Wang fô categorias narrativa

1.585 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Wang fô categorias narrativa

  1. 1. “A SALVAÇÃO DE WANG-FÔ”<br />Categorias da Narrativa<br />Prof. Sílvia Rebocho<br />
  2. 2. ESPAÇO<br />A história desenrola-se nas belas paisagens da China (reino de Han). São referidos alguns espaços mais precisos, tais como a estalagem situada nos arredores da cidade imperial e o palácio do Imperador.<br />
  3. 3. TEMPO<br />Não há indicações muito precisas. Sabemos que a acção se passa há muito tempo atrás (durante a dinastia dos Han - durou de 206 a.C. até 220 d.C.). <br />Wang-Fô foi preso numa madrugada fria, no início da Primavera.<br />Temos também conhecimento que, durante dez anos, o Imperador admirou as pinturas de Wang-Fô.<br />
  4. 4. ACÇÃO (QUANTO À Organização das sequências narrativas)<br />A história do pintor Wang-Fô tem encadeamento, uma vez que as acções surgem ordenadas por ordem cronológica. Isto quer dizer que uma acção dá origem a outra e assim sucessivamente.<br />
  5. 5. Acção(QUANTO À Organização das sequências narrativas)<br />Existe a história encaixada da infância e da adolescência do Imperador, contada por ele próprio. O Filho do Céu relembra os dez anos de solidão em que teve apenas por companhia as pinturas de Wang-Fô.<br />
  6. 6. Acção (quanto à delimitação)<br />A acção pode ser considerada fechada, se tivermos em conta que Wang-Fô se “salvou“, na sua imaginação, ao fugir com Ling, no quadro que acabara de pintar.<br />A acção pode ser considerada aberta, se pensarmos que não sabemos, de facto, o que aconteceu a Wang-Fô, depois de acabar de pintar o quadro. Terá morrido? Foi efectivamente castigado pelo Imperador?<br />
  7. 7. CARACTERIZAÇÃO DA PERSONAGEM PRINCIPAL<br />FÍSICA: Wang-Fô era velho e tinha barba.<br />PSICOLÓGICA: Wang-Fô era sensível, bom, observador, ingénuo, amigo, sonhador, generoso e nada materialista.<br />SOCIAL: Wang-Fô era pintor e pobre.<br />
  8. 8. PROCESSOS DE CARACTERIZAÇÃO PARA WANG-FÔ<br />Caracterização directa, por autocaracterização: Wang-Fô caracteriza-se a ele próprio, quando diz “-Dragão Celeste (…), sou velho, sou pobre, sou fraco.” (pág. 191)<br />Caracterização directa, por heterocaracterização: Wang-Fô é caracterizado, directamente, pelo narrador e pelo Imperador – “O velho pintorWang-Fô e o seu discípulo Ling (…)” e “-Mentiste-me (...) velhoimpostor.”<br />
  9. 9. PROCESSOS DE CARACTERIZAÇÃO PARA WANG-FÔ<br />Caracterização indirecta: através das atitudes da personagem principal, nós, os leitores, deduzimos muitas características psicológicas do pintor. Quando se diz que ele preferia trocar as suas pinturas por comida, deduzimos que não é materialista ou ganancioso.<br />
  10. 10. NARRADOR(quanto à presença)<br />O narrador é não participante, pois limita-se a contar a história, sem intervir nela enquanto personagem. Como tal, utiliza a 3.ª pessoa ao longo da narrativa.<br />Ex.:“Avançavam devagar, pois Wang-Fô parava de noite (…)“ <br />
  11. 11. NARRADOR(quanto ao ponto de vista)<br />O narrador, por vezes, é subjectivo, já que à medida que vai narrando a história vai demonstrando a sua opinião sobre determinados aspectos.<br /> Ex.: “A sua voz era tão <br /> melodiosa que dava <br /> vontade de chorar.” <br /> (pág.191)<br />
  12. 12. NARRADOR(quanto à ciência)<br />O narrador é omnisciente, porque sabe tudo sobre a história e sobre as personagens. <br /> Ex.: “(…) Wang-Fô amava <br /> a imagem das coisas e <br /> não as próprias coisas <br /> (…)” (pág.189) <br />
  13. 13. MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO DISCURSO<br />NARRAÇÃO(momento de avanço na história)<br /> Ex.: “O velho embrulhou-se nuns trapos e Ling deitou-se colado a ele para o aquecer (…)“ (pág. 190)<br />
  14. 14. MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO DISCURSO<br />DESCRIÇÃO (momento de pausa na história)<br /> Ex.: “Era uma sala desprovida de paredes, sustentada por sólidas colunas de pedra azul. Para além dos fustes de mármore desabrochava um jardim, e cada flor contida no arvoredo pertencia a alguma espécie rara trazida de além-mar.“<br />
  15. 15. MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO DISCURSO<br />DIÁLOGO (confere maior vivacidade, interesse e dinamismo à história)<br /> Ex.: “- Julgava-te morto.<br />- Vivendo vós (…) como poderia eu morrer?“ (pág.194) <br />
  16. 16. MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO DISCURSO<br />MONÓLOGO (a personagem fala e ninguém lhe responde)<br />Ex.: “–E também te odeio, velho Wang-Fô, por soubeste fazer-te amar. Matem esse cão.“ (pág. 192)<br />

×