Apresentação do Teste Pirâmides Coloridas de Pfister

59.857 visualizações

Publicada em

Trata-se de uma apresentação sobre o Teste Pirâmides Coloridas de Pfister. Esse teste projetivo foi criado pelo suíço Max Pfister nos anos 50. É um instrumento que avalia aspectos da personalidade, destacando principalmente a dinâmica afetiva e indicadores relativos a habilidades cognitivas do indivíduo. No Brasil, este instrumento foi introduzido por Fernando de Villemor Amaral na década de 70, tendo posteriormente outros manuais lançados sobre a técnica.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
14 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
59.857
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
473
Comentários
0
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação do Teste Pirâmides Coloridas de Pfister

  1. 1. Breve histórico do Teste • O Teste Pirâmides Coloridas de Pfister é um teste projetivo criado pelo suíço Max Pfister nos anos 50. Trata-se de um instrumento que avalia aspectos da personalidade, destacando principalmente a dinâmica afetiva e indicadores relativos a habilidades cognitivas do indivíduo. No Brasil, este instrumento foi introduzido por Fernando de Villemor Amaral na década de 70, tendo posteriormente outros manuais lançados sobre a técnica. • Em 2005, após a realização de uma nova padronização, o manual publicado por Fernando de Villemor Amaral foi atualizado por Anna Elisa de Villemor Amaral com dados psicométricos mais recentes. Foi aprovado pelo Conselho Federal de Psicologia. • A edição de 2012 é uma reimpressão do manual de 2005.
  2. 2. • A autora, Dra. Anna Elisa de Villemor-Amaral resgata para os usuários de técnicas projetivas o teste de Pfister, introduzido no Brasil em 1966 pelo seu pai Fernando de VillemorAmaral, conservando em grande parte seu conteúdo original, revisto e atualizado pela autora, acrescentando um capítulo sobre as evidências de validade do Pfister, por Ricardo Primi, outro sobre Psicodiagnóstico diferencial e psicopatologia de autoria de Lucila Moraes Cardoso e Renata Rocha Campo Franco, além de casos clínicos.
  3. 3. Finalidade e indicações • Instrumento de apoio em psicodiagnóstico, avaliação de pessoal e psicologia do trânsito.
  4. 4. Material para aplicação • O material do Pfister é composto de material simples e de agradável manuseio, constituindo-se por : – Jogo com quadrículos coloridos composto de 10 cores subdivididas em 10 tonalidades. Havendo no mínimo 45 unidades de cada tom e a mesma quantidade para todos os tons – Conjunto de três cartelas contendo o esquema de uma pirâmide – Folha de protocolo – Mostruário das cores ( 24 matizes )
  5. 5. Capa
  6. 6. Conjunto de três cartelas
  7. 7. Mostruário das cores (24 matizes)
  8. 8. Folha de protocolo (frente)
  9. 9. Folha de protocolo (verso)
  10. 10. Tempo e forma de aplicação • A aplicação é individual. Boa iluminação é uma condição básica já que a percepção das cores depende fundamentalmente da luz. Apresenta-se ao examinando a caixa contendo os quadrículos que são despejados sobre uma mesa e apresenta-se o cartão contendo o esquema da pirâmide e solicita-se que o sujeito cubra os espaços da pirâmide de forma que o mesmo construa uma que fique de seu gosto, usando livremente dos quadrículos coloridos disponíveis até que o mesmo a considere completa e bonita a seu gosto. • O aplicador registra todos os movimentos da colocação na folha de protocolo seguindo a codificação das cores e espaços previstos no protocolo. Outras duas pirâmides são apresentadas na sequência, com a mesma instrução para execução. Ao final o aplicador coloca as três a sua frente e solicite que o sujeito identifique a mais bonita, a segunda e a terceira.
  11. 11. Padronização / Normatização e Precisão • Apesar de estudos dos anos 60/70 já tenham demonstrado bons indicadores de validade e precisão deste trabalho, foi feito um estudo tanto com a população de não-pacientes quanto com a população de pacientes de seis grupos patológicos. O estudo com não-pacientes envolveu 111 indivíduos de ambos os sexos com níveis e escolaridade diversos e idades de 18 a 68 anos e um segundo grupo de não-pacientes universitários de diferentes cursos superiores, os estudos mostraram resultados muito significantes, sendo 86% de concordância para o aspecto formal, 92,4% para a fórmula cromática, resultados estes considerados altamente satisfatórios em termos da precisão de um teste.
  12. 12. Validade • A validade do Teste de Pfister foi analisada em um estudo do Prof. Ricardo Primi. A estratégia escolhida para se buscar a evidência de validade no Pfister foi por meio da validade de critério, especialmente a validade concorrente. A medida de critério foi o diagnóstico psicopatológico. Todos os pacientes do grupo de validação foram avaliados individualmente, por meio de uma entrevista estruturada, para verificar a presença de transtornos do Eixo-I.
  13. 13. Grupo clínico avaliado • O grupo clínico foi constituído por 15 alcoolistas, 20 esquizofrênicos, 19 depressivos, 15 pacientes com transtorno de pânico, 12 pacientes com transtorno obsessivo-compulsivo, e 14 pacientes somatoformes. O grupo de não-pacientes foi composto de 111 pessoas que, na história pregressa nunca tiveram um episódio sintomático decorrente de transtorno mental.
  14. 14. Conclusão dos pesquisadores • Os estudos realizados mostram que o Pfister é bastante válido na identificação dos quadros de: – Depressão – Transtorno Obsessivo Compulsivo – Transtorno somatoforme – Transtorno do pânico
  15. 15. • A Venda desse teste é restrita à psicólogos mediante a apresentação do CRP, de acordo com a lei federal n ° 4.119/62.

×