os rolamentos, os suportes finais, e ao estrutura exterior do motor. • Se a tensão induzida é suficiente para quebrar o isolamento fornecido pelo lubrificante, a corrente flui através do anel, incluindo ambos os rolamentos.
  • 64. 9 - Análise de tensão do veio • É sabido que qualquer distorção na distribuição interna de fluxo numa máquina elétrica pode produzir tensões no veio e os efeitos prejudiciais das correntes produzidas por tais tensões têm sido reconhecidos como a causa das correntes de veio que podem causar avarias. • Tais tensões do veio resultam da assimetria no circuito magnético de um motor devido às variações em propriedades magnéticas do aço do núcleo dentro dos trajetos de giro do fluxo magnético. • Isto induz uma tensão do AC do laço condutor que compreende o eixo do motor, os rolamentos, os suportes finais, e ao estrutura exterior do motor. • Se a tensão induzida é suficiente para quebrar o isolamento fornecido pelo lubrificante, a corrente flui através do anel, incluindo ambos os rolamentos. • Desenvolvimentos recentes, levaram a alguma fiabilidade e utilidade deste método.