SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
Informativo Técnico do Sindicato dos
                                                         Trabalhadores em Assistência Técnica e
                                                         Extensão Rural do Estado de Minas Gerais




                                                            Ano 4 | Edição nº 26 | Novembro de 2012

     www.sinter-mg.org.br




Cyperus rotundus
Fotografia da internet




                                           DESTAQUE



       Plantas Invasoras: continuação da edição de outubro
       de 2012 do Agroecológico do Sinter-MG.
                                                                                    págs. 03 e 04



                                       OUTRAS NOTÍCIAS




        02           Bio Dicas: Conheça um pouco mais sobre a Erva-de-São-João
Edição nº 26 | Novembro de 2012 | Ano 4
                                                                                                                                                                                                      02

  Editorial                                                                        Bio Dicas
                                                                                   Nome popular: Erva-de-são-joão, Mentrasto.
   A mãe natureza, na maioria das vezes, é                                         Família: Compositae (Asteraceae)
   mal compreendida, pois além de sábia                                            Origem: América tropical.
   é generosa e constantemente mostra                                              Parte usada: Toda a parte aérea.
   sinais indicando o “caminho” que deve-                                          Propriedades: Analgésica, anti-inflamatória, anti-reumática, aromática,
   mos seguir e informando os erros que                                            cicatrizante, diurética, vasodilatadora, febrífuga, carminativa e tônica.
   estamos cometendo. Ser observador e
   atento ao ambiente é necessário para                                            Características: Erva anual, aromática, com até 1m de altura. Comum
   poder aceitar as informações que a mãe                                          nas áreas úmidas do nordeste brasileiro, principalmente nas serras. É cos-
   natureza nos transmite. Esta “conversa”,                                        mopolita tropical, considerada invasora de culturas e áreas não cultivadas.
   quando aceita, pode nos mostrar como
   está a área a qual queremos trabalhar ou                                        Usos: Estudos etnofarmacológicos atribuem propriedades hemostáticas
   foi trabalhada. Chamar uma planta de “in-                                       (estanca sangue) e cicatrizantes a ela. Nos ensaios farmacológicos com
   vasora” é denegrir a importância de uma                                         órgãos isolados, seus extratos inibiram contrações intestinais e exerceram
   planta que está ali indicando uma defici-                                       um efeito depressor cardíaco, bem como leve inibição de tumores do tipo
   ência, um manejo incorreto. Como filhos,                                        Walker 256, ao nível de 43%. Experimentos clínicos ainda comprovaram
   muitas das vezes, não obedecemos as                                             sua atividade analgésica em dores crônicas de pacientes acometidos por
   orientações de nossas mães e tomamos                                            artrose, efeitos com alguns dias de uso acompanhado de antiinflamatório.
   decisões erradas, que nos prejudicam.                                           Apesar dos resultados pré-clínicos e clínicos favoráveis ao uso da planta,
   Será que já não passou do momento em                                            seus princípios ativos medicinais ainda não estão quimicamente determi-
   começarmos a tentar entender o que a                                            nados. Sua administração, preparação analgésica e antiinflamatória, como
   mãe natureza nos ensina?                                                        anti-reumática e para alívio das cólicas menstruais, pode ser feita com as fo-
                                                                                   lhas, com a parte aérea da planta ou triturada depois de seca e estabilizada.
   Quem não conhece a erva-de-São João
   ou já ouviu falar sobre os seus benefícios                                      Forma de uso: Emprega-se o cozimento (decocto) feito com 30 a 40g
   e utilização no meio rural? Você sabia                                          da planta fresca em 0,5L de água ou 15 a 20g da planta seca, tomada em
   que ela tem as suas origens na Europa,                                          3 doses diárias, de uma xícara de chá por vez. Pode-se usar também o pó
   em alguns países asiáticos e africanos e                                        das folhas na dose de uma colher de café, 3 vezes ao dia, misturado com
   na zona oeste dos Estados Unidos.? O                                            mel, leite, ou água. Externamente, pode-se usar o extrato alcoólico a 20%
   seu nome, erva-de-São João, vem do fato                                         ou unguento de uso local, em compressas e fricções, nos casos de dores
   da sua plena floração ser em junho, perto                                       articulares de origem reumática ou consequente a traumatismos.
   da data da comemoração do nascimento
   de São João Baptista (24/06).                                                   Atenção: Considerando a ação tóxica ao fígado dos alcalóides, é reco-
                                                                                   mendável que sejam usados para fins medicinais, somente as plantas que
   PCSC e PDV JÁ!!!                                                                estejam em estado vegetativo, ou seja, sem flores.

   Antônio Domingues                                                               Fonte: Lorenzi, H. et al. 2002. Plantas Medicinais no Brasil.
   Diretor de Comunicação do Sinter-MG                                             Vieira, L. S. 1992. Fitoterapia da Amazônia.


                                                                                                                                                    Manhuaçu | Célio Alexandre de O. Barros Juiz de Fora | Deyler Nelson
                                                                           Diretores de Base                                                        Maia Souto Viçosa | Luciano Saraiva Gonçalves de Souza Alfenas | Sávio
                                                                           Norte | Maria de Lourdes V. Leopoldo Centro | Afrânio Otávio Nogueira    dos Reis Dutra Lavras | Júlio César Silva Pouso Alegre | Sérgio Bras
                                                                           Triângulo | Walter Lúcio de Brito Leste | Adilson Lopes Barros Zona Da   Regina
                                                                           Mata | Margareth do Carmo C. Guimarães Sul | André Martins Ferreira
                                                                           Alto Paranaíba e Noroeste | Paulo César Thompson                         Conselho Fiscal
Rua José de Alencar, 738 | Nova Suíça | Belo Horizonte/MG
                                                                                                                                                    Ilka Alves Santana | Francisco Paiva de Rezende | Marlene da
CEP 30480-500 | Telefax: 31 3334 3080
                                                                           Representantes das Seções Sindicais                                      Conceição A. Pereira | Noé de Oliveira Fernandes Filho | Reinaldo
www.sinter-mg.org.br | conexao@sinter-mg.org.br
                                                                           Janaúba | Raimundo Mendes de Souza Júnior Januária | Renato Alves        Bortone
                                                                           Lopes Montes Claros | Onias Guedes Batista Salinas | José dos Reis
DIRETORIA COLEGIADA DO SINTER-MG                                           Francisco da Rocha Barbacena | Tadeu César Gomes de Azevedo Belo         Conexão sinter
Diretor Geral | Carlos Augusto de Carvalho Diretor Secretário | Ronaldo    Horizonte | Silmara Aparecida C. Campos Curvelo | Marcelino Teixeira     Coordenação | Antônio Domingues Participação | Diretoria Sinter-MG |
Vieira de Aquino Diretor de Administração e Finanças | Darci Roberti       da Silva Divinópolis | Júlio César Maia Uberaba | Oeder Pedro Ferreira   André Henriques Edição | Mauro Morais Diagramação | Somanyideas
Diretor de Comunicação e Cultura | Antônio Domingues de Souza              Uberlândia | Carlos Miguel Rodrigues Couto Patos De Minas | Dener        Projeto Gráfico | Somanyideas Jornalista Responsável | Dante Xavier
Diretor De Assuntos Jurídicos | Pascoal Pereira de Almeida Diretor de      Henrique de Castro Unaí | Dalila Moreira da Cunha Almenara |             MG-13.092 Circulação | Online
Formação Política e Sindical | Lúcio Passos Ferreira Diretor de Assuntos   Ronilson Martins Nascimento Capelinha | Vilivaldo Alves da Rocha
de Agricultura Familiar e Reforma Agrária | Leni Alves de Souza Diretor    Governador Valadares | Maurílio Andrade Dornelas Teófilo Otoni | Luiz    Para sugestões, comentários e críticas sobre o Conexão Sinter-MG
De Assuntos Dos Aposentados | Elizabete Soares de Andrade                  Mário Leite Júnior Cataguases | Janya Aparecida de Paula Costa           conexao@sinter-mg.org.br
Edição nº 26 | Novembro de 2012 | Ano 4
                                                                                                           03

Conheça mais plantas invasoras




As chamadas "plantas invasoras" não surgem acidental-       co do solo e é tomado como planta sanadora de solos
mente, mas em circunstância bem definidas, como indi-       decaídos. Não prejudica a cultura; às vezes, porém, difi-
cadoras de determinadas carências ou de determinados        culta a colheita, pois suas sementes voadoras são leves
excessos de elementos do solo. Assim, conhecendo-se         e, espalhadas pelo vento, podem, por exemplo, infestar
as razões de seu aparecimento, fica-se mais armado          o algodão. Medicinal (bálsamo do fígado).
não apenas para combatê-las, mas, principalmente, para
corrigir os desequilíbrios do solo.                         3. MIO-MIO

Na relação que se segue, estão algumas invasoras mais       (Bacharis coridifolia) - P - Tem um agente tóxico mor-
comuns, suas características e as indicações que elas       tal para o gado. Indica, sobretudo, deficiência de mo-
fornecem. Nessa relação, após o nome vulgar, vem o          libdênio no solo. Em campos muito infestados, o mio-
nome científico e o tipo de solo onde é mais freqüente      -mio, quando queimado, desaparece, pois suas cinzas
o seu aparecimento. Os tipos de solo ficam designados       contêm tanto molibdênio que lhe tiram a possibilidade
pelas seguintes abreviaturas: A = terra agrícola; A - P =   de crescer. Em campos pouco infestados, a queimada
solo agrícola deixado para formação de pasto; P= pas-       serve para aumentá-lo, já que, pela combustão, o moli-
to; C = cerrado.                                            bdênio se torna ainda mais inaproveitável para as forra-
                                                            geiras. Roçando-se o mio-mio com roçadeira de ferro ou
1. LEGUMINOSAS EM GERAL                                     faca sem fio, aumenta a infestação.

(Papilonaceae, Cassia, Mimosoideae)Indicam, no solo,        4. NABISCO
presença de fósforo, que elas aumentam. Faltando po-
tássio no solo, são dominadas por capins. Faltando cál-     Ou nabo-bravo (Rapahus raphanistrum) - A - Invasora
cio, são atacadas pelas cochonilhas, como guandu, e         temida no trigo. Pode aparecer em grande quantidade
suas sementes são facilmente parasitadas por brocas.        em campos de monocultura ou na rotação trigo/soja.
Há leguminosas, como o tremoço, que enriquecem o            Suas sementes não acompanham as sementes do trigo,
solo em cálcio. Boas forrageiras, no mínimo até a for-      desde que estas sejam classificadas e rigorosamente
mação de sementes, que às vezes são tóxicas. Seu            limpas. Indicadora de carência de boro e, de manganês
aparecimento em maior escala indica melhoramento do         (muito consumidos pelas culturas). A inclusão da aveia
terreno.                                                    na rotação faz o nabisco-dormente nascer. Misturando-
                                                            -se, ao adubo convencional, 3 Kg/ha bórax e 5 Kg/ha
2. MESTRADO                                                 sulfato de manganês consegue-se controlar quase que
                                                            completamente o nabisco.
(Agerathum conzoides) - A - Indica o melhoramento físi-
Edição nº 26 | Novembro de 2012 | Ano 4
                                                                                                            04
5. PAPOULA                                                   tre 4,0 e 4,5. Invade pastos, bem como campos agríco-
                                                             las, especialmente o comem recém-brotado e quando
(Papava spp.) - A - Embora não muito comum no Brasil,        com muita fome. Os equinos o comem recém-brotado e
indica solos em que há excesso de cálcio. Plantando-se       quando com muita fome. Os equinos o comem sempre,
soja ou colza, desaparece.                                   mantendo aparente boa forma. Porém, quando as éguas
                                                             se alimentam de sapé, os potros delas nascem de tal
6. PINHÁ                                                     maneira desmineralizados que, geralmente aos 3 meses,
                                                             adquirem poliartrite e morrem. Assim, deve-se afastar as
(Jatropha curcas) - Surge em grande quantidade nas           prenhes do sapé. Uma calagem que aumente o pH até
pastagens do Nordeste (especialmente em Fernando             5,8 faz o sapé desaparecer.
de noronha). Indica solos adensados pelo uso do fogo e
pela exposição ao impacto das chuvas, solos que alter-       10. TABOCA (BAMBUSA TRINII)
nam erosão e enchentes com secas. Nesses solos, nem
árvores conseguem se manter em pé (o vento as derru-         Surge no cerrado, onde se usa fogo. Enriquece o solo
ba). Somente banindo o fogo e fornecendo muita maté-         com alumínio e gera um terreno muito bem granulado,
ria orgânica é que esses solos se recuperam e o pinhá        grumoso e permeável. Assim, os solos onde ocorre têm
desaparece. De todo modo, suas sementes são muito            fama de boa fertilidade após a calagem. Porém, onde
oleaginosas.                                                                                 vegetam taquaras, o
                                                                                             enriquecimento de alu-
7. SAMAMBAIA-DE-                As chamadas "plantas invasoras"                              mínio é tanto que, du-
-TAPERA
                             não surgem acidentalmente, mas em rante anos, as manchas        surgem como
                                                                                                               tabocas

(Pteridium aquilinum) -        circunstância bem definidas, como de vegetação raquíti-
C - P -A - Existe no cerra-                                                                  ca dentro das culturas.
do e invade roças novas,      indicadoras de determinadas carên- Uma calagem não elimi-
bem como pastagens.                                                                          na esse efeito; apenas
Indica sempre níveis           cias ou de determinados excessos aplicações de grandes
elevados de alumínio.                                                                        quantidades de matéria
Nem por isso esses so-                   de elementos do solo.                               orgânica, como as que
los são necessariamente                                                                      ocorrem quando se trilha
pobres. Com terra fértil,                                                                    o feijão no campo, dei-
cresce até alturas consideráveis; com solo pobre, fica xando, aqui e ali, a palha se decompor.
pequena e raquítica. Nunca deveria ser queimada; nes-
se caso, o alumínio retorna ao solo, perpetuando o ciclo 11. TIRIRICA OU CAPIM-DANDÁ
samambaia-fogo-samambaia. A calagem a faz desapare-
cer, mas cabe lembrar que, se a dose de calcário for pe- (Cyperus rotundus) - A - Invasora muito persistente em
quena, não surtirá efeito. Seus brotos, se ingerindos pelo culturas. Indica solos muito ácidos, adensados e tempo-
gado, produzem uma intoxicação cumulativa, que só se rariamente encharcados - ou anaeróbios pela perda de
manifesta semanas depois do gado deixar o campo. Si- macroporos. Viceja, em geral, também, nos solos em que
nais mais evidentes dessa intoxicação: anemia profunda há uma deficiência de magnésio. Tem hostilidade com o
e tendência à hemorragia (o gado sangra a cada picada feijão podem eliminá-la. A aversão da tiririca com a som-
que recebe). Sinais dessa intoxicação nos eqüinos, mais bra é tamanha que uma simples cobertura de jornal, apli-
sensíveis: olhos congestionados, cabeça caída, perda de cada ao solo, faz com que suas batatinhas subam à su-
equilíbrio; em casos graves, ocorre forte isterícia e morte. perfície, podendo então ser arrancadas com a mão. Em
                                                             contrapartida, é pouco sensível - e bastante resistente - à
8. SAPÉ-MACHO, MÃE-DE-SAPÉ OU ERVA-LANCETA                   maioria dos herbicidas. Como invasora, diminui sensivel-
                                                             mente a produção de cana-de-açúar.
(Solidago microglosis) - A - Indica solos muito ácidos,
com pH entre 4,5 e 5,2. Como possui estolões, infesta o Fonte: Site Vida e Qualidade
campo. Uma calagem pode controlá-lo.
                                                             Disponível através do link:
9. SAPÉ (IMPERATA EXALTADA)
                                                             http://vidadequalidade.org/o-que-e-o-alcacuz-e-pa-
A - P - Capim ácido, rico em alumínio, indica um pH en-      ra-que-serve/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (6)

Ponto a ponto Dicas de Saúde 4
Ponto a ponto Dicas de Saúde 4Ponto a ponto Dicas de Saúde 4
Ponto a ponto Dicas de Saúde 4
 
Erva cidreira
Erva cidreiraErva cidreira
Erva cidreira
 
Erva cidreira
Erva cidreiraErva cidreira
Erva cidreira
 
Erva cidreira
Erva cidreiraErva cidreira
Erva cidreira
 
Erva cidreira
Erva cidreiraErva cidreira
Erva cidreira
 
Florais
FloraisFlorais
Florais
 

Destaque

Agroecológico Janeiro 2013
Agroecológico Janeiro 2013Agroecológico Janeiro 2013
Agroecológico Janeiro 2013sintermg
 
Agroecológico Julho 2012
Agroecológico Julho 2012Agroecológico Julho 2012
Agroecológico Julho 2012sintermg
 
Agroecológico Março 2012
Agroecológico Março 2012Agroecológico Março 2012
Agroecológico Março 2012sintermg
 
Agroecológico Fevereiro 2013
Agroecológico Fevereiro 2013Agroecológico Fevereiro 2013
Agroecológico Fevereiro 2013sintermg
 
Plantas Tóxicas
Plantas TóxicasPlantas Tóxicas
Plantas TóxicasDiogo Silva
 
Agroecológico Junho 2012
Agroecológico Junho 2012Agroecológico Junho 2012
Agroecológico Junho 2012sintermg
 
Navapalos tomo ii
Navapalos tomo iiNavapalos tomo ii
Navapalos tomo iiclarysml32i
 
Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)
Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)
Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)Venicio Davila Rocano
 
Como ves 12141
Como ves 12141Como ves 12141
Como ves 12141guadaalt
 
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)Maria Alves Silva
 
canavalia ensiformis
canavalia ensiformis canavalia ensiformis
canavalia ensiformis up
 
18 091022 Renato Santos Manejo Racional Cria
18 091022 Renato Santos Manejo Racional Cria18 091022 Renato Santos Manejo Racional Cria
18 091022 Renato Santos Manejo Racional CriaBeefPoint
 
Session vii time management
Session vii  time managementSession vii  time management
Session vii time managementCaldus
 
Planificacion de cultivos
Planificacion de cultivosPlanificacion de cultivos
Planificacion de cultivosclarysml32i
 
Gestão Estratégica nas propriedades pecuaristas do sul de Minas Gerais
Gestão Estratégica nas propriedades pecuaristas do sul de Minas GeraisGestão Estratégica nas propriedades pecuaristas do sul de Minas Gerais
Gestão Estratégica nas propriedades pecuaristas do sul de Minas GeraisAdmWanderley
 
Uecker y braun
Uecker y braunUecker y braun
Uecker y braunmvezzone
 

Destaque (20)

Agroecológico Janeiro 2013
Agroecológico Janeiro 2013Agroecológico Janeiro 2013
Agroecológico Janeiro 2013
 
Agroecológico Julho 2012
Agroecológico Julho 2012Agroecológico Julho 2012
Agroecológico Julho 2012
 
Agroecológico Março 2012
Agroecológico Março 2012Agroecológico Março 2012
Agroecológico Março 2012
 
Agroecológico Fevereiro 2013
Agroecológico Fevereiro 2013Agroecológico Fevereiro 2013
Agroecológico Fevereiro 2013
 
Plantas Tóxicas
Plantas TóxicasPlantas Tóxicas
Plantas Tóxicas
 
Agroecológico Junho 2012
Agroecológico Junho 2012Agroecológico Junho 2012
Agroecológico Junho 2012
 
Navapalos tomo ii
Navapalos tomo iiNavapalos tomo ii
Navapalos tomo ii
 
Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)
Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)
Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)
 
Identificar insectos
Identificar insectosIdentificar insectos
Identificar insectos
 
Como ves 12141
Como ves 12141Como ves 12141
Como ves 12141
 
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
 
Insectos beneficos
Insectos beneficosInsectos beneficos
Insectos beneficos
 
Guia metodologica
Guia metodologicaGuia metodologica
Guia metodologica
 
canavalia ensiformis
canavalia ensiformis canavalia ensiformis
canavalia ensiformis
 
18 091022 Renato Santos Manejo Racional Cria
18 091022 Renato Santos Manejo Racional Cria18 091022 Renato Santos Manejo Racional Cria
18 091022 Renato Santos Manejo Racional Cria
 
Session vii time management
Session vii  time managementSession vii  time management
Session vii time management
 
Planificacion de cultivos
Planificacion de cultivosPlanificacion de cultivos
Planificacion de cultivos
 
Gestão Estratégica nas propriedades pecuaristas do sul de Minas Gerais
Gestão Estratégica nas propriedades pecuaristas do sul de Minas GeraisGestão Estratégica nas propriedades pecuaristas do sul de Minas Gerais
Gestão Estratégica nas propriedades pecuaristas do sul de Minas Gerais
 
Swot1
Swot1Swot1
Swot1
 
Uecker y braun
Uecker y braunUecker y braun
Uecker y braun
 

Semelhante a Agroecológico Novembro 2012

Agroecológico Dezembro 2012
Agroecológico Dezembro 2012Agroecológico Dezembro 2012
Agroecológico Dezembro 2012sintermg
 
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"Jornal Ibiá
 
Apostila Plantas Medicinais
Apostila Plantas MedicinaisApostila Plantas Medicinais
Apostila Plantas Medicinaiskabirin
 
Identificação Botânica, Indicação terapêutica e Cultivo das plantas: Matricar...
Identificação Botânica, Indicação terapêutica e Cultivo das plantas: Matricar...Identificação Botânica, Indicação terapêutica e Cultivo das plantas: Matricar...
Identificação Botânica, Indicação terapêutica e Cultivo das plantas: Matricar...Emanuel Fraca
 
Farmacia verde-livro
Farmacia verde-livroFarmacia verde-livro
Farmacia verde-livroPaulo Almeida
 
Plantas-medicinais-nativas-do-Bioma-Pampa.pdf
Plantas-medicinais-nativas-do-Bioma-Pampa.pdfPlantas-medicinais-nativas-do-Bioma-Pampa.pdf
Plantas-medicinais-nativas-do-Bioma-Pampa.pdfDaianaBittencourt
 
Agroecológico Abril 2012
Agroecológico Abril 2012Agroecológico Abril 2012
Agroecológico Abril 2012sintermg
 
Matriciamento fitoterapicos .ppt
Matriciamento fitoterapicos .ppt Matriciamento fitoterapicos .ppt
Matriciamento fitoterapicos .ppt apemfc
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaarquisasousa
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaarquisasousa
 

Semelhante a Agroecológico Novembro 2012 (20)

Agroecológico Dezembro 2012
Agroecológico Dezembro 2012Agroecológico Dezembro 2012
Agroecológico Dezembro 2012
 
Plantas para chás de crianças!
Plantas para chás de crianças!Plantas para chás de crianças!
Plantas para chás de crianças!
 
Fitoterápicos (Farmácia Viva)
Fitoterápicos (Farmácia Viva)Fitoterápicos (Farmácia Viva)
Fitoterápicos (Farmácia Viva)
 
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
 
Apostila Cha
Apostila ChaApostila Cha
Apostila Cha
 
Apostila Plantas Medicinais
Apostila Plantas MedicinaisApostila Plantas Medicinais
Apostila Plantas Medicinais
 
Plantas comestiveis
Plantas comestiveisPlantas comestiveis
Plantas comestiveis
 
Identificação Botânica, Indicação terapêutica e Cultivo das plantas: Matricar...
Identificação Botânica, Indicação terapêutica e Cultivo das plantas: Matricar...Identificação Botânica, Indicação terapêutica e Cultivo das plantas: Matricar...
Identificação Botânica, Indicação terapêutica e Cultivo das plantas: Matricar...
 
Farmacia verde-livro
Farmacia verde-livroFarmacia verde-livro
Farmacia verde-livro
 
Plantas-medicinais-nativas-do-Bioma-Pampa.pdf
Plantas-medicinais-nativas-do-Bioma-Pampa.pdfPlantas-medicinais-nativas-do-Bioma-Pampa.pdf
Plantas-medicinais-nativas-do-Bioma-Pampa.pdf
 
Cartilha plantas web
Cartilha plantas webCartilha plantas web
Cartilha plantas web
 
Agroecológico Abril 2012
Agroecológico Abril 2012Agroecológico Abril 2012
Agroecológico Abril 2012
 
A botica caseira
A botica caseiraA botica caseira
A botica caseira
 
Cartilha plantas
Cartilha plantasCartilha plantas
Cartilha plantas
 
Plantas Aromaticas
Plantas AromaticasPlantas Aromaticas
Plantas Aromaticas
 
Matriciamento fitoterapicos .ppt
Matriciamento fitoterapicos .ppt Matriciamento fitoterapicos .ppt
Matriciamento fitoterapicos .ppt
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
remédios caseiros
 remédios caseiros remédios caseiros
remédios caseiros
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
 

Mais de sintermg

Informe Comissão Eleitoral
Informe Comissão EleitoralInforme Comissão Eleitoral
Informe Comissão Eleitoralsintermg
 
Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012sintermg
 
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregoReunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregosintermg
 
Término das negociações
Término das negociaçõesTérmino das negociações
Término das negociaçõessintermg
 
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajusteSinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajustesintermg
 
Observações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialObservações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialsintermg
 
Eleições
EleiçõesEleições
Eleiçõessintermg
 
Plano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntárioPlano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntáriosintermg
 
Revisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceresRevisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceressintermg
 
Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001sintermg
 
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemDiárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemsintermg
 
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...sintermg
 
Ceres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentosCeres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentossintermg
 
Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013sintermg
 
Conheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalConheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalsintermg
 
Boletim Governador Valadares
Boletim Governador ValadaresBoletim Governador Valadares
Boletim Governador Valadaressintermg
 
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatoJá que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatosintermg
 
Boletim Caxambu
Boletim CaxambuBoletim Caxambu
Boletim Caxambusintermg
 
Boletim Abaeté
Boletim AbaetéBoletim Abaeté
Boletim Abaetésintermg
 

Mais de sintermg (20)

Informe Comissão Eleitoral
Informe Comissão EleitoralInforme Comissão Eleitoral
Informe Comissão Eleitoral
 
Estatuto
EstatutoEstatuto
Estatuto
 
Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012
 
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregoReunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
 
Término das negociações
Término das negociaçõesTérmino das negociações
Término das negociações
 
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajusteSinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
 
Observações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialObservações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarial
 
Eleições
EleiçõesEleições
Eleições
 
Plano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntárioPlano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntário
 
Revisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceresRevisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceres
 
Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001
 
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemDiárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
 
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
 
Ceres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentosCeres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentos
 
Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013
 
Conheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalConheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindical
 
Boletim Governador Valadares
Boletim Governador ValadaresBoletim Governador Valadares
Boletim Governador Valadares
 
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatoJá que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
 
Boletim Caxambu
Boletim CaxambuBoletim Caxambu
Boletim Caxambu
 
Boletim Abaeté
Boletim AbaetéBoletim Abaeté
Boletim Abaeté
 

Último

Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 

Último (20)

Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 

Agroecológico Novembro 2012

  • 1. Informativo Técnico do Sindicato dos Trabalhadores em Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais Ano 4 | Edição nº 26 | Novembro de 2012 www.sinter-mg.org.br Cyperus rotundus Fotografia da internet DESTAQUE Plantas Invasoras: continuação da edição de outubro de 2012 do Agroecológico do Sinter-MG. págs. 03 e 04 OUTRAS NOTÍCIAS 02 Bio Dicas: Conheça um pouco mais sobre a Erva-de-São-João
  • 2. Edição nº 26 | Novembro de 2012 | Ano 4 02 Editorial Bio Dicas Nome popular: Erva-de-são-joão, Mentrasto. A mãe natureza, na maioria das vezes, é Família: Compositae (Asteraceae) mal compreendida, pois além de sábia Origem: América tropical. é generosa e constantemente mostra Parte usada: Toda a parte aérea. sinais indicando o “caminho” que deve- Propriedades: Analgésica, anti-inflamatória, anti-reumática, aromática, mos seguir e informando os erros que cicatrizante, diurética, vasodilatadora, febrífuga, carminativa e tônica. estamos cometendo. Ser observador e atento ao ambiente é necessário para Características: Erva anual, aromática, com até 1m de altura. Comum poder aceitar as informações que a mãe nas áreas úmidas do nordeste brasileiro, principalmente nas serras. É cos- natureza nos transmite. Esta “conversa”, mopolita tropical, considerada invasora de culturas e áreas não cultivadas. quando aceita, pode nos mostrar como está a área a qual queremos trabalhar ou Usos: Estudos etnofarmacológicos atribuem propriedades hemostáticas foi trabalhada. Chamar uma planta de “in- (estanca sangue) e cicatrizantes a ela. Nos ensaios farmacológicos com vasora” é denegrir a importância de uma órgãos isolados, seus extratos inibiram contrações intestinais e exerceram planta que está ali indicando uma defici- um efeito depressor cardíaco, bem como leve inibição de tumores do tipo ência, um manejo incorreto. Como filhos, Walker 256, ao nível de 43%. Experimentos clínicos ainda comprovaram muitas das vezes, não obedecemos as sua atividade analgésica em dores crônicas de pacientes acometidos por orientações de nossas mães e tomamos artrose, efeitos com alguns dias de uso acompanhado de antiinflamatório. decisões erradas, que nos prejudicam. Apesar dos resultados pré-clínicos e clínicos favoráveis ao uso da planta, Será que já não passou do momento em seus princípios ativos medicinais ainda não estão quimicamente determi- começarmos a tentar entender o que a nados. Sua administração, preparação analgésica e antiinflamatória, como mãe natureza nos ensina? anti-reumática e para alívio das cólicas menstruais, pode ser feita com as fo- lhas, com a parte aérea da planta ou triturada depois de seca e estabilizada. Quem não conhece a erva-de-São João ou já ouviu falar sobre os seus benefícios Forma de uso: Emprega-se o cozimento (decocto) feito com 30 a 40g e utilização no meio rural? Você sabia da planta fresca em 0,5L de água ou 15 a 20g da planta seca, tomada em que ela tem as suas origens na Europa, 3 doses diárias, de uma xícara de chá por vez. Pode-se usar também o pó em alguns países asiáticos e africanos e das folhas na dose de uma colher de café, 3 vezes ao dia, misturado com na zona oeste dos Estados Unidos.? O mel, leite, ou água. Externamente, pode-se usar o extrato alcoólico a 20% seu nome, erva-de-São João, vem do fato ou unguento de uso local, em compressas e fricções, nos casos de dores da sua plena floração ser em junho, perto articulares de origem reumática ou consequente a traumatismos. da data da comemoração do nascimento de São João Baptista (24/06). Atenção: Considerando a ação tóxica ao fígado dos alcalóides, é reco- mendável que sejam usados para fins medicinais, somente as plantas que PCSC e PDV JÁ!!! estejam em estado vegetativo, ou seja, sem flores. Antônio Domingues Fonte: Lorenzi, H. et al. 2002. Plantas Medicinais no Brasil. Diretor de Comunicação do Sinter-MG Vieira, L. S. 1992. Fitoterapia da Amazônia. Manhuaçu | Célio Alexandre de O. Barros Juiz de Fora | Deyler Nelson Diretores de Base Maia Souto Viçosa | Luciano Saraiva Gonçalves de Souza Alfenas | Sávio Norte | Maria de Lourdes V. Leopoldo Centro | Afrânio Otávio Nogueira dos Reis Dutra Lavras | Júlio César Silva Pouso Alegre | Sérgio Bras Triângulo | Walter Lúcio de Brito Leste | Adilson Lopes Barros Zona Da Regina Mata | Margareth do Carmo C. Guimarães Sul | André Martins Ferreira Alto Paranaíba e Noroeste | Paulo César Thompson Conselho Fiscal Rua José de Alencar, 738 | Nova Suíça | Belo Horizonte/MG Ilka Alves Santana | Francisco Paiva de Rezende | Marlene da CEP 30480-500 | Telefax: 31 3334 3080 Representantes das Seções Sindicais Conceição A. Pereira | Noé de Oliveira Fernandes Filho | Reinaldo www.sinter-mg.org.br | conexao@sinter-mg.org.br Janaúba | Raimundo Mendes de Souza Júnior Januária | Renato Alves Bortone Lopes Montes Claros | Onias Guedes Batista Salinas | José dos Reis DIRETORIA COLEGIADA DO SINTER-MG Francisco da Rocha Barbacena | Tadeu César Gomes de Azevedo Belo Conexão sinter Diretor Geral | Carlos Augusto de Carvalho Diretor Secretário | Ronaldo Horizonte | Silmara Aparecida C. Campos Curvelo | Marcelino Teixeira Coordenação | Antônio Domingues Participação | Diretoria Sinter-MG | Vieira de Aquino Diretor de Administração e Finanças | Darci Roberti da Silva Divinópolis | Júlio César Maia Uberaba | Oeder Pedro Ferreira André Henriques Edição | Mauro Morais Diagramação | Somanyideas Diretor de Comunicação e Cultura | Antônio Domingues de Souza Uberlândia | Carlos Miguel Rodrigues Couto Patos De Minas | Dener Projeto Gráfico | Somanyideas Jornalista Responsável | Dante Xavier Diretor De Assuntos Jurídicos | Pascoal Pereira de Almeida Diretor de Henrique de Castro Unaí | Dalila Moreira da Cunha Almenara | MG-13.092 Circulação | Online Formação Política e Sindical | Lúcio Passos Ferreira Diretor de Assuntos Ronilson Martins Nascimento Capelinha | Vilivaldo Alves da Rocha de Agricultura Familiar e Reforma Agrária | Leni Alves de Souza Diretor Governador Valadares | Maurílio Andrade Dornelas Teófilo Otoni | Luiz Para sugestões, comentários e críticas sobre o Conexão Sinter-MG De Assuntos Dos Aposentados | Elizabete Soares de Andrade Mário Leite Júnior Cataguases | Janya Aparecida de Paula Costa conexao@sinter-mg.org.br
  • 3. Edição nº 26 | Novembro de 2012 | Ano 4 03 Conheça mais plantas invasoras As chamadas "plantas invasoras" não surgem acidental- co do solo e é tomado como planta sanadora de solos mente, mas em circunstância bem definidas, como indi- decaídos. Não prejudica a cultura; às vezes, porém, difi- cadoras de determinadas carências ou de determinados culta a colheita, pois suas sementes voadoras são leves excessos de elementos do solo. Assim, conhecendo-se e, espalhadas pelo vento, podem, por exemplo, infestar as razões de seu aparecimento, fica-se mais armado o algodão. Medicinal (bálsamo do fígado). não apenas para combatê-las, mas, principalmente, para corrigir os desequilíbrios do solo. 3. MIO-MIO Na relação que se segue, estão algumas invasoras mais (Bacharis coridifolia) - P - Tem um agente tóxico mor- comuns, suas características e as indicações que elas tal para o gado. Indica, sobretudo, deficiência de mo- fornecem. Nessa relação, após o nome vulgar, vem o libdênio no solo. Em campos muito infestados, o mio- nome científico e o tipo de solo onde é mais freqüente -mio, quando queimado, desaparece, pois suas cinzas o seu aparecimento. Os tipos de solo ficam designados contêm tanto molibdênio que lhe tiram a possibilidade pelas seguintes abreviaturas: A = terra agrícola; A - P = de crescer. Em campos pouco infestados, a queimada solo agrícola deixado para formação de pasto; P= pas- serve para aumentá-lo, já que, pela combustão, o moli- to; C = cerrado. bdênio se torna ainda mais inaproveitável para as forra- geiras. Roçando-se o mio-mio com roçadeira de ferro ou 1. LEGUMINOSAS EM GERAL faca sem fio, aumenta a infestação. (Papilonaceae, Cassia, Mimosoideae)Indicam, no solo, 4. NABISCO presença de fósforo, que elas aumentam. Faltando po- tássio no solo, são dominadas por capins. Faltando cál- Ou nabo-bravo (Rapahus raphanistrum) - A - Invasora cio, são atacadas pelas cochonilhas, como guandu, e temida no trigo. Pode aparecer em grande quantidade suas sementes são facilmente parasitadas por brocas. em campos de monocultura ou na rotação trigo/soja. Há leguminosas, como o tremoço, que enriquecem o Suas sementes não acompanham as sementes do trigo, solo em cálcio. Boas forrageiras, no mínimo até a for- desde que estas sejam classificadas e rigorosamente mação de sementes, que às vezes são tóxicas. Seu limpas. Indicadora de carência de boro e, de manganês aparecimento em maior escala indica melhoramento do (muito consumidos pelas culturas). A inclusão da aveia terreno. na rotação faz o nabisco-dormente nascer. Misturando- -se, ao adubo convencional, 3 Kg/ha bórax e 5 Kg/ha 2. MESTRADO sulfato de manganês consegue-se controlar quase que completamente o nabisco. (Agerathum conzoides) - A - Indica o melhoramento físi-
  • 4. Edição nº 26 | Novembro de 2012 | Ano 4 04 5. PAPOULA tre 4,0 e 4,5. Invade pastos, bem como campos agríco- las, especialmente o comem recém-brotado e quando (Papava spp.) - A - Embora não muito comum no Brasil, com muita fome. Os equinos o comem recém-brotado e indica solos em que há excesso de cálcio. Plantando-se quando com muita fome. Os equinos o comem sempre, soja ou colza, desaparece. mantendo aparente boa forma. Porém, quando as éguas se alimentam de sapé, os potros delas nascem de tal 6. PINHÁ maneira desmineralizados que, geralmente aos 3 meses, adquirem poliartrite e morrem. Assim, deve-se afastar as (Jatropha curcas) - Surge em grande quantidade nas prenhes do sapé. Uma calagem que aumente o pH até pastagens do Nordeste (especialmente em Fernando 5,8 faz o sapé desaparecer. de noronha). Indica solos adensados pelo uso do fogo e pela exposição ao impacto das chuvas, solos que alter- 10. TABOCA (BAMBUSA TRINII) nam erosão e enchentes com secas. Nesses solos, nem árvores conseguem se manter em pé (o vento as derru- Surge no cerrado, onde se usa fogo. Enriquece o solo ba). Somente banindo o fogo e fornecendo muita maté- com alumínio e gera um terreno muito bem granulado, ria orgânica é que esses solos se recuperam e o pinhá grumoso e permeável. Assim, os solos onde ocorre têm desaparece. De todo modo, suas sementes são muito fama de boa fertilidade após a calagem. Porém, onde oleaginosas. vegetam taquaras, o enriquecimento de alu- 7. SAMAMBAIA-DE- As chamadas "plantas invasoras" mínio é tanto que, du- -TAPERA não surgem acidentalmente, mas em rante anos, as manchas surgem como tabocas (Pteridium aquilinum) - circunstância bem definidas, como de vegetação raquíti- C - P -A - Existe no cerra- ca dentro das culturas. do e invade roças novas, indicadoras de determinadas carên- Uma calagem não elimi- bem como pastagens. na esse efeito; apenas Indica sempre níveis cias ou de determinados excessos aplicações de grandes elevados de alumínio. quantidades de matéria Nem por isso esses so- de elementos do solo. orgânica, como as que los são necessariamente ocorrem quando se trilha pobres. Com terra fértil, o feijão no campo, dei- cresce até alturas consideráveis; com solo pobre, fica xando, aqui e ali, a palha se decompor. pequena e raquítica. Nunca deveria ser queimada; nes- se caso, o alumínio retorna ao solo, perpetuando o ciclo 11. TIRIRICA OU CAPIM-DANDÁ samambaia-fogo-samambaia. A calagem a faz desapare- cer, mas cabe lembrar que, se a dose de calcário for pe- (Cyperus rotundus) - A - Invasora muito persistente em quena, não surtirá efeito. Seus brotos, se ingerindos pelo culturas. Indica solos muito ácidos, adensados e tempo- gado, produzem uma intoxicação cumulativa, que só se rariamente encharcados - ou anaeróbios pela perda de manifesta semanas depois do gado deixar o campo. Si- macroporos. Viceja, em geral, também, nos solos em que nais mais evidentes dessa intoxicação: anemia profunda há uma deficiência de magnésio. Tem hostilidade com o e tendência à hemorragia (o gado sangra a cada picada feijão podem eliminá-la. A aversão da tiririca com a som- que recebe). Sinais dessa intoxicação nos eqüinos, mais bra é tamanha que uma simples cobertura de jornal, apli- sensíveis: olhos congestionados, cabeça caída, perda de cada ao solo, faz com que suas batatinhas subam à su- equilíbrio; em casos graves, ocorre forte isterícia e morte. perfície, podendo então ser arrancadas com a mão. Em contrapartida, é pouco sensível - e bastante resistente - à 8. SAPÉ-MACHO, MÃE-DE-SAPÉ OU ERVA-LANCETA maioria dos herbicidas. Como invasora, diminui sensivel- mente a produção de cana-de-açúar. (Solidago microglosis) - A - Indica solos muito ácidos, com pH entre 4,5 e 5,2. Como possui estolões, infesta o Fonte: Site Vida e Qualidade campo. Uma calagem pode controlá-lo. Disponível através do link: 9. SAPÉ (IMPERATA EXALTADA) http://vidadequalidade.org/o-que-e-o-alcacuz-e-pa- A - P - Capim ácido, rico em alumínio, indica um pH en- ra-que-serve/