SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
Informativo Técnico do Sindicato dos
                                                   Trabalhadores em Assistência Técnica e
                                                   Extensão Ruraldo Estado de Minas Gerais




                                                           Ano 4 | Edição nº 19 | Abril de 2012

www.sinter-mg.org.br




 Produção do Agrobio
 Fotografia: Ana Luísa Telles




                                      DESTAQUE



 Utilização do Agrobio no controle e combate
 a pragas                                                                           pág. 03



                                 OUTRAS NOTÍCIAS




               Bio Dicas:
02             Como Fazer o Agrobio
Edição nº 18 | Março de 2012 | Ano 4
                                                                                                                                                                                                      02

 Editorial                                                                         Bio Dicas
   Bio quer dizer vida e fertilizante significa                                      Agrobio
   adubo, ou seja, biofertilizante é um adubo
   vivo, que contém organismos vivos que                                             Modo de Preparo:
   ajudam no controle de doenças e mine-
   rais que irão nutrir as plantas.                                                  Os ingredientes devem ser bem misturados e deixados fermentar por
                                                                                     uma semana. A este caldo nutritivo, nas sete semanas subseqüentes,
   Os biofertilizantes podem ser feitos com                                          são acrescen-tados, semanalmente, os seguintes ingredientes, previa-
   qualquer tipo de matéria orgânica fresca                                          mente dissolvidos em água: 430g de bórax ou ácido bórico, 570g de
   (fonte de organismos fermentadores). Na                                           cinza de lenha, 850g de cloreto de cálcio, 43g de sulfato ferroso, 60g
   maioria das vezes são utilizados estercos,                                        de farinha de osso, 60g de farinha de carne, 143g de termofosfato mag-
   mas também é possível usar somente res-                                           nesiano, 1,5kg de melaço, 30g de molibdato de sódio, 30g de sulfato de
   tos vegetais. O esterco bovino é o que                                            cobalto, 43g de sulfato de cobre, 86g de sulfato de manganês, 143g de
   apresenta mais fácil fermentação e já vem                                         sulfato de magnésio, 57g de sulfato de zinco e 29g de torta de mamona.
   inoculado com bactérias decompositoras
   muito eficientes. Ainda assim, por uma                                            Nas quatro últimas semanas, são adicionados 500 ml de urina de vaca.
   questão de segurança, não deve ser utiliza-                                       A calda deve ser bem misturada duas vezes por dia. Após oito semanas,
   do o esterco de animais que estejam sen-                                          o volume deve ser completado para 500 litros e coado. São indispen-
   do tratados com algum produto como an-                                            sáveis, para a produção do Agrobio em maior escala, os seguintes ma-
   tibióticos, vermífugos, carrapaticidas, etc.                                      teriais: caixa d’água de plástico com tampa e capacidade de 500 litros;
                                                                                     bancada de concreto ou madeira; conexões de 2 polegadas; pá; baldes;
   Em todos os processos de fermentação é                                            tela e peneira para coagem.
   possível utilizar produtos para aumentar a
   velocidade de fermentação, ou seja, pro-                                          O Agrobio pronto apresenta cor bem escura e odor característico de
   dutos que vão alimentar as bactérias que                                          produto fermentado e pH na faixa de 5 a 6. A análise química do biofer-
   farão a decomposição da matéria orgâni-                                           tilizante fornece os seguintes resultados por litro: 34,69g de matéria or-
   ca. Tais produtos são chamados de catali-                                         gânica; 0,8% de carbono; 631mg de N; 170mg de P; 1,2g de K; 1,59g
   sadores (soro deleite, caldo de cana, açú-                                        de Ca e 480mg de Mg, além de traços dos micronutrientes essenciais
   car mascavo, melaço). É possível ainda,                                           às plantas. O seu uso não traz riscos à saúde, uma vez que os testes
   enriquecer o esterco líquido com minerais                                         microbiológicos, até hoje conduzidos, não detectaram coliformes fecais,
   que são importantes para o desenvolvi-                                            bactérias patogênicas e toxinas.
   mento das plantas. Podemos adicionar
   cinzas, fosfato natural, farinha de osso, pó                                      Recomendações de uso:
   de rochas ou alguns microelementos, que
   poderão ser utilizados pelas plantas.                                             Na produção de mudas, hortaliças folhosas, hortaliças de fruto, através
                                                                                     de cultivo orgânico em sistema protegido (estufas) ou cultivo convencio-
   Antônio Domingues                                                                 nal a campo, e culturas perenes.
   Diretor de Comunicação do Sinter-MG



                                                                                                                                                    Manhuaçu | Célio Alexandre de O. Barros Juiz de Fora | Deyler Nelson
                                                                           Diretores de Base                                                        Maia Souto Viçosa | Luciano Saraiva Gonçalves de Souza Alfenas | Sávio
                                                                           Norte | Maria de Lourdes V. Leopoldo Centro | Afrânio Otávio Nogueira    dos Reis Dutra Lavras | Júlio César Silva Pouso Alegre | Sérgio Bras
                                                                           Triângulo | Walter Lúcio de Brito Leste | Adilson Lopes Barros Zona Da   Regina
                                                                           Mata | Margareth do Carmo C. Guimarães Sul | André Martins Ferreira
                                                                           Alto Paranaíba e Noroeste | Paulo César Thompson                         Conselho Fiscal
Rua José de Alencar, 738 | Nova Suíça | Belo Horizonte/MG
                                                                                                                                                    Ilka Alves Santana | Francisco Paiva de Rezende | Marlene da
CEP 30480-500 | Telefax: 31 3334 3080
                                                                           Representantes das Seções Sindicais                                      Conceição A. Pereira | Noé de Oliveira Fernandes Filho | Reinaldo
www.sinter-mg.org.br | conexao@sinter-mg.org.br
                                                                           Janaúba | Raimundo Mendes de Souza Júnior Januária | Renato Alves        Bortone
                                                                           Lopes Montes Claros | Onias Guedes Batista Salinas | José dos Reis
DIRETORIA COLEGIADA DO SINTER-MG                                           Francisco da Rocha Barbacena | Tadeu César Gomes de Azevedo Belo         Conexão sinter
Diretor Geral | Carlos Augusto de Carvalho Diretor Secretário | Ronaldo    Horizonte | Silmara Aparecida C. Campos Curvelo | Marcelino Teixeira     Coordenação | Antônio Domingues Participação | Diretoria Sinter-MG |
Vieira de Aquino Diretor de Administração e Finanças | Darci Roberti       da Silva Divinópolis | Júlio César Maia Uberaba | Oeder Pedro Ferreira   André Henriques Edição | Mauro Morais Diagramação | Somanyideas
Diretor de Comunicação e Cultura | Antônio Domingues de Souza              Uberlândia | Carlos Miguel Rodrigues Couto Patos De Minas | Dener        Projeto Gráfico | Somanyideas Jornalista Responsável | Dante Xavier
Diretor De Assuntos Jurídicos | Pascoal Pereira de Almeida Diretor de      Henrique de Castro Unaí | Dalila Moreira da Cunha Almenara |             MG-13.092 Circulação | Online
Formação Política e Sindical | Lúcio Passos Ferreira Diretor de Assuntos   Ronilson Martins Nascimento Capelinha | Vilivaldo Alves da Rocha
de Agricultura Familiar e Reforma Agrária | Leni Alves de Souza Diretor    Governador Valadares | Maurílio Andrade Dornelas Teófilo Otoni | Luiz    Para sugestões, comentários e críticas sobre o Conexão Sinter-MG
De Assuntos Dos Aposentados | Elizabete Soares de Andrade                  Mário Leite Júnior Cataguases | Janya Aparecida de Paula Costa           conexao@sinter-mg.org.br
Edição nº 18 | Março de 2012 | Ano 4
                                                                                                   03

A utilização do Agrobio no controle e
combate a pragas
A busca por estratégias ecológicas de controle BIOFERTILIZANTES LÍQUIDOS
de pragas requer um processo de transição que
envolve várias etapas que permitam conciliar as Esses produtos, ao serem absorvidos pelas plan-
necessidades de manter a propriedade agrícola tas, funcionam como fonte suplementar de mi-
rentável ao mesmo tempo em que se aumenta cronutrientes e de componentes inespecíficos,
o equilíbrio ecológico. Dessa forma, enquanto acreditando-se que possam influir positivamente
os princípios ecológicos não estiverem comple- na resistência das plantas ao ataque de pragas
tamente incorporados aos sistemas agrícolas, e doenças, regulando e tonificando o metabo-
isto é, ainda estiverem desequilibrados, espe- lismo. Tais produtos tem o potencial para con-
cialmente em casos de conversão do sistema trolar diretamente alguns fitoparasitas através de
convencional, estratégias complementares de- substâncias com ação fungicida, bactericida e/
vem ser utilizadas como medidas auxiliadoras no ou inseticida presentes em sua composição.
controle de pragas e doenças, sendo proibido
o uso dos agrotóxicos convencionais sintéticos, Nos últimos anos, a equipe técnica da Estação
seja para combate ou prevenção, inclusive na ar- Experimental de Seropédica da PESAGRO-RIO
mazenagem. Essas                                                               formulou o biofertili-
estratégias referem-                                                           zante Agrobio, a partir
-se ao uso de pro-         A busca por estratégias ecológi- da receita original de
dutos biológicos ou                                                            outro     biofertilizante
naturais conhecidos cas de controle de pragas requer conhecido por Super
como defensivos al-                                                            Magro.
ternativos, que po- um processo de transição que en-
dem ser divididos
em duas classes: os
                         volve várias etapas que permitam B I O F E R T I LI Z A N T E
fertiprotetores e os conciliar as necessidades de man- AGROBIO
protetores.
                            ter a propriedade agrícola rent- Agrobio é um biofertili-
Os fertiprotetores                                                             zante produzido a par-
são produtos que ável ao mesmo tempo em que se tir de esterco bovino
fornecem nutrientes                                                            fresco, água, melaço e
às plantas, influen-       aumenta o equilíbrio ecológico. sais minerais, submeti-
ciando positivamen-                                                            dos à fermentação em
te no processo metabólico das mesmas, além de temperatura ambiente por aproximadamente 56
contribuírem para o controle de parasitas. Aí se dias em recipientes abertos. Este produto, de-
incluem biofertilizantes líquidos, caldas (sulfocál- senvolvido pela PESAGRO-RIO (EES) tem sido
cica, viçosa e bordalesa), urina de vaca, leites largamente utilizado por agricultores orgânicos e
etc.                                                 convencionais no estado do Rio de Janeiro, ao
                                                     qual atribuem efeito nutricional e de controle de
Os protetores são os produtos que agem dire- doenças em diferentes culturas.
tamente no controle dos fitoparasitas, como os
agentes de biocontrole, os extratos vegetais, os O Agrobio é obtido por meio da transformação
feromônios etc.                                      microbiana, em sistema aberto, de uma mistura
Edição nº 18 | Março de 2012 | Ano 4
                                                                                                     04
de água, esterco bovino fresco, melaço, leite e     ram o efeito do biofertilizante proveniente da di-
sais minerais. Após 56 dias aproximadamente         gestão anaeróbia do esterco bovino causando
dependendo das condições ambientais, o pro-         inibição do crescimento de Colletotrichum gloe-
duto pode ser engarrafado para uso em lavou-        osporioides, agente da antracnose do maracujá,
ras, como fertilizante foliar e também para con-    de Thielaviopsis paradoxa, agente da podridão
trolar algumas doenças em mudas de hortaliças       do abacaxi, de Penicillium digitatum agente do
folhosas, de ornamentais e de fruteiras em geral.   mofo verde dos citrus e de Cladosporium sp.,




                                                    agente da mancha deprimida do maracujá. Tra-
                                                    tch e Bettiol (1997) verificaram em biofertilizan-
                                                    te produzido com a adição de sais e resíduos
                                                    orgânicos, que concentrações acima de 15%
                                                    inibiram completamente o crescimento micelial
                                                    de Alternaria solani,Stemphylium solani, Septo-
                                                    ria lycopersici, Sclerotinia sclerotiorum, Botrytis
                                                    cinerea, Rhizoctonia solani e Fusarium oxyspo-
                                                    rum f. sp. phaseoli e a germinação de esporos
                                                    de B. cinerea, A. solani, Hemileia vastatrix e Co-

                                                     	
  
                                                    leosporium plumierae.

                                                    PARA PRODUZIR 500 LITROS DO AGROBIO

No Agrobio há uma comunidade microbiana             • 200 litros de água
composta por fungos (Fusarium tabacinum),           • 100 litros de esterco fresco bovino
bactérias (Lactobacillusspp. e Bacillus subtilis)   • 20 litros de leite de vaca ou soro
leveduras (Candida spp. e, principalmente os        • 3 kg de melaço
fungos Cryptococcus laurentii e actinomicetos
(Streptomyces spp) e acredita-se que a sua          Fonte:
ação possa estar relacionada ao aumento da          Biofertilizante agrobio: uma alternativa no controle
atividade microbiana propiciada pelas aplica-       da mancha bacteriana em mudas de pimentão (Cap-
ções freqüentes do produto.                         sicum annuum L.)

Não existem informações na literatura do efeito     PESAGRO-RIO
do Agrobio sobre o desenvolvimento de fitopa-
tógenos, porém já existem relatos para outros       Cartilha: Caldas e Biofertilizantes – Embrapa Clima
biofertilizantes. Castro et al. (1991) comprova-    Temperado

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Queijo Minas Padrão Colonial
Queijo Minas Padrão ColonialQueijo Minas Padrão Colonial
Queijo Minas Padrão ColonialFernanda Rengel
 
Agroecológico Setembro 2012
Agroecológico Setembro 2012Agroecológico Setembro 2012
Agroecológico Setembro 2012sintermg
 
Projeto Bacias de contenção - fhidro
Projeto Bacias de contenção - fhidroProjeto Bacias de contenção - fhidro
Projeto Bacias de contenção - fhidroFernando Alan Machado
 
Orientações para construção de pequenas agroindustrias
Orientações para construção de pequenas agroindustriasOrientações para construção de pequenas agroindustrias
Orientações para construção de pequenas agroindustriasLenildo Araujo
 
Agroecológico Agosto 2012
Agroecológico Agosto 2012Agroecológico Agosto 2012
Agroecológico Agosto 2012sintermg
 
Construcción e instalación de un biodigestor tubular
Construcción e instalación de un biodigestor tubularConstrucción e instalación de un biodigestor tubular
Construcción e instalación de un biodigestor tubularFederico Vargas Lehner
 
Reglas para manipular plaguicidas final
Reglas para manipular plaguicidas finalReglas para manipular plaguicidas final
Reglas para manipular plaguicidas finalCarlos Blair
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1lagitos
 
Ccsa purposeful instruction
Ccsa purposeful instructionCcsa purposeful instruction
Ccsa purposeful instructionJason Rhodes
 
Historiografía de la educación comie selección
Historiografía de la educación comie selecciónHistoriografía de la educación comie selección
Historiografía de la educación comie selecciónnada
 
Bioplaguicidas ina
Bioplaguicidas inaBioplaguicidas ina
Bioplaguicidas inaCarlos Blair
 
Agroecológico Dezembro 2012
Agroecológico Dezembro 2012Agroecológico Dezembro 2012
Agroecológico Dezembro 2012sintermg
 
Biodigestor familiar INTA
Biodigestor familiar INTABiodigestor familiar INTA
Biodigestor familiar INTAShafarleo
 
Controle formigas
Controle formigasControle formigas
Controle formigasmvezzone
 

Destaque (20)

Queijo Minas Padrão Colonial
Queijo Minas Padrão ColonialQueijo Minas Padrão Colonial
Queijo Minas Padrão Colonial
 
Agroecológico Setembro 2012
Agroecológico Setembro 2012Agroecológico Setembro 2012
Agroecológico Setembro 2012
 
Projeto Bacias de contenção - fhidro
Projeto Bacias de contenção - fhidroProjeto Bacias de contenção - fhidro
Projeto Bacias de contenção - fhidro
 
Orientações para construção de pequenas agroindustrias
Orientações para construção de pequenas agroindustriasOrientações para construção de pequenas agroindustrias
Orientações para construção de pequenas agroindustrias
 
Agroecológico Agosto 2012
Agroecológico Agosto 2012Agroecológico Agosto 2012
Agroecológico Agosto 2012
 
Construcción e instalación de un biodigestor tubular
Construcción e instalación de un biodigestor tubularConstrucción e instalación de un biodigestor tubular
Construcción e instalación de un biodigestor tubular
 
Reglas para manipular plaguicidas final
Reglas para manipular plaguicidas finalReglas para manipular plaguicidas final
Reglas para manipular plaguicidas final
 
Evaluation
EvaluationEvaluation
Evaluation
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
 
Лагеря
ЛагеряЛагеря
Лагеря
 
Mule java part-4
Mule java part-4Mule java part-4
Mule java part-4
 
Ccsa purposeful instruction
Ccsa purposeful instructionCcsa purposeful instruction
Ccsa purposeful instruction
 
Historiografía de la educación comie selección
Historiografía de la educación comie selecciónHistoriografía de la educación comie selección
Historiografía de la educación comie selección
 
Biohuerto
Biohuerto   Biohuerto
Biohuerto
 
Bioplaguicidas ina
Bioplaguicidas inaBioplaguicidas ina
Bioplaguicidas ina
 
Agroecológico Dezembro 2012
Agroecológico Dezembro 2012Agroecológico Dezembro 2012
Agroecológico Dezembro 2012
 
Biodigestor familiar INTA
Biodigestor familiar INTABiodigestor familiar INTA
Biodigestor familiar INTA
 
Licores artesanales
Licores artesanalesLicores artesanales
Licores artesanales
 
Swot1
Swot1Swot1
Swot1
 
Controle formigas
Controle formigasControle formigas
Controle formigas
 

Semelhante a Agroecológico Abril 2012

Agroecológico Maio 2012
Agroecológico Maio 2012Agroecológico Maio 2012
Agroecológico Maio 2012sintermg
 
Agroecológico Junho 2012
Agroecológico Junho 2012Agroecológico Junho 2012
Agroecológico Junho 2012sintermg
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdfHELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdfHELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdfHELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO     DO ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO     DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdfHELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A LUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A    LUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A    LUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A LUNO.pdfHELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdfHELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdfHELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdfHELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL UNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL      UNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL      UNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL UNO.pdfHELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL UNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL      UNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL      UNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL UNO.pdfHELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIR O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIR             O ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIR             O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIR O ALUNO.pdfHELLEN CRISTINA
 

Semelhante a Agroecológico Abril 2012 (20)

Agroecológico Maio 2012
Agroecológico Maio 2012Agroecológico Maio 2012
Agroecológico Maio 2012
 
01 defensivos alternativos
01 defensivos alternativos01 defensivos alternativos
01 defensivos alternativos
 
Agroecológico Junho 2012
Agroecológico Junho 2012Agroecológico Junho 2012
Agroecológico Junho 2012
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO     DO ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO     DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A LUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A    LUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A    LUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A LUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
 
DH ASSESSORIA ACADEMICA 202444 (61).pdf
DH ASSESSORIA ACADEMICA   202444 (61).pdfDH ASSESSORIA ACADEMICA   202444 (61).pdf
DH ASSESSORIA ACADEMICA 202444 (61).pdf
 
DH ASSESSORIA ACADEMICA 202444 (61).pdf
DH ASSESSORIA ACADEMICA   202444 (61).pdfDH ASSESSORIA ACADEMICA   202444 (61).pdf
DH ASSESSORIA ACADEMICA 202444 (61).pdf
 
DH ASSESSORIA ACADEMICA 202444 (61).pdf
DH ASSESSORIA ACADEMICA   202444 (61).pdfDH ASSESSORIA ACADEMICA   202444 (61).pdf
DH ASSESSORIA ACADEMICA 202444 (61).pdf
 
DH ASSESSORIA ACADEMICA 202444 (61).pdf
DH ASSESSORIA ACADEMICA   202444 (61).pdfDH ASSESSORIA ACADEMICA   202444 (61).pdf
DH ASSESSORIA ACADEMICA 202444 (61).pdf
 
DH ASSESSORIA ACADEMICA 202444 (61).pdf
DH ASSESSORIA ACADEMICA   202444 (61).pdfDH ASSESSORIA ACADEMICA   202444 (61).pdf
DH ASSESSORIA ACADEMICA 202444 (61).pdf
 
DH ASSESSORIA ACADEMIC A 202444 (61).pdf
DH ASSESSORIA ACADEMIC  A 202444 (61).pdfDH ASSESSORIA ACADEMIC  A 202444 (61).pdf
DH ASSESSORIA ACADEMIC A 202444 (61).pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL UNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL      UNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL      UNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL UNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL UNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL      UNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL      UNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO AL UNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIR O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIR             O ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIR             O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIR O ALUNO.pdf
 

Mais de sintermg

Informe Comissão Eleitoral
Informe Comissão EleitoralInforme Comissão Eleitoral
Informe Comissão Eleitoralsintermg
 
Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012sintermg
 
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregoReunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregosintermg
 
Término das negociações
Término das negociaçõesTérmino das negociações
Término das negociaçõessintermg
 
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajusteSinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajustesintermg
 
Observações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialObservações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialsintermg
 
Eleições
EleiçõesEleições
Eleiçõessintermg
 
Plano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntárioPlano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntáriosintermg
 
Revisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceresRevisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceressintermg
 
Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001sintermg
 
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemDiárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemsintermg
 
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...sintermg
 
Ceres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentosCeres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentossintermg
 
Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013sintermg
 
Conheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalConheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalsintermg
 
Boletim Governador Valadares
Boletim Governador ValadaresBoletim Governador Valadares
Boletim Governador Valadaressintermg
 
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatoJá que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatosintermg
 
Boletim Caxambu
Boletim CaxambuBoletim Caxambu
Boletim Caxambusintermg
 
Boletim Abaeté
Boletim AbaetéBoletim Abaeté
Boletim Abaetésintermg
 

Mais de sintermg (20)

Informe Comissão Eleitoral
Informe Comissão EleitoralInforme Comissão Eleitoral
Informe Comissão Eleitoral
 
Estatuto
EstatutoEstatuto
Estatuto
 
Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012
 
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregoReunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
 
Término das negociações
Término das negociaçõesTérmino das negociações
Término das negociações
 
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajusteSinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
 
Observações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialObservações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarial
 
Eleições
EleiçõesEleições
Eleições
 
Plano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntárioPlano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntário
 
Revisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceresRevisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceres
 
Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001
 
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemDiárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
 
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
 
Ceres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentosCeres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentos
 
Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013
 
Conheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalConheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindical
 
Boletim Governador Valadares
Boletim Governador ValadaresBoletim Governador Valadares
Boletim Governador Valadares
 
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatoJá que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
 
Boletim Caxambu
Boletim CaxambuBoletim Caxambu
Boletim Caxambu
 
Boletim Abaeté
Boletim AbaetéBoletim Abaeté
Boletim Abaeté
 

Último

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 

Último (20)

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 

Agroecológico Abril 2012

  • 1. Informativo Técnico do Sindicato dos Trabalhadores em Assistência Técnica e Extensão Ruraldo Estado de Minas Gerais Ano 4 | Edição nº 19 | Abril de 2012 www.sinter-mg.org.br Produção do Agrobio Fotografia: Ana Luísa Telles DESTAQUE Utilização do Agrobio no controle e combate a pragas pág. 03 OUTRAS NOTÍCIAS Bio Dicas: 02 Como Fazer o Agrobio
  • 2. Edição nº 18 | Março de 2012 | Ano 4 02 Editorial Bio Dicas Bio quer dizer vida e fertilizante significa Agrobio adubo, ou seja, biofertilizante é um adubo vivo, que contém organismos vivos que Modo de Preparo: ajudam no controle de doenças e mine- rais que irão nutrir as plantas. Os ingredientes devem ser bem misturados e deixados fermentar por uma semana. A este caldo nutritivo, nas sete semanas subseqüentes, Os biofertilizantes podem ser feitos com são acrescen-tados, semanalmente, os seguintes ingredientes, previa- qualquer tipo de matéria orgânica fresca mente dissolvidos em água: 430g de bórax ou ácido bórico, 570g de (fonte de organismos fermentadores). Na cinza de lenha, 850g de cloreto de cálcio, 43g de sulfato ferroso, 60g maioria das vezes são utilizados estercos, de farinha de osso, 60g de farinha de carne, 143g de termofosfato mag- mas também é possível usar somente res- nesiano, 1,5kg de melaço, 30g de molibdato de sódio, 30g de sulfato de tos vegetais. O esterco bovino é o que cobalto, 43g de sulfato de cobre, 86g de sulfato de manganês, 143g de apresenta mais fácil fermentação e já vem sulfato de magnésio, 57g de sulfato de zinco e 29g de torta de mamona. inoculado com bactérias decompositoras muito eficientes. Ainda assim, por uma Nas quatro últimas semanas, são adicionados 500 ml de urina de vaca. questão de segurança, não deve ser utiliza- A calda deve ser bem misturada duas vezes por dia. Após oito semanas, do o esterco de animais que estejam sen- o volume deve ser completado para 500 litros e coado. São indispen- do tratados com algum produto como an- sáveis, para a produção do Agrobio em maior escala, os seguintes ma- tibióticos, vermífugos, carrapaticidas, etc. teriais: caixa d’água de plástico com tampa e capacidade de 500 litros; bancada de concreto ou madeira; conexões de 2 polegadas; pá; baldes; Em todos os processos de fermentação é tela e peneira para coagem. possível utilizar produtos para aumentar a velocidade de fermentação, ou seja, pro- O Agrobio pronto apresenta cor bem escura e odor característico de dutos que vão alimentar as bactérias que produto fermentado e pH na faixa de 5 a 6. A análise química do biofer- farão a decomposição da matéria orgâni- tilizante fornece os seguintes resultados por litro: 34,69g de matéria or- ca. Tais produtos são chamados de catali- gânica; 0,8% de carbono; 631mg de N; 170mg de P; 1,2g de K; 1,59g sadores (soro deleite, caldo de cana, açú- de Ca e 480mg de Mg, além de traços dos micronutrientes essenciais car mascavo, melaço). É possível ainda, às plantas. O seu uso não traz riscos à saúde, uma vez que os testes enriquecer o esterco líquido com minerais microbiológicos, até hoje conduzidos, não detectaram coliformes fecais, que são importantes para o desenvolvi- bactérias patogênicas e toxinas. mento das plantas. Podemos adicionar cinzas, fosfato natural, farinha de osso, pó Recomendações de uso: de rochas ou alguns microelementos, que poderão ser utilizados pelas plantas. Na produção de mudas, hortaliças folhosas, hortaliças de fruto, através de cultivo orgânico em sistema protegido (estufas) ou cultivo convencio- Antônio Domingues nal a campo, e culturas perenes. Diretor de Comunicação do Sinter-MG Manhuaçu | Célio Alexandre de O. Barros Juiz de Fora | Deyler Nelson Diretores de Base Maia Souto Viçosa | Luciano Saraiva Gonçalves de Souza Alfenas | Sávio Norte | Maria de Lourdes V. Leopoldo Centro | Afrânio Otávio Nogueira dos Reis Dutra Lavras | Júlio César Silva Pouso Alegre | Sérgio Bras Triângulo | Walter Lúcio de Brito Leste | Adilson Lopes Barros Zona Da Regina Mata | Margareth do Carmo C. Guimarães Sul | André Martins Ferreira Alto Paranaíba e Noroeste | Paulo César Thompson Conselho Fiscal Rua José de Alencar, 738 | Nova Suíça | Belo Horizonte/MG Ilka Alves Santana | Francisco Paiva de Rezende | Marlene da CEP 30480-500 | Telefax: 31 3334 3080 Representantes das Seções Sindicais Conceição A. Pereira | Noé de Oliveira Fernandes Filho | Reinaldo www.sinter-mg.org.br | conexao@sinter-mg.org.br Janaúba | Raimundo Mendes de Souza Júnior Januária | Renato Alves Bortone Lopes Montes Claros | Onias Guedes Batista Salinas | José dos Reis DIRETORIA COLEGIADA DO SINTER-MG Francisco da Rocha Barbacena | Tadeu César Gomes de Azevedo Belo Conexão sinter Diretor Geral | Carlos Augusto de Carvalho Diretor Secretário | Ronaldo Horizonte | Silmara Aparecida C. Campos Curvelo | Marcelino Teixeira Coordenação | Antônio Domingues Participação | Diretoria Sinter-MG | Vieira de Aquino Diretor de Administração e Finanças | Darci Roberti da Silva Divinópolis | Júlio César Maia Uberaba | Oeder Pedro Ferreira André Henriques Edição | Mauro Morais Diagramação | Somanyideas Diretor de Comunicação e Cultura | Antônio Domingues de Souza Uberlândia | Carlos Miguel Rodrigues Couto Patos De Minas | Dener Projeto Gráfico | Somanyideas Jornalista Responsável | Dante Xavier Diretor De Assuntos Jurídicos | Pascoal Pereira de Almeida Diretor de Henrique de Castro Unaí | Dalila Moreira da Cunha Almenara | MG-13.092 Circulação | Online Formação Política e Sindical | Lúcio Passos Ferreira Diretor de Assuntos Ronilson Martins Nascimento Capelinha | Vilivaldo Alves da Rocha de Agricultura Familiar e Reforma Agrária | Leni Alves de Souza Diretor Governador Valadares | Maurílio Andrade Dornelas Teófilo Otoni | Luiz Para sugestões, comentários e críticas sobre o Conexão Sinter-MG De Assuntos Dos Aposentados | Elizabete Soares de Andrade Mário Leite Júnior Cataguases | Janya Aparecida de Paula Costa conexao@sinter-mg.org.br
  • 3. Edição nº 18 | Março de 2012 | Ano 4 03 A utilização do Agrobio no controle e combate a pragas A busca por estratégias ecológicas de controle BIOFERTILIZANTES LÍQUIDOS de pragas requer um processo de transição que envolve várias etapas que permitam conciliar as Esses produtos, ao serem absorvidos pelas plan- necessidades de manter a propriedade agrícola tas, funcionam como fonte suplementar de mi- rentável ao mesmo tempo em que se aumenta cronutrientes e de componentes inespecíficos, o equilíbrio ecológico. Dessa forma, enquanto acreditando-se que possam influir positivamente os princípios ecológicos não estiverem comple- na resistência das plantas ao ataque de pragas tamente incorporados aos sistemas agrícolas, e doenças, regulando e tonificando o metabo- isto é, ainda estiverem desequilibrados, espe- lismo. Tais produtos tem o potencial para con- cialmente em casos de conversão do sistema trolar diretamente alguns fitoparasitas através de convencional, estratégias complementares de- substâncias com ação fungicida, bactericida e/ vem ser utilizadas como medidas auxiliadoras no ou inseticida presentes em sua composição. controle de pragas e doenças, sendo proibido o uso dos agrotóxicos convencionais sintéticos, Nos últimos anos, a equipe técnica da Estação seja para combate ou prevenção, inclusive na ar- Experimental de Seropédica da PESAGRO-RIO mazenagem. Essas formulou o biofertili- estratégias referem- zante Agrobio, a partir -se ao uso de pro- A busca por estratégias ecológi- da receita original de dutos biológicos ou outro biofertilizante naturais conhecidos cas de controle de pragas requer conhecido por Super como defensivos al- Magro. ternativos, que po- um processo de transição que en- dem ser divididos em duas classes: os volve várias etapas que permitam B I O F E R T I LI Z A N T E fertiprotetores e os conciliar as necessidades de man- AGROBIO protetores. ter a propriedade agrícola rent- Agrobio é um biofertili- Os fertiprotetores zante produzido a par- são produtos que ável ao mesmo tempo em que se tir de esterco bovino fornecem nutrientes fresco, água, melaço e às plantas, influen- aumenta o equilíbrio ecológico. sais minerais, submeti- ciando positivamen- dos à fermentação em te no processo metabólico das mesmas, além de temperatura ambiente por aproximadamente 56 contribuírem para o controle de parasitas. Aí se dias em recipientes abertos. Este produto, de- incluem biofertilizantes líquidos, caldas (sulfocál- senvolvido pela PESAGRO-RIO (EES) tem sido cica, viçosa e bordalesa), urina de vaca, leites largamente utilizado por agricultores orgânicos e etc. convencionais no estado do Rio de Janeiro, ao qual atribuem efeito nutricional e de controle de Os protetores são os produtos que agem dire- doenças em diferentes culturas. tamente no controle dos fitoparasitas, como os agentes de biocontrole, os extratos vegetais, os O Agrobio é obtido por meio da transformação feromônios etc. microbiana, em sistema aberto, de uma mistura
  • 4. Edição nº 18 | Março de 2012 | Ano 4 04 de água, esterco bovino fresco, melaço, leite e ram o efeito do biofertilizante proveniente da di- sais minerais. Após 56 dias aproximadamente gestão anaeróbia do esterco bovino causando dependendo das condições ambientais, o pro- inibição do crescimento de Colletotrichum gloe- duto pode ser engarrafado para uso em lavou- osporioides, agente da antracnose do maracujá, ras, como fertilizante foliar e também para con- de Thielaviopsis paradoxa, agente da podridão trolar algumas doenças em mudas de hortaliças do abacaxi, de Penicillium digitatum agente do folhosas, de ornamentais e de fruteiras em geral. mofo verde dos citrus e de Cladosporium sp., agente da mancha deprimida do maracujá. Tra- tch e Bettiol (1997) verificaram em biofertilizan- te produzido com a adição de sais e resíduos orgânicos, que concentrações acima de 15% inibiram completamente o crescimento micelial de Alternaria solani,Stemphylium solani, Septo- ria lycopersici, Sclerotinia sclerotiorum, Botrytis cinerea, Rhizoctonia solani e Fusarium oxyspo- rum f. sp. phaseoli e a germinação de esporos de B. cinerea, A. solani, Hemileia vastatrix e Co-   leosporium plumierae. PARA PRODUZIR 500 LITROS DO AGROBIO No Agrobio há uma comunidade microbiana • 200 litros de água composta por fungos (Fusarium tabacinum), • 100 litros de esterco fresco bovino bactérias (Lactobacillusspp. e Bacillus subtilis) • 20 litros de leite de vaca ou soro leveduras (Candida spp. e, principalmente os • 3 kg de melaço fungos Cryptococcus laurentii e actinomicetos (Streptomyces spp) e acredita-se que a sua Fonte: ação possa estar relacionada ao aumento da Biofertilizante agrobio: uma alternativa no controle atividade microbiana propiciada pelas aplica- da mancha bacteriana em mudas de pimentão (Cap- ções freqüentes do produto. sicum annuum L.) Não existem informações na literatura do efeito PESAGRO-RIO do Agrobio sobre o desenvolvimento de fitopa- tógenos, porém já existem relatos para outros Cartilha: Caldas e Biofertilizantes – Embrapa Clima biofertilizantes. Castro et al. (1991) comprova- Temperado