SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
M A N U A L

D A

COLETA SELETIVA
DE LIXO
Coleta Seletiva de Lixo

APRENDA AQUI TODOS OS PASSOS PARA
IMPLANTAR UM SISTEMA DE
COLETA SELETIVA DE LIXO
EM SUA EMPRESA, CONDOMÍNIO, ESCOLA
OU COMUNIDADE.
INTRODUÇÃO

A Unimed Londrina tem como missão oferecer soluções para a saúde
integrando segurança, bem-estar e qualidade de vida para seus clientes,
cooperados e colaboradores.
Para isso desenvolveu o Programa de Gestão Ambiental “Vamos Cuidar
do Nosso Planeta” com o objetivo de difundir a educação ambiental.
O lixo é um problema ambiental que deve contar com a participação da
sociedade para sua solução.
A Coleta Seletiva é uma forma simples de atacarmos este problema.
Nesta cartilha você vai encontrar todos os passos para implantar um sistema
de coleta, desde o princípio até o fim.

O Mundi representa todos os que sofrem com a poluição,
desmatamento e a contaminação pelo lixo, quando não é reciclado.
Para ver o Mundi saudável e feliz, basta ter consciência e tomar
simples atitudes em relação ao meio ambiente.

03
Coleta Seletiva de Lixo

O LIXO
O lixo é responsável por um dos mais graves problemas ambientais de nosso
tempo. Seu volume vem aumentando nos grandes centros urbanos, atingindo
quantidades impressionantes. As cidades vêm crescendo, reduzindo o tempo
disponível dos cidadãos e os produtos industrializados passaram a fazer parte do
nosso cotidiano. Com isso, são geradas quantidades imensas de embalagens, sacos
plásticos, caixas, isopor, sacolas, latas, garrafas e muitos outros materiais que
demoram muito para se decompor - quando consegue.
Cada brasileiro gera em média, 1/2 kg de lixo por dia (dependendo da região e do
poder aquisitivo pode chegar a 1 kg). Além da extinção de recursos naturais essa
realidade faz com que os locais para disposição de todo esse material seja esgotado
rapidamente, exigindo iniciativas urgentes para a redução da quantidade enviada para
os aterros sanitários ou lixões.

O QUE PODE SER FEITO?
A implantação da Coleta Seletiva de Lixo é uma das soluções para reduzir o
problema do lixo.
Além de reduzir a poluição e o risco de problemas de saúde pela contaminação
do ar, do solo e da água, a Coleta Seletiva reduz o volume de materiais destinado aos
aterros sanitários ou lixões e proporciona economia de recursos naturais como
petróleo, madeira, alumínio, ferro, aço, água e energia.
A Coleta Seletiva também é uma opção de renda, pela comercialização do
material.

· O QUE É COLETA SELETIVA?
É a atividade de separar do lixo os materiais que podem ser reaproveitados ou
reciclados (usualmente plásticos, vidros, papéis e metais).
Pode ser realizada por uma pessoa, família ou por um grupo de pessoas em
empresas, condomínios, escolas e cidades.

04
· O QUE É RECICLAGEM?
É o processo que transforma os materiais já usados em novos produtos. Papéis
velhos transformam-se em novas folhas ou caixas de papelão; vidros se transformam em novas garrafas ou frascos; plásticos se transformam em vassouras, potes,
camisetas, mangueiras; metais transformam-se em novas latas ou recipientes.

· O QUE É MATERIAL RECICLADO?
Quando o material já foi transformado em novo produto. Existem materiais que
podem ser reciclados inúmeras vezes, como o vidro.

COMO A RECICLAGEM MELHORA NOSSA VIDA?
· Reduz a extração de recursos naturais (petróleo, madeira, alumínio, ferro,
aço e outros);
· Reduz o consumo de água e energia elétrica;
· Diminui o lixo nos aterros sanitários e lixões;
· Diminui o risco de problemas de saúde devido a contaminação do ar, do solo e
da água;
· Melhora a limpeza e higiene das cidades;
· Diminui custos de produção;
· Gera emprego e renda para população carente envolvida com a reciclagem.

MUDANÇA DE ATITUDE! CHEGOU A HORA DE ADOTAR OS 3Rs

•REDUZIR ao máximo a quantidade de lixo gerado
•REAPROVEITAR tudo o que for possível
•RECICLAR o que não tiver mais utilidade

05
Coleta Seletiva de Lixo

1. COMO IMPLANTAR UM SISTEMA DE COLETA SELETIVA?
Com um pouco de planejamento, implantar um programa de Coleta Seletiva é muito
simples.

ENVOLVA AS PESSOAS

· Defina quem serão e quantas pessoas estarão envolvidas no processo
(funcionários, moradores, alunos e outros);
· Crie grupos com interessados, pois uma das principais razões para o sucesso
de programas desse tipo é a participação do maior número de pessoas.

CONHEÇA O LIXO GERADO

· Identifique a quantidade de lixo gerado diariamente (pode ser por peso ou
número de sacos de lixo);
· Levante quanto de lixo é orgânico, e quanto é formado de papel, alumínio,
plásticos, outros metais e vidro.

DESCUBRA O CAMINHO DO LIXO

· Saiba onde o lixo é gerado (na empresa, escola, condomínio etc) e o local onde
é depositado para a coleta municipal;
· Identifique se alguns materiais já são coletados separadamente e, em caso
positivo, para onde são encaminhados.

CONHEÇA AS CARACTERÍSTICAS LOCAIS

· Reconheça as instalações físicas do local onde pretende fazer a Coleta Seletiva
(local para armazenagem, locais intermediários etc.);
· Identifique os recursos materiais existentes (tambores, latões e outros que
possam ser reutilizados);
· Levante quem faz a limpeza e a coleta normal do lixo, e como ela é feita
(quantas pessoas tem, freqüência).

PARA ONDE DESTINAR O LIXO RECICLÁVEL?

· Não inicie um programa de Coleta Seletiva sem saber antes para onde vai

06
encaminhar o material;
· Identifique quem virá buscar e com que freqüência;
· O lixo reciclável de sua empresa, escola, casa ou condomínio poderá ser doado
a uma cooperativa de catadores ou vendido.
Doação
Em Londrina, a “MIL ONGS” tem uma relação das associações ou cooperativas que
vendem ou reaproveitam o material, quais regiões e como trabalham. Em outras
cidades, iniciativas semelhantes são desenvolvidas. Identifique quais as entidades
envolvidas.
Venda
Compradores e preços podem ser consultados no site do CEMPRE
(www.cempre.org.br), no Instituto Gea (www.institutogea.org.br).
Uma consulta às Páginas Amarelas (sucatas, papel, aparas etc.) também pode
ajudar e até mesmo uma verificação se existem compradores no seu bairro ou na
cidade.

2. PARTE OPERACIONAL DO PROJETO
Sabendo-se as quantidades geradas de lixo por tipo de material, as possibilidades de
estocagem no local, os recursos humanos existentes e outras informações, chegou
a hora das decisões.
DECISÕES
· Quais os materiais que devem ser separados;
· Que tipos de coletores vão ser utilizados;
· Onde ficarão os coletores (em todas as salas, um lugar só, em pontos
estratégicos - corredores, andares etc.);
· Quem vai fazer a coleta do material e onde será estocado até a hora da coleta
externa;
· Como vai ser o caminho dos recicláveis, desde o local onde é gerado até o
local da estocagem;

07
Coleta Seletiva de Lixo

· Para quem vai ser doado e/ou vendido o material;
· Como será o recolhimento dos materiais e qual a frequência.
LISTAS DO QUE FAZER
· Fazer a lista do que precisa ser adquirido (o Instituto GEA tem a lista de
fornecedores de vários materiais, com vários tipos de preços);
· Fazer a lista do que pode ser recuperado;
· Fazer a lista do que precisa ser adaptado;
· Fazer a lista do que mais precisa ser providenciado (placas sinalizadoras,
adesivos etc.).
Importante: faça a Coleta Seletiva apenas do material que puder encaminhar
para reciclagem. Não adianta separar isopor ou caixas do tipo longa vida por
exemplo, se a cooperativa ou o comprador não tem para quem vendê-los. Esse
material vai acabar sendo jogado no lixo comum.

3. EDUCAÇÃO AMBIENTAL
Elabore a comunicação do programa de Coleta Seletiva a todos os públicos
envolvidos.

· PRIMEIRO PASSO

Identifique os públicos envolvidos.

Exemplo:
Em uma empresa existem os funcionários, a diretoria, a equipe de limpeza entre
outros;
Em uma escola são os alunos, professores, funcionários da limpeza e do
conselho administrativo, pais etc;

08
Em um condomínio temos: moradores (jovens, crianças, adultos), funcionários
da limpeza, empregadas domésticas etc.

· SEGUNDO PASSO

Pense que tipo de informação cada público deve receber.

· TERCEIRO PASSO

Planeje quais atividades serão desenvolvidas para cada um, visando atingi-los com
mais sucesso e objetivo.
Exemplo: palestras de mobilização, cartazes, folhetos, reuniões, festas etc. Realizar
uma variedade grande de atividades sempre é melhor, pois atinge mais pessoas.

4. IMPLANTAÇÃO
EQUIPAMENTOS
Compre ou faça as adaptações nos equipamentos necessários (lixeiras, adesivos,
sacos coloridos ou outros materiais estabelecidos no planejamento).
TREINAMENTO
Faça o treinamento das pessoas envolvidas na Coleta Seletiva (pessoal da
limpeza, responsáveis de cada área por exemplo).
COMUNICAÇÃO
Inicie a campanha de comunicação e mobilização.
LANÇAMENTO
Faça o lançamento do programa com uma atividade especial e diferenciada
(festa, exposição, teatro, palestra entre outros), mas na qual as informações
principais também sejam passadas.

09
Coleta Seletiva de Lixo

5. MANUTENÇÃO
· Crie um grupo para acompanhar a coleta, o armazenamento e a doação ou
venda do material reciclável;
· Faça um balanço periódico do programa (se possível, setorizado) e divulgue os
resultados para o público envolvido;
· Mantenha atividades contínuas de informação, sensibilização e incentivos;
importantíssimo repassar os resultados, retomar os objetivos etc (jornais, palestras,
reuniões, gincanas, cartazes são instrumentos que devem ser utilizados).

MATERIAL – TIPO DE ECONOMIA
M AT E R I A L

ECONOMIA

PAPEL

Madeira

METAL

Bauxita+Siderita
Peperita
Magnetita+Ferro
Carbono+Curupita
Não-renováveis

Alumínio
Ferro
Aço
Cobre

PLÁSTICO

Petróleo
Não-renováveis

Nafta

VIDRO
10

Floresta/
Árvore
Renovável

Areia
Não-renováveis

Sílica
Barrílica
Feldspato
Calcário
COMO CLASSIFICAR O LIXO
REFERÊNCIA

RECICLÁVEL

NÃO-RECICLÁVEL

1 tonelada de papel
reciclado evita o corte de
15 a 22 árvores,
economiza 50% de
energia elétrica e 10 mil
m³ de água.

· Jornais e revistas
· Folhas de caderno
· Formulários de computador
· Caixas em geral
· Aparas de papel
· Fotocópias
· Envelopes
· Rascunhos
· Cartazes velhos
· Papel de fax

· Etiquetas adesivas
· Papel carbono e celofane
· Fita crepe
· Papéis sanitários
· Papéis metalizados
· Papéis parafinados
· Papéis plastificados
· Lenço de papel usado
· Guardanapos sujos/engordurados
· Bitucas de cigarro
· Fotografias
· Papéis molhados

1 tonelada de alumínio
reciclado evita a extração de
5 toneladas de minério. 100
toneladas de aço reciclado
poupam 27kWh de energia
elétrica e 5 árvores usadas
com carvão no
processamento de minério
de ferro.

· Folha-de-flandres
· Tampinha de garrafa
· Latas de óleo, leite em pó
e conservas
· Latas de refrigerante,
cerveja e suco
· Alumínio
· Embalagens metálicas de
congelados

· Clips
· Grampos
· Esponjas de aço
· Tachinhas
· Pregos

100 toneladas de plástico
reciclado evitam a extração
de 1 tonelada de petróleo.

· Canos e tubos
· Sacos
· CDs e disquetes
· Embalagens de margarina
e produtos de limpeza
· Embalagens PET:
refrigerante, suco e óleo
de cozinha
· Plásticos em geral

· Cabos de panela
· Tomadas

1 tonelada de vidro
reciclado evita a extração
de 1,3 toneladas de areia e
produz exatamente 1
tonelada de vidro.

· Recipientes em geral
· Garrafas
· Copos
· Lâmpadas de uso comum

· Espelhos
· Cristais
· Cerâmicas e porcelanas
· Tubos de TV e computadores

Outros

· Curativos com sangue
· Fraldas descartáveis
· Absorventes higiênicos

11
Coleta Seletiva de Lixo

LIXO REAPROVEITÁVEL
MATERIAL

DESTINO

RESÍDUOS ORGÂNICOS

Cascas e bagaços de frutas, restos de
alimentos, folhas secas podem ser
conduzidos para a compostagem e
utilizados como ADUBO ou FERTILIZANTE
para o solo.

TECIDOS E COURO

Podem ser encaminhados para o
reaproveitamento do material. Caso
contrário, não são recicláveis.

TEMPO DE DECOMPOSIÇÃO DOS MATERIAIS NA NATUREZA
Este tempo pode variar de acordo com as condições ambientais:

MATERIAL
Papel e papelão

3 a 6 meses

Plástico

Até 450 anos

Metal

Cerca de 450 anos

Vidro

Indeterminado

Pneus

12

TEMPO DE DECOMPOSIÇÃO

Mais de 100 anos
LIXO NÃO RECICLÁVEL
MATERIAL

DESTINO

BATERIAS DE CELULAR,
AUTOMOTIVAS,
INDUSTRIAIS E PILHAS
QUE NÃO ATENDEREM
OS LIMITES DA
RESOLUÇÃO.

De acordo com a CONAMA nº 257, de
22/7/99, complementada pela de nº 263 de
12/11/99, devem ser devolvidos aos
estabelecimentos que as comercializam ou à
rede de assistência técnica autorizada pelas
respectivas indústrias.

PILHAS DE USO COMUM

Pilhas como as vendidas em supermercados
alcalinas comuns e as tipo botão usadas em
relógios e calculadoras - devem ser descartadas
no lixo comum, objeto de coleta pública.

LÂMPADAS
FLUORESCENTES

As lâmpadas fluorescentes compactas ou
tubulares contêm mercúrio, substância tóxica
nociva ao ser humano e ao meio ambiente.
É recomendável que não se misture essas
lâmpadas com o lixo comum, pois serão
fatalmente rompidas, contaminando o meio
ambiente e pondo em risco a saúde dos
funcionários da limpeza - local ou pública.
Ao manuseá-las nunca segure pelo vidro. É
recomendável que sejam descartadas em
caixas de papelão ou protegidas com jornal
ou plástico bolha, para evitar sua ruptura
(como, aliás, deve ser para todo material
perfurante e cortante ao ser descartado).

13
Coleta Seletiva de Lixo

WEBSITES RELACIONADOS
www.unimedlondrina.com.br
www.ambiente.sp.gov.br
www.abal.org.br
www.abiquim.org.br/plastivida
www.abividro.org.br
www.bsi.com.br/unilivre/centro/experiencias/026.html
www.caritas.org.br/reciclagem.htm
www.cecae.usp.br/recicla
www.cempre.org.br
www.conesul.com.br/~selector
www.gaia.ong.com.br
www.geocities.com/Yosemite/Gorge/7224
www.highnet.copm.br/casareciclagem
www.institutogea.org.br
www.jgpress.com/biocycle.htm
www.labsolda.ufsc.br/~caroline/reciclar.html
www.latasa.com.br
www.lixo.com.br
www.milongs.londrina.pr.gov.br
www.neoambiental.com.br
www.nossosite.oespdin.com.br/gh/
www.obvously.com/recycle
www.padronecology.com.br
www.polis.org.br
www.reciclaveis.com.br

14
LITERATURA DE REFERÊNCIA
Manual Consumo Consciente – Unimed do Brasil
Höewell, Indian M. (1998). CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem –
Viva o Meio Ambiente com Arte na Era da Reciclagem. 3ed. Florianópolis, agosto.
Fuzaro, João Antônio e Wolmer, Fernando Antonio (2001). CETESB – Companhia de
Tecnologia e Saneamento Ambiental – Compêndio sobre tratamento e disposição de
resíduos sólidos. São Paulo.
Secretaria de Estado do Meio Ambiente (2001). Guia Pedagógico do Lixo. 2ed. São
Paulo.
Guia da Coleta Seletiva de Lixo – CEMPRE – Compromisso Empresarial para
Reciclagem
Elaboração:
Núcleo de Responsabilidade Social
Unimed Londrina
Rua Senador Souza Naves, 1333
Fone 43 3375-6161 - Fax 43 3375-6100
Cep 86010-160 - Londrina - PR
responsabilidadesocial@unimedlondrina.com.br
www.unimedlondrina.com.br

100% RECICLADO
75% Pré-consumo
25% Pós-consumo

Material impresso em papel 100% reciclado.
A Unimed Londrina utiliza produtos
ecologicamente corretos para preservar o meio
ambiente e garantir a sustentabilidade do planeta.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioA importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioLareska Rocha
 
Destinação de Residuos Solidos
Destinação de Residuos SolidosDestinação de Residuos Solidos
Destinação de Residuos SolidosMatheus Pereira
 
Reciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeReciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeeercavalcanti
 
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemApresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemClaudia Costa
 
Reciclagem eduarda jaqueline marcieli
Reciclagem eduarda jaqueline marcieliReciclagem eduarda jaqueline marcieli
Reciclagem eduarda jaqueline marcieliEstado do RS
 
Lixo: consequências e solucões
Lixo: consequências e solucõesLixo: consequências e solucões
Lixo: consequências e solucõesCleber Reis
 
coleta seletiva e reciclagem
coleta seletiva e reciclagemcoleta seletiva e reciclagem
coleta seletiva e reciclagemTÂnio Alencar
 
Lixo, um problema que tem solução
Lixo, um problema que tem soluçãoLixo, um problema que tem solução
Lixo, um problema que tem soluçãokatemayre
 
Coleta Seletiva
Coleta SeletivaColeta Seletiva
Coleta SeletivaDeaaSouza
 
ResíDuos SóLidos
ResíDuos SóLidosResíDuos SóLidos
ResíDuos SóLidossenargo
 
A sociedade de consumo e a degradação do
A sociedade de consumo e a degradação doA sociedade de consumo e a degradação do
A sociedade de consumo e a degradação doProfessor
 
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO Ricardo Arend
 

Mais procurados (20)

A importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioA importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meio
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Reciclagem
Reciclagem Reciclagem
Reciclagem
 
Destinação de Residuos Solidos
Destinação de Residuos SolidosDestinação de Residuos Solidos
Destinação de Residuos Solidos
 
RECICLAGEM
RECICLAGEMRECICLAGEM
RECICLAGEM
 
Reciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeReciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidade
 
Lixo eletrônico
Lixo eletrônicoLixo eletrônico
Lixo eletrônico
 
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemApresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
 
Apresentação projeto 3 rs
Apresentação projeto 3 rsApresentação projeto 3 rs
Apresentação projeto 3 rs
 
Reciclar
ReciclarReciclar
Reciclar
 
Reciclagem eduarda jaqueline marcieli
Reciclagem eduarda jaqueline marcieliReciclagem eduarda jaqueline marcieli
Reciclagem eduarda jaqueline marcieli
 
Lixo: consequências e solucões
Lixo: consequências e solucõesLixo: consequências e solucões
Lixo: consequências e solucões
 
coleta seletiva e reciclagem
coleta seletiva e reciclagemcoleta seletiva e reciclagem
coleta seletiva e reciclagem
 
Lixo, um problema que tem solução
Lixo, um problema que tem soluçãoLixo, um problema que tem solução
Lixo, um problema que tem solução
 
Coleta Seletiva
Coleta SeletivaColeta Seletiva
Coleta Seletiva
 
ResíDuos SóLidos
ResíDuos SóLidosResíDuos SóLidos
ResíDuos SóLidos
 
Dia mundial da água
Dia mundial da águaDia mundial da água
Dia mundial da água
 
A sociedade de consumo e a degradação do
A sociedade de consumo e a degradação doA sociedade de consumo e a degradação do
A sociedade de consumo e a degradação do
 
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
 
Aula 5 reciclagem
Aula 5  reciclagemAula 5  reciclagem
Aula 5 reciclagem
 

Semelhante a Implante um sistema de coleta seletiva

Veja aqui -coleta_seletiva_como_fazer__gov_sp_
Veja aqui -coleta_seletiva_como_fazer__gov_sp_Veja aqui -coleta_seletiva_como_fazer__gov_sp_
Veja aqui -coleta_seletiva_como_fazer__gov_sp_Nayara Silva
 
Projeto coleta seletiva
Projeto coleta seletivaProjeto coleta seletiva
Projeto coleta seletivabrainsis
 
Programa colheta de papel
Programa colheta de papelPrograma colheta de papel
Programa colheta de papelkeziagomes
 
Oficina 1º ano emi - e.e.b.s.m.
Oficina 1º ano   emi - e.e.b.s.m.Oficina 1º ano   emi - e.e.b.s.m.
Oficina 1º ano emi - e.e.b.s.m.wagneripo
 
Cartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e Condomínio
Cartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e CondomínioCartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e Condomínio
Cartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e CondomínioHawston Pedrosa
 
Cartilha da Lisboeta Volume III - Coleta Seletiva
Cartilha da Lisboeta Volume III - Coleta SeletivaCartilha da Lisboeta Volume III - Coleta Seletiva
Cartilha da Lisboeta Volume III - Coleta SeletivaQMN Gestão e Treinamentos
 
Coleta seletiva
Coleta seletivaColeta seletiva
Coleta seletivagirigau
 
Cartilha Resíduos Sólidos - Financial
Cartilha Resíduos Sólidos - Financial Cartilha Resíduos Sólidos - Financial
Cartilha Resíduos Sólidos - Financial Cesar Bandeira
 
Jornal inteiro
Jornal inteiroJornal inteiro
Jornal inteiroBOLETIM
 
Projeto de reciclagem mariane
Projeto de reciclagem  marianeProjeto de reciclagem  mariane
Projeto de reciclagem marianeVaniacalmeida
 
Ciências Sustentabilidade ambiental
Ciências Sustentabilidade ambientalCiências Sustentabilidade ambiental
Ciências Sustentabilidade ambientalDorinha Matias
 
Promocao Saúde e Qualidade de Vida
Promocao Saúde e Qualidade de VidaPromocao Saúde e Qualidade de Vida
Promocao Saúde e Qualidade de VidaCarmenElica
 
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMARESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMAHelena Coura
 

Semelhante a Implante um sistema de coleta seletiva (20)

A coleta seletiva
A coleta seletivaA coleta seletiva
A coleta seletiva
 
DDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptxDDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptx
 
DDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptxDDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptx
 
Curso Aracaju Completa (1)
Curso Aracaju Completa (1)Curso Aracaju Completa (1)
Curso Aracaju Completa (1)
 
Veja aqui -coleta_seletiva_como_fazer__gov_sp_
Veja aqui -coleta_seletiva_como_fazer__gov_sp_Veja aqui -coleta_seletiva_como_fazer__gov_sp_
Veja aqui -coleta_seletiva_como_fazer__gov_sp_
 
Projeto coleta seletiva
Projeto coleta seletivaProjeto coleta seletiva
Projeto coleta seletiva
 
Curso Aracaju Completa (1)
Curso Aracaju Completa (1)Curso Aracaju Completa (1)
Curso Aracaju Completa (1)
 
Programa colheta de papel
Programa colheta de papelPrograma colheta de papel
Programa colheta de papel
 
Oficina 1º ano emi - e.e.b.s.m.
Oficina 1º ano   emi - e.e.b.s.m.Oficina 1º ano   emi - e.e.b.s.m.
Oficina 1º ano emi - e.e.b.s.m.
 
Cartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e Condomínio
Cartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e CondomínioCartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e Condomínio
Cartilha Coleta Seletiva em Comunidade Empresas, Escola e Condomínio
 
Coletaseletiva
ColetaseletivaColetaseletiva
Coletaseletiva
 
Cartilha da Lisboeta Volume III - Coleta Seletiva
Cartilha da Lisboeta Volume III - Coleta SeletivaCartilha da Lisboeta Volume III - Coleta Seletiva
Cartilha da Lisboeta Volume III - Coleta Seletiva
 
Coleta seletiva
Coleta seletivaColeta seletiva
Coleta seletiva
 
Cartilha Resíduos Sólidos - Financial
Cartilha Resíduos Sólidos - Financial Cartilha Resíduos Sólidos - Financial
Cartilha Resíduos Sólidos - Financial
 
Jornal inteiro
Jornal inteiroJornal inteiro
Jornal inteiro
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Projeto de reciclagem mariane
Projeto de reciclagem  marianeProjeto de reciclagem  mariane
Projeto de reciclagem mariane
 
Ciências Sustentabilidade ambiental
Ciências Sustentabilidade ambientalCiências Sustentabilidade ambiental
Ciências Sustentabilidade ambiental
 
Promocao Saúde e Qualidade de Vida
Promocao Saúde e Qualidade de VidaPromocao Saúde e Qualidade de Vida
Promocao Saúde e Qualidade de Vida
 
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMARESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
 

Mais de João Siqueira da Mata

Meditação para a Qualidade de Vida no Trabalho
Meditação para a Qualidade de Vida no TrabalhoMeditação para a Qualidade de Vida no Trabalho
Meditação para a Qualidade de Vida no TrabalhoJoão Siqueira da Mata
 
A Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a MeditaçãoA Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a MeditaçãoJoão Siqueira da Mata
 
Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...
Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...
Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...João Siqueira da Mata
 
Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1
Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1
Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1João Siqueira da Mata
 
Barbara marcianiakmensageirosdoamanhecer
Barbara marcianiakmensageirosdoamanhecerBarbara marcianiakmensageirosdoamanhecer
Barbara marcianiakmensageirosdoamanhecerJoão Siqueira da Mata
 
EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...
EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...
EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...João Siqueira da Mata
 
Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...
Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...
Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...João Siqueira da Mata
 
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno PorteComo Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno PorteJoão Siqueira da Mata
 

Mais de João Siqueira da Mata (20)

Meditação no Trabalho
Meditação no TrabalhoMeditação no Trabalho
Meditação no Trabalho
 
Meditação para a Qualidade de Vida no Trabalho
Meditação para a Qualidade de Vida no TrabalhoMeditação para a Qualidade de Vida no Trabalho
Meditação para a Qualidade de Vida no Trabalho
 
A Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a MeditaçãoA Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a Meditação
 
Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...
Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...
Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...
 
E book terapia transgeracional
E book terapia transgeracionalE book terapia transgeracional
E book terapia transgeracional
 
Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1
Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1
Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1
 
Horta caderno2
Horta caderno2Horta caderno2
Horta caderno2
 
Barbara marcianiakmensageirosdoamanhecer
Barbara marcianiakmensageirosdoamanhecerBarbara marcianiakmensageirosdoamanhecer
Barbara marcianiakmensageirosdoamanhecer
 
Miolo transgenicos 29_07
Miolo transgenicos 29_07Miolo transgenicos 29_07
Miolo transgenicos 29_07
 
Mesa controversias web
Mesa controversias webMesa controversias web
Mesa controversias web
 
EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...
EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...
EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...
 
Xxi n6 pt ciência para a vida
Xxi n6 pt ciência para a vidaXxi n6 pt ciência para a vida
Xxi n6 pt ciência para a vida
 
2 edicao gestao-sustentavel completo
2 edicao gestao-sustentavel completo2 edicao gestao-sustentavel completo
2 edicao gestao-sustentavel completo
 
Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...
Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...
Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...
 
HORTA EM PEQUENOS ESPAÇOS
HORTA EM PEQUENOS ESPAÇOSHORTA EM PEQUENOS ESPAÇOS
HORTA EM PEQUENOS ESPAÇOS
 
O envenenamento das abelhas
O envenenamento das abelhasO envenenamento das abelhas
O envenenamento das abelhas
 
Curso eft andre_lima
Curso eft andre_limaCurso eft andre_lima
Curso eft andre_lima
 
O despertar da visão interior
O despertar da visão interiorO despertar da visão interior
O despertar da visão interior
 
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno PorteComo Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
 
Manual de restauração florestal
Manual de restauração florestalManual de restauração florestal
Manual de restauração florestal
 

Implante um sistema de coleta seletiva

  • 1. M A N U A L D A COLETA SELETIVA DE LIXO
  • 2. Coleta Seletiva de Lixo APRENDA AQUI TODOS OS PASSOS PARA IMPLANTAR UM SISTEMA DE COLETA SELETIVA DE LIXO EM SUA EMPRESA, CONDOMÍNIO, ESCOLA OU COMUNIDADE.
  • 3. INTRODUÇÃO A Unimed Londrina tem como missão oferecer soluções para a saúde integrando segurança, bem-estar e qualidade de vida para seus clientes, cooperados e colaboradores. Para isso desenvolveu o Programa de Gestão Ambiental “Vamos Cuidar do Nosso Planeta” com o objetivo de difundir a educação ambiental. O lixo é um problema ambiental que deve contar com a participação da sociedade para sua solução. A Coleta Seletiva é uma forma simples de atacarmos este problema. Nesta cartilha você vai encontrar todos os passos para implantar um sistema de coleta, desde o princípio até o fim. O Mundi representa todos os que sofrem com a poluição, desmatamento e a contaminação pelo lixo, quando não é reciclado. Para ver o Mundi saudável e feliz, basta ter consciência e tomar simples atitudes em relação ao meio ambiente. 03
  • 4. Coleta Seletiva de Lixo O LIXO O lixo é responsável por um dos mais graves problemas ambientais de nosso tempo. Seu volume vem aumentando nos grandes centros urbanos, atingindo quantidades impressionantes. As cidades vêm crescendo, reduzindo o tempo disponível dos cidadãos e os produtos industrializados passaram a fazer parte do nosso cotidiano. Com isso, são geradas quantidades imensas de embalagens, sacos plásticos, caixas, isopor, sacolas, latas, garrafas e muitos outros materiais que demoram muito para se decompor - quando consegue. Cada brasileiro gera em média, 1/2 kg de lixo por dia (dependendo da região e do poder aquisitivo pode chegar a 1 kg). Além da extinção de recursos naturais essa realidade faz com que os locais para disposição de todo esse material seja esgotado rapidamente, exigindo iniciativas urgentes para a redução da quantidade enviada para os aterros sanitários ou lixões. O QUE PODE SER FEITO? A implantação da Coleta Seletiva de Lixo é uma das soluções para reduzir o problema do lixo. Além de reduzir a poluição e o risco de problemas de saúde pela contaminação do ar, do solo e da água, a Coleta Seletiva reduz o volume de materiais destinado aos aterros sanitários ou lixões e proporciona economia de recursos naturais como petróleo, madeira, alumínio, ferro, aço, água e energia. A Coleta Seletiva também é uma opção de renda, pela comercialização do material. · O QUE É COLETA SELETIVA? É a atividade de separar do lixo os materiais que podem ser reaproveitados ou reciclados (usualmente plásticos, vidros, papéis e metais). Pode ser realizada por uma pessoa, família ou por um grupo de pessoas em empresas, condomínios, escolas e cidades. 04
  • 5. · O QUE É RECICLAGEM? É o processo que transforma os materiais já usados em novos produtos. Papéis velhos transformam-se em novas folhas ou caixas de papelão; vidros se transformam em novas garrafas ou frascos; plásticos se transformam em vassouras, potes, camisetas, mangueiras; metais transformam-se em novas latas ou recipientes. · O QUE É MATERIAL RECICLADO? Quando o material já foi transformado em novo produto. Existem materiais que podem ser reciclados inúmeras vezes, como o vidro. COMO A RECICLAGEM MELHORA NOSSA VIDA? · Reduz a extração de recursos naturais (petróleo, madeira, alumínio, ferro, aço e outros); · Reduz o consumo de água e energia elétrica; · Diminui o lixo nos aterros sanitários e lixões; · Diminui o risco de problemas de saúde devido a contaminação do ar, do solo e da água; · Melhora a limpeza e higiene das cidades; · Diminui custos de produção; · Gera emprego e renda para população carente envolvida com a reciclagem. MUDANÇA DE ATITUDE! CHEGOU A HORA DE ADOTAR OS 3Rs •REDUZIR ao máximo a quantidade de lixo gerado •REAPROVEITAR tudo o que for possível •RECICLAR o que não tiver mais utilidade 05
  • 6. Coleta Seletiva de Lixo 1. COMO IMPLANTAR UM SISTEMA DE COLETA SELETIVA? Com um pouco de planejamento, implantar um programa de Coleta Seletiva é muito simples. ENVOLVA AS PESSOAS · Defina quem serão e quantas pessoas estarão envolvidas no processo (funcionários, moradores, alunos e outros); · Crie grupos com interessados, pois uma das principais razões para o sucesso de programas desse tipo é a participação do maior número de pessoas. CONHEÇA O LIXO GERADO · Identifique a quantidade de lixo gerado diariamente (pode ser por peso ou número de sacos de lixo); · Levante quanto de lixo é orgânico, e quanto é formado de papel, alumínio, plásticos, outros metais e vidro. DESCUBRA O CAMINHO DO LIXO · Saiba onde o lixo é gerado (na empresa, escola, condomínio etc) e o local onde é depositado para a coleta municipal; · Identifique se alguns materiais já são coletados separadamente e, em caso positivo, para onde são encaminhados. CONHEÇA AS CARACTERÍSTICAS LOCAIS · Reconheça as instalações físicas do local onde pretende fazer a Coleta Seletiva (local para armazenagem, locais intermediários etc.); · Identifique os recursos materiais existentes (tambores, latões e outros que possam ser reutilizados); · Levante quem faz a limpeza e a coleta normal do lixo, e como ela é feita (quantas pessoas tem, freqüência). PARA ONDE DESTINAR O LIXO RECICLÁVEL? · Não inicie um programa de Coleta Seletiva sem saber antes para onde vai 06
  • 7. encaminhar o material; · Identifique quem virá buscar e com que freqüência; · O lixo reciclável de sua empresa, escola, casa ou condomínio poderá ser doado a uma cooperativa de catadores ou vendido. Doação Em Londrina, a “MIL ONGS” tem uma relação das associações ou cooperativas que vendem ou reaproveitam o material, quais regiões e como trabalham. Em outras cidades, iniciativas semelhantes são desenvolvidas. Identifique quais as entidades envolvidas. Venda Compradores e preços podem ser consultados no site do CEMPRE (www.cempre.org.br), no Instituto Gea (www.institutogea.org.br). Uma consulta às Páginas Amarelas (sucatas, papel, aparas etc.) também pode ajudar e até mesmo uma verificação se existem compradores no seu bairro ou na cidade. 2. PARTE OPERACIONAL DO PROJETO Sabendo-se as quantidades geradas de lixo por tipo de material, as possibilidades de estocagem no local, os recursos humanos existentes e outras informações, chegou a hora das decisões. DECISÕES · Quais os materiais que devem ser separados; · Que tipos de coletores vão ser utilizados; · Onde ficarão os coletores (em todas as salas, um lugar só, em pontos estratégicos - corredores, andares etc.); · Quem vai fazer a coleta do material e onde será estocado até a hora da coleta externa; · Como vai ser o caminho dos recicláveis, desde o local onde é gerado até o local da estocagem; 07
  • 8. Coleta Seletiva de Lixo · Para quem vai ser doado e/ou vendido o material; · Como será o recolhimento dos materiais e qual a frequência. LISTAS DO QUE FAZER · Fazer a lista do que precisa ser adquirido (o Instituto GEA tem a lista de fornecedores de vários materiais, com vários tipos de preços); · Fazer a lista do que pode ser recuperado; · Fazer a lista do que precisa ser adaptado; · Fazer a lista do que mais precisa ser providenciado (placas sinalizadoras, adesivos etc.). Importante: faça a Coleta Seletiva apenas do material que puder encaminhar para reciclagem. Não adianta separar isopor ou caixas do tipo longa vida por exemplo, se a cooperativa ou o comprador não tem para quem vendê-los. Esse material vai acabar sendo jogado no lixo comum. 3. EDUCAÇÃO AMBIENTAL Elabore a comunicação do programa de Coleta Seletiva a todos os públicos envolvidos. · PRIMEIRO PASSO Identifique os públicos envolvidos. Exemplo: Em uma empresa existem os funcionários, a diretoria, a equipe de limpeza entre outros; Em uma escola são os alunos, professores, funcionários da limpeza e do conselho administrativo, pais etc; 08
  • 9. Em um condomínio temos: moradores (jovens, crianças, adultos), funcionários da limpeza, empregadas domésticas etc. · SEGUNDO PASSO Pense que tipo de informação cada público deve receber. · TERCEIRO PASSO Planeje quais atividades serão desenvolvidas para cada um, visando atingi-los com mais sucesso e objetivo. Exemplo: palestras de mobilização, cartazes, folhetos, reuniões, festas etc. Realizar uma variedade grande de atividades sempre é melhor, pois atinge mais pessoas. 4. IMPLANTAÇÃO EQUIPAMENTOS Compre ou faça as adaptações nos equipamentos necessários (lixeiras, adesivos, sacos coloridos ou outros materiais estabelecidos no planejamento). TREINAMENTO Faça o treinamento das pessoas envolvidas na Coleta Seletiva (pessoal da limpeza, responsáveis de cada área por exemplo). COMUNICAÇÃO Inicie a campanha de comunicação e mobilização. LANÇAMENTO Faça o lançamento do programa com uma atividade especial e diferenciada (festa, exposição, teatro, palestra entre outros), mas na qual as informações principais também sejam passadas. 09
  • 10. Coleta Seletiva de Lixo 5. MANUTENÇÃO · Crie um grupo para acompanhar a coleta, o armazenamento e a doação ou venda do material reciclável; · Faça um balanço periódico do programa (se possível, setorizado) e divulgue os resultados para o público envolvido; · Mantenha atividades contínuas de informação, sensibilização e incentivos; importantíssimo repassar os resultados, retomar os objetivos etc (jornais, palestras, reuniões, gincanas, cartazes são instrumentos que devem ser utilizados). MATERIAL – TIPO DE ECONOMIA M AT E R I A L ECONOMIA PAPEL Madeira METAL Bauxita+Siderita Peperita Magnetita+Ferro Carbono+Curupita Não-renováveis Alumínio Ferro Aço Cobre PLÁSTICO Petróleo Não-renováveis Nafta VIDRO 10 Floresta/ Árvore Renovável Areia Não-renováveis Sílica Barrílica Feldspato Calcário
  • 11. COMO CLASSIFICAR O LIXO REFERÊNCIA RECICLÁVEL NÃO-RECICLÁVEL 1 tonelada de papel reciclado evita o corte de 15 a 22 árvores, economiza 50% de energia elétrica e 10 mil m³ de água. · Jornais e revistas · Folhas de caderno · Formulários de computador · Caixas em geral · Aparas de papel · Fotocópias · Envelopes · Rascunhos · Cartazes velhos · Papel de fax · Etiquetas adesivas · Papel carbono e celofane · Fita crepe · Papéis sanitários · Papéis metalizados · Papéis parafinados · Papéis plastificados · Lenço de papel usado · Guardanapos sujos/engordurados · Bitucas de cigarro · Fotografias · Papéis molhados 1 tonelada de alumínio reciclado evita a extração de 5 toneladas de minério. 100 toneladas de aço reciclado poupam 27kWh de energia elétrica e 5 árvores usadas com carvão no processamento de minério de ferro. · Folha-de-flandres · Tampinha de garrafa · Latas de óleo, leite em pó e conservas · Latas de refrigerante, cerveja e suco · Alumínio · Embalagens metálicas de congelados · Clips · Grampos · Esponjas de aço · Tachinhas · Pregos 100 toneladas de plástico reciclado evitam a extração de 1 tonelada de petróleo. · Canos e tubos · Sacos · CDs e disquetes · Embalagens de margarina e produtos de limpeza · Embalagens PET: refrigerante, suco e óleo de cozinha · Plásticos em geral · Cabos de panela · Tomadas 1 tonelada de vidro reciclado evita a extração de 1,3 toneladas de areia e produz exatamente 1 tonelada de vidro. · Recipientes em geral · Garrafas · Copos · Lâmpadas de uso comum · Espelhos · Cristais · Cerâmicas e porcelanas · Tubos de TV e computadores Outros · Curativos com sangue · Fraldas descartáveis · Absorventes higiênicos 11
  • 12. Coleta Seletiva de Lixo LIXO REAPROVEITÁVEL MATERIAL DESTINO RESÍDUOS ORGÂNICOS Cascas e bagaços de frutas, restos de alimentos, folhas secas podem ser conduzidos para a compostagem e utilizados como ADUBO ou FERTILIZANTE para o solo. TECIDOS E COURO Podem ser encaminhados para o reaproveitamento do material. Caso contrário, não são recicláveis. TEMPO DE DECOMPOSIÇÃO DOS MATERIAIS NA NATUREZA Este tempo pode variar de acordo com as condições ambientais: MATERIAL Papel e papelão 3 a 6 meses Plástico Até 450 anos Metal Cerca de 450 anos Vidro Indeterminado Pneus 12 TEMPO DE DECOMPOSIÇÃO Mais de 100 anos
  • 13. LIXO NÃO RECICLÁVEL MATERIAL DESTINO BATERIAS DE CELULAR, AUTOMOTIVAS, INDUSTRIAIS E PILHAS QUE NÃO ATENDEREM OS LIMITES DA RESOLUÇÃO. De acordo com a CONAMA nº 257, de 22/7/99, complementada pela de nº 263 de 12/11/99, devem ser devolvidos aos estabelecimentos que as comercializam ou à rede de assistência técnica autorizada pelas respectivas indústrias. PILHAS DE USO COMUM Pilhas como as vendidas em supermercados alcalinas comuns e as tipo botão usadas em relógios e calculadoras - devem ser descartadas no lixo comum, objeto de coleta pública. LÂMPADAS FLUORESCENTES As lâmpadas fluorescentes compactas ou tubulares contêm mercúrio, substância tóxica nociva ao ser humano e ao meio ambiente. É recomendável que não se misture essas lâmpadas com o lixo comum, pois serão fatalmente rompidas, contaminando o meio ambiente e pondo em risco a saúde dos funcionários da limpeza - local ou pública. Ao manuseá-las nunca segure pelo vidro. É recomendável que sejam descartadas em caixas de papelão ou protegidas com jornal ou plástico bolha, para evitar sua ruptura (como, aliás, deve ser para todo material perfurante e cortante ao ser descartado). 13
  • 14. Coleta Seletiva de Lixo WEBSITES RELACIONADOS www.unimedlondrina.com.br www.ambiente.sp.gov.br www.abal.org.br www.abiquim.org.br/plastivida www.abividro.org.br www.bsi.com.br/unilivre/centro/experiencias/026.html www.caritas.org.br/reciclagem.htm www.cecae.usp.br/recicla www.cempre.org.br www.conesul.com.br/~selector www.gaia.ong.com.br www.geocities.com/Yosemite/Gorge/7224 www.highnet.copm.br/casareciclagem www.institutogea.org.br www.jgpress.com/biocycle.htm www.labsolda.ufsc.br/~caroline/reciclar.html www.latasa.com.br www.lixo.com.br www.milongs.londrina.pr.gov.br www.neoambiental.com.br www.nossosite.oespdin.com.br/gh/ www.obvously.com/recycle www.padronecology.com.br www.polis.org.br www.reciclaveis.com.br 14
  • 15. LITERATURA DE REFERÊNCIA Manual Consumo Consciente – Unimed do Brasil Höewell, Indian M. (1998). CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem – Viva o Meio Ambiente com Arte na Era da Reciclagem. 3ed. Florianópolis, agosto. Fuzaro, João Antônio e Wolmer, Fernando Antonio (2001). CETESB – Companhia de Tecnologia e Saneamento Ambiental – Compêndio sobre tratamento e disposição de resíduos sólidos. São Paulo. Secretaria de Estado do Meio Ambiente (2001). Guia Pedagógico do Lixo. 2ed. São Paulo. Guia da Coleta Seletiva de Lixo – CEMPRE – Compromisso Empresarial para Reciclagem
  • 16. Elaboração: Núcleo de Responsabilidade Social Unimed Londrina Rua Senador Souza Naves, 1333 Fone 43 3375-6161 - Fax 43 3375-6100 Cep 86010-160 - Londrina - PR responsabilidadesocial@unimedlondrina.com.br www.unimedlondrina.com.br 100% RECICLADO 75% Pré-consumo 25% Pós-consumo Material impresso em papel 100% reciclado. A Unimed Londrina utiliza produtos ecologicamente corretos para preservar o meio ambiente e garantir a sustentabilidade do planeta.