Slide marli 1 [recuperado]

754 visualizações

Publicada em

Publicada em: Mídias sociais
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
754
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slide marli 1 [recuperado]

  1. 1. 1 Profª. LEILA CHAGAS Alunos: Gerciana M. de Lima José Raimundo Maia Jovelina R. Portela Luciane de Carvalho Luciane Almeida Lucirene Serrão Silvia da Silva
  2. 2. 3 EXPLORAÇAO SEXUAL Situação em que uma criança ou adolescente é usado para a satisfação sexual de outra pessoa, como um adulto ou adolescente mais velho. O abuso é baseado numa relação de poder que pode incluir desde carícias, manipulação da genitália, mama ou ânus, exploração sexual, pornografia e exibicionismo, até o ato sexual com ou sem penetração com ou sem violência física.”
  3. 3. 4 EXPLORAÇAO SEXUAL • Situação em que uma criança ou adolescente tem relação sexual com adultos, mediada pelo dinheiro ou pela troca de favores. • A exploração sexual abrange diversas formas de manifestação, com as relações sexuais em troca de favores (comida, drogas, etc), o turismo sexual, a pornografia (como na internet) e o tráfico para fins de
  4. 4. 5 EXPLORAÇAO SEXUAL A exploração e abuso sexual são dois crimes bem diferentes: a exploração acontece quando há troca de dinheiro, favores e presentes ou qualquer coisa desse tipo. Já o abuso acontece quando a criança ou adolescente são abusados por parentes ou por pessoas próximas sem ganhar nada em troca, como por ex: Incesto
  5. 5. 6 EXPLORAÇAO SEXUAL  O Incesto nasce de uma estrutura familiar onde existe uma colaboração consciente ou inconsciente da família:  Os pais que deveriam ter uma função fundamental na repressão das pulsões obrigam essas crianças a obedecer ao seu desejo, não as ensinando a dizer não;  As mães “cegas” e omissas repetem em muitos casos, a sua própria história, reduzindo o filho à condição de objeto.
  6. 6. 7 EXPLORAÇAO SEXUAL  Crianças e adolescentes que passam pela exploração sexual enfrentam vários problemas:  Desagregação/Desestruturação familiar;  Violência Doméstica;  As pesquisas revelam que grande parte das prostitutas encontram na sua história de vida a violência sexual;  O machismo é um comportamento cultural que tem contribuído para a manutenção dessa situação;  Para conseguir sustento próprio ou mesmo da família;  Para obtenção de bens de consumo, roupas de ‘grife’ e freqüentar lugares da moda;  Manutenção de vícios, como drogas, cigarros, bebidas etc.  Impunidade
  7. 7. 8 EXPLORAÇAO SEXUAL  Homens adultos comuns, sem distinção de classe social Usuários.  De difícil caracterização, homens comuns Aliciadores  Com vínculo de parentesco, afetivos ou de responsabilidade  Sem vínculos: donos de prostíbulos, proprietários de bares, boates, casas de massagem ou hotéis, vizinhos, policiais, prostitutas.  Muitos retiram os jovens dos lares com falsas promessas de emprego  Redes – motoristas de táxi, agências de turismo, lojas de shopping, agências de modelos e até policiais.
  8. 8.  Trauma físico e psicológico;  Dificuldades para reinserção social;  As marcas que ficam depois da  denúncia;  Envolvimento com álcool e drogas;  Gravidez precoce;  Discriminação;  DST/AIDS  Suicídio;  Morte ;  Subnutrição; EXPLORAÇAO SEXUAL A exploração sexual infanto-juvenil possui várias formas, e cada uma delas gera conseqüências igualmente devastadoras para a vítima, dentre quais:
  9. 9. 10 EXPLORAÇAO SEXUAL Configura-se: “EXPLORAÇÃO SEXUAL COMERCIAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES” as seguintes modalidades: PROSTITUIÇÃO, PORNOGRAFIA INFANTO-JUVENIL, TURISMO SEXUAL e TRÁFICO PARA FINS COMERCIAIS.
  10. 10. 11 EXPLORAÇAO SEXUAL Prostituição pode ser definida como a troca consciente de favores sexuais por interesses não sentimentais ou afetivos. Apesar de comumente a prostituição consistir numa relação de troca entre sexo e dinheiro, esta não é uma regra. Pode-se trocar relações sexuais por favorecimento profissional, por bens materiais (incluindo-se o dinheiro), por informação, etc.
  11. 11. 12 EXPLORAÇAO SEXUAL A definição de prostituição baseia-se em valores culturais que diferem em várias sociedades e circunstâncias, mas geralmente se refere ao comércio sexual de mulheres para satisfação de clientes masculinos.
  12. 12. 13 EXPLORAÇAO SEXUAL Também há formas masculinas de prostituição homossexual e, em menor proporção, entre homens que alugam seus serviços para mulheres. Em sociedades muito permissivas, a prática da prostituição se torna desnecessária; em culturas demasiado rígidas, é perseguida e punida como delito.
  13. 13. 14 EXPLORAÇAO SEXUAL Entretanto, além do abuso e da exploração há outros crimes relacionados a eles, como: Pornografia infantil é a exposição e reprodução do corpo ou de atos sexuais praticados com crianças, definida nos artigos 240 e 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente, como a produção de representação teatral, televisiva ou película cinematográfica, fotografias e publicações utilizando-se de criança ou adolescentes em cena de sexo explícito ou pornográfica. A pornografia infantil é considerada uma
  14. 14. 15 EXPLORAÇAO SEXUAL É a comercialização da prática sexual com crianças e adolescentes com fins comerciais. São considerados exploradores o cliente, que paga pelos serviços sexuais, e os intermediários em qualquer nível, ou seja, aqueles que induzem, facilitam ou obrigam crianças e adolescentes a se prostituir. A pornografia, a prostituição e o turismo sexual são espécies de exploração sexual comercial de crianças e adolescentes.
  15. 15. 16 EXPLORAÇAO SEXUAL  Turismo sexual é a exploração de crianças e adolescentes por visitantes, em geral, procedentes de países desenvolvidos ou mesmo turistas do próprio país, envolvendo a cumplicidade, por ação direta ou omissão de agências de viagem e guias turísticos, hotéis, bares, lanchonetes, restaurantes e barracas de praia, garçons e porteiros, postos de gasolina, caminhoneiros e taxistas, prostíbulos e casas de massagens, além da tradicional cafetinagem.
  16. 16. 17 EXPLORAÇAO SEXUA É a atração sexual de um adulto por crianças ou adolescentes.
  17. 17. 18 EXPLORAÇAO SEXUAL Esse evento cujo o Ramaz foi o patrocinador de um casamento em massa para 450 casais de grande dignitário mulçumano. O casamento promovido pelo grupo é de caráter pedófilo, e que a maioria dos noivos estavam na casa dos 25 a 30 anos e as noivas são meninas a partir de 6 a 10 anos de idade. Estamos diante de uma situação escandalosa em escala mundial. Porém, sabemos que os crimes contra crianças tem aumentado demonstrando assim o crescimento do requinte de crueldade por parte das pessoas. Todo ano, três milhões de garotas muçulmanas são submetidas a mutilações genitais, de acordo com a UNICEF. A prática ainda não foi proibida em muitos lugares da América.
  18. 18. 19 EXPLORAÇAO SEXUAL A Internet é, atualmente, o principal meio de divulgação da pedofilia. É nesse meio que se formam verdadeiros clubes com o objetivo de unir os pedófilos, adquirir fotos, vídeos, fazer turismo sexual e tráfico de menores. Por isso, muito cuidado com os sites por onde você navega.
  19. 19. 20 EXPLORAÇAO SEXUAL CConceito jurídico:onceito jurídico: Tráfico de pessoas é o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou a recolha de pessoas, pela ameaça de recursos, à força ou à outras formas de coação, por rapto, por fraude, engano, abuso de autoridade ou de uma situação de vulnerabilidade, ou através da oferta ou aceitação de pagamentos, ou de vantagens para obter o consentimento de uma pessoa que tenha autoridade sobre uma outra para fins de exploração.
  20. 20. 21 EXPLORAÇAO SEXUAL  Brasília, o tráfico de seres humanos ocupa o segundo lugar entre os principais crimes transnacionais do mundo, ficando atrás apenas do narcotráfico e à frente do contrabando de armas. Movimenta cerca de US$ 12 bilhões ao ano. A informação foi dada pela ONU, na última semana, durante um encontro sobre o tema na Colômbia.  O tráfico de seres humanos no Brasil já começa a ser encarado como crime organizado internacional. Movimenta bilhões de dólares a cada ano, ficando atrás apenas do tráfico de drogas e armas. Mulheres e crianças são as maiores vítimas.  De acordo com o Código Penal Brasileiro, o tráfico é a promoção da saída ou entrada de crianças/adolescentes do Território Nacional.
  21. 21. 22 VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA E ADOLESCENTES E A REDE DE GARANTIA DE DIREITOS
  22. 22. 23 Violência contra Crianças e Adolescentes EXPLORAÇAO SEXUAL É qualquer violação dos direitos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente.
  23. 23. 24 A realização determinada das relações de força, tanto em termos de classes sociais, quanto em termos interpessoais (a força e a conversão de uma diferença e de uma assimetria numa relação de desigualdade com fins de dominação e de opressão). (Chauí,2000, p.4) Violência EXPLORAÇAO SEXUAL
  24. 24.  Para MINAYO (2001), a violência contra crianças e adolescentes é todo ato ou omissão cometidos pelos pais, parentes, outras pessoas e instituições capazes de causar dano físico, sexual e/ou psicológico à vítima.  Implica de um lado, uma transgressão no poder dever de proteção do adulto e da sociedade em geral e, de negação do direito que crianças e adolescentes têm de serem tratados como sujeitos e pessoas em25 EXPLORAÇAO SEXUAL
  25. 25. 26 Infelizmente, seja na rua ou mesmo no "espaço sagrado do lar" esses direitos têm sido rotineiramente violados. Existem várias formas de manifestação da violência contra crianças e adolescentes: a física, a sexual, a psicológica e a EXPLORAÇAO SEXUAL
  26. 26. 27 ConseqüênciasConseqüênciasModalidadesModalidades FísicaFísica SexualSexual PsicológicaPsicológica NegligenciaNegligencia FatalFatal Não FatalNão Fatal
  27. 27. 28 EXPLORAÇAO SEXUAL É uma relação social de poder que se manifesta nas marcas que ficam principalmente no corpo, machucando-o, causando- lhes lesões, ferimentos, fraturas e até a morte”. pode se manifestar de diversas maneiras além da agressão física. Assim, é comum a violência através de ameaças, humilhações e outras formas que afetam psicologicamente as crianças e adolescentes Violência Física
  28. 28. 29 EXPLORAÇAO SEXUAL Física Agressores mais Comuns são os pais 70% dos agressões são de pais biológicos Mãe: agride mais / Pai: causa lesões mais graves Um casal suspeito de agredir uma menina de 2 anos em João Pessoa, na Paraíba, foi preso na sexta-feira (14). A criança foi resgatada pela Polícia Militar com hematomas pelo corpo, que teriam sido provocados pela mãe, de 19 anos, e pelo padrasto da criança, de 21 anos.
  29. 29. 30 EXPLORAÇAO SEXUAL ABUSO SEXUAL contra crianças e adolescentes, é uma das piores formas de agressão que pode existir. Ela acontece quando uma criança é usada para a satisfação sexual de um adulto ou mesmo de um adolescente. Tanto as meninas quanto os meninos são vítimas desse tipo de violência. SEXUAL
  30. 30. 31 EXPLORAÇAO SEXUAL  O abuso sexual é a segunda forma mais recorrente de violência;  UMA menina em cada QUATRO e UM menino em cada SEIS, brasileiros, são abusados até os 18 anos;  Crianças / adolescentes fogem de suas famílias para evitar o abuso e/ou ameaças na própria casa;  80% das vítimas são abusadas por pessoas conhecidas (em geral familiares) – “Pacto de Silêncio”;  Existe reincidência do abuso: EXPLORAÇAO SEXUAL
  31. 31. 32 EXPLORAÇAO SEXUAL A violência psicológica também designada como "tortura psicológica", ocorre quando o adulto constantemente deprecia a criança, bloqueia seus esforços de auto-aceitação, causando-lhe grande sofrimento mental. Ameaças de abandono também podem tornar uma criança medrosa e ansiosa, representando formas de sofrimento psicológico.
  32. 32. 33 EXPLORAÇAO SEXUAL A negligência é um tipo de relação entre adultos e crianças ou adolescentes, baseada na omissão, rejeição, no descaso, na indiferença em termos de prover as necessidades físicas e emocionais a uma criança ou adolescente). Configura-se quando os pais (ou responsáveis) falham A negligência podem ser: Fatal e não Fatal
  33. 33. 34 Fatal As fotos são chocantes EXPLORAÇAO SEXUAL
  34. 34. 35 EXPLORAÇAO SEXUAL "Essa Garotinha de 10 anos, nome:  MARCIA CONSTANTINO, foi pega dentro da "Igreja Assembléia de Deus" por um membro que já havia sido pastor, foi afastado por suspeita de abuso". O mesmo conhecia a família e até tinha um convívio com os pais. O acontecido não foi planejado. Deu vontade, ele falou com a garota que lhe daria um pedaço de bolo, ela entrou no seu carro e foi levada por ele até a sua casa onde lá ele abusou e a matou com uma sacola na cabeça asfixiada. Não satisfeito levou-a para um matagal com ela já morta, abusou mais um pouco sobre o capô do carro e depois jogou álcool sobre seu corpo e colocou fogo.
  35. 35. 36 EXPLORAÇAO SEXUAL Esse ser desprezível, ainda foi no velório da menina, para consolar os pais. Só foi identificado pelos exames colhidos nos órgãos da adolescente. Essa pessoa tem 3 filhos sendo duas meninas e um menino abaixo de 12 anos. Foi-lhe perguntado se alguém fizesse isso, como nas fotos abaixo, com uma de suas filhas, o que ele faria?
  36. 36. 37 Não Fatal EXPLORAÇAO SEXUAL Uma mulher abortou uma criança no meio do mato e tentou matar o próprio filho, enterrando-o numa toca de tatu e cobrindo com terra. A sorte do bebê é que um cão de rua chegou até o local e cavou onde estava o bebê, já sufocando. O cão liberou a cabeça da criança que pode respirar. A terra aqueceu o corpo do bebê, mas não impediu a ação das formigas e insetos. Contra todas as probabilidades, o bebê sobreviveu e foi resgatado por moradores locais.
  37. 37. 38 Não Fatal EXPLORAÇAO SEXUAL Lucinda Ferreira Guimarães, 40 anos, deverá ser indiciada por tentativa de homicídio, sob a acusação de dar à luz e enterrar vivo um menino recém-nascido em um terreno baldio próximo ao bairro São Miguel , em Laranjeiras do Sul , no Paraná. Segundo informações a criança só sobreviveu por estar enterrada em pé tendo um cachorro cavado um pouco a terra ao redor de sua cabeça, deixando-a descoberta e por causa do calor da terra que manteve a temperatura corporal.
  38. 38. 39 Os policiais foram acionados através de uma denúncia anônima para darem atendimento a uma ocorrência de abandono de criança enterrada num matagal. Segundo as primeiras informações uma senhora teria retornado para a residência ao entardecer com as vestes sujas de sangue o que chamou a atenção de vizinhos que observaram as ações da suspeita que estaria grávida até então. Para surpresa dos moradores locais depois de uma busca nas proximidades encontraram numa toca de tatu no matagal, um recém-nascido que estava cheio de bichos e moscas sob sua pele. Já se passavam 24 horas do provável aborto e os moradores então acionaram a polícia, pois achavam que o recém-nascido estaria morto.
  39. 39. 40 A mãe está na Delegacia de Polícia Civil e até o momento não pode ser ouvida sobre os motivos que a levaram a cometer tal atrocidade pelo estado de choque em que se encontra. O recém-nascido deve ser observado pelos próximos dias no hospital e possivelmente não ficará sob os cuidados da genitora. É um menino e nasceu com 08 meses… Com 2,8 quilos e 46 centímetros, ele se recupera bem no hospital. A senhora Lucinda é mãe de 4 filhos e esta era a 5ª gravidez. Estava casada pela 2ª vez e o filho não era deste último. Segundo a polícia, ela foi presa em um bar. Lucinda negou ser mãe do bebê, mas a informação da gravidez foi confirmada pelos médicos. O filho mais novo de Lucinda tem 5 anos. Segundo a polícia, Lucinda pode ser indiciada por aborto ou por tentativa de homicídio.
  40. 40. 41 Infância na Pobreza A criança fica mais vulnerável à violência sexual. A violência sexual não distingue idade, nem nível socioeconômico e, quando ocorre na infância e se conjuga com condições de vulnerabilidade como a pobreza, seus efeitos se acentuam porque meninas e meninos possuem menos elementos para fazer frente. EXPLORAÇAO SEXUAL
  41. 41. TIPOS DE VIOLÊNCIA MANAUS MANAC APURU ITACOA TIARA TABATI NGA MUCAJAÍ TOTAL POR VIOLENCIA VIOLÊNCIA FÍSICA 123 107 04 46 43 323 VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA 159 33 12 02 81 287 ABUSO SEXUAL 1.930 109 20 118 36 2.213 EXPLORAÇÃO SEXUAL 382 55 13 03 09 462 NEGLIGÊNCIA 22 268 16 112 44 462 TOTAL POR MUNICÍPIO 2.616 572 65 281 213 ESTATISTICA/SENTINELA NÚMEROS DE CASOS ATENDIDOS /2006 Números de vitimas de violência que foram atendidas nos CREAS em 2006, na capital de Manaus/Amazonas
  42. 42. Rede de Proteção da Criança e do Adolescente
  43. 43. 44  Uma articulação de pessoas, de organizações e instituições com objetivo de compartilhar causas, projetos de modo igualitário, democrático e solidário.  É a forma de organização que está baseada na cooperação, na conectividade e na divisão de responsabilidades e competências.  Não é algo novo, mas fundamentalmente uma concepção de trabalho (Lídia, 2002), é uma forma de trabalho coletivo, que indica a necessidade de ações conjuntas, compartilhadas, na forma de uma “teia social”. Uma malha de múltiplos fios e conexões. EXPLORAÇAO SEXUAL
  44. 44. 45 É, portanto, antes de tudo, uma articulação política, uma aliança estratégica entre atores sociais (pessoas) e forças (instituições), não hierárquica, que tem na horizontalidade das decisões e no exercício do poder, os princípios norteadores mais importantes. EXPLORAÇAO SEXUAL
  45. 45. RESPONSABILIDADES GESTOR FEDERAL GESTOR MUNICIPAL GESTOR ESTADUAL ARTICULAÇÃO INTERSETORIAL EXPLORAÇAO SEXUAL
  46. 46. JUSTIÇA TRABALHO CONSELHO TUTELAR CONSELHOS SEGURANÇA PÚBLICA SAÚDE MINISTÉRIO PÚBLICO EDUCAÇÃO C. M. D. C. A. ASSISTÊNCIA SOCIAL
  47. 47. 48 EXPLORAÇAO SEXUAL Construir e trabalhar em Rede no que tange o enfrentamento à violência sexual praticada contra crianças e adolescentes é imprescindível, não apenas porque esta possibilidade de gestão, está posta para as sociedades e culturas nas primeiras décadas do terceiro milênio, mas tendo em vista que:
  48. 48. 49 EXPLORAÇAO SEXUAL Construir Redes de Proteção Social não é uma tarefa simples, pois envolve muita participação, assumência de responsabilidades, divisão de tarefas e, especialmente mudança de mentalidade. “Fazer acontecer” exige um processo continuado, passo a passo, temperado com muita paciência e persistência.” (Cartilha, Construindo Redes de Atenção, 2005) Um dos primeiros passos e etapas é o mapeamento dos serviços existentes, das lacunas, das carências e deficiências. Realizar o levantamento de todas as organizações e instituições governamentais e da sociedade civil que direta e indiretamente tem a ver com o enfrentamento, no caso, da violência sexual contra crianças e adolescentes,
  49. 49. 50 EXPLORAÇAO SEXUAL ATENÇÃO PROTEÇÃO DISCRIÇÃOREGISTRO SIGILO LINGUAGEM AFASTAR CULPAS TRANQUILIDADE HONESTIDADE PERGUNTAS CORRETAS ESCUTA QUALIFICADA
  50. 50. 51  Como agentes da sociedade, temos uma missão especial, além de desempenhar nossa profissão: zelar pelos direitos das crianças e adolescentes. Seja você um psicólogo, jurista ou comunicador, seja um funcionário público, ou seja, um policial. Seja mãe ou pai, ou tio ou irmão de uma criança ou adolescente... do Presidente da República ao vendedor de amendoim, a sociedade e o Poder Público têm não só a possibilidade, mas o dever, a obrigação, de cumprir o seu EXPLORAÇAO SEXUAL
  51. 51. 52 EXPLORAÇAO SEXUAL “Meu pai manteve relações sexuais comigo durante doze anos. Começou quando eu tinha 5”. A voz vinha da TV ligada, às nove horas da manhã, enquanto eu me preparava para uma reunião de trabalho em Nova Iorque, em novembro de 1980. Voltei rapidamente os olhos para o vídeo, onde uma mulher de uns 40 anos relatava, com voz tranqüila, sua experiência. De pé, junto dela, seu pai e sua mãe. Eu, estarrecida. “Porque o senhor fazia isso? Perguntou o repórter. Resposta vaga, quase grunhida: E a senhora, sabia? A mãe respondeu que sim. Perguntada por que não tomou providências, não se separou do marido, respondeu: ‘Não sabia como evitar e, tendo outros filhos, achava que a separação seria pior para todos”. Suportou, foi conivente, calou-se. A entrevistada, vítima do incesto, acabara de escrever um livro e confessava em rede nacional que teve um desenvolvimento sexual tumultuado, não conseguia relacionar-se sexualmente
  52. 52. EXPLORAÇAO SEXUAL Desde quando tinha cinco anos até meus sete anos de idade, minha avó tomou conta de mim nos fins de semana em que meus pais saiam. Ela me dava banho e me colocava na cama. Eu tinha muito medo disso. Ela achava que os genitais femininos tinham cheiro e que era preciso estar se lavando constantemente. Compreendo, agora, que minha avó estava muito doente. Não tinha nada a ver com o fato de eu ser uma “menina má” quando pequena, como pensava. Ela fica furiosa por eu não idolatrar os homens. Minha avó passou por uma lavagem cerebral feita pelo patriarcado, e foi muito triste e terrível que ela tenha infligido isso contra mim. Quando me dava banho, mandava que eu me deitasse sobre as costas, na banheira, e abrisse as pernas. Separava meus genitais com seus dedos. Primeiro ela usava um paninho, e depois passava a usar a própria mão, o que era bastante doloroso, pois tinha unhas compridas. Estava morta de medo, mas, mesmo assim, não tinha coragem de contar a meus pais, pois sabia que iam achar que estava mentindo. Tinha certeza que iriam acreditar em minha avó e não em mim, que não passava de uma criança.
  53. 53. 54 EXPLORAÇAO SEXUAL
  54. 54. 55 EXPLORAÇAO SEXUAL CENTRO COMUNITÁRIO CREAS CONSELHO TUTELAR HOSPITAL CASA DA FAMÍLIA ESCOLAS JUIZADO POLÍCIAS CRAS PROMOTORIA MOVIMENTOS SOCIAIS PROJETOS
  55. 55. 56 Segundo o art. 136, do ECA, em cada Município haverá, no mínimo, um Conselho Tutelar composto de cinco membros, escolhidos pala comunidade local para mandato de três anos, permitida uma recondução. Ao Conselho Tutelar compete acolher, denunciar, averiguar, encaminhar e orientar todos os casos de violação dos direitos da criança e do adolescente e requisitar serviços públicos nas áreas de saúde, educação, serviço social, previdência, trabalho e segurança. O Conselho Tutelar deve ser acionado sempre que existir ameaça ou risco ou quando a violência já EXPLORAÇAO SEXUAL
  56. 56. 57 Responsáveis pela vigilância, prevenção e proteção das vítimas contra qualquer tipo de violência, bem como pela investigação e responsabilização dos agressores
  57. 57. 58 Responsáveis pelo acompanhamento e julgamento de casos de violência. Existem os seguintes tipos: Varas de Família, Varas da Infância e Juventude e as Varas Criminais e ainda as Varas especializadas nas apurações de crimes cometidos contra crianças e adolescentes. EXPLORAÇAO SEXUAL
  58. 58. 59 O Promotor de Justiça oferece a denúncia e qualifica o crime. Essa autoridade judicial promove a preservação dos direitos fundamentais e faz a defesa da ordem jurídica. Solicita o arquivamento do inquérito ou devolve o inquérito para a autoridade policial para mais investigações. EXPLORAÇAO SEXUAL
  59. 59. 60 Responsável pela aplicação de penalidades administrativas nos casos de infração contra norma de proteção à criança e ao adolescente, cabendo-lhe, ainda, aplicar as medidas cabíveis, ao conhecer os casos encaminhados pelo Conselho Tutelar. EXPLORAÇAO SEXUAL
  60. 60. 61 Instância de deliberação de políticas públicas e de controle das ações na área da infância e da juventude. (art.88,II,do ECA) EXPLORAÇAO SEXUAL
  61. 61. 62 EXPLORAÇAO SEXUAL
  62. 62. ComunidadeComunidade Crianças eCrianças e AdolescentesAdolescentes OrganizaçõesOrganizações Governamentais eGovernamentais e Não-GovernamentaisNão-Governamentais FamíliaFamília Conselho TutelarConselho Tutelar Disque DenúnciaDisque Denúncia 0800 280 95340800 280 9534 100100 IMOLIMOL Perícia TécnicaPerícia Técnica PolíciasPolícias PromotoriaPromotoria JuizadoJuizado TRILHAS DAS DENÚNCIAS EXPLORAÇAO SEXUAL
  63. 63. 64 EXPLORAÇAO SEXUAL
  64. 64. 65 EXPLORAÇAO SEXUAL
  65. 65. 66 UnidadeUnidade EscolarEscolar Unidade ou ServiçoUnidade ou Serviço de Saúdede Saúde Conselho TutelarConselho Tutelar EXPLORAÇAO SEXUAL
  66. 66. 67 UnidadeUnidade EscolarEscolar Unidade ou ServiçoUnidade ou Serviço de Saúdede SaúdeConselho TutelarConselho Tutelar IMOLIMOL Perícia TécnicaPerícia Técnica PolíciasPolícias PromotoriaPromotoria JuizadoJuizado EXPLORAÇAO SEXUAL
  67. 67. 68 EXPLORAÇAO SEXUAL
  68. 68. Conselho TutelarConselho Tutelar IMOLIMOL Perícia TécnicaPerícia Técnica PolíciasPolícias PromotoriaPromotoria JuizadoJuizado EXPLORAÇAO SEXUAL
  69. 69. 70 ComunidadeComunidade Crianças eCrianças e AdolescentesAdolescentes OrganizaçõesOrganizações Governamentais eGovernamentais e Não-GovernamentaisNão-Governamentais FamíliaFamília Conselho TutelarConselho Tutelar PolíciasPolícias PromotoriaPromotoria JuizadoJuizado EXPLORAÇAO SEXUAL
  70. 70. 71 DISQUE DENÚNCIA ESTADUAL 0800 – 280 9534 DISQUE DENÚNCIA NACIONAL 100 EXPLORAÇAO SEXUAL
  71. 71. 72
  72. 72. 73 Gentileza da Dra. Vitória Varela, México
  73. 73. 74 “ ... Só quem sabe a dor é quem sente, dói demais... apanhar de quem a gente gosta. Parece que a alma fica perdida, marcada, nada tem alegria... Todo mundo fica olhando e ninguém faz nada... Ai !!! ...” Carolina
  74. 74. 75 “ Mais do que o corpo, a Violência Contra a Infância e a Adolescência machuca a alma, destrói os sonhos e acaba com a dignidade”. CRISTINA

×