SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Sandro César Soares Almeida
Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos
Estrutura Tradicional
Recebimento Compras PCP Produção Expedição
Estoque
Estrutura no Conceito Logístico
Recebimento
Compras
PCP
Produção Expedição
Estoque
Previsão
De
Demanda
USUÁRIO
Captura
Dados
de
Logística
Seleção
de Itens
Critério
de
Reposição
Submete
Pedidos
Autoriza
Entrega
Entrada
de
Materiais
e
Produtos
Acomp.
Perform.
Fornecedor
Pagam.
Do
Fornecedor
GESTÃO DE ESTOQUES
Logística
Processo de planejamento, implementação, controle do fluxo e armazenagem eficientes de matérias-primas,
estoque em processo, produto acabado e informações relacionadas, desde o ponto de origem até o ponto de
consumo, como o objetivo de atender aos requisitos do cliente, em uma mesma organização. Em um contexto
industrial, a arte e ciência de administração e engenharia para obter, produzir e distribuir materiais e produtos
a um local específico e em quantidades específicas.
GESTÃO DE ESTOQUES
“Devemos sempre ter o produto de que você necessita, mas nunca podemos
ser pego com algum estoque. É uma frase que descreve bem o dilema da
descrição de estoques. O controle de estoques é parte vital do composto
logístico, pois estes podem absorver de 25 a 40% dos custos totais,
representando uma porção substancial do capital da empresa. Portanto, é
importante a correta compreensão do seu papel na logística e de como
devem ser gerenciados”. BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial SP:
Atlas, 1993.
Razões para manter estoque
A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige
investimento por parte da organização. O ideal seria a perfeita sincronização
entre a oferta e a demanda, de maneira a tornar a manutenção
de estoques desnecessária. Entretanto, como é impossível conhecer
exatamente a demanda futura e como nem sempre os suprimentos estão
disponíveis a qualquer momento, deve-se acumular estoque para assegurar
a disponibilidade de mercadorias e minimizar os custos totais de produção
e distribuição.
Na verdade, estoques servem para uma série de finalidades, ou seja:
• Melhoram o nível de serviço.
• Incentivam economias na produção.
• Permitem economias de escala nas compras e no transporte.
• Agem como proteção contra aumentos de preços.
• Protegem a empresa de incertezas na demanda e no tempo de
resuprimento.
• Servem como segurança contra contingências.
Abrangência da Administração de Estoques
A administração de estoques é de importância significativa na maioria
das empresas, tanto em função do próprio valor dos itens mantidos em
estoque, associação direta com o ciclo operacional da empresa. Da mesma
forma como as contas a receber, os níveis de estoques também dependem
em grande parte do nível de vendas, com uma diferença: enquanto os
valores a receber surgem após a realização das vendas, os estoques precisam
ser adquiridos antes das realizações das vendas.
Essa é uma diferença crítica e a necessidade de prever as vendas antes
de se estabelecer os níveis desejados de estoques, torna sua administração
uma tarefa difícil.
Técnicas de Administração de estoques
CURVA ABC
Segrega os estoques em três grupos, demonstrando graficamente com
eixos de valores e quantidades, que considera os materiais divididos emtrês grandes
grupos, de acordo com seus valores de preço/custo e quantidades,
sendo assim materiais “classe A” representam a minoria da
quantidade total e a maioria do valor total, “classe C” a maioria da
quantidade total e a minoria do valor total, “classe B” valores e quantidades
intermediárias.
O controle da “classe A” é mais intenso e o controle da “classe B e C”
menos sofisticados.
MODELO DE LOTE ECONÔMICO
Permite determinar a quantidade ótima que minimiza os custos totais de estocagem de pedido
para um item do estoque. Considerando os custo de pedir e os custos de manter os materiais.
Sendo os custos de pedir, osfixos, administrativos ao se efetuar e receber um pedido e o custo
de manter são os variáveis por unidade da manutenção de um item deestoque por um
determinado período (custo de armazenagem) segundo, “oportunidade” de outros
investimentos. custo total = custo de pedir + custo de manter
PONTO DE PEDIDO
Determina em que ponto os estoques serão pedidos levando em consideração o tempo de
entrega dos principais itens.
ponto de pedido = tempo de reposição em dias x demanda diária
SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUES
Os Sistemas básicos utilizados na administração de estoques são:
1. FMS (Flexible Manufacturing System)
Podemos destacar entre as vantagens do FMS, as seguintes:
• Permite maior produtividade das máquinas, que passam a ter
utilização de 80% a 90% do tempo disponível.
• Possibilita maior atenção aos consumidores em função da flexibilidade
proporcionada.
• Diminui os tempos de fabricação.
• Em função do aumento da flexibilidade, permite aumentar a
variedade dos produtos ofertados.
2. MRP-Material Requirement Planing
O MRP é um sistema completo para emitir ordens de fabricação, de
compras, controlar estoques e administrar a carteira de pedidos dos
clientes. Opera em base semanal, impondo com isso uma previsão de
vendas no mesmo prazo, de modo a permitir a geração de novas ordens
de produção para a fábrica. O sistema pode operar com diversas fórmulas
para cálculo dos lotes de compras, fabricação e montagem, operando ainda
com diversos estoques de material em processo, como estoque de matérias
primas, partes, submontagens e produtos acabados.
3. Sistema Periódico
A característica básica deste sistema é a divisão da fábrica em vários
setores de processamento sucessivo de vários produtos similares. Cada
setor recebe um conjunto de ordens de fabricação para serem iniciados e
terminados no período. Com isso, no fim de cada período, se todos os
setores cumprirem sua carga de trabalho, não haverá qualquer material em
aberto. Isso facilita o controle de cada setor da fábrica, atribuindo responsabilidades
bem definidas.
4. OPT-Optimezed Production Technology
O sistema OPT foi desenvolvido com uma abordagem diferente dos sistemas anteriores, enfatizando a
racionalidade do fluxo de materiais pelos diversos postos de trabalho de uma fábrica. Os pressupostos
básicos do OPT foram originados por formulações matemáticas.
5. Sistema KANBAN-JIT
O sistema Kanban foi desenvolvido para ser utilizado onde os empregados possuem motivação e
mobilização, com grande liberdade de ação. Nessas fábricas, na certeza de que os empregados trabalham
com dedicação e responsabilidade, é legítimo um trabalhador parar a linha demontagem ou produção porque
achou algo errado, os empregados mantém-se ocupados todo o tempo, ajudando-se mutuamente ou trocando
de tarefas conforme as necessidades.
A relação abaixo indica o controle a ser exercido sobre os estoques, conforme o tipo
de demanda:
Tipo de Demanda Controle dos Estoques Orientado para:
PERMANENTE - Previsão de demanda por item do inventário;
Quando deve ser realizado o ressuprimento;
Definição do tamanho do lote de ressuprimento.
SAZONAL - Previsão acurada do nível de demanda futuro;
Época em que ocorrerá o pico
IRREGULAR - Previsão de vendas preciso, (notadamente para produtos com tempos
de ressuprimento muito longos ou pouco flexíveis)
EM DECLÍNIO - Quando e quanto deve ser estocado, período a período, até o final das
vendas
DERIVADA - Demanda do produto ao qual o item está associado
Tipos de Estoques
• Estoque de Materiais
• Estoque de Produtos Acabados
• Estoque em transito
• Estoque em consignação
•Em relação aos materiais
•Materiais diretos
•Materiais Indiretos
INDICADORES DE GESTÃO
GESTÃO DE ESTOQUE constitui uma série de ações que permitem ao administrador verificar
se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se
utilizam, bem manuseados e bem controlados.
INDICADORES DE PRODUTIVIDADE
• Inventário Físico
• Inventário periódico
• Inventário Rotativo
• Acurácia dos Controles = Número de itens com registro corretos
Numero total de itens
•Nível de Serviço ou atendimento = Número de requisições atendidas
Número de requisições efetuadas
•Giro do Estoque = Valor Consumido no Período
Valor do estoque médio no período
• Cobertura de Estoques = Número de dias do período em estudo
Giro
• Demanda x Consumo
•Demanda é a “vontade” do consumidor em comprar ou requisitar.
•Consumo é a quantidade efetivamente consumida
•Localização dos Estoques
È uma forma de endereçamento dos itens estocados , para que possam ser facilmente
localizados.
• Redução dos estoques
•Análise ABC
•Analise pelo método PEPS (FIFO) ou UEPS (LIFO)
Custos que Afetam os estoques
• Diretos
São os incidentes diretamente no produto ou serviço. Estes custos surgem
com o produto e não existem sem ele;
São custos que podem ser considerados diretamente proporcional
Ex: Armazenagem => quanto maior o estoque => mais área necessária =>
mais alto o custo de aluguel.
•Indiretos
São os custos incidentes indiretamente no produto ou serviço. Podem, em alguns casos,
até incidir diretamente, porém apresentam dificuldade para controle individualizado,
tendo-se que utilizar bases de rateio para sua alocação ao produto.
• Custos inversamente proporcionais
São os custos ou fatores de custos que diminuem com o aumento do estoque médio, isto é,
quanto mais elevados os estoques médios, menores serão tais custos (ou vice-versa)
Uma Empresa dispõe de 15 Itens em seus estoques. A fim de determinar os custos associados com os
Estoques, fez um levantamento por um período de 6 meses, obtendo os dados abaixo:
Ô número de pedidos emitidos pelo
departamento de compra foram:
O Departamento de Custos da empresa alocou por meio de critério de rateio
adotado, os seguintes custos ao Almoxarifado e ao Departamento de Compras
Considerando uma taxa de juros correntes de 5% ao mês, determinar:
a) Custo unitário de obtenção ( ou preparação) = Cp
È a relação entre o custo incorrido pelo departamento de compras e o número de pedidos emitidos
no período :
CP =
19895
580 = $34,30 por pedido
b) Custo unitário de armazenagem = Ca
È a relação entre o custo incorrido pelo almoxarifado e o número médio de unidades em
estoque no período:
CA = 44.137
154.120
= $0,29 unid período = $0,05 unid mês
c) Custo do Capital = (i.P)
È o custo médio da unidade estocada no período =
1.367.177,04
735.853 = $1,86 unid
O custo do capital é : 0,05 x 1,86 = $0,09 unid mês
d) Custo de Carregamento = (Cc)
Cc = Ca + i.P CC = 0,05 + 0,09 CC = $0,14 unid mês

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 01-estoques1. produtivo que traz melhoria

Gestão de estoques aula 02
Gestão de estoques  aula 02Gestão de estoques  aula 02
Gestão de estoques aula 02
Sirlei Vieira
 
Aula 6 - Sistemas de Produção
Aula 6 - Sistemas de ProduçãoAula 6 - Sistemas de Produção
Aula 6 - Sistemas de Produção
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Unidade 5 - Gestão de Operações
Unidade 5 - Gestão de OperaçõesUnidade 5 - Gestão de Operações
Unidade 5 - Gestão de Operações
Daniel Moura
 
Unidade 5 - Gestão de Operações
Unidade 5 -  Gestão de OperaçõesUnidade 5 -  Gestão de Operações
Unidade 5 - Gestão de Operações
Daniel Moura
 
Adm estoque
Adm  estoqueAdm  estoque
Adm estoque
ANA CARLA PEIXOTO
 
Gerenciamento de materias: uso de ferramentas
Gerenciamento de materias: uso de ferramentasGerenciamento de materias: uso de ferramentas
Gerenciamento de materias: uso de ferramentas
Nara Oliveira
 
Sistema de estoque
Sistema de estoqueSistema de estoque
Sistema de estoque
Elvis Bruno
 
CONTROLE DE ESTOQUE.pdf
CONTROLE DE ESTOQUE.pdfCONTROLE DE ESTOQUE.pdf
CONTROLE DE ESTOQUE.pdf
LC-Contabilidade Consultiva
 
P10 estoque custos
P10 estoque custosP10 estoque custos
P10 estoque custos
Tobias Peniche Pereira
 
2º trabalho jorge madeira
2º trabalho  jorge  madeira2º trabalho  jorge  madeira
2º trabalho jorge madeira
warier96
 
Aprovisionamento
AprovisionamentoAprovisionamento
Aprovisionamento
somol12
 
Gestão de Materiais e de Stocks
Gestão de Materiais e de StocksGestão de Materiais e de Stocks
Gestão de Materiais e de Stocks
CLT Valuebased Services
 
Controle de estoques (funcionalidades)
Controle de estoques (funcionalidades)Controle de estoques (funcionalidades)
Controle de estoques (funcionalidades)
Cristiano Ferreira Cesarino
 
Adm Producao
Adm ProducaoAdm Producao
armazenagem.pdf
armazenagem.pdfarmazenagem.pdf
armazenagem.pdf
ALEXANDREMAGNUSPEREI1
 
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
Enock Viana
 
Tcc geovana pdf
Tcc geovana pdfTcc geovana pdf
Gestão de stocks
Gestão de stocks Gestão de stocks
Gestão de stocks
Bruno Andrade
 
Aula 03 - Administração de Materiais
Aula 03 - Administração de MateriaisAula 03 - Administração de Materiais
Aula 03 - Administração de Materiais
pcm1nd
 
Gestão de estoque
Gestão de estoqueGestão de estoque
Gestão de estoque
Ângelo Xavier
 

Semelhante a 01-estoques1. produtivo que traz melhoria (20)

Gestão de estoques aula 02
Gestão de estoques  aula 02Gestão de estoques  aula 02
Gestão de estoques aula 02
 
Aula 6 - Sistemas de Produção
Aula 6 - Sistemas de ProduçãoAula 6 - Sistemas de Produção
Aula 6 - Sistemas de Produção
 
Unidade 5 - Gestão de Operações
Unidade 5 - Gestão de OperaçõesUnidade 5 - Gestão de Operações
Unidade 5 - Gestão de Operações
 
Unidade 5 - Gestão de Operações
Unidade 5 -  Gestão de OperaçõesUnidade 5 -  Gestão de Operações
Unidade 5 - Gestão de Operações
 
Adm estoque
Adm  estoqueAdm  estoque
Adm estoque
 
Gerenciamento de materias: uso de ferramentas
Gerenciamento de materias: uso de ferramentasGerenciamento de materias: uso de ferramentas
Gerenciamento de materias: uso de ferramentas
 
Sistema de estoque
Sistema de estoqueSistema de estoque
Sistema de estoque
 
CONTROLE DE ESTOQUE.pdf
CONTROLE DE ESTOQUE.pdfCONTROLE DE ESTOQUE.pdf
CONTROLE DE ESTOQUE.pdf
 
P10 estoque custos
P10 estoque custosP10 estoque custos
P10 estoque custos
 
2º trabalho jorge madeira
2º trabalho  jorge  madeira2º trabalho  jorge  madeira
2º trabalho jorge madeira
 
Aprovisionamento
AprovisionamentoAprovisionamento
Aprovisionamento
 
Gestão de Materiais e de Stocks
Gestão de Materiais e de StocksGestão de Materiais e de Stocks
Gestão de Materiais e de Stocks
 
Controle de estoques (funcionalidades)
Controle de estoques (funcionalidades)Controle de estoques (funcionalidades)
Controle de estoques (funcionalidades)
 
Adm Producao
Adm ProducaoAdm Producao
Adm Producao
 
armazenagem.pdf
armazenagem.pdfarmazenagem.pdf
armazenagem.pdf
 
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
 
Tcc geovana pdf
Tcc geovana pdfTcc geovana pdf
Tcc geovana pdf
 
Gestão de stocks
Gestão de stocks Gestão de stocks
Gestão de stocks
 
Aula 03 - Administração de Materiais
Aula 03 - Administração de MateriaisAula 03 - Administração de Materiais
Aula 03 - Administração de Materiais
 
Gestão de estoque
Gestão de estoqueGestão de estoque
Gestão de estoque
 

Último

P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 

01-estoques1. produtivo que traz melhoria

  • 1. Prof. Sandro César Soares Almeida Gestão de Recursos Patrimoniais e Logísticos Estrutura Tradicional Recebimento Compras PCP Produção Expedição Estoque Estrutura no Conceito Logístico Recebimento Compras PCP Produção Expedição Estoque
  • 2. Previsão De Demanda USUÁRIO Captura Dados de Logística Seleção de Itens Critério de Reposição Submete Pedidos Autoriza Entrega Entrada de Materiais e Produtos Acomp. Perform. Fornecedor Pagam. Do Fornecedor GESTÃO DE ESTOQUES Logística Processo de planejamento, implementação, controle do fluxo e armazenagem eficientes de matérias-primas, estoque em processo, produto acabado e informações relacionadas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, como o objetivo de atender aos requisitos do cliente, em uma mesma organização. Em um contexto industrial, a arte e ciência de administração e engenharia para obter, produzir e distribuir materiais e produtos a um local específico e em quantidades específicas.
  • 3. GESTÃO DE ESTOQUES “Devemos sempre ter o produto de que você necessita, mas nunca podemos ser pego com algum estoque. É uma frase que descreve bem o dilema da descrição de estoques. O controle de estoques é parte vital do composto logístico, pois estes podem absorver de 25 a 40% dos custos totais, representando uma porção substancial do capital da empresa. Portanto, é importante a correta compreensão do seu papel na logística e de como devem ser gerenciados”. BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial SP: Atlas, 1993.
  • 4. Razões para manter estoque A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria a perfeita sincronização entre a oferta e a demanda, de maneira a tornar a manutenção de estoques desnecessária. Entretanto, como é impossível conhecer exatamente a demanda futura e como nem sempre os suprimentos estão disponíveis a qualquer momento, deve-se acumular estoque para assegurar a disponibilidade de mercadorias e minimizar os custos totais de produção e distribuição. Na verdade, estoques servem para uma série de finalidades, ou seja: • Melhoram o nível de serviço. • Incentivam economias na produção. • Permitem economias de escala nas compras e no transporte. • Agem como proteção contra aumentos de preços. • Protegem a empresa de incertezas na demanda e no tempo de resuprimento. • Servem como segurança contra contingências.
  • 5. Abrangência da Administração de Estoques A administração de estoques é de importância significativa na maioria das empresas, tanto em função do próprio valor dos itens mantidos em estoque, associação direta com o ciclo operacional da empresa. Da mesma forma como as contas a receber, os níveis de estoques também dependem em grande parte do nível de vendas, com uma diferença: enquanto os valores a receber surgem após a realização das vendas, os estoques precisam ser adquiridos antes das realizações das vendas. Essa é uma diferença crítica e a necessidade de prever as vendas antes de se estabelecer os níveis desejados de estoques, torna sua administração uma tarefa difícil.
  • 6. Técnicas de Administração de estoques CURVA ABC Segrega os estoques em três grupos, demonstrando graficamente com eixos de valores e quantidades, que considera os materiais divididos emtrês grandes grupos, de acordo com seus valores de preço/custo e quantidades, sendo assim materiais “classe A” representam a minoria da quantidade total e a maioria do valor total, “classe C” a maioria da quantidade total e a minoria do valor total, “classe B” valores e quantidades intermediárias. O controle da “classe A” é mais intenso e o controle da “classe B e C” menos sofisticados.
  • 7. MODELO DE LOTE ECONÔMICO Permite determinar a quantidade ótima que minimiza os custos totais de estocagem de pedido para um item do estoque. Considerando os custo de pedir e os custos de manter os materiais. Sendo os custos de pedir, osfixos, administrativos ao se efetuar e receber um pedido e o custo de manter são os variáveis por unidade da manutenção de um item deestoque por um determinado período (custo de armazenagem) segundo, “oportunidade” de outros investimentos. custo total = custo de pedir + custo de manter PONTO DE PEDIDO Determina em que ponto os estoques serão pedidos levando em consideração o tempo de entrega dos principais itens. ponto de pedido = tempo de reposição em dias x demanda diária
  • 8. SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUES Os Sistemas básicos utilizados na administração de estoques são: 1. FMS (Flexible Manufacturing System) Podemos destacar entre as vantagens do FMS, as seguintes: • Permite maior produtividade das máquinas, que passam a ter utilização de 80% a 90% do tempo disponível. • Possibilita maior atenção aos consumidores em função da flexibilidade proporcionada. • Diminui os tempos de fabricação. • Em função do aumento da flexibilidade, permite aumentar a variedade dos produtos ofertados.
  • 9. 2. MRP-Material Requirement Planing O MRP é um sistema completo para emitir ordens de fabricação, de compras, controlar estoques e administrar a carteira de pedidos dos clientes. Opera em base semanal, impondo com isso uma previsão de vendas no mesmo prazo, de modo a permitir a geração de novas ordens de produção para a fábrica. O sistema pode operar com diversas fórmulas para cálculo dos lotes de compras, fabricação e montagem, operando ainda com diversos estoques de material em processo, como estoque de matérias primas, partes, submontagens e produtos acabados. 3. Sistema Periódico A característica básica deste sistema é a divisão da fábrica em vários setores de processamento sucessivo de vários produtos similares. Cada setor recebe um conjunto de ordens de fabricação para serem iniciados e terminados no período. Com isso, no fim de cada período, se todos os setores cumprirem sua carga de trabalho, não haverá qualquer material em aberto. Isso facilita o controle de cada setor da fábrica, atribuindo responsabilidades bem definidas.
  • 10. 4. OPT-Optimezed Production Technology O sistema OPT foi desenvolvido com uma abordagem diferente dos sistemas anteriores, enfatizando a racionalidade do fluxo de materiais pelos diversos postos de trabalho de uma fábrica. Os pressupostos básicos do OPT foram originados por formulações matemáticas. 5. Sistema KANBAN-JIT O sistema Kanban foi desenvolvido para ser utilizado onde os empregados possuem motivação e mobilização, com grande liberdade de ação. Nessas fábricas, na certeza de que os empregados trabalham com dedicação e responsabilidade, é legítimo um trabalhador parar a linha demontagem ou produção porque achou algo errado, os empregados mantém-se ocupados todo o tempo, ajudando-se mutuamente ou trocando de tarefas conforme as necessidades.
  • 11. A relação abaixo indica o controle a ser exercido sobre os estoques, conforme o tipo de demanda: Tipo de Demanda Controle dos Estoques Orientado para: PERMANENTE - Previsão de demanda por item do inventário; Quando deve ser realizado o ressuprimento; Definição do tamanho do lote de ressuprimento. SAZONAL - Previsão acurada do nível de demanda futuro; Época em que ocorrerá o pico IRREGULAR - Previsão de vendas preciso, (notadamente para produtos com tempos de ressuprimento muito longos ou pouco flexíveis) EM DECLÍNIO - Quando e quanto deve ser estocado, período a período, até o final das vendas DERIVADA - Demanda do produto ao qual o item está associado
  • 12. Tipos de Estoques • Estoque de Materiais • Estoque de Produtos Acabados • Estoque em transito • Estoque em consignação •Em relação aos materiais •Materiais diretos •Materiais Indiretos
  • 13. INDICADORES DE GESTÃO GESTÃO DE ESTOQUE constitui uma série de ações que permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se utilizam, bem manuseados e bem controlados. INDICADORES DE PRODUTIVIDADE • Inventário Físico • Inventário periódico • Inventário Rotativo • Acurácia dos Controles = Número de itens com registro corretos Numero total de itens •Nível de Serviço ou atendimento = Número de requisições atendidas Número de requisições efetuadas •Giro do Estoque = Valor Consumido no Período Valor do estoque médio no período
  • 14. • Cobertura de Estoques = Número de dias do período em estudo Giro • Demanda x Consumo •Demanda é a “vontade” do consumidor em comprar ou requisitar. •Consumo é a quantidade efetivamente consumida •Localização dos Estoques È uma forma de endereçamento dos itens estocados , para que possam ser facilmente localizados. • Redução dos estoques •Análise ABC •Analise pelo método PEPS (FIFO) ou UEPS (LIFO)
  • 15. Custos que Afetam os estoques • Diretos São os incidentes diretamente no produto ou serviço. Estes custos surgem com o produto e não existem sem ele; São custos que podem ser considerados diretamente proporcional Ex: Armazenagem => quanto maior o estoque => mais área necessária => mais alto o custo de aluguel. •Indiretos São os custos incidentes indiretamente no produto ou serviço. Podem, em alguns casos, até incidir diretamente, porém apresentam dificuldade para controle individualizado, tendo-se que utilizar bases de rateio para sua alocação ao produto. • Custos inversamente proporcionais São os custos ou fatores de custos que diminuem com o aumento do estoque médio, isto é, quanto mais elevados os estoques médios, menores serão tais custos (ou vice-versa)
  • 16. Uma Empresa dispõe de 15 Itens em seus estoques. A fim de determinar os custos associados com os Estoques, fez um levantamento por um período de 6 meses, obtendo os dados abaixo: Ô número de pedidos emitidos pelo departamento de compra foram: O Departamento de Custos da empresa alocou por meio de critério de rateio adotado, os seguintes custos ao Almoxarifado e ao Departamento de Compras
  • 17. Considerando uma taxa de juros correntes de 5% ao mês, determinar: a) Custo unitário de obtenção ( ou preparação) = Cp È a relação entre o custo incorrido pelo departamento de compras e o número de pedidos emitidos no período : CP = 19895 580 = $34,30 por pedido b) Custo unitário de armazenagem = Ca È a relação entre o custo incorrido pelo almoxarifado e o número médio de unidades em estoque no período: CA = 44.137 154.120 = $0,29 unid período = $0,05 unid mês c) Custo do Capital = (i.P) È o custo médio da unidade estocada no período = 1.367.177,04 735.853 = $1,86 unid O custo do capital é : 0,05 x 1,86 = $0,09 unid mês d) Custo de Carregamento = (Cc) Cc = Ca + i.P CC = 0,05 + 0,09 CC = $0,14 unid mês