CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 1
AULA 0: INTRODUÇÃO
PARTE 1
Olá pessoal...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 2
Esse é o Gabinete.
Daqui a pouco falar...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 3
Os bits e bytes são usados para medir ...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 4
E dentro da CPU? Dentro da CPU (ou pro...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 5
Toda essa comunicação se dá pelos Barr...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 6
Então, teríamos que, quando uma CPU en...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 7
formada por vários fios paralelamente ...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 8
A largura do barramento de dados influ...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 9
PARTE 2 – A Configuração do Computador...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 10
processadores com caches de 128KB, 25...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 11
parte da memória em si, mas da placa ...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 12
- A maior velocidade (40x) é de leitu...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 13
É o padrão da imagem que o monitor po...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 14
Refere-se à placa de rede. A placa de...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 15
- Paralelo: barramento antigo, usado ...
CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 16
9) Com relação à memória Cache, compa...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO
www.pontodosconcursos.com.br 1
AULA 1: PROCESSADORES
Olá, meus “Aluno...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO
www.pontodosconcursos.com.br 2
Resposta: o primeiro computador possui...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO
www.pontodosconcursos.com.br 3
11) Em que computador a placa de vídeo...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO
www.pontodosconcursos.com.br 4
Intel Pentium 4
Dos modelos de process...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO
www.pontodosconcursos.com.br 5
Pentium M e o Celeron M. Embora não se...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO
www.pontodosconcursos.com.br 6
Além das cache L1 e L2, o processador ...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO
www.pontodosconcursos.com.br 7
A AMD também fabrica a família Mobile ...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO
www.pontodosconcursos.com.br 8
AMD Athlon 64
Este é o primeiro proces...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO
www.pontodosconcursos.com.br 9
Quando se analisa, de forma superficia...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO
www.pontodosconcursos.com.br 10
Eita! Mesma freqüência para os dois, ...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO
www.pontodosconcursos.com.br 11
b. Servidor de Redes pequenas
c. Desk...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 1
AULA 2: MEMÓRIA
Olá, meus “Alunonlines”,...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 2
maioria, mas eu queria o estudo de vocês...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 3
Quando falamos em ALTERAÇÃO, leia-se: in...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 4
Você pode até perguntar: Quer dizer que ...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 5
RAM, de onde a CPU passa a trazer essas ...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 6
posições da memória são acessíveis porqu...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 7
1) Primeiro passo:
Leia a instrução arma...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 8
CPU
MEMÓRIA PRINCIPAL
BARRAMENTO DE ENDE...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 9
Depois disso, o número 10 será armazenad...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 10
Gostaria de deixar bem claro que os sin...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 11
freqüência real (física) de 200MHz está...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 12
Como Calcular a taxa? Simples, multipli...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 13
frase: “quanto mais memória RAM, mais r...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 14
Ainda tem mais: Quando um programa está...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 15
geraria a necessidade do uso da Virtual...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 16
Então é simples: quanto maior for o bar...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 17
Existe, além da RAM principal, uma pequ...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 18
A regra é clara! Quando a CPU quer um d...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA
PROFESOR JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 19
b. 33 MHz / 32 bits
c. 66 MHz / 32 bits...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA – PROF. JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 1
AULA 03 – A PLACA MÃE E SEUS COMPONENTES
...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA – PROF. JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 2
memória principal, é a largura do barrame...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA – PROF. JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 3
Os demais componentes do computador que n...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA – PROF. JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 4
Por que existem as duas pontes? Porque um...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA – PROF. JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 5
Note que não há comunicação entre quaisqu...
CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA – PROF. JOÃO ANTONIO
www.pontodosconcursos.com.br 6
mais chamar de SLOT mesmo...
Veja a foto ...
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Informatica   joao antonio
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Informatica joao antonio

352 visualizações

Publicada em

Informatica para concursos joao antonio

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
352
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Informatica joao antonio

  1. 1. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 1 AULA 0: INTRODUÇÃO PARTE 1 Olá pessoal, finalmente eu quebrei a resistência de montar um curso on-line e estou aqui! Uma das coisas que eu apresento no início das minhas aulas “presenciais”, como diz o Vicente, é uma série de conceitos necessários à compreensão do que é realmente importante para os concursos. O que é um computador? É um equipamento eletrônico que processa informações. Mas, o que é processar informações? É, no mínimo, calcular! Portanto, o computador é, no mais cru conceito, uma calculadora. Como funciona o computador? Em poucas palavras, o computador: 1) Recebe dados de entrada; 2) Processa esses dados que entraram; 3) Armazena esses mesmos dados; 4) Devolve dados de saída para o usuário. Por onde os dados entram? Pelos equipamentos conhecidos como Equipamentos de Entrada, ou Dispositivos, ou ainda, Periféricos de Entrada. Todos os equipamentos que permitem a inserção de dados no computador são listados neste rol, como o Teclado, o Mouse, o Scanner, o Microfone entre outros. Onde os dados são processados? Dentro de um componente conhecido como CPU (Unidade Central de Processamento), também conhecida como Microprocessador (se bem que eu não os concebo como sinônimos, mas isso é outra história). A propósito, a CPU não é aquele caixote metálico que fica em cima da mesa do computador, aquilo lá é o Gabinete. Este é o processador (ou CPU).
  2. 2. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 2 Esse é o Gabinete. Daqui a pouco falarei mais sobre a CPU! Onde os dados são armazenados? Em componentes eletrônicos conhecidos como memórias. Então, memória é simplesmente o local onde os dados são armazenados. Em um computador existem vários tipos de memórias: algumas que servem para guardar dados por alguns segundos, outras que armazenam dados para a posteridade (dias e até anos!). Conheceremos mais adiante os tipos de memórias e suas características. Por onde os dados saem? Pelos equipamentos conhecidos como equipamentos de Saída de dados, ou periféricos de saída. O Monitor, a Impressora são exemplos destes equipamentos. Quem coordena tudo isso? Um computador não funciona “sozinho”. É necessário que ele (o computador) seja “adestrado” para fazer as coisas que faz, e esse “adestramento” é feito por programas. O que são Programas? São roteiros, escritos por programadores (gente de carne e osso), que apresentam seqüências de instruções que o computador deve seguir para realizar determinadas tarefas. Windows, Word, Excel são exemplos de programas. Por mais complexos que sejam os programas, como o Word, por exemplo, eles são formados por várias instruções (pequenas “ordens” que o computador deverá obedecer). Como as informações (Dados e Instruções) são guardadas no computador? Todas as informações que um computador manipula são guardadas na forma de sinais elétricos discretos (pulsos elétricos) que podem assumir dois valores, basicamente. Como os sinais elétricos assumem, primariamente, dois valores (desligado e ligado), nós dizemos que esses valores são representados como 0 (zero) e 1 (um). Cada pulso elétrico em um computador (seja 0 ou 1) é chamado de bit (dígito binário) e normalmente é reunido em conjuntos de 8 para significar algo (8 bits formam um byte – termo binário). Então, temos que: 1 é um bit, 0 é um bit, 10010011 é um byte.
  3. 3. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 3 Os bits e bytes são usados para medir as informações que passam e são armazenadas em um computador. Todas as memórias têm suas capacidades medidas em bytes, as transferências de dados são medidas em bytes por segundo ou bits por segundo, etc. Em suma, você vai ouvir falar muito em bits e bytes, mas principalmente em bytes, que medem a quantidade das informações presentes em um micro. Um bit não serve para armazenar nada compreensível, mas um byte é a medida suficiente para armazenar um caractere (letra) que usamos em nosso dia a dia. Veja o exemplo: C = 01000011 A = 01000001 S = 01010011 A = 01000001 Em outras palavras, todas as informações que manipulamos em um computador são, na verdade, sinais elétricos. Ou seja, letras, números, desenhos, fotos, sons e vídeos são, na verdade, BITS e BYTES ora armazenados em memórias, ora sendo processados pela CPU do computador (até esse texto que você está lendo é um conjunto de ZEROS e UNS!). Como um byte é muito pouco, pois só dá para armazenar um caractere, recorremos a palavras multiplicadoras para representar quantidades maiores de bytes reunidos: 1 Kilobyte (KB) = 1024 Bytes (aproximadamente 1000 bytes) 1 Megabyte (MB) = 1024 x 1024 Bytes (aprox. 1 milhão) 1 Gigabyte (GB) = 1024 x 1024 x 1024 Bytes (aprox. 1 Bilhão) 1 Terabyte (TB) = 1024 x 1024 x 1024 x 1024 Bytes (aprox. 1 Trilhão) E por aí vai! Não chegamos, nos computadores pessoais, a TB, mas estamos bem perto! O interessante não é saber isso somente para saber, e sim para utilizar na pratica, mas como!?!? Onde os programas são guardados e quem executa suas instruções? Bom, aí temos dois responsáveis: Todos os programas são guardados, assim como todas as informações, em memórias. Para que o programa esteja acessível sempre, ele será armazenado em memórias permanentes (memórias auxiliares), como o Disco Rígido. Quando o programa estiver em execução (em funcionamento) ele será armazenado na memória Principal (RAM). Quem executa as instruções que o programa possui é a CPU (que vai buscar as instruções na RAM para decodificá-las e executá-las).
  4. 4. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 4 E dentro da CPU? Dentro da CPU (ou processador), podemos encontrar alguns componentes que são vez por outra apresentados em provas: A ULA, a UC e os REGISTRADORES. A ULA é responsável por realizar processos de cálculos aritméticos e lógicos presentes nas instruções dos programas. Quando a instrução envolver cálculo (quase sempre envolve), é a ULA que fará o trabalho. ULA significa Unidade Lógica e Aritmética. A UC (Unidade de Controle) é responsável por sincronizar todos os processos da CPU e dos componentes do sistema, como a memória principal e os dispositivos de entrada e saída. É a UC que controla e gerencia a CPU (e, consequentemente, todo o computador). Os registradores são pequenas unidades de memória presentes dentro da CPU. Por estarem localizados em um ponto muito delicado do sistema, onde a velocidade de processamento atinge valores absurdos, os registradores são a memória mais rápida de um computador (ou seja, possui tempos de acesso extremamente baixos). - Aliás – quando se falar em “tempo de qualquer coisa”, como “tempo de acesso”, “tempo de latência”, etc. está-se usando uma medida de velocidade ao contrário. Como assim? Simples, quando uma memória tem tempos de acesso muito ALTOS, é porque sua velocidade é muito BAIXA (muito lento). Quando uma memória tem tempos de acesso BAIXOS, é porque sua velocidade é ALTA (memória rápida). Então, até agora como fomos? Vimos que o computador possui: 1) Dispositivos de Entrada e Saída 2) CPU 3) Memórias Destes, vimos que a CPU possui: 1) ULA (Unidade Lógica e Aritmética) 2) UC (Unidade de Controle) 3) Registradores (memória interna à CPU). E ainda vimos que as informações que atravessam nossos computadores são, na verdade, sinais elétricos (pulsos) que podem assumir valores definidos (0 ou 1). Isso nos permite medir todo tipo de informação em bits e bytes. Como é que a CPU se comunica com o resto do computador? Bom, pra inicio de conversa, a comunicação mais importante num computador se dá entre a CPU e a memória principal (chamada de memória RAM ou de memória, apenas). Mas a CPU também tem que se comunicar com outros componentes, como os dispositivos de E/S (Entrada e Saída) e as outras memórias.
  5. 5. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 5 Toda essa comunicação se dá pelos Barramentos de Sistema, que são linhas de comunicação que se estendem por todo o micro, atingindo grande parte de seus componentes. Pense nos barramentos de Sistema como sendo três grandes avenidas paralelas (não se cruzam nunca), que levam informações da CPU para os mais remotos componentes do computador e Vice Versa. A arquitetura dos nossos computadores contempla três diferentes barramentos de sistema: O Barramento de Dados, o Barramento de Endereços e o Barramento de Controle. Cada qual com suas funções apropriadas, vistas a seguir: - Barramento de Dados: Serve para transportar as instruções dos programas e os dados a serem utilizados nesses programas. Instruções são “ordens”, como já foi visto, e dados são informações básicas para alimentar os programas e sobre quem os cálculos são realizados. Tipo: “Some 12 e 17”. “Somar” é uma instrução, “12” e “17” são dados necessários à realização da instrução. - Barramento de Endereços: Serve para transportar os endereços (números que apontam os locais) das posições a serem acessadas na memória. Simples: algumas instruções de programas avisam à CPU que ela precisa buscar dados na memória, mas, para isso, faz-se necessário um endereço que apontará para a posição na memória que deverá ser acessada (ou você pensa que a CPU vai adivinhar se eu disser “Olha! Vai pegar a letra ‘A’ na memória”, pensa?). Quando uma instrução obriga a CPU a buscar algo na memória, a coisa é mais ou menos assim: “Olha! Vai pegar o conteúdo da posição AF12F8 da memória”) - Barramento de controle: serve para transportar sinais de controle e sincronia gerados pela UC (Unidade de Controle) ou pelos dispositivos de E/S. Sinais de ESCREVA, LEIA, INICIE, INTERROMPA são os mais comuns. Uma pequena imagem para que fiquem cientes acerca do que estou falando (escrevendo):
  6. 6. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 6 Então, teríamos que, quando uma CPU encontra a seguinte instrução: LEIA 3456F1 Vai mandar o sinal LEIA pelo barramento de Controle e, simultaneamente, mandar 3456F1 pelo barramento de endereços, o que avisa à memória que abra seus “portões” para ser lida naquele endereço. Depois disso, o dado presente naquele endereço será trazido pelo barramento de dados até um dos registradores da CPU e lá será processado devidamente. Do mesmo modo que a instrução: ESCREVA “12” em F2AB34 Faz a CPU mandar o sinal ESCREVA pelo barramento de controle, simultaneamente ao 12 ser mandado pelo barramento de dados e o endereço F2AB34 ser mandado pelo barramento de endereços. Isso fará a memória se abrir para receber o número 12 na posição correspondente ao endereço F2AB34. Ponto bom para lembrar (ESAF): Nossos computadores não possuem barramentos de instruções (não, pelo menos, um exclusivamente para instruções). Nossos processadores possuem um único barramento para dados e instruções, que é o barramento de dados. Uma característica forte a respeito de um barramento é sua largura, medida em bits. Largura???? Sim! Como é uma estrada, é interessante saber quantos “carros” passam paralelamente por ela! Só que esses carros, na verdade, são sinais elétricos chamados bits (veremos mais adiante). A largura de um barramento é, na verdade, a quantidade de condutores elétricos (fios) que formam o barramento (a maioria dos barramentos é
  7. 7. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 7 formada por vários fios paralelamente dispostos para transferir diversos sinais elétricos simultaneamente). Veja no desenho abaixo: 1 0 0 1 1 1 0 0 1 0 1 0 1 0 1 1 Barramento de 16 bits 1 0 0 1 1 1 0 0 1 0 1 0 1 0 1 1 0 0 1 1 1 0 0 1 0 1 0 1 0 1 1 1 Barramento de 32 bits Sabe-se (ou deduz-se) que quanto mais largo for um barramento, mais informação ele pode transmitir em um mesmo espaço de tempo (enquanto que um barramento de 16 bits transfere x dados, um barramento de 32 bits transfere 2x dados, isso é lógico!). Mas, há muito mais implicações nessa diferença, como veremos nos próximos momentos.
  8. 8. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 8 A largura do barramento de dados influencia em que? Simples: Na Palavra do computador. Na forma como o computador trabalha. Na arquitetura do computador. Certo... Mas o que isso significa? a) A “palavra” do computador é a quantidade de informação (medida em bits) que um determinado computador pode processar de uma única vez. Assim como nós, humanos, nos comunicamos por fonemas (emitimos um fonema por vez, não mais que isso), o computador se comunica por palavras (conjunto de bits). Como todos os dados e instruções de um computador têm que passar pelo barramento de dados, sua largura determina o número máximo de bits que o atravessam por vez (se a largura do barramento de dados de um computador é de 16 bits, a palavra deste computador é de 16 bits também). b) Se houver uma mudança de largura no barramento de dados, os demais componentes do processador / computador têm que mudar para se adequarem ao novo caminho... Ou seja, será necessária uma mudança na arquitetura do computador, e uma mudança radical!!! Atenção: muito se fala em PROCESSADORES DE 32 BITS ou os novíssimos PROCESSADORES DE 64 BITS... O que isso significa? Simples: um processador é considerado de 32 bits se seu barramento de dados tiver largura de 32 bits, e os processadores de 64 bits, acho que você já deduziu, não foi? Qual a largura que os barramentos de dados dos computadores pessoais atuais possuem? Bom, é mais fácil encontrar no mercado atual, processadores de 32 bits (como o Celeron, o Pentium 4 e o Athlon). Mas já se pode encontrar processadores de 64 bits (considerados uma nova geração, como o Itanium e o Athlon 64). E o barramento de Endereços tem largura? Claro que sim, afinal, é um barramento!!! No que a largura do Barramento de Endereços influencia? No tamanho máximo que a memória principal pode ter em um computador pessoal. Ou seja, quanto mais largo for o barramento de endereços, mais capacidade a memória principal pode chegara a ter. Atualmente, o barramento de endereços dos computadores possui uma largura de 32 bits. Atenção: apesar de os barramentos de dados e endereços possuírem a mesma largura, que, por sinal, é coincidência, dizer que um processador é de 32 bits está relacionado, única e exclusivamente, com o barramento de dados!!! (ou seja, a largura do barramento de endereços não importa para a definição da arquitetura do processador). Quando eu falar mais a respeito da Memória Principal, numa aula posterior, veremos bem o fechamento deste entendimento (incluindo a razão da largura do barramento de endereços, que chamo de “técnica da Rifa”).
  9. 9. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 9 PARTE 2 – A Configuração do Computador Por enquanto, vamos observar alguns pontos interessantes no estudo de hardware, analisando a configuração de micro que se apresenta a seguir: Pentium 4 3,2GHz HT c/ 1MB de Cache L2 512MB RAM DDR400 PC3200 Dual Channel HD 120GB Serial ATA 7200 RPM CDRW 32x16x40x Modem 56Kbps V.90 Monitor 17” SVGA Placa de Vídeo 32MB Placa Ethernet 10/100 Placa-mãe com: 8 USB2.0; 5 PCI; 1 Serial; 1 Paralela; 1 AGP8x; Bluetooth integrado; Som integrado. Vamos começar a analisar os principais componentes desta configuração para o estilo Cespe de perguntar (deixarei as análises mais difíceis – ESAF – para a próxima aula). 1) Pentium 4 3,2GHz HT c/ 1MB de Cache L2 Diz respeito ao processador (CPU) – o cérebro da máquina. Onde: Pentium 4 é o modelo do microprocessador, este modelo é fabricado pela empresa Intel. Há diversos outros modelos, tanto da Intel, como de outras fabricantes, conheceremos esses modelos mais adiante. 3,2GHz é a freqüência do microprocessador, que significa que o cristal interno do processador gera uma onda que executa 3 bilhões e 200 milhões de ciclos por segundo (a freqüência, também chamada de clock, é uma espécie de “batimento cardíaco” do processador). HT significa Hyper Threading ou “Hiper Processamento”. É uma tecnologia nova, criada pela Intel para os processadores Pentium 4, que consiste na duplicação, na fábrica, dos circuitos que realizam cálculos no interior da CPU. Essa duplicação tem como intuito criar “duas CPUs lógicas”, mas não consegue 100% de ganho, e sim, apenas uns 30 a 40% dependendo do programa que está sendo executado. 1MB de Cache L2 significa que esse processador já conta com uma memória cache secundária (L2) com capacidade de 1MB. É muito normal encontrar
  10. 10. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 10 processadores com caches de 128KB, 256Kb e 512KB. As caches de 1MB são privilégio apenas dos processadores mais potentes (e mais caros). O que é a Memória Cache? É uma memória bastante rápida que fica localizada dentro do processador. Sua função é armazenar os dados mais recentemente requisitados da memória principal (RAM). Veremos mais informações a respeito da Cache mais adiante. Mas é interessante saber que: Quanto mais memória cache um processador possui, mais rápido ele é! Resumo: o processador é o componente mais importante do computador, sem dúvida! Todas as características do processador são importantes para o seu desempenho (poder de processamento, velocidade de resposta, etc.).. Com isso, “matamos” a primeira linha da nossa configuração. Vamos à segunda: 2) 512MB RAM DDR400 PC3200 Dual Channel Essa linha diz respeito à Memória RAM, ou memória PRINCIPAL do computador. 512MB é, como já devem ter percebido, a capacidade da memória. Quanto mais memória RAM um computador possuir, mais livre ele vai trabalhar (explico isso quando for necessário), portanto, “mais rápido” o micro vai ser. Na verdade, é mais correto dizer assim: Quanto MENOS memória um computador possuir, MAIS lento ele vai ser. Mas dá para entender por enquanto. Hoje é possível encontrar computadores com 128MB, 256MB, 512MB e até 1024MB. O que determinará a necessidade de memória? Simples: os programas que você utiliza: Se você usa o computador apenas para usar Windows, Word e Excel, acho que 256MB já servem demais! (128 já é considerado hoje muito pouco devido ao tamanho do Windows XP). DDR400 diz respeito ao tipo da memória (DDR) e sua freqüência (400MHz). Por ora, basta saber que as memórias DDR são mais rápidas que suas concorrentes (antecessoras), as SDRAM (que muita gente chama, erroneamente, de memória DIMM). Já existem as memórias DDR2, uma nova geração, que permitem velocidades superiores às apresentadas pelas memórias DDR. Discutiremos isso mais adiante. PC3200 é a mesma coisa que DDR400 (é apenas uma outra maneira de fazer referencia a esse tipo de memória). Dual Channel é uma designação para uma forma de montar os pentes de memória RAM em dois blocos diferentes, recebendo dados com o dobro da largura de barramento que leva dados à memória. Essa característica não faz
  11. 11. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 11 parte da memória em si, mas da placa mãe, que fornece a estrutura para colocar dois pentes de memória em paralelo. 3) HD 120GB Serial ATA 7200 RPM Esta parte da configuração se refere ao HD (Disco Rígido) do computador, que é a memória que permite o armazenamento de arquivos (informações definitivas). É no HD onde salvamos nossas informações (documentos e planilhas). O HD é uma memória Magnética, ou seja, armazena informações como pulsos magnéticos em sua superfície. HD 120GB Isso identifica a capacidade de armazenamento do HD. Hoje já discos com 60, 80, 100, 120, 150 e até 200 GB! A capacidade do HD não influencia na VELOCIDADE DO COMPUTADOR, mas apenas no quanto o computador pode armazenar de dados permanentes. Serial ATA É o tipo do barramento que interliga o HD à placa mãe. Os dois barramentos mais usados hoje são: IDE (que, de longe, ainda é o mais usado) e Serial ATA (que está, aos poucos, substituindo o IDE). Ou seja, é muito mais comum encontrar HDs ligados ao barramento IDE, também conhecido como ATA Paralelo. O Serial ATA é o mais propenso substituto. O Serial ATA é mais rápido que o IDE. 7200 RPM É a rotação do disco em relação a seu eixo. É usado como medida de velocidade, mas não significa realmente grande coisa... É como dizer “Esse carro consegue girar os pneus 4000 vezes por minuto!” (Sim, e daí? Na prática quer dizer o que?). 4) CDRW 32x16x40x Essa linha diz respeito ao equipamento conhecido como Gravador de CD. É o equipamento que permite a leitura e gravação de discos de CD (Compact Disk). Na verdade, é muito fácil identificar se o equipamento é um leitor de CD apenas (chamado Drive de CD) ou de é um gravador. Quando há apenas uma velocidade, como 60x, por exemplo, o equipamento é um leitor de CD (drive de CD), porque consegue apenas realizar a leitura de discos de CD. Quando há 3 velocidades (32x16x40x), o equipamento é um gravador, sendo que:
  12. 12. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 12 - A maior velocidade (40x) é de leitura; - A menor velocidade (16x) é de regravação (usada em CD-RW); - A velocidade que sobrou (32x) é de gravação (usada em CD-R). Os três tipos de CDs que devem ser estudados: CD-ROM: vem de fábrica escrito, já com os dados gravados e não pode ser alterado pelo usuário (só lido). CD-R: é o CD virgem. Podem ser gravados várias vezes, mas não podem ser alterados (ou ter dados apagados). CD-RW: é o CD regravável. Pode ser gravado e regravado várias vezes. O apagamento deste disco pode ser feito de forma completa (formatação). 5) Modem 56Kbps V.90 É o Modem, que é o equipamento que permite a transmissão de dados de computador por uma linha de transmissão analógica, como a linha telefônica. Simples: o Modem é um equipamento tradutor, pois traduz os sinais digitais presentes no computador. 56Kbps É a taxa de transferência do Modem (velocidade). 56kbps significa 56 Kilobits por segundo (é que a mesma coisa que 7 Kilobytes por segundo). Apesar de podermos calcular os valores em bytes, a transferência de dados do Modem é medida em bits, normalmente. Essa é a taxa dos modems telefônicos atuais. V.90 É o padrão do modem (protocolo de funcionamento). Os modems telefônicos atuais são nos padrões V.90 ou V.92. Nos modems V.90, a velocidade de recebimento é de 56Kbps, mas a velocidade de envio é de apenas 33,6Kbps (o que faz do modem um equipamento assimétrico – velocidades diferentes). 6) Monitor 17” SVGA É o monitor do computador. O equipamento padrão de saída, por onde vemos as imagens (mas isso não é novidade, né?). 17” (17 polegadas) É a medida da diagonal do monitor. Refere-se ao tamanho da tela (isso também não é novidade!). SVGA
  13. 13. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 13 É o padrão da imagem que o monitor pode exibir. A imagem digital que o monitor mostra é formada por pequenos quadrados coloridos chamados pixels. A quantidade de pixels que uma imagem apresenta é chamada RESOLUÇÃO. As três resoluções mais comuns são: 640 (largura) x 480 (altura) – VGA 800 (larg.) x 600 (alt.) – SVGA 1024 x 768 – XGA Quer dizer que um monitor SVGA foi fabricado para trabalhar usando uma resolução de 800x600 pixels. Não significa que um monitor SVGA não consiga apresentar imagens em resoluções maiores. Há uma relação muito estreita que eu gostaria que fosse entendida neste momento: Resolução é a mesma coisa que Quantidade de Pixels, portanto: a) Quanto mais resolução, mais pixels serão apresentados na tela; b) Quanto mais pixels na tela, menores eles serão (para caberem mais deles no mesmo espaço físico da tela); c) Quanto menores os pixels forem, menores serão os objetos formados por eles, como ícones, janelas, menus, etc. d) Quanto menores os objetos da tela, maior a tela vai parecer ser. Ou seja, a área de trabalho (área útil da tela) permitirá a existência de mais objetos além daqueles que cabiam em resoluções menores. 7) Placa de Vídeo 32MB A placa de vídeo é o equipamento que constrói as imagens que o monitor exibe. Todo computador que apresenta informações em uma tela tem um placa de vídeo. 32MB É a memória de vídeo ou Memória RAM de Vídeo. É uma memória RAM que armazena apenas as informações acerca das imagens apresentadas (ou seja, essa memória armazena as informações binárias dos pixels). Quanto mais memória de vídeo uma placa possuir, mais pixels poderão ser apresentados e mais cores a imagem do computador pode ter! 8) Placa Ethernet 10/100
  14. 14. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 14 Refere-se à placa de rede. A placa de rede é o equipamento que o computador usa para constituir uma rede de computadores com outros equipamentos. A rede formada por esse tipo de placa é chamada LAN (rede local) por ter uma extensão física limitada (um prédio, normalmente). Ethernet É a arquitetura da rede a ser montada. Essa placa de rede foi construída seguindo os padrões estipulados na arquitetura Ethernet (veremos isso melhor no capitulo de redes). 10/100 As duas velocidades que a placa em questão consegue atingir: 10 Mbps ou 100 Mbps. Note bem que são Mbps (Megabits por Segundo). Há algumas placas chamadas 10/100/1000 por já atingirem 1000 Mbps (são raras). 9) Placa-mãe com: 8 USB2.0; 5 PCI; 1 Serial; 1 Paralela; 1 AGP8x; Bluetooth integrado; Som integrado. Agora os componentes que acompanham a placa-mãe do computador: A placa mãe é o componente onde toros os outros se encaixam em um computador, é a placa mais importante do computador. Na placa mãe podemos encontrar diversos barramentos (Caminhos) e slots (Conectores), que iremos estudar mais adiante, mas por enquanto, seguem: - USB: barramento usado para conectar qualquer equipamento externo ao gabinete, como Impressoras, Scanners, mouses, teclados, câmeras fotográficas digitais, etc. Já existe a segunda geração do USB, chamada de USB 2.0, 40 vezes mais rápida que a versão 1.1. - PCI: usado para conectar placas de variados tipos, como modems, placas de rede, placas de vídeo, placas de som, etc. - AGP: barramento exclusivo para placas de vídeo! ATENÇÃO: Não se pode conectar, no barramento AGP, outro tipo de equipamento além de placas de vídeo. AGP8x indica que o barramento em questão é 8 vezes mais rápido que a primeira versão do AGP. Veremos todos esses números na próxima aula! - Bluetooth: tecnologia de comunicação sem fio (wireless) com diversos equipamentos, como telefones celulares, headphones, palmtops e até automóveis (Fiat Stilo)... - Serial: barramento lento e antigo, usado para mouses.
  15. 15. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 15 - Paralelo: barramento antigo, usado para equipamentos mais velozes, como impressoras e scanners. (Tanto o serial quanto o paralelo estão sendo substituídos pelo USB). Pronto, agora é sua vez! Analise as duas configurações a seguir e me diga se deixou de reconhecer algum componente! Responda as questões que apresentarei no final e darei respostas na próxima aula! Configuração 1 Pentium 4 3,0 GHz HT 1MB Cache L2 256MB RAM HD 60GB 7200 RPM Modem 56Kbps CD 60x Ethernet 10/100 2 USB; 4 PCI; AGP4x Configuração 2 Pentium 4 2,4 GHz Cache 512 512MB RAM DDR HD 80GB Modem V.92 CDRW 52x32x52x Drive de DVD 16x 8 USB; 6 PCI; AGP8x Perguntas: 1) Quem tem o processador mais rápido? 2) Quem tem mais memória RAM? 3) Quais as diferenças entre as duas configurações no tocante à capacidade de operação com discos ópticos (CD/DVD)? 4) O Windows XP pode ser instalado nos dois? Há algum impedimento? 5) Você acha que essas configurações são suficientes para trabalhar bem com o Word e o Excel? 6) Quem consegue acessar a Internet mais rapidamente por uma linha telefônica? Por quê? 7) Quanto a funcionalidades de Rede Local (LAN), o que dizer a respeito dos dois computadores? 8) Em caso de armazenamento de arquivos em grande quantidade (Vídeos, o músicas), qual dos dois computadores estaria mais indicado? Por quê?
  16. 16. CURSO ON-LINE – INFORMÁTICA – PROFESSOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 16 9) Com relação à memória Cache, compare os dois computadores. 10)Caso o usuário possua muitos equipamentos a serem interligados externamente ao computador, como impressoras, scanners, joysticks, câmeras, mouses, etc. Qual o computador ideal? Por quê? 11)Em que computador a placa de vídeo receberia mais dados por segundo? Por quê? Ei, eu responderei a todas essas perguntas no inicio da próxima aula. Acho que por hoje é só! Espero que gostem deste curso on-line, pessoal! Deus os abençoe! Joao Antonio
  17. 17. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO www.pontodosconcursos.com.br 1 AULA 1: PROCESSADORES Olá, meus “Alunonlines”, como vão? Estou aqui de novo, com a segunda aula do nosso curso On Line de Informática, complementando o que vimos na aula passada (demonstrativa). Mas antes de qualquer outra coisa, vamos responder as perguntas deixadas no fim da aula anterior... Mas atenção! Recebi apenas alguns poucos e-mails com as respostas para aquelas perguntas... Sei que não avisei, mas quero que vocês mandem-me as respostas quando as perguntas forem feitas, por favor!!! Sempre irei responder a todos na aula seguinte, mas ter as respostas de vcs é muito gratificante! Deixem o gordinho aqui feliz, por favor! Configuração 1 Configuração 2 Pentium 4 3,0 GHz HT Pentium 4 2,4 GHz 1MB Cache L2 Cache 512 256MB RAM 512MB RAM DDR HD 60GB 7200 RPM HD 80GB Modem 56Kbps Modem V.92 CD 60x CDRW 52x32x52x Ethernet 10/100 Drive de DVD 16x 2 USB; 4 PCI; AGP4x 8 USB; 6 PCI; AGP8x 1) Quem tem o processador mais rápido? Resposta: óbvio que o computador da configuração 1 tem um processador mais rápido (mais freqüência e ainda conta com a tecnologia HT!). Em modelo, eles empatam (Pentium 4). Além do mais, o processador da primeira configuração possui 1 MB de memória Cache, e o da configuração 2 possui apenas metade disso. 2) Quem tem mais memória RAM? Resposta: Nesse caso, o computador da configuração 2 sai ganhando, não é? Ele tem 512 MB de memória, enquanto que o outro possui apenas 256MB. O engraçado, embora não tenha sido exigido, é que o computador 2 ainda tem uma característica que torna sua memória melhor: ser DDR, enquanto que o micro 1 não descreve se é DDR (o que leva a crer que não é, deve ser SDRAM). 3) Quais as diferenças entre as duas configurações no tocante à capacidade de operação com discos ópticos (CD/DVD)?
  18. 18. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO www.pontodosconcursos.com.br 2 Resposta: o primeiro computador possui apenas um leitor de CD (drive de CD), enquanto que o segundo computador possui um equipamento gravador de CD e um outro equipamento leitor de DVD. 4) O Windows XP pode ser instalado nos dois? Há algum impedimento? Resposta: essa é uma questão mais delicada... Isso exige certo conhecimento em Windows, mais precisamente sobre o que o sistema exige para a instalação. Ambos os computadores são capazes de instalar e executar o Windows XP, mesmo sendo tão “pesado”. As memórias têm capacidades boas e os processadores são muito potentes. 5) Você acha que essas configurações são suficientes para trabalhar bem com o Word e o Excel? Ô! Claro! 6) Quem consegue acessar a Internet mais rapidamente por uma linha telefônica? Por quê? Resposta: Ambos possuem modems com velocidades semelhantes: V.92 também possui velocidade de 56Kbps. 7) Quanto a funcionalidades de Rede Local (LAN), o que dizer a respeito dos dois computadores? Resposta: O Computador da configuração 1 possui uma placa de rede (descrito em “Ethernet 10/100”) e, com isso, é capaz de se conectar a uma rede local ethernet. O computador da configuração 2 não apresenta nenhum equipamento que o faça capaz de se comunicar em LANs. 8) Em caso de armazenamento de arquivos em grande quantidade (Vídeos, o músicas), qual dos dois computadores estaria mais indicado? Por quê? Resposta: O Computador da configuração 2, com certeza! Ele apresenta um Disco Rígido maior (80GB) que o disco do outro micro (60GB). Além disso, o micro 2 possui um gravador de CD, contra apenas um leitor do micro 1, o que permite a gravação dos arquivos em CDs (o que é muito recomendável nos casos de se possuir muitos arquivos grandes, como vídeos e músicas). Ideal seria, mesmo, que ele tivesse um gravador de DVD. 9) Com relação à memória Cache, compare os dois computadores. Resposta: O micro 1 tem, como foi dito, o dobro da memória cache L2 do micro 2. Isso traz um ganho no desempenho geral do micro. 10) Caso o usuário possua muitos equipamentos a serem interligados externamente ao computador, como impressoras, scanners, joysticks, câmeras, mouses, etc. Qual o computador ideal? Por quê? Resposta: O micro 2 apresenta mais portas USB (8) contra 2 do micro 1. Isso é meio relativo, porque pode-se ter apenas uma porta USB no micro e usar equipamentos para aumentar esse número (Hubs USB), mas comparando diretamente, o micro 2 leva certa vantagem.
  19. 19. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO www.pontodosconcursos.com.br 3 11) Em que computador a placa de vídeo receberia mais dados por segundo? Por quê? Resposta: Como o barramento AGP do micro 2 é 8x, ele transfere dados entre a CPU e a placa de vídeo a uma taxa máxima de 2,1GB por segundo (a maior velocidade possível do AGP). O AGP 4x consegue velocidades de até 1,06GB por segundo, que é exatamente a metade do anterior... Logo, o micro 2 ganha a parada nesse quesito. Bem, vamos, então, iniciar nossa segunda aula desse Curso On-Line, começando a estudar os processadores que podemos encontrar em um computador. PROCESSADORES Como foi visto, o processador é o equipamento que funciona como cérebro do computador, realizando o processamento (cálculo) das informações que passam por ele. O processador também pode ser referenciado como CPU, embora eu não seja um dos que acredita em classificá-los como sinônimos (mas deixa essa história para outro dia, porque não nos interessa no momento). Há vários processadores atualmente no mercado, e você pode comprar aquele que for mais interessante para você. Os vários processadores encontrados atualmente são, normalmente, fabricados por duas empresas concorrentes: A Intel e a AMD. Vamos a eles: Intel Celeron Este é o “modelo popular” da Intel. O Celeron é recomendado para uso em tarefas que não exigem muito processamento (como uso doméstico de Windows, Word, Excel e Internet). Se o usuário deseja “algo mais” do processador, como usá-lo para a edição de vídeo e fotografia, recomendam-se processadores mais potentes (como os que veremos a seguir). Os processadores Celeron apresentam uma quantidade menor de memória Cache – atualmente 256KB apenas de Cache L2, ou secundária (veremos adiante o que isso significa) – e ficam muito aquém dos processadores Pentium 4 em poder de processamento (em outras palavras, o Pentium 4 é mais rápido que o Celeron). Veja o Celeron abaixo:
  20. 20. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO www.pontodosconcursos.com.br 4 Intel Pentium 4 Dos modelos de processadores normalmente comercializados para o público em geral, o Pentium 4 é o mais potente. Este processador hoje conta, normalmente, com 1MB de memória cache L2 e isso, entre outros fatores estruturais o fazem mais rápido que o Celeron. O Pentium 4 conta hoje com uma tecnologia especial (criada pela Intel e privilégio deste modelo) chamada HT (Hyper Threading – Hiper Processamento) – já vimos essa explicação na aula anterior. Essa “novidade” consiste na fabricação de processadores com certos circuitos em duplicidade, fazendo um único processador trabalhar como se fosse dois. Claro que isso não acontece exatamente como a Intel afirma, mas há certo ganho de processamento sim! Mas é bom lembrar de que só haverá ganho de performance significativo com a tecnologia HT se a placa-mãe e o sistema operacional forem feitos para essa tecnologia (os programas mais recentes, como os novos Windows e Linux já estão preparados para isso). Existem vários tipos de Pentium 4, alguns com mais memória cache, outros com menos; alguns com um tipo de encaixe, outros com outro tipo, e assim vai... Não é realmente necessário conhecer todos os tipos de Pentium 4 (afinal, a Intel cria um novo por semana!). Se alguém perguntar em prova por características muito peculiares destes processadores, é, no mínimo, covardia! Tanto o Celeron quanto o Pentium 4 podem ser encontrados em desktops (micros de mesa) e em notebooks. Esses dois modelos de processadores são indicados para o uso pessoal, embora também possam ser utilizados em servidores (micros que exigem mais potência). Vê que pergunta: “É possível encontrar servidores instalados com o processador Celeron?” – Claro que sim!!! Não é recomendado porque o Celeron não é tão potente para realizar as operações de que um servidor precisa, mas é perfeitamente possível (normalmente por questões de custo) encontrar Celeron em servidores. Intel Pentium M e Celeron M – Tecnologia Centrino A tecnologia denominada Centrino (da Intel) é voltada para micros portáteis (notebooks) e outros dispositivos móveis (como equipamentos para comunicação sem fio). Os processadores que representam essa tecnologia foram batizados de Pentium M e Celeron M (“M” de “Mobile" ou “Móvel”). Lembre-se: Centrino é uma tecnologia que envolve vários dispositivos e os processadores expoentes dessa tecnologia são o
  21. 21. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO www.pontodosconcursos.com.br 5 Pentium M e o Celeron M. Embora não seja incomum ver muita gente se referindo a ele (o processador) como Centrino. Figura 2.8 – Processadores Pentium M (Tecnologia Centrino) Os processadores Pentium M herdam as características da tecnologia Centrino: suporte à comunicação sem-fio (redes de computadores Wi-Fi) e baixo consumo de energia (o que melhora a autonomia das baterias dos dispositivos que os utilizam). Nunca esqueça disso: O que mais bem representa a tecnologia Centrino é a sua predisposição para comunicação sem-fio, o que é o grande filão nesses próximos anos! Os processadores Pentium M apresentam, em média, 1MB de cache L2, embora já existam exemplares deste modelo com 2MB. Intel Xeon O processador Intel Xeon (fala-se Zíon) é fabricado para o público dos servidores e workstations (uma worksation, ou “estação de trabalho” é um micro que realiza processamento em mais pesado – mais que nos desktops de usuários). Por exemplo: os micros que fazem efeitos especiais para TV e cinema, os micros que editam vídeos e desenham ambientes tridimensionais são conhecidos por essa alcunha. Os processadores Xeon foram desenvolvidos para o trabalho em Multiprocessing (multiprocessamento), ou seja, a montagem de um computador com vários processadores iguais, aumentando, consideravelmente, o poder de processamento do sistema em relação a um micro monoprocessado (um processador só).
  22. 22. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO www.pontodosconcursos.com.br 6 Além das cache L1 e L2, o processador Xeon conta com uma cache L3 de grande capacidade, podendo, em alguns casos, chegar a 4MB. Sei que falei muito sobre a tal da memória cache, que todo porcessador possui, mas veremos com mais detalhes esse item mais adiante, não se preocupe. Intel Itanium Este é um modelo bastante novo, fabricado também para o mercado de servidores e estações de trabalho. O Itanium é um processador de 64 bits (uma grande diferença em relação aos modelos anteriores, que são de 32 bits). Essa característica diz respeito à arquitetura interna do processador (barramento de dados, como vimos). O Intel Itanium já evoluiu e agora quem está sendo fabricado pela empresa é o Itanium 2, com memória cache L3 que chega a 9MB. O Itanium 2 também pode ser usado em sistema multiprocessados. AMD Sempron Na família AMD, o modelo “básico” de processador é o Sempron, que concorre diretamente com o Celeron neste mercado. O Sempron veio para substituir dois outros modelos da AMD, o Athlon e o Duron, mesclando-os num único modelo. As quantidades de memórias Cache L1 e L2 são similares às do Celeron (não iguais, ok?) e o seu preço é menor que o equivalente da Intel (aliás, a Intel sempre apresenta preços superiores e essa é a razão de a AMD estar tomando de assalto o mercado brasileiro). Você pode até se perguntar: “Sim, mas, em relação ao Celeron, quem é mais rápido, levando-se em consideração o que se deve responder em uma prova de concurso?”. A resposta é: “Não se comparam processadores de famílias diferentes” pois seria uma dor de cabeça para a banca examinadora escolher entre A ou B para ser mais rápido (isso “puxaria a sardinha” para o lado de uma ou outra fabricante). Na verdade, até hoje, só apareceu Intel nas provas de concurso.
  23. 23. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO www.pontodosconcursos.com.br 7 A AMD também fabrica a família Mobile Sempron, para notebooks, que apresentam um consumo reduzido de energia, poupando, assim, as baterias dos equipamentos. AMD Athlon XP Esse é o modelo da AMD desenvolvido para “brigar” com o Pentium 4 no mercado de micros mais potentes para usuários. O Athlon XP é um processador mais rápido que o Sempron, entre outras razões, por possuir uma memória cache de maior capacidade. Figura 2.11 – Processador AMD Athlon XP A AMD também desenvolve a família Mobile Athlon XP, para notebooks e a família Athlon MP (MP significa Multi Processamento), criada para permitir a utilização de diversos processadores em um único sistema. Mesmo com todos esses recursos, esses processadores ainda são considerados “para público usuário”, ou seja, computadores pessoais. O Athlon XP já está em vias de extinção, pois não há menções a este processador no site da fabricante (o Athlon 64 é seu algoz).
  24. 24. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO www.pontodosconcursos.com.br 8 AMD Athlon 64 Este é o primeiro processador de 64 bits da AMD, mas que não foi fabricado diretamente para concorrer com o Itanium da Intel. A principal diferença entre o processador Athlon 64 e o Itanium é que a AMD desenvolveu o seu produto voltando-o tanto para o mercado de estações de trabalho como para o mercado de computadores pessoais. Infelizmente, a Intel afastou o público de PCs do Itanium por enquanto. O preço do produto ainda é muito “assustador” e, com isso, a AMD está tomando o mercado deste. O Itanium, como foi visto, está um tanto voltado para os mercados de servidores ainda e o Athlon 64 já pode ser encontrado até mesmo em notebooks. AMD Opteron Eis o processador da AMD que concorre diretamente com Itanium e Xeon no mercado de processadores de alto desempenho (para servidores e estações de trabalho). O Opteron pode ser encontrado em versões que permitem a montagem com até 8 processadores simultaneamente. O Opteron também é um processador de 64 bits, que significa uma nova arquitetura interna completamente diferente de seus parentes de 32 bits (Sempron e Athlon XP). Bem, pessoal, com isto, vimos as principais marcas e modelos de processadores atuais, mas o modelo não é a única característica importante acerca desses equipamentos: vamos analisar a freqüência! Além do quesito modelo, o poder de processamento de um microprocessador está diretamente ligado a sua freqüência. A freqüência é a medição da oscilação de um cristal interno ao processador. A freqüência também é chamada de clock. Um processador de computador possui uma freqüência interna, que determina quantas operações por segundo ele será capaz de executar no máximo e uma freqüência externa que determina a taxa de comunicação do processador com os demais componentes do micro (como a RAM, por exemplo).
  25. 25. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO www.pontodosconcursos.com.br 9 Quando se analisa, de forma superficial, a freqüência do processador sem informar qual é exatamente, está-se falando da freqüência interna. A externa é comumente conhecida como FSB (veremos depois). Então um Pentium 4 com 3,2GHz é um processador que possui uma freqüência interna de 3200MHz (ou 3 bilhões e duzentos milhões de oscilações por segundo). E, é claro que é fácil entender: quanto maior for a freqüência, maior será a velocidade do computador (seu poder de processamento e resposta). Veja a imagem abaixo: A freqüência maior é aquela que consegue realizar mais oscilações (pulsos) num mesmo intervalo de tempo, portanto, a freqüência de baixo é maior e, com isso, o computador que tem ela como ritmo é mais rápido que o computador cujo compasso é a freqüência de cima (note quantas setinhas aparecem!). Se tomarmos cada setinha dessas como uma operação a ser realizada, então, claro que a freqüência de baixo resultará em um computador mais veloz! Tem gente que aproveita esse momento para encher a boca e dizer: “Então a freqüência é a medida de velocidade do computador” Epa Epa! Não é assim não! A freqüência é um dos fatores que vai definir a velocidade do computador, mas não é o único! O modelo também importa e outros componentes no micro vão contribuir ou prejudicar a performance do computador. Em concursos públicos seria impossível exigir do candidato que conhecesse todos os determinadores positivos e negativos de velocidade de um micro (que é uma máquina muito complexa), mas é possível fazer algumas comparações básicas com processadores, apenas para termos um “norteamento”. Analise: (A) Pentium 4 3,2GHz HT x (B) Celeron 2,4GHz Então? Claro que o processador A é vitorioso no quesito velocidade, afinal, ele ganha do B no modelo e na freqüência. (C) Pentium 4 3,2GHz HT x (D) Pentium 4 3,0GHz HT E aí? O processador C é maior, em freqüência, que o processador D, portanto, é mais rápido que este. (E) Celeron 2,4GHz x (F) Pentium 4 2,4GHz
  26. 26. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO www.pontodosconcursos.com.br 10 Eita! Mesma freqüência para os dois, porém o segundo tem um modelo menor, portando o processador F é vitorioso em relação a E. (G) Pentium 4 2,2GHz x (H) Celeron 2,8GHz Uhú! Essa não dá pra saber mesmo! Quando essa aparecer, marque FALSO! Não dá pra saber se G é mais potente ou se H é mais potente... Nem mesmo dá pra afirmar que eles são igualmente rápidos... Portanto Lembre-se: as duas informações mais importantes a respeito de um processador são: o seu MODELO e a sua FREQUENCIA. Vimos também que um processador tem componentes internos que merecem destaque, como a CPU e a Cache (memória Cache). E que a CPU está dividida em UC (Unidade de Controle), ULA (Unidade Lógica e Aritmética) e Registradores. Vamos fazer um resuminho do que foi visto na aula passada (a primeira), OK? O Processador é formado pela CPU e pela Memória Cache; A CPU (Unidade Central de Processamento) é o conjunto de circuitos eletrônicos que processa as informações que passam pelo computador. Dentro dela existem a Unidade de Controle (UC) que coordena o funcionamento da CPU e a ULA (Unidade Lógica e Aritmética) que efetivamente faz o processamento (já que, no computador, processar é a mesma coisa que calcular!). Os registradores (também dentro da CPU) são usados para armazenar as informações que a CPU está processando, ou seja, apenas enquanto essas informações são valiosas para a CPU, o que significa pouquíssimo tempo! Os registradores são, portanto, um tipo de memória, e, na verdade, são a memória mais rápida do computador. Eu começarei a explicar as memórias de um computador na próxima aula, já que não será quebrado o raciocínio didático... Mas, por ora, gostaria de deixá-los com alguns problemas... Questões para Fixação: 1) Qual destes processadores é mais rápido, o primeiro ou o segundo? a. Pentium 4 3,2GHz HT x Pentium 4 2,4GHz b. Celeron 2GHz x Pentium 4 2,8GHz c. Athlon 64 3200+ x Celeron 2,2GHz d. Pentium 4 2,2GHz x Athlon 64 3000+ 2) Escreva algo resumido sobre os seguintes processadores (pesquise no google): a. Athlon 64 FX57 b. Pentium M c. Celeron D d. Pentium 4 3) Dê sugestões de processadores (um da Intel e um da AMD) para computadores nas seguintes finalidades de uso: a. Servidor de alto desempenho
  27. 27. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA - PROFESOR JOÃO ANTÔNIO www.pontodosconcursos.com.br 11 b. Servidor de Redes pequenas c. Desktop caseiro d. Desktop para empresas (alto desempenho) e. Notebooks grandes (para substituir desktops) f. Notebooks pequenos (usados excessivamente com baterias) Bom, acho que é só... na próxima aula, essas dores de cabeça serão resolvidas... Espero que goste do sistema das perguntas e, USEM O FORUM DO CURSO!!! Perguntem o quanto quiserem!!! Estou aqui para isso! Deus abençoe a todos, João Antonio
  28. 28. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 1 AULA 2: MEMÓRIA Olá, meus “Alunonlines”, tudo bem? Gostei da participação de vocês desta vez! Até parecia que eu estava dando aula para a parede (na aula 0)... Hoje eu sei que existe vida do outro lado da Internet! Aqui vai um lembrete: joaoacarvalho@terra.com.br é o meu e-mail pessoal e jaclgc@hotmail.com é o meu MSN messenger (para aparecer on-line com vcs!). Apesar de terem meus e-mails, quaisquer duvidas sobre o que foi visto no curso on-line, perguntem no fórum, para que a resposta possa ser compartilhada com todos! Vamos responder, primeiramente, as questões da aula anterior: 1) Qual destes processadores é mais rápido, o primeiro ou o segundo? a. Pentium 4 3,2GHz HT x Pentium 4 2,4GHz b. Celeron 2GHz x Pentium 4 2,8GHz c. Athlon 64 3200+ x Celeron 2,2GHz d. Pentium 4 2,2GHz x Athlon 64 3000+ 2) Escreva algo resumido sobre os seguintes processadores (pesquise no google): a. Athlon 64 FX57: Processador de alto desempenho para desktops da AMD. Esse é mais rápido que o Athlon 64 comum e o athlon 64 FX55. b. Pentium M: Processador para notebooks da Intel. c. Celeron D: Processador da intel para o público doméstico (é o celeron atual). d. Pentium 4: Processador da Intel para computadores desktops e notebooks de desempenho superior ao celeron. 3) Dê sugestões de processadores (um da Intel e um da AMD) para computadores nas seguintes finalidades de uso: a. Servidor de alto desempenho: Opteron / Itanium b. Servidor de Redes pequenas: Pentium 4 / Athlon 64 c. Desktop caseiro: Celeron / Sempron d. Desktop para empresas (alto desempenho): Pentium 4 / Athlon 64 e. Notebooks grandes (para substituir desktops): Pentium 4 / Athlon XP f. Notebooks pequenos (usados excessivamente com baterias): Pentium M, Celeron M, Turion (é o Celeron M da AMD – pesquisem). Memórias Memória é todo o componente capaz de ARMAZENAR informações. Há vários tipos de memórias em um computador, desde aquelas que duram por segundos até algumas que armazenam informações por diversos anos. Vamos estudar a grande
  29. 29. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 2 maioria, mas eu queria o estudo de vocês acerca das memórias fosse baseado nesse esquema: Ficou clara a divisão das memórias? Nosso computador tem vários tipos de memórias, que podem ser classificadas (didaticamente) em: Memória Principal: RAM e ROM Memória Auxiliar: memórias onde podemos salvar informações, como os Discos (HD, CD, DVD), cartões de memória, etc. Memória Intermediária: Cache MEMÓRIA PRINCIPAL Teoricamente, são classificadas assim as memórias sem as quais o computador não funciona. São elas a RAM e a ROM... Vamos falar primeiro na ROM, depois eu entro no assunto da RAM, ok? Memória ROM A ROM é uma memória que não pode ser alterada pelo usuário, normalmente sendo usada pelos fabricantes de equipamentos (computadores, celulares, microondas, DVD players, qualquer coisa) para armazenar o programa básico que determina o funcionamento do equipamento. A ROM é usada, em poucas palavras, para armazenar o “comportamento” básico de qualquer equipamento. A sua principal característica é: NÃO PODE SER ALTERADA pelo usuário (ROM é MEMORIA SOMENTE PARA LEITURA).
  30. 30. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 3 Quando falamos em ALTERAÇÃO, leia-se: inclusão de dados, apagamento de dados ou modificação dos dados. Ou seja, NADA DISSO PODE SER FEITO EM UMA MEMORIA ROM!!!! OK? Certo, mas ONDE EXATAMENTE, E POR QUE A ROM É USADA NUM MICRO??? Existe um programa importantíssimo, chamado BIOS, que é armazenado dentro de uma memória ROM na placa mãe. O BIOS é usado para, entre outras coisas, realizar o processo de inicialização do computador, chamando o sistema operacional para o trabalho (Windows). O BIOS, portanto, acorda o WINDOWS. Deixando o mérito do BIOS para depois, as instruções do BIOS (ele é um programa e um programa é um conjunto de instruções) são armazenadas em uma memória que não pode perder dados quando o micro é desligado, porque tem que estar lá quando o micro for ligado! Escolheu-se, portanto, que o BIOS seria armazenado em uma memória ROM!!! (foi uma escolha óbvia!). Então, a ROM já vem de fábrica com seu conteúdo gravado pela fabricante! Não é possível guardar ou apagar dados da ROM! A ROM tem algumas “amigas” parecidas com ela... A seguir, listo as diferenças e características principais da ROM e suas parentes: ROM: Não pode ser alterada pelo usuário, já é fabricada gravada; PROM (ROM Programável): é vendida vazia (virgem). Pode ser gravada uma vez por equipamentos gravadores especiais (chamados de gravadores de PROM). EPROM (ROM apagável e programável): é fabricada vazia e pode ser gravada e apagada por meio de Luz ultravioleta. EEPROM (ROM apagável e programável eletricamente): é fabricada vazia e pode ser gravada e apagada por meio aumento da tensão elétrica em seus conectores. Memória Flash (FEPROM): parecida com a EEPROM, mas consome menos energia elétrica e não necessita do aumento de tensão para ser apagada/gravada. É muito usada em cartões de memória de máquinas fotográficas digitais. A principal característica em comum entre esses tipos de memória é que eles NÃO SÃO VOLÁTEIS (ou seja, o conteúdo dessas memórias é mantido mesmo quando não houver energia elétrica alimentando o computador). Veja, abaixo, um CHIP (circuito) de memória ROM em uma placa-mãe.
  31. 31. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 4 Você pode até perguntar: Quer dizer que em toda placa mãe o BIOS é armazenado em chips de memória ROM? Não! Hoje em dia, os fabricantes de placas- mãe colocam o BIOS em um chip de memória FLASH (para permitir a alteração do seu conteúdo quando for necessário). A memória ROM mesmo está perdendo espaço porque hoje a memória Flash se mostra muito mais vantajosa (alem se não ser volátil como a ROM, permite alteração, que a antecessora não permite!). Hoje, é comum encontrar memória Flash também em CHIPs de telefonia GSM, em Vale Transporte eletrônico e nos cartões de memória das máquinas fotográficas. Em algumas questões de provas, eu vi menções ao fato de a memória Flash estar substituindo a memória RAM, o que não é verdade, como podemos ver (a flash é substituta da ROM, com vantagens). Então, nós realmente não usamos efetivamente a ROM durante um trabalho (enquanto estamos digitando um trabalho, por exemplo). A ROM é mais importante no momento em que o micro é inicializado, embora apareça em outros momentos também. Lembre-se disso: Qualquer questão que cogite a inserção de dados ou a alteração destes numa memória ROM está FALSA!!! Memória RAM A RAM é uma memória que armazena informações na forma de pulsos elétricos, ou seja, tudo que estiver armazenado na RAM é eletricidade, apenas! Aí você pergunte: Ei! Se é elétrico, então é necessário que a RAM fique o tempo todo sendo alimentada por energia elétrica, senão, se ela for desligada, perderá a energia que a alimenta e, então, os dados serão perdidos (sumirão)? Precisamente, até parece que fui eu que formulei a pergunta!!! A memória RAM é elétrica, portanto, Volátil (volátil quer dizer que os dados podem se perder facilmente). A memória RAM foi feita única e exclusivamente para armazenar informações ENQUANTO NOSSO MICRO ESTÁ LIGADO, ou seja, APENAS ENQUANTO OS PROGRAMAS ESTAO EM EXECUCAO. Um programa que não está aberto (não está com a janela aberta), não está na RAM, mas está armazenado em outra memória (auxiliar, normalmente o HD). Quando alguém (usuário) abre o programa, suas instruções e dados são jogados na memória
  32. 32. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 5 RAM, de onde a CPU passa a trazer essas instruções e dados para permitir que o programa seja executado. Veja um exemplo de um programa aberto (até parece que voce nunca viu um!). Lembre-se: Quando um programa está em execução (ou seja, em funcionamento), seus dados e instruções estão na memória RAM, e por isso ela é chamada também de memória de trabalho! O computador possui outras memórias RAM (para ser RAM, basta ser elétrica – volátil), mas a RAM mais importante é essa, que é denominada “de trabalho” ou “principal”. RAM não é a classificação dela quanto à sua posição na hierarquia do computador... Uma memória é classificada como RAM quando é fabricada para ser elétrica (volátil), e isso pode ser usado de várias formas em um computador! Então: Todos os programas abertos em um computador: Windows, Word, Excel, etc. são colocados na RAM Principal (momentaneamente) para que a CPU possa buscar os dados e instruções destes programas. A ESAF gosta de fazer perguntas chamando-a de Memória Principal ou simplesmente memória. Outra coisa é interessante: Como a RAM está organizada? Ela parece um enorme estacionamento de shopping! Ou seja, é formada por pequenas unidades de memória chamadas “posições” ou “espaços” (o estacionamento é divido em “vagas”). Então quando alguma informação é colocada na RAM, pode ser colocada em QUALQUER LUGAR, desde que esteja VAGO. Sim, OK, entendi... Mas quem coloca o dado na memória? A CPU, enquanto executa um programa... Certo, mas como a CPU vai achar o dado depois de tê-lo colocado? Como encontrar exatamente a posição onde o dado foi colocado? É fácil!! Como você localizaria SEU CARRO em um ESTACIONAMENTO? Marcando o número da VAGA (ou, pelo menos, um PONTO DE REFERENCIA). Todas as
  33. 33. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 6 posições da memória são acessíveis porque têm endereços únicos! Ou seja, cada posição da memória é reconhecida, pela CPU, por seu endereço. Os endereços são numéricos e ordenados, como em um estacionamento mesmo! Então o endereço 20544332 localiza uma posição de memória qualquer e o endereço 20544333 localiza a posição imediatamente posterior. Como a CPU diz à Memória qual endereço quer ler? Simples, ela joga os sinais elétricos que representam o endereço desejado no BARRAMENTO DE ENDERECOS! Como a CPU diz que quer LER a memória? Simples, a UC (Unidade de Controle) joga sinais elétricos no BARRAMENTO DE CONTROLE para informar que deseja ler o conteúdo da posição enviada pelo barramento de enderecos... Com já havíamos explicado os três barramentos do sistema, vamos a um exemplo bem simples: Analise a linha (instrução) de um programa mostrada abaixo. Essa linha pega os conteúdos de duas variáveis (B e C) e os soma, armazenando o resultado numa variável A: A = B + C; Para quem não está muito familiarizado com a idéia de variável, aqui vai uma explicação: variável é um termo usado em programação para descrever “apelidos” que são dados às posições da memória. Tipo, ao invés de estacionar o carro na vaga B- 3421, você pode, arbitrariamente, chamar aquela vaga de “Fifi”. Na programação, a variável é um nome amigável que você dá a um endereço da memória. Esse nome poderá ser usado várias vezes durante um programa e é uma mão na roda para o programador... A CPU não se importa com as variáveis, pois vai trabalhar diretamente com os endereços da memória, sem saber quem é A, B ou C... Durante o processo de compilação (transformação) do programa, ele é reescrito com os endereços apropriados de memória. Supondo que, a linha (instrução) mostrada acima está armazenada na posição 2012 da memória principal e que as variáveis A, B e C estão nos endereços 3000, 3010 e 4560 respectivamente, a CPU faria esse catatau de coisas para executar aquela linha acima: <CPU executando a instrução acima> Leia a instrução armazenada no endereço 2102 da memória Decodifique a instrução (entender que se trata de uma soma e que requer dados armazenados em outros locais). Leia o dado contido no endereço 3010 da memória (supondo que lá tem 8) Leia o dado contido no endereço 4560 da memória (supondo que lá tem 10) Execute a Instrução (no caso, SOME os dados – na ULA) Guarde o resultado no endereço 3000 da memória (ou seja, o número 18) <CPU termina a execução desta instrução e parte para a próxima> A próxima instrução do programa provavelmente estará no endereço 2013 da memória (porque os programas têm suas instruções gravadas na memória em seqüência, na maioria dos casos). QUER VER ISSO FUNCIONANDO VISUALMENTE?!?!? Então lá vai!
  34. 34. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 7 1) Primeiro passo: Leia a instrução armazenada no endereço 2102 da memória A CPU lança o sinal LEIA pelo barramento de CONTROLE; A CPU lança o endereço 2012 pelo barramento de ENDERECOS; A memória envia a INSTUÇÃO pelo barramento de DADOS; CPU MEMÓRIA PRINCIPAL BARRAMENTO DE ENDEREÇOS BARRAMENTO DE DADOS BARRAMENTO DE CONTROLE LEIA 2012 INSTRUÇÃO 2012: INSTRUÇÃO 3000: 3010: 8 4560: 10 Depois disso, a INSTRUÇÃO é armazenada num registrador especial chamado REGISTRADOR DE INSTRUÇÃO, dentro da CPU. 2) Segundo passo: Decodifique a instrução Esse passo não requer o uso dos barramentos porque acontecerá apenas dentro da CPU. A decodificação da instrução é quando a CPU identifica que tipo de instrução é aquela, se ela precisa ou não de operandos (dados extra), se pode ser executada sem ler nada da memória, entre outras coisas. Como resultado da decodificação da nossa instrução, a CPU vai saber que se trata de uma soma, e, portanto, requer operandos (dados)... Claro, porque não haveria sentido em dizer SOMA, sem dizer quais os números a serem somados. Depois da decodificação, se inicia o momento da busca pelos dois dados a serem usados na instrução, começando pelo dado existente no endereço 3010. 3) Terceiro passo: Leia o dado contido no endereço 3010 da memória A CPU lança o sinal LEIA pelo barramento de CONTROLE; A CPU lança o endereço 3010 pelo barramento de ENDEREÇOS; A memória então, responde mandando o dado pelo barramento de DADOS.
  35. 35. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 8 CPU MEMÓRIA PRINCIPAL BARRAMENTO DE ENDEREÇOS BARRAMENTO DE DADOS BARRAMENTO DE CONTROLE LEIA 3010 8 2012: INSTRUÇÃO 3000: 3010: 8 4560: 10 Depois disso, o número 8 será armazenado em um dos registradores da CPU, para poder ser utilizado na execução da instrução posteriormente. Lembre-se: registradores são pequenas unidades de memória que existem dentro da CPU para armazenar as informações de que a CPU precisa durante um processamento. As informações (dados e instruções) ficam nos registradores pouquíssimo tempo, apenas o suficiente para que sejam processadas. 4) Quarto passo: Leia o dado contido no endereço 4560 da memória A CPU lança o sinal LEIA pelo barramento de CONTROLE; A CPU lança o endereço 4560 pelo barramento de ENDEREÇOS; A memória então, responde mandando o dado (10) pelo barramento de DADOS. CPU MEMÓRIA PRINCIPAL BARRAMENTO DE ENDEREÇOS BARRAMENTO DE DADOS BARRAMENTO DE CONTROLE LEIA 4560 10 2012: INSTRUÇÃO 3000: 3010: 8 4560: 10
  36. 36. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 9 Depois disso, o número 10 será armazenado em outro registrador, que possuirá esse valor até o processo de execução da instrução ser completado (porque, lembrem- se, esse MUNDO DE COISA que eu estou explicando é a execução de UMA INSTRUCAO de um programa...) Logo após o término dessa instrução, outra iniciará esse maravilhoso processo de novo, e isso se repete milhões de vezes em um único segundo! 5) Quinto passo: Execute a Instrução A Unidade de controle requisita os trabalhos da ULA (Unidade Lógica e Aritmética), ambas na CPU, para fazer valer o salário dela! Ou seja, a instrução é uma soma, portanto, uma operação aritmética e isso requer que a ULA entre em ação para calcular o resultado. Então, em outras palavras, a instrução presente no Registrador de Instrução (SOMA) é executada utilizando-se dos dois valores presentes dos dois registradores na CPU (8 e 10). Depois que a ULA calcula o resultado (18, no caso) é armazenado em outro registrador, na CPU, esperando apenas o próximo passo. 6) Sexto passo: Guarde o resultado no endereço 3000 da memória A CPU lança o sinal ESCREVA pelo barramento de CONTROLE; A CPU lança o endereço 3000 pelo barramento de ENDEREÇOS; A CPU lança do dado resultante (18) pelo barramento de DADOS; CPU MEMÓRIA PRINCIPAL BARRAMENTO DE ENDEREÇOS BARRAMENTO DE DADOS BARRAMENTO DE CONTROLE ESCREVA 18 3000 2012: INSTRUÇÃO 3000: 18 3010: 8 4560: 10 Depois disso, óbvio, o número 18 ficará armazenado na posição 3000 da memória e a CPU começa o processo de execução da próxima instrução do programa (que por sinal, espero não ser preciso explicar!).
  37. 37. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 10 Gostaria de deixar bem claro que os sinais ESCREVA e LEIA são meu jeito de falar, ok? Alguns livros citam assim, alguns outros citam diferente, mas todos eles não citam a realidade (porque no barramento de controle, bem como nos demais barramentos e no resto do micro, os sinais são BINÁRIOS – Zeros e Uns). Espero que essa explicação tenha FECHADO o assunto dos barramentos de sistema, e espero que tenham todos entendido! (se não, é só perguntar no fórum)... Tipos de Memória RAM De acordo com a sua fabricação, a memória RAM pode ser de dois tipos principais: a DRAM (RAM Dinâmica) e a SRAM (RAM Estática). As características sobre elas são: - DRAM: menos rápida, mais barata e, por isso, encontrada em maior quantidade em nossos computadores. É esse tipo de memória que utilizamos como memória principal em nossos micros. As memórias DRAM são fabricadas com capacitores (pequenas pilhas) que se descarregam com o tempo. Portanto, quando os capacitores armazenam cargas elétricas, precisam, constantemente, serem “reacordados” ou seja, seu conteúdo elétrico precisa ser realimentado. Como se um equipamento “irrigasse” constantemente os capacitores com eletricidade. Esse processo de irrigação é chamado REFRESH ou REALIMENTAÇÃO. A memória DRAM precisa de REFRESH (não esqueça!) - SRAM: Mais rápida (não sei quem as batizou), mais cara e, por isso, aparece em menor quantidade em nossos micros. As memórias SRAM são muito velozes e por isso, muito caras! Nossos micros possuem pequenas quantidades de SRAM, como na Cache e nos REGISTRADORES (Sim, os registradores da CPU são memória RAM estática!). Não há a necessidade de REFRESH nesse tipo de RAM, porque a SRAM utiliza semicondutores ao invés de capacitores. Como se não bastasse essa divisão, ainda podemos dividir a DRAM, que é vendida atualmente em dois subtipos (um está se tornando mais comum enquanto que o outro está MORRENDO)... A SDRAM (DRAM Síncrona) era muito comum e seu auge foi de 6 a 2 anos atrás... Essa memória tinha uma velocidade boa, e acessos com freqüências sincronizadas com a freqüência da placa-mãe (uma revolução em relação aos modelos anteriores). Havia vários tipos de SDRAM? Sim, vendiam-se as PC-100 (com 100MHz de freqüência) e as PC-133 (adivinha...). E Hoje em dia? Elas ainda dominam o mercado de RAM? Com certeza: Não! Atualmente as memórias mais comuns são chamadas de DDR-SDRAM ou simplesmente DDR. Uma memória DDR (sigla de Dupla Taxa de Dados) é mais rápida que a SDRAM porque faz uma coisa interessante: utiliza duas vezes cada ciclo de sua freqüência para transmitir / receber dados. Ou seja, uma memória DDR que trabalha com uma
  38. 38. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 11 freqüência real (física) de 200MHz está funcionando como se usasse 400MHz... veja o desenho a seguir: Como se pode ver no gráfico, tanto a SDRAM quanto a DDR estão usando a freqüência mostrada no desenho (a onda AZUL MARINHO). O que acontece é que a SDRAM está realizando transferências somente no momento da subida da freqüência (setas azuis) e a DDR está realizando-as tanto na subida quanto na descida da freqüência (setas vermelhas). Então, qualquer pergunta que diga: A DDR é mais rápida que a SDRAM porque tem uma freqüência DUAS VEZES MAIOR? A resposta é NÃO! Porque mesmo se as duas exemplares possuírem a mesma freqüência, a DDR será mais rápida porque utiliza a freqüência de forma DUPLICADA. Ou seja, a diferença não está na freqüência em si, e sim na forma COMO as duas memórias utilizam-na! Hoje em dia, em qualquer loja de informática, encontra-se quase que exclusivamente, a DDR, em outras palavras, DDR é a mais comum atualmente! Já estão fabricando e vendendo as memórias DDR2 (com freqüências maiores), mas por serem muito novas, não são assuntos para concursos próximos (só quando as DDR2 massificarem). Ainda há outra coisa: Quando encontrar por aí a DDR, é comum vê-la em vários “sabores” como: DDR266, DDR333, DDR400, etc. Isso diz respeito à freqüência dessa memória. Uma DDR400, por exemplo, funciona como se trabalhasse a 400MHz, e, para isso, tem freqüência real de 200MHz. Lembre-se: A freqüência REAL de uma memória DDR sempre é METADE da freqüência anunciada (DDR400, DDR333). Outra coisa é que, a forma de se referir à memória DDR pode mudar de caso para caso... a DDR400, por exemplo, é conhecida como PC3200. Esse 3200 faz referência à taxa de transferência máxima de dados para a memória. DDR RAM SDRAM
  39. 39. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 12 Como Calcular a taxa? Simples, multiplique a largura do barramento da memória (barramento que, na DDR, é de 64bits) pela freqüência de trabalho (400MHz na DDR400). 64bits são 8 bytes, e isso é o que se transfere em cada ciclo da freqüência. Como são 400 milhões de ciclos por segundo, e em cada ciclo eu transfiro 8 bytes, posso dizer que 8 x 400 milhões de bytes são transmitidos por segundo... ou seja, 3200MB/s (ou 3,2GB/s). Sempre que quiser descobrir a taxa de transferência (velocidade) de um determinado equipamento ou barramento, faça o mesmo calculo. Pegue a largura do barramento (em bits) e converta para bytes (dividindo por 8). Depois disso, multiplique pela freqüência (que é dada em ciclos por segundo - Hz). Você obterá um resultado em Bytes por segundo (B/s)... isso é a taxa de transferência! As memórias DDR2 já apresentam freqüências de 500MHz, 533MHz, 800MHz e já se tem planos de fazer a de 1066MHz... As memórias RAM são vendidas em pentes (pequenas placas) que não são intercambiáveis (ou seja, uma placa de DDR não encaixa onde o pente de SDRAM encaixa e vice versa). Acima: dois pentes de memória DDR. A memória principal é um dos fatores que influenciam na velocidade do computador, mas não é o seu tipo o único responsável por isso. A quantidade de RAM que um computador tem também é crucial para o desempenho da máquina. Não que a
  40. 40. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 13 frase: “quanto mais memória RAM, mais rápido o micro é” esteja certa... Ela está um pouco certa, mas não totalmente. Cada janela que se abre em um computador é um programa que começou a ser executado. Esse programa consumirá um pedaço da RAM enquanto estiver aberto e, se o usuário continuar abrindo janelas, vai chegar ao limite da RAM instalada fisicamente. Atualmente, os micros apresentam valores variados de memória, como 128MB, 256MB, 512MB e até mesmo 1GB de RAM (é possível ter até 4GB de memória atualmente, por causa da largura do barramento de endereços)*. Mas, por que se diz tanto, especialmente os vendedores dizem, que “Quanto mais memória RAM, mais rápido seu micro vai ficar”? A resposta é a seguinte: Quanto mais programas abertos, mais gasto de RAM, certo? E se eu abrir tantas janelas que chegue a utilizar toda a minha memória RAM? Tipo: tenho 128MB de RAM e abri o Windows (Claro), que ocupa uns 60 a 80 MB na RAM, o Word (mais 40) e o Excel (uns 20 a 30). ENCHEU!!!! E aí? O micro trava??? Não, o seu micro não trava só porque a RAM encheu e não há espaço para mais nenhuma outra janela... O seu micro trava porque o Windows é cheio de paranóias e crises existenciais! (ele é mal feito!). Quando a RAM está cheia, o Sistema Operacional (windows, no caso) se utiliza de um recurso bem esperto para continuar executando programas: a Memória Virtual (ou, para a ESAF, memória Paginada, memória de Troca, etc.). A memória Virtual é um pedaço do espaço livre o HD (Disco Rígido) que é reservado pelo sistema operacional a título de prevenção. Essa “reserva” é feita quando o Windows é carregado (inicialização), mas a área em si de memória virtual só será utilizada quando necessário. O grande lance da memória virtual é que, quando a memória Principal (física ou real, doravante chamada assim) estiver cheia, o Windows começa, então, a fazer escritas na RAM não de dados, mas de endereços que deverão ser localizados no Disco (na memória Virtual). Em outras palavras: os dados e instruções dos programas são armazenados no DISCO (na memória virtual) e ficam, na RAM real, apenas os endereços que apontam para tais dados.
  41. 41. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 14 Ainda tem mais: Quando um programa está sendo mais usado que outro, eles trocam de lugar: o programa mais usado, se estiver na Virtual é transposto para a real e o programa menos usado, se estiver na real é transposto imediatamente para a virtual. Essa TROCA é sentida pelo usuário quando, em alguns momentos, o usuário ouve o “barulho ensurdecedor” do HD como se estivesse salvando algo: éhn éhn éhn éhn... Essas coisas... E, neste momento, o sistema ficou ocupado (mostrando aquela ampulheta). Aí vem a pergunta: Para que serve a Memória Virtual mesmo? Para aumentar a capacidade da memória principal através de um processo que não requer a compra de mais memória. Utiliza-se o disco (que tem memória de sobra) para criar nele uma espécie de RAM de mentira, chamada de Arquivo de Troca ou Memória Virtual. O micro fica mais rápido assim? Não! Pelo contrário! Quando a memória Virtual é utilizada, o desempenho do micro é bastante prejudicado! Ele fica MUITO mais Lento! Pensa bem: o teu micro deixa de usar uma memória elétrica (RAM), onde é fácil e rápido colocar um bit, retirar um bit, alterar o valor de um bit.. Por que? Porque é elétrica, é só pulsar eletricidade no local certo! Quando ele começa a usar a memória virtual, a gravação dos dados requer a rotação do disco e a movimentação de um “braço” para localizar a posição certa e pum! Colocar o bit na posição desejada! (processo mecânico-eletronico). OU SEJA: colocar dados na RAM é muito mais rápido que colocar no Disco, portanto, quando o disco é usado como RAM, saímos perdendo em matéria de velocidade! Sobre a Virtual: Ponto positivo: podemos usar mais programas que os que a nossa RAM real deixaria! Isso é muito bom! Ponto negativo: Quando a virtual é necessária, seu uso torna o micro muito mais lento! Claro, porque estou deixando de ler na RAM para ler no HD! E então? O que faço para o micro não perder desempenho? Simples: COMPRE MAIS MEMÓRIA RAM REAL!!! Vá na loja agorinha mesmo e compre mais um pente de memória RAM! Isso aumenta a RAM do seu computador e faz com que o uso da virtual seja minimizado! Por isso aquela frase: “Quanto mais RAM, mais velocidade”.. Ela não está de todo certa, porque o certo é: “Quanto MENOS RAM, mais uso da VIRTUAL, e, consequentemente, MAIS LENTIDÃO”. As duas frases acima são iguais!!! Não! Chega um ponto em que comprar mais RAM não vai trazer diferença porque se tem tanta que a Virtual não chega a ser muito usada. Então não se pode dizer que se AUMENTOU A RAM, AUMENTOU A VELOCIDADE!!! (Isso não está CORRETO).. Exemplo: Se você tem 512MB de RAM e usa apenas Windows, Word e Excel, sua RAM já é mais que suficiente... Não haveria ganho nenhum, nesse caso, em comprar 1024MB de RAM... (haveria gasto de dinheiro!). OK até aqui!?!? Só pra finalizar: Não é a quantidade grande de RAM que faz o micro ficar rápido, é sua quantidade pouca que faz o micro ficar lento, porque isso
  42. 42. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 15 geraria a necessidade do uso da Virtual... Muita memória RAM é bom porque não é POUCA!!! O Barramento de Endereços e a Memória RAM Eu escrevi um parágrafo lá na página anterior (início) em azul e negrito (falando do fato de que a memória RAM atual pode chegar a 4GB de tamanho – de acordo com o barramento de endereços)... Segue a explicação. Vejam só: o barramento de endereços transmite sinais binários que representam os endereços das posições que serão acessadas na memória... vimos isso hoje! Só que os endereços que vimos foram 3000, 3010, 2012... mas esses endereços são, na verdade, binários! Tipo: 01101001010010 ou 01111111100101 ou 11111111111111... e assim vai. Por que isso? Porque o barramento é formado pro vários fios, e cada fio pode transmitir um sinal elétrico (bit). Se o barramento fosse formado por 2 fios? Aí os fios poderiam mostrar 4 combinações diferentes (ou seja, apontar para 4 endereços diferentes)... 00 : fio1 0 e fio2 0 01 : fio1 0 e fio2 1 10 : fio1 1 e fio2 0 11 : fio1 1 e fio2 1 Ou seja, o número de combinações possíveis é calculado por equações de combinações simples (análise combinatória)... Cada fio pode assumir apenas dois valores? Então é a BASE (2). No caso são dois fios (o número de fios – ou largura do barramento – vai para o expoente: 2 também)... Por isso deram 4 combinações! 22 =4... E se o barramento de endereços tivesse 3 bits de largura (3 fios)? 000 001 010 011 100 101 110 111 Entendido? Seriam 23 =8 combinações diferentes! Certo, mas o que isso tem a ver com a quantidade de memória? Calma stressadinho, eu chego lá! Se o barramento de endereços transmite endereços de memória, então, a quantidade de combinações diferentes representa a quantidade de endereços eu se podem acessar! Simples: Cada combinação (010 ou 011) é um endereço! Se são 8 combinações, eu posso acessar 8 endereços diferentes! (êta memória pequena!).
  43. 43. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 16 Então é simples: quanto maior for o barramento de endereços, mais combinações serão possíveis, logo, mais endereços poderão ser acessados e, isso significa que a memória poderá ser maior. Não entendi porque a memória pode ser maior... É fácil! Seu estacionamento (com manobrista) entrega um cartão com um número aos clientes do shopping. Só que o cartão que você oferece tem 4 algarismos! Veja só: 4 algarismos, onde cada algarismo vai de 0 a 9... Se são 4 algarismos, os cartões vão de 0000 a 9999 (totalizando 104 cartões ou 10.000 cartões). Com o atual sistema de registro (Cartões com 4 algarismos), seu estacionamento pode representar a entrada de 10.000 carros, não mais que isso... Se o shopping aumentar e o número de vagas no estacionamento estiver planejado para chegar a 30.000, seu sistema de classificação e registro dos carros impedirá isso! Portanto, o que fazer? COLOCA MAIS UM ALGARISMO NO CARTAO! Isso!!! Aumenta a “Largura” do cartão: ele vai ter CINCO algarismos e vai agora de 00000 a 99999 (105 possibilidades, ou seja, 100.000 carros poderão ser registrados). O estacionamento, mesmo com 30.000 vagas, pode crescer até 100.000 que o sistema de registro dos automóveis será satisfatório. É isso aí: como o barramento de endereços é quem transmite os endereços, sua largura define o número de algarismos binários do endereço. Se o barramento de endereços for 16 bits, a memória para que ele aponta terá 216 posições diferentes, no máximo, ou seja, 65.536 posições de memória no máximo! Como hoje em dia, a maioria dos nossos computadores (mais precisamente, placas mãe e processadores) utilizam barramentos de endereços de 32 bits, a memória que eles gerenciam pode chegar a ter 232 posições diferentes de memória que o sistema conseguirá apontar para todas elas! 2 elevado a 32 dá mais de 4 bilhões! Note... Isso não é a capacidade da memória, e sim o número de vagas que ela pode ter! Então é correto dizer que, nas memórias RAM atuais, pode-se chegar a ter até 4 bilhões de posições diferentes! Agora sim: como cada posição é um espaço para armazenar um byte (tomando como exemplo: cada vaga no estacionamento é local para UM VEÍCULO), então as 4 bilhões de posições resultam em 4 bilhões x 1 Byte = 4 bilhões de bytes! 4 bilhões de bytes = 4GB! Portanto, depois de uma baita prolixidade, foi provado que, hoje, nos nossos computadores, o fato de terem barramento de endereços de 32 bits de largura limita o tamanho da memória RAM para 4GB! Há, porém, computadores com larguras maiores de barramento de endereços, como alguns Xeon e Itanium, Opteron também... Alguns possuem barramentos de endereços com 36 bits, que lhes confere a capacidade de ter até 64GB de memória RAM! Alguma dúvida? Para lembrar: A largura do barramento de endereços define o tamanho máximo de memória principal que um micro pode ter! A Memória Cache Nem só de memória principal vive o micro! (ou melhor, ele até viveria)...
  44. 44. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 17 Existe, além da RAM principal, uma pequena quantidade de memória RAM estática nos nossos computadores. Essa memória é muito rápida (SRAM, né?) e fica localizada dentro do processador (dentro do chip mesmo, já é fabricada junto!). Seu nome é Memória Cache (cachê é a pronuncia certa, pois vem do francês e significa “escondida”, mas todo mundo pronuncia como “cash”). Essa memória é engraçada! Ela não é vista pelo programador nem pelo sistema operacional (escondida mesmo). Ou seja, aquele programa que vimos no exemplo da RAM ele não cita endereços da Cache, nem poderia! Para o programador (pessoa que faz o programa) e para o sistema operacional (programa que controla a execução dos outros programas), a cache não existe! Ou, pelo menos, não tem importância, não é acessível. Quem controla o que entra e o que sai da cache é a própria CPU, não os programas nem o sistema operacional! A cache serve para armazenar os dados e instruções que foram mais frequentemente trazidos da memória principal. Ou seja, se um dado está sendo requisitado na RAM, ele é armazenado na cache para que, quando for requisitado novamente, não precise ser buscado na RAM, que é mais longe e menos rápida. A CPU sempre pergunta primeiro se a cache tem um dado antes de jogar a requisição de LEIA para a RAM. Então a execução daquele programa lá em cima (aquele com os desenhos e setinhas coloridas) seria modificada se considerarmos a presença da cache... Alguns processadores têm uma espécie de “premonição”, pois conseguem trazer para a cache dados e instruções que ainda não foram utilizados, de acordo com a estrutura do programa que está sendo executado. Os dois quadrados citados acima como L1 e L2 são a cache. A memória cache hoje é composta por dois níveis separados de cache: a cache primária (L1) e a cache secundária (L2) que estão presentes em todos os processadores atuais. Alguns processadores possuem um terceiro nível (L3), como o Xeon, o Itanium e o Opteron.
  45. 45. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 18 A regra é clara! Quando a CPU quer um dado, pergunta se a L1 tem: Se sim, ótimo, se não tem, pergunta à L2 se ela tem o dado: Se sim, ótimo, a CPU pega o dado, se a L2 não tem o dado, a CPU tem que se resignar e ir buscar na RAM (quando não há L3)... Por que a Cache é sempre requisitada? Isso não atrasa as coisas? Não! A pergunta é devolvida: Se alguém te pede carona e mora justamente no caminho que você faz para casa... CUSTA DAR A CARONA??? VAI TE ATRASAR? DEIXA DE SER CHATO! A Cache é muito mais rápida que a RAM, e, “fica no caminho”. A CPU nem gasta direito tempo (um ou dois ciclos de clock) para perguntar algo à Cache, enquanto que espera muito (às vezes uns 10 ciclos) para perguntar à RAM. Então, não custa nada perguntar antes à cache, com a possibilidade de sair ganhando (se o dado estiver na cache, a busca terminou em 2 ciclos!). A cache L1 é mais próxima da CPU e mais rápida! Possui uma capacidade muito pequena se comparada à L2... hoje em dia, há processadores com 32KB de L1 (o que já é muito para esse tipo de cache). A cache L1 já é fabricada dentro dos processadores! A cache L2 veio somar-se a sua amiga L1, também sendo fabricada dentro dos processadores. A L2 é maior (hoje, há processadores com 1MB de L2 – como é o caso do Pentium 4 mais recente). É comum, porém, encontrar processadores com 512KB de L2 (metade de 1MB). A L3 é rara! Só em processadores TOP de TOP de TOP de linha! No itanium 2, por exemplo, a cache L3 chega a 9MB!!! A quantidade de Cache é importante para determinar o desempenho do computador, pois, quanto mais cache existe, mais dados são considerados freqüentes, e isso fará o processador responder mais rápido, buscando mais dados na cache e não precisando buscar na RAM! Há dois termos ligados à cache: Cache MISS (ou Cache FAULT) quando um dado procurado não está no cache e a CPU se vê obrigada a procurá-lo da RAM. E Cache HIT, quando um dado é procurado no Cache e está lá! Atualmente os processadores têm uma taxa de Cache HIT superior a 90% (em parte, graças à “premonição” de que falei). Bem, pessoal, acho que é isso... na próxima aula eu trarei algumas explicações que faltam a respeito de memórias (registradores e tal e memórias auxiliares), mas acho que já chegamos a um ponto bom de conhecimento sobre as principais memórias do computador! Só quero que vcs respondam as perguntas a seguir! Até o fórum e até a próxima aula! Questões para Fixação 1) Quais as taxas de transferência de dados para os seguintes barramentos (dadas a freqüência e a largura): a. 8 MHz / 16 bits
  46. 46. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA PROFESOR JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 19 b. 33 MHz / 32 bits c. 66 MHz / 32 bits d. 266 MHz / 64 bits e. 800 MHz / 64 bits 2) Determine a freqüência real das seguintes memórias: a. DDR333 b. DDR400 c. PC-2100 d. PC-133 3) Defina, com suas palavras (procure na Internet, se quiser): a. Barramento de Controle b. Cache Miss c. Program Counter (Contador de Programa) d. Registrador de Instruções 4) Quantas posições teria uma memória principal se o barramento de dados do processador tivesse 40 bits? 5) E se o barramento de endereços tivesse 44 bits? Mesma pergunta acima... Que Deus os abençoe a todos! Obrigado pela confiança! João Antonio
  47. 47. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA – PROF. JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 1 AULA 03 – A PLACA MÃE E SEUS COMPONENTES Olá, povão! Tudo OK?! Pessoal, notei que houve menos perguntas no fórum esta semana... por quê?? É pelo feriadão ou porque a aula de memória explicou o que ficou pendente nas aulas anteriores? Espero que a resposta seja a segunda! Hoje, nossa aula tratará da placa-mãe e de seus componentes básicos e de alguns componentes que são encaixados nela. Mas antes, claro, as respostas para as questões apresentadas na aula anterior. 1) Quais as taxas de transferência de dados para os seguintes barramentos (dadas a freqüência e a largura): a. 8 MHz / 16 bits 16 MB/s b. 33 MHz / 32 bits 132 MB/s c. 66 MHz / 32 bits 264 MB/s d. 266 MHz / 64 bits 2128 MB/s 2,1 GB/s e. 800 MHz / 64 bits 6400 MB/s 6,4 GB/s 2) Determine a freqüência real das seguintes memórias: f. DDR333 166 MHz (a DDR tem sempre memória real metade da anunciada) g. DDR400 200 MHz h. PC-2100 DDR266 133 MHz i. PC-133 133 MHz 3) Defina, com suas palavras (procure na Internet, se quiser): j. Barramento de Controle: é o barramento de sistema responsável por transportar os sinais que a Unidade de Controle da CPU envia para os demais componentes. Por esse barramento, também, alguns outros componentes mandam sinais, como os dispositivos e entrada e as memórias auxiliares. k. Cache Miss: é o momento em que a CPU vai buscar um dado na memória Cache e não o encontra, forçando-a a buscar o dado na memória principal. l. Program Counter (Contador de Programa): É um registrador, dentro da CPU, que armazena o endereço da próxima instrução a ser buscada na memória principal. (enquanto uma instrução é executada, a CPU já está de olho na próxima, cujo endereço se encontra nesse registrador). m. Registrador de Instruções: Registrador que armazena a instrução que está sendo executada pela CPU. 4) Quantas posições teria uma memória principal se o barramento de dados do processador tivesse 40 bits? A largura do barramento de dados não influencia no tamanho máximo da
  48. 48. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA – PROF. JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 2 memória principal, é a largura do barramento de endereços que o faz! 5) E se o barramento de endereços tivesse 44 bits? Mesma pergunta acima... 244 posições de memória, o equivalente a 17.592.186.044.416 posições de memória, e, se cada posição de memória armazenar um byte (o que é o normal), a memória principal teria 16 Terabytes (esse número grande acima, quando dividido por 1024, depois por 1024, depois por 1024 e depois por 1024 de novo dá 16). Agora vamos ao nosso assunto de hoje: A placa-mãe e seus componentes! Todos os dispositivos que vimos desde a aula 0 (zero), como o processador, a RAM, o HD e os demais componentes são encaixados numa placa de circuitos grande e importante: a placa mãe. A placa mãe é a placa de circuitos mais importante do computador, sendo ela, como eu costumo chamar, “o estacionamento” para todos os outros dispositivos. Há, basicamente, três coisas em uma placa mãe que devemos estudar: - Encaixes (slots, sockets, portas); - Barramentos - Chipset E há outros dois objetos, cujos conceitos devemos conhecer e que também estão localizados na placa mãe: - BIOS - CMOS
  49. 49. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA – PROF. JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 3 Os demais componentes do computador que nós vimos (Como RAM, processador, HD, etc.) não fazem parte da placa-mãe, mas são encaixados nela! Apenas os componentes citados na lista acima são componentes DA PLACA-MÃE. Em primeiro lugar, a placa-mãe é muito mais importante que o que muita gente pensa! Tem gente que acha que comprar um processador rápido é suficiente para ter um micro rápido. Ou ainda: gastar rios de dinheiro com o processador e a RAM e economizar na placa-mãe é uma idéia boa? Não! A placa-mãe é algo prioritário para o desempenho de um computador também! Deve-se dar a devida importância a ela! Algumas placas-mãe têm preços convidativos e desempenhos terríveis... cabe a você, comprador, escolher a melhor para suas necessidades. O que há em uma placa-mãe? O Chipset A parte mais importante da placa mãe é um conjunto de chips (circuitos) que controla todo o funcionamento da placa-mãe, recebendo o titulo de “cérebro” da placa-mãe. Esse conjunto de chips é chamado de CHIPSET (que significa conjunto de chips memo). O chipset é a parte mais importante da placa-mãe, sendo o principal responsável pelo preço de pelos recursos dela! Quando se diz que uma placa-mãe suporta essa ou aquela tecnologia, a “culpa” é do chipset... Ou seja, se a placa-mãe é boa, é porque o chipset é bom. Se a placa-mãe é fraca, é porque o chipset não tem muitos recursos ou velocidade! O chipset não é um chip só, mas vários (normalmente dois são mais importantes). Os chips mais importantes do chipset são a ponte norte e a ponte sul (north bridge e south bridge respectivamente). Esses chips são bem visíveis na placa-mãe. Por que o nome “Ponte”? Porque o chipset é, na verdade, uma central de transferência. Os dados não FICAM no chipset, eles PASSAM pelo chipset. O chipset é como aquelas enormes estações rodoviárias, e os dados são os ônibus que chegam e saem em todo momento. Vejam os dois chips (o maior é a ponte norte): Veja o chipset (ponte norte, apenas) em uma placa mãe:
  50. 50. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA – PROF. JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 4 Por que existem as duas pontes? Porque uma delas (a norte) é a responsável por realizar a comunicação com os componentes mais rápidos do computador, como a CPU, a RAM, a PLACA DE VÍDEO AGP e a ponte sul acumula para si a comunicação do restante do computador (como HDs, teclado, mouse, etc).. Quer dizer que TUDO passa pelo CHIPSET? Sim! As transferências de informações entre quaisquer componentes do computador são realizadas pelo chipset. Quer entender isso? Os três barramentos de sistema que vimos (dados, endereços e controle) são, especialmente, no CHIPSET. Quer dizer: o Chipset é formado, entre outras coisas, pelos três barramentos que, como vimos, interligam todos os componentes do computador. É bom lembrar que: Os três barramentos de sistema foram criados como uma espécie de teoria, pois, na época em que eles foram propostos (década de 1940), não havia tecnologia para construí-los. Hoje, eles existem, mas são construídos dentro de uma série de circuitos eletrônicos, o CHIPSET DA PLACA-MÃE! Para entender a importância do CHIPSET, veja o esquema a seguir:
  51. 51. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA – PROF. JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 5 Note que não há comunicação entre quaisquer dois componentes do computador sem que se passe pelo chipset. Até quando a CPU vai conversar com a memória principal (RAM), é necessário passar pelo chipset. Os dois quadrados grandes azuis no meio são o chipset. As linhas cinzas são os barramentos (não aqueles três que vimos, mas os barramentos com nomes comerciais), chamados de barramentos de expansão. Os demais são encaixes ou equipamentos descritos. É claro que esse diagrama pertence a um modelo de placa-mãe, porque outros modelos podem apresentar algumas diferenças, mas todas as placas-mãe utilizam o chipset (pelo menos, até hoje). Agora é a vez dos encaixes da placa-mãe Encaixes: são os locais onde os demais componentes serão ligados à placa-mãe. Esses encaixes recebem vários nomes: slots (fendas, encaixes finos como rachaduras), sockets (encaixes largos, com vários buraquinhos como peneiras) e portas (os encaixes externos, que estarão expostos na parte traseira do micro). As diferenças dos nomes desses encaixes, realmente, eu não vi sendo exigidas em provas, como se realmente não fosse muito importante saber isso... o pessoal costuma
  52. 52. CURSOS ON-LINE – INFORMÁTICA – PROF. JOÃO ANTONIO www.pontodosconcursos.com.br 6 mais chamar de SLOT mesmo... Veja a foto de um slot AGP e do socket do processador: Slot AGP Socket para o processador. Então, sockets e slots são encaixes (locais para encaixar equipamentos que não fazem parte da placa-mãe), como foi visto... ok? Mas para que eles servem? Quero dizer: por que encaixar os equipamentos? Só pra tê-los em pé na placa-mãe? Na verdade, os encaixes são os “portões de entrada” para permitir que os equipamentos encaixados se comuniquem com a CPU. Essa comunicação acontece

×