SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
A CARTA
                       De

                 Karl Valentin




                 Personagens


                       Ela




                 ATO ÚNICO

ELA   (Escrevendo uma carta.) Munique, 33 de janeiro de 1925
      e meio. Minha querida: É com a mão chorosa que eu se-
      guro a caneca para te escrever. Há tanto tempo que você
      não escreve.. , Por quê? Ainda mais depois que, não faz
      muito, você dizia numa carta que me escreveria, se eu
      não te escrevesse. Meu pai, também, escreveu-me on-
      tem. Ele me disse que te escreveu. Você, ao contrário,
      não escreveu nem uma palavra pra me dizer que ele tinha
      te escrito. Se você tivesse me escrito para me dizer que
      meu pai te escreveu, eu teria escrito ao meu pai dizendo
      que você gostaria de lhe escrever, mas que, infelizmente,
      não tinha tido tempo de lhe escrever, senão você já lhe te-
      ria escrito. Você não escreveu nenhuma carta responden-
      do aquelas que eu te escrevi, donde eu penso que essas
      estórias todas de escrituras, são bem tristes. Se você não
      soubesse ler, seria uma outra coisa, eu não iria te es-
      crever de maneira nenhuma. Mas você sabe escrever e
      você não escreve mesmo quando eu te escrevo. Eu ter-
      mino minha carta te escrevendo na esperança de que vo-
      cê me escreva, afinal. Senão será a última carta que eu te
      escrevo. Se, esta vez ainda, você não me escrever, es-
      creva-me ao menos para me dizer que você não quer
mesmo me escrever, de maneira alguma. Eu saberei,
dessa forma, porque você nunca me escreveu. Perdoe
meu jeito ruim de escrever, mas é que eu tenho uma es-
pécie de artrite típica dos que escrevem sempre. Isso a-
contece sempre que eu escrevo. Você, evidentemente,
não terá isso nunca, pois não escreve jamais. Minhas
saudações e um beijo, Teu N. N.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Viajando pela leitura
Viajando pela leituraViajando pela leitura
Viajando pela leitura
inesfavero
 
Semana da leitura 2015 no 1º Ciclo
Semana da leitura 2015 no 1º CicloSemana da leitura 2015 no 1º Ciclo
Semana da leitura 2015 no 1º Ciclo
António Pires
 
Slideshareee
SlideshareeeSlideshareee
Slideshareee
rachelbb
 
Entrevista vanessa simoes
Entrevista vanessa simoesEntrevista vanessa simoes
Entrevista vanessa simoes
golegajovem
 

Mais procurados (20)

Viajando pela leitura
Viajando pela leituraViajando pela leitura
Viajando pela leitura
 
Semana da leitura 2015 no 1º Ciclo
Semana da leitura 2015 no 1º CicloSemana da leitura 2015 no 1º Ciclo
Semana da leitura 2015 no 1º Ciclo
 
Para os meus alunos
Para os meus alunosPara os meus alunos
Para os meus alunos
 
O bilhetinho pg. 64
O bilhetinho   pg. 64O bilhetinho   pg. 64
O bilhetinho pg. 64
 
Se eu fosse um livro
Se eu fosse um livroSe eu fosse um livro
Se eu fosse um livro
 
Escrever sem medo...
Escrever sem medo...Escrever sem medo...
Escrever sem medo...
 
O que é um livro?
O que é um livro?O que é um livro?
O que é um livro?
 
Story line e roteiro
Story line e roteiroStory line e roteiro
Story line e roteiro
 
Proposta 2 unesp
Proposta 2 unespProposta 2 unesp
Proposta 2 unesp
 
I love you
I love youI love you
I love you
 
Arte postal,centenário Saramago
Arte postal,centenário SaramagoArte postal,centenário Saramago
Arte postal,centenário Saramago
 
Débora, Mireli e Tais
Débora, Mireli e TaisDébora, Mireli e Tais
Débora, Mireli e Tais
 
Um minuto de Leitura- Pré e 1º CEB
Um minuto de Leitura- Pré e 1º CEBUm minuto de Leitura- Pré e 1º CEB
Um minuto de Leitura- Pré e 1º CEB
 
Correio da Amizade EMRC
Correio da Amizade EMRCCorreio da Amizade EMRC
Correio da Amizade EMRC
 
Breve análise do conto "Alguma coisa urgentemente" do escritor João Gilberto ...
Breve análise do conto "Alguma coisa urgentemente" do escritor João Gilberto ...Breve análise do conto "Alguma coisa urgentemente" do escritor João Gilberto ...
Breve análise do conto "Alguma coisa urgentemente" do escritor João Gilberto ...
 
483381
483381483381
483381
 
Amizade
AmizadeAmizade
Amizade
 
Podemos ser os melhores
Podemos ser os melhoresPodemos ser os melhores
Podemos ser os melhores
 
Slideshareee
SlideshareeeSlideshareee
Slideshareee
 
Entrevista vanessa simoes
Entrevista vanessa simoesEntrevista vanessa simoes
Entrevista vanessa simoes
 

Destaque

Presentacion de alba
Presentacion de albaPresentacion de alba
Presentacion de alba
oyanco
 
Ceia do senhor.
Ceia do senhor.Ceia do senhor.
Ceia do senhor.
deuvo
 
AGUA DE COLONIA
AGUA DE COLONIAAGUA DE COLONIA
AGUA DE COLONIA
Dubardo
 
Cebollas
CebollasCebollas
Cebollas
Mayma
 

Destaque (20)

Presentacion de alba
Presentacion de albaPresentacion de alba
Presentacion de alba
 
Diploma leitor(a) mais.1
Diploma leitor(a) mais.1Diploma leitor(a) mais.1
Diploma leitor(a) mais.1
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
Requerimento 43-2015 - OLIVÂNO - Votos de aplausos
Requerimento 43-2015 - OLIVÂNO - Votos de aplausosRequerimento 43-2015 - OLIVÂNO - Votos de aplausos
Requerimento 43-2015 - OLIVÂNO - Votos de aplausos
 
Ceia do senhor.
Ceia do senhor.Ceia do senhor.
Ceia do senhor.
 
Apresentação10
Apresentação10Apresentação10
Apresentação10
 
Va 1 gerenciamento de projetos
Va 1 gerenciamento de projetosVa 1 gerenciamento de projetos
Va 1 gerenciamento de projetos
 
Lei df-1994-00645
Lei df-1994-00645Lei df-1994-00645
Lei df-1994-00645
 
Ficha364
Ficha364Ficha364
Ficha364
 
Exercícios para acabar com celulite
Exercícios para acabar com celuliteExercícios para acabar com celulite
Exercícios para acabar com celulite
 
Informativo São Judas Tadeu #1
Informativo São Judas Tadeu #1Informativo São Judas Tadeu #1
Informativo São Judas Tadeu #1
 
Inovação. BuzzMedia Maio 2015
Inovação. BuzzMedia Maio 2015Inovação. BuzzMedia Maio 2015
Inovação. BuzzMedia Maio 2015
 
Informativo postalis
Informativo postalisInformativo postalis
Informativo postalis
 
Tic y Educación IES Manuel De Góngora (Tabernas) 2009-10
Tic y Educación IES Manuel De Góngora (Tabernas) 2009-10Tic y Educación IES Manuel De Góngora (Tabernas) 2009-10
Tic y Educación IES Manuel De Góngora (Tabernas) 2009-10
 
Programa Juvempleo 2008
Programa Juvempleo 2008Programa Juvempleo 2008
Programa Juvempleo 2008
 
Mesa De Trabajo 2. XóChitl Maldonado
Mesa De Trabajo 2. XóChitl MaldonadoMesa De Trabajo 2. XóChitl Maldonado
Mesa De Trabajo 2. XóChitl Maldonado
 
Animales Raros
Animales RarosAnimales Raros
Animales Raros
 
Cuadri 1
Cuadri 1Cuadri 1
Cuadri 1
 
AGUA DE COLONIA
AGUA DE COLONIAAGUA DE COLONIA
AGUA DE COLONIA
 
Cebollas
CebollasCebollas
Cebollas
 

Mais de studio silvio selva

Mais de studio silvio selva (20)

Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Bauru
Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de BauruLei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Bauru
Lei 1574 71- Estatuto dos Servidores Municipais de Bauru
 
Cenotécnicos do Brasil
Cenotécnicos do BrasilCenotécnicos do Brasil
Cenotécnicos do Brasil
 
Vamos sair da chuva quando a bomba cair mario bortolotto
Vamos sair da chuva quando a bomba cair  mario bortolotto Vamos sair da chuva quando a bomba cair  mario bortolotto
Vamos sair da chuva quando a bomba cair mario bortolotto
 
Gabriel garcia marques ninguém escreve ao coronel
Gabriel garcia marques   ninguém escreve ao coronelGabriel garcia marques   ninguém escreve ao coronel
Gabriel garcia marques ninguém escreve ao coronel
 
As alegres matronas de windsor W. Shakespeare
As alegres matronas de windsor W. ShakespeareAs alegres matronas de windsor W. Shakespeare
As alegres matronas de windsor W. Shakespeare
 
"Alegres senhoras de Windsor" William Shakespeare,
"Alegres senhoras de Windsor"  William Shakespeare, "Alegres senhoras de Windsor"  William Shakespeare,
"Alegres senhoras de Windsor" William Shakespeare,
 
'O casamento do pequeno burgues' bertolt brecht
'O casamento do pequeno burgues'   bertolt brecht'O casamento do pequeno burgues'   bertolt brecht
'O casamento do pequeno burgues' bertolt brecht
 
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassy
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo SacaldassyFulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassy
Fulana, Sicrana e Beltrana- Paulo Sacaldassy
 
Pastelão 1
Pastelão 1Pastelão 1
Pastelão 1
 
O pastel e a torta
O pastel e a tortaO pastel e a torta
O pastel e a torta
 
O pastelao e a torta
O pastelao e a tortaO pastelao e a torta
O pastelao e a torta
 
máscara cinematográfica de látex
máscara cinematográfica de látexmáscara cinematográfica de látex
máscara cinematográfica de látex
 
"Esperando godot" de Beckett
"Esperando godot" de Beckett"Esperando godot" de Beckett
"Esperando godot" de Beckett
 
Molière o tartufo
Molière o tartufoMolière o tartufo
Molière o tartufo
 
O 18 de Brumário de Luís Bonaparte
O 18 de Brumário de Luís BonaparteO 18 de Brumário de Luís Bonaparte
O 18 de Brumário de Luís Bonaparte
 
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"
Mário Bortolotto "HOMENS, SANTOS E DESERTORES"
 
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"
Luigi pirandello "O Homem da Flor na Boca"
 
Luigi pirandello
Luigi pirandello Luigi pirandello
Luigi pirandello
 
Gonçalves dias leonor de mendonça
Gonçalves dias leonor de mendonçaGonçalves dias leonor de mendonça
Gonçalves dias leonor de mendonça
 
Anton tchekov os maleficios do tabaco
Anton tchekov os maleficios do tabacoAnton tchekov os maleficios do tabaco
Anton tchekov os maleficios do tabaco
 

Karl valentin-a-carta1

  • 1. A CARTA De Karl Valentin Personagens Ela ATO ÚNICO ELA (Escrevendo uma carta.) Munique, 33 de janeiro de 1925 e meio. Minha querida: É com a mão chorosa que eu se- guro a caneca para te escrever. Há tanto tempo que você não escreve.. , Por quê? Ainda mais depois que, não faz muito, você dizia numa carta que me escreveria, se eu não te escrevesse. Meu pai, também, escreveu-me on- tem. Ele me disse que te escreveu. Você, ao contrário, não escreveu nem uma palavra pra me dizer que ele tinha te escrito. Se você tivesse me escrito para me dizer que meu pai te escreveu, eu teria escrito ao meu pai dizendo que você gostaria de lhe escrever, mas que, infelizmente, não tinha tido tempo de lhe escrever, senão você já lhe te- ria escrito. Você não escreveu nenhuma carta responden- do aquelas que eu te escrevi, donde eu penso que essas estórias todas de escrituras, são bem tristes. Se você não soubesse ler, seria uma outra coisa, eu não iria te es- crever de maneira nenhuma. Mas você sabe escrever e você não escreve mesmo quando eu te escrevo. Eu ter- mino minha carta te escrevendo na esperança de que vo- cê me escreva, afinal. Senão será a última carta que eu te escrevo. Se, esta vez ainda, você não me escrever, es- creva-me ao menos para me dizer que você não quer
  • 2. mesmo me escrever, de maneira alguma. Eu saberei, dessa forma, porque você nunca me escreveu. Perdoe meu jeito ruim de escrever, mas é que eu tenho uma es- pécie de artrite típica dos que escrevem sempre. Isso a- contece sempre que eu escrevo. Você, evidentemente, não terá isso nunca, pois não escreve jamais. Minhas saudações e um beijo, Teu N. N.