SlideShare uma empresa Scribd logo
PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO
PARA COLETA CITOLÓGIA
SES - FCMMG
Câncer cervical
 3ª causa de morte em mulheres por câncer;
 SISCOLO 2009 – 11 milhões exames citológicos
realizados;
 Apesar dos avanços em nível da atenção primária e de
todo SUS;
 Reduzir a mortalidade por câncer do colo do útero no
Brasil ainda é um desafio a ser vencido.
Rastreamento do câncer cervical
Representa um processo complexo em múltiplas etapas:
 Aplicação do exame de rastreamento,
 Identificação dos casos positivos,
(suspeitos de lesão precursora ou câncer)
 Confirmação diagnóstica,
 Tratamento.
Atenção primária à saúde (APS)
Apresentam melhores resultados no que se refere à:
 provisão dos cuidados em saúde,
 ao alcance de maior equidade e eficiência,
 à continuidade da atenção,
 à satisfação dos usuários,
 deve constituir-se como a base do sistema de saúde com
capacidade para organizá-lo em sua totalidade.
APS
Definida como um conjunto de ações de promoção e proteção
à saúde, prevenção de
agravos, diagnóstico, tratamento, reabilitação e manutenção
da saúde nas dimensões coletiva e individual, por meio de
ações gerenciais e sanitárias participativas e
democráticas, trabalho em equipe, responsabilização
sanitária, base territorial e resolução dos problemas de saúde
mais frequentes e relevantes em determinado contexto.
Estratégia Saúde da Família (ESF)
 Fortalece a APS,
 Reorganiza o modelo de atenção à saúde,
 Amplia o acesso,
 Incorpora como uma de suas diretrizes a definição de porta de
entrada preferencial para o SUS,
 Desenvolve ações de promoção de saúde, prevenção de agravos,
 Equipe multiprofissional,
 Maior participação social e intersetorialidade.
 É fundamental garantir o acesso às atenções secundária e terciária
por meio do estabelecimento de fluxos formais para referência e
contrarreferência, assim como o registro das informações clínicas.
APS x Prevenção do câncer cervical
 Prevenção de DSTs,
 Informação e esclarecimento da população sobre o
rastreamento,
 identificação da população feminina na faixa etária
prioritária,
 identificação de mulheres com risco aumentado,
 convocação para exame,
 realização da coleta da citologia,
 identificação de faltosas e reconvocação,
 recebimento dos laudos,
 identificação das mulheres com resultados positivos ao
rastreamento para vigilância do caso, orientação e
encaminhamento das mulheres para unidade secundária,
 avaliação da cobertura de citologia na área,
 avaliação da qualidade da coleta e supervisão dos técnicos
para coleta,
 planejamento e execução de ações, na área sob
responsabilidade sanitária da equipe, voltadas para a
melhoria da cobertura do exame.
 vigilância dos casos encaminhados para confirmação
diagnóstica e tratamento,
 identificação de falhas no acesso e fechamento dos casos.
 oferecer diferentes modalidades de suporte a pacientes em
tratamento curativo ou paliativo.
Metodo e cobertura
 A realização periódica do exame citopatológico continua
sendo a estratégia mais adotada para o rastreamento do
câncer do colo do útero.
(wHO, 2010)
 Atingir alta cobertura da população definida como alvo é o
componente mais importante no âmbito da atenção primária
para que se obtenha significativa redução da incidência e da
mortalidade por câncer do colo do útero.
(ANTTILA et al, 2009; ARByN et al, 2009a)
 Países com cobertura > 50 % de citologia realizada a cada 3
anos taxas < a 3 mortes/100 mil mulheres/ ano.
 Países com cobertura > 70 % de citologia realizada a cada 3
anos taxas ≤ a 2 mortes/100 mil mulheres/ ano.
ADAB et al, 2004; ANTTILA et al, 2009; NICULA et al, 2009
É consenso que o rastreamento do câncer do colo do útero é o desafio a
ser vencido para que se obtenha a melhor relação custo-benefício
possível com alta cobertura populacional. Deve incluir :
 Recrutamento da população-alvo, idealmente por meio de um sistema
de informação de base populacional.
 Adoção de recomendações baseadas em evidências científicas, que inclui
definição da população-alvo e do intervalo entre as coletas, assim como
elaboração de guias clínicos para o manejo dos casos suspeitos.
 Recrutamento das mulheres em falta com o rastreamento.
 Garantia da abordagem necessária para as mulheres com exames
alterados.
 Educação e comunicação.
 Garantia de qualidade dos procedimentos realizados em todos os níveis
do cuidado.
Mulheres
super-rastreadas
e
Mulheres
em falta com os controles
População alvo
 O rastreamento em mulheres < 25 anos não tem impacto na
redução da incidência e/ou mortalidade por câncer do colo
do útero.
 O tratamento de lesões precursoras do câncer do colo em
adolescentes e mulheres jovens está associado ao aumento da
morbidade obstétrica e neonatal, como parto prematuro.
 O impacto psíquico que o diagnóstico de uma doença
sexualmente transmissível e precursora do câncer tem em
adolescentes e adultas jovens na construção da autoimagem e
da sexualidade.
 O American College of Obstetricians and Gynecologists
recomenda o rastreio apenas a partir dos 21 anos de idade.
 Na Europa, o rastreamento do câncer do colo do útero é
iniciado preferencialmente entre 25 e 30 anos de idade.
(ARByN et al, 2010; (KyRGIOU et al, 2006; ACOG 2009)
Recomendações INCA 2011
 O método de rastreamento do câncer do colo do útero e de
suas lesões precursoras é o exame citopatológico.
 O intervalo entre os exames deve ser de três anos, após dois
exames negativos, com intervalo anual (A).
 O início da coleta deve ser aos 25 anos de idade para as
mulheres que já tiveram atividade sexual (A).
 Os exames devem seguir até os 64 anos e serem
interrompidos quando, após essa idade, as mulheres tiverem
pelo menos dois exames negativos consecutivos nos últimos
cinco anos (B).
 Para mulheres com mais de 64 anos e que nunca realizaram o
exame citopatológico, deve-se realizar dois exames com
intervalo de um a três anos. Se ambos forem negativos, essas
mulheres podem ser dispensadas de exames adicionais (B).
Essas recomendações não se aplicam a mulheres com
história prévia de lesões precursoras do câncer do colo
uterino.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Consensointegra
ConsensointegraConsensointegra
Consensointegra
evandrodig
 
Estimativa 2014 - Incidência de Câncer no Brasil
Estimativa 2014 - Incidência de  Câncer no BrasilEstimativa 2014 - Incidência de  Câncer no Brasil
Estimativa 2014 - Incidência de Câncer no Brasil
Ministério da Saúde
 
2012 pl dispõe sobre a concessão do direito a uma folga anual para a realiz...
2012 pl   dispõe sobre a concessão do direito a uma folga anual para a realiz...2012 pl   dispõe sobre a concessão do direito a uma folga anual para a realiz...
2012 pl dispõe sobre a concessão do direito a uma folga anual para a realiz...
drtaylorjr
 
G1103015156
G1103015156G1103015156
G1103015156
IOSR Journals
 
Monitoramento mensal pecq_mamo
Monitoramento mensal pecq_mamoMonitoramento mensal pecq_mamo
Monitoramento mensal pecq_mamo
Edna Souza
 
dados-apresentados_2016.pdf
dados-apresentados_2016.pdfdados-apresentados_2016.pdf
dados-apresentados_2016.pdf
estantesaude
 
Por um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidade
Por um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidadePor um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidade
Por um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidade
Oncoguia
 
Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto AlegrePôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Aishameriane Schmidt
 
Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...
Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...
Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...
http://bvsalud.org/
 
Neoplasias primárias múltiplas
Neoplasias primárias múltiplasNeoplasias primárias múltiplas
Neoplasias primárias múltiplas
Nadine Sousa
 
Novembro azul troque o preconceito pela vida
Novembro azul troque o preconceito pela vidaNovembro azul troque o preconceito pela vida
Novembro azul troque o preconceito pela vida
Emilio Matos Rocha
 
Novembro azul 2016 histórico e planejamento
Novembro azul 2016 histórico e planejamentoNovembro azul 2016 histórico e planejamento
Novembro azul 2016 histórico e planejamento
Leila Oliveira
 
Programa saúde em movimento
Programa saúde em movimentoPrograma saúde em movimento
Programa saúde em movimento
Guy Valerio Barros dos Santos
 
Cancer Colorretal - Prioridades e Desafios
Cancer Colorretal - Prioridades e DesafiosCancer Colorretal - Prioridades e Desafios
Cancer Colorretal - Prioridades e Desafios
Oncoguia
 
Poster XX Salão de Iniciação Científica UFRGS
Poster XX Salão de Iniciação Científica UFRGSPoster XX Salão de Iniciação Científica UFRGS
Poster XX Salão de Iniciação Científica UFRGS
Aishameriane Schmidt
 
Câncer de próstata
Câncer de próstataCâncer de próstata
Câncer de próstata
Cintia Liberato
 
Carta de Prioridades sobre Câncer de Rim
Carta de Prioridades sobre Câncer de RimCarta de Prioridades sobre Câncer de Rim
Carta de Prioridades sobre Câncer de Rim
Oncoguia
 
51 Artigo6
51 Artigo651 Artigo6
51 Artigo6
Afonso pena
 
06 cancerbexigai parte 1
06 cancerbexigai parte 106 cancerbexigai parte 1
06 cancerbexigai parte 1
Arquivo-FClinico
 
Por uma oncologia mais justa e menos desigual no SUS
Por uma oncologia mais justa e menos desigual no SUSPor uma oncologia mais justa e menos desigual no SUS
Por uma oncologia mais justa e menos desigual no SUS
Oncoguia
 

Mais procurados (20)

Consensointegra
ConsensointegraConsensointegra
Consensointegra
 
Estimativa 2014 - Incidência de Câncer no Brasil
Estimativa 2014 - Incidência de  Câncer no BrasilEstimativa 2014 - Incidência de  Câncer no Brasil
Estimativa 2014 - Incidência de Câncer no Brasil
 
2012 pl dispõe sobre a concessão do direito a uma folga anual para a realiz...
2012 pl   dispõe sobre a concessão do direito a uma folga anual para a realiz...2012 pl   dispõe sobre a concessão do direito a uma folga anual para a realiz...
2012 pl dispõe sobre a concessão do direito a uma folga anual para a realiz...
 
G1103015156
G1103015156G1103015156
G1103015156
 
Monitoramento mensal pecq_mamo
Monitoramento mensal pecq_mamoMonitoramento mensal pecq_mamo
Monitoramento mensal pecq_mamo
 
dados-apresentados_2016.pdf
dados-apresentados_2016.pdfdados-apresentados_2016.pdf
dados-apresentados_2016.pdf
 
Por um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidade
Por um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidadePor um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidade
Por um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidade
 
Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto AlegrePôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
 
Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...
Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...
Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...
 
Neoplasias primárias múltiplas
Neoplasias primárias múltiplasNeoplasias primárias múltiplas
Neoplasias primárias múltiplas
 
Novembro azul troque o preconceito pela vida
Novembro azul troque o preconceito pela vidaNovembro azul troque o preconceito pela vida
Novembro azul troque o preconceito pela vida
 
Novembro azul 2016 histórico e planejamento
Novembro azul 2016 histórico e planejamentoNovembro azul 2016 histórico e planejamento
Novembro azul 2016 histórico e planejamento
 
Programa saúde em movimento
Programa saúde em movimentoPrograma saúde em movimento
Programa saúde em movimento
 
Cancer Colorretal - Prioridades e Desafios
Cancer Colorretal - Prioridades e DesafiosCancer Colorretal - Prioridades e Desafios
Cancer Colorretal - Prioridades e Desafios
 
Poster XX Salão de Iniciação Científica UFRGS
Poster XX Salão de Iniciação Científica UFRGSPoster XX Salão de Iniciação Científica UFRGS
Poster XX Salão de Iniciação Científica UFRGS
 
Câncer de próstata
Câncer de próstataCâncer de próstata
Câncer de próstata
 
Carta de Prioridades sobre Câncer de Rim
Carta de Prioridades sobre Câncer de RimCarta de Prioridades sobre Câncer de Rim
Carta de Prioridades sobre Câncer de Rim
 
51 Artigo6
51 Artigo651 Artigo6
51 Artigo6
 
06 cancerbexigai parte 1
06 cancerbexigai parte 106 cancerbexigai parte 1
06 cancerbexigai parte 1
 
Por uma oncologia mais justa e menos desigual no SUS
Por uma oncologia mais justa e menos desigual no SUSPor uma oncologia mais justa e menos desigual no SUS
Por uma oncologia mais justa e menos desigual no SUS
 

Destaque

El batimóvil.pptx. antonio horacio stiusso
El batimóvil.pptx. antonio horacio stiussoEl batimóvil.pptx. antonio horacio stiusso
El batimóvil.pptx. antonio horacio stiusso
AntonioCabrala
 
Protocolos y-modelo-osi-1194021645362914-1
Protocolos y-modelo-osi-1194021645362914-1Protocolos y-modelo-osi-1194021645362914-1
Protocolos y-modelo-osi-1194021645362914-1
Faby Huerta Aparicio
 
Trabajo final
Trabajo finalTrabajo final
Trabajo final
hopygarza
 
Convergencia multimedia de la información noticiosa y publicitaria de un medi...
Convergencia multimedia de la información noticiosa y publicitaria de un medi...Convergencia multimedia de la información noticiosa y publicitaria de un medi...
Convergencia multimedia de la información noticiosa y publicitaria de un medi...
Alban Herlan
 
Chiruca zapatos multifunction
Chiruca zapatos multifunctionChiruca zapatos multifunction
Chiruca zapatos multifunction
Chiruca
 
Deber 1
Deber 1Deber 1
Deber 1
Danielws21
 
Portifólio
PortifólioPortifólio
Portifólio
Ana Claudia Leao
 
La sociedad de automóviles peugeot.pptx. antonio stiusso
La sociedad de automóviles peugeot.pptx. antonio stiussoLa sociedad de automóviles peugeot.pptx. antonio stiusso
La sociedad de automóviles peugeot.pptx. antonio stiusso
AntonioCabrala
 
Neumáticos bordadura inflado. antonio horacio stiuso
Neumáticos bordadura inflado. antonio horacio stiusoNeumáticos bordadura inflado. antonio horacio stiuso
Neumáticos bordadura inflado. antonio horacio stiuso
AntonioCabrala
 
Prejuicio sobre los autos nuevos.pptx. antonio stiusso
Prejuicio sobre los autos nuevos.pptx. antonio stiussoPrejuicio sobre los autos nuevos.pptx. antonio stiusso
Prejuicio sobre los autos nuevos.pptx. antonio stiusso
AntonioCabrala
 
Apresentação palestra amp
Apresentação palestra ampApresentação palestra amp
Apresentação palestra amp
Marilane Carneiro Di Mario
 
Mta cs
Mta csMta cs
Proyecto desarrollo del pensamiento
Proyecto desarrollo del pensamientoProyecto desarrollo del pensamiento
Proyecto desarrollo del pensamiento
Natasha Reyes Merejildo
 
Sincronización o puesta a punto de los motores. antonio horacio stiuso
Sincronización o puesta a punto de los motores. antonio horacio stiusoSincronización o puesta a punto de los motores. antonio horacio stiuso
Sincronización o puesta a punto de los motores. antonio horacio stiuso
AntonioCabrala
 
TAREA DE ORGANIZADORES GRAFICO DEL PHP
TAREA DE ORGANIZADORES GRAFICO DEL PHPTAREA DE ORGANIZADORES GRAFICO DEL PHP
TAREA DE ORGANIZADORES GRAFICO DEL PHP
romimaira
 
S.o aula 2526
S.o aula 2526S.o aula 2526
S.o aula 2526
Armando Rivarola
 
Internet para menores
Internet para menoresInternet para menores
Internet para menores
jromeroazn
 
El fundador de los autos ford.pptx. antonio stiusso
El fundador de los autos ford.pptx. antonio stiussoEl fundador de los autos ford.pptx. antonio stiusso
El fundador de los autos ford.pptx. antonio stiusso
AntonioCabrala
 
Practica de bioseguridad
Practica de bioseguridadPractica de bioseguridad
Practica de bioseguridad
Jorge A.M.L.
 

Destaque (20)

El batimóvil.pptx. antonio horacio stiusso
El batimóvil.pptx. antonio horacio stiussoEl batimóvil.pptx. antonio horacio stiusso
El batimóvil.pptx. antonio horacio stiusso
 
Protocolos y-modelo-osi-1194021645362914-1
Protocolos y-modelo-osi-1194021645362914-1Protocolos y-modelo-osi-1194021645362914-1
Protocolos y-modelo-osi-1194021645362914-1
 
Trabajo final
Trabajo finalTrabajo final
Trabajo final
 
Convergencia multimedia de la información noticiosa y publicitaria de un medi...
Convergencia multimedia de la información noticiosa y publicitaria de un medi...Convergencia multimedia de la información noticiosa y publicitaria de un medi...
Convergencia multimedia de la información noticiosa y publicitaria de un medi...
 
Chiruca zapatos multifunction
Chiruca zapatos multifunctionChiruca zapatos multifunction
Chiruca zapatos multifunction
 
Deber 1
Deber 1Deber 1
Deber 1
 
Portifólio
PortifólioPortifólio
Portifólio
 
La sociedad de automóviles peugeot.pptx. antonio stiusso
La sociedad de automóviles peugeot.pptx. antonio stiussoLa sociedad de automóviles peugeot.pptx. antonio stiusso
La sociedad de automóviles peugeot.pptx. antonio stiusso
 
Neumáticos bordadura inflado. antonio horacio stiuso
Neumáticos bordadura inflado. antonio horacio stiusoNeumáticos bordadura inflado. antonio horacio stiuso
Neumáticos bordadura inflado. antonio horacio stiuso
 
Prejuicio sobre los autos nuevos.pptx. antonio stiusso
Prejuicio sobre los autos nuevos.pptx. antonio stiussoPrejuicio sobre los autos nuevos.pptx. antonio stiusso
Prejuicio sobre los autos nuevos.pptx. antonio stiusso
 
Apresentação palestra amp
Apresentação palestra ampApresentação palestra amp
Apresentação palestra amp
 
Mta cs
Mta csMta cs
Mta cs
 
O homem aranha n•71
O homem aranha n•71O homem aranha n•71
O homem aranha n•71
 
Proyecto desarrollo del pensamiento
Proyecto desarrollo del pensamientoProyecto desarrollo del pensamiento
Proyecto desarrollo del pensamiento
 
Sincronización o puesta a punto de los motores. antonio horacio stiuso
Sincronización o puesta a punto de los motores. antonio horacio stiusoSincronización o puesta a punto de los motores. antonio horacio stiuso
Sincronización o puesta a punto de los motores. antonio horacio stiuso
 
TAREA DE ORGANIZADORES GRAFICO DEL PHP
TAREA DE ORGANIZADORES GRAFICO DEL PHPTAREA DE ORGANIZADORES GRAFICO DEL PHP
TAREA DE ORGANIZADORES GRAFICO DEL PHP
 
S.o aula 2526
S.o aula 2526S.o aula 2526
S.o aula 2526
 
Internet para menores
Internet para menoresInternet para menores
Internet para menores
 
El fundador de los autos ford.pptx. antonio stiusso
El fundador de los autos ford.pptx. antonio stiussoEl fundador de los autos ford.pptx. antonio stiusso
El fundador de los autos ford.pptx. antonio stiusso
 
Practica de bioseguridad
Practica de bioseguridadPractica de bioseguridad
Practica de bioseguridad
 

Semelhante a 1 diretrizes brasileiras para o rastreamento do ca de colo

Aula screening abril2014
Aula screening abril2014Aula screening abril2014
Aula screening abril2014
Inaiara Bragante
 
Rastreamento do câncer do colo do útero: cobertura, periodicidade e população...
Rastreamento do câncer do colo do útero: cobertura, periodicidade e população...Rastreamento do câncer do colo do útero: cobertura, periodicidade e população...
Rastreamento do câncer do colo do útero: cobertura, periodicidade e população...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Montenegro ca colo
Montenegro ca coloMontenegro ca colo
Montenegro ca colo
Lúcia Takimi
 
Detecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncerDetecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncer
nnanda4
 
Detecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncerDetecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncer
nnanda4
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Silvio Bromberg
 
Sb debate em saude
Sb debate em saudeSb debate em saude
Sb debate em saude
Silvio Bromberg
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Silvio Bromberg
 
ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdfANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
Glaucya Markus
 
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfResumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Cristina Costa
 
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfResumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Cristina Costa
 
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostraRastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
rafaella-feitosa-guimar-es.pdf
rafaella-feitosa-guimar-es.pdfrafaella-feitosa-guimar-es.pdf
rafaella-feitosa-guimar-es.pdf
MaianaSantos12
 
Por que não colher citologia antes dos 25 anos?
Por que não colher citologia antes dos 25 anos?Por que não colher citologia antes dos 25 anos?
Câncer de mama: do exame clínico ao exame de imagem
Câncer de mama: do exame clínico ao exame de imagemCâncer de mama: do exame clínico ao exame de imagem
OUTUBRO ROSA Cultura jovem dados e prevenção
OUTUBRO ROSA Cultura jovem dados e prevençãoOUTUBRO ROSA Cultura jovem dados e prevenção
OUTUBRO ROSA Cultura jovem dados e prevenção
MARYJANUARIO1
 
outubro-rosa-sugestao
outubro-rosa-sugestaooutubro-rosa-sugestao
outubro-rosa-sugestao
GabrielaDutra28
 
Hpv
HpvHpv
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdfaula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
AndreiaCosta151227
 
Projeto TCC - Banner
Projeto TCC - BannerProjeto TCC - Banner
Projeto TCC - Banner
Ana Carolina sampaio
 

Semelhante a 1 diretrizes brasileiras para o rastreamento do ca de colo (20)

Aula screening abril2014
Aula screening abril2014Aula screening abril2014
Aula screening abril2014
 
Rastreamento do câncer do colo do útero: cobertura, periodicidade e população...
Rastreamento do câncer do colo do útero: cobertura, periodicidade e população...Rastreamento do câncer do colo do útero: cobertura, periodicidade e população...
Rastreamento do câncer do colo do útero: cobertura, periodicidade e população...
 
Montenegro ca colo
Montenegro ca coloMontenegro ca colo
Montenegro ca colo
 
Detecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncerDetecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncer
 
Detecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncerDetecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncer
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
 
Sb debate em saude
Sb debate em saudeSb debate em saude
Sb debate em saude
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
 
ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdfANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
 
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfResumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
 
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfResumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
 
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostraRastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
 
rafaella-feitosa-guimar-es.pdf
rafaella-feitosa-guimar-es.pdfrafaella-feitosa-guimar-es.pdf
rafaella-feitosa-guimar-es.pdf
 
Por que não colher citologia antes dos 25 anos?
Por que não colher citologia antes dos 25 anos?Por que não colher citologia antes dos 25 anos?
Por que não colher citologia antes dos 25 anos?
 
Câncer de mama: do exame clínico ao exame de imagem
Câncer de mama: do exame clínico ao exame de imagemCâncer de mama: do exame clínico ao exame de imagem
Câncer de mama: do exame clínico ao exame de imagem
 
OUTUBRO ROSA Cultura jovem dados e prevenção
OUTUBRO ROSA Cultura jovem dados e prevençãoOUTUBRO ROSA Cultura jovem dados e prevenção
OUTUBRO ROSA Cultura jovem dados e prevenção
 
outubro-rosa-sugestao
outubro-rosa-sugestaooutubro-rosa-sugestao
outubro-rosa-sugestao
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdfaula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
 
Projeto TCC - Banner
Projeto TCC - BannerProjeto TCC - Banner
Projeto TCC - Banner
 

1 diretrizes brasileiras para o rastreamento do ca de colo

  • 1. PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA COLETA CITOLÓGIA SES - FCMMG
  • 2. Câncer cervical  3ª causa de morte em mulheres por câncer;  SISCOLO 2009 – 11 milhões exames citológicos realizados;  Apesar dos avanços em nível da atenção primária e de todo SUS;  Reduzir a mortalidade por câncer do colo do útero no Brasil ainda é um desafio a ser vencido.
  • 3. Rastreamento do câncer cervical Representa um processo complexo em múltiplas etapas:  Aplicação do exame de rastreamento,  Identificação dos casos positivos, (suspeitos de lesão precursora ou câncer)  Confirmação diagnóstica,  Tratamento.
  • 4. Atenção primária à saúde (APS) Apresentam melhores resultados no que se refere à:  provisão dos cuidados em saúde,  ao alcance de maior equidade e eficiência,  à continuidade da atenção,  à satisfação dos usuários,  deve constituir-se como a base do sistema de saúde com capacidade para organizá-lo em sua totalidade.
  • 5. APS Definida como um conjunto de ações de promoção e proteção à saúde, prevenção de agravos, diagnóstico, tratamento, reabilitação e manutenção da saúde nas dimensões coletiva e individual, por meio de ações gerenciais e sanitárias participativas e democráticas, trabalho em equipe, responsabilização sanitária, base territorial e resolução dos problemas de saúde mais frequentes e relevantes em determinado contexto.
  • 6. Estratégia Saúde da Família (ESF)  Fortalece a APS,  Reorganiza o modelo de atenção à saúde,  Amplia o acesso,  Incorpora como uma de suas diretrizes a definição de porta de entrada preferencial para o SUS,  Desenvolve ações de promoção de saúde, prevenção de agravos,  Equipe multiprofissional,  Maior participação social e intersetorialidade.  É fundamental garantir o acesso às atenções secundária e terciária por meio do estabelecimento de fluxos formais para referência e contrarreferência, assim como o registro das informações clínicas.
  • 7. APS x Prevenção do câncer cervical  Prevenção de DSTs,  Informação e esclarecimento da população sobre o rastreamento,  identificação da população feminina na faixa etária prioritária,  identificação de mulheres com risco aumentado,  convocação para exame,  realização da coleta da citologia,  identificação de faltosas e reconvocação,  recebimento dos laudos,
  • 8.  identificação das mulheres com resultados positivos ao rastreamento para vigilância do caso, orientação e encaminhamento das mulheres para unidade secundária,  avaliação da cobertura de citologia na área,  avaliação da qualidade da coleta e supervisão dos técnicos para coleta,  planejamento e execução de ações, na área sob responsabilidade sanitária da equipe, voltadas para a melhoria da cobertura do exame.  vigilância dos casos encaminhados para confirmação diagnóstica e tratamento,  identificação de falhas no acesso e fechamento dos casos.  oferecer diferentes modalidades de suporte a pacientes em tratamento curativo ou paliativo.
  • 9. Metodo e cobertura  A realização periódica do exame citopatológico continua sendo a estratégia mais adotada para o rastreamento do câncer do colo do útero. (wHO, 2010)  Atingir alta cobertura da população definida como alvo é o componente mais importante no âmbito da atenção primária para que se obtenha significativa redução da incidência e da mortalidade por câncer do colo do útero.
  • 10. (ANTTILA et al, 2009; ARByN et al, 2009a)  Países com cobertura > 50 % de citologia realizada a cada 3 anos taxas < a 3 mortes/100 mil mulheres/ ano.  Países com cobertura > 70 % de citologia realizada a cada 3 anos taxas ≤ a 2 mortes/100 mil mulheres/ ano.
  • 11. ADAB et al, 2004; ANTTILA et al, 2009; NICULA et al, 2009 É consenso que o rastreamento do câncer do colo do útero é o desafio a ser vencido para que se obtenha a melhor relação custo-benefício possível com alta cobertura populacional. Deve incluir :  Recrutamento da população-alvo, idealmente por meio de um sistema de informação de base populacional.  Adoção de recomendações baseadas em evidências científicas, que inclui definição da população-alvo e do intervalo entre as coletas, assim como elaboração de guias clínicos para o manejo dos casos suspeitos.  Recrutamento das mulheres em falta com o rastreamento.  Garantia da abordagem necessária para as mulheres com exames alterados.  Educação e comunicação.  Garantia de qualidade dos procedimentos realizados em todos os níveis do cuidado.
  • 13. População alvo  O rastreamento em mulheres < 25 anos não tem impacto na redução da incidência e/ou mortalidade por câncer do colo do útero.  O tratamento de lesões precursoras do câncer do colo em adolescentes e mulheres jovens está associado ao aumento da morbidade obstétrica e neonatal, como parto prematuro.  O impacto psíquico que o diagnóstico de uma doença sexualmente transmissível e precursora do câncer tem em adolescentes e adultas jovens na construção da autoimagem e da sexualidade.
  • 14.  O American College of Obstetricians and Gynecologists recomenda o rastreio apenas a partir dos 21 anos de idade.  Na Europa, o rastreamento do câncer do colo do útero é iniciado preferencialmente entre 25 e 30 anos de idade. (ARByN et al, 2010; (KyRGIOU et al, 2006; ACOG 2009)
  • 15. Recomendações INCA 2011  O método de rastreamento do câncer do colo do útero e de suas lesões precursoras é o exame citopatológico.  O intervalo entre os exames deve ser de três anos, após dois exames negativos, com intervalo anual (A).  O início da coleta deve ser aos 25 anos de idade para as mulheres que já tiveram atividade sexual (A).
  • 16.  Os exames devem seguir até os 64 anos e serem interrompidos quando, após essa idade, as mulheres tiverem pelo menos dois exames negativos consecutivos nos últimos cinco anos (B).  Para mulheres com mais de 64 anos e que nunca realizaram o exame citopatológico, deve-se realizar dois exames com intervalo de um a três anos. Se ambos forem negativos, essas mulheres podem ser dispensadas de exames adicionais (B). Essas recomendações não se aplicam a mulheres com história prévia de lesões precursoras do câncer do colo uterino.