SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
ATUALIDADES
CIENTÍFICAS
Prof.: Enf. DALTON HENRIQUE
ESCOLA TEC. JOSE RODRIGUES DA SILVA
A PROFISSÃO
 O Técnico em Enfermagem, além de exercer todas as funções
do Auxiliar em Enfermagem, estará apto a atuar em setores
críticos, tais como UTI, centros cirúrgicos, urgências e
emergências, entre outros.
 Este profissional da saúde pode atuar na área da medicina
preventiva, diagnóstica e curativa. Compõe a equipe de saúde
junto ao enfermeiro, auxiliando-o diretamente nas ações com o
paciente e com a equipe de enfermagem.
O QUE É?
 Enfermeiro é o profissional que zela pelo bem estar e saúde
de pacientes dando toda a assistência física e psicológica a
esses pacientes e suas famílias. Ele é responsável por
seguir a prescrição médica e se certificar de que o
tratamento está sendo seguido corretamente.
QUAIS AS CARACTERÍSTICAS
NECESSÁRIAS?
 Primeiramente, é preciso gostar de cuidar do próximo. Os
enfermeiros são profissionais muito importantes no tratamento
de enfermidades, pois são eles que acompanham diariamente
o tratamento do paciente.
 Além disso, o enfermeiro precisa saber que seu trabalho não é
apenas técnico, mas, sobretudo, humano. Esse profissional
deve ter sempre uma palavra de conforto, ou simplesmente
ouvir o paciente.
CARACTERÍSTICAS DESEJÁVEIS
 Desejo de cuidar do próximo
 Responsabilidade com horários
 Facilidade ao lidar com emoções
 Habilidade para reconhecer novas idéias que melhorem a
qualidade de vida das pessoas
 Facilidade na comunicação
 Motivação
 Ser solícito
 Hábil e seguro com instrumentos cortantes
COMPETÊNCIAS PESSOAIS PARA A
FUNÇÃO
 1. Demonstrar atenção
 2. Iniciativa
 3. Paciência
 4. Trabalhar em equipe
 5. Bom condicionamento físico
 6. Autocontrole
 7. Saber ouvir
 8. Compreensão
 9. Respeitar paciente
PRINCIPAIS ATIVIDADES
 O téc. em enfermagem precisa ter diploma em uma escola técnica de
enfermagem. O curso tem duração de 2 anos e alia conhecimentos
científicos do corpo humano, como por exemplo o estudo da anatomia, e
conceitos da psicologia humana, que contribuem para que a profissão seja
além de técnica, humana e pessoal.
 As principais atividades desempenhadas pelos téc. em enfermagem são:
 Auxiliar o médico em tarefas como: dar pontos, aplicar injeções, medir a
pressão, medicar, fazer curativos, remover o paciente, etc.
 Acompanhar o doente nos hospitais e postos de saúde
 Cuidar de pessoas que estendem o tratamento para suas casas, como nos
casos chamados de homecare
 Dar assistência física e fazer companhia a pessoas idosas.
ÁREAS DE ATUAÇÃO
 O Técnico em Enfermagem pode atuar em:
 -Clínicas médicas;
 -Hospitais e ambulatórios;
 -Clínicas e centros de diagnóstico por imagem;
 -Laboratórios de análises clínicas e banco de sangue;
 -Centro de recuperação de dependentes químicos;
 -Postos de saúde;
 -Indústrias, centros e clínicas geriátricas;
 -Empresas de resgate aéreo e terrestre;
 -Escolas, creches e centros de recreação infantil;
 -Clínicas psiquiátricas, dermatologia e estética;
 -Centros de medicina alternativa;
 -Serviços de Enfermagem Domiciliar (Home Care).
 Além de UTI, centros cirúrgicos, urgências e emergências, entre outros.
 -Periodicamente, são admitidos em concursos públicos do INSS, prefeituras
municipais, Secretaria de Saúde, Hospitais Militares entre outros.
GANHOS
 O salário de um Técnico em Enfermagem pode chegar até R$
2.200,00.
MERCADO DE TRABALHO
 O profissional de enfermagem, ao contrário do que muitos pensam,
não encontra mercado de trabalho somente dentro dos hospitais ou
postos de saúde.
 Ele pode atuar como integrante da área de saúde de empresas,
cuidar de pessoas em tratamento em casa e em laboratórios junto
aos farmacêuticos na elaboração de implementos científicos que
melhorem a eficácia dos tratamentos médicos.
 Também, pode atuar em programas como o Saúde da Família e em
equipes que façam a vigilância sanitária de empresas, escolas e
outros estabelecimentos comerciais.
MERCADO DE TRABALHO
 Pode se especializar também, na área acadêmica, produzindo
artigos que visem contribuir de alguma forma para a evolução no
tratamento dos pacientes, a partir do estudo de casos. Para
quem deseja especializar-se na área acadêmica, também, há a
opção de dar aulas nas universidades de enfermagem
espalhadas pelo país.
 A enfermagem é uma profissão predominantemente exercida por
mulheres, mais de 70% dos profissionais da área são do sexo
feminino, porém não há uma diferença salarial significativa entre
homens e mulheres nesta profissão.
CURIOSIDADES
 Entre personalidades da área da enfermagem, destacamos Florence
Nightingale, considerada a fundadora da enfermagem moderna. Nascida
na Alemanha, iniciou os estudos somente após os 31 anos, pois sua
família considerava impróprio para uma dama de sua classe, trabalhar
com enfermagem. Apesar de não conhecer o conceito de contato por
microorganismo, uma vez que este ainda não tinha sido descoberto pela
ciência, ela já acreditava que bons cuidados com a limpeza, ar fresco e
boa iluminação proporcionavam a cura mais rapidamente. Florence, ao
longo da Guerra da Criméia, conseguiu reduzir as taxas de mortalidade
entre os soldados britânicos através de seus esforços como enfermeira.
 No Brasil, Ana Néri é patrona de todos os enfermeiros. Aos 51 anos de
idade, a baiana Ana Justina Ferreira Néri acompanhou seus filhos e
irmãos na maior luta armada da América Latina, a Guerra do Paraguai.
Enfrentou a morte de perto para salvar muitas vidas, inclusive de inimigos
da pátria e se tornou exemplo no mundo, como precursora da Cruz
Vermelha no Brasil.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemMarco Antonio
 
Apostila de processo de enfermagem
Apostila de processo de enfermagemApostila de processo de enfermagem
Apostila de processo de enfermagemSimone Abud
 
Apostila técnicas básicas de enfermagem
Apostila técnicas básicas de enfermagemApostila técnicas básicas de enfermagem
Apostila técnicas básicas de enfermagemEDSON OLIVEIRA
 
A enfermagem e o paciente totalmente dependente de cuidados físicos
A enfermagem e o paciente totalmente dependente de cuidados físicosA enfermagem e o paciente totalmente dependente de cuidados físicos
A enfermagem e o paciente totalmente dependente de cuidados físicosGabriela Santana
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
Aula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto SocorroAula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto Socorrozoeadas
 
Casos reportados - Ética e moral
Casos reportados - Ética e moralCasos reportados - Ética e moral
Casos reportados - Ética e moralFernanda Clara
 
Aula nº 1: Processo de Enfermagem
Aula nº 1: Processo de EnfermagemAula nº 1: Processo de Enfermagem
Aula nº 1: Processo de EnfermagemPorfrioCutatela
 
02 19 emergências médicas - Marion
02 19 emergências médicas - Marion02 19 emergências médicas - Marion
02 19 emergências médicas - Marionlaiscarlini
 
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)marcelaenf
 

Mais procurados (20)

Sae
SaeSae
Sae
 
SAE
SAE SAE
SAE
 
Sae nanda 2013
Sae nanda 2013Sae nanda 2013
Sae nanda 2013
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
 
Apostila de processo de enfermagem
Apostila de processo de enfermagemApostila de processo de enfermagem
Apostila de processo de enfermagem
 
Apostila técnicas básicas de enfermagem
Apostila técnicas básicas de enfermagemApostila técnicas básicas de enfermagem
Apostila técnicas básicas de enfermagem
 
A enfermagem e o paciente totalmente dependente de cuidados físicos
A enfermagem e o paciente totalmente dependente de cuidados físicosA enfermagem e o paciente totalmente dependente de cuidados físicos
A enfermagem e o paciente totalmente dependente de cuidados físicos
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
aulapronto-socorro
 aulapronto-socorro  aulapronto-socorro
aulapronto-socorro
 
Apresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._franco
Apresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._francoApresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._franco
Apresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._franco
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Aula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto SocorroAula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto Socorro
 
Casos reportados - Ética e moral
Casos reportados - Ética e moralCasos reportados - Ética e moral
Casos reportados - Ética e moral
 
Aula nº 1: Processo de Enfermagem
Aula nº 1: Processo de EnfermagemAula nº 1: Processo de Enfermagem
Aula nº 1: Processo de Enfermagem
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
621 2600-1-pb
621 2600-1-pb621 2600-1-pb
621 2600-1-pb
 
02 19 emergências médicas - Marion
02 19 emergências médicas - Marion02 19 emergências médicas - Marion
02 19 emergências médicas - Marion
 
Gestao luvas
Gestao luvasGestao luvas
Gestao luvas
 
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
 

Destaque

Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Will Nunes
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTricaCuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTricaRenato Bach
 
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaCuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaRenato Bach
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaAliny Lima
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importânciaCélia Costa
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeLeticia Passos
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerJesiele Spindler
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAmanda Corrêa
 

Destaque (14)

Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
EMcontros: Papel do Enfermeiro na Esclerose Multipla
EMcontros: Papel do Enfermeiro na Esclerose MultiplaEMcontros: Papel do Enfermeiro na Esclerose Multipla
EMcontros: Papel do Enfermeiro na Esclerose Multipla
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Os modelos de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
Os modelos de Atenção à Saúde_Eugenio VilaçaOs modelos de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
Os modelos de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
 
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTricaCuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
 
Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1
 
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaCuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importância
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúde
 
Medicação em pediatria
Medicação em pediatriaMedicação em pediatria
Medicação em pediatria
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 

Semelhante a Aula Atualidades Cientificas

Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologiaAndressawm
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologiaAndressawm
 
Aula1o 110225155828-phpapp02
Aula1o 110225155828-phpapp02Aula1o 110225155828-phpapp02
Aula1o 110225155828-phpapp02Fernanda Silva
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO III - CLINICA MEDICA.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO III - CLINICA MEDICA.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO III - CLINICA MEDICA.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO III - CLINICA MEDICA.pptxcontatofelipearaujos
 
2 introducao st 2015
2 introducao st 20152 introducao st 2015
2 introducao st 2015Airton Santos
 
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptxPSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptxrosemendes2001hotmai
 
Manual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto finalManual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto finalgcmrs
 
1702201605295700000099
17022016052957000000991702201605295700000099
1702201605295700000099jakemarques
 
Aula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdf
Aula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdfAula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdf
Aula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdfprofalicebolelli
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativosleiafrocha
 
Manual med-trad-homeopatia-e-práticas final
Manual med-trad-homeopatia-e-práticas finalManual med-trad-homeopatia-e-práticas final
Manual med-trad-homeopatia-e-práticas finalCristiano Neves
 
O médico e a prática da medicina
O médico e a prática da medicinaO médico e a prática da medicina
O médico e a prática da medicinaHelena Brígido
 
Gestão-Hospitalar.pdf
Gestão-Hospitalar.pdfGestão-Hospitalar.pdf
Gestão-Hospitalar.pdfSemsaPortoAcre
 
relação da enfermagem e o adoecimento dos profissionais
relação da enfermagem e o adoecimento dos profissionais relação da enfermagem e o adoecimento dos profissionais
relação da enfermagem e o adoecimento dos profissionais Aeb
 
Livro Expert questões de concurso.pdf
Livro Expert questões de concurso.pdfLivro Expert questões de concurso.pdf
Livro Expert questões de concurso.pdfGiseleFagundes12
 
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOFUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOJessicaAngelo5
 

Semelhante a Aula Atualidades Cientificas (20)

Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 
Aula1o 110225155828-phpapp02
Aula1o 110225155828-phpapp02Aula1o 110225155828-phpapp02
Aula1o 110225155828-phpapp02
 
Unidade1.pdf
Unidade1.pdfUnidade1.pdf
Unidade1.pdf
 
Livro u1
Livro u1Livro u1
Livro u1
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO III - CLINICA MEDICA.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO III - CLINICA MEDICA.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO III - CLINICA MEDICA.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO III - CLINICA MEDICA.pptx
 
Gislaine Cresmashi Lima Padovan
Gislaine Cresmashi Lima PadovanGislaine Cresmashi Lima Padovan
Gislaine Cresmashi Lima Padovan
 
2 introducao st 2015
2 introducao st 20152 introducao st 2015
2 introducao st 2015
 
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptxPSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
 
Relatorio 1
Relatorio 1Relatorio 1
Relatorio 1
 
Manual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto finalManual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto final
 
1702201605295700000099
17022016052957000000991702201605295700000099
1702201605295700000099
 
Aula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdf
Aula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdfAula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdf
Aula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdf
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
Manual med-trad-homeopatia-e-práticas final
Manual med-trad-homeopatia-e-práticas finalManual med-trad-homeopatia-e-práticas final
Manual med-trad-homeopatia-e-práticas final
 
O médico e a prática da medicina
O médico e a prática da medicinaO médico e a prática da medicina
O médico e a prática da medicina
 
Gestão-Hospitalar.pdf
Gestão-Hospitalar.pdfGestão-Hospitalar.pdf
Gestão-Hospitalar.pdf
 
relação da enfermagem e o adoecimento dos profissionais
relação da enfermagem e o adoecimento dos profissionais relação da enfermagem e o adoecimento dos profissionais
relação da enfermagem e o adoecimento dos profissionais
 
Livro Expert questões de concurso.pdf
Livro Expert questões de concurso.pdfLivro Expert questões de concurso.pdf
Livro Expert questões de concurso.pdf
 
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOFUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Centro Jacques Delors
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................mariagrave
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 

Último (20)

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 

Aula Atualidades Cientificas

  • 1. ATUALIDADES CIENTÍFICAS Prof.: Enf. DALTON HENRIQUE ESCOLA TEC. JOSE RODRIGUES DA SILVA
  • 2. A PROFISSÃO  O Técnico em Enfermagem, além de exercer todas as funções do Auxiliar em Enfermagem, estará apto a atuar em setores críticos, tais como UTI, centros cirúrgicos, urgências e emergências, entre outros.  Este profissional da saúde pode atuar na área da medicina preventiva, diagnóstica e curativa. Compõe a equipe de saúde junto ao enfermeiro, auxiliando-o diretamente nas ações com o paciente e com a equipe de enfermagem.
  • 3. O QUE É?  Enfermeiro é o profissional que zela pelo bem estar e saúde de pacientes dando toda a assistência física e psicológica a esses pacientes e suas famílias. Ele é responsável por seguir a prescrição médica e se certificar de que o tratamento está sendo seguido corretamente.
  • 4. QUAIS AS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS?  Primeiramente, é preciso gostar de cuidar do próximo. Os enfermeiros são profissionais muito importantes no tratamento de enfermidades, pois são eles que acompanham diariamente o tratamento do paciente.  Além disso, o enfermeiro precisa saber que seu trabalho não é apenas técnico, mas, sobretudo, humano. Esse profissional deve ter sempre uma palavra de conforto, ou simplesmente ouvir o paciente.
  • 5. CARACTERÍSTICAS DESEJÁVEIS  Desejo de cuidar do próximo  Responsabilidade com horários  Facilidade ao lidar com emoções  Habilidade para reconhecer novas idéias que melhorem a qualidade de vida das pessoas  Facilidade na comunicação  Motivação  Ser solícito  Hábil e seguro com instrumentos cortantes
  • 6. COMPETÊNCIAS PESSOAIS PARA A FUNÇÃO  1. Demonstrar atenção  2. Iniciativa  3. Paciência  4. Trabalhar em equipe  5. Bom condicionamento físico  6. Autocontrole  7. Saber ouvir  8. Compreensão  9. Respeitar paciente
  • 7. PRINCIPAIS ATIVIDADES  O téc. em enfermagem precisa ter diploma em uma escola técnica de enfermagem. O curso tem duração de 2 anos e alia conhecimentos científicos do corpo humano, como por exemplo o estudo da anatomia, e conceitos da psicologia humana, que contribuem para que a profissão seja além de técnica, humana e pessoal.  As principais atividades desempenhadas pelos téc. em enfermagem são:  Auxiliar o médico em tarefas como: dar pontos, aplicar injeções, medir a pressão, medicar, fazer curativos, remover o paciente, etc.  Acompanhar o doente nos hospitais e postos de saúde  Cuidar de pessoas que estendem o tratamento para suas casas, como nos casos chamados de homecare  Dar assistência física e fazer companhia a pessoas idosas.
  • 8. ÁREAS DE ATUAÇÃO  O Técnico em Enfermagem pode atuar em:  -Clínicas médicas;  -Hospitais e ambulatórios;  -Clínicas e centros de diagnóstico por imagem;  -Laboratórios de análises clínicas e banco de sangue;  -Centro de recuperação de dependentes químicos;  -Postos de saúde;  -Indústrias, centros e clínicas geriátricas;  -Empresas de resgate aéreo e terrestre;  -Escolas, creches e centros de recreação infantil;  -Clínicas psiquiátricas, dermatologia e estética;  -Centros de medicina alternativa;  -Serviços de Enfermagem Domiciliar (Home Care).  Além de UTI, centros cirúrgicos, urgências e emergências, entre outros.  -Periodicamente, são admitidos em concursos públicos do INSS, prefeituras municipais, Secretaria de Saúde, Hospitais Militares entre outros.
  • 9. GANHOS  O salário de um Técnico em Enfermagem pode chegar até R$ 2.200,00.
  • 10. MERCADO DE TRABALHO  O profissional de enfermagem, ao contrário do que muitos pensam, não encontra mercado de trabalho somente dentro dos hospitais ou postos de saúde.  Ele pode atuar como integrante da área de saúde de empresas, cuidar de pessoas em tratamento em casa e em laboratórios junto aos farmacêuticos na elaboração de implementos científicos que melhorem a eficácia dos tratamentos médicos.  Também, pode atuar em programas como o Saúde da Família e em equipes que façam a vigilância sanitária de empresas, escolas e outros estabelecimentos comerciais.
  • 11. MERCADO DE TRABALHO  Pode se especializar também, na área acadêmica, produzindo artigos que visem contribuir de alguma forma para a evolução no tratamento dos pacientes, a partir do estudo de casos. Para quem deseja especializar-se na área acadêmica, também, há a opção de dar aulas nas universidades de enfermagem espalhadas pelo país.  A enfermagem é uma profissão predominantemente exercida por mulheres, mais de 70% dos profissionais da área são do sexo feminino, porém não há uma diferença salarial significativa entre homens e mulheres nesta profissão.
  • 12. CURIOSIDADES  Entre personalidades da área da enfermagem, destacamos Florence Nightingale, considerada a fundadora da enfermagem moderna. Nascida na Alemanha, iniciou os estudos somente após os 31 anos, pois sua família considerava impróprio para uma dama de sua classe, trabalhar com enfermagem. Apesar de não conhecer o conceito de contato por microorganismo, uma vez que este ainda não tinha sido descoberto pela ciência, ela já acreditava que bons cuidados com a limpeza, ar fresco e boa iluminação proporcionavam a cura mais rapidamente. Florence, ao longo da Guerra da Criméia, conseguiu reduzir as taxas de mortalidade entre os soldados britânicos através de seus esforços como enfermeira.  No Brasil, Ana Néri é patrona de todos os enfermeiros. Aos 51 anos de idade, a baiana Ana Justina Ferreira Néri acompanhou seus filhos e irmãos na maior luta armada da América Latina, a Guerra do Paraguai. Enfrentou a morte de perto para salvar muitas vidas, inclusive de inimigos da pátria e se tornou exemplo no mundo, como precursora da Cruz Vermelha no Brasil.