O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Orbitais moleculares
A teoria dos orbitais moleculares (TOM) 
surgiu como mais uma ferramenta para 
explicar a formação das ligações químicas, ...
Na verdade a TOM, simplesmente explica 
a existência do orbital na molécula, 
quando os orbitais atômicos (Aos) se 
unem e...
Na verdade a TOM, simplesmente explica a 
existência do orbital na molécula, quando os 
orbitais atômicos (Aos) se unem el...
OM Ler como Caráter Funções Origem 
σ Sigma Ligante Adição Combinação 
de orbitais 
1s e 2px 
σ* Sigma 
asterisco 
Antilig...
As figuras acima são representações dos orbitais 
moleculares formados a partir da sobreposição dos orbitais 
atômicos e d...
Após a combinação o AOs deixam de existir 
tornando-se OMs, e por conseguinte os orbitais 
resultantes devem ser preenchid...
Ordem de Ligação= (elétrons ligantes – 
elétrons antiligantes) / 2 
Para melhor compreensão vamos utilizar a 
molécula de ...
Como a ordem de ligação é igual a 2 para o oxigênio, ele 
existe. O maior sucesso da teoria dos orbitais moleculares 
foi ...
Bibliografia: 
Russel, J. B. Química geral. São Paulo: Makron Books, 2004. 
James Brady, Humiston Gerard E. QUÍMICA GERAL ...
Teoria dos orbitais moleculares
Teoria dos orbitais moleculares
Teoria dos orbitais moleculares
Teoria dos orbitais moleculares
Teoria dos orbitais moleculares
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Teoria dos orbitais moleculares

978 visualizações

Publicada em

Teoria dos orbitais moleculares

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Teoria dos orbitais moleculares

  1. 1. Orbitais moleculares
  2. 2. A teoria dos orbitais moleculares (TOM) surgiu como mais uma ferramenta para explicar a formação das ligações químicas, assim como, teoria da ligação de valência, hibridização. Porém tem suas bases amparadas pelas funções de ondas advindas da mecânica quântica a qual ofereceu todo o respaldo para essa teoria.
  3. 3. Na verdade a TOM, simplesmente explica a existência do orbital na molécula, quando os orbitais atômicos (Aos) se unem eles desaparecem completamente originando 2 orbitais moleculares, o que da o direito a esta molécula de possuir uma nova configuração eletrônica. Um orbital é um lugar do espaço onde é provável que o elétron seja encontrado, sem dúvida esta é boa nova que nos trouxe a mecânica quântica, promovendo a combinação matemática das funções de onda dos AOs e como resultado obtém-se as novas funções de onda denominadas orbitais moleculares (MOs).
  4. 4. Na verdade a TOM, simplesmente explica a existência do orbital na molécula, quando os orbitais atômicos (Aos) se unem eles desaparecem completamente originando 2 orbitais moleculares, o que da o direito a esta molécula de possuir uma nova configuração eletrônica. Um orbital é um lugar do espaço onde é provável que o elétron seja encontrado, sem dúvida esta é boa nova que nos trouxe a mecânica quântica, promovendo a combinação matemática das funções de onda dos AOs e como resultado obtém-se as novas funções de onda denominadas orbitais moleculares (MOs).
  5. 5. OM Ler como Caráter Funções Origem σ Sigma Ligante Adição Combinação de orbitais 1s e 2px σ* Sigma asterisco Antiligante Subtração Combinação de orbitais 1s e 2px π Pi Ligante Adição Combinação de orbitais 2py e 2pz π* Pi asterisco Antiligante Subtração Combinação de orbitais 2py e 2pz
  6. 6. As figuras acima são representações dos orbitais moleculares formados a partir da sobreposição dos orbitais atômicos e demonstram que no momento em que ocorre a combinação são originados outros 2 orbitais moleculares. O OM antiligante é originado da função de onda de subtração e este desestabiliza a ligação em virtude de possuir maior energia e menor densidade eletrônica em seu núcleo, do que o orbital ligante que originado da função de onda adição possui energia e elevada densidade eletrônica promovendo a ligação. É importante lembrar que essas representações fazem alusão às moléculas homonucleares, e toda vez que ocorrer a combinação de 2 AOs serão originados 2 OMs, sendo um ligante e outro antiligante. E evidentemente as figuras acima representam as energias relativas, e são repetidos propositalmente para mostrar que as sobreposições py-py e pz-pz são iguais, com difrença somente na orientação, acima de tudo mantendo a mesma energia.
  7. 7. Após a combinação o AOs deixam de existir tornando-se OMs, e por conseguinte os orbitais resultantes devem ser preenchido por spins da mesma maneira, que preenchemos orbitais aos quais estamos habituados, seguindo procedimento de Aufbau que orienta a distribuir por sequência e não aos pares em cada orbital. A TOM é uma das teorias que mais obteve sucesso na explicação das ligações químicas, sendo ela quem provou que a molécula de oxigênio é paramagnética, em virtude de possuir dois elétrons desemparelhados nos orbitais antiligantes. Outro aspecto importante nesta teoria reside na definição de ordem de ligação, que leva em conta o preenchimento do orbital σs*, que possuindo caráter antiligante impede a formação da molécula, em função de possuir energia maior do que σs ligante, anulando a força de atração entre os átomos. É definida pela equação abaixo:
  8. 8. Ordem de Ligação= (elétrons ligantes – elétrons antiligantes) / 2 Para melhor compreensão vamos utilizar a molécula de Neônio e Oxigênio: Ne: KK (σ)2 (σ*)² ( σ)² ( π)² ( π)² ( π*)² 2ss xyzy( π*)² ( σ*)² zxComo: O.L= (e – e*)/2 Logo: O.L.= (8 - 8)/2 = 0 Como a ordem de ligação é zero não existe ligação, evidentemente a molécula de neônio não existe, é utilizada somente como uma molécula hipotética. O que já muda completamente no caso do oxigênio. O: KK (σ)2 (σ*)² ( σ)² ( π)² ( π)² ( π*)¹ 2ss xyzy( πz*)¹ O.L.= (8 - 4)/2 = 2
  9. 9. Como a ordem de ligação é igual a 2 para o oxigênio, ele existe. O maior sucesso da teoria dos orbitais moleculares foi quando provou que esta é paramagnética, ou seja, ela é influenciada fortemente pela energia eletromagnética. Quando este é submetido a um campo magnético ele é atraído como se fosse um metal sendo atraído por ímã, porém em menor intensidade. Quando um MO ligante é ocupado pelos elétrons ele contribui para a estabilidade da molécula, porém quando o MO antiligante está ocupado ele contribui significativamente para que esta seja desestabilizada ou não exista. Para saber se uma molécula existe ou se é paramagnética basta utilizar o diagrama de população, e aplicar a equação de O.L. Para as moléculas heteronuclares (formadas por átomos difrentes utiliza-se a mesma idéia do TOM, por que no mais elas acabam por ter a mesma configuração das moléculas homonucleares(formadas por átomos iguais), assim como a configuração do CO2 é igual a do N2.
  10. 10. Bibliografia: Russel, J. B. Química geral. São Paulo: Makron Books, 2004. James Brady, Humiston Gerard E. QUÍMICA GERAL - 2ª EDIÇÃO. Mahan, B. M. Química: um curso universitário. 4a ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2003. SHRIVER, DUWARD; ATKINS, PETER. Química inorgânica - 4ª edição. Porto Alegre, Bookman, 2008. LEE, J.D.. Química inorgânica não tão concisa – tradução da 4ª edição inglesa. São Paulo, Edgard Blücher, 1996.

×