SlideShare uma empresa Scribd logo

Crise do Papado

Aula do curso de História da Igreja I da Faculdade Teológica Batista de Brasília.

1 de 30
Baixar para ler offline
A CRISE DO PAPADO
História da Igreja I
O Auge do Papado - Século XIII
 Gregório IX (1227-1241):
  • Era sobrinho de Inocêncio III e tinha sido
    cardeal com o nome de Hugolino.
  • Protetor dos Franciscanos e das mulheres
    religiosas.
  • Criador do Tribunal de Inquisição → 1231.
  • A ordem de que os bispos deveriam inquirir
    sobre a heresia vinha de 1215.
  • Os cátaros foram um dos seus alvos
    preferenciais nos primeiros tempos.
O Auge do Papado - Século XIII
 Gregório IX (1227-1241):
  • Gregório proporcionou a base jurídica para o
    Tribunal → foi extinta em 1832.
  • O novo modelo substitui os tribunais episcopais.
  • 1244 → tortura é método legítimo de obter a
    confissão.
  • Os franciscanos retardam seus estabelecimento
    na Itália.
  • Não havia a necessidade de confronto entre
    denunciante e acusado.
  • A Igreja condena, o poder secular pune.
O Início da Crise
• A segunda metade do século XIII, foi marcada
  por uma rápida sucessão de papas, 13 entre
  1252-1296.
• Para se ter uma idéia, entre 1216 (*morte de
  Inocêncio III*) e 1252 foram somente 4: Honório
  III, Gregório IX, Celestino IV e Inocêncio IV.
• Verdade, que o papado teve relativa autonomia
  e força entre 1254-1273, mas isso se deve
  muito mais aos conflitos entre os grandes
  senhores alemães pela coroa imperial.
O Início da Crise
• Foram os próprios papas – Gregório X – que
  tiveram que intervir para levar Rodolfo de
  Habsburgo ao trono imperial.
• Os Habsburgo a partir de então serão fiéis à
  Igreja Católica.
• Gegório X (1271-1276) foi o mais competente
  dos papas do final do século XIII → tentou
  controlar os partidos dentro da cúria, convocou
  o Concílio de Lião e estabeleceu que o conclave
  seria à portas fechadas, com redução de rações
  e que duraria 10 dias.
O Início da Crise
• Gregório tentou negociar com a igreja oriental →
  fragilizados, os gregos aceitaram o Filioque e o
  purgatório → reconheceram, também, a
  supremacia papal.
• O clero bizantino resistiu mesmo sob pressão do
  imperador → posteriormente, as exigências dos
  sucessores de Gregório comprometeram o
  acordo.
• Durante o pontificado de Nicolau III (1277-1280),
  o imperador Habsburgo concedeu total
  autonomia aos estados papais.

Recomendados

Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna Adriano Pascoa
 
Cisma do ocidente
Cisma do ocidenteCisma do ocidente
Cisma do ocidenteDiego Silva
 
História da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteHistória da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteGlauco Gonçalves
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAdriano Pascoa
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismofaculdadeteologica
 
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAdriano Pascoa
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja ImperialAdriano Pascoa
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e HeresiasAdventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e HeresiasLuan Almeida
 
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e HeresiasCatolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e HeresiasLuan Almeida
 
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de MilãoHistória da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de MilãoGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - #2
História da Igreja - #2História da Igreja - #2
História da Igreja - #2Respirando Deus
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaAlberto Simonton
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristãFilipe
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1Moisés Sampaio
 
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5   Quinto Período - A Reforma ProtestanteAula 5   Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5 Quinto Período - A Reforma ProtestanteAdriano Pascoa
 
História da Igreja - O Cisma do Ocidente
História da Igreja - O Cisma do OcidenteHistória da Igreja - O Cisma do Ocidente
História da Igreja - O Cisma do OcidenteGlauco Gonçalves
 
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.RODRIGO FERREIRA
 
História da Igreja - Visão geral
História da Igreja - Visão geralHistória da Igreja - Visão geral
História da Igreja - Visão geralGlauco Gonçalves
 
Los Concilios Ecuménicos
Los Concilios EcuménicosLos Concilios Ecuménicos
Los Concilios EcuménicosManuel Duron
 
História da Igreja II: Aula 2: A Reforma de Lutero
História da Igreja II: Aula 2: A Reforma de LuteroHistória da Igreja II: Aula 2: A Reforma de Lutero
História da Igreja II: Aula 2: A Reforma de LuteroAndre Nascimento
 
Movimento Pentecostal - Seitas e Heresias
Movimento Pentecostal - Seitas e HeresiasMovimento Pentecostal - Seitas e Heresias
Movimento Pentecostal - Seitas e HeresiasLuan Almeida
 
Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas marquione ban
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristãFilipe
 
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e HeresiasMormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e HeresiasLuan Almeida
 

Mais procurados (20)

Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e HeresiasAdventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
 
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e HeresiasCatolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
 
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de MilãoHistória da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
 
História da Igreja - #2
História da Igreja - #2História da Igreja - #2
História da Igreja - #2
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
 
História da Igreja #6
História da Igreja #6História da Igreja #6
História da Igreja #6
 
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5   Quinto Período - A Reforma ProtestanteAula 5   Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
 
História da Igreja - O Cisma do Ocidente
História da Igreja - O Cisma do OcidenteHistória da Igreja - O Cisma do Ocidente
História da Igreja - O Cisma do Ocidente
 
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
 
História da Igreja - Visão geral
História da Igreja - Visão geralHistória da Igreja - Visão geral
História da Igreja - Visão geral
 
Los Concilios Ecuménicos
Los Concilios EcuménicosLos Concilios Ecuménicos
Los Concilios Ecuménicos
 
As Cartas de Paulo
As Cartas de PauloAs Cartas de Paulo
As Cartas de Paulo
 
História da Igreja II: Aula 2: A Reforma de Lutero
História da Igreja II: Aula 2: A Reforma de LuteroHistória da Igreja II: Aula 2: A Reforma de Lutero
História da Igreja II: Aula 2: A Reforma de Lutero
 
Movimento Pentecostal - Seitas e Heresias
Movimento Pentecostal - Seitas e HeresiasMovimento Pentecostal - Seitas e Heresias
Movimento Pentecostal - Seitas e Heresias
 
Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e HeresiasMormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
 

Destaque

Os Papas Do Seculo Xx
Os Papas Do Seculo XxOs Papas Do Seculo Xx
Os Papas Do Seculo XxJNR
 
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIIIHistória da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIIIGlauco Gonçalves
 
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)Laguat
 
História da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade MédiaHistória da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade MédiaGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - Visão Geral da Modernidade
História da Igreja - Visão Geral da ModernidadeHistória da Igreja - Visão Geral da Modernidade
História da Igreja - Visão Geral da ModernidadeGlauco Gonçalves
 
Igreja católica apostólica romana
Igreja católica apostólica romanaIgreja católica apostólica romana
Igreja católica apostólica romanaMateus Lima
 

Destaque (12)

JOANA D'ARC, Médium
JOANA D'ARC, MédiumJOANA D'ARC, Médium
JOANA D'ARC, Médium
 
Os Papas Do Seculo Xx
Os Papas Do Seculo XxOs Papas Do Seculo Xx
Os Papas Do Seculo Xx
 
O Primado de São Pedro
O Primado de São PedroO Primado de São Pedro
O Primado de São Pedro
 
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIIIHistória da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
 
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
 
História da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade MédiaHistória da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade Média
 
A Crise Religiosa
A Crise ReligiosaA Crise Religiosa
A Crise Religiosa
 
História da Igreja - Visão Geral da Modernidade
História da Igreja - Visão Geral da ModernidadeHistória da Igreja - Visão Geral da Modernidade
História da Igreja - Visão Geral da Modernidade
 
O catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católicaO catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católica
 
Igreja medieval
Igreja medievalIgreja medieval
Igreja medieval
 
Igreja Católica na Idade Média
Igreja Católica na Idade MédiaIgreja Católica na Idade Média
Igreja Católica na Idade Média
 
Igreja católica apostólica romana
Igreja católica apostólica romanaIgreja católica apostólica romana
Igreja católica apostólica romana
 

Semelhante a Crise do Papado

Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Valéria Shoujofan
 
História da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papal
História da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papalHistória da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papal
História da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papalAndre Nascimento
 
O grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidenteO grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidenteJoão Couto
 
Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)
Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)
Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)Marcos Mamute
 
Reformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVIReformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVIValéria Shoujofan
 
A igreja medieval
A igreja medievalA igreja medieval
A igreja medievalnany1523
 
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)Andre Nascimento
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIinessalgado
 
Reforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosaReforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosaGrazi Oliveira
 
A cultura medieval
A cultura medievalA cultura medieval
A cultura medievalcattonia
 
Cisma do Ocidente
Cisma do OcidenteCisma do Ocidente
Cisma do OcidenteLaguat
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade médiaClara Mendes
 
158 a reforma e contrareforma o poder da igreja
158 a reforma e contrareforma o poder da igreja158 a reforma e contrareforma o poder da igreja
158 a reforma e contrareforma o poder da igrejacristianoperinpissolato
 
Tratado de História Eclesiástica (Padre Rivaux) - Volume 2
Tratado de História Eclesiástica (Padre Rivaux) - Volume 2Tratado de História Eclesiástica (Padre Rivaux) - Volume 2
Tratado de História Eclesiástica (Padre Rivaux) - Volume 2epinus
 

Semelhante a Crise do Papado (20)

A crise do papado
A crise do papadoA crise do papado
A crise do papado
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
 
História da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papal
História da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papalHistória da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papal
História da Igreja I: Aula 10: O apogeu do poder papal
 
Os antipapas
Os antipapasOs antipapas
Os antipapas
 
O grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidenteO grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidente
 
Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)
Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)
Idade Média parte 1 (Cruzadas, Cultura, Política)
 
Estados Pontifícios
Estados Pontifícios Estados Pontifícios
Estados Pontifícios
 
Reformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVIReformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVI
 
A igreja medieval
A igreja medievalA igreja medieval
A igreja medieval
 
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
História da Igreja I: Aula 9: Império e Cristianismo Latino Teutônico (2/2)
 
Um a historia da maconaria
Um a historia da maconariaUm a historia da maconaria
Um a historia da maconaria
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
 
Reforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosaReforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosa
 
A cultura medieval
A cultura medievalA cultura medieval
A cultura medieval
 
Cisma do Ocidente
Cisma do OcidenteCisma do Ocidente
Cisma do Ocidente
 
2 a igreja medieval
2 a igreja medieval2 a igreja medieval
2 a igreja medieval
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
158 a reforma e contrareforma o poder da igreja
158 a reforma e contrareforma o poder da igreja158 a reforma e contrareforma o poder da igreja
158 a reforma e contrareforma o poder da igreja
 
Tratado de História Eclesiástica (Padre Rivaux) - Volume 2
Tratado de História Eclesiástica (Padre Rivaux) - Volume 2Tratado de História Eclesiástica (Padre Rivaux) - Volume 2
Tratado de História Eclesiástica (Padre Rivaux) - Volume 2
 

Mais de Valéria Shoujofan

Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoValéria Shoujofan
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxValéria Shoujofan
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosValéria Shoujofan
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialValéria Shoujofan
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasValéria Shoujofan
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaValéria Shoujofan
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIValéria Shoujofan
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICAValéria Shoujofan
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Valéria Shoujofan
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoValéria Shoujofan
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasValéria Shoujofan
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoValéria Shoujofan
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIValéria Shoujofan
 
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...Valéria Shoujofan
 

Mais de Valéria Shoujofan (20)

Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
E Machado de Assis virou Mangá: Reflexões sobre a releitura em quadrinhos do ...
 

Último

Cuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdf
Cuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdfCuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdf
Cuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdfsuplementocultural1
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...manoelaarmani
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...azulassessoriaacadem3
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...excellenceeducaciona
 

Último (20)

Cuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdf
Cuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdfCuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdf
Cuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdf
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
 

Crise do Papado

  • 1. A CRISE DO PAPADO História da Igreja I
  • 2. O Auge do Papado - Século XIII  Gregório IX (1227-1241): • Era sobrinho de Inocêncio III e tinha sido cardeal com o nome de Hugolino. • Protetor dos Franciscanos e das mulheres religiosas. • Criador do Tribunal de Inquisição → 1231. • A ordem de que os bispos deveriam inquirir sobre a heresia vinha de 1215. • Os cátaros foram um dos seus alvos preferenciais nos primeiros tempos.
  • 3. O Auge do Papado - Século XIII  Gregório IX (1227-1241): • Gregório proporcionou a base jurídica para o Tribunal → foi extinta em 1832. • O novo modelo substitui os tribunais episcopais. • 1244 → tortura é método legítimo de obter a confissão. • Os franciscanos retardam seus estabelecimento na Itália. • Não havia a necessidade de confronto entre denunciante e acusado. • A Igreja condena, o poder secular pune.
  • 4. O Início da Crise • A segunda metade do século XIII, foi marcada por uma rápida sucessão de papas, 13 entre 1252-1296. • Para se ter uma idéia, entre 1216 (*morte de Inocêncio III*) e 1252 foram somente 4: Honório III, Gregório IX, Celestino IV e Inocêncio IV. • Verdade, que o papado teve relativa autonomia e força entre 1254-1273, mas isso se deve muito mais aos conflitos entre os grandes senhores alemães pela coroa imperial.
  • 5. O Início da Crise • Foram os próprios papas – Gregório X – que tiveram que intervir para levar Rodolfo de Habsburgo ao trono imperial. • Os Habsburgo a partir de então serão fiéis à Igreja Católica. • Gegório X (1271-1276) foi o mais competente dos papas do final do século XIII → tentou controlar os partidos dentro da cúria, convocou o Concílio de Lião e estabeleceu que o conclave seria à portas fechadas, com redução de rações e que duraria 10 dias.
  • 6. O Início da Crise • Gregório tentou negociar com a igreja oriental → fragilizados, os gregos aceitaram o Filioque e o purgatório → reconheceram, também, a supremacia papal. • O clero bizantino resistiu mesmo sob pressão do imperador → posteriormente, as exigências dos sucessores de Gregório comprometeram o acordo. • Durante o pontificado de Nicolau III (1277-1280), o imperador Habsburgo concedeu total autonomia aos estados papais.
  • 7. O Início da Crise • O primeiro papa dominicano foi Inocêncio V, governou poucos dias em 1276, o primeiro franciscano foi Nicolau IV (1288-1292). • A eleição do papa Celestino V foi eleito em 1294 e governou por 6 meses → era eremita, visto como visionário e santo ainda em vida → o Papa Angelicus de algumas profecias → não suportando a pressão, renunciou. • Único caso de renúncia na história do papado, nenhum outro papa tomou o nome “Celestino”.
  • 8. O Início da Crise • O sucessor de Celestino V, Bonifácio VIII, mandou tirar o velho papa de seu retiro espiritual e o colocou na prisão → submetido à condições miseráveis, Celestino morreu aos 90 anos. • Bonifácio VIII é lembrado por suas realizações, mas, também, por sua soberba e incapacidade de impôr sua vontade ao rei da França. • Criou a universidade de Roma, mandou codificar o Direito Canônico, estabeleceu o primeiro Jubileu em 1300.
  • 9. O Início da Crise • Os grandes problemas de Bonifácio VIII começaram quando entrou em conflito com o Rei Felipe IV, o Belo (1285-1314). • O rei queria fazer uma guerra e mandou cobrar impostos semelhantes aos que os papas cobravam para promover uma Cruzada. • O papa proibiu que a Igreja fosse tributada na Bula Clericis Laicos → o rei a ignorou. • Com a bula Ineffabilis amor (1296) → o papa permite as doações voluntárias, mas isso não satisfez o rei.
  • 10. O Cativeiro de Avignon • Em 1302, com a bula Ausculta fili, o papa convocava o rei a respeitar a Igreja → o rei queimou publicamente o documento. • Com a bula Unam Sancta (1303), que declarava a supremacia total do papa → além disso, excomungou o rei. • O pontífice tinha a lei e a tradição ao seu lado, mas o rei tinha a força e a certeza da vitória. • Em 7 de setembro de 1303, um exército francês liderado pelo ministro Nogaret invade os territórios papais.
  • 11. O Cativeiro de Avignon • Bonifácio VIII foi capturado, espancado e morreu no dia 11 de outubro. • A partir desse momento, o rei da França manobra para levar o papado para os seus territórios. • Começa o Cativeiro de Avignon ou Cativeiro Babilônico da Igreja (1309-1376). • Em 1307, Filipe IV conseguiu que a Ordem dos Templários fosse dissolvida → seus bens confiscados, e seus líderes mortos → somente em Portugal a Ordem sobreviveu com o nome de Ordem de Cristo.
  • 12. O Cativeiro de Avignon • Firmemente centrado em Roma → a presença em Avignon debilitava o papado. • Se o poder do papa se afirmou como internacional nos séculos XII e XIII → sua luta era contra outro poder universal → o imperador. • Agora, eram os poderes nacionais emergentes que questionavam os pontífices. • Filipe IV pressionou Clemente V (1305-1314) a condenar Bonifácio VIII em um concílio universal → Viena, 1311.
  • 13. A Maldição dos Templários “Papa Clemente... cavaleiro Guilherme de Nogaret... rei Filipe... dentro do espaço de um ano, vocês estarão diante do tribunal de Deus para receberem o vosso julgamento! ... Malditos! Malditos! Vocês serão malditos até a décima terceira geração de vossa raça!...”
  • 14. AULA 28 – PREVEST HISTÓRIA – 2009 – LIVRO 1 – PROF.ª VALÉRIA Conflito de Poderes Poderes Universais (Papa/Imperador) Poderes Nacionais (Reis) Poderes Locais (Senhores Feudais) 14
  • 15. O Cativeiro de Avignon • Nesse concílio, fez canonizar Celestino V como “confessor”, não “mártir” como queria o rei → condenou e dissolveu a ordem dos templários sob falsas acusações. • A partir daí, o papado esteve nas mãos do rei da França → os da do rei da Inglaterra (*vide Guerra dos Cem Anos*) → todos os papas do período eram de alguma forma franceses. • 112 dos 134 cardeais do período eram franceses → 70% dos funcionários da cúria também eram dessa nacionalidade.
  • 16. O Cativeiro de Avignon • Nesse período, emergiu uma teoria política secularizada → a base dela estava na universidade, na retomada de Aristóteles e do direito romano – logo, indiretamente, a Igreja era co-responsável. • Além da separação entre Igreja e Estado, defendida por alguns → Marcílio de Pádua propunha que a Igreja era um departamento do Estado (Pars sacerdotalis) submetido ao rei, este, sim, delegado do povo.
  • 17. O Cativeiro de Avignon • Um dos papas mais notáveis e controversos de Avignon foi João XXII (1316-1334). • Filho de um sapateiro, estudou medicina, e ascendeu por suas capacidades dentro da carreira eclesiástica → austero e disciplinado, mas convicto da superioridade papal. • Promoveu a reforma financeira e fiscal da igreja → aperfeiçoou a cobrança de anatas e indulgências. • Perseguiu duramente os franciscanos “espirituais”.
  • 18. O Cativeiro de Avignon • João XXII defendia a teoria controversa de que mesmo os santos não verão à Deus antes do Julgamento Final. • Essa doutrina era considerada herética por muitos católicos → a crença na intercessão dos santos já estava firmemente consolidada. • Seu sucessor, Benedito XII, transformou em doutrina a intercessão dos santos com a encíclica Benedictus Deus. • João XXII é um dos papas malditos → muitos consideravam o papa herege.
  • 19. AULA 27 – PREVEST HISTÓRIA – 2009 – LIVRO 1 – PROF.ª VALÉRIA O Cativeiro de Avignon  A crise do século XIV trouxe a necessidade de buscar culpados para as tragédias, como a Peste Negra (1348-1350).  Foram eleitos como os inimigos da Cristandade: 1) O Judeu. 2) O Leproso. 3) A Mulher, a Bruxa. 19
  • 20. As Vítimas da Peste Negra
  • 21. Guerra dos Cem Anos • A Guerra dos Cem Anos (1337-1453): • Conflito entre França e Inglaterra por questões dinásticas, pela posse de feudos e pelo controle da Flandres. • Depois de várias derrotas para os ingleses, os franceses conseguiram reverter a situação. • A camponesa Joana D’Arc é considerada o agente mobilizador do espírito nacional francês. • Terminou queimada na fogueira como bruxa, herege e relapsa.
  • 23. Fim do Papado em Avignon • Notáveis personagens que criticaram os papas ou instaram o retorno do papado para Roma foram:  Marsílio de Pádua (1280-1343) → Cristo e os apóstolos de submeteram às autoridades seculares → soberania do concílio.  Guilherme de Okham (1285-1347) → A Igreja é o conjunto dos fiéis → soberania do concílio.  Brígida da Suécia (1303-1373).  Catarina de Siena (1347-1380) → mística, visionária, escreveu várias cartas direcionadas ao papa instando (ordenando) seu retorno para Roma.
  • 24. Fim do Papado em Avignon • Urbano V (1362-1370) → tentou retornar para Roma → após breve estadia, não conseguiu suportar as pressões políticas e retornou para Avignon. • Gregório XI (1370-1378) → último francês eleito papa, profundamente místico, acreditava que o lugar da sede da Igreja só poderia ser em Roma. • Alguns crêem que as cartas de Catarina de Siena foram fundamentais para o seu retorno. • Seu sucessor, Urbano VI, foi eleito em Nápoles → os cardeais franceses se revoltaram.
  • 25. Fim do Papado em Avignon • As Cartas de Catarina de Siena tiveram papel no retorno do papado para Roma. Ao lado, Gregório XI.
  • 26. Grande Cisma (1378-1417) • Os cardeis franceses voltam para Avignon e elegem Clemente VII → Urbano VI depõe os cardeais franceses e faz eleger novos. • Essa situação sem precedentes é chamada de Grande Cisma → com a concomitância de três papas. • No Concílio de Pisa (1409), Gregório XII e Bento XIII aceitaram desistir de suas reivindicações em favor de um novo pontífice → ambos voltaram atrás e foram depostos → o Concílio elegeu Alexandre V, mas o Cisma Persistiu.
  • 27. Grande Cisma (1378-1417) • Em Roma  Papa Urbano VI (1378 - 1389)  Papa Bonifácio IX (1389 - 1404)  Papa Inocêncio VII (1404 - 1406)  Papa Gregório XII (1406 - 1417) • Em Avignon  Antipapa Clemente VII (1378 - 1394)  Antipapa Benedito XIII (1394 - 1417) • Em Pisa  Antipapa Alexandre V (1409 - 1410)  Antipapa João XXIII (1410 - 1417)
  • 28. Grande Cisma (1378-1417) • Por fim, com a intervenção do Imperador, um Concílio reuniu-se em Constança (1417). • Destituiu todos os papas → Martinho V apontado como papa. • Seguindo as teses de Marsílio de Pádua e Okham decidiu-se que o concílio era a autoridade máxima da Igreja. • Decidiu-se, também, que um concílio deveria se reunir a cada dez anos.
  • 29. Fim do Cisma, mas a Crise Continua • João XXIII (Pisa) e Gregório XII (Roma) renunciaram → aguardou-se a morte do último para fazer coroar Martinho V (1368-1431). • Martinho V trabalhou contra as decisões do concílio → queria ter poder absoluto. • O movimento conciliarista foi combatido por papas posteriores → heresia. • Pio II, em 1460, lança a bula Execrabilis. • Leão X, em 1516, com a bula Pastor Aeternus reafirma a autoridade absoluta do papa sobre a Igreja → este é o papa que enfrentou Lutero.
  • 30. Prof.ª Valéria F ernandes e-mail: shouj ofan@ gmail.com Brasília, 26 de junho de 201 2. É permitido o uso deste material, desde que devidamente creditado.