Defesa_douglas rigon Educação Especial

310 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
310
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Defesa_douglas rigon Educação Especial

  1. 1. ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA Douglas Rodrigues Rigon Orientadora Prof(a) Franciele Otto
  2. 2. INTRODUÇÃO • Problemática Qual deve ser a participação da instituição educacional na alfabetização de alunos atendidos pela Educação Especial. • Objetivo de pesquisa Identificar de que forma deverá ocorrer a participação da instituição educacional na alfabetização de alunos atendidos pela Educação Especial. • Metodologia De natureza qualitativa, quanto ao seu objetivo, à pesquisa é descritiva. Usou-se como procedimento a pesquisa bibliográfica.
  3. 3. Educação Especial De acordo com Mazzano
  4. 4. Alfabetização no espaço escolar A prática pedagógica na fase de alfabetização a partir de revisão teórica, elucidar alguns pontos desse processo e dos encaminhamentos metodológicos para que além da alfabetização ocorra também o letramento.
  5. 5. O Centro Nacional de Educação Especial, por meio da Portaria 69, de 26 de agosto de 1986, normatizou Princípios da Educação Especial: Normalização - “definida no sentido de proporcionar às pessoas portado-ras de deficiência, com problemas de conduta e superdotadas, condições de vida similares às das outras pessoas, dando-lhes possibilidades de uma vida tão normal quanto possível.”. Interiorização - “concebida como expansão do atendimento aos municípios do interior, às periferias urbanas e às zonas rurais, estimulando a implantação de novos serviços e valorizando as iniciativas comunitárias relevantes”. Simplificação - “definida como a opção por alternativas simples para os processos de ensinoaprendizagem em Educação Especial, sem prejuízos dos padrões de qualidade”.
  6. 6. A participação da escola na alfabetização de alunos da educação especial As Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica, Resolução CNE/CEB N º 2/2001 Os sistemas de ensino devem matricular todos os alunos, cabendo as escolas organizarem-se para o atendimento ao educando com necessidades educacionais especiais, assegurando as condições necessárias para uma educação de qualidade para todos
  7. 7. A Lei Complementar nº 170, de 1998, do Estado de Santa Catarina, estabelece em seu Artigo 64: VI - Terminalidade específica na conclusão do ensino fundamental por meio de certificação de conclusão de escolaridade.
  8. 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS A alfabetização na educação especial é importante para que tenhamos pessoas com oportunidades iguais e direitas igualitários, sem discriminação de deficiência de qualquer gênero,tendo papel fundamental à família e a escola na mediação de estímulos que possam auxiliar nas fases de desenvolvimento do individuo para que haja uma socialização igualitária do aluno especial na sua inserção de hábitos de uma vida em sociedade.

×