SlideShare uma empresa Scribd logo
Portugal Eficiência 2015   Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Resolução do Conselho de Ministros Nº80/2008  Coordenação : Apoio : Oportunidade de Intervenção no Meio Edificado para uma maior Eficiência Energética, APA, 28 Fevereiro 2009
Forte inversão da intensidade energética nos 2 últimos anos No entanto, a intensidade energética nacional continua significativamente acima da média europeia Portugal Média EU-27 Intensidade Energética de Portugal e média europeia Energia final / PIB  ( Toneladas Equivalentes de Petróleo  por milhão de euros de PIB) NOTA: PIB a preços constantes de 2000 Fonte: Eurostat; Balanços Energéticos (DGEG); Análise ADENE/DGEG +11 +28 +23 X Desvio
No último quinquénio Portugal conseguiu desacelerar de forma significativa o consumo de energia Tendo nos dois últimos anos invertido a relação entre crescimento económico e energético Evolução do consumo de energia final e do PIB ktep TCMA = Taxa de Crescimento Médio Anual Agricultura e Pescas, Indústrias Extractivas, Construção e Obras Públicas Nota: exclui consumo de petróleo não energético Fonte: Balanços Energéticos (DGGE);INE; Análise ADENE/DGEG TCMA  (1)   2,4% 1,3% 5,3% 1,0%. 6,7% 3,0% 3,0% % Variação PIB e Energia Indústria Transportes Doméstico Serviços Outros  (2) % var. PIB % var. energia  final ‘ 90-’95 ‘ 95-’00 ‘ 00-’05 4,1% 4,1% 7,3% 2,8%. 10,8% -2,1% 5,3% 0,6% -0,2% 0,7% 1,9%. 6,8% -0,4% 1,3% A desaceleração do consumo de energia não deixa de estar associada a um contexto de arrefecimento económico Apesar deste contexto, o sector dos Serviços mantém taxas de crescimento elevadas 1,5% -0,3% ‘ 05-’07
Os Serviços apresentaram forte incremento da intensidade energética, ao invés da tendência europeia NOTA: PIB e VAB a preços constantes de 2000; TCMA = taxa de crescimento médio anual Fonte: Eurostat; Balanços Energéticos (DGEG); Análise ADENE/DGEG 2005 1997 % crescimento  médio anual Energia consumida por VAB produzido (energia final Serviços/VAB Serviços) +6,1% -0,7%
Sector Residencial em convergência acelerada com a intensidade energética europeia NOTA: PIB e VAB a preços constantes de 2000; TCMA = taxa de crescimento médio anual Fonte: Eurostat; Balanços Energéticos (DGEG); Análise ADENE/DGEG 2005 1997 % crescimento  médio anual Energia per capita (energia final Residencial/milhares de habitantes) +0,3% +1,8%
12 grandes Programas do  Portugal Eficiência 2015 Com incidência em diferentes alavancas de eficiência energética Transportes Indústria Residencial e Serviços Estado Comportamentos Fiscalidade Incentivos e Financiamento Renove Carro 1 Fundo de Eficiência Energética 12 Mobilidade Urbana 2 Sistema  Eficiência  Transportes 3 Renove Casa & Escritório 4 Sistema Eficiência Edifícios 5 Renováveis na Hora e Programa Solar 6 Sistema Eficiência Indústria 7 E3: Eficiência Energética Estado 8 Programa Mais 9 Operação E 10 Fiscalidade Verde 11 Tecno- logias Compor- tamentos Adopção Acção Organização Valores Alavancas
Os programas têm mapas de seguimento com indicadores de performance Exemplo
Programas do  Portugal Eficiência 2015  (I/II) Principais medidas e objectivos Residencial e Serviços Programa Renove Casa & Escritório 4 Sistema de Eficiência Energética nos Edifícios 5 Renováveis na Hora e Programa Solar 6 Programa de incentivo à reabilitação urbana sustentável, com o objectivo de ter 1 em cada 15 lares com classe energética optimizada  (superior ou igual a B-) . Programa de renovação de 1 milhão de grandes electrodomésticos Substituição de 5 milhões de lâmpadas por CFL  75 mil lares electroprodutores  (165MW potência instalada).  1 em cada 15 edifícios com Água Quente Solar.  Certificação energética  de todos os edifícios do Estado  20% dos edifícios do Estado com classe igual ou superior a B -  20% da frota de veículos do Estado com emissões de CO 2  inferiores a 110 g/km  Phase-out  da iluminação pública ineficiente 20% da semaforização de trânsito com iluminação eficiente ( LED  ) Programa E3: Eficiência Energética no Estado 8 Estado
Incentivos e financiamento Cheque eficiência:  Prémio equivalente a 10% ou 20% dos gastos em electricidade Crédito bonificado: €250M/ano para investimentos em eficiência (enfoque reabilitação urbana) Dinamização de Empresas de Serviços de Energia através de incentivos à sua criação (QREN), concursos para auditorias no Estado e regulamentação do “Contrato Eficiência” Fiscalidade Incentivos fiscais à micro-produção e alinhamento progressivo da fiscalidade  com o Sistema de Certificação Energética dos Edifícios (ex. benefício em IRS a habitações classe A/A+) Comportamentos Lançamento do “Prémio Mais Eficiência” para premiar a excelência  ao nível das várias  vertentes (ex. empresas, edifícios, escolas, entre outros). Conceito “ Mais  Eficiência Energética”:  “selo”/credenciação para identificar boas práticas em cinco vertentes: Casa, Autarquia, Empresa, Escola e Equipamentos. Programa Mais 9 Operação E 10 Fiscalidade Verde 11 Fundo de Eficiência Energética 12 Programas do  Portugal Eficiência 2015  (II/II) Principais medidas e objectivos
Incentivos à eficiência no sector residencial & serviços Com forte enfoque na substituição de electrodomésticos e reabilitação urbana Prémio por redução efectiva do consumo de electricidade para investir em medidas eficiência  Cheque de  valor igual a10% do gasto anual de electricidade durante 2 anos, se reduzir 10% - Cheque de valor igual a 20% do gasto anual de electricidade durante 2 anos, se reduzir 20% Crédito Pessoal  Bonificado para  financiamento de medidas eficiência  Acordo com bancos até €250M/ano (bonificação ~€10M/ano) Redução de 4% na taxa para créditos até 8% s/ garantias Elegíveis para medidas seleccionadas Crédito eficiência Cheque  Eficiência Forte enfoque no financiamento da reabilitação urbana
Requisitos da  Certificação  e impacto energético em edifícios  residenciais Impacto da Certificação (Média por habitação) Energia final Fonte: ADENE,/DGEG. Consumo Doméstico Balanço DGEG 2005 (energia final total convertida para KWh Impacto %
Requisitos da  Certificação  e impacto energético em edifícios de serviços Impacto Certificação  Média escritório (8 mil m2)  Energia final Fonte: ADENE, Consumo Doméstico Balanço DGEG 2005 (energia final total convertida para KWh Impacto %
Potencial para dinamizar a reabilitação urbana Parque residencial de 5,5 milhões de fogos, dos quais menos de 2/3 estão em bom estado de conservação Fonte: INE Census 2001 (Parque e perfil de conservação) / INE 2005 (Parque)  62% 23% 9% 4% 2% Conservação  (milhares fogos) Medida  Janela Eficiente Incentivo à substituição de superfícies vidradas não eficientes Envolvendo a reabilitação de cerca de 200 mil fogos até 2015 Medida  Isolamento Térmico Incentivo ao isolamento térmico  100 mil fogos reabilitados até 2015  Medida  Calor Verde Programa de instalação de 200 mil sistemas de aquecimento de ambiente eficientes recuperadores de calor a biomassa  bombas de calor COP maior ou igual a 4 62% dos fogos em bom estado de conservação  1,2 milhões a necessitar de pequenas reparações Quase 800 mil a necessitarem de médias ou grandes reparações Parque sazonal representa quase 1/5 do total
Programa Renove Iluminação Milhões de lâmpadas Evolução prevista do parque de lâmpadas no sector residencial Nº fogos (M) Nº pontos luz/fogo Consumo de energia Por fogo (kWh) Mix lâmpadas 2005 (k tep) Mix esperado (k tep) Redução do consumo (k tep) CFL Fluorescente Halogéneo Incandescente 3,9 11,4 410 136,7 - - 3,9 12,0 325 143,9 108,4 -35 3,9 13,0 249 155,8 83,0 -75 Nota: valores estimados; impactos incluem efeitos do programa de substituição e de campanhas de divulgação Fonte: análise ADENE/DGEG
Campanha de distribuição de iluminação eficiente em meio milhão de lares , 2008 Medida Substituição do parque de equipamentos domésticos ineficiente Objectivo  phase out  iluminação incandescentes até 2015 Parceria público-privada MEI/ADENE/EDP/CTT/Sonae 2 milhões de lâmpadas distribuídas em 2008 Mais de meio milhão de lares de menor rendimento
Com um simples registo on-line o particular pode iniciar   “ na hora ” a construção da unidade de microprodução Registo on-line Contrata instalação Inicia venda à rede Inspector emite  Certificado de  Exploração Sistema de Registo da Micro-produção (SRM) Identifica nº cliente electricidade  Potência e tecnologia a instalar Até 50% da potência de consumo e 3,68 kW Instala: Micro-fotovoltaíca ou Micro-eólica ou Micro-hídrica ou  Cogeração a biomassa ou Pilhas hidrogénio + Colector solar térmico (excepto condomínios e micro-cogeração) Solicita inspecção até um máximo de 4 meses após registo SRM emite certificado de exploração Celebra contrato com comercializador e inicia venda de electricidade à rede Possibilidade de até 75% da facturação poder ser contratada directamente com a banca para financiar investimento
Renováveis na Hora, uma excelente adesão no primeiro ano 6 mil pedidos de acesso à tarifa bonificado Mais de 4 mil  microprodutores  em fase de licenciamento Forte adesão de particulares e empresas
O Estado consome anualmente cerca de 480 mil tep de energia, com grande potencial de redução em várias áreas  k tep (1) Repartição do consumo final de energia pelo Estado (2005) Inclui cerca de 41,4 k tep relacionado com o  consumo de petróleo não energético (lubrificantes, asfalto, etc) Valor estimado tendo em conta uma segregação entre o sector público e o privado com base no número de camas (cerca de 75% do CAE respectivo) Valor estimado tendo em conta uma segregação entre o sector público e o privado com base no número de alunos (cerca de 80% do CAE respectivo) Nota: valores estimados Fonte:DGEG; Análise ADENE/DGEG (2) (3) Percentagem em relação ao total 47,7% 25,2% -14,7% 11,4% 0,9%
Projectos de produção descentralizada em grandes edifícios de serviços – exemplo CGD
Cerca de €30M de investimento anual adicional Com um plano de financiamentos e aplicações definidos à partida Nota: não inclui incentivos fiscais Fonte: Análise ADENE/DGEG Fontes de financiamento Incentivos e aplicação de  recursos  € M Fundo Eficiência energética
Meta de 10% de poupança até 2015 20% superior à meta solicitada na Directiva Europeia 2006/32/CE para 2015 Impacto das medidas de EE no consumo de energia em 2015 (% de poupança vs. média ’01-’05) Poupança (ktep) % consumo do sector (’01-’05) Incluindo os consumos das empresas no âmbito do PNALE e medidas retroactivas RGCE Fonte: Balanços Energéticos DGEG 2001-05; Análise ADENE/DGEG Objectivo Nacional superior em 20% ao objectivo Europeu 706 318 536 166 49 1.792 10,3% 10,4% 10,1% (1) 8,9% 12,3% 16,3 1,8% % redução consumo eléctrico em 2015  7% Poupança eléctrica (GWh) 4.777
Forte aposta nas renováveis e eficiência energética O Plano reduz o crescimento da factura energética em ~1%/ano (1) Cenário central entre o cenário alto e cenário baixo de crescimento do PIB Fonte: Balanços Energéticos (DGEG); CEEETA; Análise ADENE/DGEG Previsão de evolução do consumo final de energia em  cenário Business-as-Usual de crescimento do PIB (1) +1,6% +1,7% +1,1% +0,5% O plano permite reduzir em ~1% o crescimento energético Meta de 31% de renováveis na energia final em 2020 % renováveis/energia final  Hidrica Eólica Bio-combustíveis Outros A redução do consumo de energia final é uma importante alavanca para o reforço do peso das renováveis ktep
Os Programas do Portugal Eficiência 2015  terão diferentes organismos coordenadores Transportes Indústria Residencial e Serviços Estado Comportamentos Fiscalidade Incentivos e Financiamento Renove Carro 1 Fundo de Eficiência Energética 12 Mobilidade Urbana 2 Sistema  Eficiência Transportes 3 Renove Casa & Escritório 4 Sistema Eficiência Edifícios 5 Renováveis na Hora e Programa Solar 6 Sistema Eficiência Indústria 7 E3: Eficiência Energética Estado 8 Programa Mais 9 Operação E 10 Fiscalidade Verde 11 Equipa- mentos Compor- tamentos IMTT DGEG / ADENE DGEG / DGAE ADENE DGCI / DGAIEC ANCP  (Agência Nacional Compras Públicas)   / ADENE / APA DGEG / ERSE / DG Tesouro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os próximos passos da geração distribuída
Os próximos passos da geração distribuídaOs próximos passos da geração distribuída
Os próximos passos da geração distribuída
Gabriel Konzen
 
Políticas Públicas para Conservação de Energia
Políticas Públicas para Conservação de EnergiaPolíticas Públicas para Conservação de Energia
Políticas Públicas para Conservação de Energia
Habitante Verde
 
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
slides-mci
 
Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE: oportunidades e...
Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE: oportunidades e...Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE: oportunidades e...
Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE: oportunidades e...
Câmara de Comercialização de Energia Elétrica
 
Prioridades do MME
Prioridades do MME Prioridades do MME
Prioridades do MME
ascommme
 
A visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência EnergéticaA visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência Energética
slides-mci
 
Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...
Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...
Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...
slides-mci
 
Guia para Eficiência Energética nas Edificações Públicas
Guia para Eficiência Energética nas Edificações PúblicasGuia para Eficiência Energética nas Edificações Públicas
Guia para Eficiência Energética nas Edificações Públicas
ascommme
 
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de EnergiaContribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
slides-mci
 
A Eficiência Energética e as Alterações Comportamentais
A Eficiência Energética e as Alterações ComportamentaisA Eficiência Energética e as Alterações Comportamentais
A Eficiência Energética e as Alterações Comportamentais
mbenquerenca
 
PAINEL SOLAR | ENERGIA EÓLICA
PAINEL SOLAR |  ENERGIA EÓLICAPAINEL SOLAR |  ENERGIA EÓLICA
PAINEL SOLAR | ENERGIA EÓLICA
Diego Silvério, MBA, Eng.
 
Programa de Investimento em Energia Elétrica (PIEE)
Programa de Investimento em Energia Elétrica (PIEE)Programa de Investimento em Energia Elétrica (PIEE)
Programa de Investimento em Energia Elétrica (PIEE)
ascommme
 
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "O Contributo da Electricidade Renovável"
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "O Contributo da Electricidade Renovável"FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "O Contributo da Electricidade Renovável"
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "O Contributo da Electricidade Renovável"
Associação Nacional de Jovens Empresários
 
Bioeletricidade e o Mercado Livre de Energia - Ethanol Summit 2017
Bioeletricidade e o Mercado Livre de Energia - Ethanol Summit 2017Bioeletricidade e o Mercado Livre de Energia - Ethanol Summit 2017
Bioeletricidade e o Mercado Livre de Energia - Ethanol Summit 2017
Câmara de Comercialização de Energia Elétrica
 
Gtenergia
GtenergiaGtenergia
Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar - Seminário franco-br...
Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar - Seminário franco-br...Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar - Seminário franco-br...
Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar - Seminário franco-br...
Câmara de Comercialização de Energia Elétrica
 
Perspectivas de Oferta e Preço da Energia para o Mercado Livre - FIESP
Perspectivas de Oferta e Preço da Energia para o Mercado Livre - FIESPPerspectivas de Oferta e Preço da Energia para o Mercado Livre - FIESP
Perspectivas de Oferta e Preço da Energia para o Mercado Livre - FIESP
Câmara de Comercialização de Energia Elétrica
 
Planejamento da Matriz Energética e Economia de Baixo Carbono
Planejamento da Matriz Energética e Economia de Baixo CarbonoPlanejamento da Matriz Energética e Economia de Baixo Carbono
Planejamento da Matriz Energética e Economia de Baixo Carbono
Ambiente Energia
 
Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 - A ótica do mercado (ENASE 2017)
Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 - A ótica do mercado (ENASE 2017)Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 - A ótica do mercado (ENASE 2017)
Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 - A ótica do mercado (ENASE 2017)
Câmara de Comercialização de Energia Elétrica
 
Quais os reais custos e benefícios das fontes de geração elétrica no Brasil?
Quais os reais custos e benefícios das fontes de geração elétrica no Brasil? Quais os reais custos e benefícios das fontes de geração elétrica no Brasil?
Quais os reais custos e benefícios das fontes de geração elétrica no Brasil?
Instituto Escolhas
 

Mais procurados (20)

Os próximos passos da geração distribuída
Os próximos passos da geração distribuídaOs próximos passos da geração distribuída
Os próximos passos da geração distribuída
 
Políticas Públicas para Conservação de Energia
Políticas Públicas para Conservação de EnergiaPolíticas Públicas para Conservação de Energia
Políticas Públicas para Conservação de Energia
 
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
 
Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE: oportunidades e...
Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE: oportunidades e...Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE: oportunidades e...
Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE: oportunidades e...
 
Prioridades do MME
Prioridades do MME Prioridades do MME
Prioridades do MME
 
A visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência EnergéticaA visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência Energética
 
Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...
Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...
Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...
 
Guia para Eficiência Energética nas Edificações Públicas
Guia para Eficiência Energética nas Edificações PúblicasGuia para Eficiência Energética nas Edificações Públicas
Guia para Eficiência Energética nas Edificações Públicas
 
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de EnergiaContribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
 
A Eficiência Energética e as Alterações Comportamentais
A Eficiência Energética e as Alterações ComportamentaisA Eficiência Energética e as Alterações Comportamentais
A Eficiência Energética e as Alterações Comportamentais
 
PAINEL SOLAR | ENERGIA EÓLICA
PAINEL SOLAR |  ENERGIA EÓLICAPAINEL SOLAR |  ENERGIA EÓLICA
PAINEL SOLAR | ENERGIA EÓLICA
 
Programa de Investimento em Energia Elétrica (PIEE)
Programa de Investimento em Energia Elétrica (PIEE)Programa de Investimento em Energia Elétrica (PIEE)
Programa de Investimento em Energia Elétrica (PIEE)
 
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "O Contributo da Electricidade Renovável"
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "O Contributo da Electricidade Renovável"FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "O Contributo da Electricidade Renovável"
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "O Contributo da Electricidade Renovável"
 
Bioeletricidade e o Mercado Livre de Energia - Ethanol Summit 2017
Bioeletricidade e o Mercado Livre de Energia - Ethanol Summit 2017Bioeletricidade e o Mercado Livre de Energia - Ethanol Summit 2017
Bioeletricidade e o Mercado Livre de Energia - Ethanol Summit 2017
 
Gtenergia
GtenergiaGtenergia
Gtenergia
 
Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar - Seminário franco-br...
Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar - Seminário franco-br...Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar - Seminário franco-br...
Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar - Seminário franco-br...
 
Perspectivas de Oferta e Preço da Energia para o Mercado Livre - FIESP
Perspectivas de Oferta e Preço da Energia para o Mercado Livre - FIESPPerspectivas de Oferta e Preço da Energia para o Mercado Livre - FIESP
Perspectivas de Oferta e Preço da Energia para o Mercado Livre - FIESP
 
Planejamento da Matriz Energética e Economia de Baixo Carbono
Planejamento da Matriz Energética e Economia de Baixo CarbonoPlanejamento da Matriz Energética e Economia de Baixo Carbono
Planejamento da Matriz Energética e Economia de Baixo Carbono
 
Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 - A ótica do mercado (ENASE 2017)
Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 - A ótica do mercado (ENASE 2017)Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 - A ótica do mercado (ENASE 2017)
Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 - A ótica do mercado (ENASE 2017)
 
Quais os reais custos e benefícios das fontes de geração elétrica no Brasil?
Quais os reais custos e benefícios das fontes de geração elétrica no Brasil? Quais os reais custos e benefícios das fontes de geração elétrica no Brasil?
Quais os reais custos e benefícios das fontes de geração elétrica no Brasil?
 

Destaque

2011 Honda Pilot Omaha Nebraska
2011 Honda Pilot Omaha Nebraska2011 Honda Pilot Omaha Nebraska
2011 Honda Pilot Omaha Nebraska
Honda Cars of Bellevue
 
Usługi konsultingowe w segmencie e-travel
Usługi konsultingowe w segmencie e-travelUsługi konsultingowe w segmencie e-travel
Usługi konsultingowe w segmencie e-travel
TravelCamp
 
Proposal bahasa rusia
Proposal bahasa rusiaProposal bahasa rusia
Proposal bahasa rusia
gatothp
 
Moving towards Functional Rural Water Supply Services
Moving towards Functional Rural Water Supply Services Moving towards Functional Rural Water Supply Services
Moving towards Functional Rural Water Supply Services
International WaterCentre
 
Understanding Sanitation Options in Challenging Environments
Understanding Sanitation Options  in Challenging EnvironmentsUnderstanding Sanitation Options  in Challenging Environments
Understanding Sanitation Options in Challenging Environments
International WaterCentre
 
02 Pedro Mateus Adene 27 Maio 2009
02 Pedro Mateus  Adene 27 Maio 200902 Pedro Mateus  Adene 27 Maio 2009
02 Pedro Mateus Adene 27 Maio 2009
ken.nunes
 
Abal report card presentation iyrf
Abal report card presentation iyrfAbal report card presentation iyrf
Abal report card presentation iyrf
International WaterCentre
 
Reef water quality protection plan, bob speirs
Reef water quality protection plan, bob speirsReef water quality protection plan, bob speirs
Reef water quality protection plan, bob speirs
International WaterCentre
 
Demystifying and Monetizing the Cloud
Demystifying and Monetizing the CloudDemystifying and Monetizing the Cloud
Demystifying and Monetizing the Cloud
Technopreneurs Association of Malaysia
 
Ph seq ehmp
Ph seq ehmpPh seq ehmp
Environment and resource sciences, christine williams
Environment and resource sciences, christine williamsEnvironment and resource sciences, christine williams
Environment and resource sciences, christine williams
International WaterCentre
 
eGrove Systems - Professional Web Development Services
 eGrove Systems -  Professional Web Development Services eGrove Systems -  Professional Web Development Services
eGrove Systems - Professional Web Development Services
Egrove Systems Corporation
 
Aula 03 - in1 - ifes - 2 semestre 2010-n
Aula   03 - in1 - ifes - 2 semestre 2010-nAula   03 - in1 - ifes - 2 semestre 2010-n
Aula 03 - in1 - ifes - 2 semestre 2010-n
Moises Omena
 
Deal Desk: Mobile, Collaborative, Optimized Deals (Anaplan HUB2014)
Deal Desk: Mobile, Collaborative, Optimized Deals (Anaplan HUB2014)Deal Desk: Mobile, Collaborative, Optimized Deals (Anaplan HUB2014)
Deal Desk: Mobile, Collaborative, Optimized Deals (Anaplan HUB2014)
Anaplan
 
Market research telephone answering machine in nigeria
Market research telephone answering machine in nigeriaMarket research telephone answering machine in nigeria
Market research telephone answering machine in nigeria
Save the Children International
 
MRC: Russian PVC market, Amsterdam, The 5th Global PVC Conference - 2005
MRC: Russian PVC market, Amsterdam, The 5th Global PVC Conference - 2005MRC: Russian PVC market, Amsterdam, The 5th Global PVC Conference - 2005
MRC: Russian PVC market, Amsterdam, The 5th Global PVC Conference - 2005
MRC
 
5.2 lake tai ecological assessment – monitoring and site selection
5.2 lake tai ecological assessment – monitoring and site selection5.2 lake tai ecological assessment – monitoring and site selection
5.2 lake tai ecological assessment – monitoring and site selection
International WaterCentre
 

Destaque (19)

2011 Honda Pilot Omaha Nebraska
2011 Honda Pilot Omaha Nebraska2011 Honda Pilot Omaha Nebraska
2011 Honda Pilot Omaha Nebraska
 
2. fitts law
2. fitts law2. fitts law
2. fitts law
 
Usługi konsultingowe w segmencie e-travel
Usługi konsultingowe w segmencie e-travelUsługi konsultingowe w segmencie e-travel
Usługi konsultingowe w segmencie e-travel
 
Proposal bahasa rusia
Proposal bahasa rusiaProposal bahasa rusia
Proposal bahasa rusia
 
Weihnachten
WeihnachtenWeihnachten
Weihnachten
 
Moving towards Functional Rural Water Supply Services
Moving towards Functional Rural Water Supply Services Moving towards Functional Rural Water Supply Services
Moving towards Functional Rural Water Supply Services
 
Understanding Sanitation Options in Challenging Environments
Understanding Sanitation Options  in Challenging EnvironmentsUnderstanding Sanitation Options  in Challenging Environments
Understanding Sanitation Options in Challenging Environments
 
02 Pedro Mateus Adene 27 Maio 2009
02 Pedro Mateus  Adene 27 Maio 200902 Pedro Mateus  Adene 27 Maio 2009
02 Pedro Mateus Adene 27 Maio 2009
 
Abal report card presentation iyrf
Abal report card presentation iyrfAbal report card presentation iyrf
Abal report card presentation iyrf
 
Reef water quality protection plan, bob speirs
Reef water quality protection plan, bob speirsReef water quality protection plan, bob speirs
Reef water quality protection plan, bob speirs
 
Demystifying and Monetizing the Cloud
Demystifying and Monetizing the CloudDemystifying and Monetizing the Cloud
Demystifying and Monetizing the Cloud
 
Ph seq ehmp
Ph seq ehmpPh seq ehmp
Ph seq ehmp
 
Environment and resource sciences, christine williams
Environment and resource sciences, christine williamsEnvironment and resource sciences, christine williams
Environment and resource sciences, christine williams
 
eGrove Systems - Professional Web Development Services
 eGrove Systems -  Professional Web Development Services eGrove Systems -  Professional Web Development Services
eGrove Systems - Professional Web Development Services
 
Aula 03 - in1 - ifes - 2 semestre 2010-n
Aula   03 - in1 - ifes - 2 semestre 2010-nAula   03 - in1 - ifes - 2 semestre 2010-n
Aula 03 - in1 - ifes - 2 semestre 2010-n
 
Deal Desk: Mobile, Collaborative, Optimized Deals (Anaplan HUB2014)
Deal Desk: Mobile, Collaborative, Optimized Deals (Anaplan HUB2014)Deal Desk: Mobile, Collaborative, Optimized Deals (Anaplan HUB2014)
Deal Desk: Mobile, Collaborative, Optimized Deals (Anaplan HUB2014)
 
Market research telephone answering machine in nigeria
Market research telephone answering machine in nigeriaMarket research telephone answering machine in nigeria
Market research telephone answering machine in nigeria
 
MRC: Russian PVC market, Amsterdam, The 5th Global PVC Conference - 2005
MRC: Russian PVC market, Amsterdam, The 5th Global PVC Conference - 2005MRC: Russian PVC market, Amsterdam, The 5th Global PVC Conference - 2005
MRC: Russian PVC market, Amsterdam, The 5th Global PVC Conference - 2005
 
5.2 lake tai ecological assessment – monitoring and site selection
5.2 lake tai ecological assessment – monitoring and site selection5.2 lake tai ecological assessment – monitoring and site selection
5.2 lake tai ecological assessment – monitoring and site selection
 

Semelhante a 03 APA ICS Alexandre Fernandes ADENE 17 02 09.ppt

RNAE_SeminarioESCO_Guimaraes_14Fev2011_ADENE_AlexandreFernandes_ECOAP.pdf
RNAE_SeminarioESCO_Guimaraes_14Fev2011_ADENE_AlexandreFernandes_ECOAP.pdfRNAE_SeminarioESCO_Guimaraes_14Fev2011_ADENE_AlexandreFernandes_ECOAP.pdf
RNAE_SeminarioESCO_Guimaraes_14Fev2011_ADENE_AlexandreFernandes_ECOAP.pdf
JosAzevedo64
 
Jania akamatsu eficiencia
Jania akamatsu eficienciaJania akamatsu eficiencia
Jania akamatsu eficiencia
Evandro Calisto
 
02 Nuno Batista - Adene
02 Nuno Batista - Adene02 Nuno Batista - Adene
02 Nuno Batista - Adene
Construção Sustentável
 
Neilton fidelis 18 00
Neilton  fidelis 18 00Neilton  fidelis 18 00
Neilton fidelis 18 00
forumsustentar
 
Pedro Mateus - ADENE
Pedro Mateus - ADENEPedro Mateus - ADENE
Pedro Mateus - ADENE
Construção Sustentável
 
Conrado cetesb
Conrado cetesbConrado cetesb
Conrado cetesb
Conrado Augustus de Melo
 
O PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptx
O PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptxO PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptx
O PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptx
Antonio Carlos Baltazar
 
Cheque
ChequeCheque
Cheque
cidaliaalves
 
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
CPFL Energia
 
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCELMecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
slides-mci
 
Nuno Baptista - ADENE
Nuno Baptista - ADENENuno Baptista - ADENE
Nuno Baptista - ADENE
Construção Sustentável
 
Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética e Apoios Finance...
Plano Nacional de Acção para a Eficiência         Energética e Apoios Finance...Plano Nacional de Acção para a Eficiência         Energética e Apoios Finance...
Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética e Apoios Finance...
Construção Sustentável
 
0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf
JooCarlosMidon
 
0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf
JooCarlosMidon
 
Energy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
Energy Performance Contracts in Portuguese Public AdministrationEnergy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
Energy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
tiaguini
 
CONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
CONOTEL - Congresso Nacional de HotéisCONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
CONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
TEKNERGIA
 
Eficiência Energética
Eficiência EnergéticaEficiência Energética
Eficiência Energética
FMUC-Unit of Biophysics - IBILI
 
Apresentação Prof Clemente Pedro Nunes
Apresentação Prof Clemente Pedro NunesApresentação Prof Clemente Pedro Nunes
Apresentação Prof Clemente Pedro Nunes
cideias
 
Paulo Libório - ADENE 16 Nov 2010 Vila Real
Paulo Libório - ADENE 16 Nov 2010 Vila RealPaulo Libório - ADENE 16 Nov 2010 Vila Real
Paulo Libório - ADENE 16 Nov 2010 Vila Real
Construção Sustentável
 
energia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzer
energia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzerenergia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzer
energia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzer
ExpoGestão
 

Semelhante a 03 APA ICS Alexandre Fernandes ADENE 17 02 09.ppt (20)

RNAE_SeminarioESCO_Guimaraes_14Fev2011_ADENE_AlexandreFernandes_ECOAP.pdf
RNAE_SeminarioESCO_Guimaraes_14Fev2011_ADENE_AlexandreFernandes_ECOAP.pdfRNAE_SeminarioESCO_Guimaraes_14Fev2011_ADENE_AlexandreFernandes_ECOAP.pdf
RNAE_SeminarioESCO_Guimaraes_14Fev2011_ADENE_AlexandreFernandes_ECOAP.pdf
 
Jania akamatsu eficiencia
Jania akamatsu eficienciaJania akamatsu eficiencia
Jania akamatsu eficiencia
 
02 Nuno Batista - Adene
02 Nuno Batista - Adene02 Nuno Batista - Adene
02 Nuno Batista - Adene
 
Neilton fidelis 18 00
Neilton  fidelis 18 00Neilton  fidelis 18 00
Neilton fidelis 18 00
 
Pedro Mateus - ADENE
Pedro Mateus - ADENEPedro Mateus - ADENE
Pedro Mateus - ADENE
 
Conrado cetesb
Conrado cetesbConrado cetesb
Conrado cetesb
 
O PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptx
O PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptxO PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptx
O PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptx
 
Cheque
ChequeCheque
Cheque
 
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
 
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCELMecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
 
Nuno Baptista - ADENE
Nuno Baptista - ADENENuno Baptista - ADENE
Nuno Baptista - ADENE
 
Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética e Apoios Finance...
Plano Nacional de Acção para a Eficiência         Energética e Apoios Finance...Plano Nacional de Acção para a Eficiência         Energética e Apoios Finance...
Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética e Apoios Finance...
 
0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf
 
0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf
 
Energy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
Energy Performance Contracts in Portuguese Public AdministrationEnergy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
Energy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
 
CONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
CONOTEL - Congresso Nacional de HotéisCONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
CONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
 
Eficiência Energética
Eficiência EnergéticaEficiência Energética
Eficiência Energética
 
Apresentação Prof Clemente Pedro Nunes
Apresentação Prof Clemente Pedro NunesApresentação Prof Clemente Pedro Nunes
Apresentação Prof Clemente Pedro Nunes
 
Paulo Libório - ADENE 16 Nov 2010 Vila Real
Paulo Libório - ADENE 16 Nov 2010 Vila RealPaulo Libório - ADENE 16 Nov 2010 Vila Real
Paulo Libório - ADENE 16 Nov 2010 Vila Real
 
energia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzer
energia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzerenergia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzer
energia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzer
 

Mais de ken.nunes

António Pires dos Santos - IBM
António Pires dos Santos - IBMAntónio Pires dos Santos - IBM
António Pires dos Santos - IBM
ken.nunes
 
Eurostars Jorge Liz 29 01
Eurostars Jorge Liz 29 01Eurostars Jorge Liz 29 01
Eurostars Jorge Liz 29 01
ken.nunes
 
09 Orlando Sampaio SAPA 27 Maio 2009
09 Orlando Sampaio SAPA 27 Maio 200909 Orlando Sampaio SAPA 27 Maio 2009
09 Orlando Sampaio SAPA 27 Maio 2009
ken.nunes
 
04 Renato Romano Dgeg 27 Maio 2009
04 Renato Romano   Dgeg 27 Maio 200904 Renato Romano   Dgeg 27 Maio 2009
04 Renato Romano Dgeg 27 Maio 2009
ken.nunes
 
03 Ana Roque De Oliveira Apa 27 Maio 2009
03 Ana Roque De Oliveira   Apa 27 Maio 200903 Ana Roque De Oliveira   Apa 27 Maio 2009
03 Ana Roque De Oliveira Apa 27 Maio 2009
ken.nunes
 
10 Ricardo Carvalho Spin 27 Maio 2009
10 Ricardo Carvalho  Spin 27 Maio 200910 Ricardo Carvalho  Spin 27 Maio 2009
10 Ricardo Carvalho Spin 27 Maio 2009
ken.nunes
 
05 Livia Tirone TN 27 Maio 2009
05 Livia Tirone   TN 27 Maio 200905 Livia Tirone   TN 27 Maio 2009
05 Livia Tirone TN 27 Maio 2009
ken.nunes
 
01 Alexandre Fernandes Adene 27 Maio 2009
01 Alexandre Fernandes   Adene 27 Maio 200901 Alexandre Fernandes   Adene 27 Maio 2009
01 Alexandre Fernandes Adene 27 Maio 2009
ken.nunes
 
8 Maria Joao Rodrigues Wee 27 Maio 2009
8 Maria Joao Rodrigues   Wee 27 Maio 20098 Maria Joao Rodrigues   Wee 27 Maio 2009
8 Maria Joao Rodrigues Wee 27 Maio 2009
ken.nunes
 
06 Andre Dias Inteli 27 Maio 2009
06 Andre Dias Inteli 27 Maio 200906 Andre Dias Inteli 27 Maio 2009
06 Andre Dias Inteli 27 Maio 2009
ken.nunes
 
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO Paulo Santos 19 Maio 2009
Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO Paulo Santos 19 Maio 2009Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO Paulo Santos 19 Maio 2009
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO Paulo Santos 19 Maio 2009
ken.nunes
 
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO Livia Tirone 19 Maio 2009
Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO Livia Tirone 19 Maio 2009Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO Livia Tirone 19 Maio 2009
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO Livia Tirone 19 Maio 2009
ken.nunes
 
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO AntóNio GonçAlves Henriq...
Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO AntóNio GonçAlves Henriq...Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO AntóNio GonçAlves Henriq...
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO AntóNio GonçAlves Henriq...
ken.nunes
 
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO Alexandre Fernandes 19 M...
Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO Alexandre Fernandes 19 M...Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO Alexandre Fernandes 19 M...
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO Alexandre Fernandes 19 M...
ken.nunes
 
Livia Tirone ApresentaçãO Ics Seminário ConstruçãO SustentáVel 5 Maio P...
Livia Tirone   ApresentaçãO Ics   Seminário ConstruçãO SustentáVel   5 Maio P...Livia Tirone   ApresentaçãO Ics   Seminário ConstruçãO SustentáVel   5 Maio P...
Livia Tirone ApresentaçãO Ics Seminário ConstruçãO SustentáVel 5 Maio P...
ken.nunes
 
Alexandre Fernandes Apresentação SCE Seminário Construção Sustentável 5 ...
Alexandre Fernandes   Apresentação SCE   Seminário Construção Sustentável  5 ...Alexandre Fernandes   Apresentação SCE   Seminário Construção Sustentável  5 ...
Alexandre Fernandes Apresentação SCE Seminário Construção Sustentável 5 ...
ken.nunes
 
ConstruçãO SustentáVel Na AgêNcia Do Ambiente Ip 1marçO09
ConstruçãO SustentáVel Na AgêNcia Do Ambiente Ip 1marçO09ConstruçãO SustentáVel Na AgêNcia Do Ambiente Ip 1marçO09
ConstruçãO SustentáVel Na AgêNcia Do Ambiente Ip 1marçO09
ken.nunes
 
Paulo Santos - ADENE
Paulo Santos - ADENEPaulo Santos - ADENE
Paulo Santos - ADENE
ken.nunes
 
Duarte Cabral De Melo - Ordem dos Arquitectos
Duarte Cabral De Melo - Ordem dos ArquitectosDuarte Cabral De Melo - Ordem dos Arquitectos
Duarte Cabral De Melo - Ordem dos Arquitectos
ken.nunes
 
Carlos Soares - ENERONE
Carlos Soares - ENERONECarlos Soares - ENERONE
Carlos Soares - ENERONE
ken.nunes
 

Mais de ken.nunes (20)

António Pires dos Santos - IBM
António Pires dos Santos - IBMAntónio Pires dos Santos - IBM
António Pires dos Santos - IBM
 
Eurostars Jorge Liz 29 01
Eurostars Jorge Liz 29 01Eurostars Jorge Liz 29 01
Eurostars Jorge Liz 29 01
 
09 Orlando Sampaio SAPA 27 Maio 2009
09 Orlando Sampaio SAPA 27 Maio 200909 Orlando Sampaio SAPA 27 Maio 2009
09 Orlando Sampaio SAPA 27 Maio 2009
 
04 Renato Romano Dgeg 27 Maio 2009
04 Renato Romano   Dgeg 27 Maio 200904 Renato Romano   Dgeg 27 Maio 2009
04 Renato Romano Dgeg 27 Maio 2009
 
03 Ana Roque De Oliveira Apa 27 Maio 2009
03 Ana Roque De Oliveira   Apa 27 Maio 200903 Ana Roque De Oliveira   Apa 27 Maio 2009
03 Ana Roque De Oliveira Apa 27 Maio 2009
 
10 Ricardo Carvalho Spin 27 Maio 2009
10 Ricardo Carvalho  Spin 27 Maio 200910 Ricardo Carvalho  Spin 27 Maio 2009
10 Ricardo Carvalho Spin 27 Maio 2009
 
05 Livia Tirone TN 27 Maio 2009
05 Livia Tirone   TN 27 Maio 200905 Livia Tirone   TN 27 Maio 2009
05 Livia Tirone TN 27 Maio 2009
 
01 Alexandre Fernandes Adene 27 Maio 2009
01 Alexandre Fernandes   Adene 27 Maio 200901 Alexandre Fernandes   Adene 27 Maio 2009
01 Alexandre Fernandes Adene 27 Maio 2009
 
8 Maria Joao Rodrigues Wee 27 Maio 2009
8 Maria Joao Rodrigues   Wee 27 Maio 20098 Maria Joao Rodrigues   Wee 27 Maio 2009
8 Maria Joao Rodrigues Wee 27 Maio 2009
 
06 Andre Dias Inteli 27 Maio 2009
06 Andre Dias Inteli 27 Maio 200906 Andre Dias Inteli 27 Maio 2009
06 Andre Dias Inteli 27 Maio 2009
 
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO Paulo Santos 19 Maio 2009
Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO Paulo Santos 19 Maio 2009Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO Paulo Santos 19 Maio 2009
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO Paulo Santos 19 Maio 2009
 
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO Livia Tirone 19 Maio 2009
Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO Livia Tirone 19 Maio 2009Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO Livia Tirone 19 Maio 2009
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO Livia Tirone 19 Maio 2009
 
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO AntóNio GonçAlves Henriq...
Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO AntóNio GonçAlves Henriq...Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO AntóNio GonçAlves Henriq...
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO AntóNio GonçAlves Henriq...
 
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO Alexandre Fernandes 19 M...
Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO Alexandre Fernandes 19 M...Construcao Sustentavel   OE Seminario   ApresentaçãO Alexandre Fernandes 19 M...
Construcao Sustentavel OE Seminario ApresentaçãO Alexandre Fernandes 19 M...
 
Livia Tirone ApresentaçãO Ics Seminário ConstruçãO SustentáVel 5 Maio P...
Livia Tirone   ApresentaçãO Ics   Seminário ConstruçãO SustentáVel   5 Maio P...Livia Tirone   ApresentaçãO Ics   Seminário ConstruçãO SustentáVel   5 Maio P...
Livia Tirone ApresentaçãO Ics Seminário ConstruçãO SustentáVel 5 Maio P...
 
Alexandre Fernandes Apresentação SCE Seminário Construção Sustentável 5 ...
Alexandre Fernandes   Apresentação SCE   Seminário Construção Sustentável  5 ...Alexandre Fernandes   Apresentação SCE   Seminário Construção Sustentável  5 ...
Alexandre Fernandes Apresentação SCE Seminário Construção Sustentável 5 ...
 
ConstruçãO SustentáVel Na AgêNcia Do Ambiente Ip 1marçO09
ConstruçãO SustentáVel Na AgêNcia Do Ambiente Ip 1marçO09ConstruçãO SustentáVel Na AgêNcia Do Ambiente Ip 1marçO09
ConstruçãO SustentáVel Na AgêNcia Do Ambiente Ip 1marçO09
 
Paulo Santos - ADENE
Paulo Santos - ADENEPaulo Santos - ADENE
Paulo Santos - ADENE
 
Duarte Cabral De Melo - Ordem dos Arquitectos
Duarte Cabral De Melo - Ordem dos ArquitectosDuarte Cabral De Melo - Ordem dos Arquitectos
Duarte Cabral De Melo - Ordem dos Arquitectos
 
Carlos Soares - ENERONE
Carlos Soares - ENERONECarlos Soares - ENERONE
Carlos Soares - ENERONE
 

03 APA ICS Alexandre Fernandes ADENE 17 02 09.ppt

  • 1. Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Resolução do Conselho de Ministros Nº80/2008 Coordenação : Apoio : Oportunidade de Intervenção no Meio Edificado para uma maior Eficiência Energética, APA, 28 Fevereiro 2009
  • 2. Forte inversão da intensidade energética nos 2 últimos anos No entanto, a intensidade energética nacional continua significativamente acima da média europeia Portugal Média EU-27 Intensidade Energética de Portugal e média europeia Energia final / PIB ( Toneladas Equivalentes de Petróleo por milhão de euros de PIB) NOTA: PIB a preços constantes de 2000 Fonte: Eurostat; Balanços Energéticos (DGEG); Análise ADENE/DGEG +11 +28 +23 X Desvio
  • 3. No último quinquénio Portugal conseguiu desacelerar de forma significativa o consumo de energia Tendo nos dois últimos anos invertido a relação entre crescimento económico e energético Evolução do consumo de energia final e do PIB ktep TCMA = Taxa de Crescimento Médio Anual Agricultura e Pescas, Indústrias Extractivas, Construção e Obras Públicas Nota: exclui consumo de petróleo não energético Fonte: Balanços Energéticos (DGGE);INE; Análise ADENE/DGEG TCMA (1) 2,4% 1,3% 5,3% 1,0%. 6,7% 3,0% 3,0% % Variação PIB e Energia Indústria Transportes Doméstico Serviços Outros (2) % var. PIB % var. energia final ‘ 90-’95 ‘ 95-’00 ‘ 00-’05 4,1% 4,1% 7,3% 2,8%. 10,8% -2,1% 5,3% 0,6% -0,2% 0,7% 1,9%. 6,8% -0,4% 1,3% A desaceleração do consumo de energia não deixa de estar associada a um contexto de arrefecimento económico Apesar deste contexto, o sector dos Serviços mantém taxas de crescimento elevadas 1,5% -0,3% ‘ 05-’07
  • 4. Os Serviços apresentaram forte incremento da intensidade energética, ao invés da tendência europeia NOTA: PIB e VAB a preços constantes de 2000; TCMA = taxa de crescimento médio anual Fonte: Eurostat; Balanços Energéticos (DGEG); Análise ADENE/DGEG 2005 1997 % crescimento médio anual Energia consumida por VAB produzido (energia final Serviços/VAB Serviços) +6,1% -0,7%
  • 5. Sector Residencial em convergência acelerada com a intensidade energética europeia NOTA: PIB e VAB a preços constantes de 2000; TCMA = taxa de crescimento médio anual Fonte: Eurostat; Balanços Energéticos (DGEG); Análise ADENE/DGEG 2005 1997 % crescimento médio anual Energia per capita (energia final Residencial/milhares de habitantes) +0,3% +1,8%
  • 6. 12 grandes Programas do Portugal Eficiência 2015 Com incidência em diferentes alavancas de eficiência energética Transportes Indústria Residencial e Serviços Estado Comportamentos Fiscalidade Incentivos e Financiamento Renove Carro 1 Fundo de Eficiência Energética 12 Mobilidade Urbana 2 Sistema Eficiência Transportes 3 Renove Casa & Escritório 4 Sistema Eficiência Edifícios 5 Renováveis na Hora e Programa Solar 6 Sistema Eficiência Indústria 7 E3: Eficiência Energética Estado 8 Programa Mais 9 Operação E 10 Fiscalidade Verde 11 Tecno- logias Compor- tamentos Adopção Acção Organização Valores Alavancas
  • 7. Os programas têm mapas de seguimento com indicadores de performance Exemplo
  • 8. Programas do Portugal Eficiência 2015 (I/II) Principais medidas e objectivos Residencial e Serviços Programa Renove Casa & Escritório 4 Sistema de Eficiência Energética nos Edifícios 5 Renováveis na Hora e Programa Solar 6 Programa de incentivo à reabilitação urbana sustentável, com o objectivo de ter 1 em cada 15 lares com classe energética optimizada (superior ou igual a B-) . Programa de renovação de 1 milhão de grandes electrodomésticos Substituição de 5 milhões de lâmpadas por CFL 75 mil lares electroprodutores (165MW potência instalada). 1 em cada 15 edifícios com Água Quente Solar. Certificação energética de todos os edifícios do Estado 20% dos edifícios do Estado com classe igual ou superior a B - 20% da frota de veículos do Estado com emissões de CO 2 inferiores a 110 g/km Phase-out da iluminação pública ineficiente 20% da semaforização de trânsito com iluminação eficiente ( LED ) Programa E3: Eficiência Energética no Estado 8 Estado
  • 9. Incentivos e financiamento Cheque eficiência: Prémio equivalente a 10% ou 20% dos gastos em electricidade Crédito bonificado: €250M/ano para investimentos em eficiência (enfoque reabilitação urbana) Dinamização de Empresas de Serviços de Energia através de incentivos à sua criação (QREN), concursos para auditorias no Estado e regulamentação do “Contrato Eficiência” Fiscalidade Incentivos fiscais à micro-produção e alinhamento progressivo da fiscalidade com o Sistema de Certificação Energética dos Edifícios (ex. benefício em IRS a habitações classe A/A+) Comportamentos Lançamento do “Prémio Mais Eficiência” para premiar a excelência ao nível das várias vertentes (ex. empresas, edifícios, escolas, entre outros). Conceito “ Mais Eficiência Energética”: “selo”/credenciação para identificar boas práticas em cinco vertentes: Casa, Autarquia, Empresa, Escola e Equipamentos. Programa Mais 9 Operação E 10 Fiscalidade Verde 11 Fundo de Eficiência Energética 12 Programas do Portugal Eficiência 2015 (II/II) Principais medidas e objectivos
  • 10. Incentivos à eficiência no sector residencial & serviços Com forte enfoque na substituição de electrodomésticos e reabilitação urbana Prémio por redução efectiva do consumo de electricidade para investir em medidas eficiência Cheque de valor igual a10% do gasto anual de electricidade durante 2 anos, se reduzir 10% - Cheque de valor igual a 20% do gasto anual de electricidade durante 2 anos, se reduzir 20% Crédito Pessoal Bonificado para financiamento de medidas eficiência Acordo com bancos até €250M/ano (bonificação ~€10M/ano) Redução de 4% na taxa para créditos até 8% s/ garantias Elegíveis para medidas seleccionadas Crédito eficiência Cheque Eficiência Forte enfoque no financiamento da reabilitação urbana
  • 11. Requisitos da Certificação e impacto energético em edifícios residenciais Impacto da Certificação (Média por habitação) Energia final Fonte: ADENE,/DGEG. Consumo Doméstico Balanço DGEG 2005 (energia final total convertida para KWh Impacto %
  • 12. Requisitos da Certificação e impacto energético em edifícios de serviços Impacto Certificação Média escritório (8 mil m2) Energia final Fonte: ADENE, Consumo Doméstico Balanço DGEG 2005 (energia final total convertida para KWh Impacto %
  • 13. Potencial para dinamizar a reabilitação urbana Parque residencial de 5,5 milhões de fogos, dos quais menos de 2/3 estão em bom estado de conservação Fonte: INE Census 2001 (Parque e perfil de conservação) / INE 2005 (Parque) 62% 23% 9% 4% 2% Conservação (milhares fogos) Medida Janela Eficiente Incentivo à substituição de superfícies vidradas não eficientes Envolvendo a reabilitação de cerca de 200 mil fogos até 2015 Medida Isolamento Térmico Incentivo ao isolamento térmico 100 mil fogos reabilitados até 2015 Medida Calor Verde Programa de instalação de 200 mil sistemas de aquecimento de ambiente eficientes recuperadores de calor a biomassa bombas de calor COP maior ou igual a 4 62% dos fogos em bom estado de conservação 1,2 milhões a necessitar de pequenas reparações Quase 800 mil a necessitarem de médias ou grandes reparações Parque sazonal representa quase 1/5 do total
  • 14. Programa Renove Iluminação Milhões de lâmpadas Evolução prevista do parque de lâmpadas no sector residencial Nº fogos (M) Nº pontos luz/fogo Consumo de energia Por fogo (kWh) Mix lâmpadas 2005 (k tep) Mix esperado (k tep) Redução do consumo (k tep) CFL Fluorescente Halogéneo Incandescente 3,9 11,4 410 136,7 - - 3,9 12,0 325 143,9 108,4 -35 3,9 13,0 249 155,8 83,0 -75 Nota: valores estimados; impactos incluem efeitos do programa de substituição e de campanhas de divulgação Fonte: análise ADENE/DGEG
  • 15. Campanha de distribuição de iluminação eficiente em meio milhão de lares , 2008 Medida Substituição do parque de equipamentos domésticos ineficiente Objectivo phase out iluminação incandescentes até 2015 Parceria público-privada MEI/ADENE/EDP/CTT/Sonae 2 milhões de lâmpadas distribuídas em 2008 Mais de meio milhão de lares de menor rendimento
  • 16. Com um simples registo on-line o particular pode iniciar “ na hora ” a construção da unidade de microprodução Registo on-line Contrata instalação Inicia venda à rede Inspector emite Certificado de Exploração Sistema de Registo da Micro-produção (SRM) Identifica nº cliente electricidade Potência e tecnologia a instalar Até 50% da potência de consumo e 3,68 kW Instala: Micro-fotovoltaíca ou Micro-eólica ou Micro-hídrica ou Cogeração a biomassa ou Pilhas hidrogénio + Colector solar térmico (excepto condomínios e micro-cogeração) Solicita inspecção até um máximo de 4 meses após registo SRM emite certificado de exploração Celebra contrato com comercializador e inicia venda de electricidade à rede Possibilidade de até 75% da facturação poder ser contratada directamente com a banca para financiar investimento
  • 17. Renováveis na Hora, uma excelente adesão no primeiro ano 6 mil pedidos de acesso à tarifa bonificado Mais de 4 mil microprodutores em fase de licenciamento Forte adesão de particulares e empresas
  • 18. O Estado consome anualmente cerca de 480 mil tep de energia, com grande potencial de redução em várias áreas k tep (1) Repartição do consumo final de energia pelo Estado (2005) Inclui cerca de 41,4 k tep relacionado com o consumo de petróleo não energético (lubrificantes, asfalto, etc) Valor estimado tendo em conta uma segregação entre o sector público e o privado com base no número de camas (cerca de 75% do CAE respectivo) Valor estimado tendo em conta uma segregação entre o sector público e o privado com base no número de alunos (cerca de 80% do CAE respectivo) Nota: valores estimados Fonte:DGEG; Análise ADENE/DGEG (2) (3) Percentagem em relação ao total 47,7% 25,2% -14,7% 11,4% 0,9%
  • 19. Projectos de produção descentralizada em grandes edifícios de serviços – exemplo CGD
  • 20. Cerca de €30M de investimento anual adicional Com um plano de financiamentos e aplicações definidos à partida Nota: não inclui incentivos fiscais Fonte: Análise ADENE/DGEG Fontes de financiamento Incentivos e aplicação de recursos € M Fundo Eficiência energética
  • 21. Meta de 10% de poupança até 2015 20% superior à meta solicitada na Directiva Europeia 2006/32/CE para 2015 Impacto das medidas de EE no consumo de energia em 2015 (% de poupança vs. média ’01-’05) Poupança (ktep) % consumo do sector (’01-’05) Incluindo os consumos das empresas no âmbito do PNALE e medidas retroactivas RGCE Fonte: Balanços Energéticos DGEG 2001-05; Análise ADENE/DGEG Objectivo Nacional superior em 20% ao objectivo Europeu 706 318 536 166 49 1.792 10,3% 10,4% 10,1% (1) 8,9% 12,3% 16,3 1,8% % redução consumo eléctrico em 2015 7% Poupança eléctrica (GWh) 4.777
  • 22. Forte aposta nas renováveis e eficiência energética O Plano reduz o crescimento da factura energética em ~1%/ano (1) Cenário central entre o cenário alto e cenário baixo de crescimento do PIB Fonte: Balanços Energéticos (DGEG); CEEETA; Análise ADENE/DGEG Previsão de evolução do consumo final de energia em cenário Business-as-Usual de crescimento do PIB (1) +1,6% +1,7% +1,1% +0,5% O plano permite reduzir em ~1% o crescimento energético Meta de 31% de renováveis na energia final em 2020 % renováveis/energia final Hidrica Eólica Bio-combustíveis Outros A redução do consumo de energia final é uma importante alavanca para o reforço do peso das renováveis ktep
  • 23. Os Programas do Portugal Eficiência 2015 terão diferentes organismos coordenadores Transportes Indústria Residencial e Serviços Estado Comportamentos Fiscalidade Incentivos e Financiamento Renove Carro 1 Fundo de Eficiência Energética 12 Mobilidade Urbana 2 Sistema Eficiência Transportes 3 Renove Casa & Escritório 4 Sistema Eficiência Edifícios 5 Renováveis na Hora e Programa Solar 6 Sistema Eficiência Indústria 7 E3: Eficiência Energética Estado 8 Programa Mais 9 Operação E 10 Fiscalidade Verde 11 Equipa- mentos Compor- tamentos IMTT DGEG / ADENE DGEG / DGAE ADENE DGCI / DGAIEC ANCP (Agência Nacional Compras Públicas) / ADENE / APA DGEG / ERSE / DG Tesouro