SlideShare uma empresa Scribd logo
http://confraria-pentecostal.blogspot.com/ 
Os Cristãos e a Responsabilidade Social 
A ação social sempre foi uma marca forte do cristianismo. 
Vejamos alguns exemplos: 
Guerras Sociais Vencidas no Passado 
- Instituição do Descanso Dominical; 
- Fundação dos primeiros Hospitais; 
- Criação das primeiras Universidades; 
- Pioneiros da luta pela abolição da escravatura; 
- Luta por melhores condições de trabalho e diminuição da carga horária (Inglaterra); 
- Formação dos “Alcoólatras Anônimos”; 
Guerras Sociais Atuais 
- Combate às Drogas 
- Pedofilia 
- Aborto 
- Sacrifício de Bebês Indígenas (enterrados vivos) 
- Homossexualismo 
- Recuperação dos Excluídos (Alcoólatras, Traficantes e Presidiários). 
- Racismo (destaque a Marthin Luther King e Nelson Mandela) 
- Fome (dezenas de ONGs cristãs) 
O texto a seguir conta um pouco do que Jesus e a igreja primitiva faziam em termos solidários. Serve para refletirmos em nosso papel como cristãos e como igreja. 
A Prática de Jesus 
Jesus estabeleceu uma comunidade de discípulos cujo relacionamento se baseava no amor e na partilha. 
 Essa comunidade dispunha de uma bolsa comum onde eram recolhidas ofertas/doações que eram administradas por Judas Iscariotes. Dessa bolsa, sob as ordens de Jesus eram feitas doações aos pobres (cf. Jo 12:6; 13:29). Algumas mulheres seguidoras do Mestre colocavam seus bens a serviço dessa causa (cf. Mc 15:40,41; Lc 8:1-3). 
 A proposta de Jesus ao jovem rico (Lc 19:16-22). Aqui Jesus propõe ao jovem uma alteração radical no seu estilo de vida que trazia implicações profundas na área financeira: repartir com os pobres. 
 A multiplicação dos pães e dos peixes (Mc 6:30-44). Ao multiplicar estes elementos Jesus se utiliza do pouco que alguém se dispôs a partilhar. Partilhar o que se tem mexe com o nosso egoísmo. 
O Exercício dos Ministérios Sociais nos Primeiros Tempos da Igreja 
A preocupação com ministérios sociais é natural à fé cristã e essa marca distinguiu os cristãos desde o princípio. Nos primeiros três séculos da Igreja essa preocupação se configurou no surgimento de diversas atividades cujo objetivo era socorrer pessoas em situações extremas (viúvas, órfãos, encarcerados, etc.). 
 Socorro a órfãos e viúvas – as comunidades cristãs assumiram como tarefa básica de seus líderes “cuidar daqueles que não tinham ninguém mais para tomar-lhes conta”
http://confraria-pentecostal.blogspot.com/ 
(HINSON & SIEPIERSKI, s/d., p. 94), cf. Tg 1:27. Por volta de 217, Hipólito testava candidatos ao batismo no socorro dispensado às viúvas. Nesse período o infanticídio e o abandono de crianças eram ocorrências comuns no Império Romano. As comunidades cristãs então, envolveram-se na tarefa de recolher e cuidar das crianças abandonadas. 
 Socorro aos doentes, miseráveis e debilitados – Para atender “empobrecidos e negligenciados (...) as igrejas estabeleceram uma estrutura no diaconato...” (HINSON & SIEPIERSKI, s/d., p.95). Para aqueles irmãos negligenciar os pobres era grave pecado e o Didaquê (Manual da Igreja Cristã Primitiva) denominou a falta de atenção aos pobres como “o caminho da morte”. 
 Apoio aos encarcerados e cativos – “Justino classificou a visitação de prisioneiros entre as funções regulares dos diáconos de seu tempo” (idem, p.95). Eventualmente, alguns cristãos se colocaram em prisão para libertar outros. Clemente de Roma, afirma que muitos cristãos se ofereceram como prisioneiros para libertar outros (cf. HINSON & SIEPIERSKI, s/d. p. 95) 
 Sepultamento de indigentes – providenciar os meios para que pessoas pobres fossem sepultadas dignamente. 
 Arranjando empregos eticamente corretos – quando um indivíduo tinha um trabalho eticamente questionável (gladiadores, por exemplo), a Igreja procurava outro emprego para ele. Quando o emprego não era encontrado imediatamente as igrejas sustentavam essas pessoas através de um fundo comum até que a situação fosse resolvida. 
 Socorro em tempos de calamidades – quando ocorriam situações de emergências como períodos de escassez de alimentos (II Co 8,9), enchentes, etc. os cristãos sentiam-se naturalmente movidos a buscar meios para amenizar as conseqüências de tais episódios na população, especialmente, os mais pobres. 
[Fonte: Os Evangélicos e a Responsabilidade Social - Pr. Adenilson Ribeiro de Oliveira] 
Além disso, há outros relatos interessantíssimos: 
 Por volta de 125 A.D. o filósofo Aristides descreve o seguinte quadro cristão: 
Eles andam em humildade e bondade; Não existe falsidade entre eles; amam uns aos outros. Não desprezam as viúvas, nem molestam o órfão. Aquele que tem dá liberalmente para o que não tem. Se encontram um estrangeiro, logo lhe dão colhida e se alegram com ele como se fosse um irmão: não na carne, mas no espírito, em Deus. Quando um de seus pobres passa deste mundo e um deles é informado, logo toma providências para o seu sepultamento, conforme estiver ao seu alcance. E se ouvem que alguém entre eles é preso por causa do nome do seu Messias, todos providenciam para as suas necessidades; e, se é possível que seja posto em liberdade, esforçam-se por conseguí-lo. Se há alguém entre eles pobre e necessitado, não tendo em abundância o de que necessita, jejuam dois ou três dias para suprirem-no com o alimento de que precisa. 
 Por volta do ano de 250 A.D a igreja em Roma sustentava 1500 pessoas carentes, algo singular no antigo Império Romano. 
[Fonte: Cristãos Ricos em Tempos de Fome, página 113 – Ronald J. Sider]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Crenças religiosas - Tempo Para todas as coisas
Crenças religiosas - Tempo Para todas as coisasCrenças religiosas - Tempo Para todas as coisas
Crenças religiosas - Tempo Para todas as coisas
Francelia Carvalho Oliveira
 
O Calvinismo
O CalvinismoO Calvinismo
O Calvinismo
Petedanis
 
I tema reestruturação
I tema reestruturaçãoI tema reestruturação
I tema reestruturação
igrejahoje
 
Metodismo a origem
Metodismo   a origemMetodismo   a origem
Metodismo a origem
Paulo Dias Nogueira
 
Jornal agosto 2015
Jornal agosto 2015Jornal agosto 2015
Jornal agosto 2015
saojosepascom
 
Reforma prot.
Reforma prot.Reforma prot.
Metodismo oxford, geórgia e londres (em marcha)
Metodismo   oxford, geórgia e londres (em marcha)Metodismo   oxford, geórgia e londres (em marcha)
Metodismo oxford, geórgia e londres (em marcha)
Paulo Dias Nogueira
 
Doutrina social da igreja
Doutrina social da igrejaDoutrina social da igreja
Doutrina social da igreja
ctleigos
 
Arenovacaodaespiritualidade
ArenovacaodaespiritualidadeArenovacaodaespiritualidade
Arenovacaodaespiritualidade
marcos ANDRADE
 
Igreja pentecostalismo, missiologia e discipulado b
Igreja pentecostalismo, missiologia e  discipulado bIgreja pentecostalismo, missiologia e  discipulado b
Igreja pentecostalismo, missiologia e discipulado b
Elson Juvenal Pinto Loureiro
 
O movimento pentecostal
O movimento pentecostalO movimento pentecostal
O movimento pentecostal
joabs
 
Leituras & missa
Leituras & missaLeituras & missa
Leituras & missa
pr_afsalbergaria
 
Calvinismo
CalvinismoCalvinismo
Calvinismo
Fernando Moreira
 
160 abc reforma e contrarreforma calvinismo
160 abc reforma e contrarreforma calvinismo160 abc reforma e contrarreforma calvinismo
160 abc reforma e contrarreforma calvinismo
cristianoperinpissolato
 
Igrejas evangelicas no Brasil
Igrejas evangelicas no BrasilIgrejas evangelicas no Brasil
Igrejas evangelicas no Brasil
Pastor Robson Colaço
 
Fim dos tempos pe emmanuel
Fim dos tempos   pe emmanuelFim dos tempos   pe emmanuel
Fim dos tempos pe emmanuel
jbps
 
Tabalho joâo calvino
Tabalho joâo calvinoTabalho joâo calvino
Tabalho joâo calvino
ingrid karolayne
 

Mais procurados (17)

Crenças religiosas - Tempo Para todas as coisas
Crenças religiosas - Tempo Para todas as coisasCrenças religiosas - Tempo Para todas as coisas
Crenças religiosas - Tempo Para todas as coisas
 
O Calvinismo
O CalvinismoO Calvinismo
O Calvinismo
 
I tema reestruturação
I tema reestruturaçãoI tema reestruturação
I tema reestruturação
 
Metodismo a origem
Metodismo   a origemMetodismo   a origem
Metodismo a origem
 
Jornal agosto 2015
Jornal agosto 2015Jornal agosto 2015
Jornal agosto 2015
 
Reforma prot.
Reforma prot.Reforma prot.
Reforma prot.
 
Metodismo oxford, geórgia e londres (em marcha)
Metodismo   oxford, geórgia e londres (em marcha)Metodismo   oxford, geórgia e londres (em marcha)
Metodismo oxford, geórgia e londres (em marcha)
 
Doutrina social da igreja
Doutrina social da igrejaDoutrina social da igreja
Doutrina social da igreja
 
Arenovacaodaespiritualidade
ArenovacaodaespiritualidadeArenovacaodaespiritualidade
Arenovacaodaespiritualidade
 
Igreja pentecostalismo, missiologia e discipulado b
Igreja pentecostalismo, missiologia e  discipulado bIgreja pentecostalismo, missiologia e  discipulado b
Igreja pentecostalismo, missiologia e discipulado b
 
O movimento pentecostal
O movimento pentecostalO movimento pentecostal
O movimento pentecostal
 
Leituras & missa
Leituras & missaLeituras & missa
Leituras & missa
 
Calvinismo
CalvinismoCalvinismo
Calvinismo
 
160 abc reforma e contrarreforma calvinismo
160 abc reforma e contrarreforma calvinismo160 abc reforma e contrarreforma calvinismo
160 abc reforma e contrarreforma calvinismo
 
Igrejas evangelicas no Brasil
Igrejas evangelicas no BrasilIgrejas evangelicas no Brasil
Igrejas evangelicas no Brasil
 
Fim dos tempos pe emmanuel
Fim dos tempos   pe emmanuelFim dos tempos   pe emmanuel
Fim dos tempos pe emmanuel
 
Tabalho joâo calvino
Tabalho joâo calvinoTabalho joâo calvino
Tabalho joâo calvino
 

Destaque

No cops
No copsNo cops
Parecer espec camaqua_anexo2
Parecer espec camaqua_anexo2Parecer espec camaqua_anexo2
Parecer espec camaqua_anexo2
Vitor Dias
 
Missões no setor 2 das ce bs paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...
Missões no setor 2 das ce bs   paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...Missões no setor 2 das ce bs   paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...
Missões no setor 2 das ce bs paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...
Bernadetecebs .
 
Temporário, mas nem tanto equação no ensino
Temporário, mas nem tanto   equação no ensinoTemporário, mas nem tanto   equação no ensino
Temporário, mas nem tanto equação no ensino
SUPORTE EDUCACIONAL
 
Evelin Coradini
Evelin CoradiniEvelin Coradini
Evelin Coradini
Evelin Coradini
 
Proposta segurana-no_pas
Proposta  segurana-no_pasProposta  segurana-no_pas
Proposta segurana-no_pas
Willian Abravanel
 
3. anem a comprar
3. anem a comprar3. anem a comprar
3. anem a comprar
Maribel Girbau
 
Ollantaytambo
OllantaytamboOllantaytambo
Ollantaytambo
Viagem Turismo
 
Conteúdo 2º semestre - direito do trabalho
Conteúdo   2º semestre - direito do trabalhoConteúdo   2º semestre - direito do trabalho
Conteúdo 2º semestre - direito do trabalho
direitoturmamanha
 
(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão
(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão
(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão
Samuel Lima
 
Tabela Amador FPF 2014 - Série B
Tabela Amador FPF 2014 - Série BTabela Amador FPF 2014 - Série B
Tabela Amador FPF 2014 - Série B
FPF PE
 
Copa fernandão artilharia
Copa fernandão   artilhariaCopa fernandão   artilharia
Copa fernandão artilharia
Rafael Passos
 
Propuesta de servicio
Propuesta de servicioPropuesta de servicio
Propuesta de servicio
Rigo Silva
 
Podem canviar l'Administració?
Podem canviar l'Administració?Podem canviar l'Administració?
Podem canviar l'Administració?
Jordi Graells
 
Edital interno-Ciência-sem-fronteiras-centro-paula-souza 2014
Edital interno-Ciência-sem-fronteiras-centro-paula-souza 2014Edital interno-Ciência-sem-fronteiras-centro-paula-souza 2014
Edital interno-Ciência-sem-fronteiras-centro-paula-souza 2014
Fatec São Bernardo do Campo
 
Facilidade tronco disa
Facilidade tronco disaFacilidade tronco disa
Facilidade tronco disa
zeu1507
 
Comunicado 03 pw14
Comunicado 03 pw14Comunicado 03 pw14
Comunicado 03 pw14
SINTAC
 
Obrigado senhor
Obrigado senhorObrigado senhor
Obrigado senhor
xandaoferreirarcc
 
Enunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da Saúde
Enunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da SaúdeEnunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da Saúde
Enunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da Saúde
Osvaldo Simonelli
 
Serrano 226
Serrano 226Serrano 226
Serrano 226
Ecos Alcântaras
 

Destaque (20)

No cops
No copsNo cops
No cops
 
Parecer espec camaqua_anexo2
Parecer espec camaqua_anexo2Parecer espec camaqua_anexo2
Parecer espec camaqua_anexo2
 
Missões no setor 2 das ce bs paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...
Missões no setor 2 das ce bs   paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...Missões no setor 2 das ce bs   paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...
Missões no setor 2 das ce bs paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...
 
Temporário, mas nem tanto equação no ensino
Temporário, mas nem tanto   equação no ensinoTemporário, mas nem tanto   equação no ensino
Temporário, mas nem tanto equação no ensino
 
Evelin Coradini
Evelin CoradiniEvelin Coradini
Evelin Coradini
 
Proposta segurana-no_pas
Proposta  segurana-no_pasProposta  segurana-no_pas
Proposta segurana-no_pas
 
3. anem a comprar
3. anem a comprar3. anem a comprar
3. anem a comprar
 
Ollantaytambo
OllantaytamboOllantaytambo
Ollantaytambo
 
Conteúdo 2º semestre - direito do trabalho
Conteúdo   2º semestre - direito do trabalhoConteúdo   2º semestre - direito do trabalho
Conteúdo 2º semestre - direito do trabalho
 
(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão
(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão
(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão
 
Tabela Amador FPF 2014 - Série B
Tabela Amador FPF 2014 - Série BTabela Amador FPF 2014 - Série B
Tabela Amador FPF 2014 - Série B
 
Copa fernandão artilharia
Copa fernandão   artilhariaCopa fernandão   artilharia
Copa fernandão artilharia
 
Propuesta de servicio
Propuesta de servicioPropuesta de servicio
Propuesta de servicio
 
Podem canviar l'Administració?
Podem canviar l'Administració?Podem canviar l'Administració?
Podem canviar l'Administració?
 
Edital interno-Ciência-sem-fronteiras-centro-paula-souza 2014
Edital interno-Ciência-sem-fronteiras-centro-paula-souza 2014Edital interno-Ciência-sem-fronteiras-centro-paula-souza 2014
Edital interno-Ciência-sem-fronteiras-centro-paula-souza 2014
 
Facilidade tronco disa
Facilidade tronco disaFacilidade tronco disa
Facilidade tronco disa
 
Comunicado 03 pw14
Comunicado 03 pw14Comunicado 03 pw14
Comunicado 03 pw14
 
Obrigado senhor
Obrigado senhorObrigado senhor
Obrigado senhor
 
Enunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da Saúde
Enunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da SaúdeEnunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da Saúde
Enunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da Saúde
 
Serrano 226
Serrano 226Serrano 226
Serrano 226
 

Semelhante a 03 responsabilidade social (1)

3 história do cristianismo - 3ª aula
3   história do cristianismo - 3ª aula3   história do cristianismo - 3ª aula
3 história do cristianismo - 3ª aula
PIB Penha
 
Lição 05 - A evangelização de grupos específicos
Lição 05 - A evangelização de grupos específicosLição 05 - A evangelização de grupos específicos
Lição 05 - A evangelização de grupos específicos
Éder Tomé
 
13 o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula
13   o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula13   o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula
13 o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula
PIB Penha
 
IRLA
 IRLA IRLA
Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.
Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.
Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.
Roberto Rabat Chame
 
TUDO SOBRE A IRLA
TUDO SOBRE A IRLATUDO SOBRE A IRLA
TUDO SOBRE A IRLA
ASD Remanescentes
 
14 o cristianismo na pós-modernidade- 14ª aula
14   o cristianismo na pós-modernidade- 14ª aula14   o cristianismo na pós-modernidade- 14ª aula
14 o cristianismo na pós-modernidade- 14ª aula
PIB Penha
 
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptxJustica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
SouzaRoberto
 
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptxJustica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Francisco Almoxarifado
 
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No BrasilUm Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Pastoral da Juventude
 
Os batistas, seus 400 anos e sua contribuição teológica para o mundo abibet,
Os batistas, seus 400 anos e sua contribuição teológica para o mundo abibet,Os batistas, seus 400 anos e sua contribuição teológica para o mundo abibet,
Os batistas, seus 400 anos e sua contribuição teológica para o mundo abibet,
Jairo Mielnik
 
antonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasil
antonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasilantonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasil
antonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasil
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx
14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx
14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx
PIB Penha - SP
 
Igreja e Cultura/Sociedade
Igreja e Cultura/SociedadeIgreja e Cultura/Sociedade
Igreja e Cultura/Sociedade
Nayara Santana Naves
 
C1421 tu es_pedro
C1421 tu es_pedroC1421 tu es_pedro
C1421 tu es_pedro
penalvacastelo
 
Identidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas BrasileirosIdentidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas Brasileiros
usr_isaltino
 
A historia da catequese
A historia da catequeseA historia da catequese
A historia da catequese
Hernane Freitas
 
(10) teologia da libertação
(10) teologia da libertação(10) teologia da libertação
(10) teologia da libertação
Afonso Murad (FAJE)
 
STNB-SMR-M3A
STNB-SMR-M3ASTNB-SMR-M3A
STNB-SMR-M3A
Milton JB Sobreiro
 
15 - O cristianismo na pos-modernidade1.pptx
15 - O cristianismo na pos-modernidade1.pptx15 - O cristianismo na pos-modernidade1.pptx
15 - O cristianismo na pos-modernidade1.pptx
PIB Penha - SP
 

Semelhante a 03 responsabilidade social (1) (20)

3 história do cristianismo - 3ª aula
3   história do cristianismo - 3ª aula3   história do cristianismo - 3ª aula
3 história do cristianismo - 3ª aula
 
Lição 05 - A evangelização de grupos específicos
Lição 05 - A evangelização de grupos específicosLição 05 - A evangelização de grupos específicos
Lição 05 - A evangelização de grupos específicos
 
13 o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula
13   o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula13   o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula
13 o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula
 
IRLA
 IRLA IRLA
IRLA
 
Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.
Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.
Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.
 
TUDO SOBRE A IRLA
TUDO SOBRE A IRLATUDO SOBRE A IRLA
TUDO SOBRE A IRLA
 
14 o cristianismo na pós-modernidade- 14ª aula
14   o cristianismo na pós-modernidade- 14ª aula14   o cristianismo na pós-modernidade- 14ª aula
14 o cristianismo na pós-modernidade- 14ª aula
 
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptxJustica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
 
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptxJustica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
 
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No BrasilUm Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
 
Os batistas, seus 400 anos e sua contribuição teológica para o mundo abibet,
Os batistas, seus 400 anos e sua contribuição teológica para o mundo abibet,Os batistas, seus 400 anos e sua contribuição teológica para o mundo abibet,
Os batistas, seus 400 anos e sua contribuição teológica para o mundo abibet,
 
antonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasil
antonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasilantonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasil
antonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasil
 
14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx
14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx
14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx
 
Igreja e Cultura/Sociedade
Igreja e Cultura/SociedadeIgreja e Cultura/Sociedade
Igreja e Cultura/Sociedade
 
C1421 tu es_pedro
C1421 tu es_pedroC1421 tu es_pedro
C1421 tu es_pedro
 
Identidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas BrasileirosIdentidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas Brasileiros
 
A historia da catequese
A historia da catequeseA historia da catequese
A historia da catequese
 
(10) teologia da libertação
(10) teologia da libertação(10) teologia da libertação
(10) teologia da libertação
 
STNB-SMR-M3A
STNB-SMR-M3ASTNB-SMR-M3A
STNB-SMR-M3A
 
15 - O cristianismo na pos-modernidade1.pptx
15 - O cristianismo na pos-modernidade1.pptx15 - O cristianismo na pos-modernidade1.pptx
15 - O cristianismo na pos-modernidade1.pptx
 

Mais de Luiza Dayana

William barclay jesus-cristo_para_hoje (1)
William barclay jesus-cristo_para_hoje (1)William barclay jesus-cristo_para_hoje (1)
William barclay jesus-cristo_para_hoje (1)
Luiza Dayana
 
Salmos de salomao
Salmos de salomaoSalmos de salomao
Salmos de salomao
Luiza Dayana
 
Salmos de salomao (1)
Salmos de salomao (1)Salmos de salomao (1)
Salmos de salomao (1)
Luiza Dayana
 
Peter wagner
Peter wagnerPeter wagner
Peter wagner
Luiza Dayana
 
Perdao
PerdaoPerdao
Perdao
Luiza Dayana
 
Paul y. cho orando com jesus
Paul y. cho   orando com jesusPaul y. cho   orando com jesus
Paul y. cho orando com jesus
Luiza Dayana
 
Os cacadores-de-deus
Os cacadores-de-deusOs cacadores-de-deus
Os cacadores-de-deus
Luiza Dayana
 
O poder secreto do jejum e da oração
O poder secreto do jejum e da oraçãoO poder secreto do jejum e da oração
O poder secreto do jejum e da oração
Luiza Dayana
 
Luzparavida espiritosanto
Luzparavida espiritosantoLuzparavida espiritosanto
Luzparavida espiritosanto
Luiza Dayana
 
Livro ebook-a-obra-do-espirito-santo
Livro ebook-a-obra-do-espirito-santoLivro ebook-a-obra-do-espirito-santo
Livro ebook-a-obra-do-espirito-santo
Luiza Dayana
 
Lição 01
Lição 01Lição 01
Lição 01
Luiza Dayana
 
Libertação (psicografia chico xavier espírito andré luiz)
Libertação (psicografia chico xavier   espírito andré luiz)Libertação (psicografia chico xavier   espírito andré luiz)
Libertação (psicografia chico xavier espírito andré luiz)
Luiza Dayana
 
Junho 05-resgatando-a-honra-em-nossa-geração
Junho 05-resgatando-a-honra-em-nossa-geraçãoJunho 05-resgatando-a-honra-em-nossa-geração
Junho 05-resgatando-a-honra-em-nossa-geração
Luiza Dayana
 
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismoJose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo
Luiza Dayana
 
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (5)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (5)Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (5)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (5)
Luiza Dayana
 
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (4)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (4)Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (4)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (4)
Luiza Dayana
 
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (3)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (3)Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (3)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (3)
Luiza Dayana
 
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (2)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (2)Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (2)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (2)
Luiza Dayana
 
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (1)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (1)Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (1)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (1)
Luiza Dayana
 
John wesley explicacao-clara_da_perfeicao_crista
John wesley explicacao-clara_da_perfeicao_cristaJohn wesley explicacao-clara_da_perfeicao_crista
John wesley explicacao-clara_da_perfeicao_crista
Luiza Dayana
 

Mais de Luiza Dayana (20)

William barclay jesus-cristo_para_hoje (1)
William barclay jesus-cristo_para_hoje (1)William barclay jesus-cristo_para_hoje (1)
William barclay jesus-cristo_para_hoje (1)
 
Salmos de salomao
Salmos de salomaoSalmos de salomao
Salmos de salomao
 
Salmos de salomao (1)
Salmos de salomao (1)Salmos de salomao (1)
Salmos de salomao (1)
 
Peter wagner
Peter wagnerPeter wagner
Peter wagner
 
Perdao
PerdaoPerdao
Perdao
 
Paul y. cho orando com jesus
Paul y. cho   orando com jesusPaul y. cho   orando com jesus
Paul y. cho orando com jesus
 
Os cacadores-de-deus
Os cacadores-de-deusOs cacadores-de-deus
Os cacadores-de-deus
 
O poder secreto do jejum e da oração
O poder secreto do jejum e da oraçãoO poder secreto do jejum e da oração
O poder secreto do jejum e da oração
 
Luzparavida espiritosanto
Luzparavida espiritosantoLuzparavida espiritosanto
Luzparavida espiritosanto
 
Livro ebook-a-obra-do-espirito-santo
Livro ebook-a-obra-do-espirito-santoLivro ebook-a-obra-do-espirito-santo
Livro ebook-a-obra-do-espirito-santo
 
Lição 01
Lição 01Lição 01
Lição 01
 
Libertação (psicografia chico xavier espírito andré luiz)
Libertação (psicografia chico xavier   espírito andré luiz)Libertação (psicografia chico xavier   espírito andré luiz)
Libertação (psicografia chico xavier espírito andré luiz)
 
Junho 05-resgatando-a-honra-em-nossa-geração
Junho 05-resgatando-a-honra-em-nossa-geraçãoJunho 05-resgatando-a-honra-em-nossa-geração
Junho 05-resgatando-a-honra-em-nossa-geração
 
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismoJose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo
 
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (5)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (5)Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (5)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (5)
 
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (4)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (4)Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (4)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (4)
 
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (3)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (3)Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (3)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (3)
 
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (2)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (2)Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (2)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (2)
 
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (1)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (1)Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (1)
Jose goncalves salvador-arminianismo_e_metodismo (1)
 
John wesley explicacao-clara_da_perfeicao_crista
John wesley explicacao-clara_da_perfeicao_cristaJohn wesley explicacao-clara_da_perfeicao_crista
John wesley explicacao-clara_da_perfeicao_crista
 

03 responsabilidade social (1)

  • 1. http://confraria-pentecostal.blogspot.com/ Os Cristãos e a Responsabilidade Social A ação social sempre foi uma marca forte do cristianismo. Vejamos alguns exemplos: Guerras Sociais Vencidas no Passado - Instituição do Descanso Dominical; - Fundação dos primeiros Hospitais; - Criação das primeiras Universidades; - Pioneiros da luta pela abolição da escravatura; - Luta por melhores condições de trabalho e diminuição da carga horária (Inglaterra); - Formação dos “Alcoólatras Anônimos”; Guerras Sociais Atuais - Combate às Drogas - Pedofilia - Aborto - Sacrifício de Bebês Indígenas (enterrados vivos) - Homossexualismo - Recuperação dos Excluídos (Alcoólatras, Traficantes e Presidiários). - Racismo (destaque a Marthin Luther King e Nelson Mandela) - Fome (dezenas de ONGs cristãs) O texto a seguir conta um pouco do que Jesus e a igreja primitiva faziam em termos solidários. Serve para refletirmos em nosso papel como cristãos e como igreja. A Prática de Jesus Jesus estabeleceu uma comunidade de discípulos cujo relacionamento se baseava no amor e na partilha.  Essa comunidade dispunha de uma bolsa comum onde eram recolhidas ofertas/doações que eram administradas por Judas Iscariotes. Dessa bolsa, sob as ordens de Jesus eram feitas doações aos pobres (cf. Jo 12:6; 13:29). Algumas mulheres seguidoras do Mestre colocavam seus bens a serviço dessa causa (cf. Mc 15:40,41; Lc 8:1-3).  A proposta de Jesus ao jovem rico (Lc 19:16-22). Aqui Jesus propõe ao jovem uma alteração radical no seu estilo de vida que trazia implicações profundas na área financeira: repartir com os pobres.  A multiplicação dos pães e dos peixes (Mc 6:30-44). Ao multiplicar estes elementos Jesus se utiliza do pouco que alguém se dispôs a partilhar. Partilhar o que se tem mexe com o nosso egoísmo. O Exercício dos Ministérios Sociais nos Primeiros Tempos da Igreja A preocupação com ministérios sociais é natural à fé cristã e essa marca distinguiu os cristãos desde o princípio. Nos primeiros três séculos da Igreja essa preocupação se configurou no surgimento de diversas atividades cujo objetivo era socorrer pessoas em situações extremas (viúvas, órfãos, encarcerados, etc.).  Socorro a órfãos e viúvas – as comunidades cristãs assumiram como tarefa básica de seus líderes “cuidar daqueles que não tinham ninguém mais para tomar-lhes conta”
  • 2. http://confraria-pentecostal.blogspot.com/ (HINSON & SIEPIERSKI, s/d., p. 94), cf. Tg 1:27. Por volta de 217, Hipólito testava candidatos ao batismo no socorro dispensado às viúvas. Nesse período o infanticídio e o abandono de crianças eram ocorrências comuns no Império Romano. As comunidades cristãs então, envolveram-se na tarefa de recolher e cuidar das crianças abandonadas.  Socorro aos doentes, miseráveis e debilitados – Para atender “empobrecidos e negligenciados (...) as igrejas estabeleceram uma estrutura no diaconato...” (HINSON & SIEPIERSKI, s/d., p.95). Para aqueles irmãos negligenciar os pobres era grave pecado e o Didaquê (Manual da Igreja Cristã Primitiva) denominou a falta de atenção aos pobres como “o caminho da morte”.  Apoio aos encarcerados e cativos – “Justino classificou a visitação de prisioneiros entre as funções regulares dos diáconos de seu tempo” (idem, p.95). Eventualmente, alguns cristãos se colocaram em prisão para libertar outros. Clemente de Roma, afirma que muitos cristãos se ofereceram como prisioneiros para libertar outros (cf. HINSON & SIEPIERSKI, s/d. p. 95)  Sepultamento de indigentes – providenciar os meios para que pessoas pobres fossem sepultadas dignamente.  Arranjando empregos eticamente corretos – quando um indivíduo tinha um trabalho eticamente questionável (gladiadores, por exemplo), a Igreja procurava outro emprego para ele. Quando o emprego não era encontrado imediatamente as igrejas sustentavam essas pessoas através de um fundo comum até que a situação fosse resolvida.  Socorro em tempos de calamidades – quando ocorriam situações de emergências como períodos de escassez de alimentos (II Co 8,9), enchentes, etc. os cristãos sentiam-se naturalmente movidos a buscar meios para amenizar as conseqüências de tais episódios na população, especialmente, os mais pobres. [Fonte: Os Evangélicos e a Responsabilidade Social - Pr. Adenilson Ribeiro de Oliveira] Além disso, há outros relatos interessantíssimos:  Por volta de 125 A.D. o filósofo Aristides descreve o seguinte quadro cristão: Eles andam em humildade e bondade; Não existe falsidade entre eles; amam uns aos outros. Não desprezam as viúvas, nem molestam o órfão. Aquele que tem dá liberalmente para o que não tem. Se encontram um estrangeiro, logo lhe dão colhida e se alegram com ele como se fosse um irmão: não na carne, mas no espírito, em Deus. Quando um de seus pobres passa deste mundo e um deles é informado, logo toma providências para o seu sepultamento, conforme estiver ao seu alcance. E se ouvem que alguém entre eles é preso por causa do nome do seu Messias, todos providenciam para as suas necessidades; e, se é possível que seja posto em liberdade, esforçam-se por conseguí-lo. Se há alguém entre eles pobre e necessitado, não tendo em abundância o de que necessita, jejuam dois ou três dias para suprirem-no com o alimento de que precisa.  Por volta do ano de 250 A.D a igreja em Roma sustentava 1500 pessoas carentes, algo singular no antigo Império Romano. [Fonte: Cristãos Ricos em Tempos de Fome, página 113 – Ronald J. Sider]