O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Inaudita guerra categorias narrativa

6.104 visualizações

Publicada em

Inaudita guerra categorias narrativa

  1. 1. “A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho”CATEGORIAS DA NARRATIVA<br />(Deves estudar pela página 160 do teu manual!)<br />
  2. 2. ACÇÃO (quanto à delimitação)<br /> No conto estudado, a acção é fechada, porque a acção e a sorte das personagens são resolvidas até ao pormenor. <br /> Sabemos o que aconteceu a Clio, aos árabes do século XII e aos chefes das forças policiais do século XX.<br />
  3. 3. ORGANIZAÇÃO DAS SEQUÊNCIAS NARRATIVAS<br /> O conto tem encadeamento, uma vez que as acções surgem ordenadas por ordem cronológica. Isto quer dizer que uma acção dá origem a outra e assim sucessivamente.<br />
  4. 4. PROCESSOS DE CARACTERIZAÇÃO PARA AS PERSONAGENS<br />CARACTERIZAÇÃO DIRECTA – as características da personagem aparecem directamente no texto.<br /> * Autocaracterização:é a própria personagem que refere explicitamente os seus traços característicos.<br /> * Heterocaracterização: os traços distintivos da personagem são apresentados explicitamente pelo narrador e/ou outras personagens.<br />
  5. 5. PROCESSOS DE CARACTERIZAÇÃO PARA AS PERSONAGENS<br /> Caracterização indirecta – é o resultado de deduções feitas a partir de atitudes, comportamentos, reacções, actos de fala da personagem ao longo da acção.<br />
  6. 6. Ibn-el-Muftar<br />Caracterização directa, por autocaracterização– não existe, pois o árabe nunca apresenta as suas próprias características.<br />Caracterização directa, por heterocaracterização– quando o narrador caracteriza fisicamente Ibn-el-Muftar, dizendo que tem turbante, barbicha afilada, manto e cota de malha.<br />
  7. 7. Caracterização indirecta – a partir do seu comportamento, nós, os leitores, deduzimos algumas características psicológicas do árabe. Por exemplo, deduzimos que era calmo, objectivo, prudente e racional, quando decidiu analisar primeiro a confusão que se encontrava à sua volta, em vez de atacar.<br />Ibn-el-Muftar<br />
  8. 8. NARRADOR(quanto à presença)<br />O narrador é não participante, pois limita-se a contar a história, sem intervir nela enquanto personagem. Como tal, utiliza a 3.ª pessoa ao longo da narrativa.<br />Ex.: “Entretanto, Ibn-el-Muftar via pela frente uma grande multidão apeada que apostrofava os seus soldados.”<br />
  9. 9. NARRADOR(quanto à ciência)<br />O narrador é omnisciente, porque sabe tudo sobre a história e sobre as personagens.<br />Ex.: “Ibn-el-Muftar (…) soltou um suspiro de alívio e resolveu arrepiar caminho, desistindo de atacar Lixbuna (…)”<br />
  10. 10. NARRADOR(quanto ao ponto de vista)<br />O narrador, por vezes, é subjectivo, já que à medida que vai narrando a história dá a sua opinião sobre determinados aspectos.<br /> Ex.: “Quanto à deusa Clio, foi privada de ambrósia por quatrocentos anos, o que, convenhamos, não é seguramente castigo dissuasor de novas distracções.”<br />

×