Anúncio

PT9_Teste_4_9_ano.docx

4 de Feb de 2023
PT9_Teste_4_9_ano.docx
PT9_Teste_4_9_ano.docx
PT9_Teste_4_9_ano.docx
PT9_Teste_4_9_ano.docx
Anúncio
PT9_Teste_4_9_ano.docx
PT9_Teste_4_9_ano.docx
PT9_Teste_4_9_ano.docx
PT9_Teste_4_9_ano.docx
PT9_Teste_4_9_ano.docx
Anúncio
PT9_Teste_4_9_ano.docx
Próximos SlideShares
Prova de historia 1 ano 1 bimestreProva de historia 1 ano 1 bimestre
Carregando em ... 3
1 de 10
Anúncio

Mais conteúdo relacionado

Anúncio

Último(20)

PT9_Teste_4_9_ano.docx

  1. Prova Escrita de Português, 9.º ano PT9 © Porto Editora Página 1 de 10 GRUPO I Lê, atentamente, as questões que te são colocadas. Para responderes aos itens que se seguem, irás ouvir duas vezes um excerto intitulado “Fundação Gulbenkian expõe peças e objetos raros dos Descobrimentos”1 . 1 in https://sicnoticias.sapo.pt/incoming/2013-03-02-Fundacao-Gulbenkian-expoe-pecas-e-objetos-raros- dos-Descobrimentos (consultado em 10-02-2019) 1. Seleciona a opção que completa a frase, de acordo com o sentido do texto: 1.1. A referência, no início do excerto, à chegada de um rinoceronte a Lisboa, vindo da Índia, pretende (A) exemplificar a preferência por animais imponentes no peso e no porte. (B) mostrar que o objetivo principal dos Descobrimentos era a descoberta de uma nova fauna. (C) ser um exemplo do assombro sentido pelos portugueses, quando confrontados com as novidades trazidas pelos nautas. (D) salientar o rigor científico dos marinheiros portugueses. 1.2. Com a expressão “Um novo mundo descoberto a partir da Península Ibérica”, o jornalista mostra (A) como, neste período, a exploração do mundo foi feita pelos portugueses. (B) que, no século XVI, o Oriente estava ainda por explorar. (C) que a carta náutica do Atlântico permitiu aos espanhóis a exploração da Índia. (D) que a Península Ibérica era colocada numa situação geográfica central nas cartas náuticas da altura. 1.3. De acordo com o texto, as viagens e a experiência trazem (A) a possibilidade de pessoas que não são instruídas se tornarem alfabetizadas. (B) mais possibilidades aos especialistas de se assumirem como protagonistas na construção do conhecimento. (C) a democratização da construção do conhecimento. (D) a continuação do predomínio dos eruditos na construção do conhecimento. 1.4. Na conclusão do excerto, fala-se de um “convite” para que as pessoas vão à Fundação (A) e percebam o triunfalismo inerente aos Descobrimentos. (B) e constatem que as Descobertas foram insignificantes em termos históricos. (C) visitar a exposição e conhecer vários documentos escritos por Pedro Nunes. (D) e aprendam mais sobre a sua história. Prova Escrita de Português 9.º ano Duração da Prova: 90 minutos Fevereiro de 2019 Nome: ______________________________________________ n.º: ____ 9.º _____ Classificação: _______________________________ Professor: ______________ Encarregado de Educação: ____________________________________________
  2. Prova Escrita de Português, 9.º ano PT9 © Porto Editora Página 2 de 10 GRUPO II Texto A Portugueses eram melhores navegadores. Espanhóis foram mais conquistadores Leonídio Paulo Ferreira 6 fevereiro 2019 Os alemães dão uns belos juízes: três portugueses entre os sete grandes navegadores da humanidade. É o que afirma o magnífico museu da navegação que existe em Hamburgo, grande cidade portuária. Lá estão à entrada os bustos de Bartolomeu Dias, de Vasco da Gama e de Fernão de Magalhães. Também os do viking Leif Eriksson, do chinês Zheng He, do italiano Cristóvão Colombo e do inglês James Cook. Nenhum espanhol! Durante os séculos XV e XVI, os portugueses foram muito bons em algumas coisas: navegar, guerrear, criar filhos com mulheres de outras raças, comerciar de tudo um pouco, traficar escravos. De umas podemos orgulhar-nos ainda hoje, de outras não. Mas sim, como navegadores não havia igual. Nenhum mar ficou por explorar, nenhuma terra por descobrir, tirando os polos. Não é por acaso que mesmo os historiadores anglo- saxónicos falam de Portugal como o primeiro grande império marítimo: já tínhamos começado a povoar a Madeira e os Açores, também Cabo Verde e São Tomé, já Gil Eanes, Nuno Tristão, Diogo Cão e Bartolomeu Dias tinham descido toda a costa ocidental africana e ainda nem sequer Colombo tinha chegado às Antilhas. Ora, falemos de Colombo. O francês Erik Orsenna dedica-lhe A Empresa das Índias, livro que mostra como o italiano (de Génova) aprende cartografia e navegação em Portugal e só se apresenta aos Reis Católicos quando D. João II não acredita no seu projeto de chegar à Ásia navegando para Ocidente (nunca chegaria lá, e teve sorte de as Américas estarem no meio do caminho). Já Fernão de Magalhães, que navegou ao serviço de Portugal até ao Oriente pela rota do cabo da Boa Esperança, pôs os seus conhecimentos ao serviço de Carlos V, depois de se zangar com D. Manuel I. […] Magalhães mostrou sempre ser um navegador extraordinário. Partiu de Espanha em 1519 e não só descobriu a passagem para o Pacífico em terras hoje argentinas e chilenas (o estreito de Magalhães) como convenceu a tripulação a cruzar o maior de todos os oceanos. Teve de se impor e não poucas vezes usou a força contra quem desanimava e o contrariava. Foi morto nas Filipinas em 1521, ilhas que seriam depois espanholas e batizadas em homenagem ao filho de Carlos V, e a viagem de regresso foi comandada por Juan Sebastián Elcano. Basco, portanto espanhol, Elcano não ousou voltar pelo caminho do Pacífico, atravessou sim os mares controlados por Portugal. Desobedeceu às ordens e arriscou ser capturado, mas em 1522 desembarcou em Espanha, completando a circum- navegação. Morreu poucos anos depois no Pacífico, tal como Magalhães. Era um homem do mar e justo herói espanhol. […] Tem havido uma pequena polémica em torno de Magalhães e Elcano nos jornais portugueses e espanhóis. Mas sem sentido. Portugal e Espanha foram grandíssimos naqueles séculos, um mais com navegadores, o outro mais com conquistadores (Hernán Cortés e Francisco Pizarro). Basta olhar para a geografia e para a história de cada um dos países para se perceber essa diferença de destino. E lembro que se Luís Vaz de Camões fala de “mares nunca antes navegados” no poema épico que define Portugal, 15 5 10 20 25 30 35 35 40
  3. Prova Escrita de Português, 9.º ano PT9 © Porto Editora Página 3 de 10 já Ortega y Gasset diz que a Espanha “é a poeira que se levanta em turbilhão no caminho da história, depois de um grande povo por ele ter passado a galope”. in DN.pt, https://www.dn.pt/opiniao/opiniao-dn/leonidio-paulo-ferreira/interior/os-portugueses-sao-os- melhores-navegadores-de-sempre-e-nao-so-magalhaes-10544397.html [com supressões e consult. em 10-02-2019] 1. Indica se os excertos apresentados correspondem a opiniões (O) ou factos (F). 1.1. “Os alemães dão uns belos juízes” (l. 1) ______ 1.2. “Lá estão à entrada os bustos de Bartolomeu Dias, de Vasco da Gama e de Fernão de Magalhães.” (ll. 3 e 4) ______ 1.3. Durante os séculos XV e XVI, os portugueses foram muito bons em algumas coisas: […] De umas podemos orgulhar-nos ainda hoje, de outras não (ll. 7-9) ______ 1.4. “O francês Erik Orsenna dedica-lhe A Empresa das Índias, livro que mostra como o italiano (de Génova) aprende cartografia e navegação em Portugal” (ll. 16-18) ______ 2. Tendo em conta o texto, indica se as afirmações são verdadeiras (V) ou falsas (F). 2.1. A postura dos portugueses também pode ser alvo de crítica. ______ 2.2. Houve simultaneidade na povoação de São Tomé e das Antilhas. ______ 2.3. De acordo com o texto, os portugueses fizeram, com sucesso, algumas atividades de que não se podem envaidecer. ______ 2.4. No entender do autor, a polémica que tem surgido nos jornais portugueses e espanhóis em torno de Magalhães e Elcano é muito pertinente e justificada. ______ 3. Seleciona as opções que completam as frases, de acordo com o sentido do texto. 3.1. A “diferença de destino”, que Leonídio Paulo Ferreira menciona na linha 39, (A) corrobora que os espanhóis suplantaram os portugueses na arte náutica. (B) atesta que a história espanhola e a portuguesa e as condições geográficas são similares. (C) foi evitada pelos monarcas de Portugal e de Espanha. (D) que fez dos portugueses navegadores e dos espanhóis conquistadores, é justificada pelo posicionamento territorial e pela história. 3.2. Com a frase que termina o texto (“a Espanha ‘é a poeira que se levanta em turbilhão no caminho da história, depois de um grande povo por ele ter passado a galope’”), Ortega y Gasset (A) coloca os portugueses numa posição cimeira. (B) enaltece os espanhóis em detrimento dos portugueses. (C) assume uma posição imparcial, não opinando. (D) conclui o texto com um excerto expositivo.
  4. Prova Escrita de Português, 9.º ano PT9 © Porto Editora Página 4 de 10 Texto B mais magoa. 4. Contextualiza este excerto na estrutura interna da obra épica camoniana. _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ 5. Explica os sentimentos das várias personagens expressos na estância 89. _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ 89 Em tão longo caminho e duvidoso Por perdidos as gentes nos julgavam, As mulheres cum choro piadoso, Os homens com suspiros que arrancavam. Mães, esposas, irmãs, que o temeroso Amor mais desconfia, acrecentavam A desesperação e frio medo De já nos não tornar a ver tão cedo. 90 Qual vai dizendo: “Ó filho, a quem eu tinha Só pera refrigério e doce emparo Desta cansada já velhice minha, Que em choro acabará, penoso e amaro, Porque me deixas, mísera e mesquinha? Porque de mi te vas, ó filho caro, A fazer o funéreo enterramento Onde sejas de pexes mantimento!” 91 Qual em cabelo: “Ó doce e amado esposo, Sem quem não quis Amor que viver possa, Porque is aventurar ao mar iroso Essa vida que é minha e não é vossa? Como, por um caminho duvidoso, Vos esquece a afeição tão doce nossa? Nosso amor, nosso vão contentamento Quereis que com as velas leve o vento?” 92 Nestas e outras palavras que diziam De amor e de piadosa humanidade, Os velhos e os mininos os seguiam, Em quem menos esforço põe a idade. Os montes de mais perto respondiam, Quase movidos de alta piedade; A branca areia as lágrimas banhavam, Que em multidão co elas se igualavam. 93 Nós outros, sem a vista alevantarmos Nem a mãe, nem a esposa, neste estado, Por nos não magoarmos, ou mudarmos Do propósito firme começado, Determinei de assi nos embarcarmos, Sem o despedimento costumado, Que, posto que é de amor usança boa, A quem se aparta, ou fica, mais magoa. Luís Vaz de Camões, Os Lusíadas (Canto IV, est. 89-93). Porto: Porto Editora, 2011
  5. Prova Escrita de Português, 9.º ano PT9 © Porto Editora Página 5 de 10 5 10 6. Atenta no discurso direto das estâncias 90 e 91. 6.1. Expõe o(s) argumento(s) utilizado(s) pela mãe e pela esposa. _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ 7. Seleciona a opção que completa a frase. 7.1. Na estância 93, Vasco da Gama não permite as usuais despedidas, (A) revelando frieza e distanciamento emocional. (B) de modo a não intensificar o sofrimento, tanto dos que ficavam como dos que partiam e para impedir eventuais desistências dos nautas relativamente à partida. (C) evitando cruzar o olhar com “a mãe” e “a esposa”, somente para não agravar a dor dos que estão em terra. (D) apesar da discordância dos restantes marinheiros que, porém, respeitaram a decisão. 8. Faz a escansão do verso que a seguir se apresenta. “Porque me deixas, mísera e mesquinha?” Texto C 9. Lê, atentamente, o poema de Fernando Pessoa que a seguir se apresenta. Mar Português Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. Fernando Pessoa, Mensagem. Porto: Porto Editora, 2016
  6. Prova Escrita de Português, 9.º ano PT9 © Porto Editora Página 6 de 10 9.1. Redige um pequeno texto correto, bem estruturado e com correção linguística e ortográfica, de 40 a 70 palavras, no qual comentes a última sextilha do poema. _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ GRUPO III 1. Indica o tempo e o modo das formas verbais destacadas nas frases que se seguem. A) “já tínhamos começado a povoar a Madeira e os Açores” (l. 13) _____________________________________________________________________ B) “Tem havido uma pequena polémica em torno de Magalhães e Elcano nos jornais portugueses e espanhóis.” (ll. 35-36) _____________________________________________________________________ 2. Associa cada oração sublinhada (coluna A) à sua classificação (coluna B). Coluna A Coluna B A. “Fernão de Magalhães, que navegou ao serviço de Portugal até ao Oriente pela rota do cabo da Boa Esperança,” (ll. 20-21) B. “não só descobriu a passagem para o Pacífico em terras hoje argentinas e chilenas (o estreito de Magalhães) como convenceu a tripulação a cruzar o maior de todos os oceanos.” (ll. 24-26) C. “ilhas que seriam depois espanholas e batizadas em homenagem ao filho de Carlos V” (ll. 28-29) D. “Basta olhar para a geografia e para a história de cada um dos países para se perceber essa diferença de destino.” (ll. 38-39) (1) Oração coordenada copulativa (2) Oração coordenada disjuntiva (3) Oração subordinada adverbial final (4) Oração subordinada adverbial concessiva (5) Oração subordinada adjetiva relativa restritiva (6) Oração subordinada adjetiva relativa explicativa A. B. C. D.
  7. Prova Escrita de Português, 9.º ano PT9 © Porto Editora Página 7 de 10 3. Segue as instruções e reescreve as frases: 3.1. “Confia-me o leme do navio!” – pediu o marinheiro a Vasco da Gama. a. Substituição do complemento direto por um pronome pessoal. _____________________________________________________________________ b. Substituição do complemento direto e indireto por pronomes pessoais. _____________________________________________________________________ 3.2. Os marinheiros desejarão sucesso para a viagem. a. Substituição do complemento direto por um pronome pessoal. _____________________________________________________________________ b. Substituição do complemento direto por um pronome pessoal + reescrita da frase na negativa. _____________________________________________________________________ 4. Estabelece a ligação entre as expressões sublinhadas na Coluna A e a respetiva função sintática (Coluna B). Coluna A Coluna B A. “Lá estão à entrada os bustos de Bartolomeu Dias, de Vasco da Gama e de Fernão de Magalhães. (ll. 3 e 4) B. “e teve sorte de as Américas estarem no meio do caminho” (ll. 19 e 20) C. “Partiu de Espanha em 1519” (ll. 23 e 24) D. “a viagem de regresso foi comandada por Juan Sebastián Elcano.” (ll. 29 e 30) 1. Predicativo do sujeito 2. Complemento direto 3. Complemento indireto 4. Complemento oblíquo 5. Modificador 6. Modificador restritivo do nome 7. Modificador apositivo do nome 8. Complemento agente da passiva 9. Sujeito A. B. C. D.
  8. Prova Escrita de Português, 9.º ano PT9 © Porto Editora Página 8 de 10 GRUPO IV 1. Lê, com toda a atenção os dois excertos (A. e B.) que se seguem: A. “Os Descobrimentos correspondem, pois, a uma revolução geográfica, que alterou radicalmente a relação do homem com o planeta. Os seres humanos apreenderam, finalmente, qual era a configuração da Terra e abriram novas vias de circulação. O Atlântico, que fora uma barreira até ao século XV, a partir de Quinhentos tornou-se o grande eixo das comunicações intercontinentais. E homens, animais, plantas, objetos e ideias cruzaram o mundo em todas as direções. in https://nationalgeographic.sapo.pt/historia/grandes-reportagens/1094-descobrimentos- edespecial?showall=1 (consult. em 13-02-2019) B. “Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”. Ao proferir essas palavras, […] em 20 de julho de 1969, o astronauta americano Neil Armstrong tornou-se o primeiro ser humano a caminhar sobre a Lua, seguido pelo astronauta Edwin "Buzz" Aldrin, seu companheiro de missão. Em todo o mundo, cerca de um bilhão de pessoas assistiram à cena televisionada, testemunhando o que viria a ser uma das maiores conquistas tecnológicas de todos os tempos e um marco do progresso científico.” in https://www.infoescola.com/exploracao-espacial/chegada-do-homem-a-lua/ (com supressões e consult. em 10-02-2019) 1.1. Redige um texto de opinião, de 150 a 260 palavras, no qual refiras qual destes momentos da história da Humanidade te parece mais desafiante e ousado. Observações: 1. Para efeitos de contagem, considera-se uma palavra qualquer sequência delimitada por espaços em branco, mesmo quando esta integre elementos ligados por hífen (exemplo: /di-lo-ei/). Qualquer número conta como uma única palavra, independentemente do número de algarismos que o constituam (exemplo: /2019/). 2. Relativamente ao desvio dos limites de extensão indicados, há que atender ao seguinte: – um desvio dos limites de extensão implica uma desvalorização parcial de até dois pontos; – um texto com extensão inferior a 55 palavras é classificado com 0 (zero) pontos. _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________
  9. Prova Escrita de Português, 9.º ano PT9 © Porto Editora Página 9 de 10 _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________
  10. Prova Escrita de Português, 9.º ano PT9 © Porto Editora Página 10 de 10 Espaço para continuação das respostas (indica, com clareza, o número do item) _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ FIM COTAÇÕES Grupo Item Cotação (em pontos) I 1.1. 1.2. 1.3. 1.4. 12 3 3 3 3 II 1. 2. 3. 4. 5. 6.1. 7.1. 8. 9.1. 45 4 4 4 4 5 6 5 5 8 III 1. 2. 3. 4. 18 6 4 4 4 IV Item único 25 Total 100
Anúncio