SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
CONVERSA NO CHAFARIZ


                                    De



                              Karl Valentin




                              Personagens


                                     A


                                     B




                               ATO ÚNICO

(A. numa praça de Munique, olhando o jato d’água; B. está ao seu lado).

A                  Afinal de contas esse jato d´água é maravilhoso.

B                  É muito bonito quando ele esguicha.

A                  Esguichar, esguichar. O que quer dizer isso? Se ele não
                   esguichasse não seria um jato d’água.

B                  Que tipo de jato seria?

A                  Não seria jato nenhum.

B                  Ah. Não?

A                  Não seria jato nenhum. Seria apenas um jato que não es-
guicha.

B      Sim, mas ele está ai.

A      Claro que ele está ai.

B      Mas, a gente não pode vê-lo.

A      Quando ele não esguicha, não.

B      A gente também não pode escuta-lo.

A      Quando ele esguicha, a água murmura.

B      Ele murmura e ao mesmo tempo ele esguicha.

A      Não é o jato que murmura, é a água!

B      Sem o jato?

A      Não, com o jato.

B      A gente pode comprar um jato desses?

A      Não.

B      Então, como a Prefeitura fez para conseguir um jato des-
       ses?

A      É um donativo.

B. -   Entregaram esguichando?

A      Não. Primeiro é preciso esburacar o chão, depois instalar
       o encanamento, fazer o lago, botar as flores, e então se
       coloca uma grade protetora em volta.

B      E depois?

A      Depois terminou.

B      Mas a gente ainda pode vê-lo.

A      Quem?
B   O jato em si.

A   Não, só quando se abre a água é que o jato começa a
    esguichar pro alto.

B   De alegria?

A   Bem, é uma lei da natureza, da física, sei lá! Quando se
    abre uma torneira, a água esguicha pro alto.

B   Nem sempre. Na cozinha lá de casa, quando se abre uma
    torneira, a água sai pra baixo.

A   Uma cozinha e uma praça pública são duas coisas bem
    diferentes.

B   Sim. Mas não se pode dizer que um jato d’água como es-
    ses seja uma coisa útil.

A   Ele não tem nenhuma utilidade.

B   Então, por que se constróem esses esguichos?

A   Pra enfeitar, pra olhar!

B   Quem?

A   Os habitantes da cidade.

B   Há quanto tempo que esse chafariz existe?

A   Desde 1860, eu acho. Quer dizer, há quase cem anos.

B   Bem, então todos os habitantes de Munique já devem tê-
    lo visto.

A   É uma questão de gosto. As coisas belas podem ser vis-
    tas duas, três vezes...

B   Tá certo... duas, três vezes. Mas os velhos ou mesmo os
    que moram perto da praça já devem ter em enchido o sa-
    co de tanto olhar.

A   Mas ele não foi feito somente para os habitantes da cida-
de ele foi construido, principalmente para os turistas.

B   Não, isso não é verdade. Os turistas não vêm a Munique
    por causa de água, eles vêm por causa de cerveja.

A   Tá certo...

B   Eu nunca vi um turista perguntar: “Por favor, meu senhor,
    onde será que eu poderia ver um chafariz que esguicha
    água, por aqui?” Mas já vi muitos me perguntarem: “Onde
    fica a cervejaria mais próxima?”

A   Tá certo, ninguém vem a Munique por causa da água,
    nem ninguém pode encher a cara com a água da fonte.

B   Então, porque botaram essa grade protetora em volta?

A   Para quando alguém chegar muito perto do chafariz, não
    se molhar.

B   E no inverno?

A   No inverno? Mas ele não funciona no inverno.

B   Mas se um turista quiser ver o chafariz no inverno?

A   Ele não vai poder. Terá de esperar o verão.

B   Ele vai ter que ficar esse tempo todo em Munique?

A   Não, ele vai embora e volta no verão.

B   E se ele não voltar?

A   Ele aí não vai ver.

B   É mais fácil então pro pessoal aqui de Munique. Eles po-
    dem ver quando quiserem.

A   Não no inverno.

B   Por que ele não funciona no inverno?

A   O jato d’água ficaria congelado.
B   Ah, isso não pode ser verdade. A água corrente não con-
    gela nunca.

A   Você tem razão. Uma vez um encanador me disse isso.
    Vai ver que as autoridades públicas não estão a par disso.

B   É preciso então avisar a eles. Eles vão ficar contentes e
    vão economizar o trabalho de ter que fechar o jato d’água.

A   Claro. É ai que a gente vê que os leigos também podem
    ter boas idéias de vez em quando.

B   A única coisa certa pra mim é que a água espirra pro alto,
    desce, cai no laguinho e escapa pelo ralo.

A   Mas é certíssimo. Porque se a gente observar bem o ralo
    é a coisa mais importante que tem; mais importante mes-
    mo que o próprio jato d’água, porque se não houvesse o
    ralo para escorrer e se a água não pudesse escapar por
    ele desde 1860, Munique inteira, a Baviera inteira, toda a
    Europa estariam, talvez, completamente inundadas. E o
    que você está dizendo é que haveria uma catástrofe des-
    comunal se, por acaso alguém resolvesse, para se diver-
    tir, entupir o ralo do chafariz.

B   Ah, agora eu sei por que é que eles botaram uma grade
    protetora em volta do chafariz.




                      FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (7)

Meu amor 1
Meu amor 1Meu amor 1
Meu amor 1
 
Ela faz cinema
Ela faz cinemaEla faz cinema
Ela faz cinema
 
A Lua E A Flor
A Lua E A FlorA Lua E A Flor
A Lua E A Flor
 
Ler o mar rúdi rocha 5º c
Ler o mar   rúdi rocha 5º cLer o mar   rúdi rocha 5º c
Ler o mar rúdi rocha 5º c
 
Imaginação
ImaginaçãoImaginação
Imaginação
 
Balada de lisboa
Balada de lisboaBalada de lisboa
Balada de lisboa
 
Lira do amor romântico
Lira do amor romântico Lira do amor romântico
Lira do amor romântico
 

Destaque

Karl valentin- Porque os teatros estão vazios
Karl valentin- Porque os teatros estão vaziosKarl valentin- Porque os teatros estão vazios
Karl valentin- Porque os teatros estão vaziosstudio silvio selva
 
Escritos de um louco Antonin Artaud
Escritos de um louco   Antonin ArtaudEscritos de um louco   Antonin Artaud
Escritos de um louco Antonin ArtaudLuis Bonfim
 
A commedia dell'arte- Máscaras, duplicidade e riso diabólico de Arlequim- Nan...
A commedia dell'arte- Máscaras, duplicidade e riso diabólico de Arlequim- Nan...A commedia dell'arte- Máscaras, duplicidade e riso diabólico de Arlequim- Nan...
A commedia dell'arte- Máscaras, duplicidade e riso diabólico de Arlequim- Nan...studio silvio selva
 

Destaque (9)

Karl valenti-o-aguário
Karl valenti-o-aguárioKarl valenti-o-aguário
Karl valenti-o-aguário
 
A farsa do advogado pathelin
A farsa do advogado pathelinA farsa do advogado pathelin
A farsa do advogado pathelin
 
Karl valentin-a-carta1
Karl valentin-a-carta1Karl valentin-a-carta1
Karl valentin-a-carta1
 
Karl valentin- Porque os teatros estão vazios
Karl valentin- Porque os teatros estão vaziosKarl valentin- Porque os teatros estão vazios
Karl valentin- Porque os teatros estão vazios
 
Karl Valentin: A ida ao teatro
Karl Valentin: A ida ao teatroKarl Valentin: A ida ao teatro
Karl Valentin: A ida ao teatro
 
Escritos de um louco Antonin Artaud
Escritos de um louco   Antonin ArtaudEscritos de um louco   Antonin Artaud
Escritos de um louco Antonin Artaud
 
Ubu rei
Ubu  reiUbu  rei
Ubu rei
 
A commedia dell'arte- Máscaras, duplicidade e riso diabólico de Arlequim- Nan...
A commedia dell'arte- Máscaras, duplicidade e riso diabólico de Arlequim- Nan...A commedia dell'arte- Máscaras, duplicidade e riso diabólico de Arlequim- Nan...
A commedia dell'arte- Máscaras, duplicidade e riso diabólico de Arlequim- Nan...
 
Teatro medieval
Teatro medievalTeatro medieval
Teatro medieval
 

Mais de studio silvio selva

Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Bauru
Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de BauruLei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Bauru
Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Baurustudio silvio selva
 
Vamos sair da chuva quando a bomba cair mario bortolotto
Vamos sair da chuva quando a bomba cair  mario bortolotto Vamos sair da chuva quando a bomba cair  mario bortolotto
Vamos sair da chuva quando a bomba cair mario bortolotto studio silvio selva
 
Gabriel garcia marques ninguém escreve ao coronel
Gabriel garcia marques   ninguém escreve ao coronelGabriel garcia marques   ninguém escreve ao coronel
Gabriel garcia marques ninguém escreve ao coronelstudio silvio selva
 
As alegres matronas de windsor W. Shakespeare
As alegres matronas de windsor W. ShakespeareAs alegres matronas de windsor W. Shakespeare
As alegres matronas de windsor W. Shakespearestudio silvio selva
 
"Alegres senhoras de Windsor" William Shakespeare,
"Alegres senhoras de Windsor"  William Shakespeare, "Alegres senhoras de Windsor"  William Shakespeare,
"Alegres senhoras de Windsor" William Shakespeare, studio silvio selva
 
'O casamento do pequeno burgues' bertolt brecht
'O casamento do pequeno burgues'   bertolt brecht'O casamento do pequeno burgues'   bertolt brecht
'O casamento do pequeno burgues' bertolt brechtstudio silvio selva
 
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassy
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo SacaldassyFulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassy
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassystudio silvio selva
 
máscara cinematográfica de látex
máscara cinematográfica de látexmáscara cinematográfica de látex
máscara cinematográfica de látexstudio silvio selva
 
O 18 de Brumário de Luís Bonaparte
O 18 de Brumário de Luís BonaparteO 18 de Brumário de Luís Bonaparte
O 18 de Brumário de Luís Bonapartestudio silvio selva
 
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"studio silvio selva
 
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"studio silvio selva
 
Gonçalves dias leonor de mendonça
Gonçalves dias leonor de mendonçaGonçalves dias leonor de mendonça
Gonçalves dias leonor de mendonçastudio silvio selva
 
Anton tchekov os maleficios do tabaco
Anton tchekov os maleficios do tabacoAnton tchekov os maleficios do tabaco
Anton tchekov os maleficios do tabacostudio silvio selva
 

Mais de studio silvio selva (20)

Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Bauru
Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de BauruLei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Bauru
Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Bauru
 
Cenotécnicos do Brasil
Cenotécnicos do BrasilCenotécnicos do Brasil
Cenotécnicos do Brasil
 
Vamos sair da chuva quando a bomba cair mario bortolotto
Vamos sair da chuva quando a bomba cair  mario bortolotto Vamos sair da chuva quando a bomba cair  mario bortolotto
Vamos sair da chuva quando a bomba cair mario bortolotto
 
Gabriel garcia marques ninguém escreve ao coronel
Gabriel garcia marques   ninguém escreve ao coronelGabriel garcia marques   ninguém escreve ao coronel
Gabriel garcia marques ninguém escreve ao coronel
 
As alegres matronas de windsor W. Shakespeare
As alegres matronas de windsor W. ShakespeareAs alegres matronas de windsor W. Shakespeare
As alegres matronas de windsor W. Shakespeare
 
"Alegres senhoras de Windsor" William Shakespeare,
"Alegres senhoras de Windsor"  William Shakespeare, "Alegres senhoras de Windsor"  William Shakespeare,
"Alegres senhoras de Windsor" William Shakespeare,
 
'O casamento do pequeno burgues' bertolt brecht
'O casamento do pequeno burgues'   bertolt brecht'O casamento do pequeno burgues'   bertolt brecht
'O casamento do pequeno burgues' bertolt brecht
 
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassy
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo SacaldassyFulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassy
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassy
 
Pastelão 1
Pastelão 1Pastelão 1
Pastelão 1
 
O pastel e a torta
O pastel e a tortaO pastel e a torta
O pastel e a torta
 
O pastelao e a torta
O pastelao e a tortaO pastelao e a torta
O pastelao e a torta
 
máscara cinematográfica de látex
máscara cinematográfica de látexmáscara cinematográfica de látex
máscara cinematográfica de látex
 
"Esperando godot" de Beckett
"Esperando godot" de Beckett"Esperando godot" de Beckett
"Esperando godot" de Beckett
 
Molière o tartufo
Molière o tartufoMolière o tartufo
Molière o tartufo
 
O 18 de Brumário de Luís Bonaparte
O 18 de Brumário de Luís BonaparteO 18 de Brumário de Luís Bonaparte
O 18 de Brumário de Luís Bonaparte
 
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"
 
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"
 
Luigi pirandello
Luigi pirandello Luigi pirandello
Luigi pirandello
 
Gonçalves dias leonor de mendonça
Gonçalves dias leonor de mendonçaGonçalves dias leonor de mendonça
Gonçalves dias leonor de mendonça
 
Anton tchekov os maleficios do tabaco
Anton tchekov os maleficios do tabacoAnton tchekov os maleficios do tabaco
Anton tchekov os maleficios do tabaco
 

Karl valentin-conversa-no-chafariz

  • 1. CONVERSA NO CHAFARIZ De Karl Valentin Personagens A B ATO ÚNICO (A. numa praça de Munique, olhando o jato d’água; B. está ao seu lado). A Afinal de contas esse jato d´água é maravilhoso. B É muito bonito quando ele esguicha. A Esguichar, esguichar. O que quer dizer isso? Se ele não esguichasse não seria um jato d’água. B Que tipo de jato seria? A Não seria jato nenhum. B Ah. Não? A Não seria jato nenhum. Seria apenas um jato que não es-
  • 2. guicha. B Sim, mas ele está ai. A Claro que ele está ai. B Mas, a gente não pode vê-lo. A Quando ele não esguicha, não. B A gente também não pode escuta-lo. A Quando ele esguicha, a água murmura. B Ele murmura e ao mesmo tempo ele esguicha. A Não é o jato que murmura, é a água! B Sem o jato? A Não, com o jato. B A gente pode comprar um jato desses? A Não. B Então, como a Prefeitura fez para conseguir um jato des- ses? A É um donativo. B. - Entregaram esguichando? A Não. Primeiro é preciso esburacar o chão, depois instalar o encanamento, fazer o lago, botar as flores, e então se coloca uma grade protetora em volta. B E depois? A Depois terminou. B Mas a gente ainda pode vê-lo. A Quem?
  • 3. B O jato em si. A Não, só quando se abre a água é que o jato começa a esguichar pro alto. B De alegria? A Bem, é uma lei da natureza, da física, sei lá! Quando se abre uma torneira, a água esguicha pro alto. B Nem sempre. Na cozinha lá de casa, quando se abre uma torneira, a água sai pra baixo. A Uma cozinha e uma praça pública são duas coisas bem diferentes. B Sim. Mas não se pode dizer que um jato d’água como es- ses seja uma coisa útil. A Ele não tem nenhuma utilidade. B Então, por que se constróem esses esguichos? A Pra enfeitar, pra olhar! B Quem? A Os habitantes da cidade. B Há quanto tempo que esse chafariz existe? A Desde 1860, eu acho. Quer dizer, há quase cem anos. B Bem, então todos os habitantes de Munique já devem tê- lo visto. A É uma questão de gosto. As coisas belas podem ser vis- tas duas, três vezes... B Tá certo... duas, três vezes. Mas os velhos ou mesmo os que moram perto da praça já devem ter em enchido o sa- co de tanto olhar. A Mas ele não foi feito somente para os habitantes da cida-
  • 4. de ele foi construido, principalmente para os turistas. B Não, isso não é verdade. Os turistas não vêm a Munique por causa de água, eles vêm por causa de cerveja. A Tá certo... B Eu nunca vi um turista perguntar: “Por favor, meu senhor, onde será que eu poderia ver um chafariz que esguicha água, por aqui?” Mas já vi muitos me perguntarem: “Onde fica a cervejaria mais próxima?” A Tá certo, ninguém vem a Munique por causa da água, nem ninguém pode encher a cara com a água da fonte. B Então, porque botaram essa grade protetora em volta? A Para quando alguém chegar muito perto do chafariz, não se molhar. B E no inverno? A No inverno? Mas ele não funciona no inverno. B Mas se um turista quiser ver o chafariz no inverno? A Ele não vai poder. Terá de esperar o verão. B Ele vai ter que ficar esse tempo todo em Munique? A Não, ele vai embora e volta no verão. B E se ele não voltar? A Ele aí não vai ver. B É mais fácil então pro pessoal aqui de Munique. Eles po- dem ver quando quiserem. A Não no inverno. B Por que ele não funciona no inverno? A O jato d’água ficaria congelado.
  • 5. B Ah, isso não pode ser verdade. A água corrente não con- gela nunca. A Você tem razão. Uma vez um encanador me disse isso. Vai ver que as autoridades públicas não estão a par disso. B É preciso então avisar a eles. Eles vão ficar contentes e vão economizar o trabalho de ter que fechar o jato d’água. A Claro. É ai que a gente vê que os leigos também podem ter boas idéias de vez em quando. B A única coisa certa pra mim é que a água espirra pro alto, desce, cai no laguinho e escapa pelo ralo. A Mas é certíssimo. Porque se a gente observar bem o ralo é a coisa mais importante que tem; mais importante mes- mo que o próprio jato d’água, porque se não houvesse o ralo para escorrer e se a água não pudesse escapar por ele desde 1860, Munique inteira, a Baviera inteira, toda a Europa estariam, talvez, completamente inundadas. E o que você está dizendo é que haveria uma catástrofe des- comunal se, por acaso alguém resolvesse, para se diver- tir, entupir o ralo do chafariz. B Ah, agora eu sei por que é que eles botaram uma grade protetora em volta do chafariz. FIM