Agroecológico Setembro 2012

213 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
213
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Agroecológico Setembro 2012

  1. 1. Informativo Técnico do Sindicato dos Trabalhadores em Assistência Técnica e Extensão Ruraldo Estado de Minas Gerais Ano 4 | Edição nº 24 | Setembro de 2012 www.sinter-mg.org.brAzedinha ou Oxalis pes-capraeFotografia da internet DESTAQUE Plantas invasoras: conheça algumas delas e saiba tudo o que elas podem indicar. págs. 03 e 04 OUTRAS NOTÍCIAS 02 Bio Dicas: Saiba produzir inseticidas caseiros e quais os seus usos
  2. 2. Edição nº 24 | Setembro de 2012 | Ano 4 02 Editorial Bio Dicas Inseticidas Caseiros: A natureza é sábia e constantemente nos indica o “caminho” que devemos tomar. O olhar observador, atento ao ambiente, Nome Material Como fazer Como usar Observações é necessário. Esta metodologia poderá Quebrarão • ¼L de água Corte o sabão em fatias Pulgão: Dissolver a pasta A pasta pode ser nos mostrar como está a área a ser traba- • ¼L de quero- bem finas e coloque para em 7L de água e colocar usada até 3 dias lhada. Chamar uma planta de “invasora” sene ferver junto com a água, no pulverizador. Aplicar após a fabrica- é denegrir a importância de uma planta • 100g de sa- mexendo sempre até na horta e pomar. ção, pois come- que está ali indicando uma deficiência. O bão em pedra total dissolução. Retire ça a degradar-se correto, talvez, seria chamar esta planta • 1 vasilha de do fogo e acrescente o Cochonilha: Dissolver a (Querosene de “indicadora”, seria o mais sensato. O 2L querosene lentamente, pasta em 5L de água e separa da que você acha? sempre mexendo, até vi- colocar no pulverizador. água). rar uma pasta. Aplicar na horta e pomar. Constantemente, no dia a dia da ex- Fumacol • 10 a 15cm Pique o fumo em peda- Pragas de hortas em O sabão só é tensão rural, somos solicitados sobre de fumo cinhos e junte-o com a geral: Dissolva o sabão misturado na informações de como “tratar” algumas em corda água e o álcool numa em 10L de água e jun- hora do uso. “pragas” e o uso de inseticidas neste • ½L de álcool vasilha. Feche bem a te à mistura já curtida combate, principalmente em hortas e po- • ½L de água vasilha e deixe curtir por de fumo e álcool. Pode mares domésticos. O uso de inseticidas • 100g de sa- aproximadamente 15 regar as plantas com caseiros, em muitos casos, irá resolver o bão em pedra dias. pulverizador ou regador. “problema”. Por isso estamos disponibili- • Vasilha zando receitas já conhecidas por muitos, com tampa mas é sempre bom recordarmos. Água e • 15 a 20cm Coloque o fumo em ½L Pulgões e Vaquinhas: ****** Lembre-se que estamos no período elei- Fumo de fumo de água por 24h. Após Misture 4 a 5 colheres de toral. Votar é expressar a sua vontade, é em corda este período, retire-o e sopa por litro de água e exercer a sua cidadania. O ato de não vo- • ½L de água guarde a solução no vi- aplicar com regador. tar e se eximir do futuro, pode afetar o seu • Vidro dro fechado. município, a sua comunidade, a sua famí- com tampa lia, a sua vida. Votar em branco ou nulo é Água e • Sabão Raspe o sabão até obter Conchonilha e Pulgão: O sabão pode uma decisão, mas será a mais correta? Sabão em pedra 1 colher de sopa que Colocar a solução no também ser Pense e decida pelos candidatos que re- • 5L de água será colocada em 5L regador e aplicar. fervido para dis- almente farão diferença positiva. Participe de água até total disso- solver e aplicado deste momento democrático que muitos lução. quando frio. lutaram para acontecer. VOTE! Isca • Saco de Molhe bem o saco de (Combate aniagem aniagem com água e um Antônio Domingues às lesmas) • Água pouco de leite. Diretor de Comunicação do Sinter-MG • Leite Manhuaçu | Célio Alexandre de O. Barros Juiz de Fora | Deyler Nelson Diretores de Base Maia Souto Viçosa | Luciano Saraiva Gonçalves de Souza Alfenas | Sávio Norte | Maria de Lourdes V. Leopoldo Centro | Afrânio Otávio Nogueira dos Reis Dutra Lavras | Júlio César Silva Pouso Alegre | Sérgio Bras Triângulo | Walter Lúcio de Brito Leste | Adilson Lopes Barros Zona Da Regina Mata | Margareth do Carmo C. Guimarães Sul | André Martins Ferreira Alto Paranaíba e Noroeste | Paulo César Thompson Conselho FiscalRua José de Alencar, 738 | Nova Suíça | Belo Horizonte/MG Ilka Alves Santana | Francisco Paiva de Rezende | Marlene daCEP 30480-500 | Telefax: 31 3334 3080 Representantes das Seções Sindicais Conceição A. Pereira | Noé de Oliveira Fernandes Filho | Reinaldowww.sinter-mg.org.br | conexao@sinter-mg.org.br Janaúba | Raimundo Mendes de Souza Júnior Januária | Renato Alves Bortone Lopes Montes Claros | Onias Guedes Batista Salinas | José dos ReisDIRETORIA COLEGIADA DO SINTER-MG Francisco da Rocha Barbacena | Tadeu César Gomes de Azevedo Belo Conexão sinterDiretor Geral | Carlos Augusto de Carvalho Diretor Secretário | Ronaldo Horizonte | Silmara Aparecida C. Campos Curvelo | Marcelino Teixeira Coordenação | Antônio Domingues Participação | Diretoria Sinter-MG |Vieira de Aquino Diretor de Administração e Finanças | Darci Roberti da Silva Divinópolis | Júlio César Maia Uberaba | Oeder Pedro Ferreira André Henriques Edição | Mauro Morais Diagramação | SomanyideasDiretor de Comunicação e Cultura | Antônio Domingues de Souza Uberlândia | Carlos Miguel Rodrigues Couto Patos De Minas | Dener Projeto Gráfico | Somanyideas Jornalista Responsável | Dante XavierDiretor De Assuntos Jurídicos | Pascoal Pereira de Almeida Diretor de Henrique de Castro Unaí | Dalila Moreira da Cunha Almenara | MG-13.092 Circulação | OnlineFormação Política e Sindical | Lúcio Passos Ferreira Diretor de Assuntos Ronilson Martins Nascimento Capelinha | Vilivaldo Alves da Rochade Agricultura Familiar e Reforma Agrária | Leni Alves de Souza Diretor Governador Valadares | Maurílio Andrade Dornelas Teófilo Otoni | Luiz Para sugestões, comentários e críticas sobre o Conexão Sinter-MGDe Assuntos Dos Aposentados | Elizabete Soares de Andrade Mário Leite Júnior Cataguases | Janya Aparecida de Paula Costa conexao@sinter-mg.org.br
  3. 3. Edição nº 24 | Setembro de 2012 | Ano 4 03Plantas invasorasAs chamadas “plantas invasoras” não surgem acidental- de potássio. Recém-brotado, o gado o aceita. Banindo-semente, mas em circunstância bem definidas, como indi- o fogo, roçando-se e adubando, desaparece em um ano,cadoras de determinadas carências ou excessos de ele- dando lugar a outras ferrugens.mentos do solo. Assim, conhecendo-se as razões de seuaparecimento, fica-se mais fácil não apenas combatê-las, 7. Beldroega (Portulaca oleracea e outras) - Recurso demas, principalmente, corrigir desequilíbrios do solo. pastagem na seca (NE). Nos campos agrícolas, invade os solos melhores. Não precisa ser combatida, pois não pre-Na relação que segue, estão as invasoras mais comuns, judica as lavouras e protege o solo.suas características e indicações que fornecem. Nessa re-lação, após o nome vulgar, vem o nome científico e o tipo 8. Berneira ou maria-mole (Senecio brasiliensis) - P - Indi-de solo onde é mais frequente o seu aparecimento. Os ti- ca solos (pastagens) com uma camada adensada, entrepos de solo ficam designados pelas seguintes abreviatu- 40 a 120 cm de profundidade. É depositária das larvasras: A = terra agrícola | A - P = solo agrícola deixado para do berne (SP). Venenosa para o gado. Regride medianteformação de pasto | P= pasto | C = cerrado. adubação potássica e emprego de plantas subsoladoras.1. Amendoim-bravo (Euphorbia heterophylla) - A - 9. Buriti (Mauritia vinifera) - C - Típica de cerrado e lavrado“Leiteira”que invade campos de soja; indica solos onde (NE). Indica sempre presença de água. Os frutos muídoshá desequilíbrio do nitrogênio com micronutrientes e, em servem de ração.especial, com molibdênio e cobre. 10. Capim-amargoso ou capim-açu (Digitaria insularia ou2. Ariri (Cocos vagans) - P - Aparece em solos muito quei- Trichachne insulares) A - P - Surge em lavouras abando-mados, imprestáveis. nadas e em pastagens, nas manchas úmidas, onde a água estagna após a chuva. Nunca indica solos com boa pro-3. Assa-peixe (Veronica spp.) - P - Indica solos de cerrado dutividade.secos e com lajes. 11. Capim-amoroso ou capim-carrapicho (Cenchrus echi-4. Babaçu (Orbignya martiana) - C - Palmeira indicadora natus) - A - P - Indica campos agrícolas muito decaídos,da transição da mata para o cerrado. Mais babaçu, maior erodidos e adensados. Surge também em pastagens ondetendências para cerrado. o pisoteio foi intenso em época adversa. Afofado o solo, desaparece.5. Bacuri (Plantonia insignis) - C - Palmeira do cerrado.Indica que ali há um solo fértil, tanto física como quimica- 12. Capim-arroz ou capim capivara (Echinocloa crusgalli)mente. - A - Frequente em campos de arroz irrigados. Indica a for- mação de um “horizonte de redução”(rico em substâncias6. Barba-de-bode (Arristida pallens) - P - Capim típico de tóxicas) logo abaixo da superfície do solo. Eliminando-sepaisagem do fogo. Indica pobreza de fósforo, de cálcio e o “horizonte de redução” - por drenagem _ palha de arroz
  4. 4. Edição nº 24 | Setembro de 2012 | Ano 4 04infestado + adubação fosfocálcica - o capim-arroz não to secos. Dependem da pobreza do solo em molibdênio.mais germina. Remédio para males do estômago, do intestino, do fígado (variedade de folhas estreitas).13. Cabelo-de-porco (Carex ssp.) - A - P - Aparece emsolos muito compactados e anaeróbicos, com um nível 21. Chirca (Rupatorium spp.) P - Indica boas condiçõesde cálcio irrisório. Altamente beneficiado pelas queima- para o gado e só aparece em solos ricos em molibdênio edas. Some com adubação e calagem. nos quais haja o manejo rotativo das pastagens.14. Capim-caninha ou capim-colorado (Andropogon in- 22. Cravo-branco ou erva-fedorenta (Tagetes erecta e T.canis) - P - Surge em solos temporariamente encharca- minuta) - A - Assentam-se, em grande quantidade, nosdos e periodicamente queimados (RS). Indica deficiência solos infestados por nematóides. Com estrutura de soloaguda de fósforo. Adubado com fosfato, torna-se forra- deficiente, alcançam mais de 2 m, formando talos de atégeira boa. Em pastejo rotativo, tende a desaparecer. 1 polegada, o que prjudica a colheita mecanizada. Quei- madas podem procurar também as pastagens.15. Capim-favorito, capim-gafanhoto ou capim-natal(Rhynchelytrum roseum) - indicação de solos muito secos, 23. Dente-de-leão (Taraxum officilis) - P - Surge em pasta-decaídos e onde o adubo quase não faz efeito. O capim- gens (S), indicando a presença de boro no solo. O gado o-gafanhoto pode ser erradicado com a adição ao solo de aprecia como aperitivo. As folhas novas são comestíveismatéria orgânica e fosfato para o homem. É medici-cálcico. A princípio, viceja “(...) ‘Plantas invasoras’ não nal para o fígado, contramais, depois some. o reumatismo, nevragias,16. Capim-marmelada ou surgem acidentalmente, mas em diabetes.capim-parapuã (Brachia- circunstância bem definidas, como 24. Fazendeiro ou picão-ria plantaginea) - A - Sur- -branco (Galinsoaga par-ge só em terra arada ou indicadoras de determinadas viflora) - A - Surge emgradeada. Boa forrageira. solos com excesso deIndica solos em decadên- carências ou excessos de nitrogênio, mas deficien-cia. Quanto pior o solo tes em micronutrientes.para cultura, melhor para elementos do solo”. Aparentemente, é benefi-a marmelada. É prejudica- ciado pela deficiência dedo por produtos de sua própria decomposição (um com- cobre. Tóxico, não deve ser arrancado com a mão.posto de capim-marmelada faz com que este desapareça).Sofre hostilidade do centeio, da aveia-preta e da ervilhaça. 25. Grama-batatais, forquilha, mato-grosso e, em estado melhorado, pensacola (Paspalum notatum var.) - Em so-17. Capim-rabo-de-burro (Andropogon bicornis e outros) los argilosos, cresce rápido, dando folhas glabras (lisas).- A - P - Invasor de terras abandonadas e pastos. Indica Em solos arenosos, cresce pouco e tem folhas pilosas,solos muito ácidos, com baixo teor de cálcio e uma ca- que prejudicam o gado. Sinal de decadência do solomada impermeável entre 60 e 120 cm de profundidade. pastoril (SP), especialmente em pastagens plantadas. DeFraco como forrageira. Rompida a laje subterrânea - com todo modo, suporta pisoteamento intenso.plantio de guandu, por exemplo - desaparece. 26. Grama-seda, do burro, paulista e, em estado melho-18. Capim-rabo-de-raposa (Setaria geniculata) - P - A - rado, bermudagrass (Cynodon dactylon) - A - P - IndicaIndica solos pobres. Faz pouca massa verde e floresce solos muito compactados, muito pisoteados. Surge tantocedo. Em campos, após a cultura, pode ser exuberante, em lavouras como em pastagens. Melhorando o solo, vi-constituido-se, durante a seca, em recurso forrageiro. Tí- ceja mais, tornam-se menos persistentes e acaba sumin-pico de beiras de campos e estradas, onde a compacta- do. O solo onde aparece é bem mais rico do que aqueleção é maior. onde cresce o amoroso, mas é menos compactado.19. Caranguatá ou gravatá (Eryggium ciliatum) - P - Típica 27. Guanxuma, malva ou vassourinha (Sida spp.) - Inva-de pastos com húmus ácido. Em pastejos permanentes, de terrenos onde o subsolo é adensado ou, pela erosão,no lugar em que o solo é fraco, surge em grande quanti- o solo superficial for lavado. Indicadora de laje mais oudade. Com pastejo rotativo e calagem, desaparece. menos grossa, que restringe o crescimento radicular em geral, mas que a guaxuma consegue vencer. Em solo fér-20. Carquejas (Baccharis spp.) - P - Preferem terrenos til, guanxuma viçosa, em solo pobre, guanxuma pequena.que, na estação das chuvas, estagnam água, do subsolo Aparece por efeito de aração profunda demais, de piso-até a superfície, mas que, na época de estiagem, são mui- teio de gado ou de movimentação.

×