SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
 
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO À PESSOA COM SURDEZ ,[object Object],[object Object],[object Object]
A inclusão do aluno com surdez deve acontecer desde a educação infantil até a educação superior, garantindo-lhe, desde cedo, utilizar os recursos de que necessita para superar as barreiras no processo educacional e usufruir seus direitos escolares, exercendo sua cidadania, de acordo com os princípios constitucionais do nosso país.
Existem três tendências educacionais para a surdez: a oralista, a comunicação total e a abordagem por meio do bilinguismo. ,[object Object],[object Object]
MODALIDADES EDUCACIONAIS PARA SURDOS ,[object Object],[object Object]
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA PESSOAS COM SURDEZ  O AEE para alunos com surdez estabelece como ponto de partida a compreensão e o reconhecimento do potencial e das capacidades dessas pessoas, vislumbrando o seu pleno desenvolvimento e aprendizagem. Atendimento esse, assegurado em lei, de uma  educação bilíngue , em todo o processo educativo. Dessa forma, as práticas de sala de aula comum e do AEE devem ser articuladas. Por meio de uma  metodologia vivencial  de aprendizagem, os alunos ampliam sua formação.  O AEE promove o acesso dos alunos com surdez ao conhecimento escolar em duas línguas:  em Libras e em Língua Portuguesa . A  prática pedagógica do AEE  parte dos contextos de aprendizagem definidos pelo professor da sala comum, que realizando pesquisas sobre o assunto a ser estudado elabora um plano de trabalho envolvendo os conteúdos curriculares.
AEE envolve três momentos didático-pedagógicos: *Atendimento Educacional Especializado em Libras; *Atendimento Educacional Especializado de Libras; *Atendimento Educacional Especializado de Língua Portuguesa.
Atendimento Educacional Especializado em Libras  Trata-se de um trabalho complementar ao que está sendo estudado na sala de aula, de uma exploração do conteúdo, em Libras; em que o professor de AEE retoma as idéias essenciais, avaliando durante o processo o plano de atendimento do aluno com surdez. Para que o conhecimento seja construindo as aulas devem ser planejadas visando: valorização do aluno, desenvolvimento das habilidades, articulação entre o ensino comum e o AEE, identificação, organização e produção de recursos didáticos .
O Atendimento Educacional Especializado para o ensino de Libras Ocorre diariamente, em horário contrário ao das aulas, na sala de aula comum. Este trabalhado é realizado pelo professor e/ou instrutor de Libras (preferencialmente surdo), de acordo com o estágio de desenvolvimento da Língua de Sinais em que o aluno se encontra. O professor e/ou instrutor de Libras organiza o trabalho do Atendimento Educacional Especializado, respeitando as especificidades dessa língua, principalmente o estudo dos termos científicos a serem introduzidos pelo conteúdo curricular. •  Caso não existam sinais para designar determinados termos científicos, os professores de Libras analisam os termos científicos do contexto em estudo, procurando entendê-los, a partir das explicações dos demais professores de áreas específicas; •  Avaliam a criação dos termos científicos em Libras, a partir da estrutura lingüística da mesma, por analogia entre conceitos já existentes, de acordo com o domínio semântico e/ou por empréstimos lexicais; •  Os termos científicos em sinais são registrados, para serem utilizados nas aulas em Libras .
Atendimento Educacional Especializado de Língua Portuguesa.  O objetivo desse atendimento é desenvolver a competência linguística, bem como textual, dos alunos com surdez, para que sejam capazes de ler e escrever em Língua Portuguesa. Deve-se conceber, porém, que o processo de letramento requer o desenvolvimento e aperfeiçoamento da língua em várias práticas sociais, principalmente da escrita.  A apropriação da Língua Portuguesa escrita, demanda atividades de reflexão voltadas para a observação e a análise de seu uso. A reflexão sobre a língua permite ao aluno conhecer e usar a gramática normativa, ampliando sua competência e desempenho linguístico.
GRUPO DE IDEIAS @ Qual metodologia podemos  empregar no ensino para  pessoas com surdez? Discutam em grupo (05) e  sugiram uma atividade  prática a ser utilizada  na rede comum ou A.E.E.
Em se tratando da educação dos surdos existem alguns profissionais, com funções distintas, que se encarregam do processo:  o professor regente,  o intérprete de Libras, o instrutor de libras e o professor de AEE.
O instrutor  é aquele que tem o papel de ensinar a Libras.  (No  DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005.) O intérprete  é aquele que tem o papel de intermediar a comunicação entre o idioma do emissor ao idioma do receptor.   Obs. É importante ressaltar que em todos os casos previstos nos incisos do Decreto  , as pessoas surdas terão prioridade em cursos de formação e para ministrar a disciplina de Libras.
Da capacitação no trabalho com alunos surdos Portarias Normativa nº 11, de 9 de Agosto de 2006  Ministério da Educação Gabinete do Ministro  Institui o Programa Nacional para a Certificação de Proficiência em Libras e para a Certificação de Proficiência em Tradução e Interpretação de Libras-Língua Portuguesa-Prolibras. § 1º O Prolibras é um programa promovido pelo Ministério da Educação - MEC e desenvolvido por Instituições de Ensino Superior IES , que se destina a:  I - certificar a proficiência em Libras, de pessoas, surdas ou ouvintes, com escolaridade de nível superior ou médio, para o ensino dessa disciplina, prioritariamente, em cursos de formação de professores e de fonoaudiólogos;  II - certificar a proficiência em tradução e interpretação da Libras-Língua Portuguesa, para o exercício dessa função, prioritariamente, em ambientes educacionais .  Obs. Um profissional com certificado de proficiência em LIBRAS, na prática, pode até comprovar a sua habilitação para o uso, mas não para o ensino, visto que este requer anos de estudos e pesquisas nessa língua e não apenas no uso.
Diretrizes da Secretaria de Estado da Educação A atuação do intérprete e do instrutor de Libras é de extrema importância para junto com o professor propiciar a construção do conhecimento que leve o aluno ao pleno exercício de sua cidadania .
Créditos BRASIL. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e dá outras providências, DF, 2002. ________  Decreto nº 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002 e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, DF, 2000. ________ Portaria Normativa nº 11 de 09 de agosto de 2006. Institui o Programa Nacional para Certificação de Proficiência em LIBRAS e para Certificação de Proficiência em Tradução e Interpretação de Libras - Língua portuguesa – Prolibras, DF, 2006. DAMÁZIO, Mirlene Ferreira Macedo. Atendimento Educacional especializado – Pessoa com surdez.  Formação Continuada a Distância de Professores para o Atendimento Educacional Especializado  Pessoa com Surdez- MEC/Brasília/DF – 2007. ALVEZ, Carla Barbosa/ FERREIRA,  Josimário de Paula / DAMÁZIO,  Mirlene  Macedo. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar- Abordagem Bilíngue na Escolarização de Pessoas com Surdez – Brasília-2010. PERLIN,Gladis/ STROBEL,Karin - FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Métodos de alfabetização
Métodos de alfabetizaçãoMétodos de alfabetização
Métodos de alfabetização
Dayane Hofmann
 
Cultura e identidade surda
Cultura e identidade surdaCultura e identidade surda
Cultura e identidade surda
Valdemar Júnior
 

Mais procurados (20)

LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de LibrasLIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
 
Projeto Libras
Projeto LibrasProjeto Libras
Projeto Libras
 
Intérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de LibrasIntérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de Libras
 
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptxO PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
 
Plano de Aula - Libras
Plano de Aula - LibrasPlano de Aula - Libras
Plano de Aula - Libras
 
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdoPráticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
Inclusão de libras
Inclusão de librasInclusão de libras
Inclusão de libras
 
AEE
AEEAEE
AEE
 
Educação Inclusiva
Educação Inclusiva Educação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Métodos de alfabetização
Métodos de alfabetizaçãoMétodos de alfabetização
Métodos de alfabetização
 
Parametros da libras
Parametros da librasParametros da libras
Parametros da libras
 
Cultura e identidade surda
Cultura e identidade surdaCultura e identidade surda
Cultura e identidade surda
 
A INCLUSÃO ESCOLAR
A  INCLUSÃO ESCOLAR A  INCLUSÃO ESCOLAR
A INCLUSÃO ESCOLAR
 
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
 
5 Parâmetros da libras
5 Parâmetros da libras5 Parâmetros da libras
5 Parâmetros da libras
 
Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1
 
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicosLIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditiva Deficiência auditiva
Deficiência auditiva
 
Libras
LibrasLibras
Libras
 

Semelhante a Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez

Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02
Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02
Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02
Andréa Alessandra Lédo
 
Atendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com SurdezAtendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com Surdez
marlene350
 
Atendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com SurdezAtendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com Surdez
marlene350
 
Resumo inicial inês tavares
Resumo inicial   inês tavaresResumo inicial   inês tavares
Resumo inicial inês tavares
'Ines Tavares
 
Orientações Programáticas de Português Língua Não Materna
Orientações Programáticas de Português Língua Não MaternaOrientações Programáticas de Português Língua Não Materna
Orientações Programáticas de Português Língua Não Materna
Ensinar Português Andaluzia
 
Resumo inicial ana carvalho
Resumo inicial   ana carvalhoResumo inicial   ana carvalho
Resumo inicial ana carvalho
'Ines Tavares
 
Correo De Las Lenguas #3
Correo De Las Lenguas #3Correo De Las Lenguas #3
Correo De Las Lenguas #3
Graciela Bilat
 
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e ContradiçõesSeminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
lagunaedu
 
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e ContradiçõesSeminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
lagunaedu
 
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português ana andreia
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português   ana andreiaSíntese dos conceitos básicos da didáctica do português   ana andreia
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português ana andreia
'Ines Tavares
 

Semelhante a Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez (20)

Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02
Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02
Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02
 
Atendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com SurdezAtendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com Surdez
 
Atendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com SurdezAtendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com Surdez
 
Educação Especial
Educação EspecialEducação Especial
Educação Especial
 
Resumo inicial inês tavares
Resumo inicial   inês tavaresResumo inicial   inês tavares
Resumo inicial inês tavares
 
Orientações Programáticas de Português Língua Não Materna
Orientações Programáticas de Português Língua Não MaternaOrientações Programáticas de Português Língua Não Materna
Orientações Programáticas de Português Língua Não Materna
 
Orient programatplnm versaofinalabril08
Orient programatplnm versaofinalabril08Orient programatplnm versaofinalabril08
Orient programatplnm versaofinalabril08
 
Libras em Contexto
Libras em ContextoLibras em Contexto
Libras em Contexto
 
Resumo inicial ana carvalho
Resumo inicial   ana carvalhoResumo inicial   ana carvalho
Resumo inicial ana carvalho
 
Livro estudante 2007
Livro estudante 2007Livro estudante 2007
Livro estudante 2007
 
Correo De Las Lenguas #3
Correo De Las Lenguas #3Correo De Las Lenguas #3
Correo De Las Lenguas #3
 
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e ContradiçõesSeminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
 
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e ContradiçõesSeminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
 
A importancia do ensino de libras na educacao fundamental
A importancia do ensino de libras na educacao fundamentalA importancia do ensino de libras na educacao fundamental
A importancia do ensino de libras na educacao fundamental
 
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português ana andreia
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português   ana andreiaSíntese dos conceitos básicos da didáctica do português   ana andreia
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português ana andreia
 
Elaboração e utilização de materiais didáticos para o ensino de Português c...
Elaboração e utilização de materiais didáticos   para o ensino de Português c...Elaboração e utilização de materiais didáticos   para o ensino de Português c...
Elaboração e utilização de materiais didáticos para o ensino de Português c...
 
Regulamento do curso_cecer_06_10_16
Regulamento do curso_cecer_06_10_16Regulamento do curso_cecer_06_10_16
Regulamento do curso_cecer_06_10_16
 
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
 
Fundamentação teórica carla vanessa_sequeira
Fundamentação teórica carla vanessa_sequeiraFundamentação teórica carla vanessa_sequeira
Fundamentação teórica carla vanessa_sequeira
 
Libras
LibrasLibras
Libras
 

Mais de Simônica Salgado (6)

Cartaz estadual
Cartaz estadualCartaz estadual
Cartaz estadual
 
Guia para estimulação do cérebro infantil de 0 (2)
Guia para estimulação do cérebro infantil de 0 (2)Guia para estimulação do cérebro infantil de 0 (2)
Guia para estimulação do cérebro infantil de 0 (2)
 
A importância do jogo no desenvolvimento da criança
A importância do jogo no desenvolvimento da criançaA importância do jogo no desenvolvimento da criança
A importância do jogo no desenvolvimento da criança
 
Avaliação final
Avaliação finalAvaliação final
Avaliação final
 
Gilva leitura e escrita
Gilva   leitura e escritaGilva   leitura e escrita
Gilva leitura e escrita
 
Agradecimento
AgradecimentoAgradecimento
Agradecimento
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 

Último (20)

Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 

Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez

  • 1.  
  • 2.
  • 3. A inclusão do aluno com surdez deve acontecer desde a educação infantil até a educação superior, garantindo-lhe, desde cedo, utilizar os recursos de que necessita para superar as barreiras no processo educacional e usufruir seus direitos escolares, exercendo sua cidadania, de acordo com os princípios constitucionais do nosso país.
  • 4.
  • 5.
  • 6. ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA PESSOAS COM SURDEZ O AEE para alunos com surdez estabelece como ponto de partida a compreensão e o reconhecimento do potencial e das capacidades dessas pessoas, vislumbrando o seu pleno desenvolvimento e aprendizagem. Atendimento esse, assegurado em lei, de uma educação bilíngue , em todo o processo educativo. Dessa forma, as práticas de sala de aula comum e do AEE devem ser articuladas. Por meio de uma metodologia vivencial de aprendizagem, os alunos ampliam sua formação. O AEE promove o acesso dos alunos com surdez ao conhecimento escolar em duas línguas: em Libras e em Língua Portuguesa . A prática pedagógica do AEE parte dos contextos de aprendizagem definidos pelo professor da sala comum, que realizando pesquisas sobre o assunto a ser estudado elabora um plano de trabalho envolvendo os conteúdos curriculares.
  • 7. AEE envolve três momentos didático-pedagógicos: *Atendimento Educacional Especializado em Libras; *Atendimento Educacional Especializado de Libras; *Atendimento Educacional Especializado de Língua Portuguesa.
  • 8. Atendimento Educacional Especializado em Libras Trata-se de um trabalho complementar ao que está sendo estudado na sala de aula, de uma exploração do conteúdo, em Libras; em que o professor de AEE retoma as idéias essenciais, avaliando durante o processo o plano de atendimento do aluno com surdez. Para que o conhecimento seja construindo as aulas devem ser planejadas visando: valorização do aluno, desenvolvimento das habilidades, articulação entre o ensino comum e o AEE, identificação, organização e produção de recursos didáticos .
  • 9. O Atendimento Educacional Especializado para o ensino de Libras Ocorre diariamente, em horário contrário ao das aulas, na sala de aula comum. Este trabalhado é realizado pelo professor e/ou instrutor de Libras (preferencialmente surdo), de acordo com o estágio de desenvolvimento da Língua de Sinais em que o aluno se encontra. O professor e/ou instrutor de Libras organiza o trabalho do Atendimento Educacional Especializado, respeitando as especificidades dessa língua, principalmente o estudo dos termos científicos a serem introduzidos pelo conteúdo curricular. • Caso não existam sinais para designar determinados termos científicos, os professores de Libras analisam os termos científicos do contexto em estudo, procurando entendê-los, a partir das explicações dos demais professores de áreas específicas; • Avaliam a criação dos termos científicos em Libras, a partir da estrutura lingüística da mesma, por analogia entre conceitos já existentes, de acordo com o domínio semântico e/ou por empréstimos lexicais; • Os termos científicos em sinais são registrados, para serem utilizados nas aulas em Libras .
  • 10. Atendimento Educacional Especializado de Língua Portuguesa. O objetivo desse atendimento é desenvolver a competência linguística, bem como textual, dos alunos com surdez, para que sejam capazes de ler e escrever em Língua Portuguesa. Deve-se conceber, porém, que o processo de letramento requer o desenvolvimento e aperfeiçoamento da língua em várias práticas sociais, principalmente da escrita. A apropriação da Língua Portuguesa escrita, demanda atividades de reflexão voltadas para a observação e a análise de seu uso. A reflexão sobre a língua permite ao aluno conhecer e usar a gramática normativa, ampliando sua competência e desempenho linguístico.
  • 11. GRUPO DE IDEIAS @ Qual metodologia podemos empregar no ensino para pessoas com surdez? Discutam em grupo (05) e sugiram uma atividade prática a ser utilizada na rede comum ou A.E.E.
  • 12. Em se tratando da educação dos surdos existem alguns profissionais, com funções distintas, que se encarregam do processo: o professor regente, o intérprete de Libras, o instrutor de libras e o professor de AEE.
  • 13. O instrutor é aquele que tem o papel de ensinar a Libras. (No DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005.) O intérprete é aquele que tem o papel de intermediar a comunicação entre o idioma do emissor ao idioma do receptor. Obs. É importante ressaltar que em todos os casos previstos nos incisos do Decreto , as pessoas surdas terão prioridade em cursos de formação e para ministrar a disciplina de Libras.
  • 14. Da capacitação no trabalho com alunos surdos Portarias Normativa nº 11, de 9 de Agosto de 2006 Ministério da Educação Gabinete do Ministro Institui o Programa Nacional para a Certificação de Proficiência em Libras e para a Certificação de Proficiência em Tradução e Interpretação de Libras-Língua Portuguesa-Prolibras. § 1º O Prolibras é um programa promovido pelo Ministério da Educação - MEC e desenvolvido por Instituições de Ensino Superior IES , que se destina a: I - certificar a proficiência em Libras, de pessoas, surdas ou ouvintes, com escolaridade de nível superior ou médio, para o ensino dessa disciplina, prioritariamente, em cursos de formação de professores e de fonoaudiólogos; II - certificar a proficiência em tradução e interpretação da Libras-Língua Portuguesa, para o exercício dessa função, prioritariamente, em ambientes educacionais . Obs. Um profissional com certificado de proficiência em LIBRAS, na prática, pode até comprovar a sua habilitação para o uso, mas não para o ensino, visto que este requer anos de estudos e pesquisas nessa língua e não apenas no uso.
  • 15. Diretrizes da Secretaria de Estado da Educação A atuação do intérprete e do instrutor de Libras é de extrema importância para junto com o professor propiciar a construção do conhecimento que leve o aluno ao pleno exercício de sua cidadania .
  • 16. Créditos BRASIL. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e dá outras providências, DF, 2002. ________ Decreto nº 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002 e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, DF, 2000. ________ Portaria Normativa nº 11 de 09 de agosto de 2006. Institui o Programa Nacional para Certificação de Proficiência em LIBRAS e para Certificação de Proficiência em Tradução e Interpretação de Libras - Língua portuguesa – Prolibras, DF, 2006. DAMÁZIO, Mirlene Ferreira Macedo. Atendimento Educacional especializado – Pessoa com surdez. Formação Continuada a Distância de Professores para o Atendimento Educacional Especializado Pessoa com Surdez- MEC/Brasília/DF – 2007. ALVEZ, Carla Barbosa/ FERREIRA, Josimário de Paula / DAMÁZIO, Mirlene Macedo. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar- Abordagem Bilíngue na Escolarização de Pessoas com Surdez – Brasília-2010. PERLIN,Gladis/ STROBEL,Karin - FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC