SlideShare uma empresa Scribd logo
1 - PROJETO - ESTUDOS PRELIMINARES

APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE:
• Elaborar um bom projeto arquitetônico;
• Utilizando métodos simples, definir a planimetria e a altimetria de um terreno;
• Analisar a topografia de um terreno;
• Utilizar melhor a topografia dos terrenos.

Os projetos são peças importantes na execução de uma obra. Um projeto
bem elaborado reduz muito as incertezas e dúvidas como também o desperdício de
material e de mão-de-obra. Todas as possibilidades e informações devem ser
analisadas e discutidas na fase de projeto. Começamos com:
•
•
•
•

Estudo com o cliente;
Exame local do terreno;
Restrições da Prefeitura ou de outros órgãos;
Levantamento topográfico.

Com os dados levantados, podemos então iniciarmos a elaboração dos
projetos de maneira a aproveitar melhor o terreno a insolação etc.
1.1 - ESTUDO COM O CLIENTE

Sabemos que para se elaborar um projeto devemos antes de mais nada,
realizar uma entrevista com os interessados em executar qualquer tipo de
construção. O cliente poderá ser um grupo de profissionais (médicos, industriais
etc), municipalidade, entidades, uma família etc. Nesta apostila o nosso cliente será
o interessado juntamente com os seus familiares, pois vamos nos ater a pequenas
obras (residências unifamiliares).
Devemos considerar que geralmente o cliente é praticamente leigo, cabendo
então ao profissional orientar esta entrevista, para obter o maior número possível de
dados.
Para auxiliar na objetividade da entrevista inicial com o cliente, podemos
utilizar um questionário (Tabela 1.1), que tem a função de orientar evitando
esquecimentos.
Este modelo de questionário poderá ser preenchido parcialmente durante a
entrevista. Não é possível seu preenchimento completo, pois é útil e indispensável
uma visita ao terreno, antes de iniciarmos o projeto.

1
Tabela 1.1 - Modelo de questionário para uso residencial
PROJETO RESIDENCIAL

nº _______

I Dados do cliente:
Nome:_________________________________________________ e-mail ___________________
End. Res.:___________________________________CEP __________ Fone ( )______________
End. Com.:__________________________________CEP __________ Fone ( )______________
CPF: ________________________________RG: _______________________________________
Nome Esp.:____________________________________________ e-mail____________________
End. Com.:________________________________________________ Fone ( )______________
Prof. Ele: _______________________________ Ela _____________________________________
II Dados do Terreno
Localização:
Medidas: Frente _____________ LE _____________ LD ____________ Fundo _______________
Rua: ________________________________ CEP ____________Bairro: ____________________
Lote: _______________ Quadra: ________________ Quarteirão: __________________________
Larg. da rua: ____________ Tipo de Pav.: _______________ nº casas Viz. __________________
Distância da esquina__________________________Largura do passeio:____________________
Inclinação do Terreno:
Plano

Inclinação lateral

Sobe para os Fundos

Suave

Esquerda

Desce para os Fundos

Forte

Direita

Local de passagem da rede de Água
Centro
Local de passagem da rede de Esgoto

LE

LD

Centro
Os terrenos vizinhos estão construídos ?

LD

LD

LE
LD
Nível econômico das construções no local

Fundos

Alto

Médio

Popular

Croquis de situação

III Restrição da Prefeitura
Zoneamento: ______ To (taxa de ocupação)______ Ca (coeficiente de aproveitamento) _______
Recuos obrigatórios:

de frente ___________________
lateral _____________________
de fundo ___________________

% de área permeável_______________Outros ________________________________________

2
IV Da Futura Construção
Nº de Pav.: ________ Área aprox. de construção: ________m²
usuários: ____
Dados dos usários: sexo________ idade_______
Ambientes

Méd.Aprox.

Pisos

Paredes

Tetos

Estilo: ____________Nº de

Portas

Janelas

Verba disponível: R$ ______________________________________
Revestimento Externo:
Pisos: ______________________________Paredes: ___________________________________
Fachada: ___________________________ Muro: ______________________________________
Detalhes: _______________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

1.2 - EXAME LOCAL DO TERRENO
Sem sabermos as características do terreno, é quase impossível executar-se
um bom projeto.
As características ideais de um terreno para um projeto econômico são:
a) Não existir grandes movimentações de terra para a construção;
b) Ter dimensões tais que permita projeto e construção de boa residência;
c) Ser seco;
d) Ser plano ou pouco inclinado para a rua;
e) Ser resistente para suportar bem a construção;
f ) Ter facilidade de acesso;
g) Terrenos localizados nas áreas mais altas dos loteamentos;
h) Escolher terrenos em áreas não sujeitas a erosão;
i) Evitar terrenos que foram aterrados sobre materiais sujeitos a
decomposição orgânica.
Mas como nem sempre estas características são encontradas nos lotes
urbanos, devemos levá-las em consideração quando da visita ao lote, levantando os
seguintes pontos:
a) Deve-se identificar no local o verdadeiro lote adquirido segundo a
escritura, colhendo-se todas as informações necessárias;
b) Verificar junto a Prefeitura da Municipalidade, se o loteamento onde se
situa o terreno, foi devidamente aprovado e está liberado para
construção;
c) Números das casa vizinhas ou mais próximas do lote;

3
d) Situação do lote dentro da quadra, medindo-se a distância da esquina ou
construção mais próxima.
e) Com bússola de mão, confirmar a posição da linha N-S.
f) Verificar se existem benfeitorias.(água, esgoto, energia)
g) Sendo o terreno com inclinação acentuada, em declive, verificar se existe
viela-sanitária vizinha do lote, em uma das divisas laterais ou fundo;
h) Verificar se passa perto do lote, linha de alta tensão, posição de postes,
bueiros, etc...
i) Verificar se existe faixa non edificandi .( de não construção)
j) Verificar a largura da rua e passeio.
Obs.: Todos esses dados poderão ser acrescidos no questionário anterior.
Geralmente, estes dados colhidos na visita ao terreno não são suficientes, e
na maioria das vezes, devemos pedir previamente que se execute uma limpeza do
terreno e um levantamento plani-altimétrico.
1.3 - LIMPEZA DO TERRENO
Temos algumas modalidades para limpeza do terreno, que devemos levar em
consideração e sabermos defini-las:
1.3.1 - Carpir - Quando a vegetação é rasteira e com pequenos arbustos,
usando para tal, unicamente a enxada.
1.3.2 - Roçar - Quando além da vegetação rasteira, houver árvores de
pequeno porte, que poderão ser cortadas com foice.
1.3.3 - Destocar - Quando houver árvores de grande porte, necessitando
desgalhar, cortar ou serrar o tronco e remover parte da raiz.
Este serviço pode ser feito com máquina ou manualmente.
Os serviços serão executados de modo a não deixar raízes ou tocos de
árvore que possam dificultar os trabalhos. Todo material vegetal, bem como o
entulho terão que ser removidos do canteiro de obras.
1.4 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO DE LOTES URBANOS

O levantamento topográfico é geralmente apresentado através de desenhos
de planta com curvas de nível e de perfis.
Deve retratar a conformação da superfície do terreno, bem como as
dimensões dos lotes, com a precisão necessária e suficiente proporcionando dados
confiáveis que, interpretados e manipulados corretamente, podem contribuir no
desenvolvimento do projeto arquitetônico e de implantação (Pinto Jr.et al, 2001)
1.4.1 - MEDIDAS DO TERRENO (LEVANTAMENTO PLANIMÉTRICO)

Executada a limpeza do terreno e considerando que os projetos serão
elaborados para um determinado terreno, é necessário que se tenha as medidas
corretas do lote, pois nem sempre as medidas indicadas na escritura conferem com
as medidas reais.

4
Apesar de não pretendermos invadir o campo da topografia, vamos mostrar
em alguns desenhos, os processos mais rápidos para medir um lote urbano.
Os terrenos urbanos, são geralmente de pequena área possibilitando,
portando, a sua medição sem aparelhos ou processos próprios da topografia desde
que se tenha uma referência confiável (casa vizinha, esquina, piquetes etc). No
entanto, casos mais complexos, sem referência, necessitamos de um levantamento
executado por profissional de topografia.
a) Lote regular
Geralmente em forma de retângulo, bastando portanto medir os seus "quatro"
lados, e usar o valor médio, caso as medidas encontradas forem diferentes as da
escritura.(Figura 1.1).

Figura 1.1-Lote regular

Obs. Para verificar se o lote está no esquadro, devemos medir as
diagonais que deverão ser iguais.

b) Lote irregular com pouco fundo
Medir os quatro lados e as duas diagonais (Figura 1.2).

Figura 1.2-Lote irregular com pouco fundo

5
c) Lote irregular com muita profundidade
Neste caso, a medição da diagonal se torna imperfeita devido a grande
distância Convém utilizar um ponto intermediário "A" diminuindo assim o
comprimento da diagonal (Figura 1.3).

Figura 1.3-Lote irregular com muita profundidade

d) Lote com um ou mais limites em curva
Para se levantar o trecho em curva, o mais preciso será a medição da corda e
da flecha (central).
Nestes casos devemos demarcar as divisas retas até encontrarmos os pontos
do início e fim da corda. Medir a corda e a flecha no local.
E com o auxílio de um desenho (realizado no escritório) construir a curva a
partir da determinação do centro da mesma utilizando a flecha e a corda (Figura
1.4).
c = corda

f = flecha

Construção da curva

Figura 1.4-Lote com setor curvo

6
1.5 - NIVELAMENTO (LEVANTAMENTO ALTIMÉTRICO)
É de grande importância para elaborarmos um projeto racional, que sejam
aproveitadas as diferenças de nível do lote.
Podemos identificar a topografia do lote através das curvas de níveis.
A curva de nível é uma linha constituída por pontos todos de uma mesma
cota ou altitude de uma superfície qualquer. Quando relacionadas a outras curvas
de nível permite comparar as altitudes e se projetadas sobre um plano horizontal
podem apresentar as ondulações, depressões, inclinações etc. de uma superfície
(Figura 1.5)
Podemos observar na Figura 1.5 que quando mais inclinada for a superfície
do terreno, as distâncias entre as curvas serão menores, menos inclinada as
distâncias serão maiores d1 < d2.

3,0

2,0 1,0

1,0

3,0

2,0

RN 0,0

3,0

3,0

d1 2,0

2,0
1,0

d2

1,0
RN 0,0

Figura 1.5-Representação de curva de nível (Pinto Jr.et al, 2001)

As curvas de níveis são elaboradas utilizando aparelhos topográficos que nos
fornecem os níveis, os ângulos, as dimensões de um terreno ou área.
Este levantamento não é muito preciso, quando utilizamos métodos simples
para a sua execução (descritos nos itens 1.5.1; 1.5.2; 1.5.3), mas é o suficiente para
construção residencial unifamiliar, que geralmente utilizam terrenos pequenos. Caso
seja necessário algo mais rigoroso, devemos fazer um levantamento com aparelhos
recorrendo a um topógrafo.
Geralmente é suficiente tirar um perfil longitudinal e um transversal do
terreno, mas nada nos impede de tirarmos mais, caso necessário.

7
Nos métodos descritos abaixo se usa basicamente balizas com distância uma
da outra no máximo de 5,0m, ou de acordo com a inclinação do terreno. Terrenos
muito íngremes a distância deverá ser menor e terrenos com pouca inclinação
podemos utilizar as balizas na distância de 5,0 em 5,0m.
Alguns métodos para levantarmos o perfil do terreno:
a)

Com o nível e Abney ( clinômetro)

b)

Com o nível de mão

c)

Com o nível de mangueira

1.5.1) Com uso do clinômetro (Nível de Abney) Figuras 1.6 e 1.7.
Materiais:

clinômetro
2 balizas
trena

Figura 1.6-Clinômetro ou Nível de Abney (Borges, 1972)

Figura 1.7-Clinômetro inclinado proporcionando a leitura (Borges, 1972)

8
Coloca-se o clinômetro (Figura 1.8), na 1ª baliza a uma altura de 1,50m
(ponto A). Inclina-se o tubo do clinômetro para avistarmos o ponto B. Pela ócula se
vê a bolha e giramos o parafuso até colocá-la na horizontal e produzirá sobre a
graduação (através de um ponteiro fixo no parafuso) a leitura do ângulo α. Resta
medir a distância horizontal "d" ou a inclinada "m".

B

A

Figura 1.8-Realização das medidas utilizando o Clinômetro (Borges, 1972)

1.5.2) Nível de bolha
Materiais
:

- Nível de bolha;
- 2 balizas;
- régua
- trena.

Utilizando o método do nível de bolha, a medida do desnível se consegue
colocando uma régua entre as duas balizas. Com o auxílio do nível de bolha,
nivelamos a régua (Figura 1.9). O desnível obtido é a diferença entre o H e h e
assim consecutivamente. Com os diversos desníveis conseguimos delinear um
perfil.

9
Figura 1.9 Utilização do nível de bolha

1.5.3) Nível de mangueira
O método da mangueira é um dos mais utilizados. Fundamenta-se no
princípio dos vasos comunicantes, que nos fornece o nível. Este é o método que os
pedreiros utilizam para nivelar a obra toda, desde a marcação da obra até o
nivelamento dos pisos, batentes, azulejos etc...
A mangueira deve ter pequeno diâmetro, parede espessa para evitar dobras
e ser transparente.
Para uma boa marcação ela deve estar posicionada entre as balizas, sem
dobras ou bolhas no seu interior (Figura 1.10 e 1.11). A água deve ser colocada
lentamente para evitar a formação de bolhas.

Figura 1.10 - Posição da água quando não existe bolhas

10
Para utilizarmos o nível de mangueira necessitamos:

Materiais:

- Mangueira
- 2 balizas
- Trena

Figura 1.11 - Processo da mangueira de nível

Para facilitar a medição, podemos partir com o nível d'água em uma
determinada altura "h" numa das balizas, que será descontada na medida
encontrada na segunda baliza “H”. Fazemos isso para não precisarmos colocar o
nível d'água direto no ponto zero (próximo do terreno), o que dificultaria a leitura e
não nos forneceria uma boa medição.
O desnível é obtido pela diferença entre “H” e “h”.
Exemplos de medição com mangueira:
•
•

Em terrenos com aclive
Em terrenos com declive

11
a) Terreno em aclive:

Portanto: h1 = H -h ; h2 = H'- h' ......
Htot = h1 + h2 +
hn
.

Figura 1.12 - Levantamento altimétrico em terreno com aclive

b) Terreno em declive:

Portanto: h1 = H -h ; h2 = H'- h' ......
Htot = h1 + h2 +
hn
.

Figura 1.13 - Levantamento altimétrico em terreno com declive

12
ANOTAÇÕES
1 - Devemos ter o cuidado de não deixar nenhuma bolha de ar dentro da
mangueira, para não dar erro nas medições (Figura 1.13).
2 - A mangueira deve ser transparente, e de pequeno diâmetro, da ordem de
∅ 1/4" ou 5/16" para obter maior sensibilidade.
3 - A espessura da parede da mangueira deve ser espessa para evitar dobras

13

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Iab sc tabela-honorarios
Iab sc tabela-honorariosIab sc tabela-honorarios
Iab sc tabela-honorarios
Antônio Souza
 
Modelo memorial descritivo obra
Modelo memorial descritivo obraModelo memorial descritivo obra
Modelo memorial descritivo obra
Engen. de incêndio Josiel
 
Detalhamento - Escada
Detalhamento - EscadaDetalhamento - Escada
Detalhamento - Escada
danilosaccomori
 
Estudo preliminar
Estudo preliminarEstudo preliminar
Estudo preliminar
Daniela Santos
 
Recursos paisagisticos 1431454341
Recursos paisagisticos 1431454341Recursos paisagisticos 1431454341
Recursos paisagisticos 1431454341
Audrey Guimarães
 
Cortes e fachadas
Cortes e fachadasCortes e fachadas
Cortes e fachadas
Yuri Daher
 
Detalhamento - Áreas Molhadas
Detalhamento - Áreas MolhadasDetalhamento - Áreas Molhadas
Detalhamento - Áreas Molhadas
danilosaccomori
 
Anexo iii.h modelo diário de obra
Anexo iii.h   modelo diário de obraAnexo iii.h   modelo diário de obra
Anexo iii.h modelo diário de obra
Luiz Carlos Gonçalves Grossi Jr
 
Projeto arquitetônico
Projeto arquitetônicoProjeto arquitetônico
Projeto arquitetônico
rodrigo ramon
 
Contrução de um Galpão
Contrução de um GalpãoContrução de um Galpão
Contrução de um Galpão
Marco Coghi
 
Noções básicas de construção civil
Noções básicas de construção civilNoções básicas de construção civil
Noções básicas de construção civil
mariotellesjr
 
Detalhamento de bdi
Detalhamento de bdiDetalhamento de bdi
Detalhamento de bdi
JORGE BRASIL
 
Planejamento e controle da produção na construção
Planejamento e controle da produção na construçãoPlanejamento e controle da produção na construção
Planejamento e controle da produção na construção
Ricardo Mendes Jr
 
Projeto de Interiores Residenciais - Lofts
Projeto de Interiores Residenciais - LoftsProjeto de Interiores Residenciais - Lofts
Projeto de Interiores Residenciais - Lofts
danilosaccomori
 
Tabelas nbr 12721
Tabelas nbr 12721Tabelas nbr 12721
Parecer tecnico
Parecer tecnicoParecer tecnico
Parecer tecnico
Josinei Castello
 
Microsoft power point aula abnt nbr 12721
Microsoft power point   aula abnt nbr 12721Microsoft power point   aula abnt nbr 12721
Microsoft power point aula abnt nbr 12721
Marcos Aguiar
 
Apostila de locação de obra
Apostila de locação de obraApostila de locação de obra
Apostila de locação de obra
João Martins
 
Programa de necessidades
Programa de necessidadesPrograma de necessidades
Programa de necessidades
lilyrizzo
 
62182805 apostila-projeto-de-interiores-i
62182805 apostila-projeto-de-interiores-i62182805 apostila-projeto-de-interiores-i
62182805 apostila-projeto-de-interiores-i
Danuza Kitlaus
 

Mais procurados (20)

Iab sc tabela-honorarios
Iab sc tabela-honorariosIab sc tabela-honorarios
Iab sc tabela-honorarios
 
Modelo memorial descritivo obra
Modelo memorial descritivo obraModelo memorial descritivo obra
Modelo memorial descritivo obra
 
Detalhamento - Escada
Detalhamento - EscadaDetalhamento - Escada
Detalhamento - Escada
 
Estudo preliminar
Estudo preliminarEstudo preliminar
Estudo preliminar
 
Recursos paisagisticos 1431454341
Recursos paisagisticos 1431454341Recursos paisagisticos 1431454341
Recursos paisagisticos 1431454341
 
Cortes e fachadas
Cortes e fachadasCortes e fachadas
Cortes e fachadas
 
Detalhamento - Áreas Molhadas
Detalhamento - Áreas MolhadasDetalhamento - Áreas Molhadas
Detalhamento - Áreas Molhadas
 
Anexo iii.h modelo diário de obra
Anexo iii.h   modelo diário de obraAnexo iii.h   modelo diário de obra
Anexo iii.h modelo diário de obra
 
Projeto arquitetônico
Projeto arquitetônicoProjeto arquitetônico
Projeto arquitetônico
 
Contrução de um Galpão
Contrução de um GalpãoContrução de um Galpão
Contrução de um Galpão
 
Noções básicas de construção civil
Noções básicas de construção civilNoções básicas de construção civil
Noções básicas de construção civil
 
Detalhamento de bdi
Detalhamento de bdiDetalhamento de bdi
Detalhamento de bdi
 
Planejamento e controle da produção na construção
Planejamento e controle da produção na construçãoPlanejamento e controle da produção na construção
Planejamento e controle da produção na construção
 
Projeto de Interiores Residenciais - Lofts
Projeto de Interiores Residenciais - LoftsProjeto de Interiores Residenciais - Lofts
Projeto de Interiores Residenciais - Lofts
 
Tabelas nbr 12721
Tabelas nbr 12721Tabelas nbr 12721
Tabelas nbr 12721
 
Parecer tecnico
Parecer tecnicoParecer tecnico
Parecer tecnico
 
Microsoft power point aula abnt nbr 12721
Microsoft power point   aula abnt nbr 12721Microsoft power point   aula abnt nbr 12721
Microsoft power point aula abnt nbr 12721
 
Apostila de locação de obra
Apostila de locação de obraApostila de locação de obra
Apostila de locação de obra
 
Programa de necessidades
Programa de necessidadesPrograma de necessidades
Programa de necessidades
 
62182805 apostila-projeto-de-interiores-i
62182805 apostila-projeto-de-interiores-i62182805 apostila-projeto-de-interiores-i
62182805 apostila-projeto-de-interiores-i
 

Destaque

Herramientas web 2
Herramientas web 2Herramientas web 2
Herramientas web 2
Cparcaya
 
proposal penelitian bimbel by jojo stkip
proposal penelitian bimbel by jojo stkipproposal penelitian bimbel by jojo stkip
proposal penelitian bimbel by jojo stkip
Helmizon Rahman
 
Urban art -_best_of_2011/Arte urbano
Urban art -_best_of_2011/Arte urbanoUrban art -_best_of_2011/Arte urbano
Urban art -_best_of_2011/Arte urbano
English Translations SerPRO
 
Angleren Mashtoci ajgum
Angleren Mashtoci ajgumAngleren Mashtoci ajgum
Angleren Mashtoci ajgum
migmaxp
 

Destaque (6)

Slideshare
SlideshareSlideshare
Slideshare
 
Herramientas web 2
Herramientas web 2Herramientas web 2
Herramientas web 2
 
Tarea
TareaTarea
Tarea
 
proposal penelitian bimbel by jojo stkip
proposal penelitian bimbel by jojo stkipproposal penelitian bimbel by jojo stkip
proposal penelitian bimbel by jojo stkip
 
Urban art -_best_of_2011/Arte urbano
Urban art -_best_of_2011/Arte urbanoUrban art -_best_of_2011/Arte urbano
Urban art -_best_of_2011/Arte urbano
 
Angleren Mashtoci ajgum
Angleren Mashtoci ajgumAngleren Mashtoci ajgum
Angleren Mashtoci ajgum
 

Semelhante a Estudos preliminares-rev

Tecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iTecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil i
Bowman Guimaraes
 
Manual da construção civil
Manual da construção civilManual da construção civil
Manual da construção civil
joaofelipeafilhado
 
Tecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iTecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil i
Bowman Guimaraes
 
desenho arquitetonico
desenho arquitetonicodesenho arquitetonico
desenho arquitetonico
altino3
 
Desenho tecnico arquitetonico
Desenho tecnico arquitetonicoDesenho tecnico arquitetonico
Desenho tecnico arquitetonico
carlosalbertolopesdossantos
 
Desenho tecnico arquitetonico leitura de projetos
Desenho tecnico arquitetonico   leitura de projetosDesenho tecnico arquitetonico   leitura de projetos
Desenho tecnico arquitetonico leitura de projetos
LehTec
 
Iaa 011 aula3
Iaa 011 aula3Iaa 011 aula3
Iaa 011 aula3
Lucas Barbosa
 
Apostila desenho tecnico
Apostila desenho tecnicoApostila desenho tecnico
Apostila desenho tecnico
Eriquelton Custodio
 
7325698 apostila-de-desenho-tecnico
7325698 apostila-de-desenho-tecnico7325698 apostila-de-desenho-tecnico
7325698 apostila-de-desenho-tecnico
Lucas Oliveira
 
Area em triangulação
Area em triangulaçãoArea em triangulação
Area em triangulação
Cesinha Colaco
 
Apostila-de-desenho-tecnico
Apostila-de-desenho-tecnicoApostila-de-desenho-tecnico
Apostila-de-desenho-tecnico
Ruberlei Vançan
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
MAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docxMAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docx
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
josecarlos413721
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
MAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docxMAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docx
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
josecarlos413721
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
MAPA -   DESENHO TÉCNICO   -   512024.docxMAPA -   DESENHO TÉCNICO   -   512024.docx
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
josecarlos413721
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
MAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docxMAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docx
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
josecarlos413721
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
MAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docxMAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docx
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
josecarlos413721
 
Elementos de Construção - Locação de Obras
Elementos de Construção - Locação de ObrasElementos de Construção - Locação de Obras
Elementos de Construção - Locação de Obras
Rodrigo Andrade Brígido
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
Excellence Educacional
 
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabal...
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho   Quando estamos trabal...Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho   Quando estamos trabal...
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabal...
Excellence Educacional
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
Excellence Educacional
 

Semelhante a Estudos preliminares-rev (20)

Tecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iTecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil i
 
Manual da construção civil
Manual da construção civilManual da construção civil
Manual da construção civil
 
Tecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iTecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil i
 
desenho arquitetonico
desenho arquitetonicodesenho arquitetonico
desenho arquitetonico
 
Desenho tecnico arquitetonico
Desenho tecnico arquitetonicoDesenho tecnico arquitetonico
Desenho tecnico arquitetonico
 
Desenho tecnico arquitetonico leitura de projetos
Desenho tecnico arquitetonico   leitura de projetosDesenho tecnico arquitetonico   leitura de projetos
Desenho tecnico arquitetonico leitura de projetos
 
Iaa 011 aula3
Iaa 011 aula3Iaa 011 aula3
Iaa 011 aula3
 
Apostila desenho tecnico
Apostila desenho tecnicoApostila desenho tecnico
Apostila desenho tecnico
 
7325698 apostila-de-desenho-tecnico
7325698 apostila-de-desenho-tecnico7325698 apostila-de-desenho-tecnico
7325698 apostila-de-desenho-tecnico
 
Area em triangulação
Area em triangulaçãoArea em triangulação
Area em triangulação
 
Apostila-de-desenho-tecnico
Apostila-de-desenho-tecnicoApostila-de-desenho-tecnico
Apostila-de-desenho-tecnico
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
MAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docxMAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docx
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
MAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docxMAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docx
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
MAPA -   DESENHO TÉCNICO   -   512024.docxMAPA -   DESENHO TÉCNICO   -   512024.docx
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
MAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docxMAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docx
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
MAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docxMAPA  -  DESENHO TÉCNICO  -  512024.docx
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
 
Elementos de Construção - Locação de Obras
Elementos de Construção - Locação de ObrasElementos de Construção - Locação de Obras
Elementos de Construção - Locação de Obras
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
 
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabal...
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho   Quando estamos trabal...Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho   Quando estamos trabal...
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabal...
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
 

Mais de homertc

Maual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3o
Maual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3oMaual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3o
Maual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3o
homertc
 
Avaliacao dos impactos
Avaliacao dos impactosAvaliacao dos impactos
Avaliacao dos impactos
homertc
 
Princípios de treinamento e a musculação
Princípios de treinamento e a musculaçãoPrincípios de treinamento e a musculação
Princípios de treinamento e a musculação
homertc
 
Aula 6 -_estabilidade_de_taludes
Aula 6 -_estabilidade_de_taludesAula 6 -_estabilidade_de_taludes
Aula 6 -_estabilidade_de_taludes
homertc
 
Forros
Forros Forros
Forros
homertc
 
Vocabulário da construção
Vocabulário da construçãoVocabulário da construção
Vocabulário da construção
homertc
 
Apostila calcario 02
Apostila   calcario 02Apostila   calcario 02
Apostila calcario 02
homertc
 
21. michelle rose petronilho
21. michelle rose petronilho21. michelle rose petronilho
21. michelle rose petronilho
homertc
 

Mais de homertc (8)

Maual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3o
Maual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3oMaual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3o
Maual Técnico mineraçãoApostila tminerac3a7c3a3o
 
Avaliacao dos impactos
Avaliacao dos impactosAvaliacao dos impactos
Avaliacao dos impactos
 
Princípios de treinamento e a musculação
Princípios de treinamento e a musculaçãoPrincípios de treinamento e a musculação
Princípios de treinamento e a musculação
 
Aula 6 -_estabilidade_de_taludes
Aula 6 -_estabilidade_de_taludesAula 6 -_estabilidade_de_taludes
Aula 6 -_estabilidade_de_taludes
 
Forros
Forros Forros
Forros
 
Vocabulário da construção
Vocabulário da construçãoVocabulário da construção
Vocabulário da construção
 
Apostila calcario 02
Apostila   calcario 02Apostila   calcario 02
Apostila calcario 02
 
21. michelle rose petronilho
21. michelle rose petronilho21. michelle rose petronilho
21. michelle rose petronilho
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 

Último (20)

FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 

Estudos preliminares-rev

  • 1. 1 - PROJETO - ESTUDOS PRELIMINARES APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: • Elaborar um bom projeto arquitetônico; • Utilizando métodos simples, definir a planimetria e a altimetria de um terreno; • Analisar a topografia de um terreno; • Utilizar melhor a topografia dos terrenos. Os projetos são peças importantes na execução de uma obra. Um projeto bem elaborado reduz muito as incertezas e dúvidas como também o desperdício de material e de mão-de-obra. Todas as possibilidades e informações devem ser analisadas e discutidas na fase de projeto. Começamos com: • • • • Estudo com o cliente; Exame local do terreno; Restrições da Prefeitura ou de outros órgãos; Levantamento topográfico. Com os dados levantados, podemos então iniciarmos a elaboração dos projetos de maneira a aproveitar melhor o terreno a insolação etc. 1.1 - ESTUDO COM O CLIENTE Sabemos que para se elaborar um projeto devemos antes de mais nada, realizar uma entrevista com os interessados em executar qualquer tipo de construção. O cliente poderá ser um grupo de profissionais (médicos, industriais etc), municipalidade, entidades, uma família etc. Nesta apostila o nosso cliente será o interessado juntamente com os seus familiares, pois vamos nos ater a pequenas obras (residências unifamiliares). Devemos considerar que geralmente o cliente é praticamente leigo, cabendo então ao profissional orientar esta entrevista, para obter o maior número possível de dados. Para auxiliar na objetividade da entrevista inicial com o cliente, podemos utilizar um questionário (Tabela 1.1), que tem a função de orientar evitando esquecimentos. Este modelo de questionário poderá ser preenchido parcialmente durante a entrevista. Não é possível seu preenchimento completo, pois é útil e indispensável uma visita ao terreno, antes de iniciarmos o projeto. 1
  • 2. Tabela 1.1 - Modelo de questionário para uso residencial PROJETO RESIDENCIAL nº _______ I Dados do cliente: Nome:_________________________________________________ e-mail ___________________ End. Res.:___________________________________CEP __________ Fone ( )______________ End. Com.:__________________________________CEP __________ Fone ( )______________ CPF: ________________________________RG: _______________________________________ Nome Esp.:____________________________________________ e-mail____________________ End. Com.:________________________________________________ Fone ( )______________ Prof. Ele: _______________________________ Ela _____________________________________ II Dados do Terreno Localização: Medidas: Frente _____________ LE _____________ LD ____________ Fundo _______________ Rua: ________________________________ CEP ____________Bairro: ____________________ Lote: _______________ Quadra: ________________ Quarteirão: __________________________ Larg. da rua: ____________ Tipo de Pav.: _______________ nº casas Viz. __________________ Distância da esquina__________________________Largura do passeio:____________________ Inclinação do Terreno: Plano Inclinação lateral Sobe para os Fundos Suave Esquerda Desce para os Fundos Forte Direita Local de passagem da rede de Água Centro Local de passagem da rede de Esgoto LE LD Centro Os terrenos vizinhos estão construídos ? LD LD LE LD Nível econômico das construções no local Fundos Alto Médio Popular Croquis de situação III Restrição da Prefeitura Zoneamento: ______ To (taxa de ocupação)______ Ca (coeficiente de aproveitamento) _______ Recuos obrigatórios: de frente ___________________ lateral _____________________ de fundo ___________________ % de área permeável_______________Outros ________________________________________ 2
  • 3. IV Da Futura Construção Nº de Pav.: ________ Área aprox. de construção: ________m² usuários: ____ Dados dos usários: sexo________ idade_______ Ambientes Méd.Aprox. Pisos Paredes Tetos Estilo: ____________Nº de Portas Janelas Verba disponível: R$ ______________________________________ Revestimento Externo: Pisos: ______________________________Paredes: ___________________________________ Fachada: ___________________________ Muro: ______________________________________ Detalhes: _______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________ 1.2 - EXAME LOCAL DO TERRENO Sem sabermos as características do terreno, é quase impossível executar-se um bom projeto. As características ideais de um terreno para um projeto econômico são: a) Não existir grandes movimentações de terra para a construção; b) Ter dimensões tais que permita projeto e construção de boa residência; c) Ser seco; d) Ser plano ou pouco inclinado para a rua; e) Ser resistente para suportar bem a construção; f ) Ter facilidade de acesso; g) Terrenos localizados nas áreas mais altas dos loteamentos; h) Escolher terrenos em áreas não sujeitas a erosão; i) Evitar terrenos que foram aterrados sobre materiais sujeitos a decomposição orgânica. Mas como nem sempre estas características são encontradas nos lotes urbanos, devemos levá-las em consideração quando da visita ao lote, levantando os seguintes pontos: a) Deve-se identificar no local o verdadeiro lote adquirido segundo a escritura, colhendo-se todas as informações necessárias; b) Verificar junto a Prefeitura da Municipalidade, se o loteamento onde se situa o terreno, foi devidamente aprovado e está liberado para construção; c) Números das casa vizinhas ou mais próximas do lote; 3
  • 4. d) Situação do lote dentro da quadra, medindo-se a distância da esquina ou construção mais próxima. e) Com bússola de mão, confirmar a posição da linha N-S. f) Verificar se existem benfeitorias.(água, esgoto, energia) g) Sendo o terreno com inclinação acentuada, em declive, verificar se existe viela-sanitária vizinha do lote, em uma das divisas laterais ou fundo; h) Verificar se passa perto do lote, linha de alta tensão, posição de postes, bueiros, etc... i) Verificar se existe faixa non edificandi .( de não construção) j) Verificar a largura da rua e passeio. Obs.: Todos esses dados poderão ser acrescidos no questionário anterior. Geralmente, estes dados colhidos na visita ao terreno não são suficientes, e na maioria das vezes, devemos pedir previamente que se execute uma limpeza do terreno e um levantamento plani-altimétrico. 1.3 - LIMPEZA DO TERRENO Temos algumas modalidades para limpeza do terreno, que devemos levar em consideração e sabermos defini-las: 1.3.1 - Carpir - Quando a vegetação é rasteira e com pequenos arbustos, usando para tal, unicamente a enxada. 1.3.2 - Roçar - Quando além da vegetação rasteira, houver árvores de pequeno porte, que poderão ser cortadas com foice. 1.3.3 - Destocar - Quando houver árvores de grande porte, necessitando desgalhar, cortar ou serrar o tronco e remover parte da raiz. Este serviço pode ser feito com máquina ou manualmente. Os serviços serão executados de modo a não deixar raízes ou tocos de árvore que possam dificultar os trabalhos. Todo material vegetal, bem como o entulho terão que ser removidos do canteiro de obras. 1.4 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO DE LOTES URBANOS O levantamento topográfico é geralmente apresentado através de desenhos de planta com curvas de nível e de perfis. Deve retratar a conformação da superfície do terreno, bem como as dimensões dos lotes, com a precisão necessária e suficiente proporcionando dados confiáveis que, interpretados e manipulados corretamente, podem contribuir no desenvolvimento do projeto arquitetônico e de implantação (Pinto Jr.et al, 2001) 1.4.1 - MEDIDAS DO TERRENO (LEVANTAMENTO PLANIMÉTRICO) Executada a limpeza do terreno e considerando que os projetos serão elaborados para um determinado terreno, é necessário que se tenha as medidas corretas do lote, pois nem sempre as medidas indicadas na escritura conferem com as medidas reais. 4
  • 5. Apesar de não pretendermos invadir o campo da topografia, vamos mostrar em alguns desenhos, os processos mais rápidos para medir um lote urbano. Os terrenos urbanos, são geralmente de pequena área possibilitando, portando, a sua medição sem aparelhos ou processos próprios da topografia desde que se tenha uma referência confiável (casa vizinha, esquina, piquetes etc). No entanto, casos mais complexos, sem referência, necessitamos de um levantamento executado por profissional de topografia. a) Lote regular Geralmente em forma de retângulo, bastando portanto medir os seus "quatro" lados, e usar o valor médio, caso as medidas encontradas forem diferentes as da escritura.(Figura 1.1). Figura 1.1-Lote regular Obs. Para verificar se o lote está no esquadro, devemos medir as diagonais que deverão ser iguais. b) Lote irregular com pouco fundo Medir os quatro lados e as duas diagonais (Figura 1.2). Figura 1.2-Lote irregular com pouco fundo 5
  • 6. c) Lote irregular com muita profundidade Neste caso, a medição da diagonal se torna imperfeita devido a grande distância Convém utilizar um ponto intermediário "A" diminuindo assim o comprimento da diagonal (Figura 1.3). Figura 1.3-Lote irregular com muita profundidade d) Lote com um ou mais limites em curva Para se levantar o trecho em curva, o mais preciso será a medição da corda e da flecha (central). Nestes casos devemos demarcar as divisas retas até encontrarmos os pontos do início e fim da corda. Medir a corda e a flecha no local. E com o auxílio de um desenho (realizado no escritório) construir a curva a partir da determinação do centro da mesma utilizando a flecha e a corda (Figura 1.4). c = corda f = flecha Construção da curva Figura 1.4-Lote com setor curvo 6
  • 7. 1.5 - NIVELAMENTO (LEVANTAMENTO ALTIMÉTRICO) É de grande importância para elaborarmos um projeto racional, que sejam aproveitadas as diferenças de nível do lote. Podemos identificar a topografia do lote através das curvas de níveis. A curva de nível é uma linha constituída por pontos todos de uma mesma cota ou altitude de uma superfície qualquer. Quando relacionadas a outras curvas de nível permite comparar as altitudes e se projetadas sobre um plano horizontal podem apresentar as ondulações, depressões, inclinações etc. de uma superfície (Figura 1.5) Podemos observar na Figura 1.5 que quando mais inclinada for a superfície do terreno, as distâncias entre as curvas serão menores, menos inclinada as distâncias serão maiores d1 < d2. 3,0 2,0 1,0 1,0 3,0 2,0 RN 0,0 3,0 3,0 d1 2,0 2,0 1,0 d2 1,0 RN 0,0 Figura 1.5-Representação de curva de nível (Pinto Jr.et al, 2001) As curvas de níveis são elaboradas utilizando aparelhos topográficos que nos fornecem os níveis, os ângulos, as dimensões de um terreno ou área. Este levantamento não é muito preciso, quando utilizamos métodos simples para a sua execução (descritos nos itens 1.5.1; 1.5.2; 1.5.3), mas é o suficiente para construção residencial unifamiliar, que geralmente utilizam terrenos pequenos. Caso seja necessário algo mais rigoroso, devemos fazer um levantamento com aparelhos recorrendo a um topógrafo. Geralmente é suficiente tirar um perfil longitudinal e um transversal do terreno, mas nada nos impede de tirarmos mais, caso necessário. 7
  • 8. Nos métodos descritos abaixo se usa basicamente balizas com distância uma da outra no máximo de 5,0m, ou de acordo com a inclinação do terreno. Terrenos muito íngremes a distância deverá ser menor e terrenos com pouca inclinação podemos utilizar as balizas na distância de 5,0 em 5,0m. Alguns métodos para levantarmos o perfil do terreno: a) Com o nível e Abney ( clinômetro) b) Com o nível de mão c) Com o nível de mangueira 1.5.1) Com uso do clinômetro (Nível de Abney) Figuras 1.6 e 1.7. Materiais: clinômetro 2 balizas trena Figura 1.6-Clinômetro ou Nível de Abney (Borges, 1972) Figura 1.7-Clinômetro inclinado proporcionando a leitura (Borges, 1972) 8
  • 9. Coloca-se o clinômetro (Figura 1.8), na 1ª baliza a uma altura de 1,50m (ponto A). Inclina-se o tubo do clinômetro para avistarmos o ponto B. Pela ócula se vê a bolha e giramos o parafuso até colocá-la na horizontal e produzirá sobre a graduação (através de um ponteiro fixo no parafuso) a leitura do ângulo α. Resta medir a distância horizontal "d" ou a inclinada "m". B A Figura 1.8-Realização das medidas utilizando o Clinômetro (Borges, 1972) 1.5.2) Nível de bolha Materiais : - Nível de bolha; - 2 balizas; - régua - trena. Utilizando o método do nível de bolha, a medida do desnível se consegue colocando uma régua entre as duas balizas. Com o auxílio do nível de bolha, nivelamos a régua (Figura 1.9). O desnível obtido é a diferença entre o H e h e assim consecutivamente. Com os diversos desníveis conseguimos delinear um perfil. 9
  • 10. Figura 1.9 Utilização do nível de bolha 1.5.3) Nível de mangueira O método da mangueira é um dos mais utilizados. Fundamenta-se no princípio dos vasos comunicantes, que nos fornece o nível. Este é o método que os pedreiros utilizam para nivelar a obra toda, desde a marcação da obra até o nivelamento dos pisos, batentes, azulejos etc... A mangueira deve ter pequeno diâmetro, parede espessa para evitar dobras e ser transparente. Para uma boa marcação ela deve estar posicionada entre as balizas, sem dobras ou bolhas no seu interior (Figura 1.10 e 1.11). A água deve ser colocada lentamente para evitar a formação de bolhas. Figura 1.10 - Posição da água quando não existe bolhas 10
  • 11. Para utilizarmos o nível de mangueira necessitamos: Materiais: - Mangueira - 2 balizas - Trena Figura 1.11 - Processo da mangueira de nível Para facilitar a medição, podemos partir com o nível d'água em uma determinada altura "h" numa das balizas, que será descontada na medida encontrada na segunda baliza “H”. Fazemos isso para não precisarmos colocar o nível d'água direto no ponto zero (próximo do terreno), o que dificultaria a leitura e não nos forneceria uma boa medição. O desnível é obtido pela diferença entre “H” e “h”. Exemplos de medição com mangueira: • • Em terrenos com aclive Em terrenos com declive 11
  • 12. a) Terreno em aclive: Portanto: h1 = H -h ; h2 = H'- h' ...... Htot = h1 + h2 + hn . Figura 1.12 - Levantamento altimétrico em terreno com aclive b) Terreno em declive: Portanto: h1 = H -h ; h2 = H'- h' ...... Htot = h1 + h2 + hn . Figura 1.13 - Levantamento altimétrico em terreno com declive 12
  • 13. ANOTAÇÕES 1 - Devemos ter o cuidado de não deixar nenhuma bolha de ar dentro da mangueira, para não dar erro nas medições (Figura 1.13). 2 - A mangueira deve ser transparente, e de pequeno diâmetro, da ordem de ∅ 1/4" ou 5/16" para obter maior sensibilidade. 3 - A espessura da parede da mangueira deve ser espessa para evitar dobras 13