SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
Informativo Técnico do Sindicato dos
                                                       Trabalhadores em Assistência Técnica e
                                                       Extensão Ruraldo Estado de Minas Gerais




                                                               Ano 4 | Edição nº 20 | Maio de 2012

www.sinter-mg.org.br




 Bancos-de-Proteína
 Fotografia da internet




                                         DESTAQUE




 Formação e Manejo de Bancos-de-Proteína
                                                                                       pág. 03



                                     OUTRAS NOTÍCIAS




02              Bio Dicas: Inseticidas Caseiros
Edição nº 20 | Maio de 2012 | Ano 4
                                                                                                                                                                                                      02

 Editorial                                                                         Bio Dicas
   Como muitas vezes um atleta profissional                                          Inseticidas Caseiros
   necessita de uma alimentação especifica
   para um programa de exercícios físicos                                            Quebrarão
   ou para uma determinada competição, a
   vida animal também carece de uma dieta                                            Material: ¼ litro de água, ¼ litro de querosene, 100g de sabão em pe-
   rica, para se manter saudável e externar                                          dra e 1 vasilha de 2 litros.
   todo o seu potencial produtivo.
                                                                                     Como fazer: Cortar o sabão em fatias bem finas e colocar para ferver
   Todavia, dependendo da estação, os                                                junto com a água, mexendo sempre até total dissolução. Retirar do fogo
   animais não conseguem se alimentar/                                               e acrescentar o querosene lentamente, sempre mexendo, até virar uma
   nutrir adequadamente, necessitando de                                             pasta.
   uma complementação alimentar, assim
   dos bancos de proteína. Os bancos de                                              Como usar:
   proteína tem a capacidade de fornecer                                             • Pulgão: Dissolver a pasta em 7 litros de água e colocar no pulverizador.
   uma dieta mais rica em momentos que                                               Aplicar na horta e pomar.
   os animais não conseguem adquirir os                                              • Cochonilha: Dissolver a pasta em 5 litros de água e colocar no pulveri-
   nutrientes com a sua alimentação normal.                                          zador. Aplicar na horta e pomar.
                                                                                     • Cochonilha Escama (Citros): Dissolver a pasta em água suficiente para
   Os bancos de proteína são uma solu-                                               ficar líquida de forma a poder ser passada com uma brocha no tronco das
   ção barata com relação ao uso de ra-                                              laranjeiras (+ ou – ½ litro d’água).
   ções especiais, podendo ser plantados
                                                                                     Observações: Esta pasta pode ser usada até 03 dias após a sua fabrica-
   e processados na propriedade onde os
                                                                                     ção, pois ela começa a degradar-se (querosene separa da água).
   animais se encontram. Plantas legumino-
   sas como a acácia, leucena, guandú, e
   amendoim-forrageiro servem para esta                                              Fumacol
   suplementação alimentar, além de enri-
   quecerem o solo, e passarem os precio-                                            Material: 10 a 15cm de fumo em corda, ½ litro de álcool, ½ litro de
   sos recursos para os animais que consu-                                           água, 100g de sabão em pedra e 1 vasilha com tampa.
   mirem essa vegetação. A criação ainda
                                                                                     Como fazer: Picar o fumo em pedacinhos e juntá-lo com a água e o
   dos bancos de proteína, além de propor-
                                                                                     álcool numa vasilha. Fechar bem a vasilha e deixar curtir por aproxima-
   cionar uma cultura rotativa, preservando
                                                                                     damente 15 dias.
   e repondo os minerais do solo, evita o
   uso de adubos químicos, baixando rela-                                            Como usar:
   tivamente o custo da produção do banco                                            • Pragas de Horta em geral: Dissolva o sabão em 10 litros de água e
   de proteína e da alimentação do animal.                                           junte à mistura já curtida de fumo e álcool. Pode regar as plantas com
                                                                                     pulverizador ou regador.
   Antônio Domingues
   Diretor de Comunicação do Sinter-MG                                               Observações: O sabão somente é misturado na hora do uso.

                                                                                                                                                    Manhuaçu | Célio Alexandre de O. Barros Juiz de Fora | Deyler Nelson
                                                                           Diretores de Base                                                        Maia Souto Viçosa | Luciano Saraiva Gonçalves de Souza Alfenas | Sávio
                                                                           Norte | Maria de Lourdes V. Leopoldo Centro | Afrânio Otávio Nogueira    dos Reis Dutra Lavras | Júlio César Silva Pouso Alegre | Sérgio Bras
                                                                           Triângulo | Walter Lúcio de Brito Leste | Adilson Lopes Barros Zona Da   Regina
                                                                           Mata | Margareth do Carmo C. Guimarães Sul | André Martins Ferreira
                                                                           Alto Paranaíba e Noroeste | Paulo César Thompson                         Conselho Fiscal
Rua José de Alencar, 738 | Nova Suíça | Belo Horizonte/MG
                                                                                                                                                    Ilka Alves Santana | Francisco Paiva de Rezende | Marlene da
CEP 30480-500 | Telefax: 31 3334 3080
                                                                           Representantes das Seções Sindicais                                      Conceição A. Pereira | Noé de Oliveira Fernandes Filho | Reinaldo
www.sinter-mg.org.br | conexao@sinter-mg.org.br
                                                                           Janaúba | Raimundo Mendes de Souza Júnior Januária | Renato Alves        Bortone
                                                                           Lopes Montes Claros | Onias Guedes Batista Salinas | José dos Reis
DIRETORIA COLEGIADA DO SINTER-MG                                           Francisco da Rocha Barbacena | Tadeu César Gomes de Azevedo Belo         Conexão sinter
Diretor Geral | Carlos Augusto de Carvalho Diretor Secretário | Ronaldo    Horizonte | Silmara Aparecida C. Campos Curvelo | Marcelino Teixeira     Coordenação | Antônio Domingues Participação | Diretoria Sinter-MG |
Vieira de Aquino Diretor de Administração e Finanças | Darci Roberti       da Silva Divinópolis | Júlio César Maia Uberaba | Oeder Pedro Ferreira   André Henriques Edição | Mauro Morais Diagramação | Somanyideas
Diretor de Comunicação e Cultura | Antônio Domingues de Souza              Uberlândia | Carlos Miguel Rodrigues Couto Patos De Minas | Dener        Projeto Gráfico | Somanyideas Jornalista Responsável | Dante Xavier
Diretor De Assuntos Jurídicos | Pascoal Pereira de Almeida Diretor de      Henrique de Castro Unaí | Dalila Moreira da Cunha Almenara |             MG-13.092 Circulação | Online
Formação Política e Sindical | Lúcio Passos Ferreira Diretor de Assuntos   Ronilson Martins Nascimento Capelinha | Vilivaldo Alves da Rocha
de Agricultura Familiar e Reforma Agrária | Leni Alves de Souza Diretor    Governador Valadares | Maurílio Andrade Dornelas Teófilo Otoni | Luiz    Para sugestões, comentários e críticas sobre o Conexão Sinter-MG
De Assuntos Dos Aposentados | Elizabete Soares de Andrade                  Mário Leite Júnior Cataguases | Janya Aparecida de Paula Costa           conexao@sinter-mg.org.br
Edição nº 20 | Maio de 2012 | Ano 4
                                                                                                03

Formação e Manejo de Bancos-
de-Proteína
A suplementação alimentar torna-se indispen- produtividade de forragem, composição química,
sável visando amenizar o déficit nutricional dos palatabilidade, competitividade com as plantas
rebanhos e reduzir os efeitos da estacionali- invasoras, persistência, além da tolerância a pra-
dade da produção de forragem durante o ano. gas e doenças. Algumas espécies são recomen-
A utilização de leguminosas forrageiras surge dadas, tais como: amendoim-forrageiro (Arachis
como a alternativa mais viável para assegurar um pintoi), acácia (Acácia angustissima), guandu
bom padrão alimentar dos animais, notadamente (Cajanus cajan), leucena (Leucaena leucocepha-
durante o período seco, já que estas, em relação la), pueraria (Pueraria phaseoloides), desmodio
às gramíneas, apresentam alto conteúdo protéi- (Desmodium ovalifolium), centrosema (Centrosema
co, melhor digestibilidade e maior resistência ao macrocarpum), stylosantes (Stylosanthes guianen-
período seco. Além disso, face à capacidade sis) e calopogônio (Calopogonium mucunoides).
de fixação do nitro-
gênio da atmosfera,                                                        O preparo do solo
incorporam      quan-       “A suplementação alimentar                     através da aração e
tidades considerá-                                                         gradagem constituem
veis deste nutriente,     torna-se indispensável visando                   o melhor recurso para
contribuindo     para                                                      o estabelecimento das
a melhoria da ferti-    amenizar o déficit nutricional dos leguminosas, além
lidade do solo. As
leguminosas podem
                         rebanhos e reduzir os efeitos da de facilitar as práti-
                                                                           cas de manutenção e
ser utilizadas para a    estacionalidade da produção de manejo. Os métodos
produção de feno,                                                          de plantio podem ser
farinha para aves e           forragem durante o ano. ”                    a lanço, em linhas ou
suínos, como cultura                                                       em covas, manual ou
restauradora da ferti-                                                     mecanicamente.       A
lidade do solo, consorciadas com gramíneas ou profundidade de semeadura deve ser de 2 a 5
plantadas em piquetes exclusivos denominados cm, pois, em geral, as leguminosas forrageiras
de bancos-de-proteína.                            apresentam sementes pequenas. A densidade
                                                  de semeadura depende da qualidade das se-
Na escolha de uma leguminosa para a formação mentes (valor cultural), do método de plantio e
de bancos-de-proteína deve-se considerar sua do espaçamento utilizado:

                    Resistência        Tolerância ao    Exigência                      Hábito de
 Leguminosas                                                         Palatabilidade
                       à seca         encharcamento      em solo                      crescimento
 Leucena                alta               baixa        média/alta        alta          arbustivo
 Guandu                 alta               baixa        média/alta        alta          arbustivo
 Stilosanthes           alta               baixa          baixa           alta         Ereto/semi-
 Centrosema            média               média       baixa/média        alta         prostrado
 Arachis               baixa                alta        média/alta        alta         prostrado
 Pueraria           baixa/média            média          baixa        média/alta      prostrado
 Calopogônio           baixa               média          baixa       baixa/média      prostrado
 Desmodio               alta            baixa/média       baixa       baixa/média     decumbente
 Acácia              média/alta         baixa/média       baixa           alta          arbustivo
Edição nº 20 | Maio de 2012 | Ano 4
                                                                                                            04

                                                         Recomenda-se sua utilização com vacas em
                                                         lactação ou animais destinados a engorda. Em
                                                         média, um hectare tem condições de alimentar
                                                         satisfatoriamente 15 a 20 e de 10 a 15 animais
                                                         adultos, respectivamente durante o período
                                                         chuvoso e seco.

                                                         O período de pastejo deve ser de uma a duas


                                                  	
  
                                                         horas/dia, durante a época chuvosa, preferen-
                                                         cialmente após a ordenha matinal. Gradualmen-
                                                         te, à medida que o organismo dos animais se
                                                         adapta ao elevado teor protéico da leguminosa.
A maioria das leguminosas tropicais apresenta
                                                         O período de pastejo pode ser aumentado para
alta percentagem de sementes duras, ou seja,
                                                         duas a quatro horas/dia, principalmente durante
não germinam logo após a semeadura. Em ge-
                                                         o período seco, quando as pastagens apresen-
ral, a percentagem de sementes duras situa-se
                                                         tam baixa disponibilidade e qualidade de forra-
entre 60 e 90% e a dormência é devida à pre-
                                                         gem.
sença de uma cobertura impermeável à pene-
tração da água, o que impede sua germinação.
                                                              Períodos superiores a quatro horas/dia po-
                                                                                              dem      ocasio-
Em condições
                                                                                              nar distúrbios
naturais, a co-
                                                                                              metabólicos
bertura torna-se
                                                                                              (timpanismo
gradualmente
                                                                                              ou empanzina-
permeável      e
                                                                                              mento), nota-
ocorre a germi-
                                                                                              damente     du-
nação de uma
                                                                                              rante a estação
certa proporção
                                                                                              chuvosa,     em
de sementes a
                                                                                              função dos al-
cada período, o
                                                                                              tos teores de
que contribuiu
                                                                                              proteína da le-
para assegurar


                                                                                              antes do final	
  
                                                                                              guminosa. Dois

                                                         	
  
a    sobrevivên-
                                                                                              a três meses
cia da espécie,                          Guandu                                       Leucema

principalmen-
                                                                                              do      período
te, em regiões
                                                                                              chuvoso reco-
onde ocorrem secas prolongadas.
                                                              menda-se deixar a leguminosa em descanso
                                                              para que acumule forragem para utilização du-
A escarificação causa o rompimento da película
                                                              rante a época seca, a qual deve estar em torno
das sementes, o que irá aumentar a permeabi-
                                                              de duas a três t/ha de matéria seca. Quando
lidade à água e, consequentemente, estimular
                                                              os animais têm livre acesso e o pastejo não é
a germinação. Esta ruptura poderá ser obtida
                                                              controlado, deve-se ajustar a carga animal, de
por diversos métodos mecânicos, químicos ou
                                                              modo que a forragem produzida seja bem dis-
físicos, que dependem das características da
                                                              tribuída durante o período de suplementação.
leguminosa.
                                                              Neste caso, o pastejo poderia ser realizado em
A área a ser plantada depende da categoria e                  dias alternados ou três vezes por semana.
do número de animais a serem suplementados,
de suas exigências nutritivas e da disponibili-
dade e qualidade da forragem das pastagens.
Normalmente, o banco-de-proteína deve repre-             1. Eng. Agrôn., M.Sc., Embrapa Rondônia
sentar de 10 a 15% da área da pastagem culti-            Recomendações Técnicas para a Agropecuária
vada com gramíneas.                                      de Rondônia - Manual do Produtor

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Agroecológico Janeiro 2013
Agroecológico Janeiro 2013Agroecológico Janeiro 2013
Agroecológico Janeiro 2013sintermg
 
Agroecológico Julho 2012
Agroecológico Julho 2012Agroecológico Julho 2012
Agroecológico Julho 2012sintermg
 
Agroecológico Outubro 2012
Agroecológico Outubro 2012Agroecológico Outubro 2012
Agroecológico Outubro 2012sintermg
 
Agroecológico Novembro 2012
Agroecológico Novembro 2012Agroecológico Novembro 2012
Agroecológico Novembro 2012sintermg
 
Agroecológico Fevereiro 2012
Agroecológico Fevereiro 2012Agroecológico Fevereiro 2012
Agroecológico Fevereiro 2012sintermg
 
Agroecológico Fevereiro 2013
Agroecológico Fevereiro 2013Agroecológico Fevereiro 2013
Agroecológico Fevereiro 2013sintermg
 
Plantas Tóxicas
Plantas TóxicasPlantas Tóxicas
Plantas TóxicasDiogo Silva
 
Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)
Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)
Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)Venicio Davila Rocano
 
Navapalos tomo ii
Navapalos tomo iiNavapalos tomo ii
Navapalos tomo iiclarysml32i
 
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)Maria Alves Silva
 
Como ves 12141
Como ves 12141Como ves 12141
Como ves 12141guadaalt
 
canavalia ensiformis
canavalia ensiformis canavalia ensiformis
canavalia ensiformis up
 
18 091022 Renato Santos Manejo Racional Cria
18 091022 Renato Santos Manejo Racional Cria18 091022 Renato Santos Manejo Racional Cria
18 091022 Renato Santos Manejo Racional CriaBeefPoint
 
Planificacion de cultivos
Planificacion de cultivosPlanificacion de cultivos
Planificacion de cultivosclarysml32i
 
Uecker y braun
Uecker y braunUecker y braun
Uecker y braunmvezzone
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagemmvezzone
 
Aplicação de agroquímicos
Aplicação de agroquímicosAplicação de agroquímicos
Aplicação de agroquímicosmvezzone
 

Destaque (20)

Agroecológico Janeiro 2013
Agroecológico Janeiro 2013Agroecológico Janeiro 2013
Agroecológico Janeiro 2013
 
Agroecológico Julho 2012
Agroecológico Julho 2012Agroecológico Julho 2012
Agroecológico Julho 2012
 
Agroecológico Outubro 2012
Agroecológico Outubro 2012Agroecológico Outubro 2012
Agroecológico Outubro 2012
 
Agroecológico Novembro 2012
Agroecológico Novembro 2012Agroecológico Novembro 2012
Agroecológico Novembro 2012
 
Agroecológico Fevereiro 2012
Agroecológico Fevereiro 2012Agroecológico Fevereiro 2012
Agroecológico Fevereiro 2012
 
Agroecológico Fevereiro 2013
Agroecológico Fevereiro 2013Agroecológico Fevereiro 2013
Agroecológico Fevereiro 2013
 
Plantas Tóxicas
Plantas TóxicasPlantas Tóxicas
Plantas Tóxicas
 
Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)
Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)
Perfil recuperación de suelos degradados en dos localidades de monzon (reparado)
 
Navapalos tomo ii
Navapalos tomo iiNavapalos tomo ii
Navapalos tomo ii
 
Identificar insectos
Identificar insectosIdentificar insectos
Identificar insectos
 
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
 
Como ves 12141
Como ves 12141Como ves 12141
Como ves 12141
 
Insectos beneficos
Insectos beneficosInsectos beneficos
Insectos beneficos
 
Guia metodologica
Guia metodologicaGuia metodologica
Guia metodologica
 
canavalia ensiformis
canavalia ensiformis canavalia ensiformis
canavalia ensiformis
 
18 091022 Renato Santos Manejo Racional Cria
18 091022 Renato Santos Manejo Racional Cria18 091022 Renato Santos Manejo Racional Cria
18 091022 Renato Santos Manejo Racional Cria
 
Planificacion de cultivos
Planificacion de cultivosPlanificacion de cultivos
Planificacion de cultivos
 
Uecker y braun
Uecker y braunUecker y braun
Uecker y braun
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Aplicação de agroquímicos
Aplicação de agroquímicosAplicação de agroquímicos
Aplicação de agroquímicos
 

Semelhante a Agroecológico Maio 2012

Agroecológico Abril 2012
Agroecológico Abril 2012Agroecológico Abril 2012
Agroecológico Abril 2012sintermg
 
Controle de pragas de hortas e de ambiente doméstico
Controle de pragas de hortas e de ambiente domésticoControle de pragas de hortas e de ambiente doméstico
Controle de pragas de hortas e de ambiente domésticoJoão Siqueira da Mata
 
Receituario Caseiro Hortas
Receituario Caseiro HortasReceituario Caseiro Hortas
Receituario Caseiro HortasTomateVerdeFrito
 
Agroecológico Setembro 2012
Agroecológico Setembro 2012Agroecológico Setembro 2012
Agroecológico Setembro 2012sintermg
 
Remedio caseiros com_plantas_medicinais (2)
Remedio caseiros com_plantas_medicinais (2)Remedio caseiros com_plantas_medicinais (2)
Remedio caseiros com_plantas_medicinais (2)Audrey Souza
 
Remédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinaisRemédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinaiscomunidadedepraticas
 
Equipe Lunáticos
Equipe LunáticosEquipe Lunáticos
Equipe LunáticosCEPMBB
 
43 Modulo VI semana 10 POR.pptx
43 Modulo VI semana 10 POR.pptx43 Modulo VI semana 10 POR.pptx
43 Modulo VI semana 10 POR.pptxJosIgnacioAchiaga
 
Florindo News - 6ª edição
Florindo News - 6ª ediçãoFlorindo News - 6ª edição
Florindo News - 6ª ediçãoBruno Ribeiro
 
Apresentação jr biogerais
Apresentação jr biogeraisApresentação jr biogerais
Apresentação jr biogeraisominassemlixoes
 
e-book-bambu-broto-comestível.pdf
e-book-bambu-broto-comestível.pdfe-book-bambu-broto-comestível.pdf
e-book-bambu-broto-comestível.pdfRonaldo Fernandes
 
Receitas de produtos de limpeza ecológicos
Receitas de produtos de limpeza ecológicosReceitas de produtos de limpeza ecológicos
Receitas de produtos de limpeza ecológicosSerginho Fernando
 
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliçaApostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliçaEvelyn Golin
 
Líquida Nutrição Animal
Líquida Nutrição AnimalLíquida Nutrição Animal
Líquida Nutrição Animalwvelasco
 

Semelhante a Agroecológico Maio 2012 (20)

Agroecológico Abril 2012
Agroecológico Abril 2012Agroecológico Abril 2012
Agroecológico Abril 2012
 
Controle de pragas de hortas e de ambiente doméstico
Controle de pragas de hortas e de ambiente domésticoControle de pragas de hortas e de ambiente doméstico
Controle de pragas de hortas e de ambiente doméstico
 
Receituario Caseiro Hortas
Receituario Caseiro HortasReceituario Caseiro Hortas
Receituario Caseiro Hortas
 
Remedio caseiros com plantas medicinais
Remedio caseiros com plantas medicinaisRemedio caseiros com plantas medicinais
Remedio caseiros com plantas medicinais
 
Agroecológico Setembro 2012
Agroecológico Setembro 2012Agroecológico Setembro 2012
Agroecológico Setembro 2012
 
Remedio caseiros com_plantas_medicinais (2)
Remedio caseiros com_plantas_medicinais (2)Remedio caseiros com_plantas_medicinais (2)
Remedio caseiros com_plantas_medicinais (2)
 
Remédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinaisRemédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinais
 
Equipe Lunáticos
Equipe LunáticosEquipe Lunáticos
Equipe Lunáticos
 
43 Modulo VI semana 10 POR.pptx
43 Modulo VI semana 10 POR.pptx43 Modulo VI semana 10 POR.pptx
43 Modulo VI semana 10 POR.pptx
 
Florindo News - 6ª edição
Florindo News - 6ª ediçãoFlorindo News - 6ª edição
Florindo News - 6ª edição
 
Apresentação jr biogerais
Apresentação jr biogeraisApresentação jr biogerais
Apresentação jr biogerais
 
Receita do biogel
Receita do biogelReceita do biogel
Receita do biogel
 
e-book-bambu-broto-comestível.pdf
e-book-bambu-broto-comestível.pdfe-book-bambu-broto-comestível.pdf
e-book-bambu-broto-comestível.pdf
 
Descarte de óleo 1 A
Descarte de óleo 1 ADescarte de óleo 1 A
Descarte de óleo 1 A
 
Semente De LinhaçA
Semente De LinhaçASemente De LinhaçA
Semente De LinhaçA
 
Receitas de produtos de limpeza ecológicos
Receitas de produtos de limpeza ecológicosReceitas de produtos de limpeza ecológicos
Receitas de produtos de limpeza ecológicos
 
Abc hortaliças
Abc hortaliçasAbc hortaliças
Abc hortaliças
 
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliçaApostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
 
Embrapa tofu
Embrapa tofuEmbrapa tofu
Embrapa tofu
 
Líquida Nutrição Animal
Líquida Nutrição AnimalLíquida Nutrição Animal
Líquida Nutrição Animal
 

Mais de sintermg

Informe Comissão Eleitoral
Informe Comissão EleitoralInforme Comissão Eleitoral
Informe Comissão Eleitoralsintermg
 
Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012sintermg
 
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregoReunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregosintermg
 
Término das negociações
Término das negociaçõesTérmino das negociações
Término das negociaçõessintermg
 
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajusteSinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajustesintermg
 
Observações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialObservações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialsintermg
 
Eleições
EleiçõesEleições
Eleiçõessintermg
 
Plano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntárioPlano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntáriosintermg
 
Revisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceresRevisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceressintermg
 
Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001sintermg
 
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemDiárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemsintermg
 
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...sintermg
 
Ceres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentosCeres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentossintermg
 
Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013sintermg
 
Conheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalConheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalsintermg
 
Boletim Governador Valadares
Boletim Governador ValadaresBoletim Governador Valadares
Boletim Governador Valadaressintermg
 
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatoJá que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatosintermg
 
Boletim Caxambu
Boletim CaxambuBoletim Caxambu
Boletim Caxambusintermg
 
Boletim Abaeté
Boletim AbaetéBoletim Abaeté
Boletim Abaetésintermg
 

Mais de sintermg (20)

Informe Comissão Eleitoral
Informe Comissão EleitoralInforme Comissão Eleitoral
Informe Comissão Eleitoral
 
Estatuto
EstatutoEstatuto
Estatuto
 
Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012
 
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregoReunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
 
Término das negociações
Término das negociaçõesTérmino das negociações
Término das negociações
 
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajusteSinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
 
Observações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialObservações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarial
 
Eleições
EleiçõesEleições
Eleições
 
Plano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntárioPlano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntário
 
Revisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceresRevisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceres
 
Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001
 
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemDiárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
 
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
 
Ceres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentosCeres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentos
 
Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013
 
Conheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalConheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindical
 
Boletim Governador Valadares
Boletim Governador ValadaresBoletim Governador Valadares
Boletim Governador Valadares
 
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatoJá que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
 
Boletim Caxambu
Boletim CaxambuBoletim Caxambu
Boletim Caxambu
 
Boletim Abaeté
Boletim AbaetéBoletim Abaeté
Boletim Abaeté
 

Último

Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 

Último (20)

Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 

Agroecológico Maio 2012

  • 1. Informativo Técnico do Sindicato dos Trabalhadores em Assistência Técnica e Extensão Ruraldo Estado de Minas Gerais Ano 4 | Edição nº 20 | Maio de 2012 www.sinter-mg.org.br Bancos-de-Proteína Fotografia da internet DESTAQUE Formação e Manejo de Bancos-de-Proteína pág. 03 OUTRAS NOTÍCIAS 02 Bio Dicas: Inseticidas Caseiros
  • 2. Edição nº 20 | Maio de 2012 | Ano 4 02 Editorial Bio Dicas Como muitas vezes um atleta profissional Inseticidas Caseiros necessita de uma alimentação especifica para um programa de exercícios físicos Quebrarão ou para uma determinada competição, a vida animal também carece de uma dieta Material: ¼ litro de água, ¼ litro de querosene, 100g de sabão em pe- rica, para se manter saudável e externar dra e 1 vasilha de 2 litros. todo o seu potencial produtivo. Como fazer: Cortar o sabão em fatias bem finas e colocar para ferver Todavia, dependendo da estação, os junto com a água, mexendo sempre até total dissolução. Retirar do fogo animais não conseguem se alimentar/ e acrescentar o querosene lentamente, sempre mexendo, até virar uma nutrir adequadamente, necessitando de pasta. uma complementação alimentar, assim dos bancos de proteína. Os bancos de Como usar: proteína tem a capacidade de fornecer • Pulgão: Dissolver a pasta em 7 litros de água e colocar no pulverizador. uma dieta mais rica em momentos que Aplicar na horta e pomar. os animais não conseguem adquirir os • Cochonilha: Dissolver a pasta em 5 litros de água e colocar no pulveri- nutrientes com a sua alimentação normal. zador. Aplicar na horta e pomar. • Cochonilha Escama (Citros): Dissolver a pasta em água suficiente para Os bancos de proteína são uma solu- ficar líquida de forma a poder ser passada com uma brocha no tronco das ção barata com relação ao uso de ra- laranjeiras (+ ou – ½ litro d’água). ções especiais, podendo ser plantados Observações: Esta pasta pode ser usada até 03 dias após a sua fabrica- e processados na propriedade onde os ção, pois ela começa a degradar-se (querosene separa da água). animais se encontram. Plantas legumino- sas como a acácia, leucena, guandú, e amendoim-forrageiro servem para esta Fumacol suplementação alimentar, além de enri- quecerem o solo, e passarem os precio- Material: 10 a 15cm de fumo em corda, ½ litro de álcool, ½ litro de sos recursos para os animais que consu- água, 100g de sabão em pedra e 1 vasilha com tampa. mirem essa vegetação. A criação ainda Como fazer: Picar o fumo em pedacinhos e juntá-lo com a água e o dos bancos de proteína, além de propor- álcool numa vasilha. Fechar bem a vasilha e deixar curtir por aproxima- cionar uma cultura rotativa, preservando damente 15 dias. e repondo os minerais do solo, evita o uso de adubos químicos, baixando rela- Como usar: tivamente o custo da produção do banco • Pragas de Horta em geral: Dissolva o sabão em 10 litros de água e de proteína e da alimentação do animal. junte à mistura já curtida de fumo e álcool. Pode regar as plantas com pulverizador ou regador. Antônio Domingues Diretor de Comunicação do Sinter-MG Observações: O sabão somente é misturado na hora do uso. Manhuaçu | Célio Alexandre de O. Barros Juiz de Fora | Deyler Nelson Diretores de Base Maia Souto Viçosa | Luciano Saraiva Gonçalves de Souza Alfenas | Sávio Norte | Maria de Lourdes V. Leopoldo Centro | Afrânio Otávio Nogueira dos Reis Dutra Lavras | Júlio César Silva Pouso Alegre | Sérgio Bras Triângulo | Walter Lúcio de Brito Leste | Adilson Lopes Barros Zona Da Regina Mata | Margareth do Carmo C. Guimarães Sul | André Martins Ferreira Alto Paranaíba e Noroeste | Paulo César Thompson Conselho Fiscal Rua José de Alencar, 738 | Nova Suíça | Belo Horizonte/MG Ilka Alves Santana | Francisco Paiva de Rezende | Marlene da CEP 30480-500 | Telefax: 31 3334 3080 Representantes das Seções Sindicais Conceição A. Pereira | Noé de Oliveira Fernandes Filho | Reinaldo www.sinter-mg.org.br | conexao@sinter-mg.org.br Janaúba | Raimundo Mendes de Souza Júnior Januária | Renato Alves Bortone Lopes Montes Claros | Onias Guedes Batista Salinas | José dos Reis DIRETORIA COLEGIADA DO SINTER-MG Francisco da Rocha Barbacena | Tadeu César Gomes de Azevedo Belo Conexão sinter Diretor Geral | Carlos Augusto de Carvalho Diretor Secretário | Ronaldo Horizonte | Silmara Aparecida C. Campos Curvelo | Marcelino Teixeira Coordenação | Antônio Domingues Participação | Diretoria Sinter-MG | Vieira de Aquino Diretor de Administração e Finanças | Darci Roberti da Silva Divinópolis | Júlio César Maia Uberaba | Oeder Pedro Ferreira André Henriques Edição | Mauro Morais Diagramação | Somanyideas Diretor de Comunicação e Cultura | Antônio Domingues de Souza Uberlândia | Carlos Miguel Rodrigues Couto Patos De Minas | Dener Projeto Gráfico | Somanyideas Jornalista Responsável | Dante Xavier Diretor De Assuntos Jurídicos | Pascoal Pereira de Almeida Diretor de Henrique de Castro Unaí | Dalila Moreira da Cunha Almenara | MG-13.092 Circulação | Online Formação Política e Sindical | Lúcio Passos Ferreira Diretor de Assuntos Ronilson Martins Nascimento Capelinha | Vilivaldo Alves da Rocha de Agricultura Familiar e Reforma Agrária | Leni Alves de Souza Diretor Governador Valadares | Maurílio Andrade Dornelas Teófilo Otoni | Luiz Para sugestões, comentários e críticas sobre o Conexão Sinter-MG De Assuntos Dos Aposentados | Elizabete Soares de Andrade Mário Leite Júnior Cataguases | Janya Aparecida de Paula Costa conexao@sinter-mg.org.br
  • 3. Edição nº 20 | Maio de 2012 | Ano 4 03 Formação e Manejo de Bancos- de-Proteína A suplementação alimentar torna-se indispen- produtividade de forragem, composição química, sável visando amenizar o déficit nutricional dos palatabilidade, competitividade com as plantas rebanhos e reduzir os efeitos da estacionali- invasoras, persistência, além da tolerância a pra- dade da produção de forragem durante o ano. gas e doenças. Algumas espécies são recomen- A utilização de leguminosas forrageiras surge dadas, tais como: amendoim-forrageiro (Arachis como a alternativa mais viável para assegurar um pintoi), acácia (Acácia angustissima), guandu bom padrão alimentar dos animais, notadamente (Cajanus cajan), leucena (Leucaena leucocepha- durante o período seco, já que estas, em relação la), pueraria (Pueraria phaseoloides), desmodio às gramíneas, apresentam alto conteúdo protéi- (Desmodium ovalifolium), centrosema (Centrosema co, melhor digestibilidade e maior resistência ao macrocarpum), stylosantes (Stylosanthes guianen- período seco. Além disso, face à capacidade sis) e calopogônio (Calopogonium mucunoides). de fixação do nitro- gênio da atmosfera, O preparo do solo incorporam quan- “A suplementação alimentar através da aração e tidades considerá- gradagem constituem veis deste nutriente, torna-se indispensável visando o melhor recurso para contribuindo para o estabelecimento das a melhoria da ferti- amenizar o déficit nutricional dos leguminosas, além lidade do solo. As leguminosas podem rebanhos e reduzir os efeitos da de facilitar as práti- cas de manutenção e ser utilizadas para a estacionalidade da produção de manejo. Os métodos produção de feno, de plantio podem ser farinha para aves e forragem durante o ano. ” a lanço, em linhas ou suínos, como cultura em covas, manual ou restauradora da ferti- mecanicamente. A lidade do solo, consorciadas com gramíneas ou profundidade de semeadura deve ser de 2 a 5 plantadas em piquetes exclusivos denominados cm, pois, em geral, as leguminosas forrageiras de bancos-de-proteína. apresentam sementes pequenas. A densidade de semeadura depende da qualidade das se- Na escolha de uma leguminosa para a formação mentes (valor cultural), do método de plantio e de bancos-de-proteína deve-se considerar sua do espaçamento utilizado: Resistência Tolerância ao Exigência Hábito de Leguminosas Palatabilidade à seca encharcamento em solo crescimento Leucena alta baixa média/alta alta arbustivo Guandu alta baixa média/alta alta arbustivo Stilosanthes alta baixa baixa alta Ereto/semi- Centrosema média média baixa/média alta prostrado Arachis baixa alta média/alta alta prostrado Pueraria baixa/média média baixa média/alta prostrado Calopogônio baixa média baixa baixa/média prostrado Desmodio alta baixa/média baixa baixa/média decumbente Acácia média/alta baixa/média baixa alta arbustivo
  • 4. Edição nº 20 | Maio de 2012 | Ano 4 04 Recomenda-se sua utilização com vacas em lactação ou animais destinados a engorda. Em média, um hectare tem condições de alimentar satisfatoriamente 15 a 20 e de 10 a 15 animais adultos, respectivamente durante o período chuvoso e seco. O período de pastejo deve ser de uma a duas   horas/dia, durante a época chuvosa, preferen- cialmente após a ordenha matinal. Gradualmen- te, à medida que o organismo dos animais se adapta ao elevado teor protéico da leguminosa. A maioria das leguminosas tropicais apresenta O período de pastejo pode ser aumentado para alta percentagem de sementes duras, ou seja, duas a quatro horas/dia, principalmente durante não germinam logo após a semeadura. Em ge- o período seco, quando as pastagens apresen- ral, a percentagem de sementes duras situa-se tam baixa disponibilidade e qualidade de forra- entre 60 e 90% e a dormência é devida à pre- gem. sença de uma cobertura impermeável à pene- tração da água, o que impede sua germinação. Períodos superiores a quatro horas/dia po- dem ocasio- Em condições nar distúrbios naturais, a co- metabólicos bertura torna-se (timpanismo gradualmente ou empanzina- permeável e mento), nota- ocorre a germi- damente du- nação de uma rante a estação certa proporção chuvosa, em de sementes a função dos al- cada período, o tos teores de que contribuiu proteína da le- para assegurar antes do final   guminosa. Dois   a sobrevivên- a três meses cia da espécie, Guandu Leucema principalmen- do período te, em regiões chuvoso reco- onde ocorrem secas prolongadas. menda-se deixar a leguminosa em descanso para que acumule forragem para utilização du- A escarificação causa o rompimento da película rante a época seca, a qual deve estar em torno das sementes, o que irá aumentar a permeabi- de duas a três t/ha de matéria seca. Quando lidade à água e, consequentemente, estimular os animais têm livre acesso e o pastejo não é a germinação. Esta ruptura poderá ser obtida controlado, deve-se ajustar a carga animal, de por diversos métodos mecânicos, químicos ou modo que a forragem produzida seja bem dis- físicos, que dependem das características da tribuída durante o período de suplementação. leguminosa. Neste caso, o pastejo poderia ser realizado em A área a ser plantada depende da categoria e dias alternados ou três vezes por semana. do número de animais a serem suplementados, de suas exigências nutritivas e da disponibili- dade e qualidade da forragem das pastagens. Normalmente, o banco-de-proteína deve repre- 1. Eng. Agrôn., M.Sc., Embrapa Rondônia sentar de 10 a 15% da área da pastagem culti- Recomendações Técnicas para a Agropecuária vada com gramíneas. de Rondônia - Manual do Produtor