SlideShare uma empresa Scribd logo
Acadêmico: _________________________________________________ Data de entrega: 12/05/2017
Unidade III - Atividade: Coerênica e Unidade
Para ser considerado texto, a redação precisa fazer sentido
Produzir um texto não é apenas colocar as palavras no papel. Para que o texto possa transmitir a
ideia de forma clara e compreensível, ele precisa ter duas características: COERÊNCIA E COESÃO.
Defina antes as seguintes questões:
1- Qual a finalidade do texto? Para que ele serve?
2 - Qual o assunto? Sobre o que vou escrever?
3 - Quem vai ler o meu texto?
4 - Qual tipo de texto vou fazer?
Exemplo concreto:
Imagine que você vai escrever uma carta (ou um e-mail) para um jornal comentando uma notícia
sobre alimentos transgênicos. Deve-se, então, levar em consideração:
a finalidade de sua carta (participar do debate, dando sua opinião);
o que quer comentar (alimentação e transgênicos);
para quem está escrevendo (os outros leitores do jornal);
o tipo de texto: a carta ou e-mail.
Depois de ter pensado nisso, você dará sua opinião, usando elementos da carta e escolhendo
argumentos que sustentem suas ideias. Como autor da carta, você deve elaborar um texto
"coerente", ou seja, que faça sentido. Coerente não só com suas ideias, mas também em relação ao
objetivo, ao leitor que pretende atingir, ao gênero textual que está desenvolvendo.
Situações:
1ª) Na grande decisão de um campeonato, o técnico de um dos times declarou aos jornalistas:
"Vamos respeitar o adversário, mas, agora, nosso time está coeso".
2ª) A namorada diz para o namorado:
"Não adianta. Não vou mais perdoar você. Quero que tenha atitudes coerentes."
Na primeira situação, o técnico enfatizou o fato de seu time estar coeso, como uma qualidade
importante para ganharem o jogo. "Coeso" significa "unido", "intimamente ligado", "harmônico".
Na segunda situação, a namorada cobra atitudes coerentes do namorado. "Coerência" significa
"harmonia", "conexão", "lógica".
Sem coesão e coerência, a redação não existe. Apresenta-se somente um amontoado desconexo
de palavras colocadas lado a lado.
Rede Prisma de Ensino Superior
Curso: Administração - Disciplina: Português Instrumental
Professora Me. Cláudia Santos
Reflexão: leia o
trecho de uma
crônica de Millôr
Fernandes.
O humorista faz sua sátira, a partir de duas ideias básicas:
"as mulheres falam demais" e "somente as mulheres se entendem".
Comece a analisar pelo título a ironia do autor: "A vaguidão específica" (como algo pode ser vago e
específico, ao mesmo tempo? Só as mulheres, diria Millôr e os que pensam como ele...). Para
confirmar suas ideias, ele busca uma "autoridade" para fazer a citação: Richard Gehman (quem
seria? Um estrangeiro, pelo nome. Novamente, o humorista brinca com uma ideia pronta: sendo
"alguém de fora" deve ter muito a nos ensinar...).
Quem participa da história narrada? Duas mulheres. São elas patroa e empregada? Mãe e filha?
Não sabemos. Qual é o assunto de que falam as duas mulheres? Nós, leitores, não sabemos, mas
as duas personagens sabem, não é mesmo?
A que se referem as palavras e trechos: "isso", "outras", "alguém", "qualquer coisa", "lugar do outro
dia", "o homem", "Aquele", "o que a senhora foi lá e falou com ele no domingo", "continuar",
"começou"? Os leitores não sabem, mas as mulheres sim e como as duas sabem do que estão
falando, a "costura" do texto vai sendo feito de forma coerente e coesa.
Millôr Fernandes, intencionalmente, quis brincar com um preconceito social a respeito da mulher e
seu jeito de falar, considerado excessivo. Assim, para entendermos o texto, como coerente e coeso,
é preciso levar em conta o fato de o autor ser um humorista e seu texto trazer essa marca da
"surpresa" ou do "olhar sobre outro ângulo" - como numa piada.
O texto acima faz uso de vários conceitos específicos da Física, apresenta alto grau de
informatividade e, por isso, acaba naturalmente se restringindo a um círculo de leitores iniciados
nessa área científica.
Veja, por exemplo, este parágrafo, produzido a respeito das qualidades da tevê:
Até os estudos de Fink e Schoenemberger, os resultados ainda eram controversos. A dupla pôde medir
diretamente a corrente elétrica graças a um tipo especial de microscópio eletrônico, capaz de aproximações tão
diminutas da amostra que entram em ação fenômenos da mecânica quântica, segundo a qual a energia não é
absorvida ou gerada em um fluxo contínuo, mas em pequenos pacotes, os quanta (plural de "quantum",
quantidade em latim). (Ricardo Bonalume Neto. Folha de S. Paulo, 18/4/99.)
Quanto aos seus aspectos positivos, ela nos dá informação sobre o mundo, assim como o Jornal Nacional da
Globo. Alguns programas e até mesmo propagandas nos divertem. Exemplo: Sai de Baixo e Casseta e planeta. A
tevê também serve como um passatempo com diversas atrações: filmes, programas de auditório, desenhos, etc.
(Aluno do 1" ano do ensino médio.)
“As mulheres têm uma maneira de falar que eu chamo de vago-específica” - Richard Gehman
“Maria, ponha isso lá fora em qualquer parte."
“Junto com as outras?"
“Não ponha junto com as outras, não. Senão pode vir alguém e querer fazer qualquer coisa
com elas. Ponha no lugar do outro dia.";
“Sim senhora. Olha, o homem está aí."
“Aquele de quando choveu?"
“Não. O que a senhora foi lá e falou com ele no domingo."
“Que é que você disse a ele?"
“Eu disse para ele continuar."
“Ele já começou?"
“Acho que já. Eu disse que podia principiar por onde quisesse."
(...)
(Millôr Fernandes. "Trinta anos de mim mesmo". São Paulo: Cultural, 1973)
Por outro lado, se a informatividade for muito baixa, o leitor pode desinteressar-se do texto, pelo fato
de ele não apresentar nada de novo ou de interessante.
Prática linguística
Exercício 1: (UDESC 2008) – Identifique a ordem em que os períodos devem aparecer, para que
constituam um texto coeso e coerente. (Texto de Marcelo Marthe: Tatuagem com bobagem. Veja, 05
mar. 2008, p. 86.)
I – Elas não são mais feitas em locais precários, e sim em grandes estúdios onde há cuidado com a
higiene.
II – As técnicas se refinaram: há mais cores disponíveis, os pigmentos são de melhor qualidade e
ferramentas como o laser tornaram bem mais simples apagar uma tatuagem que já não se quer
mais.
III – Vão longe, enfim, os tempos em que o conceito de tatuagem se resumia à velha âncora de
marinheiro.
IV – Nos últimos dez ou quinze anos, fazer uma tatuagem deixou de ser símbolo de rebeldia de um
estilo de vida marginal .
Exercício 2: (FCC 2007) – O emprego do elemento sublinhado compromete a coerência da frase:
a) Cada época tem os adolescentes que merece, pois estes são influenciados pelos valores
socialmente dominantes.
b) Os jovens perderam a capacidade de sonhar alto, por conseguinte alguns ainda resistem ao
pragmatismo moderno.
c) Nos tempos modernos, sonhar faz muita falta ao adolescente, bem como alimentar a confiança
em sua própria capacidade criativa.
d) A menos que se mudem alguns paradigmas culturais, as gerações seguintes serão tão
conformistas quanto a atual.
e) Há quem fique desanimado com os jovens de hoje, porquanto parece faltar-lhes a capacidade de
sonhar mais alto.
Exercício 3: (UFPR 2010) – Entrou em vigor a lei que converte em presunção de paternidade a
recusa dos homens em fazer teste de DNA.
Assinale a alternativa cujo texto pode ser concluído coerentemente com essa afirmação.
a) Sara Mendes deu início a um processo na justiça, para que Tiago Costa assuma a paternidade
de seu filho Cássio. Tiago não fez o exame de DNA, mas assume como muito provável ser ele o
pai do menino. Cássio alega que o exame não é conclusivo, pois entrou em vigor a lei que
converte em presunção de paternidade a recusa dos homens em fazer teste de DNA.
b) Adriano é um rapaz muito presunçoso e não admite que lhe cobrem nada. A namorada lhe pediu
um exame de DNA, para esclarecer a paternidade de Amanda, sua filha. Adriano disse que não
faria o exame. A namorada disse que toda essa presunção serviria para o juiz atestar a
paternidade, poisentrou em vigor a lei que converte em presunção de paternidade a recusa
dos homens em fazer teste de DNA.
c) Carlos de Almeida responde processo na justiça por não querer reconhecer como seu o filho de
Diana Santos, sua exnamorada. Carlos se recusou a fazer o exame de DNA, o que permite ao
juiz lavrar a sentença que o indica como pai da criança, porque entrou em vigor a lei que
converte em presunção de paternidade a recusa dos homens em fazer teste de DNA.
d) Alessandro presume que Caio seja seu filho. Sugeriu a Telma um exame de DNA. Telma disse
não ser necessário, pois entrou em vigor a lei que converte em presunção de paternidade a
recusa dos homens em fazer teste de DNA.
e) Mário e Felipe são primos. Mário é extremamente vaidoso, pretensioso. Felipe é um rapaz calmo
e muito simples. Os dois namoraram Teresa na mesma época. Teresa teve uma filha e entrou na
justiça para exigir dos dois primos um exame de DNA. O juiz disse que não era necessário,
pois entrou em vigor a lei que converte em presunção de paternidade a recusa dos homens
em fazer teste de DNA.
Exercício 4: (UFPR 2010) – Considere as seguintes sentenças.
1. Ainda que os salários estejam cada vez mais defasados, o aumento de preços diminui
consideravelmente seu poder de compras.
2. O Governo resolveu não se comprometer com nenhuma das facções formadas no congresso.
Desse modo, todos ficarão à vontade para negociar as possíveis saídas.
3. Embora o Brasil possua muito solo fértil com vocação para o plantio, isso conseguiu atenuar
rapidamente o problema da fome.
4. Choveu muito no inverno deste ano. Entretanto, novos projetos de irrigação foram
necessários.
As expressões grifadas NÃO estabelecem as relações de significado adequadas, criando problemas
de coerência, em:
a) 2 apenas.
b) 1 e 3 apenas.
c) 1 e 4 apenas.
d) 2, 3 e 4 apenas.
e) 2 e 4 apenas.
Nas questões 05 e 06, numere os períodos de modo a constituírem um texto coeso e coerente e,
depois, indique a seqüência numérica correta.
Exercício 5:
( ) Por isso era desprezado por amplos setores, visto como resquício da era do capitalismo
desalmado.
( ) Durante décadas, Friedman - que hoje tem 85 anos e há muito aposentou-se da Universidade de
Chicago - foi visto como uma espécie de pária brilhante.
( ) Mas isso mudou; o impacto de Friedman foi tão grande que ele já se aproxima do status de John
Maynard Keynes (1883-1945) como o economista mais importante do século.
( ) Foi apenas nos últimos 10 a 15 anos que Milton Friedman começou a ser visto como realmente
é: o mais influente economista vivo desde a Segunda Guerra Mundial.
( ) Ele exaltava a ‘liberdade’, louvava os ‘livres mercados’ e criticava o 'excesso de intervenção
governamental.' (Baseado em Robert J. Samuelson, Exame, 1/7/1998)
a) 4, 2, 5, 1, 3
b) 1, 2, 5, 3, 4
c) 3, 1, 5, 2, 4
d) 5, 2, 4, 1, 3
e) 2, 5, 4, 3, 1
Exercício 6: Os fragmentos abaixo constituem um texto, mas estão desordenados. Ordene-os de
forma coesa e coerente e assinale a resposta correta.
A. Na sede da entidade, a Receita recolheu para análise dezenas de notas fiscais, comprovantes de
pagamentos e livros contábeis. Com base nos documentos, o órgão federal espera esclarecer a
questão. O movimento financeiro durante os dez dias da festa é avaliado pelo Sebrae da cidade em
R$ 278 milhões.
B. Segundo sua análise, o evento reúne 1 milhão de pessoas, com uma média de R$ 278 gastos por
freqüentador. Desses R$ 278 milhões, a média de arrecadação é de 3%. Segundo informações
obtidas pela Receita, metade desse percentual estaria sendo sonegado - ou seja, R$ 4,17 milhões.
Além do clube, devem ser fiscalizados hotéis, restaurantes e a empresa que vende os anúncios da
festa.
C. A suspeita de sonegação surgiu porque o recolhimento dos tributos por parte de comerciantes e
empresários da região, no período da festa, é o mesmo dos outros meses do ano. "Todo mundo diz
que o faturamento dobra ou triplica no período da festa, mas o total arrecadado em impostos fica
igual", diz o delegado da Receita. O primeiro alvo dos auditores na cidade foi o clube Os
Independentes, instituição responsável pela organização da Festa do Peão de Boiadeiro.
D. A Receita Federal de Franca está apurando a sonegação de impostos praticada pelas empresas
e associações que atuam na Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos.
(Rogério Pagnan, Folha de S. Paulo, 15/08/2000, p. F2, com adaptações)
a) C, A, B, D
b) D, C, A, B
c) A, B, C, D
d) D, B, C, A
e) B, C, D, A

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Língua portuguesa 2014
Língua portuguesa 2014Língua portuguesa 2014
Língua portuguesa 2014
Antonio José Paniago
 
Uma polêmica sobre a teoria geral do processo
Uma polêmica sobre a teoria geral do processoUma polêmica sobre a teoria geral do processo
Uma polêmica sobre a teoria geral do processo
Vinicius B. da Silva
 
Conotação e denotação
Conotação e denotaçãoConotação e denotação
Conotação e denotação
cepmaio
 
PACC2 comum 1000_05
PACC2 comum 1000_05PACC2 comum 1000_05
PACC2 comum 1000_05
Prof_Infinito
 
Topico i lp_8a_serie_ef
Topico i lp_8a_serie_efTopico i lp_8a_serie_ef
Topico i lp_8a_serie_ef
Maria José Rizzi Pezente
 
Noções sobre carta argumentativa
Noções sobre carta argumentativaNoções sobre carta argumentativa
Noções sobre carta argumentativa
Eliane Campos
 
PACC_22julho_1000_06
PACC_22julho_1000_06PACC_22julho_1000_06
PACC_22julho_1000_06
Prof_Infinito
 
Sme caderno questoes pe matematica
Sme   caderno questoes pe matematicaSme   caderno questoes pe matematica
Sme caderno questoes pe matematica
Perla de Souza
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
Antônio Fernandes
 
A carta argumentativa 9 ano (1)
A carta argumentativa 9 ano (1)A carta argumentativa 9 ano (1)
A carta argumentativa 9 ano (1)
colegiojao
 
Prova terceiro ano
Prova   terceiro anoProva   terceiro ano
Prova terceiro ano
Wilson Freire
 
Redação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria Luiza
Redação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria LuizaRedação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria Luiza
Redação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria Luiza
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Gram ppt16
Gram ppt16Gram ppt16
Gram ppt16
Flávio Ferreira
 
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Urbano Felix Pugliese
 
Acórdão palavras injuriosas - excesso de grifos
Acórdão   palavras injuriosas - excesso de grifosAcórdão   palavras injuriosas - excesso de grifos
Acórdão palavras injuriosas - excesso de grifos
André Paradela
 

Mais procurados (15)

Língua portuguesa 2014
Língua portuguesa 2014Língua portuguesa 2014
Língua portuguesa 2014
 
Uma polêmica sobre a teoria geral do processo
Uma polêmica sobre a teoria geral do processoUma polêmica sobre a teoria geral do processo
Uma polêmica sobre a teoria geral do processo
 
Conotação e denotação
Conotação e denotaçãoConotação e denotação
Conotação e denotação
 
PACC2 comum 1000_05
PACC2 comum 1000_05PACC2 comum 1000_05
PACC2 comum 1000_05
 
Topico i lp_8a_serie_ef
Topico i lp_8a_serie_efTopico i lp_8a_serie_ef
Topico i lp_8a_serie_ef
 
Noções sobre carta argumentativa
Noções sobre carta argumentativaNoções sobre carta argumentativa
Noções sobre carta argumentativa
 
PACC_22julho_1000_06
PACC_22julho_1000_06PACC_22julho_1000_06
PACC_22julho_1000_06
 
Sme caderno questoes pe matematica
Sme   caderno questoes pe matematicaSme   caderno questoes pe matematica
Sme caderno questoes pe matematica
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
 
A carta argumentativa 9 ano (1)
A carta argumentativa 9 ano (1)A carta argumentativa 9 ano (1)
A carta argumentativa 9 ano (1)
 
Prova terceiro ano
Prova   terceiro anoProva   terceiro ano
Prova terceiro ano
 
Redação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria Luiza
Redação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria LuizaRedação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria Luiza
Redação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria Luiza
 
Gram ppt16
Gram ppt16Gram ppt16
Gram ppt16
 
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
 
Acórdão palavras injuriosas - excesso de grifos
Acórdão   palavras injuriosas - excesso de grifosAcórdão   palavras injuriosas - excesso de grifos
Acórdão palavras injuriosas - excesso de grifos
 

Semelhante a 05 05 unidade iii - coerência - análise - para 12-05

Dissertaçao
DissertaçaoDissertaçao
Dissertaçao
denise-lopes
 
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..pptTexto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
ALEXANDRELIZ1
 
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Coesão e Coerência
www.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Coesão e Coerênciawww.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Coesão e Coerência
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Coesão e Coerência
Videoaulas De Português Apoio
 
Exercicios de fixação de coesão e coerência
Exercicios de fixação de coesão e coerênciaExercicios de fixação de coesão e coerência
Exercicios de fixação de coesão e coerência
Marcos Amauri
 
Produção textual - Aula II
Produção textual - Aula IIProdução textual - Aula II
Produção textual - Aula II
ProfFernandaBraga
 
Redação e edição em revista abertura
Redação e edição em revista aberturaRedação e edição em revista abertura
Redação e edição em revista abertura
Mob Cranb
 
Aula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptx
Aula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptxAula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptx
Aula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptx
Isaquia Franco
 
Redação slide ENEM UFSM revisado 2012
Redação  slide ENEM UFSM revisado 2012Redação  slide ENEM UFSM revisado 2012
Redação slide ENEM UFSM revisado 2012
Colégio Estadual Diva Costa Fachin
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
Cicero Luciano
 
Português 2º humildade -tipo 03
Português   2º humildade -tipo 03Português   2º humildade -tipo 03
Português 2º humildade -tipo 03
Renato Rodrigues
 
Português 2º humildade -tipo 01
Português   2º humildade -tipo 01Português   2º humildade -tipo 01
Português 2º humildade -tipo 01
Renato Rodrigues
 
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..pptTexto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
RITADECASSIARODRIGUE20
 
Texto argumentativo dissertação escolar..pptx
Texto argumentativo dissertação escolar..pptxTexto argumentativo dissertação escolar..pptx
Texto argumentativo dissertação escolar..pptx
Giselma Alves
 
Texto argumentativo dissertação escolar. (1)
Texto argumentativo dissertação escolar. (1)Texto argumentativo dissertação escolar. (1)
Texto argumentativo dissertação escolar. (1)
CharlesMarlon1
 
Do assunto à tese
Do assunto à teseDo assunto à tese
Do assunto à tese
cleanrail
 
Português 2º humildade -tipo 02
Português   2º humildade -tipo 02Português   2º humildade -tipo 02
Português 2º humildade -tipo 02
Renato Rodrigues
 
Lp com redação
Lp com redaçãoLp com redação
Lp com redação
cavip
 
Curso de redação para concursos
Curso de redação para concursosCurso de redação para concursos
Curso de redação para concursos
Alex Mendes
 
Av3 analise textual 1 periodo
Av3 analise textual 1 periodoAv3 analise textual 1 periodo
Av3 analise textual 1 periodo
Sandra Dória
 
Dissertação completa.pptx
Dissertação completa.pptxDissertação completa.pptx
Dissertação completa.pptx
AndreRamos99
 

Semelhante a 05 05 unidade iii - coerência - análise - para 12-05 (20)

Dissertaçao
DissertaçaoDissertaçao
Dissertaçao
 
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..pptTexto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
 
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Coesão e Coerência
www.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Coesão e Coerênciawww.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Coesão e Coerência
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Coesão e Coerência
 
Exercicios de fixação de coesão e coerência
Exercicios de fixação de coesão e coerênciaExercicios de fixação de coesão e coerência
Exercicios de fixação de coesão e coerência
 
Produção textual - Aula II
Produção textual - Aula IIProdução textual - Aula II
Produção textual - Aula II
 
Redação e edição em revista abertura
Redação e edição em revista aberturaRedação e edição em revista abertura
Redação e edição em revista abertura
 
Aula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptx
Aula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptxAula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptx
Aula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptx
 
Redação slide ENEM UFSM revisado 2012
Redação  slide ENEM UFSM revisado 2012Redação  slide ENEM UFSM revisado 2012
Redação slide ENEM UFSM revisado 2012
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
 
Português 2º humildade -tipo 03
Português   2º humildade -tipo 03Português   2º humildade -tipo 03
Português 2º humildade -tipo 03
 
Português 2º humildade -tipo 01
Português   2º humildade -tipo 01Português   2º humildade -tipo 01
Português 2º humildade -tipo 01
 
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..pptTexto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
 
Texto argumentativo dissertação escolar..pptx
Texto argumentativo dissertação escolar..pptxTexto argumentativo dissertação escolar..pptx
Texto argumentativo dissertação escolar..pptx
 
Texto argumentativo dissertação escolar. (1)
Texto argumentativo dissertação escolar. (1)Texto argumentativo dissertação escolar. (1)
Texto argumentativo dissertação escolar. (1)
 
Do assunto à tese
Do assunto à teseDo assunto à tese
Do assunto à tese
 
Português 2º humildade -tipo 02
Português   2º humildade -tipo 02Português   2º humildade -tipo 02
Português 2º humildade -tipo 02
 
Lp com redação
Lp com redaçãoLp com redação
Lp com redação
 
Curso de redação para concursos
Curso de redação para concursosCurso de redação para concursos
Curso de redação para concursos
 
Av3 analise textual 1 periodo
Av3 analise textual 1 periodoAv3 analise textual 1 periodo
Av3 analise textual 1 periodo
 
Dissertação completa.pptx
Dissertação completa.pptxDissertação completa.pptx
Dissertação completa.pptx
 

Mais de Cláudia Santos

2ª Proposta de Produção de textos - FAKE NEWS.pdf
2ª Proposta de Produção de textos - FAKE NEWS.pdf2ª Proposta de Produção de textos - FAKE NEWS.pdf
2ª Proposta de Produção de textos - FAKE NEWS.pdf
Cláudia Santos
 
Proposta 4 o combate a pandemias no mundo globalizado
Proposta 4   o combate a pandemias no mundo globalizadoProposta 4   o combate a pandemias no mundo globalizado
Proposta 4 o combate a pandemias no mundo globalizado
Cláudia Santos
 
05 06 resumo e resenho
05 06 resumo e resenho05 06 resumo e resenho
05 06 resumo e resenho
Cláudia Santos
 
Paródia
ParódiaParódia
Paródia
Cláudia Santos
 
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova BrasilProva de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
Cláudia Santos
 
Atividade para iniciar o texto descritivo
Atividade para iniciar o texto descritivoAtividade para iniciar o texto descritivo
Atividade para iniciar o texto descritivo
Cláudia Santos
 

Mais de Cláudia Santos (6)

2ª Proposta de Produção de textos - FAKE NEWS.pdf
2ª Proposta de Produção de textos - FAKE NEWS.pdf2ª Proposta de Produção de textos - FAKE NEWS.pdf
2ª Proposta de Produção de textos - FAKE NEWS.pdf
 
Proposta 4 o combate a pandemias no mundo globalizado
Proposta 4   o combate a pandemias no mundo globalizadoProposta 4   o combate a pandemias no mundo globalizado
Proposta 4 o combate a pandemias no mundo globalizado
 
05 06 resumo e resenho
05 06 resumo e resenho05 06 resumo e resenho
05 06 resumo e resenho
 
Paródia
ParódiaParódia
Paródia
 
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova BrasilProva de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
 
Atividade para iniciar o texto descritivo
Atividade para iniciar o texto descritivoAtividade para iniciar o texto descritivo
Atividade para iniciar o texto descritivo
 

Último

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 

Último (20)

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 

05 05 unidade iii - coerência - análise - para 12-05

  • 1. Acadêmico: _________________________________________________ Data de entrega: 12/05/2017 Unidade III - Atividade: Coerênica e Unidade Para ser considerado texto, a redação precisa fazer sentido Produzir um texto não é apenas colocar as palavras no papel. Para que o texto possa transmitir a ideia de forma clara e compreensível, ele precisa ter duas características: COERÊNCIA E COESÃO. Defina antes as seguintes questões: 1- Qual a finalidade do texto? Para que ele serve? 2 - Qual o assunto? Sobre o que vou escrever? 3 - Quem vai ler o meu texto? 4 - Qual tipo de texto vou fazer? Exemplo concreto: Imagine que você vai escrever uma carta (ou um e-mail) para um jornal comentando uma notícia sobre alimentos transgênicos. Deve-se, então, levar em consideração: a finalidade de sua carta (participar do debate, dando sua opinião); o que quer comentar (alimentação e transgênicos); para quem está escrevendo (os outros leitores do jornal); o tipo de texto: a carta ou e-mail. Depois de ter pensado nisso, você dará sua opinião, usando elementos da carta e escolhendo argumentos que sustentem suas ideias. Como autor da carta, você deve elaborar um texto "coerente", ou seja, que faça sentido. Coerente não só com suas ideias, mas também em relação ao objetivo, ao leitor que pretende atingir, ao gênero textual que está desenvolvendo. Situações: 1ª) Na grande decisão de um campeonato, o técnico de um dos times declarou aos jornalistas: "Vamos respeitar o adversário, mas, agora, nosso time está coeso". 2ª) A namorada diz para o namorado: "Não adianta. Não vou mais perdoar você. Quero que tenha atitudes coerentes." Na primeira situação, o técnico enfatizou o fato de seu time estar coeso, como uma qualidade importante para ganharem o jogo. "Coeso" significa "unido", "intimamente ligado", "harmônico". Na segunda situação, a namorada cobra atitudes coerentes do namorado. "Coerência" significa "harmonia", "conexão", "lógica". Sem coesão e coerência, a redação não existe. Apresenta-se somente um amontoado desconexo de palavras colocadas lado a lado. Rede Prisma de Ensino Superior Curso: Administração - Disciplina: Português Instrumental Professora Me. Cláudia Santos
  • 2. Reflexão: leia o trecho de uma crônica de Millôr Fernandes. O humorista faz sua sátira, a partir de duas ideias básicas: "as mulheres falam demais" e "somente as mulheres se entendem". Comece a analisar pelo título a ironia do autor: "A vaguidão específica" (como algo pode ser vago e específico, ao mesmo tempo? Só as mulheres, diria Millôr e os que pensam como ele...). Para confirmar suas ideias, ele busca uma "autoridade" para fazer a citação: Richard Gehman (quem seria? Um estrangeiro, pelo nome. Novamente, o humorista brinca com uma ideia pronta: sendo "alguém de fora" deve ter muito a nos ensinar...). Quem participa da história narrada? Duas mulheres. São elas patroa e empregada? Mãe e filha? Não sabemos. Qual é o assunto de que falam as duas mulheres? Nós, leitores, não sabemos, mas as duas personagens sabem, não é mesmo? A que se referem as palavras e trechos: "isso", "outras", "alguém", "qualquer coisa", "lugar do outro dia", "o homem", "Aquele", "o que a senhora foi lá e falou com ele no domingo", "continuar", "começou"? Os leitores não sabem, mas as mulheres sim e como as duas sabem do que estão falando, a "costura" do texto vai sendo feito de forma coerente e coesa. Millôr Fernandes, intencionalmente, quis brincar com um preconceito social a respeito da mulher e seu jeito de falar, considerado excessivo. Assim, para entendermos o texto, como coerente e coeso, é preciso levar em conta o fato de o autor ser um humorista e seu texto trazer essa marca da "surpresa" ou do "olhar sobre outro ângulo" - como numa piada. O texto acima faz uso de vários conceitos específicos da Física, apresenta alto grau de informatividade e, por isso, acaba naturalmente se restringindo a um círculo de leitores iniciados nessa área científica. Veja, por exemplo, este parágrafo, produzido a respeito das qualidades da tevê: Até os estudos de Fink e Schoenemberger, os resultados ainda eram controversos. A dupla pôde medir diretamente a corrente elétrica graças a um tipo especial de microscópio eletrônico, capaz de aproximações tão diminutas da amostra que entram em ação fenômenos da mecânica quântica, segundo a qual a energia não é absorvida ou gerada em um fluxo contínuo, mas em pequenos pacotes, os quanta (plural de "quantum", quantidade em latim). (Ricardo Bonalume Neto. Folha de S. Paulo, 18/4/99.) Quanto aos seus aspectos positivos, ela nos dá informação sobre o mundo, assim como o Jornal Nacional da Globo. Alguns programas e até mesmo propagandas nos divertem. Exemplo: Sai de Baixo e Casseta e planeta. A tevê também serve como um passatempo com diversas atrações: filmes, programas de auditório, desenhos, etc. (Aluno do 1" ano do ensino médio.) “As mulheres têm uma maneira de falar que eu chamo de vago-específica” - Richard Gehman “Maria, ponha isso lá fora em qualquer parte." “Junto com as outras?" “Não ponha junto com as outras, não. Senão pode vir alguém e querer fazer qualquer coisa com elas. Ponha no lugar do outro dia."; “Sim senhora. Olha, o homem está aí." “Aquele de quando choveu?" “Não. O que a senhora foi lá e falou com ele no domingo." “Que é que você disse a ele?" “Eu disse para ele continuar." “Ele já começou?" “Acho que já. Eu disse que podia principiar por onde quisesse." (...) (Millôr Fernandes. "Trinta anos de mim mesmo". São Paulo: Cultural, 1973)
  • 3. Por outro lado, se a informatividade for muito baixa, o leitor pode desinteressar-se do texto, pelo fato de ele não apresentar nada de novo ou de interessante. Prática linguística Exercício 1: (UDESC 2008) – Identifique a ordem em que os períodos devem aparecer, para que constituam um texto coeso e coerente. (Texto de Marcelo Marthe: Tatuagem com bobagem. Veja, 05 mar. 2008, p. 86.) I – Elas não são mais feitas em locais precários, e sim em grandes estúdios onde há cuidado com a higiene. II – As técnicas se refinaram: há mais cores disponíveis, os pigmentos são de melhor qualidade e ferramentas como o laser tornaram bem mais simples apagar uma tatuagem que já não se quer mais. III – Vão longe, enfim, os tempos em que o conceito de tatuagem se resumia à velha âncora de marinheiro. IV – Nos últimos dez ou quinze anos, fazer uma tatuagem deixou de ser símbolo de rebeldia de um estilo de vida marginal . Exercício 2: (FCC 2007) – O emprego do elemento sublinhado compromete a coerência da frase: a) Cada época tem os adolescentes que merece, pois estes são influenciados pelos valores socialmente dominantes. b) Os jovens perderam a capacidade de sonhar alto, por conseguinte alguns ainda resistem ao pragmatismo moderno. c) Nos tempos modernos, sonhar faz muita falta ao adolescente, bem como alimentar a confiança em sua própria capacidade criativa. d) A menos que se mudem alguns paradigmas culturais, as gerações seguintes serão tão conformistas quanto a atual. e) Há quem fique desanimado com os jovens de hoje, porquanto parece faltar-lhes a capacidade de sonhar mais alto. Exercício 3: (UFPR 2010) – Entrou em vigor a lei que converte em presunção de paternidade a recusa dos homens em fazer teste de DNA. Assinale a alternativa cujo texto pode ser concluído coerentemente com essa afirmação. a) Sara Mendes deu início a um processo na justiça, para que Tiago Costa assuma a paternidade de seu filho Cássio. Tiago não fez o exame de DNA, mas assume como muito provável ser ele o pai do menino. Cássio alega que o exame não é conclusivo, pois entrou em vigor a lei que converte em presunção de paternidade a recusa dos homens em fazer teste de DNA. b) Adriano é um rapaz muito presunçoso e não admite que lhe cobrem nada. A namorada lhe pediu um exame de DNA, para esclarecer a paternidade de Amanda, sua filha. Adriano disse que não faria o exame. A namorada disse que toda essa presunção serviria para o juiz atestar a paternidade, poisentrou em vigor a lei que converte em presunção de paternidade a recusa dos homens em fazer teste de DNA. c) Carlos de Almeida responde processo na justiça por não querer reconhecer como seu o filho de Diana Santos, sua exnamorada. Carlos se recusou a fazer o exame de DNA, o que permite ao juiz lavrar a sentença que o indica como pai da criança, porque entrou em vigor a lei que converte em presunção de paternidade a recusa dos homens em fazer teste de DNA. d) Alessandro presume que Caio seja seu filho. Sugeriu a Telma um exame de DNA. Telma disse não ser necessário, pois entrou em vigor a lei que converte em presunção de paternidade a recusa dos homens em fazer teste de DNA.
  • 4. e) Mário e Felipe são primos. Mário é extremamente vaidoso, pretensioso. Felipe é um rapaz calmo e muito simples. Os dois namoraram Teresa na mesma época. Teresa teve uma filha e entrou na justiça para exigir dos dois primos um exame de DNA. O juiz disse que não era necessário, pois entrou em vigor a lei que converte em presunção de paternidade a recusa dos homens em fazer teste de DNA. Exercício 4: (UFPR 2010) – Considere as seguintes sentenças. 1. Ainda que os salários estejam cada vez mais defasados, o aumento de preços diminui consideravelmente seu poder de compras. 2. O Governo resolveu não se comprometer com nenhuma das facções formadas no congresso. Desse modo, todos ficarão à vontade para negociar as possíveis saídas. 3. Embora o Brasil possua muito solo fértil com vocação para o plantio, isso conseguiu atenuar rapidamente o problema da fome. 4. Choveu muito no inverno deste ano. Entretanto, novos projetos de irrigação foram necessários. As expressões grifadas NÃO estabelecem as relações de significado adequadas, criando problemas de coerência, em: a) 2 apenas. b) 1 e 3 apenas. c) 1 e 4 apenas. d) 2, 3 e 4 apenas. e) 2 e 4 apenas. Nas questões 05 e 06, numere os períodos de modo a constituírem um texto coeso e coerente e, depois, indique a seqüência numérica correta. Exercício 5: ( ) Por isso era desprezado por amplos setores, visto como resquício da era do capitalismo desalmado. ( ) Durante décadas, Friedman - que hoje tem 85 anos e há muito aposentou-se da Universidade de Chicago - foi visto como uma espécie de pária brilhante. ( ) Mas isso mudou; o impacto de Friedman foi tão grande que ele já se aproxima do status de John Maynard Keynes (1883-1945) como o economista mais importante do século. ( ) Foi apenas nos últimos 10 a 15 anos que Milton Friedman começou a ser visto como realmente é: o mais influente economista vivo desde a Segunda Guerra Mundial. ( ) Ele exaltava a ‘liberdade’, louvava os ‘livres mercados’ e criticava o 'excesso de intervenção governamental.' (Baseado em Robert J. Samuelson, Exame, 1/7/1998) a) 4, 2, 5, 1, 3 b) 1, 2, 5, 3, 4 c) 3, 1, 5, 2, 4 d) 5, 2, 4, 1, 3 e) 2, 5, 4, 3, 1 Exercício 6: Os fragmentos abaixo constituem um texto, mas estão desordenados. Ordene-os de forma coesa e coerente e assinale a resposta correta. A. Na sede da entidade, a Receita recolheu para análise dezenas de notas fiscais, comprovantes de pagamentos e livros contábeis. Com base nos documentos, o órgão federal espera esclarecer a questão. O movimento financeiro durante os dez dias da festa é avaliado pelo Sebrae da cidade em R$ 278 milhões. B. Segundo sua análise, o evento reúne 1 milhão de pessoas, com uma média de R$ 278 gastos por freqüentador. Desses R$ 278 milhões, a média de arrecadação é de 3%. Segundo informações obtidas pela Receita, metade desse percentual estaria sendo sonegado - ou seja, R$ 4,17 milhões.
  • 5. Além do clube, devem ser fiscalizados hotéis, restaurantes e a empresa que vende os anúncios da festa. C. A suspeita de sonegação surgiu porque o recolhimento dos tributos por parte de comerciantes e empresários da região, no período da festa, é o mesmo dos outros meses do ano. "Todo mundo diz que o faturamento dobra ou triplica no período da festa, mas o total arrecadado em impostos fica igual", diz o delegado da Receita. O primeiro alvo dos auditores na cidade foi o clube Os Independentes, instituição responsável pela organização da Festa do Peão de Boiadeiro. D. A Receita Federal de Franca está apurando a sonegação de impostos praticada pelas empresas e associações que atuam na Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos. (Rogério Pagnan, Folha de S. Paulo, 15/08/2000, p. F2, com adaptações) a) C, A, B, D b) D, C, A, B c) A, B, C, D d) D, B, C, A e) B, C, D, A