Experimento 5 Relações estequiométricas

1.555 visualizações

Publicada em

relatorio estequiometria

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.555
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Experimento 5 Relações estequiométricas

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: QUÍMICA PRÁTICA EXPERIMENTO 5 Aluno: Mônica Suelen, Jainy Cordeiro, Laura Castro, Silvanildo Macário Professor(a): Andréa Ferraz Turma: 1° Período de Engenharia Mecânica Data: 15 de Junho de 2014
  2. 2. ROTEIRO DE PRÁTICA 5: RELAÇÕES ESTEQUIOMÉTRCAS INTRODUÇÃO O princípio fundamental da estequiometria é a lei da conservação de massa, na qual afirma que a massa total de uma substância presente ao final de uma reação química é a mesma massa total do início da reação. Daí, surgiu a frase de que “Na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”. Ou seja, os átomos não são criados nem destruídos durante qualquer reação química. Assim, o mesmo conjunto de átomos está presente tanto antes quanto depois da reação. As mudanças que ocorrem durante uma reação química é simplesmente um arranjo de átomos. As reações entre dois solutos que dão origem a um produto insolúvel são chamadas reações de precipitação. Ela ocorre quando certos pares de íons de cargas contrárias se atraem tão fortemente que formam um sólido iônico insolúvel. OBS.: Informações sobre os compostos: - Álcool etílico: Líquido inflamável; - Nitrato de chumbo: oxidante; se exposto ao fogo produz óxidos tóxidos de nitrogênio , e, se em contato com combustíveis, pode causar fogo. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Reação de precipitação: 2KI(aq) + Pb(NO3)2(aq)  2KNO3(aq) + PbI2(s) Cálculo da massa: - Para o Iodeto de Potássio 2n (KI)-----------------1n (PbI2) 332 g/mol-------------461 g/mol x------------------------2g  x = 1,44 g (KI) - Para o Nitrato de Chumbo 1n (Pb(NO3)2)--------1n (PbI2) 331 g/mol-------------461 g/mol y------------------------2g  y= 1,44 g (Pb(NO3)2) Kps do PbI2 = 1.4 x 10-8 1- Pesa-se a quantidade calculada de Pb(NO3)2 , posteriormente , de KI (em um béquer para cada composto); 2- Dissolve-se os sólidos, se preciso, aquecer as soluções para aumentar a solubilidade;
  3. 3. 3- Quanto as dissoluções estiverem prontas, adiciona-se uma solução na outra; 4- Pesa-se o papel de filtro e anota a sua massa, dobra-o de maneira sanfonado e coloca-o no funil simples para filtração; 5- Filtra-se a mistura com o auxílio de um pisseta, para remover impurezas nas paredes do béquer; 6- Lava-se o precipitado com álcool etílico afim de ajudar na solubilização do sal e secagem do precipitado 7- Transfere-se o papel de filtro com o solido para uma placa de petri e coloca-a na estufa; 8- Após a secagem determina a massa do papel + precipitado; 9- Descarta o papel em um local apropriado 10- Faz-se os cálculos do rendimento. RESSULTADOS O iodeto de chumbo II é um composto praticamente insolúvel em água e precipita-se na forma de um sólido amarelo. Em um processo químico a rendimento teórico nunca é 100% pois ao longo do procedimento vai havendo perdas tanto de reagente como de produtos, fazendo com que o resultado final seja diferente do esperado. - Cálculo do rendimento: R(%) = 100 x (massa obtida/massa teórica)

×