SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
Informativo Técnico do Sindicato dos
                                                                Trabalhadores em Assistência Técnica e
                                                                Extensão Ruraldo Estado de Minas Gerais




                                                                       Ano 4 | Edição nº 24 | Setembro de 2012

     www.sinter-mg.org.br




Azedinha ou Oxalis pes-caprae
Fotografia da internet




                                                 DESTAQUE



        Plantas invasoras: conheça algumas delas e saiba
        tudo o que elas podem indicar.
                                                                                             págs. 03 e 04



                                             OUTRAS NOTÍCIAS




        02               Bio Dicas: Saiba produzir inseticidas caseiros e quais os seus usos
Edição nº 24 | Setembro de 2012 | Ano 4
                                                                                                                                                                                                             02

  Editorial                                                                        Bio Dicas
                                                                                   Inseticidas Caseiros:
   A natureza é sábia e constantemente nos
   indica o “caminho” que devemos tomar.
   O olhar observador, atento ao ambiente,                                              Nome                   Material                      Como fazer                         Como usar                        Observações
   é necessário. Esta metodologia poderá
                                                                                     Quebrarão            • ¼L de água               Corte o sabão em fatias           Pulgão: Dissolver a pasta A pasta pode ser
   nos mostrar como está a área a ser traba-
                                                                                                          • ¼L de quero-             bem finas e coloque para          em 7L de água e colocar usada até 3 dias
   lhada. Chamar uma planta de “invasora”
                                                                                                          sene                       ferver junto com a água,          no pulverizador. Aplicar                 após a fabrica-
   é denegrir a importância de uma planta
                                                                                                          • 100g de sa-              mexendo        sempre     até na horta e pomar.                            ção, pois come-
   que está ali indicando uma deficiência. O
                                                                                                          bão em pedra               total dissolução. Retire                                                   ça a degradar-se
   correto, talvez, seria chamar esta planta
                                                                                                          • 1 vasilha de             do fogo e acrescente o Cochonilha: Dissolver a                             (Querosene
   de “indicadora”, seria o mais sensato. O
                                                                                                          2L                         querosene       lentamente, pasta em 5L de água e                          separa da
   que você acha?
                                                                                                                                     sempre mexendo, até vi- colocar no pulverizador. água).
                                                                                                                                     rar uma pasta.                    Aplicar na horta e pomar.
   Constantemente, no dia a dia da ex-
                                                                                     Fumacol              • 10 a 15cm                Pique o fumo em peda- Pragas de hortas em O sabão só é
   tensão rural, somos solicitados sobre
                                                                                                          de fumo                    cinhos e junte-o com a geral: Dissolva o sabão misturado na
   informações de como “tratar” algumas
                                                                                                          em corda                   água e o álcool numa em 10L de água e jun- hora do uso.
   “pragas” e o uso de inseticidas neste
                                                                                                          • ½L de álcool             vasilha. Feche bem a te à mistura já curtida
   combate, principalmente em hortas e po-
                                                                                                          • ½L de água               vasilha e deixe curtir por de fumo e álcool. Pode
   mares domésticos. O uso de inseticidas
                                                                                                          • 100g de sa-              aproximadamente           15 regar as plantas com
   caseiros, em muitos casos, irá resolver o
                                                                                                          bão em pedra               dias.                             pulverizador ou regador.
   “problema”. Por isso estamos disponibili-
                                                                                                          • Vasilha
   zando receitas já conhecidas por muitos,
                                                                                                          com tampa
   mas é sempre bom recordarmos.
                                                                                     Água e               • 15 a 20cm                Coloque o fumo em ½L Pulgões e Vaquinhas:                                  ******
   Lembre-se que estamos no período elei-                                            Fumo                 de fumo                    de água por 24h. Após             Misture 4 a 5 colheres de

   toral. Votar é expressar a sua vontade, é                                                              em corda                   este período, retire-o e sopa por litro de água e

   exercer a sua cidadania. O ato de não vo-                                                              • ½L de água               guarde a solução no vi- aplicar com regador.

   tar e se eximir do futuro, pode afetar o seu                                                           • Vidro                    dro fechado.

   município, a sua comunidade, a sua famí-                                                               com tampa
   lia, a sua vida. Votar em branco ou nulo é                                        Água e               • Sabão                    Raspe o sabão até obter           Conchonilha e Pulgão:                    O sabão pode
   uma decisão, mas será a mais correta?                                             Sabão                em pedra                   1 colher de sopa que Colocar a solução no                                  também ser
   Pense e decida pelos candidatos que re-                                                                • 5L de água               será colocada em 5L regador e aplicar.                                     fervido para dis-
   almente farão diferença positiva. Participe                                                                                       de água até total disso-                                                   solver e aplicado
   deste momento democrático que muitos                                                                                              lução.                                                                     quando frio.
   lutaram para acontecer. VOTE!                                                     Isca                 • Saco de                  Molhe bem o saco de
                                                                                     (Combate             aniagem                    aniagem com água e um
   Antônio Domingues                                                                 às lesmas)           • Água                     pouco de leite.
   Diretor de Comunicação do Sinter-MG                                                                    • Leite



                                                                                                                                                       Manhuaçu | Célio Alexandre de O. Barros Juiz de Fora | Deyler Nelson
                                                                           Diretores de Base                                                           Maia Souto Viçosa | Luciano Saraiva Gonçalves de Souza Alfenas | Sávio
                                                                           Norte | Maria de Lourdes V. Leopoldo Centro | Afrânio Otávio Nogueira       dos Reis Dutra Lavras | Júlio César Silva Pouso Alegre | Sérgio Bras
                                                                           Triângulo | Walter Lúcio de Brito Leste | Adilson Lopes Barros Zona Da      Regina
                                                                           Mata | Margareth do Carmo C. Guimarães Sul | André Martins Ferreira
                                                                           Alto Paranaíba e Noroeste | Paulo César Thompson                            Conselho Fiscal
Rua José de Alencar, 738 | Nova Suíça | Belo Horizonte/MG
                                                                                                                                                       Ilka Alves Santana | Francisco Paiva de Rezende | Marlene da
CEP 30480-500 | Telefax: 31 3334 3080
                                                                           Representantes das Seções Sindicais                                         Conceição A. Pereira | Noé de Oliveira Fernandes Filho | Reinaldo
www.sinter-mg.org.br | conexao@sinter-mg.org.br
                                                                           Janaúba | Raimundo Mendes de Souza Júnior Januária | Renato Alves           Bortone
                                                                           Lopes Montes Claros | Onias Guedes Batista Salinas | José dos Reis
DIRETORIA COLEGIADA DO SINTER-MG                                           Francisco da Rocha Barbacena | Tadeu César Gomes de Azevedo Belo            Conexão sinter
Diretor Geral | Carlos Augusto de Carvalho Diretor Secretário | Ronaldo    Horizonte | Silmara Aparecida C. Campos Curvelo | Marcelino Teixeira        Coordenação | Antônio Domingues Participação | Diretoria Sinter-MG |
Vieira de Aquino Diretor de Administração e Finanças | Darci Roberti       da Silva Divinópolis | Júlio César Maia Uberaba | Oeder Pedro Ferreira      André Henriques Edição | Mauro Morais Diagramação | Somanyideas
Diretor de Comunicação e Cultura | Antônio Domingues de Souza              Uberlândia | Carlos Miguel Rodrigues Couto Patos De Minas | Dener           Projeto Gráfico | Somanyideas Jornalista Responsável | Dante Xavier
Diretor De Assuntos Jurídicos | Pascoal Pereira de Almeida Diretor de      Henrique de Castro Unaí | Dalila Moreira da Cunha Almenara |                MG-13.092 Circulação | Online
Formação Política e Sindical | Lúcio Passos Ferreira Diretor de Assuntos   Ronilson Martins Nascimento Capelinha | Vilivaldo Alves da Rocha
de Agricultura Familiar e Reforma Agrária | Leni Alves de Souza Diretor    Governador Valadares | Maurílio Andrade Dornelas Teófilo Otoni | Luiz       Para sugestões, comentários e críticas sobre o Conexão Sinter-MG
De Assuntos Dos Aposentados | Elizabete Soares de Andrade                  Mário Leite Júnior Cataguases | Janya Aparecida de Paula Costa              conexao@sinter-mg.org.br
Edição nº 24 | Setembro de 2012 | Ano 4
                                                                                                                   03

Plantas invasoras




As chamadas “plantas invasoras” não surgem acidental-          de potássio. Recém-brotado, o gado o aceita. Banindo-se
mente, mas em circunstância bem definidas, como indi-          o fogo, roçando-se e adubando, desaparece em um ano,
cadoras de determinadas carências ou excessos de ele-          dando lugar a outras ferrugens.
mentos do solo. Assim, conhecendo-se as razões de seu
aparecimento, fica-se mais fácil não apenas combatê-las,       7. Beldroega (Portulaca oleracea e outras) - Recurso de
mas, principalmente, corrigir desequilíbrios do solo.          pastagem na seca (NE). Nos campos agrícolas, invade os
                                                               solos melhores. Não precisa ser combatida, pois não pre-
Na relação que segue, estão as invasoras mais comuns,          judica as lavouras e protege o solo.
suas características e indicações que fornecem. Nessa re-
lação, após o nome vulgar, vem o nome científico e o tipo      8. Berneira ou maria-mole (Senecio brasiliensis) - P - Indi-
de solo onde é mais frequente o seu aparecimento. Os ti-       ca solos (pastagens) com uma camada adensada, entre
pos de solo ficam designados pelas seguintes abreviatu-        40 a 120 cm de profundidade. É depositária das larvas
ras: A = terra agrícola | A - P = solo agrícola deixado para   do berne (SP). Venenosa para o gado. Regride mediante
formação de pasto | P= pasto | C = cerrado.                    adubação potássica e emprego de plantas subsoladoras.

1. Amendoim-bravo (Euphorbia heterophylla) - A -               9. Buriti (Mauritia vinifera) - C - Típica de cerrado e lavrado
“Leiteira”que invade campos de soja; indica solos onde         (NE). Indica sempre presença de água. Os frutos muídos
há desequilíbrio do nitrogênio com micronutrientes e, em       servem de ração.
especial, com molibdênio e cobre.
                                                               10. Capim-amargoso ou capim-açu (Digitaria insularia ou
2. Ariri (Cocos vagans) - P - Aparece em solos muito quei-     Trichachne insulares) A - P - Surge em lavouras abando-
mados, imprestáveis.                                           nadas e em pastagens, nas manchas úmidas, onde a água
                                                               estagna após a chuva. Nunca indica solos com boa pro-
3. Assa-peixe (Veronica spp.) - P - Indica solos de cerrado    dutividade.
secos e com lajes.
                                                               11. Capim-amoroso ou capim-carrapicho (Cenchrus echi-
4. Babaçu (Orbignya martiana) - C - Palmeira indicadora        natus) - A - P - Indica campos agrícolas muito decaídos,
da transição da mata para o cerrado. Mais babaçu, maior        erodidos e adensados. Surge também em pastagens onde
tendências para cerrado.                                       o pisoteio foi intenso em época adversa. Afofado o solo,
                                                               desaparece.
5. Bacuri (Plantonia insignis) - C - Palmeira do cerrado.
Indica que ali há um solo fértil, tanto física como quimica-   12. Capim-arroz ou capim capivara (Echinocloa crusgalli)
mente.                                                         - A - Frequente em campos de arroz irrigados. Indica a for-
                                                               mação de um “horizonte de redução”(rico em substâncias
6. Barba-de-bode (Arristida pallens) - P - Capim típico de     tóxicas) logo abaixo da superfície do solo. Eliminando-se
paisagem do fogo. Indica pobreza de fósforo, de cálcio e       o “horizonte de redução” - por drenagem _ palha de arroz
Edição nº 24 | Setembro de 2012 | Ano 4
                                                                                                               04
infestado + adubação fosfocálcica - o capim-arroz não        to secos. Dependem da pobreza do solo em molibdênio.
mais germina.                                                Remédio para males do estômago, do intestino, do fígado
                                                             (variedade de folhas estreitas).
13. Cabelo-de-porco (Carex ssp.) - A - P - Aparece em
solos muito compactados e anaeróbicos, com um nível          21. Chirca (Rupatorium spp.) P - Indica boas condições
de cálcio irrisório. Altamente beneficiado pelas queima-     para o gado e só aparece em solos ricos em molibdênio e
das. Some com adubação e calagem.                            nos quais haja o manejo rotativo das pastagens.

14. Capim-caninha ou capim-colorado (Andropogon in-          22. Cravo-branco ou erva-fedorenta (Tagetes erecta e T.
canis) - P - Surge em solos temporariamente encharca-        minuta) - A - Assentam-se, em grande quantidade, nos
dos e periodicamente queimados (RS). Indica deficiência      solos infestados por nematóides. Com estrutura de solo
aguda de fósforo. Adubado com fosfato, torna-se forra-       deficiente, alcançam mais de 2 m, formando talos de até
geira boa. Em pastejo rotativo, tende a desaparecer.         1 polegada, o que prjudica a colheita mecanizada. Quei-
                                                             madas podem procurar também as pastagens.
15. Capim-favorito, capim-gafanhoto ou capim-natal
(Rhynchelytrum roseum) - indicação de solos muito secos, 23. Dente-de-leão (Taraxum officilis) - P - Surge em pasta-
decaídos e onde o adubo quase não faz efeito. O capim- gens (S), indicando a presença de boro no solo. O gado o
-gafanhoto pode ser erradicado com a adição ao solo de aprecia como aperitivo. As folhas novas são comestíveis
matéria orgânica e fosfato                                                                   para o homem. É medici-
cálcico. A princípio, viceja       “(...) ‘Plantas invasoras’ não                            nal para o fígado, contra
mais, depois some.                                                                           o reumatismo, nevragias,

16. Capim-marmelada ou
                               surgem acidentalmente, mas em diabetes.
capim-parapuã (Brachia- circunstância bem definidas, como 24. Fazendeiro ou picão-
ria plantaginea) - A - Sur-                                                                  -branco (Galinsoaga par-
ge só em terra arada ou           indicadoras de determinadas                                viflora) - A - Surge em
gradeada. Boa forrageira.                                                                    solos com excesso de
Indica solos em decadên-              carências ou excessos de                               nitrogênio, mas deficien-
cia. Quanto pior o solo                                                                      tes em micronutrientes.
para cultura, melhor para                  elementos do solo”.                               Aparentemente, é benefi-
a marmelada. É prejudica-                                                                    ciado pela deficiência de
do por produtos de sua própria decomposição (um com- cobre. Tóxico, não deve ser arrancado com a mão.
posto de capim-marmelada faz com que este desapareça).
Sofre hostilidade do centeio, da aveia-preta e da ervilhaça. 25. Grama-batatais, forquilha, mato-grosso e, em estado
                                                             melhorado, pensacola (Paspalum notatum var.) - Em so-
17. Capim-rabo-de-burro (Andropogon bicornis e outros) los argilosos, cresce rápido, dando folhas glabras (lisas).
- A - P - Invasor de terras abandonadas e pastos. Indica Em solos arenosos, cresce pouco e tem folhas pilosas,
solos muito ácidos, com baixo teor de cálcio e uma ca- que prejudicam o gado. Sinal de decadência do solo
mada impermeável entre 60 e 120 cm de profundidade. pastoril (SP), especialmente em pastagens plantadas. De
Fraco como forrageira. Rompida a laje subterrânea - com todo modo, suporta pisoteamento intenso.
plantio de guandu, por exemplo - desaparece.
                                                             26. Grama-seda, do burro, paulista e, em estado melho-
18. Capim-rabo-de-raposa (Setaria geniculata) - P - A - rado, bermudagrass (Cynodon dactylon) - A - P - Indica
Indica solos pobres. Faz pouca massa verde e floresce solos muito compactados, muito pisoteados. Surge tanto
cedo. Em campos, após a cultura, pode ser exuberante, em lavouras como em pastagens. Melhorando o solo, vi-
constituido-se, durante a seca, em recurso forrageiro. Tí- ceja mais, tornam-se menos persistentes e acaba sumin-
pico de beiras de campos e estradas, onde a compacta- do. O solo onde aparece é bem mais rico do que aquele
ção é maior.                                                 onde cresce o amoroso, mas é menos compactado.

19. Caranguatá ou gravatá (Eryggium ciliatum) - P - Típica   27. Guanxuma, malva ou vassourinha (Sida spp.) - Inva-
de pastos com húmus ácido. Em pastejos permanentes,          de terrenos onde o subsolo é adensado ou, pela erosão,
no lugar em que o solo é fraco, surge em grande quanti-      o solo superficial for lavado. Indicadora de laje mais ou
dade. Com pastejo rotativo e calagem, desaparece.            menos grossa, que restringe o crescimento radicular em
                                                             geral, mas que a guaxuma consegue vencer. Em solo fér-
20. Carquejas (Baccharis spp.) - P - Preferem terrenos       til, guanxuma viçosa, em solo pobre, guanxuma pequena.
que, na estação das chuvas, estagnam água, do subsolo        Aparece por efeito de aração profunda demais, de piso-
até a superfície, mas que, na época de estiagem, são mui-    teio de gado ou de movimentação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eco Produtos de Bambu
Eco Produtos de BambuEco Produtos de Bambu
Eco Produtos de BambuEcodar
 
Reportagem final 02
Reportagem final 02Reportagem final 02
Reportagem final 02pmammonteiro
 
Cartilha dengue-04-05-10
Cartilha dengue-04-05-10Cartilha dengue-04-05-10
Cartilha dengue-04-05-10saudefieb
 
Agroecológico Fevereiro 2012
Agroecológico Fevereiro 2012Agroecológico Fevereiro 2012
Agroecológico Fevereiro 2012sintermg
 
Agroecológico Outubro 2012
Agroecológico Outubro 2012Agroecológico Outubro 2012
Agroecológico Outubro 2012sintermg
 

Mais procurados (6)

Eco Produtos de Bambu
Eco Produtos de BambuEco Produtos de Bambu
Eco Produtos de Bambu
 
Reportagem final 02
Reportagem final 02Reportagem final 02
Reportagem final 02
 
Cartilha dengue-04-05-10
Cartilha dengue-04-05-10Cartilha dengue-04-05-10
Cartilha dengue-04-05-10
 
Agroecológico Fevereiro 2012
Agroecológico Fevereiro 2012Agroecológico Fevereiro 2012
Agroecológico Fevereiro 2012
 
Planetaterra
PlanetaterraPlanetaterra
Planetaterra
 
Agroecológico Outubro 2012
Agroecológico Outubro 2012Agroecológico Outubro 2012
Agroecológico Outubro 2012
 

Destaque (13)

Meu Pomar
Meu PomarMeu Pomar
Meu Pomar
 
Perolas do humor fino.pps nil
Perolas do humor fino.pps nilPerolas do humor fino.pps nil
Perolas do humor fino.pps nil
 
3 licoes empresariais
3 licoes empresariais3 licoes empresariais
3 licoes empresariais
 
Fantástica cidade petra
Fantástica cidade   petraFantástica cidade   petra
Fantástica cidade petra
 
POMAR AGROECOLÓGICO
POMAR AGROECOLÓGICOPOMAR AGROECOLÓGICO
POMAR AGROECOLÓGICO
 
Como você dorme
Como você dormeComo você dorme
Como você dorme
 
Horta mandala
Horta mandalaHorta mandala
Horta mandala
 
A casa do amor
A casa do amorA casa do amor
A casa do amor
 
Treinamento Negociação e Vendas
Treinamento Negociação e VendasTreinamento Negociação e Vendas
Treinamento Negociação e Vendas
 
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno PorteComo Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
 
Como fazer uma horta
Como fazer uma hortaComo fazer uma horta
Como fazer uma horta
 
A Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr LoboA Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr Lobo
 
Catálogo de Hortaliças
Catálogo de HortaliçasCatálogo de Hortaliças
Catálogo de Hortaliças
 

Mais de sintermg

Informe Comissão Eleitoral
Informe Comissão EleitoralInforme Comissão Eleitoral
Informe Comissão Eleitoralsintermg
 
Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012sintermg
 
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregoReunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregosintermg
 
Término das negociações
Término das negociaçõesTérmino das negociações
Término das negociaçõessintermg
 
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajusteSinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajustesintermg
 
Observações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialObservações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialsintermg
 
Eleições
EleiçõesEleições
Eleiçõessintermg
 
Plano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntárioPlano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntáriosintermg
 
Revisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceresRevisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceressintermg
 
Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001sintermg
 
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemDiárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemsintermg
 
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...sintermg
 
Ceres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentosCeres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentossintermg
 
Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013sintermg
 
Conheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalConheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalsintermg
 
Boletim Governador Valadares
Boletim Governador ValadaresBoletim Governador Valadares
Boletim Governador Valadaressintermg
 
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatoJá que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatosintermg
 
Boletim Caxambu
Boletim CaxambuBoletim Caxambu
Boletim Caxambusintermg
 
Boletim Abaeté
Boletim AbaetéBoletim Abaeté
Boletim Abaetésintermg
 

Mais de sintermg (20)

Informe Comissão Eleitoral
Informe Comissão EleitoralInforme Comissão Eleitoral
Informe Comissão Eleitoral
 
Estatuto
EstatutoEstatuto
Estatuto
 
Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012
 
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregoReunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
 
Término das negociações
Término das negociaçõesTérmino das negociações
Término das negociações
 
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajusteSinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
 
Observações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialObservações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarial
 
Eleições
EleiçõesEleições
Eleições
 
Plano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntárioPlano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntário
 
Revisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceresRevisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceres
 
Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001
 
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemDiárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
 
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
 
Ceres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentosCeres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentos
 
Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013
 
Conheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalConheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindical
 
Boletim Governador Valadares
Boletim Governador ValadaresBoletim Governador Valadares
Boletim Governador Valadares
 
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatoJá que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
 
Boletim Caxambu
Boletim CaxambuBoletim Caxambu
Boletim Caxambu
 
Boletim Abaeté
Boletim AbaetéBoletim Abaeté
Boletim Abaeté
 

Último

Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 

Último (20)

Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 

Agroecológico Setembro 2012

  • 1. Informativo Técnico do Sindicato dos Trabalhadores em Assistência Técnica e Extensão Ruraldo Estado de Minas Gerais Ano 4 | Edição nº 24 | Setembro de 2012 www.sinter-mg.org.br Azedinha ou Oxalis pes-caprae Fotografia da internet DESTAQUE Plantas invasoras: conheça algumas delas e saiba tudo o que elas podem indicar. págs. 03 e 04 OUTRAS NOTÍCIAS 02 Bio Dicas: Saiba produzir inseticidas caseiros e quais os seus usos
  • 2. Edição nº 24 | Setembro de 2012 | Ano 4 02 Editorial Bio Dicas Inseticidas Caseiros: A natureza é sábia e constantemente nos indica o “caminho” que devemos tomar. O olhar observador, atento ao ambiente, Nome Material Como fazer Como usar Observações é necessário. Esta metodologia poderá Quebrarão • ¼L de água Corte o sabão em fatias Pulgão: Dissolver a pasta A pasta pode ser nos mostrar como está a área a ser traba- • ¼L de quero- bem finas e coloque para em 7L de água e colocar usada até 3 dias lhada. Chamar uma planta de “invasora” sene ferver junto com a água, no pulverizador. Aplicar após a fabrica- é denegrir a importância de uma planta • 100g de sa- mexendo sempre até na horta e pomar. ção, pois come- que está ali indicando uma deficiência. O bão em pedra total dissolução. Retire ça a degradar-se correto, talvez, seria chamar esta planta • 1 vasilha de do fogo e acrescente o Cochonilha: Dissolver a (Querosene de “indicadora”, seria o mais sensato. O 2L querosene lentamente, pasta em 5L de água e separa da que você acha? sempre mexendo, até vi- colocar no pulverizador. água). rar uma pasta. Aplicar na horta e pomar. Constantemente, no dia a dia da ex- Fumacol • 10 a 15cm Pique o fumo em peda- Pragas de hortas em O sabão só é tensão rural, somos solicitados sobre de fumo cinhos e junte-o com a geral: Dissolva o sabão misturado na informações de como “tratar” algumas em corda água e o álcool numa em 10L de água e jun- hora do uso. “pragas” e o uso de inseticidas neste • ½L de álcool vasilha. Feche bem a te à mistura já curtida combate, principalmente em hortas e po- • ½L de água vasilha e deixe curtir por de fumo e álcool. Pode mares domésticos. O uso de inseticidas • 100g de sa- aproximadamente 15 regar as plantas com caseiros, em muitos casos, irá resolver o bão em pedra dias. pulverizador ou regador. “problema”. Por isso estamos disponibili- • Vasilha zando receitas já conhecidas por muitos, com tampa mas é sempre bom recordarmos. Água e • 15 a 20cm Coloque o fumo em ½L Pulgões e Vaquinhas: ****** Lembre-se que estamos no período elei- Fumo de fumo de água por 24h. Após Misture 4 a 5 colheres de toral. Votar é expressar a sua vontade, é em corda este período, retire-o e sopa por litro de água e exercer a sua cidadania. O ato de não vo- • ½L de água guarde a solução no vi- aplicar com regador. tar e se eximir do futuro, pode afetar o seu • Vidro dro fechado. município, a sua comunidade, a sua famí- com tampa lia, a sua vida. Votar em branco ou nulo é Água e • Sabão Raspe o sabão até obter Conchonilha e Pulgão: O sabão pode uma decisão, mas será a mais correta? Sabão em pedra 1 colher de sopa que Colocar a solução no também ser Pense e decida pelos candidatos que re- • 5L de água será colocada em 5L regador e aplicar. fervido para dis- almente farão diferença positiva. Participe de água até total disso- solver e aplicado deste momento democrático que muitos lução. quando frio. lutaram para acontecer. VOTE! Isca • Saco de Molhe bem o saco de (Combate aniagem aniagem com água e um Antônio Domingues às lesmas) • Água pouco de leite. Diretor de Comunicação do Sinter-MG • Leite Manhuaçu | Célio Alexandre de O. Barros Juiz de Fora | Deyler Nelson Diretores de Base Maia Souto Viçosa | Luciano Saraiva Gonçalves de Souza Alfenas | Sávio Norte | Maria de Lourdes V. Leopoldo Centro | Afrânio Otávio Nogueira dos Reis Dutra Lavras | Júlio César Silva Pouso Alegre | Sérgio Bras Triângulo | Walter Lúcio de Brito Leste | Adilson Lopes Barros Zona Da Regina Mata | Margareth do Carmo C. Guimarães Sul | André Martins Ferreira Alto Paranaíba e Noroeste | Paulo César Thompson Conselho Fiscal Rua José de Alencar, 738 | Nova Suíça | Belo Horizonte/MG Ilka Alves Santana | Francisco Paiva de Rezende | Marlene da CEP 30480-500 | Telefax: 31 3334 3080 Representantes das Seções Sindicais Conceição A. Pereira | Noé de Oliveira Fernandes Filho | Reinaldo www.sinter-mg.org.br | conexao@sinter-mg.org.br Janaúba | Raimundo Mendes de Souza Júnior Januária | Renato Alves Bortone Lopes Montes Claros | Onias Guedes Batista Salinas | José dos Reis DIRETORIA COLEGIADA DO SINTER-MG Francisco da Rocha Barbacena | Tadeu César Gomes de Azevedo Belo Conexão sinter Diretor Geral | Carlos Augusto de Carvalho Diretor Secretário | Ronaldo Horizonte | Silmara Aparecida C. Campos Curvelo | Marcelino Teixeira Coordenação | Antônio Domingues Participação | Diretoria Sinter-MG | Vieira de Aquino Diretor de Administração e Finanças | Darci Roberti da Silva Divinópolis | Júlio César Maia Uberaba | Oeder Pedro Ferreira André Henriques Edição | Mauro Morais Diagramação | Somanyideas Diretor de Comunicação e Cultura | Antônio Domingues de Souza Uberlândia | Carlos Miguel Rodrigues Couto Patos De Minas | Dener Projeto Gráfico | Somanyideas Jornalista Responsável | Dante Xavier Diretor De Assuntos Jurídicos | Pascoal Pereira de Almeida Diretor de Henrique de Castro Unaí | Dalila Moreira da Cunha Almenara | MG-13.092 Circulação | Online Formação Política e Sindical | Lúcio Passos Ferreira Diretor de Assuntos Ronilson Martins Nascimento Capelinha | Vilivaldo Alves da Rocha de Agricultura Familiar e Reforma Agrária | Leni Alves de Souza Diretor Governador Valadares | Maurílio Andrade Dornelas Teófilo Otoni | Luiz Para sugestões, comentários e críticas sobre o Conexão Sinter-MG De Assuntos Dos Aposentados | Elizabete Soares de Andrade Mário Leite Júnior Cataguases | Janya Aparecida de Paula Costa conexao@sinter-mg.org.br
  • 3. Edição nº 24 | Setembro de 2012 | Ano 4 03 Plantas invasoras As chamadas “plantas invasoras” não surgem acidental- de potássio. Recém-brotado, o gado o aceita. Banindo-se mente, mas em circunstância bem definidas, como indi- o fogo, roçando-se e adubando, desaparece em um ano, cadoras de determinadas carências ou excessos de ele- dando lugar a outras ferrugens. mentos do solo. Assim, conhecendo-se as razões de seu aparecimento, fica-se mais fácil não apenas combatê-las, 7. Beldroega (Portulaca oleracea e outras) - Recurso de mas, principalmente, corrigir desequilíbrios do solo. pastagem na seca (NE). Nos campos agrícolas, invade os solos melhores. Não precisa ser combatida, pois não pre- Na relação que segue, estão as invasoras mais comuns, judica as lavouras e protege o solo. suas características e indicações que fornecem. Nessa re- lação, após o nome vulgar, vem o nome científico e o tipo 8. Berneira ou maria-mole (Senecio brasiliensis) - P - Indi- de solo onde é mais frequente o seu aparecimento. Os ti- ca solos (pastagens) com uma camada adensada, entre pos de solo ficam designados pelas seguintes abreviatu- 40 a 120 cm de profundidade. É depositária das larvas ras: A = terra agrícola | A - P = solo agrícola deixado para do berne (SP). Venenosa para o gado. Regride mediante formação de pasto | P= pasto | C = cerrado. adubação potássica e emprego de plantas subsoladoras. 1. Amendoim-bravo (Euphorbia heterophylla) - A - 9. Buriti (Mauritia vinifera) - C - Típica de cerrado e lavrado “Leiteira”que invade campos de soja; indica solos onde (NE). Indica sempre presença de água. Os frutos muídos há desequilíbrio do nitrogênio com micronutrientes e, em servem de ração. especial, com molibdênio e cobre. 10. Capim-amargoso ou capim-açu (Digitaria insularia ou 2. Ariri (Cocos vagans) - P - Aparece em solos muito quei- Trichachne insulares) A - P - Surge em lavouras abando- mados, imprestáveis. nadas e em pastagens, nas manchas úmidas, onde a água estagna após a chuva. Nunca indica solos com boa pro- 3. Assa-peixe (Veronica spp.) - P - Indica solos de cerrado dutividade. secos e com lajes. 11. Capim-amoroso ou capim-carrapicho (Cenchrus echi- 4. Babaçu (Orbignya martiana) - C - Palmeira indicadora natus) - A - P - Indica campos agrícolas muito decaídos, da transição da mata para o cerrado. Mais babaçu, maior erodidos e adensados. Surge também em pastagens onde tendências para cerrado. o pisoteio foi intenso em época adversa. Afofado o solo, desaparece. 5. Bacuri (Plantonia insignis) - C - Palmeira do cerrado. Indica que ali há um solo fértil, tanto física como quimica- 12. Capim-arroz ou capim capivara (Echinocloa crusgalli) mente. - A - Frequente em campos de arroz irrigados. Indica a for- mação de um “horizonte de redução”(rico em substâncias 6. Barba-de-bode (Arristida pallens) - P - Capim típico de tóxicas) logo abaixo da superfície do solo. Eliminando-se paisagem do fogo. Indica pobreza de fósforo, de cálcio e o “horizonte de redução” - por drenagem _ palha de arroz
  • 4. Edição nº 24 | Setembro de 2012 | Ano 4 04 infestado + adubação fosfocálcica - o capim-arroz não to secos. Dependem da pobreza do solo em molibdênio. mais germina. Remédio para males do estômago, do intestino, do fígado (variedade de folhas estreitas). 13. Cabelo-de-porco (Carex ssp.) - A - P - Aparece em solos muito compactados e anaeróbicos, com um nível 21. Chirca (Rupatorium spp.) P - Indica boas condições de cálcio irrisório. Altamente beneficiado pelas queima- para o gado e só aparece em solos ricos em molibdênio e das. Some com adubação e calagem. nos quais haja o manejo rotativo das pastagens. 14. Capim-caninha ou capim-colorado (Andropogon in- 22. Cravo-branco ou erva-fedorenta (Tagetes erecta e T. canis) - P - Surge em solos temporariamente encharca- minuta) - A - Assentam-se, em grande quantidade, nos dos e periodicamente queimados (RS). Indica deficiência solos infestados por nematóides. Com estrutura de solo aguda de fósforo. Adubado com fosfato, torna-se forra- deficiente, alcançam mais de 2 m, formando talos de até geira boa. Em pastejo rotativo, tende a desaparecer. 1 polegada, o que prjudica a colheita mecanizada. Quei- madas podem procurar também as pastagens. 15. Capim-favorito, capim-gafanhoto ou capim-natal (Rhynchelytrum roseum) - indicação de solos muito secos, 23. Dente-de-leão (Taraxum officilis) - P - Surge em pasta- decaídos e onde o adubo quase não faz efeito. O capim- gens (S), indicando a presença de boro no solo. O gado o -gafanhoto pode ser erradicado com a adição ao solo de aprecia como aperitivo. As folhas novas são comestíveis matéria orgânica e fosfato para o homem. É medici- cálcico. A princípio, viceja “(...) ‘Plantas invasoras’ não nal para o fígado, contra mais, depois some. o reumatismo, nevragias, 16. Capim-marmelada ou surgem acidentalmente, mas em diabetes. capim-parapuã (Brachia- circunstância bem definidas, como 24. Fazendeiro ou picão- ria plantaginea) - A - Sur- -branco (Galinsoaga par- ge só em terra arada ou indicadoras de determinadas viflora) - A - Surge em gradeada. Boa forrageira. solos com excesso de Indica solos em decadên- carências ou excessos de nitrogênio, mas deficien- cia. Quanto pior o solo tes em micronutrientes. para cultura, melhor para elementos do solo”. Aparentemente, é benefi- a marmelada. É prejudica- ciado pela deficiência de do por produtos de sua própria decomposição (um com- cobre. Tóxico, não deve ser arrancado com a mão. posto de capim-marmelada faz com que este desapareça). Sofre hostilidade do centeio, da aveia-preta e da ervilhaça. 25. Grama-batatais, forquilha, mato-grosso e, em estado melhorado, pensacola (Paspalum notatum var.) - Em so- 17. Capim-rabo-de-burro (Andropogon bicornis e outros) los argilosos, cresce rápido, dando folhas glabras (lisas). - A - P - Invasor de terras abandonadas e pastos. Indica Em solos arenosos, cresce pouco e tem folhas pilosas, solos muito ácidos, com baixo teor de cálcio e uma ca- que prejudicam o gado. Sinal de decadência do solo mada impermeável entre 60 e 120 cm de profundidade. pastoril (SP), especialmente em pastagens plantadas. De Fraco como forrageira. Rompida a laje subterrânea - com todo modo, suporta pisoteamento intenso. plantio de guandu, por exemplo - desaparece. 26. Grama-seda, do burro, paulista e, em estado melho- 18. Capim-rabo-de-raposa (Setaria geniculata) - P - A - rado, bermudagrass (Cynodon dactylon) - A - P - Indica Indica solos pobres. Faz pouca massa verde e floresce solos muito compactados, muito pisoteados. Surge tanto cedo. Em campos, após a cultura, pode ser exuberante, em lavouras como em pastagens. Melhorando o solo, vi- constituido-se, durante a seca, em recurso forrageiro. Tí- ceja mais, tornam-se menos persistentes e acaba sumin- pico de beiras de campos e estradas, onde a compacta- do. O solo onde aparece é bem mais rico do que aquele ção é maior. onde cresce o amoroso, mas é menos compactado. 19. Caranguatá ou gravatá (Eryggium ciliatum) - P - Típica 27. Guanxuma, malva ou vassourinha (Sida spp.) - Inva- de pastos com húmus ácido. Em pastejos permanentes, de terrenos onde o subsolo é adensado ou, pela erosão, no lugar em que o solo é fraco, surge em grande quanti- o solo superficial for lavado. Indicadora de laje mais ou dade. Com pastejo rotativo e calagem, desaparece. menos grossa, que restringe o crescimento radicular em geral, mas que a guaxuma consegue vencer. Em solo fér- 20. Carquejas (Baccharis spp.) - P - Preferem terrenos til, guanxuma viçosa, em solo pobre, guanxuma pequena. que, na estação das chuvas, estagnam água, do subsolo Aparece por efeito de aração profunda demais, de piso- até a superfície, mas que, na época de estiagem, são mui- teio de gado ou de movimentação.