Autora: Simone Chacon Costa
Consultoria de projetos: Alyxandre Gaudenzi

Proponente – CEAT
CEAT - CENTRO DE ECOLOGIA APLIC...
SUMÁRIO
Introdução – página 03
Proponente e executor – página 04
Projeto – página 05
Prazo de execução – página 05
Objetiv...
I - INTRODUÇÃO
Teresópolis possui uma população fixa estimada em 167. 622 mil habitantes (CEPERJ
2012), em uma área de 770...
Segundo o urbanista Jaime Lerner, “incluir o paisagismo e a cultura da educação
ambiental como plano de governo e como pri...
IV - PRAZO DE EXECUÇÃO: 5 meses a ser realizado no período de fevereiro a Julho
de 2014

V – OBJETIVOS
OBJETIVO GERAL
O ob...
Simone Chacon Costa: idealizadora e coordenadora do Projeto, é engenheira Florestal
ESALQ (Escola Superior de Agricultura ...
SEÇÃO 2 – PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
PROGRAMA FLORIR TERESÓPOLIS
DISCRIMINAÇÃO DOS PROJETOS

7
JUSTIFICATIVA
O turismo está entre as atividades econômicas que mais dependem da conservação e
valorização do meio ambient...
Know How e origem do Programa Florir Teresópolis
Em abril de 2013 a UNIFESO foi a primeira instituição à aderir ao Projeto...
Trechos:

Projeto Saída Quinta Lebrão

Projeto Saída para Nova Friburgo

10
Projeto Saída para Itaipava/Petrópolis

Projeto Trevo do Meudom

11
SEÇÃO 2 – PLANEJAMENTO TÁTICO
PROGRAMA FLORIR TERESÓPOLIS
DISCRIMONAÇÃO DOS PROJETOS

12
13
PROJETO Nº 1
Trecho: Tenente Luiz Meirelles / Trevo do Meudon
Data do plantio: 22/02/2014
Viabilidade Financeira R$ 12.287...
15
PROJETO Nº 2
Trecho: Terê - Fri / Fazenda do Paraíso
Data do Plantio 29/03/2014
VIABILIDADE FINANCEIRA: R$ 20.366,10

TREC...
17
PROJETO Nº 3
Trecho: Manuel Lebrão / Fazenda Quinta Lebrão
Data do Plantio 26/04/2014
VIABILIDADE FINANCEIRA: R$ 14.697,40...
19
PROJETO Nº 4
Trecho: Hotel Alpina / Estrada para Itaipava
Inicio do plantio 31/05/2014
VIABILIDADE FINANCEIRA: R$ 12.139,2...
21
SEÇÃO 3 – MONITORAMENTO E CONTROLE

22
23
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Programa Florir Teresopolis

1.185 visualizações

Publicada em

Programa " Florir Teresópolis" do CEAT, com quatro projetos e orçamento das entradas de Teresópolis.

Publicada em: Educação, Turismo
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.185
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
633
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Programa Florir Teresopolis

  1. 1. Autora: Simone Chacon Costa Consultoria de projetos: Alyxandre Gaudenzi Proponente – CEAT CEAT - CENTRO DE ECOLOGIA APLICADA DE TERESÓPOLIS CNPJ N0 12.027.859/0001-10 Parceiros Institucionais: Secretaria de Meio Ambiente Secretaria de Turismo Secretaria de Obras Secretaria de Segurança ESN (Escola Superior de Negócios) ACIAT CREA ANTT CRT UNIFESO UERJ UNOPAR ESTÁCIO DE SÁ PARNASO USP Teresópolis, 01 de fevereiro de 2014 1
  2. 2. SUMÁRIO Introdução – página 03 Proponente e executor – página 04 Projeto – página 05 Prazo de execução – página 05 Objetivos – página 05 Equipe executora – página 06 SEÇÃO 1 – PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Justificativa – página 08 Impactos previstos – página 09 Orçamento – página 09 Trechos – página 10 Fluxograma – página 12 SEÇÃO 2 – PLANEJAMENTO TÁTICO PROJETO Nº 1 - Trecho: Tenente Luiz Meirelles / Trevo do Meudon – página 14 PROJETO Nº 2 - Trecho: Terê Fri / Fazenda Quinta do Paraíso – página 16 PROJETO Nº 3 - Trecho: Manuel Lebrão / Fazenda Quinta Lebrão – página 18 PROJETO Nº 4 - Trecho: Hotel Alpina / Estrada para Itaipava – página 20 SEÇÃO 3 – MONITORAMENTO E CONTROLE Cronograma – página 23 2
  3. 3. I - INTRODUÇÃO Teresópolis possui uma população fixa estimada em 167. 622 mil habitantes (CEPERJ 2012), em uma área de 770 Km², cuja densidade demográfica é em torno de 212 hab./Km². Com relação ao índice de desenvolvimento humano (IDH) que é de 0,79, o município ocupa o 16ª posição estadual e tem características de médio desenvolvimento humano. Localizada no topo da Serra dos Órgãos, na porção central do Estado do Rio de Janeiro, em uma região com relevo acentuado e serras revestidas pela Floresta Atlântica com expressiva biodiversidade na fauna e flora. A cidade abriga a sede do Parque Nacional da Serra dos Órgãos – PARNASO e grande parte do Parque Estadual dos Três Picos, o maior parque estadual do Rio de Janeiro. O município faz parte da Bacia do Rio Piabanha, que inclui a sub-bacia hidrográfica do Rio Paquequer, uma das principais de Teresópolis. Com um PIB (2010) de R$ 1.111.813.000 e uma renda per capita de R$ 16.875,00/ano, Teresópolis tem vocação turística e de produção agrícola. Possui comércio diversificado e setor hoteleiro desenvolvido, além de abrigar uma das maiores feiras de artesanato a céu aberto do Brasil, a Feirarte ou Feirinha do Alto. As principais indústrias são as de confecções e de bebidas. O município faz parte do cinturão verde do Rio de Janeiro, sendo responsável pela produção da maior parte (93% - Fonte: Agenda 21 COMPERJ) dos hortigranjeiros consumidos no Estado. O município possui um trecho de Mata Atlântica com enorme potencial turístico e para pesquisa da biodiversidade e uma reserva municipal de sementes para reflorestamento. Segundo os dados da Fundação SOS Mata Atlântica, Teresópolis apresenta 32% de seu território cobertos por remanescentes florestais, onde são encontradas diversas áreas preservadas. Em relação às Unidades de Conservação de Proteção Ambiental, o Parque Nacional da Serra dos Órgãos, o Parque Estadual dos Três Picos e o Parque Natural Municipal Montanhas de Teresópolis compreendem 19,1% do município de terras intactas. Marcada por clima serrano agradável e possuidora de riquezas naturais exuberantes, mas tem índices de maior favelização e desorganização urbana por falta de planejamento no setor. No último estudo realizado pelo IBGE sobre o mapeamento das favelas existentes no estado do Rio de Janeiro, Teresópolis teve tem a segunda maior taxa de favelização entre os 91 municípios do estado, o que remete a diminuição da qualidade de vida da população fixa e flutuante. Como cidade serrana, tem vocação marcante para turismo e sua proximidade com o Rio de Janeiro, tem suporte para resgatar seus títulos tradicionais tais como: Cidade dos Festivais, Cidades das Hortênsias e/ou criar novos. A cidade pode, também, se destacar como centro de grandes eventos (congressos, seminários e encontros). O que contribuiria decisivamente para o seu desenvolvimento turístico. 3
  4. 4. Segundo o urbanista Jaime Lerner, “incluir o paisagismo e a cultura da educação ambiental como plano de governo e como prioridade sócio - ambiental em todos os bairros é plano, urgente, para as cidades! Para Jaime Lerner (urbanista e paisagista), em três anos, qualquer cidade do mundo pode mudar. Lerner foi curador do módulo Cidades Sustentáveis, mostra, na prática, que podemos mudar uma cidade. Sendo assim, se faz necessário olhar para a paisagem do entorno da cidade e perceber que as pessoas que habitam e circulam em Teresópolis podem ser beneficiadas nos mais diversos aspectos sociais, urbanistas/ambientais. Como o prazer de caminhar por alamedas arborizadas e floridas, calçadas mais largas com pisos drenantes que garantem a permeabilidade solo e segurança ao pedestre. Criação de pequenos parques e espaços públicos de convivência para estimular atividades ao ar livre e socialização dos moradores antigos e novos seria uma boa proposta. II - PROPONENTE e EXECUTOR CEAT – CENTRO DE ECOLOGIA APLICADADE TERESÓPOLIS O CEAT – CENTRO DE ECOLOGIA APLICADA DE TERESÓPOLIS, é uma ONG, fundada em 21 de março de 2010, tem sede provisória na Rua Wancler Fonseca, nº 67, Agriões, Teresópolis/RJ – CEP 25963-070, constituída como pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, de âmbito nacional, com prazo de existência indeterminado, têm caráter essencialmente técnico, cultural, científico, turístico e educativo, sendo expressamente vedada qualquer atividade de natureza político-partidária ou religiosa. Constituem alguns, principais, objetivos fundamentais do CEAT: Defender, preservar e conservar o meio ambiente, promovendo o desenvolvimento sustentável; Qualificar agentes comunitários / multiplicadores do conhecimento de flora e fauna entre pessoas da comunidade; Desenvolver parcerias para atuação em Áreas de Conservação, hortos e jardins; Manter estreito intercâmbio técnico-científico, firmar convênios e estabelecer parcerias com instituições que tenham objetivos semelhantes; III - PROJETO: PROGRAMA FLORIR TERESÓPOLIS 4
  5. 5. IV - PRAZO DE EXECUÇÃO: 5 meses a ser realizado no período de fevereiro a Julho de 2014 V – OBJETIVOS OBJETIVO GERAL O objetivo do projeto é desenvolver na população de Teresópolis o gosto pelo cultivo de flores, promover a educação ambiental, incentivar os gestores públicos na construção e manutenção de praças e pontos turísticos floridos, arborizados e esteticamente planejados. Com isto certamente incentivar a conservação ambiental, proteger margens de rios, melhorando a qualidade de vida do cidadão local com maior oferta de lazer. Os espaços urbanos planejados e implementados certamente tornará a cidade mais propicia para um desenvolvimento turístico, mais atrativa e aquecida economicamente. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Florir as principais entradas da cidade com as hortênsias, planta ornamental, extremamente, adaptada a região serrana e que outrora já fazia parte da paisagem da região; Mobilizar, ensinar e motivar a população para a participação e comprometimento nas atividades e objetivos do projeto; Promover programa onde se implemente projetos paisagístico em espaços públicos, até julho de 2014; como a Calçada da Fama e Praça da Matriz Santa Tereza; Promover o programa onde se implemente os projetos “Florir Comunidades”, até julho de 2014; VI - EQUIPE EXECUTORA 5
  6. 6. Simone Chacon Costa: idealizadora e coordenadora do Projeto, é engenheira Florestal ESALQ (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz) USP, Fisioterapeuta – UNIFESO, com pós graduação em acupuntura e cursando pós graduação em Gestão de Projetos pela ESN (Escola Superior de Negócios), Vice – presidente do CEAT; Dr. Lindolpho Capellari Junior: Consultoria em botânica e paisagismo. Doutorado em Biologia Vegetal pela Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP. Graduação em Engenharia Agronômica pela ESALQ (Escola Superior de agricultura Luiz de Queiroz) – USP. Professor no Departamento de Ciências Biológicas da ESALQ / USP. Setores de atividades: produtos e serviços voltados para a defesa e proteção do meio ambiente, incluindo o desenvolvimento sustentado; Dr. Augusto Edmundo Braga: Médico, Presidente do CEAT; Alyxandre Gaudenzi: Consultor do Projeto, é formado em Marketing pela Cândido Mendes e Gestão de Projetos pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing); Jorge Serafim: Empresário, Diretor financeiro do CEAT; Dr. Joaquim Cyrillo Baptista Mouzinho: Desembargador, Diretor jurídico do CEAT; Irineusa de Oliveira Santos: Arquiteta e Urbanista - Consultoria para assuntos paisagísticos. Pós graduação em Urbanismo – UFRJ. Formada em Arquitetura - UFPE Larga experiência na Empresa Pública, Privada e de Economia Mista na área de Arquitetura e Urbanismo. Valério Féo: Engenheiro Agrônomo, Consultor para assuntos paisagísticos. 6
  7. 7. SEÇÃO 2 – PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROGRAMA FLORIR TERESÓPOLIS DISCRIMINAÇÃO DOS PROJETOS 7
  8. 8. JUSTIFICATIVA O turismo está entre as atividades econômicas que mais dependem da conservação e valorização do meio ambiente natural e construído, especialmente, para os destinos cujo destaque são os atrativos relacionados à cultura e às belezas naturais. O desenvolvimento do turismo sustentável deve respeitar a legislação vigente, garantir os direitos das populações locais, conservar o ambiente natural e sua biodiversidade além de considerar o patrimônio cultural e os valores locais. Teresópolis é uma cidade de potencial turístico / ecológico, de clima ameno e propício ao cultivo das mais variadas flores e espécies arbóreas. Mas , dentro deste contexto, vale a pena ressaltar que a cidade está deficiente em infraestrutura urbana necessária para o acolhimento do turista e seus moradores. A iniciativa de realizar o projeto partiu da necessidade de contribuir com uma ação de mobilização e sensibilização da população de Teresópolis no sentido de mudar e reestruturar a paisagem e organização ambiental da cidade. Oferecer a comunidade local e a grande quantidade de turistas que visitam a cidade, durante todo o ano, um lugar mais agradável, atraente, colorido, arborizado e florido. Uma cidade que encanta! Teresópolis situada na área de influência do município do Rio de Janeiro, fica apenas à 91km da capital do estado e a uma hora do Aeroporto Internacional Tom Jobim. Pertencendo à Microrregião Serrana em pleno Cinturão Verde do Estado do Rio de Janeiro. Situada dentro do complexo da Mata Atlântica a cidade tem obrigação de ser exemplo em conservação ambiental. Oferecer ao cidadão teresopolitano e ao turista noções de ecologia, sustentabilidade e situar este cidadão dentro do contexto conservacionista. Ao mesmo tempo, a cidade é, também, marcada pelas estâncias de veraneio, e atividades esportivas ligadas ao montanhismo, principalmente em função dos três grandes parques locais: o Parque Nacional da Serra dos Órgãos e o Parque Estadual dos Três Picos e o Parque Municipal Montanhas de Teresópolis). Inúmeros visitantes procuram a cidade para desfrutar de sua tranquilidade, clima ameno e atrativos ecológicos. O Projeto Florir Teresópolis vem agregar à estas vocações regionais, mais uma opção para a população da cidade e visitantes. Oferecendo lazer, desenvolvimento econômico, conhecimento e formação de novas profissões. Além de incentivar, definir novas vocações regionais, organizar cadeias produtivas ligadas ao turismo e a todo complexo que envolve o ecoturismo. O Projeto Florir Teresópolis é uma proposta ambiciosa, mas possível! Que desde abri de 2013 - quando foi lançada a ideia - vem arrebanhando seguidores e entusiastas pela instalação do projeto. Hoje, já podemos citar alguma ações que justificam o interesse da população pelo tema. 8
  9. 9. Know How e origem do Programa Florir Teresópolis Em abril de 2013 a UNIFESO foi a primeira instituição à aderir ao Projeto, em parceria com o CEAT deu inicio ao primeiro plantio de mudas de hortênsias. Foram plantadas 400 mudas ao lado e na frente do prédio da Clínica Escola de Fisioterapia. E em julho de 2013 mais 100 mudas foram plantadas ao longo da estrada - Fazenda Quinta do Paraíso, na Prata. Após esta experiência, a carência por mão-de-obra para a realização do correto manejo, incentivou o lançamento do 1º Curso de Jardinagem do CEAT, este curso possibilitou a formação técnica que hoje caminha com o projeto. Em outubro de 2013 foram plantadas 1.300 mudas de hortênsias no terreno próximo a rodoviária, margem do rio Paquequer. Este plantio foi realizado por 20 jardineiros que estavam inscritos no I Curso de Jardinagem promovido pelo CEAT. O CEAT pretende com a formalização desse projeto, criar o ambiente propício à parcerias público e privadas, para a realização dos quatro trechos abordados neste programa. VII- IMPACTOS PREVISTOS Impactos sociais Melhora da qualidade de vida de sua população; Melhora da auto estima da população; Prédios e casas com sacadas floridas mostrando zelo e senso estético; Impactos econômicos Aumento da atividade turística e dos setores que a envolve; Proporcionar a possibilidade de trazer para o Município verba do ICMS Verde; Impactos ambientais Melhorar os indicadores de preservação ambiental; Reorganização dos parques e passeios públicos de convivência; VIII ORÇAMENTO DISCRIMINADO DO PROGRAMA (4.610M DE PLANTIO) Elaboração do Projeto: R$ 6.000,00 9
  10. 10. Trechos: Projeto Saída Quinta Lebrão Projeto Saída para Nova Friburgo 10
  11. 11. Projeto Saída para Itaipava/Petrópolis Projeto Trevo do Meudom 11
  12. 12. SEÇÃO 2 – PLANEJAMENTO TÁTICO PROGRAMA FLORIR TERESÓPOLIS DISCRIMONAÇÃO DOS PROJETOS 12
  13. 13. 13
  14. 14. PROJETO Nº 1 Trecho: Tenente Luiz Meirelles / Trevo do Meudon Data do plantio: 22/02/2014 Viabilidade Financeira R$ 12.287,96 TRECHO Tenente Luiz Meireles Trevo Meudon MUDAS EXTENSÃO EM METROS MUDAS POR METRO QTDE MUDAS 940 3 VALOR UNITARIO DA MUDA 2.820 R$ 0,80 VALOR TOTAL R$ 2.256,00 MÃO-DE-OBRA para 940 metros QUANTIDADE DE JARDINEIROS NÚMERO DE DIAS TRABALHADOS R$ 80,00 4 5 TIPO QUANTIDADE POR COVA (gr) JARDINEIRO DIÁRIA VALOR TOTAL COLETA DE LIXO/DIA R$ 3.350,00 R$ 350,00 DESPESAS TOTAL COM COLETA R$ 1.750,00 INSUMOS para 940 metros MATERIA ORGANICA CALCÁRIO ADUBO 4-14-8 TOTAL GERAL 200 gr 100 gr 50 gr total (kg) 564 kg 282 kg 141 kg CUSTO POR Kg VALOR TOTAL R$ 2,50 R$ 0,30 R$ 2,16 R$ 1.410,00 R$ 4,96 R$ 84,60 R$ 304,56 R$ 1.799,16 CUSTO DE MANUTENÇÃO para 940 metros (somente 30 dias após plantio) SERVIÇO QTD/METRO QTD valor unitário REGA – ÁGUA 3 L/M 2820 L 0,13 MÃO-DE-OBRA 2 R$ 80,00 COLETA DE LIXO 1 R$ 350,00 CAPINA 1 incursões R$ 80,00 VALOR TOTAL 8 8 4 4 TOTAL R$ 2.932,80 R$ 1.280,00 R$ 350,00 R$ 320,00 R$ 4.882,80 Custo Total por despesa para 940 metros plantados MUDAS MÃO-DE-OBRA INSUMO MANUTENÇÃO TOTAL GERAL R$ 2.256,00 R$ 3.350,00 R$ 1.799,16 R$ 4.882,80 R$ 12.287,96 Imprevistos R$ 1.228,80 Total geral R$ 13.516,76 14
  15. 15. 15
  16. 16. PROJETO Nº 2 Trecho: Terê - Fri / Fazenda do Paraíso Data do Plantio 29/03/2014 VIABILIDADE FINANCEIRA: R$ 20.366,10 TRECHO Trevo Tere-Fri a Fazenda Quinta do Paraiso MUDAS EXTENSÃO EM METROS MUDAS POR METRO QTDE MUDAS 1.650 3 VALOR UNITARIO DA MUDA 4.950 R$ 0,80 VALOR TOTAL R$ 3.960,00 MÃO-DE-OBRA para 1650 metros QUANTIDADE DE JARDINEIROS NÚMERO DE DIAS TRABALHADOS R$ 80,00 7 5 TIPO QUANTIDADE POR COVA (gr) JARDINEIRO DIÁRIA VALOR TOTAL COLETA DE LIXO/DIA R$ 4.550,00 R$ 350,00 DESPESAS TOTAL COM COLETA R$ 1.750,00 INSUMOS para 1650 metros MATERIA ORGANICA CALCÁRIO ADUBO 4-14-8 TOTAL GERAL 200 gr 100 gr 50 gr total (kg) 990 kg 495 kg 248 kg CUSTO POR Kg VALOR TOTAL R$ 2,50 R$ 0,30 R$ 2,16 R$ 2.475,00 R$ 4,96 R$ 148,50 R$ 534,60 R$ 3.158,10 CUSTO DE MANUTENÇÃO para 1650 metros (somente 30 dias após plantio) SERVIÇO QTD/METRO QTD valor unitário REGA – ÁGUA 3 L/M 4950 L 0,13 MÃO-DE-OBRA 4 R$ 80,00 COLETA DE LIXO 1 R$ 350,00 CAPINA 2 incursões R$ 80,00 VALOR TOTAL 8 8 4 4 TOTAL R$ 5.148,00 R$ 2.560,00 R$ 350,00 R$ 640,00 R$ 8.698,00 Custo Total por despesa para 1650 metros plantados MUDAS MÃO-DE-OBRA INSUMO MANUTENÇÃO TOTAL GERAL R$ 3.960,00 R$ 4.550,00 R$ 3.158,10 R$ 8.698,00 R$ 20.366,10 Imprevistos R$ 2.036,61 Total geral R$ 22.402,71 16
  17. 17. 17
  18. 18. PROJETO Nº 3 Trecho: Manuel Lebrão / Fazenda Quinta Lebrão Data do Plantio 26/04/2014 VIABILIDADE FINANCEIRA: R$ 14.697,40 TRECHO Manuel Lebrao fazenda quinta Lebrao MUDAS EXTENSÃO EM METROS MUDAS POR METRO QTDE MUDAS 1.100 3 VALOR UNITARIO DA MUDA 3.300 R$ 0,80 VALOR TOTAL R$ 2.640,00 MÃO-DE-OBRA para 1100 metros QUANTIDADE DE JARDINEIROS NÚMERO DE DIAS TRABALHADOS R$ 80,00 8 3 TIPO QUANTIDADE POR COVA (gr) JARDINEIRO DIÁRIA VALOR TOTAL COLETA DE LIXO/DIA R$ 2.970,00 R$ 350,00 DESPESAS TOTAL COM COLETA R$ 1.050,00 INSUMOS para 1100 metros MATERIA ORGANICA CALCÁRIO ADUBO 4-14-8 TOTAL GERAL 200 gr 100 gr 50 gr total (kg) 660 kg 330 kg 165 kg CUSTO POR Kg VALOR TOTAL R$ 2,50 R$ 0,30 R$ 2,16 R$ 1.650,00 R$ 4,96 R$ 99,00 R$ 356,40 R$ 2.105,40 CUSTO DE MANUTENÇÃO para 1100 metros (somente 30 dias após plantio) SERVIÇO QTD/METRO QTD valor unitário REGA – ÁGUA 3 L/M 3300 L 0,13 MÃO-DE-OBRA 4 R$ 80,00 COLETA DE LIXO 1 R$ 350,00 CAPINA 2 incursões R$ 80,00 VALOR TOTAL 8 8 4 4 TOTAL R$ 3.432,00 R$ 2.560,00 R$ 350,00 R$ 640,00 R$ 6.982,00 Custo Total por despesa para 1100 metros plantados MUDAS MÃO-DE-OBRA INSUMO MANUTENÇÃO TOTAL GERAL R$ 2.640,00 R$ 2.970,00 R$ 2.105,40 R$ 6.982,00 R$ 14.697,40 Imprevistos R$ 1.469,74 Total geral R$ 16.167,14 18
  19. 19. 19
  20. 20. PROJETO Nº 4 Trecho: Hotel Alpina / Estrada para Itaipava Inicio do plantio 31/05/2014 VIABILIDADE FINANCEIRA: R$ 12.139,28 TRECHO Alpina - Guarita do quebra frascos MUDAS EXTENSÃO EM METROS MUDAS POR METRO QTDE MUDAS 920 3 VALOR UNITARIO DA MUDA 2.760 R$ 0,80 VALOR TOTAL R$ 2.208,00 MÃO-DE-OBRA para 920 metros QUANTIDADE DE JARDINEIROS NÚMERO DE DIAS TRABALHADOS R$ 80,00 4 5 TIPO QUANTIDADE POR COVA (gr) JARDINEIRO DIÁRIA VALOR TOTAL COLETA DE LIXO/DIA R$ 3.350,00 R$ 350,00 DESPESAS TOTAL COM COLETA R$ 1.750,00 INSUMOS para 920 metros MATERIA ORGANICA CALCÁRIO ADUBO 4-14-8 552 kg 276 kg 138 kg TOTAL GERAL CUSTO POR Kg VALOR TOTAL R$ 2,50 R$ 0,30 R$ 2,16 R$ 1.380,00 R$ 4,96 200 gr 100 gr 50 gr total (kg) R$ 1.760,88 R$ 82,80 R$ 298,08 CUSTO DE MANUTENÇÃO para 920 metros (somente 30 dias após plantio) SERVIÇO QTD/METRO QTD valor unitário REGA – ÁGUA 3 L/M 2760 L 0,13 MÃO-DE-OBRA 2 R$ 80,00 COLETA DE LIXO 1 R$ 350,00 CAPINA 1 incursões R$ 80,00 VALOR TOTAL 8 8 4 4 TOTAL R$ 2.870,40 R$ 1.280,00 R$ 350,00 R$ 320,00 R$ 4.820,40 Custo Total por despesa para 920 metros plantados MUDAS MÃO-DE-OBRA INSUMO MANUTENÇÃO TOTAL R$ 2.208,00 R$ 3.350,00 R$ 1.760,88 R$ 4.820,40 R$ 12.139,28 Imprevistos R$ 1.213,93 Total geral R$ 13.353,21 20
  21. 21. 21
  22. 22. SEÇÃO 3 – MONITORAMENTO E CONTROLE 22
  23. 23. 23

×