SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Contra Reforma Companhia de Jesus  Brasão da  Companhia de Jesus . e
A Contra-Reforma, também denominada Reforma Católica é nome dado ao movimento criado no seio da Igreja Católica em resposta à Reforma Protestante iniciada com Lutero, a partir de 1517. Em 1543, a Igreja convocou o Concílio de Trento estabelecendo entre outras medidas, a retomada do Tribunal do Santo Ofício (Inquisição), a criação do "Index Librorum Prohibitorum", com uma relação de livros proibidos pela igreja e o incentivo à catequese dos povos do Novo Mundo, com a criação de novas ordens religiosas dedicadas a essa empreitada. Outras medidas incluíram a reafirmação da autoridade papal, a manutenção do celibato, a criação do catecismo e seminários e a proibição das indulgências. A partir da Contra-Reforma surgiram novas ordens religiosas, como a Companhia de Jesus, fundada por Ignácio de Loyola em 1534. Os jesuítas organizaram-se em moldes quase militares e fortaleceram a posição da Igreja dentro dos países europeus que permaneciam católicos. Criaram escolas, onde eram educados os filhos das famílias nobres; foram confessores e educadores de várias famílias reais; fundaram colégios e missões para difundir a doutrina católica nas Américas e na Ásia.
Companhia de Jesus
Santo Inácio de Loyola Quadro de autor desconhecido, Escola Portuguesa, Séc. XVII – XVIII, existente na Capela do Centro Universitário P. António Vieira, Lisboa No dia 15 de Agosto de 1534, Inácio de Loyola, estudante da Universidade de Paris, juntamente com seis companheiros vindos de Espanha, Portugal e França (Francisco Xavier, Nicolau de Bobadilla, Diogo Laínez, Afonso Salmerón, Simão Rodrigues e Pedro Fabro, o único que era sacerdote), fizeram voto de pobreza, de castidade e de dedicação à causa da Igreja Católica.
Inácio nasceu em 1491 em Loyola, Espanha, proveniente de uma família nobre, ferido numa perna, durante uma batalha em Pamplona, durante a cura monótona e dolorosa, dedicou-se a ler as Vidas de Cristo e dos Santos. No decorrer dessa leitura, verificou que, ao relembrar o seu passado baseado em projectos de cavaleiro, sentia uma felicidade passageira. Por outro lado, quando pensava em imitar os santos e suas realizações, sentia um contentamento pleno.  Em 1522, restabelecido, Inácio resolveu mudar de vida. Como um cavaleiro medieval, numa capela dedicada a Nossa Senhora, fez a sua vigília de armas, depositando sobre o altar a sua espada como símbolo da consagração da sua vida nova. Em seguida, trocou as suas roupas de nobre com as de um mendigo e transformou-se em peregrino. Decidido a imitar Jesus Cristo, peregrinou até Jerusalém. Voltou à Europa, resolveu estudar para melhor exercer o seu apostolado. Fez o Mestrado em Filosofia e Teologia, na Sorbonne, em Paris (França).  Durante os anos de estudo, outros companheiros juntaram-se a Inácio, entusiasmados com o seu projecto de vida. Mais tarde, fundaram a Companhia de Jesus, que foi aprovada pelo Papa Paulo III, em 1540. A experiência religiosa de Inácio foi anotada vindo mais tarde a tomar forma de ensinamento nos  Exercícios Espirituais. Santo Inácio de Loyola
O processo de formação da Companhia de Jesus segue as directrizes canónicas das Ordens Religiosas, acrescido de algumas peculiaridades introduzidas no tempo de Santo Inácio e aprovadas pelo Papa.  Quando já formados, os jesuítas pertencem a uma das duas classes distintas: a dos  padres  e a dos  irmãos , com igual dever e os mesmos direitos no que se refere à vida religiosa e comunitária. Os  Padres  exercem o ministério sacerdotal e eles são preparados dentro das exigências da Igreja, com a Faculdade de Filosofia e Teologia. Os  Irmãos  exercem na Companhia de Jesus uma missão muito específica. Não se destinam ao Sacerdócio, mas através de sua formação religiosa, intelectual e profissional dão suporte e apoio à infra-estrutura e organização das comunidades, como leigos consagrados pelos mesmos votos e obrigações dos seus companheiros sacerdotes, numa mesma missão e vivência comunitária. Independente da classe a que pertence, cada jesuíta, ao terminar o Noviciado faz seus votos particulares de  pobreza ,  castidade  e  obediência , definitivos e perpétuos, que após a  Terceira Provação  são emitidos de forma oficial, pública e solene.  Formação da Companhia de Jesus
A Companhia de Jesus foi aprovada pelo Papa Paulo III em 27 de Setembro de 1540.  Os primeiros jesuítas chegaram ao território brasileiro em Março de 1549 juntamente com o primeiro governador-geral, Tomé de Souza. Eram comandados pelo padre Manuel da Nóbrega, e edificaram a primeira escola elementar brasileira, em Salvador, tendo como mestre o Irmão Vicente Rodrigues, que tinha apenas 21 anos. O Irmão Vicente tornou-se o primeiro professor nos moldes europeus e durante mais de 50 anos dedicou-se ao ensino e a propagação da fé religiosa. O mais conhecido e talvez o mais actuante foi o padre José de Anchieta que se tornou mestre-escola do Colégio de Piratininga; foi missionário em São Vicente, onde escreveu na areia os "Poemas à Virgem Maria" (De beata virgine Dei matre Maria), missionário em Piratininga, Rio de Janeiro e Espírito Santo; Provincial da Companhia de Jesus de 1579 a 1586 e reitor do Colégio do Espírito Santo. Além disso foi autor da Arte de gramática da língua mais usada na costa do Brasil. Acção dos Jesuítas no Brasil
No Brasil os jesuítas dedicaram-se à pregação da fé católica e ao trabalho educativo. Perceberam que não seria possível converter os índios à fé católica sem que soubessem ler e escrever. De Salvador a obra jesuítica estendeu-se para o sul e em 1570 já era composta por cinco escolas de instrução elementar: Porto Seguro, Ilhéus, São Vicente, Espírito Santo e São Paulo de Piratininga, e três colégios: Rio de Janeiro, Pernambuco e Bahia.  Os jesuítas não se limitaram ao ensino das primeiras letras; além do curso elementar eles mantinham os cursos de Letras e Filosofia, considerados secundários, e o curso de Teologia e Ciências Sagradas, de nível superior, para formação de sacerdotes. No curso de Letras estudava-se Gramática Latina, Humanidades e Retórica; e no curso de Filosofia estudava-se Lógica, Metafísica, Moral, Matemática e Ciências Físicas e Naturais. Os que pretendiam seguir as profissões liberais vinham estudar para a Europa, na Universidade de Coimbra, a mais famosa no campo das ciências jurídicas e teológicas, e na Universidade de Montpellier, na França, a mais procurada na área da medicina. O Colégio dos Jesuítas foi à única instituição formal de ensino nos primeiros 250 anos da história do Brasil
Com o descobrimento do Brasil os índios ficaram à mercê dos interesses alienígenas: as cidades desejavam integrá-los ao processo colonizador; os jesuítas desejavam convertê-los ao cristianismo e aos valores europeus; os colonos estavam interessados em usá-los como escravos. Os jesuítas então pensaram em afastar os índios dos interesses dos colonizadores e criaram as missões no interior do território. Nestas Missões, os índios, além de passarem pelo processo de catequização, também eram orientados nos trabalhos agrícolas, que garantiam aos jesuítas uma das suas fontes de renda. As Missões acabaram por transformar os índios nómadas em sedentários, o que contribuiu decisivamente para facilitar a captura deles pelos colonos, que conseguiam, às vezes, capturar tribos inteiras nestas Missões.  Os jesuítas permaneceram como mentores da educação brasileira durante duzentos e dez anos, até 1759, quando foram expulsos de todas as colónias portuguesas por decisão de Sebastião José de Carvalho e Melo, o marquês de Pombal, primeiro-ministro de Portugal de 1750 a 1777. No momento da expulsão os jesuítas tinham 25 residências, 36 missões e 17 colégios e seminários, além de seminários menores e escolas de primeiras letras instaladas em todas as cidades onde havia casas da Companhia de Jesus.
Um dos objectivos da formação cristã presente em todas as instituições jesuítas é não apenas ajudar jovens e adultos a praticar individualmente a sua fé, mas torná-los cada vez mais conscientes das exigências da sua vocação cristã que é essencialmente apostólica e missionária.  Todo o cristão, qualquer que seja o seu estado de vida ou profissão, é chamado a construir o Reino de Deus, a difundir os valores evangélicos mediante as suas palavras e, sobretudo, mediante o seu testemunho de vida, no tempo e no lugar em que vive.  Os Jesuítas e os Leigos
A educação Jesuíta Os jesuítas são famosos desde os primeiros tempos de fundação da ordem pela proposta pedagógica – Ratio Studiorum – no contexto da metodologia das principais universidades europeias no séc. XVI e XVII: Coimbra, Salamanca, Madrid e Paris.  A Ratio surgiu com a necessidade de unificar o procedimento pedagógico dos jesuítas diante da explosão do número de colégios confiados à Companhia, ainda no tempo de Santo Inácio, para a formação das elites nobres e expansão missionária.  A supressão da Companhia no séc. XVIII veio travar o processo dinâmico da sua evolução.  Com a restauração no séc. XIX, retornam os jesuítas ao campo educacional com a mesma metodologia que foi sucesso no passado. Voltam novamente os colégios, e reestruturam-se as universidades em todo o mundo.  Na gestão do Padre Geral, Pedro Arrupe, diante das incertezas das directrizes frente aos desafios da evangelização da classe burguesa, essa proposta é refeita e actualizada, ganhando uma nova dimensão e alcance para o final do milénio e as novas descobertas pedagógicas.
Etapas da formação de um Jesuíta Noviciado  – 2 anos (iniciação na vida religiosa e comunitária).  Juniorado  – 1 ou 2 anos (estudos e formação humanístico-cultural-religiosa).  Curso de Filosofia  – 3 anos (formação filosófica seminarística e oficial).  Estágio (Magistério)  – 1 ou mais anos (experiência ou estudos especiais).  Teologia  – 4 anos, com ordenação entre o 3. ° e o 4.° Ano (formação sacerdotal).  Terceira Provação  – um semestre  – curso conclusivo de formação (depois da ordenação ou, no caso dos Irmãos, após 15 anos de Companhia).
Trabalho proposto pela docente Sandra Alves, no âmbito da disciplina de História e  elaborado pelos alunos Daniel Almeida, Sandra Ferreira, Sónia Roxo e Henrique Oliveira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestanteLutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestanteErberson Pinheiro
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxcattonia
 
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreformaLuteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreformaGuilherme Cardozo
 
A reforma católica
A reforma católicaA reforma católica
A reforma católicaCAvancar
 
Geografia- Região Agrária dos Açores
Geografia- Região Agrária dos AçoresGeografia- Região Agrária dos Açores
Geografia- Região Agrária dos AçoresOleksandr Kovalchuk
 
Estilo manuelino
Estilo manuelinoEstilo manuelino
Estilo manuelinoberenvaz
 
Carta de foral
Carta de foralCarta de foral
Carta de foralLaboreiro
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogueVítor Santos
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismocattonia
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestantejosepinho
 
Santo inacio de loyola, fundador de os jesuitas
Santo inacio de loyola, fundador de os jesuitasSanto inacio de loyola, fundador de os jesuitas
Santo inacio de loyola, fundador de os jesuitasMartin M Flynn
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorDanilo Pires
 
Renascimento em Portugal
Renascimento em PortugalRenascimento em Portugal
Renascimento em PortugalCarlos Vieira
 
A expansao Portuguesa
A expansao PortuguesaA expansao Portuguesa
A expansao Portuguesasandrabranco
 
Produção agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoProdução agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoDavide Ferreira
 
Invasoes barbaras
Invasoes barbarasInvasoes barbaras
Invasoes barbarascattonia
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugalcattonia
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoMariana Couto
 

Mais procurados (20)

Lutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestanteLutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestante
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreformaLuteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
 
A reforma católica
A reforma católicaA reforma católica
A reforma católica
 
Geografia- Região Agrária dos Açores
Geografia- Região Agrária dos AçoresGeografia- Região Agrária dos Açores
Geografia- Região Agrária dos Açores
 
Estilo manuelino
Estilo manuelinoEstilo manuelino
Estilo manuelino
 
Os Romanos Em Portugal
Os Romanos Em PortugalOs Romanos Em Portugal
Os Romanos Em Portugal
 
Carta de foral
Carta de foralCarta de foral
Carta de foral
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Santo inacio de loyola, fundador de os jesuitas
Santo inacio de loyola, fundador de os jesuitasSanto inacio de loyola, fundador de os jesuitas
Santo inacio de loyola, fundador de os jesuitas
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
 
Renascimento em Portugal
Renascimento em PortugalRenascimento em Portugal
Renascimento em Portugal
 
A expansao Portuguesa
A expansao PortuguesaA expansao Portuguesa
A expansao Portuguesa
 
Produção agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoProdução agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- Alentejo
 
Invasoes barbaras
Invasoes barbarasInvasoes barbaras
Invasoes barbaras
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
 
padre antónio vieira
padre antónio vieirapadre antónio vieira
padre antónio vieira
 

Destaque

Jesuitas e a educação - História da educação
Jesuitas e a educação - História da educação Jesuitas e a educação - História da educação
Jesuitas e a educação - História da educação Cristiene Stephanie
 
Características do ensino jesuítico no Brasil Colônia
Características do ensino jesuítico no Brasil ColôniaCaracterísticas do ensino jesuítico no Brasil Colônia
Características do ensino jesuítico no Brasil ColôniaPhrancisco Domiciano
 
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRioHistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRioNila Michele Bastos Santos
 
História da educação resumo
História da educação resumoHistória da educação resumo
História da educação resumozildamisseno
 
Brasil Colonial, Imperial E Republicano
Brasil Colonial, Imperial E RepublicanoBrasil Colonial, Imperial E Republicano
Brasil Colonial, Imperial E RepublicanoWellington Oliveira
 
As missões jesuíticas
As missões jesuíticasAs missões jesuíticas
As missões jesuíticaslyslley
 
Slides iaraeandri
Slides iaraeandriSlides iaraeandri
Slides iaraeandriiaraandri
 
Missão dos jesuítas
Missão dos jesuítasMissão dos jesuítas
Missão dos jesuítasLuis Fleury
 
6 Renascimento e Reforma
6  Renascimento e  Reforma6  Renascimento e  Reforma
6 Renascimento e ReformaRobson Santos
 
A educação no inicio dos tempos modernos
A educação no inicio dos tempos modernosA educação no inicio dos tempos modernos
A educação no inicio dos tempos modernosKaires Braga
 
Reforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaReforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaFatima Freitas
 
A educação jesuítica no brasil
A educação jesuítica no brasilA educação jesuítica no brasil
A educação jesuítica no brasilJane Terra
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reformavr1a2011
 

Destaque (20)

Jesuítas e a educação
Jesuítas e a educaçãoJesuítas e a educação
Jesuítas e a educação
 
Jesuitas e a educação - História da educação
Jesuitas e a educação - História da educação Jesuitas e a educação - História da educação
Jesuitas e a educação - História da educação
 
Características do ensino jesuítico no Brasil Colônia
Características do ensino jesuítico no Brasil ColôniaCaracterísticas do ensino jesuítico no Brasil Colônia
Características do ensino jesuítico no Brasil Colônia
 
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRioHistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
 
História da educação no Brasil
História da educação no BrasilHistória da educação no Brasil
História da educação no Brasil
 
Período Pombalino (1750 - 1777)
Período Pombalino (1750 - 1777)Período Pombalino (1750 - 1777)
Período Pombalino (1750 - 1777)
 
História da educação resumo
História da educação resumoHistória da educação resumo
História da educação resumo
 
Brasil Colonial, Imperial E Republicano
Brasil Colonial, Imperial E RepublicanoBrasil Colonial, Imperial E Republicano
Brasil Colonial, Imperial E Republicano
 
As missões jesuíticas
As missões jesuíticasAs missões jesuíticas
As missões jesuíticas
 
Slides iaraeandri
Slides iaraeandriSlides iaraeandri
Slides iaraeandri
 
Missão dos jesuítas
Missão dos jesuítasMissão dos jesuítas
Missão dos jesuítas
 
A educação no período colonial (1500 1822)
A educação no período colonial (1500 1822)A educação no período colonial (1500 1822)
A educação no período colonial (1500 1822)
 
6 Renascimento e Reforma
6  Renascimento e  Reforma6  Renascimento e  Reforma
6 Renascimento e Reforma
 
Brasil Colônia I
Brasil Colônia IBrasil Colônia I
Brasil Colônia I
 
A educação no inicio dos tempos modernos
A educação no inicio dos tempos modernosA educação no inicio dos tempos modernos
A educação no inicio dos tempos modernos
 
Reforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaReforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reforma
 
A educação jesuítica no brasil
A educação jesuítica no brasilA educação jesuítica no brasil
A educação jesuítica no brasil
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
 
Slide história da pedagogia
Slide   história da pedagogiaSlide   história da pedagogia
Slide história da pedagogia
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 

Semelhante a Companhia De Jesus

2 abordagem histórica do ensino religioso no brasil
2 abordagem histórica do ensino religioso no brasil2 abordagem histórica do ensino religioso no brasil
2 abordagem histórica do ensino religioso no brasilKlicia Souza
 
via-sacra-sao-josemaria-escriva-pdf
via-sacra-sao-josemaria-escriva-pdfvia-sacra-sao-josemaria-escriva-pdf
via-sacra-sao-josemaria-escriva-pdfMariGiopato
 
Sebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSandra Vale
 
Sebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSandra Vale
 
A missão evangelizadora
A missão evangelizadoraA missão evangelizadora
A missão evangelizadoraDulce Gomes
 
Sebenta espiritualidade parte vii
Sebenta espiritualidade parte viiSebenta espiritualidade parte vii
Sebenta espiritualidade parte viiSandra Vale
 
Fundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educação
Fundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educaçãoFundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educação
Fundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educaçãoKáttia Gonçalves
 
FUNDAMENTOS POLÍTICOS E HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO
FUNDAMENTOS POLÍTICOS E HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃOFUNDAMENTOS POLÍTICOS E HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO
FUNDAMENTOS POLÍTICOS E HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃOSUPORTE EDUCACIONAL
 
EDUCAÇÃO MODERNA E CONTEPORANEA
EDUCAÇÃO MODERNA E CONTEPORANEAEDUCAÇÃO MODERNA E CONTEPORANEA
EDUCAÇÃO MODERNA E CONTEPORANEASUPORTE EDUCACIONAL
 
Texto 1 educação moderna e contemporânea - a educação no início dos tempos...
Texto 1  educação moderna e  contemporânea  - a educação no início dos tempos...Texto 1  educação moderna e  contemporânea  - a educação no início dos tempos...
Texto 1 educação moderna e contemporânea - a educação no início dos tempos...SUPORTE EDUCACIONAL
 
Texto 1 educação moderna e contemporânea - a educação no início dos tempos...
Texto 1  educação moderna e  contemporânea  - a educação no início dos tempos...Texto 1  educação moderna e  contemporânea  - a educação no início dos tempos...
Texto 1 educação moderna e contemporânea - a educação no início dos tempos...SUPORTE EDUCACIONAL
 
Um passo ..
Um passo ..Um passo ..
Um passo ..rgmeco
 
Padre manuel da nóbrega/ Dicas para o Enem
Padre manuel da nóbrega/ Dicas para o EnemPadre manuel da nóbrega/ Dicas para o Enem
Padre manuel da nóbrega/ Dicas para o EnemJoemille Leal
 
A vida do fundador s.joão batista de la salle
A vida do fundador s.joão batista de la salleA vida do fundador s.joão batista de la salle
A vida do fundador s.joão batista de la salleAndré Santos
 
História da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
História da Igreja II: Aula 6: Reformas CatólicasHistória da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
História da Igreja II: Aula 6: Reformas CatólicasAndre Nascimento
 

Semelhante a Companhia De Jesus (20)

A Companhia de Jesus
A Companhia de JesusA Companhia de Jesus
A Companhia de Jesus
 
2 abordagem histórica do ensino religioso no brasil
2 abordagem histórica do ensino religioso no brasil2 abordagem histórica do ensino religioso no brasil
2 abordagem histórica do ensino religioso no brasil
 
via-sacra-sao-josemaria-escriva-pdf
via-sacra-sao-josemaria-escriva-pdfvia-sacra-sao-josemaria-escriva-pdf
via-sacra-sao-josemaria-escriva-pdf
 
Sebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte vi
 
Sebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte vi
 
A missão evangelizadora
A missão evangelizadoraA missão evangelizadora
A missão evangelizadora
 
Jesuítas e a educação
Jesuítas e a educaçãoJesuítas e a educação
Jesuítas e a educação
 
Sebenta espiritualidade parte vii
Sebenta espiritualidade parte viiSebenta espiritualidade parte vii
Sebenta espiritualidade parte vii
 
Fundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educação
Fundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educaçãoFundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educação
Fundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educação
 
A historia da catequese
A historia da catequeseA historia da catequese
A historia da catequese
 
FUNDAMENTOS POLÍTICOS E HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO
FUNDAMENTOS POLÍTICOS E HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃOFUNDAMENTOS POLÍTICOS E HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO
FUNDAMENTOS POLÍTICOS E HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO
 
EDUCAÇÃO MODERNA E CONTEPORANEA
EDUCAÇÃO MODERNA E CONTEPORANEAEDUCAÇÃO MODERNA E CONTEPORANEA
EDUCAÇÃO MODERNA E CONTEPORANEA
 
Texto 1 educação moderna e contemporânea - a educação no início dos tempos...
Texto 1  educação moderna e  contemporânea  - a educação no início dos tempos...Texto 1  educação moderna e  contemporânea  - a educação no início dos tempos...
Texto 1 educação moderna e contemporânea - a educação no início dos tempos...
 
Educação na idade média
Educação na idade médiaEducação na idade média
Educação na idade média
 
Texto 1 educação moderna e contemporânea - a educação no início dos tempos...
Texto 1  educação moderna e  contemporânea  - a educação no início dos tempos...Texto 1  educação moderna e  contemporânea  - a educação no início dos tempos...
Texto 1 educação moderna e contemporânea - a educação no início dos tempos...
 
Um passo ..
Um passo ..Um passo ..
Um passo ..
 
Padre manuel da nóbrega/ Dicas para o Enem
Padre manuel da nóbrega/ Dicas para o EnemPadre manuel da nóbrega/ Dicas para o Enem
Padre manuel da nóbrega/ Dicas para o Enem
 
A vida do fundador s.joão batista de la salle
A vida do fundador s.joão batista de la salleA vida do fundador s.joão batista de la salle
A vida do fundador s.joão batista de la salle
 
História da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
História da Igreja II: Aula 6: Reformas CatólicasHistória da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
História da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
 
A história da educação no brasi1
A história da educação no brasi1A história da educação no brasi1
A história da educação no brasi1
 

Mais de Sandra Alves

Bd ciclo agua_inag
Bd ciclo agua_inagBd ciclo agua_inag
Bd ciclo agua_inagSandra Alves
 
Seca adultos poupar_agua
Seca adultos poupar_aguaSeca adultos poupar_agua
Seca adultos poupar_aguaSandra Alves
 
Plantar árvores para curar a terra
Plantar árvores para curar a terraPlantar árvores para curar a terra
Plantar árvores para curar a terraSandra Alves
 
Jornal 3º período
Jornal 3º períodoJornal 3º período
Jornal 3º períodoSandra Alves
 
3 ¦ desafio- biblioteca
3 ¦ desafio- biblioteca3 ¦ desafio- biblioteca
3 ¦ desafio- bibliotecaSandra Alves
 
Jornal 2º período
Jornal 2º períodoJornal 2º período
Jornal 2º períodoSandra Alves
 
Desafio kate perry_solucoes
Desafio kate perry_solucoesDesafio kate perry_solucoes
Desafio kate perry_solucoesSandra Alves
 
Desafio semana da floresta
Desafio semana da  floresta Desafio semana da  floresta
Desafio semana da floresta Sandra Alves
 
O dia internacional da mulher desafio be
O dia internacional da mulher   desafio beO dia internacional da mulher   desafio be
O dia internacional da mulher desafio beSandra Alves
 
Manual do utilizador
Manual do utilizadorManual do utilizador
Manual do utilizadorSandra Alves
 
Regulamento interno da biblioteca escolar
Regulamento interno da biblioteca escolarRegulamento interno da biblioteca escolar
Regulamento interno da biblioteca escolarSandra Alves
 
Pesquisa na internet
Pesquisa na internetPesquisa na internet
Pesquisa na internetSandra Alves
 
O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher   O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher Sandra Alves
 
O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher  O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher Sandra Alves
 

Mais de Sandra Alves (20)

Agenda escolar
Agenda escolarAgenda escolar
Agenda escolar
 
Bd ciclo agua_inag
Bd ciclo agua_inagBd ciclo agua_inag
Bd ciclo agua_inag
 
Seca adultos poupar_agua
Seca adultos poupar_aguaSeca adultos poupar_agua
Seca adultos poupar_agua
 
Seca poupar agua
Seca poupar aguaSeca poupar agua
Seca poupar agua
 
Plano de acção
Plano de acçãoPlano de acção
Plano de acção
 
Plantar árvores para curar a terra
Plantar árvores para curar a terraPlantar árvores para curar a terra
Plantar árvores para curar a terra
 
Jornal 3º período
Jornal 3º períodoJornal 3º período
Jornal 3º período
 
f livro 2011
 f  livro 2011 f  livro 2011
f livro 2011
 
1 de maio
1 de maio1 de maio
1 de maio
 
3 ¦ desafio- biblioteca
3 ¦ desafio- biblioteca3 ¦ desafio- biblioteca
3 ¦ desafio- biblioteca
 
Desafio primavera
Desafio primaveraDesafio primavera
Desafio primavera
 
Jornal 2º período
Jornal 2º períodoJornal 2º período
Jornal 2º período
 
Desafio kate perry_solucoes
Desafio kate perry_solucoesDesafio kate perry_solucoes
Desafio kate perry_solucoes
 
Desafio semana da floresta
Desafio semana da  floresta Desafio semana da  floresta
Desafio semana da floresta
 
O dia internacional da mulher desafio be
O dia internacional da mulher   desafio beO dia internacional da mulher   desafio be
O dia internacional da mulher desafio be
 
Manual do utilizador
Manual do utilizadorManual do utilizador
Manual do utilizador
 
Regulamento interno da biblioteca escolar
Regulamento interno da biblioteca escolarRegulamento interno da biblioteca escolar
Regulamento interno da biblioteca escolar
 
Pesquisa na internet
Pesquisa na internetPesquisa na internet
Pesquisa na internet
 
O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher   O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher
 
O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher  O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher
 

Último

9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 199ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19PIB Penha
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .natzarimdonorte
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadofreivalentimpesente
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusTaoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusVini Master
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).natzarimdonorte
 
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............Nelson Pereira
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequeseanamdp2004
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfnatzarimdonorte
 
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaSérie: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaDenisRocha28
 

Último (12)

9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 199ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significado
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusTaoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
 
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina EspíritaMediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
 
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaSérie: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
 

Companhia De Jesus

  • 1. Contra Reforma Companhia de Jesus Brasão da Companhia de Jesus . e
  • 2. A Contra-Reforma, também denominada Reforma Católica é nome dado ao movimento criado no seio da Igreja Católica em resposta à Reforma Protestante iniciada com Lutero, a partir de 1517. Em 1543, a Igreja convocou o Concílio de Trento estabelecendo entre outras medidas, a retomada do Tribunal do Santo Ofício (Inquisição), a criação do "Index Librorum Prohibitorum", com uma relação de livros proibidos pela igreja e o incentivo à catequese dos povos do Novo Mundo, com a criação de novas ordens religiosas dedicadas a essa empreitada. Outras medidas incluíram a reafirmação da autoridade papal, a manutenção do celibato, a criação do catecismo e seminários e a proibição das indulgências. A partir da Contra-Reforma surgiram novas ordens religiosas, como a Companhia de Jesus, fundada por Ignácio de Loyola em 1534. Os jesuítas organizaram-se em moldes quase militares e fortaleceram a posição da Igreja dentro dos países europeus que permaneciam católicos. Criaram escolas, onde eram educados os filhos das famílias nobres; foram confessores e educadores de várias famílias reais; fundaram colégios e missões para difundir a doutrina católica nas Américas e na Ásia.
  • 4. Santo Inácio de Loyola Quadro de autor desconhecido, Escola Portuguesa, Séc. XVII – XVIII, existente na Capela do Centro Universitário P. António Vieira, Lisboa No dia 15 de Agosto de 1534, Inácio de Loyola, estudante da Universidade de Paris, juntamente com seis companheiros vindos de Espanha, Portugal e França (Francisco Xavier, Nicolau de Bobadilla, Diogo Laínez, Afonso Salmerón, Simão Rodrigues e Pedro Fabro, o único que era sacerdote), fizeram voto de pobreza, de castidade e de dedicação à causa da Igreja Católica.
  • 5. Inácio nasceu em 1491 em Loyola, Espanha, proveniente de uma família nobre, ferido numa perna, durante uma batalha em Pamplona, durante a cura monótona e dolorosa, dedicou-se a ler as Vidas de Cristo e dos Santos. No decorrer dessa leitura, verificou que, ao relembrar o seu passado baseado em projectos de cavaleiro, sentia uma felicidade passageira. Por outro lado, quando pensava em imitar os santos e suas realizações, sentia um contentamento pleno. Em 1522, restabelecido, Inácio resolveu mudar de vida. Como um cavaleiro medieval, numa capela dedicada a Nossa Senhora, fez a sua vigília de armas, depositando sobre o altar a sua espada como símbolo da consagração da sua vida nova. Em seguida, trocou as suas roupas de nobre com as de um mendigo e transformou-se em peregrino. Decidido a imitar Jesus Cristo, peregrinou até Jerusalém. Voltou à Europa, resolveu estudar para melhor exercer o seu apostolado. Fez o Mestrado em Filosofia e Teologia, na Sorbonne, em Paris (França). Durante os anos de estudo, outros companheiros juntaram-se a Inácio, entusiasmados com o seu projecto de vida. Mais tarde, fundaram a Companhia de Jesus, que foi aprovada pelo Papa Paulo III, em 1540. A experiência religiosa de Inácio foi anotada vindo mais tarde a tomar forma de ensinamento nos Exercícios Espirituais. Santo Inácio de Loyola
  • 6. O processo de formação da Companhia de Jesus segue as directrizes canónicas das Ordens Religiosas, acrescido de algumas peculiaridades introduzidas no tempo de Santo Inácio e aprovadas pelo Papa. Quando já formados, os jesuítas pertencem a uma das duas classes distintas: a dos padres e a dos irmãos , com igual dever e os mesmos direitos no que se refere à vida religiosa e comunitária. Os Padres exercem o ministério sacerdotal e eles são preparados dentro das exigências da Igreja, com a Faculdade de Filosofia e Teologia. Os Irmãos exercem na Companhia de Jesus uma missão muito específica. Não se destinam ao Sacerdócio, mas através de sua formação religiosa, intelectual e profissional dão suporte e apoio à infra-estrutura e organização das comunidades, como leigos consagrados pelos mesmos votos e obrigações dos seus companheiros sacerdotes, numa mesma missão e vivência comunitária. Independente da classe a que pertence, cada jesuíta, ao terminar o Noviciado faz seus votos particulares de pobreza , castidade e obediência , definitivos e perpétuos, que após a Terceira Provação são emitidos de forma oficial, pública e solene. Formação da Companhia de Jesus
  • 7. A Companhia de Jesus foi aprovada pelo Papa Paulo III em 27 de Setembro de 1540. Os primeiros jesuítas chegaram ao território brasileiro em Março de 1549 juntamente com o primeiro governador-geral, Tomé de Souza. Eram comandados pelo padre Manuel da Nóbrega, e edificaram a primeira escola elementar brasileira, em Salvador, tendo como mestre o Irmão Vicente Rodrigues, que tinha apenas 21 anos. O Irmão Vicente tornou-se o primeiro professor nos moldes europeus e durante mais de 50 anos dedicou-se ao ensino e a propagação da fé religiosa. O mais conhecido e talvez o mais actuante foi o padre José de Anchieta que se tornou mestre-escola do Colégio de Piratininga; foi missionário em São Vicente, onde escreveu na areia os "Poemas à Virgem Maria" (De beata virgine Dei matre Maria), missionário em Piratininga, Rio de Janeiro e Espírito Santo; Provincial da Companhia de Jesus de 1579 a 1586 e reitor do Colégio do Espírito Santo. Além disso foi autor da Arte de gramática da língua mais usada na costa do Brasil. Acção dos Jesuítas no Brasil
  • 8. No Brasil os jesuítas dedicaram-se à pregação da fé católica e ao trabalho educativo. Perceberam que não seria possível converter os índios à fé católica sem que soubessem ler e escrever. De Salvador a obra jesuítica estendeu-se para o sul e em 1570 já era composta por cinco escolas de instrução elementar: Porto Seguro, Ilhéus, São Vicente, Espírito Santo e São Paulo de Piratininga, e três colégios: Rio de Janeiro, Pernambuco e Bahia. Os jesuítas não se limitaram ao ensino das primeiras letras; além do curso elementar eles mantinham os cursos de Letras e Filosofia, considerados secundários, e o curso de Teologia e Ciências Sagradas, de nível superior, para formação de sacerdotes. No curso de Letras estudava-se Gramática Latina, Humanidades e Retórica; e no curso de Filosofia estudava-se Lógica, Metafísica, Moral, Matemática e Ciências Físicas e Naturais. Os que pretendiam seguir as profissões liberais vinham estudar para a Europa, na Universidade de Coimbra, a mais famosa no campo das ciências jurídicas e teológicas, e na Universidade de Montpellier, na França, a mais procurada na área da medicina. O Colégio dos Jesuítas foi à única instituição formal de ensino nos primeiros 250 anos da história do Brasil
  • 9. Com o descobrimento do Brasil os índios ficaram à mercê dos interesses alienígenas: as cidades desejavam integrá-los ao processo colonizador; os jesuítas desejavam convertê-los ao cristianismo e aos valores europeus; os colonos estavam interessados em usá-los como escravos. Os jesuítas então pensaram em afastar os índios dos interesses dos colonizadores e criaram as missões no interior do território. Nestas Missões, os índios, além de passarem pelo processo de catequização, também eram orientados nos trabalhos agrícolas, que garantiam aos jesuítas uma das suas fontes de renda. As Missões acabaram por transformar os índios nómadas em sedentários, o que contribuiu decisivamente para facilitar a captura deles pelos colonos, que conseguiam, às vezes, capturar tribos inteiras nestas Missões. Os jesuítas permaneceram como mentores da educação brasileira durante duzentos e dez anos, até 1759, quando foram expulsos de todas as colónias portuguesas por decisão de Sebastião José de Carvalho e Melo, o marquês de Pombal, primeiro-ministro de Portugal de 1750 a 1777. No momento da expulsão os jesuítas tinham 25 residências, 36 missões e 17 colégios e seminários, além de seminários menores e escolas de primeiras letras instaladas em todas as cidades onde havia casas da Companhia de Jesus.
  • 10. Um dos objectivos da formação cristã presente em todas as instituições jesuítas é não apenas ajudar jovens e adultos a praticar individualmente a sua fé, mas torná-los cada vez mais conscientes das exigências da sua vocação cristã que é essencialmente apostólica e missionária. Todo o cristão, qualquer que seja o seu estado de vida ou profissão, é chamado a construir o Reino de Deus, a difundir os valores evangélicos mediante as suas palavras e, sobretudo, mediante o seu testemunho de vida, no tempo e no lugar em que vive. Os Jesuítas e os Leigos
  • 11. A educação Jesuíta Os jesuítas são famosos desde os primeiros tempos de fundação da ordem pela proposta pedagógica – Ratio Studiorum – no contexto da metodologia das principais universidades europeias no séc. XVI e XVII: Coimbra, Salamanca, Madrid e Paris. A Ratio surgiu com a necessidade de unificar o procedimento pedagógico dos jesuítas diante da explosão do número de colégios confiados à Companhia, ainda no tempo de Santo Inácio, para a formação das elites nobres e expansão missionária. A supressão da Companhia no séc. XVIII veio travar o processo dinâmico da sua evolução. Com a restauração no séc. XIX, retornam os jesuítas ao campo educacional com a mesma metodologia que foi sucesso no passado. Voltam novamente os colégios, e reestruturam-se as universidades em todo o mundo. Na gestão do Padre Geral, Pedro Arrupe, diante das incertezas das directrizes frente aos desafios da evangelização da classe burguesa, essa proposta é refeita e actualizada, ganhando uma nova dimensão e alcance para o final do milénio e as novas descobertas pedagógicas.
  • 12. Etapas da formação de um Jesuíta Noviciado – 2 anos (iniciação na vida religiosa e comunitária). Juniorado – 1 ou 2 anos (estudos e formação humanístico-cultural-religiosa). Curso de Filosofia – 3 anos (formação filosófica seminarística e oficial). Estágio (Magistério) – 1 ou mais anos (experiência ou estudos especiais). Teologia – 4 anos, com ordenação entre o 3. ° e o 4.° Ano (formação sacerdotal). Terceira Provação – um semestre  – curso conclusivo de formação (depois da ordenação ou, no caso dos Irmãos, após 15 anos de Companhia).
  • 13. Trabalho proposto pela docente Sandra Alves, no âmbito da disciplina de História e elaborado pelos alunos Daniel Almeida, Sandra Ferreira, Sónia Roxo e Henrique Oliveira