SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
CAMPUS DE TUCURUÍ
FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL
MINI CURSO
LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS
ARQUITETÔNICOS
PROFª MSc. REGINA BRABO
SEMANA DE ENGENHARIA
SET/2009
2
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
CAMPUS DE TUCURUÍ
FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL
MINICURSO
LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS
Professora – Regina Brabo
OBJETIVOS
Este curso tem como objetivo capacitar profissionais em formação, a
desenvolver conhecimento e dominar as técnicas de representação gráfica com vistas a
compreender e interpretar a leitura de plantas no campo das Engenharias e Arquitetura.
EMENTA
Elementos de um projeto arquitetônico, legendas e convenções gráficas,
escala, locação de obra, salubridade, conforto e eficiência energética nas edificações,
introdução à análise crítica de projetos, escadas (tipos, leitura e marcação), telhados.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
1) Instrumentos e materiais
a. Normas ABNT
2) Dimensionamento e escalas
a. Escalas
b. Cotas
3) Convenções e símbolos
a. Paredes
b. Portas
c. Janelas/balancins
d. Níveis
4) Projeto arquitetônico completo
a. Planta baixa
b. Cortes
c. Elevações
d. Cobertura
5) Projetos Complementares
a. Estrutura
b. Hidro-sanitário
c. Elétrico
6) Escadas e Rampas (acessibilidade)
a. ABNT NBR 9050/2004
3
O que é um Projeto Arquitetônico ?
• Conjunto de passos normativos, voltados para o planejamento formal de um
edifício qualquer, regulamentado por um conjunto de normas técnicas e por um código
de obras.
• fases:
– Estudo Preliminar
• Estudo da viabilidade de um programa e do partido arquitetônico a ser
adotado para sua apreciação e aprovação pelo cliente. Pode servir à consulta prévia
para aprovação em órgãos governamentais.
– Anteprojeto
• Definição do partido arquitetônico e dos elementos construtivos,
considerando os projetos complementares (estrutura, instalações, etc...). Nesta etapa, o
projeto deve receber aprovação final do cliente e dos órgãos oficiais envolvidos e
possibilitar a contratação da obra.
– Projeto Executivo
• Apresenta, de forma clara e organizada, TODAS as informações necessárias
à execução da obra e todos os serviços inerentes.
1. INSTRUMENTOS E MATERIAIS
A representação gráfica do desenho em si corresponde a um conjunto de
normas internacionais (sob a supervisão da ISO). Porém, geralmente, cada país costuma
possuir suas próprias versões das normas, adaptadas por diversos motivos.
No Brasil, as normas são editadas pela Associação Brasileira de Normas
Técnicas (ABNT), sendo as seguintes as principais:
• NBR-6492 - Representação de projetos de arquitetura
• NBR-10067 – Princípios gerais de representação em desenho
técnico
Cabe notar, no entanto, que se por um lado recomenda-se a adequação a tais
normas quando da apresentação de desenhos para fins de execução de obras ou em
situações oficiais (como quando os profissionais enviam seus projetos à aprovação em
prefeituras), por outro lado admite-se algum nível de liberdade em relação a elas em
outros contextos. Durante o processo de elaboração e evolução do projeto, por exemplo,
normalmente os arquitetos utilizam-se de métodos de desenho próprios apropriados às
suas necessidades momentâneas, os quais eventualmente se afastam das
determinações das normas. Esta liberdade se dá pela necessidade de elaborar desenhos,
que exijam uma facilidade de leitura maior por parte de leigos ou para se adequarem a
diferentes publicações, por exemplo.
Elementos do desenho
Para que a (futura) realidade do projeto seja bem representada, faz-se uso dos
diversos instrumentos disponíveis no desenho tradicional ou geométrico, o desenho
arquitetônico manifesta-se principalmente através de linhas e superfícies preenchidas
(tramas).
4
Costuma-se diferenciar no desenho duas entidades: uma é o próprio desenho
(o objeto representado, um edifício, por exemplo) e o outro é o conjunto de símbolos,
signos, cotas e textos que o complementam.
As principais categorias do desenho de arquitetura são: as plantas, os cortes e
seções e as elevações.
Traços
Os traços de um desenho normatizado devem ser regulares, legíveis (visíveis)
e devem possuir constraste umas com as outras.
Espessura dos traços
Pesos e categorias de linhas
Normalmente ocorre uma hierarquização das linhas, obtida através do
diâmetro da pena (ou do grafite) utilizados para executá-la. Tradicionalmente usam-se
quatro espessuras de pena:
• Linhas complementares - Pena 0,1. Usada basicamente para
registrar elementos complementares do desenho, como linhas de cota, setas,
linhas indicativas, linhas de projeção, etc.
• Linha fina - Pena 0,2 (ou 0,3). Usada para representar os elementos
em vista.
• Linha média - Pena 0.4 (ou 0,5). Usada para representar os
elementos que se encontram imediatamente a frente da linha de corte.
• Linha grossa - Pena 0.6 (ou 0,7). Usada para representar elementos
especiais, como as linhas indicativas de corte (eventualmente é usada para
representar também elementos em corte, como a pena anterior).
Tipos de traços
Quanto ao tipo de traços, é possível classificá-los em:
• Traço contínuo. São as linhas comuns.
(pena 0,1)
(pena 0,2)
(pena 0,4)
(pena 0,6)
(traço-ponto)
(traço-ponto)
(traço-traço)
5
• Traço interrompido. Representa um elemento de desenho
"invisível" (ou seja, que esteja além do plano de corte).
• Traço-ponto. Usado para indicar eixos de simetria ou linhas
indicativas de planos de corte.
Tramas
Os elementos que em um desenho projetivo estão sendo cortados aparecem
delimitados com um traço de espessura maior no desenho. Além do traço mais grosso,
esses elementos podem estar preenchidos por um tracejado ou trama. Cada material é
representado com uma trama diferente.
Materiais de desenho
Com a ampla difusão do desenho auxiliado pelo computador, a lista de
materiais que tradicionalmente se usava para executar desenhos de arquitetura tem se
tornado cada dia mais obsoleta. Alguns desses materiais, no entanto, ainda são
eventualmente usados para verificar algum problema com os desenhos impressos, ou no
processo de treinamento de futuros desenhistas técnicos. Após a impressão de pranchas
produzidas em CAD, ainda está em uso o escalímetro, que é uma multi-régua com 6
escalas, que serve para conferir medidas, se o desenho foi impresso na escala 1/50
utiliza-se a mesma escala em uma de suas bordas visíveis.
CAD
Desenho gerado em um programa do tipo CAD
A execução de desenhos de arquitetura no computador em geral exige a
operação programas gráficos do tipo CAD que normalmente demandam um hardware
robusto e de alta capacidade de processamento, e memória. Atualmente, o principal
6
programa para lidar com estes tipos de desenho é o AutoCad, um software produzido
pela empresa americana Autodesk. O formato em que nativamente grava seus arquivos,
o .dwg, é considerado o padrão "de facto" no mercado da construção civil para troca de
informações de projeto.
Existem, no entanto, diversos outros softwares de CAD para arquitetura. A
maioria deles nem sempre é capaz de ler e escrever arquivos no formato .dwg, embora
muitos utilizem-se do alternativo formato .dxf. Além de programas CAD destinados ao
desenho técnico de uma forma geral, como o AutoCAD e o Microstation, também existem
softwares designados especificamente para o trabalho de projeto arquitetônico, como o
ArchiCAD, o ArchiStation, o Autodesk Architectural Desktop, o Revit, entre outros, com
os quais é possível visualizar o modelo arquitetônico em suas várias etapas de projeto,
mais do que meramente representá-lo na forma de desenho técnico.
Desenho à mão
A seguinte lista apresenta os materiais que tradicionalmente foram utilizados
no desenho dito instrumentado (ou seja, o desenho feito à mão com auxílio de
instrumentos de desenho). Ressalta-se, porém, que muitos destes materiais estão se
tornando raros nos escritórios de arquitetura, dada a sua informatização.
LEGENDA
- Usada para informação, indicação e identificação do desenho, a saber:
designação da firma, projetista, local, data, assinatura, conteúdo do desenho, escala,
número do desenho, símbolo de projeção, logotipo da firma, unidade empregada, escala,
etc.
- A legenda deve ter 178 mm de comprimento nos formatos A2, A3 e A4, e 175
mm nos formatos A0 e A1.
2. DIMENSIONAMENTO E ESCALAS
ESCALAS
Norma ABNT NBR 8196, Dezembro 1999.
7
A designação de uma escala deve consistir na palavra ESCALA ou ESC,
seguida da indicação da relação:
ESCALA 1:1 para escala natural
ESCALA X:1 para escala de ampliação (X > 1)
ESCALA 1:X para escala de redução (X > 1)
A escala deve ser indicada na legenda. O valor de X deve ser igual a 2, 5 ou
10, ou múltiplos destes. Por exemplo, 1:2, 50:1, 1:100.
• Escalas utilizadas para desenhos arquitetônicos:
• 1:200 ou 1:100 = rascunhos / estudos (papel manteiga)
• 1:100 = anteprojeto – plantas, fachadas, cortes, perspectivas
• 1:100 = desenhos de apresentação – plantas, fachadas, cortes, perspectivas,
projeto para Prefeitura
• 1:50 = execução (desenhos bem cotados)
• 1:10, 1:20 e 1:25 = detalhes
• 1:50 = projetos especiais – fundações, estrutura, instalações, etc.
LINHA DE COTA: Cotagem em Desenho Técnico (NBR 10126)
Representação gráfica das dimensões no desenho técnico de um elemento,
através de linhas, símbolos, notas e valor numérico numa unidade de medida. Elementos
gráficos para representação de cotas
Podemos dividir os desenhos arquitetônicos em dois grupos: Desenhos
Preliminares de apresentação e Desenhos para execução. Nos desenhos preliminares
são feitos vários estudos por meio de esboços que começam a dar forma ao edifício
proposto. Estes têm por objetivo dar uma representação real do projeto de um edifício.
São constituídas de plantas, elevações; incluindo, para serem mais completos, também
desenhos perspectivos com representação de figuras humanas, árvores, edifícios
adjacentes para servir como escala de referência. Não devem conter dados estruturais.
Nos desenhos para execução incluímos as plantas, elevações e fachadas,
cortes e acabamentos segundo as normas com as quais a obra será executada.
Na área de construção civil, as plantas se constituem como a representação
gráfica de um projeto;
• Existem alguns tipos de representações gráficas em um projeto:
– Planta baixa;
– Planta de situação;
– Planta de localização;
– Corte transversal e longitudinal;
– Planta de fachada.
• Na área de construção civil, as plantas se constituem como a representação
gráfica de um projeto;
PLANTA DE SITUAÇÃO
8
PLANTA DE LOCAÇÃO
Planta de Locação ou Localização: demonstra a localização da obra dentro do
terreno, com seus respectivos recuos frontais e laterais.
9
Vocabulário e normas básicas de construção e desenho de
arquitetura:
PEITORIL - altura do chão ao início da janela.
PÉ-DIREITO - altura do chão até a laje.
CUMEEIRA - ponto mais alto da cobertura.
PLANTA - vista obtida após a retirada do plano de secção olhando de cima
para baixo;
CORTE - vista obtida após a retirada da parte anterior ao plano de secção
olhando de frente;
BREESES E MARQUISES: elementos construtivos que impedem a entrada de
radiação solar direta no interior da construção;
VIGAS E PILARES: elementos estruturais responsáveis pela sustentação da
construção através da distribuição das forças e transmissão até o alicerce da construção:
Normas básicas de construção (dependem do Plano Diretor de
cada Município)
• Recuo Frontal: maior ou igual a 4,00 m.
• Recuos laterais: maior ou igual a 1,50 m caso exista janela na parede.
• Pé-direito: mínimo de 2.50m para banheiros e corredores, sendo 2,80m o
exigido para as demais dependências.
• Portas: externas= 0,90 m, internas= 0,80 m, banheiros=0,70 m em geral
sendo que todas possuem altura de 2,10 m.
• Largura dos corredores = mínimo 0,90 m.
• Abertura mínima para ventilação iluminação = 1 / 6 da área do piso.
• Inclinação dos telhados: telha de barro= 30%, de fibrocimento= 12%
• Laje = espessura média 0,12 m.
• Paredes = de meio tijolo com reboco 0,15 m, de um tijolo 0,25 m.
3. CONVENÇÕES E SIMBOLOS
a. PAREDES
Normalmente as paredes internas são representadas com espessura de 15 cm,
mesmo que na realidade a parede tenha 14 cm ou até menos. Nas paredes externas o
uso de paredes de 20 cm de espessura é o recomendado, mas não obrigatório. É no
entanto obrigatório o uso de paredes de 20cm de espessura quando esta se situa entre
dois vizinhos (de apartamento, salas comerciais...).
Convenciona-se para paredes altas (que vão do piso ao teto) traço grosso
contínuo, e para paredes a meia altura, com traço médio contínuo, indicando a altura
correspondente.
10
Na representação de uma reforma é indispensável diferenciar muito bem o que
existe e o que será demolido ou acrescentado. Estas indicações podem ser feitas usando
as seguintes convenções:
b. PORTAS
Porta interna - Geralmente a comunicação entre dois ambientes não
há diferença de nível, ou seja, estão no mesmo plano, ou ainda,
possuem a mesma cota.
Porta externa - A comunicação entre os dois ambientes (externo e
interno) possuem cotas diferentes, ou seja, o piso externo é mais baixo.
Nos banheiros a água alcança a parte inferior da porta ou passa para o
ambiente vizinho; os dois inconvenientes são evitados quando há uma diferença de cota
nos pisos de 1 a 2 cm pelo menos. Por esta razão as portas de sanitários desenham se
como as externas.
11
12
c. JANELAS
O plano horizontal da planta corta as janelas com altura do peitoril até 1.50m,
sendo estas representadas conforme a figura abaixo, sempre tendo como a primeira
dimensão a largura da janela pela sua altura e peitoril correspondente. Para janelas em
que o plano horizontal não o corta, a representação é feita com linhas invisíveis.
13
14
NÍVEIS
– São cotas altimétricas dos pisos, sempre em relação a uma determinada
Referência de Nível pré-fixada pelo projetista e igual a zero
– Regras:
• Colocar dos dois lados de uma diferença de nível;
• Indicar sempre em metros, na horizontal;
• Evitar repetição de níveis próximos em planta e não marcar sucessão de
desníveis iguais (escada);
15
NORTE
Em planta baixa, os pisos são apenas distintos em comuns ou impermeáveis •
Os impermeáveis são representados apenas nas “áreas molhadas”, ou seja, áreas
dotadas de equipamentos hidráulicos, sacadas, varandas, etc...
• O tamanho do reticulado constitui uma simbologia, não tendo a ver
necessariamente com o tamanho real das lajotas ou pisos cerâmicos.
Equipamentos Hidráulicos
16
4. PROJETO ARQUITETÔNICO
MONTAGEM GRÁFICA DE UM PROJETO
O projeto relativo a qualquer obra de construção, reconstrução, acréscimo e
modificação de edificação, constará, conforme a própria natureza da obra que se vai
executar, de uma série de desenhos:
a. Plantas cotadas de cada pavimento, do telhado e das dependências a
construir, modificar ou sofrer acréscimo. Nessas plantas devem ser indicados os destinos
e áreas de cada compartimento e suas dimensões.
b. Desenho da elevação ou fachada ou fachadas voltadas para vias públicas.
Num lote de meio de quadra é obrigatória a representação de apenas uma fachada. No
caso de lote de esquina é obrigatória a representação de pelo menos duas fachadas.
c. A planta de situação em que seja indicado:
d. Posição do edifício em relação às linhas limites do lote
e. Orientação em relação ao norte magnético
f. Indicação da largura do logradouro e do passeio, localizando as árvores
existentes no lote e no trecho do logradouro, poste e outros dispositivos de serviços de
instalações de utilidade publica.
g. Cortes longitudinal e transversal do edifício projetado. No mínimo
representam-se 2 cortes, passando principalmente onde proporcione maiores detalhes
ao executor da obra ou dos projetos complementares.
PLANTAS E VISTAS
17
Escalas mais utilizadas:
a. Planta baixa.............. 1:50
b. Cortes........................ 1:50
c. Fachadas.................... 1:50
d. Situação..................... 1:200 / 1: 500
e. Localização................ 1:1000 / 1:2000
f. Cobertura................... 1:100
Obs: A escala não dispensará a indicação de cotas.
PLANTA BAIXA
É um corte transversal à edificação, a uma altura de 1,50m. Através da planta
baixa, podemos visualizar os ambientes que compõe o projeto.
Itens que compõe a planta baixa:
• Paredes
• Janelas
• Portas
• Cotas
• Cotas de nível
• Projeções
• Indicação dos cortes
• Indicação do norte
• Escada
• Rampas
18
• Pergolados
• Espelho d’água
19
CORTES E FACHADAS:
Na maioria dos casos, as plantas e fachadas não são suficientes para mostrar
as divisões internas de um projeto, bem como os elementos construtivos como as vigas,
fundamentais no projeto adequado da futura rede de dutos para condicionamento de ar:
Desta forma temos os cortes transversais e longitudinais, obtidos através de um plano de
secção atravessando a construção verticalmente. Já a Fachada nada mais é do que a
elevação frontal da construção.
20
21
FACHADA / ELEVAÇÃO
PLANTA DE COBERTURA
ÁGUAS
As coberturas são constituídas por uma ou mais superfícies que podem ser
planas, curvas ou mistas, entretanto as planas são as mais utilizadas.
Essas superfícies (planos) são denominados “água”, e conforme o seu número,
temos o telhado de uma água (vulgarmente conhecido como alpendres ou meia-água),
os de duas, de três, de quatro, etc.
22
Beirais
São parte da cobertura que avançam além dos alinhamentos das paredes
externas. Faz o papel das abas de um chapéu: protege as paredes contra as águas da
chuva. Geralmente tem largura em torno de 60cm à 1.00m.
23
ESTRUTURA
CALHAS
INCLINAÇÃO DAS COBERTURAS
24
PROJETO DE UMA COBERTURA
Consiste na projeção do telhado sobre um plano horizontal, de modo a
conhecer a sua forma através das linhas de cummeira, espigões e rincões.
A cumeeira é um divisor de águas horizontal. Os espigões são também
divisores de água, porém inclinados e os rincões ou águas furtadas são receptores de
águas inclinadas.
Ao projetarmos uma cobertura devemos nos lembrar de algumas práticas:
1. As cumeeiras são linhas paralelas a uma direção das paredes e
perpendicular a outra direção.
2. Os espigões formam ângulos de 45º com as projeções das paredes e
partem dos cantos externos.
3. Os rincões ou águas furtadas formam ângulos de 45º com as projeções das
paredes e partem dos cantos internos.
25
26
OUTRAS INFORMAÇÕES NO PROJETO ARQUITETÕNICO
Legenda de Esquadrias: P (PORTAS); J (JANELAS); B (BALANCIN)
Quadro de áreas: legenda que apresenta área do terreno, área
construída e áreas de permeabilidade (jardim).
Especificações de materiais de acabamento: piso, parede, forro
5. PROJETOS COMPLEMENTARES
ESTRUTURA
o LAJE
27
o PILARES
PROJETO HIDRO SANITÁRIO: dimensiona tubulações necessárias
para cada área molhada 9banheiro, cozinha, área de serviço e outros.
PROJETO ELÉTRICO: define o caminho das tubulações elétricas
desde a caixa de entrada de energia que vem da rua até a sua chegada
aos equipamentos.
28
6. ESCADAS E RAMPAS
As escadas são constituídas por:
Degraus – pisos + espelhos
Pisos – pequenos planos horizontais que constituem a escada.
Espelhos – planos verticais que unem os pisos.
Patamares – pisos de maior largura que sucedem os pisos normais da
escada, geralmente ao meio do desnível do pé direito, com o objetivo
de facilitar a subida e o repouso temporário do usuário da escada.
Lances – sucessão de degraus entre planos a vencer, entre um plano
e um patamar, entre um patamar e um plano e entre dois patamares.
Guarda-corpo e corrimão – proteção em alvenaria, balaústre, grades,
cabos de aço etc na extremidade lateral dos degraus para a proteção
das pessoas que utilizam a escada.
29
DETALHE CORRIMÃO
30
Dimensionamento de escadas segundo a NBR 9077 (Saídas de
Emergência em Edificações) e a NBR 9050/2004 (Norma de
Acessibilidade):
As dimensões dos pisos e espelhos devem ser constantes em toda a escada,
atendendo às condições definidas a seguir, excetuando-se as escadas fixas com lances
curvos ou mistos (retos + curvos). Dessa forma, devem ser seguidos os seguintes
parâmetros:
a. pisos (p) : 0,28m<p<0,32m
b. espelhos (e): 0,16m<e<0,18m
c. 0,63m<p+2e<0,65m (Blondell)
d. A largura mínima admissível para as escadas fixas é de 1,20m.
e. O primeiro e o último degraus de um lance de escada devem distar pelo
menos 0,30m da área da circulação adjacente.
f. As escadas fixas devem ter, no mínimo, um patamar a cada 1,20m de
desnível e também sempre que houver mudança de direção.
31
g. Em relação aos corrimãos e guarda-corpos – é obrigatória a instalação de
corrimãos e guarda-corpos nos dois lados das rampas e escadas fixas. Eles devem ser
construídos em materiais rígidos, firmemente fixados à parede ou às barras de suporte,
oferecendo condições seguras de utilização. Além disso, os corrimãos devem permitir
boa empunhadura e deslizamento da mão, sendo preferencialmente de seção circular
entre 3,5cm e 4,5cm de diâmetro. Deve ser, ainda, deixado espaço livre de 4cm, no
mínimo, entre a parede e o corrimão. Para dar segurança às crianças e pessoas com
problemas de visão e mobilidade, o corrimão deve prolongar-se pelo menos 0,30m antes
do início e após o término da rampa e da escada, sem interferir com as áreas de
circulação.
A altura de corrimãos recomendada pela NBR 9050/2004 é de 0,92m em
relação ao piso para adultos, sendo orientada uma segunda altura de 0,70m em relação
ao piso para atender também às crianças. Tanto em escadas como em rampas, é
importante que os corrimãos sejam contínuos, sem interrupção nos patamares. Dessa
forma, é importante que eles sigam o projeto da circulação vertical.
RAMPAS
As rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de
circulação verticais acessíveis a todos, sem exceção. Por elas podem circular pedestres,
idosos, cardíacos, pessoas portadoras de deficiências motoras, usuários de cadeiras de
rodas, mães com carrinhos de bebês, ciclistas, skatistas etc. Entretanto, para que elas
possam ser, de fato, utilizadas pela maior gama possível de pessoas, é preciso seguir a
norma de acessibilidade (NBR 9050/2004), de forma a dimensionar esse meio
corretamente, atendendo com segurança todos os usuários.
Segundo a NBR 9050/2004:
A largura mínima admissível para uma rampa é de 1,20m, sendo recomendada
a largura de 1,50m. O fluxo de usuários é fator determinante para o dimensionamento
dessa largura. Dessa forma, não se pode utilizara mesma largura para uma rampa de
uma edificação residencial e para uma estação de transportes de massa ou um shopping
center.
Na construção de uma rampa, quanto maior for a altura do desnível a ser
vencido, maior terá que ser o seu comprimento. É um engano comum pensar que o uso
da área da escada para fazer um plano inclinado sobre ela seria a solução para o acesso.
O espaço utilizado por uma escada nunca será suficiente para fazer uma rampa em seu
lugar. Ficaria muito íngreme, deslizante, e não permitiria sua utilização de forma segura.
Tabela para o dimensionamento de rampas da Associação Brasileira de
Normas Técnicas – ABNT NBR 9050/2004
A inclinação das rampas deve ser calculada segundo a seguinte equação:
c = h x 100 e i = h x 100 i c
i é a inclinação, em porcentagem;
h é a altura do desnível;
c é o comprimento da projeção horizontal.
32
Em reformas, quando esgotadas as possibilidades de soluções que atendam
integralmente à tabela, podem ser utilizadas inclinações superiores a 8,33% (1:12), mas
até no máximo 12,5% (1:8).
A largura das rampas (L) deve ser estabelecida de acordo com o fluxo de
pessoas. A largura livre mínima recomendável para as rampas em rotas acessíveis é de
1,50 m, sendo o mínimo admissível 1,20 m. Em edificações existentes, quando a
construção de rampas nas larguras indicadas ou a adaptação da largura das rampas for
impraticável, podem ser executadas rampas com largura mínima de 0,90 m com
segmentos de no máximo 4,00 m, medidos na sua projeção horizontal.
Rampas em curva
Para rampas em curva, a inclinação máxima admissível é de 8,33% (1:12) e o
raio mínimo de 3,00 m, medido no perímetro interno à curva, conforme figura abaixo.
33
Patamares das rampas
No início e no término da rampa devem ser previstos patamares com dimensão
longitudinal mínima recomendável de 1,50 m, sendo o mínimo admissível 1,20 m, além
da área de circulação adjacente. Os patamares situados em mudanças de direção
devem ter dimensões iguais à largura da rampa.
BIBLIOGRAFIA
6542190-Curso-de-Leitura-de-Projetos-Arquitetura-Desenho-Tecnico
CEFET-SC - Un. São José –Área de Refrigeração e Ar Condicionado – Prof. Gilson - Desenho Técnico
com Auxílio do AutoCAD 2007
PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO. CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO. ARQ 1028 –
DESENHO DE ARQUITETURA I. APOSTILA COBERTURAS.
ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas.
http://www.daciv.feciv.ufu.br/arquivos/ApostilaVolume1.pdf
http://www.cofeci.gov.br/pagInternas/testeVerificacao/medio_desenho_arquitetonico.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hidráulica de Canais
Hidráulica de CanaisHidráulica de Canais
Hidráulica de Canais
Danilo Max
 
Estudos topográficos introdução, conceitos e aplicações
Estudos topográficos   introdução, conceitos e aplicaçõesEstudos topográficos   introdução, conceitos e aplicações
Estudos topográficos introdução, conceitos e aplicações
Ricardo Neves
 
Desenho Arquitetônico.
Desenho Arquitetônico.Desenho Arquitetônico.
Desenho Arquitetônico.
Jean Paulo Mendes Alves
 
Leitura da mira
Leitura da miraLeitura da mira
tesouras de madeira
 tesouras de madeira tesouras de madeira
tesouras de madeira
ricardojaru
 
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitárioLivro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
João Ricardo Bertoncini
 
Relatório de levantamento topográfico planimétrico
Relatório de levantamento topográfico planimétricoRelatório de levantamento topográfico planimétrico
Relatório de levantamento topográfico planimétrico
luancaio_aguas
 
Exercicios e respostas
Exercicios e respostasExercicios e respostas
Exercicios e respostas
Lucas Pereira Leão
 
Exercício de orifícios
Exercício de orifíciosExercício de orifícios
Exercício de orifícios
weder silva
 
Apresentação mec solos 2
Apresentação mec solos 2Apresentação mec solos 2
Apresentação mec solos 2
jose brasileiro junior
 
Notas de aula da pós graduação em estruturas - Fundações
Notas de aula da pós graduação em estruturas - FundaçõesNotas de aula da pós graduação em estruturas - Fundações
Notas de aula da pós graduação em estruturas - Fundações
Clauderson Basileu
 
Exercicios-topografia-corrigidos
 Exercicios-topografia-corrigidos Exercicios-topografia-corrigidos
Exercicios-topografia-corrigidos
Laécio Bezerra
 
Exercícios de rumos e azimutes
Exercícios de rumos e azimutesExercícios de rumos e azimutes
Exercícios de rumos e azimutes
Marcondes Dantas Cardoso
 
Tabela dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terças
Tabela   dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terçasTabela   dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terças
Tabela dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terças
Carlos Elson Cunha
 
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamentoMuros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
rubensmax
 
Aula 08 terraplenagem
Aula 08   terraplenagemAula 08   terraplenagem
Aula 08 terraplenagem
Jakson Nunes Rabelo
 
Nbr 13279 2005
Nbr 13279 2005Nbr 13279 2005
Materiais de construção volume 2 - bauer - 5ª edição
Materiais de construção   volume 2 - bauer - 5ª ediçãoMateriais de construção   volume 2 - bauer - 5ª edição
Materiais de construção volume 2 - bauer - 5ª edição
Jose Gentil Balbino Junior
 
agregados
agregados agregados
agregados
Paulo Cabral
 
Matérias não convencionais utilizados na construção
Matérias não convencionais utilizados na construção Matérias não convencionais utilizados na construção
Matérias não convencionais utilizados na construção
Marcelo Daniel Trindade
 

Mais procurados (20)

Hidráulica de Canais
Hidráulica de CanaisHidráulica de Canais
Hidráulica de Canais
 
Estudos topográficos introdução, conceitos e aplicações
Estudos topográficos   introdução, conceitos e aplicaçõesEstudos topográficos   introdução, conceitos e aplicações
Estudos topográficos introdução, conceitos e aplicações
 
Desenho Arquitetônico.
Desenho Arquitetônico.Desenho Arquitetônico.
Desenho Arquitetônico.
 
Leitura da mira
Leitura da miraLeitura da mira
Leitura da mira
 
tesouras de madeira
 tesouras de madeira tesouras de madeira
tesouras de madeira
 
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitárioLivro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
 
Relatório de levantamento topográfico planimétrico
Relatório de levantamento topográfico planimétricoRelatório de levantamento topográfico planimétrico
Relatório de levantamento topográfico planimétrico
 
Exercicios e respostas
Exercicios e respostasExercicios e respostas
Exercicios e respostas
 
Exercício de orifícios
Exercício de orifíciosExercício de orifícios
Exercício de orifícios
 
Apresentação mec solos 2
Apresentação mec solos 2Apresentação mec solos 2
Apresentação mec solos 2
 
Notas de aula da pós graduação em estruturas - Fundações
Notas de aula da pós graduação em estruturas - FundaçõesNotas de aula da pós graduação em estruturas - Fundações
Notas de aula da pós graduação em estruturas - Fundações
 
Exercicios-topografia-corrigidos
 Exercicios-topografia-corrigidos Exercicios-topografia-corrigidos
Exercicios-topografia-corrigidos
 
Exercícios de rumos e azimutes
Exercícios de rumos e azimutesExercícios de rumos e azimutes
Exercícios de rumos e azimutes
 
Tabela dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terças
Tabela   dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terçasTabela   dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terças
Tabela dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terças
 
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamentoMuros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
 
Aula 08 terraplenagem
Aula 08   terraplenagemAula 08   terraplenagem
Aula 08 terraplenagem
 
Nbr 13279 2005
Nbr 13279 2005Nbr 13279 2005
Nbr 13279 2005
 
Materiais de construção volume 2 - bauer - 5ª edição
Materiais de construção   volume 2 - bauer - 5ª ediçãoMateriais de construção   volume 2 - bauer - 5ª edição
Materiais de construção volume 2 - bauer - 5ª edição
 
agregados
agregados agregados
agregados
 
Matérias não convencionais utilizados na construção
Matérias não convencionais utilizados na construção Matérias não convencionais utilizados na construção
Matérias não convencionais utilizados na construção
 

Semelhante a 1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitetnicos-2

Desenho técnico udesc
Desenho técnico udescDesenho técnico udesc
Desenho técnico udesc
Silvio Gomes
 
Apostila de desenho tecnico 01
Apostila de desenho tecnico 01Apostila de desenho tecnico 01
Apostila de desenho tecnico 01
Luana Simone
 
Mat24022010183930
Mat24022010183930Mat24022010183930
Mat24022010183930
Profjorge Silva
 
Desenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdf
Desenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdfDesenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdf
Desenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdf
instthiagoceep
 
Comp civil aula 01
Comp civil   aula 01Comp civil   aula 01
Comp civil aula 01
Junior Oliveira
 
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnico
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnicoCap1 introdução ao estudo do desenho técnico
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnico
roger_alves
 
Capitulo1
Capitulo1Capitulo1
Capitulo1
Luciano Otavio
 
Introdução ao estudo do desenho técnico
Introdução ao estudo do desenho técnicoIntrodução ao estudo do desenho técnico
Introdução ao estudo do desenho técnico
Renaldo Adriano
 
introducao ao deseno tecnico
introducao ao deseno tecnicointroducao ao deseno tecnico
introducao ao deseno tecnico
Fragoso Josue Muhae
 
Normas tecnicas desenho
Normas tecnicas desenhoNormas tecnicas desenho
Normas tecnicas desenho
Daniel Ferreira
 
9 desenho arquitetônico
9   desenho arquitetônico9   desenho arquitetônico
9 desenho arquitetônico
Antonio Ferreira
 
Intro. ao desenho_técnico_parte_1
Intro. ao desenho_técnico_parte_1Intro. ao desenho_técnico_parte_1
Intro. ao desenho_técnico_parte_1
Keyth do Nascimento
 
01 desenho de projetos de edificaes
01  desenho de projetos de edificaes01  desenho de projetos de edificaes
01 desenho de projetos de edificaes
maxperdigao
 
APOSTILA_DE_DESENHO_TECNICO.pdf
APOSTILA_DE_DESENHO_TECNICO.pdfAPOSTILA_DE_DESENHO_TECNICO.pdf
APOSTILA_DE_DESENHO_TECNICO.pdf
ssuser823aef
 
Desenho Arquitetônico - Projeto Técnico
Desenho Arquitetônico - Projeto TécnicoDesenho Arquitetônico - Projeto Técnico
Desenho Arquitetônico - Projeto Técnico
caiocaceres
 
9 desenho arquitetônico
9   desenho arquitetônico9   desenho arquitetônico
9 desenho arquitetônico
antonio ferreira
 
9 desenho arquitetônico
9   desenho arquitetônico9   desenho arquitetônico
9 desenho arquitetônico
Paulo Luciano
 
9 desenho arquitetônico
9   desenho arquitetônico9   desenho arquitetônico
9 desenho arquitetônico
Francisco Goulart
 
Desenho arquitetônico
  Desenho arquitetônico  Desenho arquitetônico
Desenho arquitetônico
Weder Alves Rodrigues
 
Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...
Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...
Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...
excellenceeducaciona
 

Semelhante a 1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitetnicos-2 (20)

Desenho técnico udesc
Desenho técnico udescDesenho técnico udesc
Desenho técnico udesc
 
Apostila de desenho tecnico 01
Apostila de desenho tecnico 01Apostila de desenho tecnico 01
Apostila de desenho tecnico 01
 
Mat24022010183930
Mat24022010183930Mat24022010183930
Mat24022010183930
 
Desenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdf
Desenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdfDesenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdf
Desenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdf
 
Comp civil aula 01
Comp civil   aula 01Comp civil   aula 01
Comp civil aula 01
 
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnico
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnicoCap1 introdução ao estudo do desenho técnico
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnico
 
Capitulo1
Capitulo1Capitulo1
Capitulo1
 
Introdução ao estudo do desenho técnico
Introdução ao estudo do desenho técnicoIntrodução ao estudo do desenho técnico
Introdução ao estudo do desenho técnico
 
introducao ao deseno tecnico
introducao ao deseno tecnicointroducao ao deseno tecnico
introducao ao deseno tecnico
 
Normas tecnicas desenho
Normas tecnicas desenhoNormas tecnicas desenho
Normas tecnicas desenho
 
9 desenho arquitetônico
9   desenho arquitetônico9   desenho arquitetônico
9 desenho arquitetônico
 
Intro. ao desenho_técnico_parte_1
Intro. ao desenho_técnico_parte_1Intro. ao desenho_técnico_parte_1
Intro. ao desenho_técnico_parte_1
 
01 desenho de projetos de edificaes
01  desenho de projetos de edificaes01  desenho de projetos de edificaes
01 desenho de projetos de edificaes
 
APOSTILA_DE_DESENHO_TECNICO.pdf
APOSTILA_DE_DESENHO_TECNICO.pdfAPOSTILA_DE_DESENHO_TECNICO.pdf
APOSTILA_DE_DESENHO_TECNICO.pdf
 
Desenho Arquitetônico - Projeto Técnico
Desenho Arquitetônico - Projeto TécnicoDesenho Arquitetônico - Projeto Técnico
Desenho Arquitetônico - Projeto Técnico
 
9 desenho arquitetônico
9   desenho arquitetônico9   desenho arquitetônico
9 desenho arquitetônico
 
9 desenho arquitetônico
9   desenho arquitetônico9   desenho arquitetônico
9 desenho arquitetônico
 
9 desenho arquitetônico
9   desenho arquitetônico9   desenho arquitetônico
9 desenho arquitetônico
 
Desenho arquitetônico
  Desenho arquitetônico  Desenho arquitetônico
Desenho arquitetônico
 
Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...
Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...
Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...
 

1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitetnicos-2

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS DE TUCURUÍ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL MINI CURSO LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS PROFª MSc. REGINA BRABO SEMANA DE ENGENHARIA SET/2009
  • 2. 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS DE TUCURUÍ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL MINICURSO LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS Professora – Regina Brabo OBJETIVOS Este curso tem como objetivo capacitar profissionais em formação, a desenvolver conhecimento e dominar as técnicas de representação gráfica com vistas a compreender e interpretar a leitura de plantas no campo das Engenharias e Arquitetura. EMENTA Elementos de um projeto arquitetônico, legendas e convenções gráficas, escala, locação de obra, salubridade, conforto e eficiência energética nas edificações, introdução à análise crítica de projetos, escadas (tipos, leitura e marcação), telhados. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1) Instrumentos e materiais a. Normas ABNT 2) Dimensionamento e escalas a. Escalas b. Cotas 3) Convenções e símbolos a. Paredes b. Portas c. Janelas/balancins d. Níveis 4) Projeto arquitetônico completo a. Planta baixa b. Cortes c. Elevações d. Cobertura 5) Projetos Complementares a. Estrutura b. Hidro-sanitário c. Elétrico 6) Escadas e Rampas (acessibilidade) a. ABNT NBR 9050/2004
  • 3. 3 O que é um Projeto Arquitetônico ? • Conjunto de passos normativos, voltados para o planejamento formal de um edifício qualquer, regulamentado por um conjunto de normas técnicas e por um código de obras. • fases: – Estudo Preliminar • Estudo da viabilidade de um programa e do partido arquitetônico a ser adotado para sua apreciação e aprovação pelo cliente. Pode servir à consulta prévia para aprovação em órgãos governamentais. – Anteprojeto • Definição do partido arquitetônico e dos elementos construtivos, considerando os projetos complementares (estrutura, instalações, etc...). Nesta etapa, o projeto deve receber aprovação final do cliente e dos órgãos oficiais envolvidos e possibilitar a contratação da obra. – Projeto Executivo • Apresenta, de forma clara e organizada, TODAS as informações necessárias à execução da obra e todos os serviços inerentes. 1. INSTRUMENTOS E MATERIAIS A representação gráfica do desenho em si corresponde a um conjunto de normas internacionais (sob a supervisão da ISO). Porém, geralmente, cada país costuma possuir suas próprias versões das normas, adaptadas por diversos motivos. No Brasil, as normas são editadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), sendo as seguintes as principais: • NBR-6492 - Representação de projetos de arquitetura • NBR-10067 – Princípios gerais de representação em desenho técnico Cabe notar, no entanto, que se por um lado recomenda-se a adequação a tais normas quando da apresentação de desenhos para fins de execução de obras ou em situações oficiais (como quando os profissionais enviam seus projetos à aprovação em prefeituras), por outro lado admite-se algum nível de liberdade em relação a elas em outros contextos. Durante o processo de elaboração e evolução do projeto, por exemplo, normalmente os arquitetos utilizam-se de métodos de desenho próprios apropriados às suas necessidades momentâneas, os quais eventualmente se afastam das determinações das normas. Esta liberdade se dá pela necessidade de elaborar desenhos, que exijam uma facilidade de leitura maior por parte de leigos ou para se adequarem a diferentes publicações, por exemplo. Elementos do desenho Para que a (futura) realidade do projeto seja bem representada, faz-se uso dos diversos instrumentos disponíveis no desenho tradicional ou geométrico, o desenho arquitetônico manifesta-se principalmente através de linhas e superfícies preenchidas (tramas).
  • 4. 4 Costuma-se diferenciar no desenho duas entidades: uma é o próprio desenho (o objeto representado, um edifício, por exemplo) e o outro é o conjunto de símbolos, signos, cotas e textos que o complementam. As principais categorias do desenho de arquitetura são: as plantas, os cortes e seções e as elevações. Traços Os traços de um desenho normatizado devem ser regulares, legíveis (visíveis) e devem possuir constraste umas com as outras. Espessura dos traços Pesos e categorias de linhas Normalmente ocorre uma hierarquização das linhas, obtida através do diâmetro da pena (ou do grafite) utilizados para executá-la. Tradicionalmente usam-se quatro espessuras de pena: • Linhas complementares - Pena 0,1. Usada basicamente para registrar elementos complementares do desenho, como linhas de cota, setas, linhas indicativas, linhas de projeção, etc. • Linha fina - Pena 0,2 (ou 0,3). Usada para representar os elementos em vista. • Linha média - Pena 0.4 (ou 0,5). Usada para representar os elementos que se encontram imediatamente a frente da linha de corte. • Linha grossa - Pena 0.6 (ou 0,7). Usada para representar elementos especiais, como as linhas indicativas de corte (eventualmente é usada para representar também elementos em corte, como a pena anterior). Tipos de traços Quanto ao tipo de traços, é possível classificá-los em: • Traço contínuo. São as linhas comuns. (pena 0,1) (pena 0,2) (pena 0,4) (pena 0,6) (traço-ponto) (traço-ponto) (traço-traço)
  • 5. 5 • Traço interrompido. Representa um elemento de desenho "invisível" (ou seja, que esteja além do plano de corte). • Traço-ponto. Usado para indicar eixos de simetria ou linhas indicativas de planos de corte. Tramas Os elementos que em um desenho projetivo estão sendo cortados aparecem delimitados com um traço de espessura maior no desenho. Além do traço mais grosso, esses elementos podem estar preenchidos por um tracejado ou trama. Cada material é representado com uma trama diferente. Materiais de desenho Com a ampla difusão do desenho auxiliado pelo computador, a lista de materiais que tradicionalmente se usava para executar desenhos de arquitetura tem se tornado cada dia mais obsoleta. Alguns desses materiais, no entanto, ainda são eventualmente usados para verificar algum problema com os desenhos impressos, ou no processo de treinamento de futuros desenhistas técnicos. Após a impressão de pranchas produzidas em CAD, ainda está em uso o escalímetro, que é uma multi-régua com 6 escalas, que serve para conferir medidas, se o desenho foi impresso na escala 1/50 utiliza-se a mesma escala em uma de suas bordas visíveis. CAD Desenho gerado em um programa do tipo CAD A execução de desenhos de arquitetura no computador em geral exige a operação programas gráficos do tipo CAD que normalmente demandam um hardware robusto e de alta capacidade de processamento, e memória. Atualmente, o principal
  • 6. 6 programa para lidar com estes tipos de desenho é o AutoCad, um software produzido pela empresa americana Autodesk. O formato em que nativamente grava seus arquivos, o .dwg, é considerado o padrão "de facto" no mercado da construção civil para troca de informações de projeto. Existem, no entanto, diversos outros softwares de CAD para arquitetura. A maioria deles nem sempre é capaz de ler e escrever arquivos no formato .dwg, embora muitos utilizem-se do alternativo formato .dxf. Além de programas CAD destinados ao desenho técnico de uma forma geral, como o AutoCAD e o Microstation, também existem softwares designados especificamente para o trabalho de projeto arquitetônico, como o ArchiCAD, o ArchiStation, o Autodesk Architectural Desktop, o Revit, entre outros, com os quais é possível visualizar o modelo arquitetônico em suas várias etapas de projeto, mais do que meramente representá-lo na forma de desenho técnico. Desenho à mão A seguinte lista apresenta os materiais que tradicionalmente foram utilizados no desenho dito instrumentado (ou seja, o desenho feito à mão com auxílio de instrumentos de desenho). Ressalta-se, porém, que muitos destes materiais estão se tornando raros nos escritórios de arquitetura, dada a sua informatização. LEGENDA - Usada para informação, indicação e identificação do desenho, a saber: designação da firma, projetista, local, data, assinatura, conteúdo do desenho, escala, número do desenho, símbolo de projeção, logotipo da firma, unidade empregada, escala, etc. - A legenda deve ter 178 mm de comprimento nos formatos A2, A3 e A4, e 175 mm nos formatos A0 e A1. 2. DIMENSIONAMENTO E ESCALAS ESCALAS Norma ABNT NBR 8196, Dezembro 1999.
  • 7. 7 A designação de uma escala deve consistir na palavra ESCALA ou ESC, seguida da indicação da relação: ESCALA 1:1 para escala natural ESCALA X:1 para escala de ampliação (X > 1) ESCALA 1:X para escala de redução (X > 1) A escala deve ser indicada na legenda. O valor de X deve ser igual a 2, 5 ou 10, ou múltiplos destes. Por exemplo, 1:2, 50:1, 1:100. • Escalas utilizadas para desenhos arquitetônicos: • 1:200 ou 1:100 = rascunhos / estudos (papel manteiga) • 1:100 = anteprojeto – plantas, fachadas, cortes, perspectivas • 1:100 = desenhos de apresentação – plantas, fachadas, cortes, perspectivas, projeto para Prefeitura • 1:50 = execução (desenhos bem cotados) • 1:10, 1:20 e 1:25 = detalhes • 1:50 = projetos especiais – fundações, estrutura, instalações, etc. LINHA DE COTA: Cotagem em Desenho Técnico (NBR 10126) Representação gráfica das dimensões no desenho técnico de um elemento, através de linhas, símbolos, notas e valor numérico numa unidade de medida. Elementos gráficos para representação de cotas Podemos dividir os desenhos arquitetônicos em dois grupos: Desenhos Preliminares de apresentação e Desenhos para execução. Nos desenhos preliminares são feitos vários estudos por meio de esboços que começam a dar forma ao edifício proposto. Estes têm por objetivo dar uma representação real do projeto de um edifício. São constituídas de plantas, elevações; incluindo, para serem mais completos, também desenhos perspectivos com representação de figuras humanas, árvores, edifícios adjacentes para servir como escala de referência. Não devem conter dados estruturais. Nos desenhos para execução incluímos as plantas, elevações e fachadas, cortes e acabamentos segundo as normas com as quais a obra será executada. Na área de construção civil, as plantas se constituem como a representação gráfica de um projeto; • Existem alguns tipos de representações gráficas em um projeto: – Planta baixa; – Planta de situação; – Planta de localização; – Corte transversal e longitudinal; – Planta de fachada. • Na área de construção civil, as plantas se constituem como a representação gráfica de um projeto; PLANTA DE SITUAÇÃO
  • 8. 8 PLANTA DE LOCAÇÃO Planta de Locação ou Localização: demonstra a localização da obra dentro do terreno, com seus respectivos recuos frontais e laterais.
  • 9. 9 Vocabulário e normas básicas de construção e desenho de arquitetura: PEITORIL - altura do chão ao início da janela. PÉ-DIREITO - altura do chão até a laje. CUMEEIRA - ponto mais alto da cobertura. PLANTA - vista obtida após a retirada do plano de secção olhando de cima para baixo; CORTE - vista obtida após a retirada da parte anterior ao plano de secção olhando de frente; BREESES E MARQUISES: elementos construtivos que impedem a entrada de radiação solar direta no interior da construção; VIGAS E PILARES: elementos estruturais responsáveis pela sustentação da construção através da distribuição das forças e transmissão até o alicerce da construção: Normas básicas de construção (dependem do Plano Diretor de cada Município) • Recuo Frontal: maior ou igual a 4,00 m. • Recuos laterais: maior ou igual a 1,50 m caso exista janela na parede. • Pé-direito: mínimo de 2.50m para banheiros e corredores, sendo 2,80m o exigido para as demais dependências. • Portas: externas= 0,90 m, internas= 0,80 m, banheiros=0,70 m em geral sendo que todas possuem altura de 2,10 m. • Largura dos corredores = mínimo 0,90 m. • Abertura mínima para ventilação iluminação = 1 / 6 da área do piso. • Inclinação dos telhados: telha de barro= 30%, de fibrocimento= 12% • Laje = espessura média 0,12 m. • Paredes = de meio tijolo com reboco 0,15 m, de um tijolo 0,25 m. 3. CONVENÇÕES E SIMBOLOS a. PAREDES Normalmente as paredes internas são representadas com espessura de 15 cm, mesmo que na realidade a parede tenha 14 cm ou até menos. Nas paredes externas o uso de paredes de 20 cm de espessura é o recomendado, mas não obrigatório. É no entanto obrigatório o uso de paredes de 20cm de espessura quando esta se situa entre dois vizinhos (de apartamento, salas comerciais...). Convenciona-se para paredes altas (que vão do piso ao teto) traço grosso contínuo, e para paredes a meia altura, com traço médio contínuo, indicando a altura correspondente.
  • 10. 10 Na representação de uma reforma é indispensável diferenciar muito bem o que existe e o que será demolido ou acrescentado. Estas indicações podem ser feitas usando as seguintes convenções: b. PORTAS Porta interna - Geralmente a comunicação entre dois ambientes não há diferença de nível, ou seja, estão no mesmo plano, ou ainda, possuem a mesma cota. Porta externa - A comunicação entre os dois ambientes (externo e interno) possuem cotas diferentes, ou seja, o piso externo é mais baixo. Nos banheiros a água alcança a parte inferior da porta ou passa para o ambiente vizinho; os dois inconvenientes são evitados quando há uma diferença de cota nos pisos de 1 a 2 cm pelo menos. Por esta razão as portas de sanitários desenham se como as externas.
  • 11. 11
  • 12. 12 c. JANELAS O plano horizontal da planta corta as janelas com altura do peitoril até 1.50m, sendo estas representadas conforme a figura abaixo, sempre tendo como a primeira dimensão a largura da janela pela sua altura e peitoril correspondente. Para janelas em que o plano horizontal não o corta, a representação é feita com linhas invisíveis.
  • 13. 13
  • 14. 14 NÍVEIS – São cotas altimétricas dos pisos, sempre em relação a uma determinada Referência de Nível pré-fixada pelo projetista e igual a zero – Regras: • Colocar dos dois lados de uma diferença de nível; • Indicar sempre em metros, na horizontal; • Evitar repetição de níveis próximos em planta e não marcar sucessão de desníveis iguais (escada);
  • 15. 15 NORTE Em planta baixa, os pisos são apenas distintos em comuns ou impermeáveis • Os impermeáveis são representados apenas nas “áreas molhadas”, ou seja, áreas dotadas de equipamentos hidráulicos, sacadas, varandas, etc... • O tamanho do reticulado constitui uma simbologia, não tendo a ver necessariamente com o tamanho real das lajotas ou pisos cerâmicos. Equipamentos Hidráulicos
  • 16. 16 4. PROJETO ARQUITETÔNICO MONTAGEM GRÁFICA DE UM PROJETO O projeto relativo a qualquer obra de construção, reconstrução, acréscimo e modificação de edificação, constará, conforme a própria natureza da obra que se vai executar, de uma série de desenhos: a. Plantas cotadas de cada pavimento, do telhado e das dependências a construir, modificar ou sofrer acréscimo. Nessas plantas devem ser indicados os destinos e áreas de cada compartimento e suas dimensões. b. Desenho da elevação ou fachada ou fachadas voltadas para vias públicas. Num lote de meio de quadra é obrigatória a representação de apenas uma fachada. No caso de lote de esquina é obrigatória a representação de pelo menos duas fachadas. c. A planta de situação em que seja indicado: d. Posição do edifício em relação às linhas limites do lote e. Orientação em relação ao norte magnético f. Indicação da largura do logradouro e do passeio, localizando as árvores existentes no lote e no trecho do logradouro, poste e outros dispositivos de serviços de instalações de utilidade publica. g. Cortes longitudinal e transversal do edifício projetado. No mínimo representam-se 2 cortes, passando principalmente onde proporcione maiores detalhes ao executor da obra ou dos projetos complementares. PLANTAS E VISTAS
  • 17. 17 Escalas mais utilizadas: a. Planta baixa.............. 1:50 b. Cortes........................ 1:50 c. Fachadas.................... 1:50 d. Situação..................... 1:200 / 1: 500 e. Localização................ 1:1000 / 1:2000 f. Cobertura................... 1:100 Obs: A escala não dispensará a indicação de cotas. PLANTA BAIXA É um corte transversal à edificação, a uma altura de 1,50m. Através da planta baixa, podemos visualizar os ambientes que compõe o projeto. Itens que compõe a planta baixa: • Paredes • Janelas • Portas • Cotas • Cotas de nível • Projeções • Indicação dos cortes • Indicação do norte • Escada • Rampas
  • 19. 19 CORTES E FACHADAS: Na maioria dos casos, as plantas e fachadas não são suficientes para mostrar as divisões internas de um projeto, bem como os elementos construtivos como as vigas, fundamentais no projeto adequado da futura rede de dutos para condicionamento de ar: Desta forma temos os cortes transversais e longitudinais, obtidos através de um plano de secção atravessando a construção verticalmente. Já a Fachada nada mais é do que a elevação frontal da construção.
  • 20. 20
  • 21. 21 FACHADA / ELEVAÇÃO PLANTA DE COBERTURA ÁGUAS As coberturas são constituídas por uma ou mais superfícies que podem ser planas, curvas ou mistas, entretanto as planas são as mais utilizadas. Essas superfícies (planos) são denominados “água”, e conforme o seu número, temos o telhado de uma água (vulgarmente conhecido como alpendres ou meia-água), os de duas, de três, de quatro, etc.
  • 22. 22 Beirais São parte da cobertura que avançam além dos alinhamentos das paredes externas. Faz o papel das abas de um chapéu: protege as paredes contra as águas da chuva. Geralmente tem largura em torno de 60cm à 1.00m.
  • 24. 24 PROJETO DE UMA COBERTURA Consiste na projeção do telhado sobre um plano horizontal, de modo a conhecer a sua forma através das linhas de cummeira, espigões e rincões. A cumeeira é um divisor de águas horizontal. Os espigões são também divisores de água, porém inclinados e os rincões ou águas furtadas são receptores de águas inclinadas. Ao projetarmos uma cobertura devemos nos lembrar de algumas práticas: 1. As cumeeiras são linhas paralelas a uma direção das paredes e perpendicular a outra direção. 2. Os espigões formam ângulos de 45º com as projeções das paredes e partem dos cantos externos. 3. Os rincões ou águas furtadas formam ângulos de 45º com as projeções das paredes e partem dos cantos internos.
  • 25. 25
  • 26. 26 OUTRAS INFORMAÇÕES NO PROJETO ARQUITETÕNICO Legenda de Esquadrias: P (PORTAS); J (JANELAS); B (BALANCIN) Quadro de áreas: legenda que apresenta área do terreno, área construída e áreas de permeabilidade (jardim). Especificações de materiais de acabamento: piso, parede, forro 5. PROJETOS COMPLEMENTARES ESTRUTURA o LAJE
  • 27. 27 o PILARES PROJETO HIDRO SANITÁRIO: dimensiona tubulações necessárias para cada área molhada 9banheiro, cozinha, área de serviço e outros. PROJETO ELÉTRICO: define o caminho das tubulações elétricas desde a caixa de entrada de energia que vem da rua até a sua chegada aos equipamentos.
  • 28. 28 6. ESCADAS E RAMPAS As escadas são constituídas por: Degraus – pisos + espelhos Pisos – pequenos planos horizontais que constituem a escada. Espelhos – planos verticais que unem os pisos. Patamares – pisos de maior largura que sucedem os pisos normais da escada, geralmente ao meio do desnível do pé direito, com o objetivo de facilitar a subida e o repouso temporário do usuário da escada. Lances – sucessão de degraus entre planos a vencer, entre um plano e um patamar, entre um patamar e um plano e entre dois patamares. Guarda-corpo e corrimão – proteção em alvenaria, balaústre, grades, cabos de aço etc na extremidade lateral dos degraus para a proteção das pessoas que utilizam a escada.
  • 30. 30 Dimensionamento de escadas segundo a NBR 9077 (Saídas de Emergência em Edificações) e a NBR 9050/2004 (Norma de Acessibilidade): As dimensões dos pisos e espelhos devem ser constantes em toda a escada, atendendo às condições definidas a seguir, excetuando-se as escadas fixas com lances curvos ou mistos (retos + curvos). Dessa forma, devem ser seguidos os seguintes parâmetros: a. pisos (p) : 0,28m<p<0,32m b. espelhos (e): 0,16m<e<0,18m c. 0,63m<p+2e<0,65m (Blondell) d. A largura mínima admissível para as escadas fixas é de 1,20m. e. O primeiro e o último degraus de um lance de escada devem distar pelo menos 0,30m da área da circulação adjacente. f. As escadas fixas devem ter, no mínimo, um patamar a cada 1,20m de desnível e também sempre que houver mudança de direção.
  • 31. 31 g. Em relação aos corrimãos e guarda-corpos – é obrigatória a instalação de corrimãos e guarda-corpos nos dois lados das rampas e escadas fixas. Eles devem ser construídos em materiais rígidos, firmemente fixados à parede ou às barras de suporte, oferecendo condições seguras de utilização. Além disso, os corrimãos devem permitir boa empunhadura e deslizamento da mão, sendo preferencialmente de seção circular entre 3,5cm e 4,5cm de diâmetro. Deve ser, ainda, deixado espaço livre de 4cm, no mínimo, entre a parede e o corrimão. Para dar segurança às crianças e pessoas com problemas de visão e mobilidade, o corrimão deve prolongar-se pelo menos 0,30m antes do início e após o término da rampa e da escada, sem interferir com as áreas de circulação. A altura de corrimãos recomendada pela NBR 9050/2004 é de 0,92m em relação ao piso para adultos, sendo orientada uma segunda altura de 0,70m em relação ao piso para atender também às crianças. Tanto em escadas como em rampas, é importante que os corrimãos sejam contínuos, sem interrupção nos patamares. Dessa forma, é importante que eles sigam o projeto da circulação vertical. RAMPAS As rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação verticais acessíveis a todos, sem exceção. Por elas podem circular pedestres, idosos, cardíacos, pessoas portadoras de deficiências motoras, usuários de cadeiras de rodas, mães com carrinhos de bebês, ciclistas, skatistas etc. Entretanto, para que elas possam ser, de fato, utilizadas pela maior gama possível de pessoas, é preciso seguir a norma de acessibilidade (NBR 9050/2004), de forma a dimensionar esse meio corretamente, atendendo com segurança todos os usuários. Segundo a NBR 9050/2004: A largura mínima admissível para uma rampa é de 1,20m, sendo recomendada a largura de 1,50m. O fluxo de usuários é fator determinante para o dimensionamento dessa largura. Dessa forma, não se pode utilizara mesma largura para uma rampa de uma edificação residencial e para uma estação de transportes de massa ou um shopping center. Na construção de uma rampa, quanto maior for a altura do desnível a ser vencido, maior terá que ser o seu comprimento. É um engano comum pensar que o uso da área da escada para fazer um plano inclinado sobre ela seria a solução para o acesso. O espaço utilizado por uma escada nunca será suficiente para fazer uma rampa em seu lugar. Ficaria muito íngreme, deslizante, e não permitiria sua utilização de forma segura. Tabela para o dimensionamento de rampas da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT NBR 9050/2004 A inclinação das rampas deve ser calculada segundo a seguinte equação: c = h x 100 e i = h x 100 i c i é a inclinação, em porcentagem; h é a altura do desnível; c é o comprimento da projeção horizontal.
  • 32. 32 Em reformas, quando esgotadas as possibilidades de soluções que atendam integralmente à tabela, podem ser utilizadas inclinações superiores a 8,33% (1:12), mas até no máximo 12,5% (1:8). A largura das rampas (L) deve ser estabelecida de acordo com o fluxo de pessoas. A largura livre mínima recomendável para as rampas em rotas acessíveis é de 1,50 m, sendo o mínimo admissível 1,20 m. Em edificações existentes, quando a construção de rampas nas larguras indicadas ou a adaptação da largura das rampas for impraticável, podem ser executadas rampas com largura mínima de 0,90 m com segmentos de no máximo 4,00 m, medidos na sua projeção horizontal. Rampas em curva Para rampas em curva, a inclinação máxima admissível é de 8,33% (1:12) e o raio mínimo de 3,00 m, medido no perímetro interno à curva, conforme figura abaixo.
  • 33. 33 Patamares das rampas No início e no término da rampa devem ser previstos patamares com dimensão longitudinal mínima recomendável de 1,50 m, sendo o mínimo admissível 1,20 m, além da área de circulação adjacente. Os patamares situados em mudanças de direção devem ter dimensões iguais à largura da rampa. BIBLIOGRAFIA 6542190-Curso-de-Leitura-de-Projetos-Arquitetura-Desenho-Tecnico CEFET-SC - Un. São José –Área de Refrigeração e Ar Condicionado – Prof. Gilson - Desenho Técnico com Auxílio do AutoCAD 2007 PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO. CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO. ARQ 1028 – DESENHO DE ARQUITETURA I. APOSTILA COBERTURAS. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas. http://www.daciv.feciv.ufu.br/arquivos/ApostilaVolume1.pdf http://www.cofeci.gov.br/pagInternas/testeVerificacao/medio_desenho_arquitetonico.pdf