SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
Informativo Técnico do Sindicato dos
                                                  Trabalhadores em Assistência Técnica e
                                                  Extensão Rural do Estado de Minas Gerais




                                                        Ano 5 | Edição nº 01 | Janeiro de 2013

www.sinter-mg.org.br




                                      DESTAQUE


                         Plantas medicinais
                       conheça um pouco mais                                         pág. 03


                                      Bio Dicas




         02        Fitoterapia para
                   bovinos
Edição nº 01 | Janeiro de 2013 | Ano 5
                                                                                                                                                                                                            02

             Editorial                                                                           Bio Dicas
                                                                                             Fitoterapia para bovinos
                Plantas medicinais:                                                          A fitoterapia vem sendo cada vez mais utilizada no tratamento de doenças. O
                cura ou perigo?                                                              método propicia o mesmo resultado da terapia sintética em um curto período
                                                                                             de tempo, mantendo a qualidade de vida do animal, além de reforçar e aumen-
                O problema relacionado às plan-                                              tar sua imunidade, auxiliando sua integridade física e mental.
                tas medicinais é algo recorrente no
                                                                                             O tratamento em base ecológica de doenças infecciosas e parasitárias ou
                Brasil. A sociedade prefere usar as
                                                                                             distúrbios fisiológicos dos animais pode ser feito também com as técnicas de
                espécies para curar enfermidades
                                                                                             Fitoterapia, Homeopatia, Acupuntura, entre outros. Quando o animal adoece,
                pelo fato de serem “naturais”, porém,
                                                                                             o primeiro ponto que devemos analisar é o seu manejo e se o animal está
                esquecem que a parte química dos
                                                                                             sendo cuidado corretamente. É necessário que os criadores aprendam a ob-
                medicamentos é oriunda das plantas.
                                                                                             servar a natureza e o comportamento dos animais para prevenir que ocorram
                Questões como dosagem e consu-
                                                                                             enfermidades. É possível que para cuidar melhor dos animais, seus criadores
                mo, além dos cuidados com relação
                                                                                             necessitem do auxílio de alguns medicamentos e que estes medicamentos
                ao plantio, época certa de coleta,
                                                                                             sejam fitoterápicos.
                tipo de terra e local apropriado, se
                não respeitados podem trazer sérios
                                                                                             Mastite
                riscos à saúde.
                                                                                             Mastite ou mamite é uma infecção da glândula mamária, uma doença que
                Nesta edição do Agroecológico pre-                                           ataca mais os animais de produção de leite.
                tendemos promover e difundir a infor-
                                                                                             Agente transmissor: Bactérias, fungos, algas, leveduras, vírus, etc. São
                mação com relação à toxicidade de
                                                                                             mais de 200 agentes causadores de mastite.
                determinadas plantas consideradas
                                                                                             Transmissão: Falta de higiene do ordenhador, das instalações e do maquinário
                medicinais, além de levar conheci-
                                                                                             usado. Pode ser causada também por deficiência nutricional e estresse do
                mento sobre a função de algumas
                                                                                             animal.
                delas. Esperamos que o material
                chame a atenção para as potenciali-                                          Prevenção: Para prevenir o surgimento da mastite é necessário seguir al-
                dades da medicina natural, mas tam-                                          gumas regras básicas como manter a boa higiene dos animais, ordenhar em
                bém mostre os perigos a que seus                                             clima calmo e sem barulho, utilizar instalações e materiais adequados, cuidar
                consumidores estão sujeitos, se não                                          para que seja adotada a correta nutrição e fornecimento de sal mineral aos
                tomadas as devidas precauções.                                               animais, além de realizar exame do CMT (teste da raquete) uma vez por mês
                                                                                             e teste da caneca de fundo escura diariamente;
                Confira também os benefícios da me-                                          Tratamento: Trate o animal doente com tintura de própolis. Misture 300g de
                dicina alternativa nos cuidados com                                          própolis bruto em 1 litro de álcool de cereais ou cachaça e deixe descansar
                os animais.                                                                  por 30 dias. Coloque de 40 a 100 gotas misturadas no alimento do animal,
                                                                                             2 vezes por dia. Ordenhe o animal com mastite 4 vezes por dia, lembrando
                Desejamos uma boa leitura a todos.                                           sempre de antes de realizar o procedimento, fazer massagem no úbere com
                                                                                             água morna, sal e vinagre para drenar o local.
                Antônio Domingues.
                                                                                             Fonte: Biblioteca Central da Epagri. BOFF, P. (Coord.). Agropecuária saudável: da prevenção de
                                                                                             doenças, pragas e parasitas à terapêutica não residual. Lages: Epagri; Udesc, 2008.

                                                                                                                                                       Alexandre de O. Barros Juiz de Fora | Deyler Nelson Maia Souto Viçosa |
                                                                              Diretores de Base                                                        Luciano Saraiva Gonçalves de Souza Alfenas | Sávio dos Reis Dutra Lavras |
                                                                              Norte | Maria de Lourdes V. Leopoldo Centro | Afrânio Otávio Nogueira    Júlio César Silva Pouso Alegre | Sérgio Bras Regina
                                                                              Triângulo | Walter Lúcio de Brito Leste | Adilson Lopes Barros Zona Da
                                                                              Mata | Margareth do Carmo C. Guimarães Sul | André Martins Ferreira      Conselho Fiscal
                                                                                                                                                       Ilka Alves Santana | Francisco Paiva de Rezende | Marlene da Conceição
Rua José de Alencar, 738 | Nova Suíça | Belo Horizonte/MG
                                                                              Representantes das Seções Sindicais                                      A. Pereira | Noé de Oliveira Fernandes Filho | Reinaldo Bortone
CEP 30480-500 | Telefax: 31 3334 3080
                                                                              Janaúba | Raimundo Mendes de Souza Júnior Januária | Renato Alves
www.sinter-mg.org.br | conexao@sinter-mg.org.br
                                                                              Lopes Montes Claros | Onias Guedes Batista Salinas | José dos Reis       Conexão sinter
                                                                              Francisco da Rocha Barbacena | Tadeu César Gomes de Azevedo Belo         Coordenação | Antônio Domingues Participação | Diretoria Sinter-MG |
DIRETORIA COLEGIADA DO SINTER-MG                                              Horizonte | Silmara Aparecida C. Campos Curvelo | Marcelino Teixeira     André Henriques Diagramação | Augusto Cabral Projeto Gráfico |
Diretor Geral | Carlos Augusto de Carvalho Diretor Secretário | Ronaldo       da Silva Divinópolis | Júlio César Maia Uberaba | Oeder Pedro Ferreira   Somanyideas Jornalista Responsável | Patrícia Brum JP 10872/MG Trainee |
Vieira de Aquino Diretor de Administração e Finanças | Darci Roberti          Uberlândia | Carlos Miguel Rodrigues Couto Patos De Minas | Dener        Liliane Mendes Circulação | Online
Diretor De Assuntos Jurídicos | Pascoal Pereira de Almeida Diretor de         Henrique de Castro Unaí | Dalila Moreira da Cunha Almenara | Ronilson
Formação Política e Sindical | Lúcio Passos Ferreira Diretor de Assuntos de   Martins Nascimento Capelinha | Vilivaldo Alves da Rocha Governador       Para sugestões, comentários e críticas sobre o Conexão Sinter-MG
Agricultura Familiar e Reforma Agrária | Leni Alves de Souza Diretor De       Valadares | Maurílio Andrade Dornelas Teófilo Otoni | Luiz Mário Leite   conexao@sinter-mg.org.br
Assuntos Dos Aposentados | Elizabete Soares de Andrade                        Júnior Cataguases | Janya Aparecida de Paula Costa Manhuaçu | Célio
Edição nº 01 | Janeiro de 2013 | Ano 5
                                                                                                              03

Plantas Medicinais:
conheça um pouco mais
As plantas medicinais têm seu uso descrito por pra-         morte de uma criança de três anos de idade, atribuída
ticamente todos os povos desde os tempos mais re-           à ingestão de sementes de Hennecartia omphalandra
motos. A partir dos conhecimentos tradicionais do uso       Poisson (pimenteira-do-mato), planta nativa da região
das plantas medicinais na busca de solução de algum         sul do Brasil, para a qual não havia registro escrito so-
mal-estar ou a cura de alguma doença, surgiram inte-        bre toxicidade. Algumas plantas são fontes frequentes
resses comerciais e científicos.                            de intoxicação, destacando-se em nosso meio, comi-
                                                            go-ninguém-pode, coroa de cristo, pinhão de purga ou
Entre o uso primitivo e mágico das plantas pelos curan-     pinhão-paraguaio, aroeira-brava, mamona e cartuchei-
deiros até o conhecimento atual, existem diferenças         ra, entre outras.
difíceis de serem mensuradas. Entretanto, a partir do
momento em que as plantas passaram a ser utilizadas       Além do vegetal em si, são necessários outros parâ-
fora do seu contexto original, tornou-se necessária a     metros para a segurança do uso de plantas medicinais.
avaliação da sua eficácia e segurança.                    As condições de coleta e armazenamento são pontos
                                                                                     críticos. Por exemplo, plantas
As plantas foram e são                                                               colhidas na beira de estradas
as fornecedoras de gran-         “...as plantas foram e são as for-                  movimentadas podem estar
des venenos da história                                                              contaminadas com produtos
da humanidade e o co- necedoras de grandes venenos da derivados do tráfego de au-
nhecimento da potencial                                                              tomóveis. Da mesma forma,
toxicidade remonta à an-             história da humanidade e o                      plantas medicinais coletadas
tiguidade. Sócrates, por
exemplo, foi condenado à
                                conhecimento da potencial toxici- próximo a lavouras, onde são
                                                                                     utilizados defensivos agríco-
morte através da ingestão         dade remonta à antiguidade...”                     las ou próximo a depósitos e
de cicuta, os índios ame-                                                            emissão de resíduos indus-
ricanos usavam o curare                                                              triais, são potencialmente
e a estricnina já fez parte dos romances policiais envol- contaminadas por esses produtos.
vendo assassinato.
                                                          A secagem das plantas, quando necessária, deveria
Muitas plantas contêm substâncias capazes de exer-        ser feita ao abrigo da luz, o que nem sempre ocorre. O
cer ação tóxica sobre organismos vivos. Segundo algu-     armazenamento das plantas deveria ser feito em lugar
mas teorias, essas substâncias seriam formadas com        seco e ventilado de modo a não favorecer o desen-
a função de defender a espécie de seus predadores.        volvimento de fungos e/ou bactérias. Assim, efeitos
Por isso, não é de surpreender que muitas plantas         adversos advindos da utilização de plantas podem ter
acumulem substâncias de elevada toxicidade, como os       origem em circunstâncias relacionadas com o proces-
glicosídeos cianogênos, presentes na mandioca-brava,      samento e/ou armazenamento.
proteínas tóxicas como a ricina, presente na mamona,
muitos alcalóides como a coniina presentes na cicuta      Outros fatores importantes na composição de plantas
e a estricnina, presente na noz-vômica.                   são as variações de tempo e lugar. Ela é fortemente
                                                          influenciada por variações climáticas e de composição
É de se ressaltar que muitas plantas são completa-        do solo. Como elemento de comparação, pode se citar
mente desconhecidas quanto ao potencial de causar         as uvas utilizadas no fabrico de vinhos, cuja qualidade
intoxicações. Exemplifica essa questão o relato (Re-      depende da origem da matéria-prima e do processa-
gistro junto ao Centro de Informações Toxicológicas       mento. Nesse caso, são facilmente identificados vi-
do Estado de Santa Catarina, outubro de 1997), da         nhos de determinada origem e de determinada safra,
Edição nº 01 | Janeiro de 2013 | Ano 5
                                                                                                              04
que possuem características especialmente diferen-
ciadas. De forma semelhante, a toxicidade de plantas
medicinais pode apresentar variações significativas,
relacionadas com fatores como a região e época de
coletas, processamento do material, forma de armaze-
namento e embalagens utilizadas.

Não obstante essa variabilidade possível, para um nú-
mero significativo de plantas, existem dados acumula-
dos sobre toxicidade, principalmente através de relatos
de casos na literatura e em Centros de Informações To-
xicológicas, ou através de estudos em animais. Neste
último caso, além da variabilidade dos vegetais e das
condições de coleta e armazenamento, somam-se as                                       BOLDO
dificuldades de transposição de resultados dos estu-
                                                                                  Peumus boldus Mol
dos em animais para seres humanos.
                                                                     Estudos em animais evidenciaram ação abortiva.
Conheça um pouco mais sobre as plantas medicinais
na nossa edição de fevereiro do Agroecológico.

Fonte: Revista Brasileira de Farmacognosia e Livro Manual de Tera-
togênese, de editoria da Universidade do Rio Grande do Sul.




                                                                                        POEJO
                                                                                  Mentha pulegium L.
                                                                                Pode ocasionar o aborto.




                        ARRUDA
                                                                                       LOSNA
               Ruta graveolens L.
                                                                                Artemisia absinthium L.
        O manuseio das folhas pode causar
                                                                       Pode causar distúrbios visuais e convulsões.
         eritemas, coceiras e dermatites.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Agroecológico Janeiro 2013

Como funcionam os pesticidas
Como funcionam os pesticidasComo funcionam os pesticidas
Como funcionam os pesticidasCarlos Alves
 
Prevenção de Doenças - www.criadornovageracao.blogspot.com
Prevenção de Doenças - www.criadornovageracao.blogspot.comPrevenção de Doenças - www.criadornovageracao.blogspot.com
Prevenção de Doenças - www.criadornovageracao.blogspot.comAntonio Silva
 
Apostila entomologia
Apostila entomologiaApostila entomologia
Apostila entomologiaJean Marcel
 
Cartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre TrichodermaCartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre TrichodermaBMP2015
 
6747003 plantas-is-e-arom aticas
6747003 plantas-is-e-arom aticas6747003 plantas-is-e-arom aticas
6747003 plantas-is-e-arom aticasMaria Alves Silva
 
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...Maria Paredes
 
Ligia Moura_Apresentação Projeto Mestrado -1.pptx
Ligia Moura_Apresentação Projeto Mestrado -1.pptxLigia Moura_Apresentação Projeto Mestrado -1.pptx
Ligia Moura_Apresentação Projeto Mestrado -1.pptxLigia Maria Moura
 
Tratar a planta e não à doença
Tratar a planta e não à doençaTratar a planta e não à doença
Tratar a planta e não à doençaWitalo Silva
 
Apresentação Rotação de Agrotóxicos.pdf
Apresentação Rotação de Agrotóxicos.pdfApresentação Rotação de Agrotóxicos.pdf
Apresentação Rotação de Agrotóxicos.pdfGilsonRibeiroNachtig
 
DEFENCIVOS AGRICOLAS
DEFENCIVOS AGRICOLASDEFENCIVOS AGRICOLAS
DEFENCIVOS AGRICOLASVictor Lopes
 
Ferreira2022 [artigo].pdf
Ferreira2022 [artigo].pdfFerreira2022 [artigo].pdf
Ferreira2022 [artigo].pdfVeryTrue1
 
Revista Ciência Saudável
Revista Ciência SaudávelRevista Ciência Saudável
Revista Ciência SaudávelLeandro Ceolin
 

Semelhante a Agroecológico Janeiro 2013 (20)

Como funcionam os pesticidas
Como funcionam os pesticidasComo funcionam os pesticidas
Como funcionam os pesticidas
 
Prevenção de Doenças - www.criadornovageracao.blogspot.com
Prevenção de Doenças - www.criadornovageracao.blogspot.comPrevenção de Doenças - www.criadornovageracao.blogspot.com
Prevenção de Doenças - www.criadornovageracao.blogspot.com
 
Controle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragasControle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragas
 
Apostila entomologia
Apostila entomologiaApostila entomologia
Apostila entomologia
 
Cartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre TrichodermaCartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre Trichoderma
 
6747003 plantas-is-e-arom aticas
6747003 plantas-is-e-arom aticas6747003 plantas-is-e-arom aticas
6747003 plantas-is-e-arom aticas
 
Farmácia viva
Farmácia vivaFarmácia viva
Farmácia viva
 
Nadia Poletti
Nadia PolettiNadia Poletti
Nadia Poletti
 
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
 
Ligia Moura_Apresentação Projeto Mestrado -1.pptx
Ligia Moura_Apresentação Projeto Mestrado -1.pptxLigia Moura_Apresentação Projeto Mestrado -1.pptx
Ligia Moura_Apresentação Projeto Mestrado -1.pptx
 
Tratar a planta e não à doença
Tratar a planta e não à doençaTratar a planta e não à doença
Tratar a planta e não à doença
 
Apresentação Rotação de Agrotóxicos.pdf
Apresentação Rotação de Agrotóxicos.pdfApresentação Rotação de Agrotóxicos.pdf
Apresentação Rotação de Agrotóxicos.pdf
 
DEFENCIVOS AGRICOLAS
DEFENCIVOS AGRICOLASDEFENCIVOS AGRICOLAS
DEFENCIVOS AGRICOLAS
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Curso horti parcial
Curso horti parcialCurso horti parcial
Curso horti parcial
 
Ferreira2022 [artigo].pdf
Ferreira2022 [artigo].pdfFerreira2022 [artigo].pdf
Ferreira2022 [artigo].pdf
 
Fitoterapia no mundo atual
Fitoterapia no mundo atualFitoterapia no mundo atual
Fitoterapia no mundo atual
 
Aditivos para monogástricos
Aditivos para monogástricosAditivos para monogástricos
Aditivos para monogástricos
 
Revista Ciência Saudável
Revista Ciência SaudávelRevista Ciência Saudável
Revista Ciência Saudável
 
Medicina veterinária
Medicina veterináriaMedicina veterinária
Medicina veterinária
 

Mais de sintermg

Informe Comissão Eleitoral
Informe Comissão EleitoralInforme Comissão Eleitoral
Informe Comissão Eleitoralsintermg
 
Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012sintermg
 
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregoReunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregosintermg
 
Término das negociações
Término das negociaçõesTérmino das negociações
Término das negociaçõessintermg
 
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajusteSinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajustesintermg
 
Observações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialObservações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialsintermg
 
Eleições
EleiçõesEleições
Eleiçõessintermg
 
Plano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntárioPlano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntáriosintermg
 
Revisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceresRevisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceressintermg
 
Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001sintermg
 
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemDiárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemsintermg
 
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...sintermg
 
Ceres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentosCeres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentossintermg
 
Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013sintermg
 
Conheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalConheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalsintermg
 
Boletim Governador Valadares
Boletim Governador ValadaresBoletim Governador Valadares
Boletim Governador Valadaressintermg
 
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatoJá que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatosintermg
 
Boletim Caxambu
Boletim CaxambuBoletim Caxambu
Boletim Caxambusintermg
 
Boletim Abaeté
Boletim AbaetéBoletim Abaeté
Boletim Abaetésintermg
 

Mais de sintermg (20)

Informe Comissão Eleitoral
Informe Comissão EleitoralInforme Comissão Eleitoral
Informe Comissão Eleitoral
 
Estatuto
EstatutoEstatuto
Estatuto
 
Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012
 
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregoReunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
 
Término das negociações
Término das negociaçõesTérmino das negociações
Término das negociações
 
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajusteSinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
 
Observações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialObservações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarial
 
Eleições
EleiçõesEleições
Eleições
 
Plano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntárioPlano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntário
 
Revisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceresRevisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceres
 
Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001
 
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemDiárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
 
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
 
Ceres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentosCeres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentos
 
Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013
 
Conheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalConheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindical
 
Boletim Governador Valadares
Boletim Governador ValadaresBoletim Governador Valadares
Boletim Governador Valadares
 
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatoJá que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
 
Boletim Caxambu
Boletim CaxambuBoletim Caxambu
Boletim Caxambu
 
Boletim Abaeté
Boletim AbaetéBoletim Abaeté
Boletim Abaeté
 

Último

EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 

Último (20)

EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 

Agroecológico Janeiro 2013

  • 1. Informativo Técnico do Sindicato dos Trabalhadores em Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais Ano 5 | Edição nº 01 | Janeiro de 2013 www.sinter-mg.org.br DESTAQUE Plantas medicinais conheça um pouco mais pág. 03 Bio Dicas 02 Fitoterapia para bovinos
  • 2. Edição nº 01 | Janeiro de 2013 | Ano 5 02 Editorial Bio Dicas Fitoterapia para bovinos Plantas medicinais: A fitoterapia vem sendo cada vez mais utilizada no tratamento de doenças. O cura ou perigo? método propicia o mesmo resultado da terapia sintética em um curto período de tempo, mantendo a qualidade de vida do animal, além de reforçar e aumen- O problema relacionado às plan- tar sua imunidade, auxiliando sua integridade física e mental. tas medicinais é algo recorrente no O tratamento em base ecológica de doenças infecciosas e parasitárias ou Brasil. A sociedade prefere usar as distúrbios fisiológicos dos animais pode ser feito também com as técnicas de espécies para curar enfermidades Fitoterapia, Homeopatia, Acupuntura, entre outros. Quando o animal adoece, pelo fato de serem “naturais”, porém, o primeiro ponto que devemos analisar é o seu manejo e se o animal está esquecem que a parte química dos sendo cuidado corretamente. É necessário que os criadores aprendam a ob- medicamentos é oriunda das plantas. servar a natureza e o comportamento dos animais para prevenir que ocorram Questões como dosagem e consu- enfermidades. É possível que para cuidar melhor dos animais, seus criadores mo, além dos cuidados com relação necessitem do auxílio de alguns medicamentos e que estes medicamentos ao plantio, época certa de coleta, sejam fitoterápicos. tipo de terra e local apropriado, se não respeitados podem trazer sérios Mastite riscos à saúde. Mastite ou mamite é uma infecção da glândula mamária, uma doença que Nesta edição do Agroecológico pre- ataca mais os animais de produção de leite. tendemos promover e difundir a infor- Agente transmissor: Bactérias, fungos, algas, leveduras, vírus, etc. São mação com relação à toxicidade de mais de 200 agentes causadores de mastite. determinadas plantas consideradas Transmissão: Falta de higiene do ordenhador, das instalações e do maquinário medicinais, além de levar conheci- usado. Pode ser causada também por deficiência nutricional e estresse do mento sobre a função de algumas animal. delas. Esperamos que o material chame a atenção para as potenciali- Prevenção: Para prevenir o surgimento da mastite é necessário seguir al- dades da medicina natural, mas tam- gumas regras básicas como manter a boa higiene dos animais, ordenhar em bém mostre os perigos a que seus clima calmo e sem barulho, utilizar instalações e materiais adequados, cuidar consumidores estão sujeitos, se não para que seja adotada a correta nutrição e fornecimento de sal mineral aos tomadas as devidas precauções. animais, além de realizar exame do CMT (teste da raquete) uma vez por mês e teste da caneca de fundo escura diariamente; Confira também os benefícios da me- Tratamento: Trate o animal doente com tintura de própolis. Misture 300g de dicina alternativa nos cuidados com própolis bruto em 1 litro de álcool de cereais ou cachaça e deixe descansar os animais. por 30 dias. Coloque de 40 a 100 gotas misturadas no alimento do animal, 2 vezes por dia. Ordenhe o animal com mastite 4 vezes por dia, lembrando Desejamos uma boa leitura a todos. sempre de antes de realizar o procedimento, fazer massagem no úbere com água morna, sal e vinagre para drenar o local. Antônio Domingues. Fonte: Biblioteca Central da Epagri. BOFF, P. (Coord.). Agropecuária saudável: da prevenção de doenças, pragas e parasitas à terapêutica não residual. Lages: Epagri; Udesc, 2008. Alexandre de O. Barros Juiz de Fora | Deyler Nelson Maia Souto Viçosa | Diretores de Base Luciano Saraiva Gonçalves de Souza Alfenas | Sávio dos Reis Dutra Lavras | Norte | Maria de Lourdes V. Leopoldo Centro | Afrânio Otávio Nogueira Júlio César Silva Pouso Alegre | Sérgio Bras Regina Triângulo | Walter Lúcio de Brito Leste | Adilson Lopes Barros Zona Da Mata | Margareth do Carmo C. Guimarães Sul | André Martins Ferreira Conselho Fiscal Ilka Alves Santana | Francisco Paiva de Rezende | Marlene da Conceição Rua José de Alencar, 738 | Nova Suíça | Belo Horizonte/MG Representantes das Seções Sindicais A. Pereira | Noé de Oliveira Fernandes Filho | Reinaldo Bortone CEP 30480-500 | Telefax: 31 3334 3080 Janaúba | Raimundo Mendes de Souza Júnior Januária | Renato Alves www.sinter-mg.org.br | conexao@sinter-mg.org.br Lopes Montes Claros | Onias Guedes Batista Salinas | José dos Reis Conexão sinter Francisco da Rocha Barbacena | Tadeu César Gomes de Azevedo Belo Coordenação | Antônio Domingues Participação | Diretoria Sinter-MG | DIRETORIA COLEGIADA DO SINTER-MG Horizonte | Silmara Aparecida C. Campos Curvelo | Marcelino Teixeira André Henriques Diagramação | Augusto Cabral Projeto Gráfico | Diretor Geral | Carlos Augusto de Carvalho Diretor Secretário | Ronaldo da Silva Divinópolis | Júlio César Maia Uberaba | Oeder Pedro Ferreira Somanyideas Jornalista Responsável | Patrícia Brum JP 10872/MG Trainee | Vieira de Aquino Diretor de Administração e Finanças | Darci Roberti Uberlândia | Carlos Miguel Rodrigues Couto Patos De Minas | Dener Liliane Mendes Circulação | Online Diretor De Assuntos Jurídicos | Pascoal Pereira de Almeida Diretor de Henrique de Castro Unaí | Dalila Moreira da Cunha Almenara | Ronilson Formação Política e Sindical | Lúcio Passos Ferreira Diretor de Assuntos de Martins Nascimento Capelinha | Vilivaldo Alves da Rocha Governador Para sugestões, comentários e críticas sobre o Conexão Sinter-MG Agricultura Familiar e Reforma Agrária | Leni Alves de Souza Diretor De Valadares | Maurílio Andrade Dornelas Teófilo Otoni | Luiz Mário Leite conexao@sinter-mg.org.br Assuntos Dos Aposentados | Elizabete Soares de Andrade Júnior Cataguases | Janya Aparecida de Paula Costa Manhuaçu | Célio
  • 3. Edição nº 01 | Janeiro de 2013 | Ano 5 03 Plantas Medicinais: conheça um pouco mais As plantas medicinais têm seu uso descrito por pra- morte de uma criança de três anos de idade, atribuída ticamente todos os povos desde os tempos mais re- à ingestão de sementes de Hennecartia omphalandra motos. A partir dos conhecimentos tradicionais do uso Poisson (pimenteira-do-mato), planta nativa da região das plantas medicinais na busca de solução de algum sul do Brasil, para a qual não havia registro escrito so- mal-estar ou a cura de alguma doença, surgiram inte- bre toxicidade. Algumas plantas são fontes frequentes resses comerciais e científicos. de intoxicação, destacando-se em nosso meio, comi- go-ninguém-pode, coroa de cristo, pinhão de purga ou Entre o uso primitivo e mágico das plantas pelos curan- pinhão-paraguaio, aroeira-brava, mamona e cartuchei- deiros até o conhecimento atual, existem diferenças ra, entre outras. difíceis de serem mensuradas. Entretanto, a partir do momento em que as plantas passaram a ser utilizadas Além do vegetal em si, são necessários outros parâ- fora do seu contexto original, tornou-se necessária a metros para a segurança do uso de plantas medicinais. avaliação da sua eficácia e segurança. As condições de coleta e armazenamento são pontos críticos. Por exemplo, plantas As plantas foram e são colhidas na beira de estradas as fornecedoras de gran- “...as plantas foram e são as for- movimentadas podem estar des venenos da história contaminadas com produtos da humanidade e o co- necedoras de grandes venenos da derivados do tráfego de au- nhecimento da potencial tomóveis. Da mesma forma, toxicidade remonta à an- história da humanidade e o plantas medicinais coletadas tiguidade. Sócrates, por exemplo, foi condenado à conhecimento da potencial toxici- próximo a lavouras, onde são utilizados defensivos agríco- morte através da ingestão dade remonta à antiguidade...” las ou próximo a depósitos e de cicuta, os índios ame- emissão de resíduos indus- ricanos usavam o curare triais, são potencialmente e a estricnina já fez parte dos romances policiais envol- contaminadas por esses produtos. vendo assassinato. A secagem das plantas, quando necessária, deveria Muitas plantas contêm substâncias capazes de exer- ser feita ao abrigo da luz, o que nem sempre ocorre. O cer ação tóxica sobre organismos vivos. Segundo algu- armazenamento das plantas deveria ser feito em lugar mas teorias, essas substâncias seriam formadas com seco e ventilado de modo a não favorecer o desen- a função de defender a espécie de seus predadores. volvimento de fungos e/ou bactérias. Assim, efeitos Por isso, não é de surpreender que muitas plantas adversos advindos da utilização de plantas podem ter acumulem substâncias de elevada toxicidade, como os origem em circunstâncias relacionadas com o proces- glicosídeos cianogênos, presentes na mandioca-brava, samento e/ou armazenamento. proteínas tóxicas como a ricina, presente na mamona, muitos alcalóides como a coniina presentes na cicuta Outros fatores importantes na composição de plantas e a estricnina, presente na noz-vômica. são as variações de tempo e lugar. Ela é fortemente influenciada por variações climáticas e de composição É de se ressaltar que muitas plantas são completa- do solo. Como elemento de comparação, pode se citar mente desconhecidas quanto ao potencial de causar as uvas utilizadas no fabrico de vinhos, cuja qualidade intoxicações. Exemplifica essa questão o relato (Re- depende da origem da matéria-prima e do processa- gistro junto ao Centro de Informações Toxicológicas mento. Nesse caso, são facilmente identificados vi- do Estado de Santa Catarina, outubro de 1997), da nhos de determinada origem e de determinada safra,
  • 4. Edição nº 01 | Janeiro de 2013 | Ano 5 04 que possuem características especialmente diferen- ciadas. De forma semelhante, a toxicidade de plantas medicinais pode apresentar variações significativas, relacionadas com fatores como a região e época de coletas, processamento do material, forma de armaze- namento e embalagens utilizadas. Não obstante essa variabilidade possível, para um nú- mero significativo de plantas, existem dados acumula- dos sobre toxicidade, principalmente através de relatos de casos na literatura e em Centros de Informações To- xicológicas, ou através de estudos em animais. Neste último caso, além da variabilidade dos vegetais e das condições de coleta e armazenamento, somam-se as BOLDO dificuldades de transposição de resultados dos estu- Peumus boldus Mol dos em animais para seres humanos. Estudos em animais evidenciaram ação abortiva. Conheça um pouco mais sobre as plantas medicinais na nossa edição de fevereiro do Agroecológico. Fonte: Revista Brasileira de Farmacognosia e Livro Manual de Tera- togênese, de editoria da Universidade do Rio Grande do Sul. POEJO Mentha pulegium L. Pode ocasionar o aborto. ARRUDA LOSNA Ruta graveolens L. Artemisia absinthium L. O manuseio das folhas pode causar Pode causar distúrbios visuais e convulsões. eritemas, coceiras e dermatites.