SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
A Bela e a Fera
A Bela e a Fera é um tradicional conto de fadas
francês.
Originalmente escrito por Gabrielle-Suzanne
Barbot, Dama de Villeneuve, em 1740, tornou-se
mais conhecido em sua versão de 1756, por
Jeanne-Marie LePrince de Beaumont, que
resumiu e modificou a obra de Villeneuve.
Adaptado, filmado e encenado inúmeras vezes, o
conto apresenta diversas versões diferentes do
original que se adaptam a diferentes culturas e
momentos sociais.
O conto "A Bela e a Fera"; relata a
história da filha mais nova de um rico
mercador, que tinha três filhas,
porém, enquanto as filhas mais velhas
gostavam de ostentar luxo, de festas e
lindos vestidos, a mais nova, que
todos chamavam de Bela, era
humilde, gentil, e generosa, gostava
de leitura e tratava bem as pessoas.
Era uma vez um príncipe egoísta que um dia não prestou ajuda a uma velhinha
que a solicitou. Só que esta era uma bruxa e gritou uma maldição:
– Julgas-me indefesa! Pela tua falta de piedade condeno-te a viver a partir de
hoje como uma Besta.
A transformação foi imediata!
O destino da fera ficaria ligado ao de uma rosa encantada, que viveria até que
ele chegasse aos 21 anos. Então os dois morreriam. A menos que alguém o
amasse!
– Mas que mulher gostará de mim assim?
Anos depois, numa aldeia próxima, já tinham esquecido o sucedido.
Ali residia Bela, moça bonita, que gostava muito de ler e que era cortejada por
diversos moços.
Uma noite Maurício, o pai da Bela,
perdeu-se no Bosque e, depois de muito
caminhar, chegou ao castelo da Besta.
Chamou, chamou e, como ninguém
acorresse e a porta estivesse aberta,
entrou e sentou-se junto da lareira, para
se aquecer.
– Invadiste a minha casa, velho! – gritou
a Besta.
– Sou um inventor… suplicou Maurício. –
Juro que não direi a ninguém que o vi…
Deixe-me ir embora…
– Cala-te. – rugiu a Besta.
– És meu prisioneiro!
Dias depois, Bela entrou no castelo, quando andava desesperada em busca do pai.
– Alguém me ouve?
A Besta apareceu e levou-a à cela do pai.
– Velho, vai-te embora, mas se contares a alguém o meu segredo, não verás mais a tua filha!
Noite a dentro, a Besta lembrou-se que deveria conseguir o amor sincero de uma mulher… Mas como?
Com pena de Bela, conduziu-a a um grande e confortável quarto. Deu-lhe de comer e portou-se com a
máxima educação. E ofereceu-lhe um lindo vestido.
No dia seguinte, ao entrar na biblioteca do castelo, ficou espantada. – Nunca vi tantos livros. Já os leu
todos?
– Não, respondeu a Besta.
– Creio que é mais humano do que aparenta, senhor!
Continuando o mostrar-lhe o castelo, entraram na sala aonde se encontrava a rosa mágica.
– Está a morrer! – gritou ela.
– E eu morro com ela! – disse tristemente a Besta.
Entretanto Bela voltou à aldeia, para salvar o pai que, por ser inventor, o
povo achava louco. E no afã de apresentar argumentos falou do castelo e
do seu dono, salientando a bondade deste.
Mas ninguém acreditou nela. E os camponeses armaram-se com
forquilhas e enxadas para matar a Besta.
Bela adiantou-se e, correndo quanto podia, conseguiu chegar primeiro ao
castelo. E avisou o príncipe do perigo que o espreitava.
Mas, já muito farto da vida que levava, ele não quis lutar. Um dos
camponeses feriu-o com um punhal e empurrou-o de uma varanda do
castelo.
– Vou ajudarte! – gritou Bela.
– Não podes morrer!
Correu até ao jardim e beijou a Besta com amor, tentando reanimá-lo.
Milagre, este voltou a ser o príncipe que antes fora.
Mas nunca mais egoísta e cruel.
O castelo encheu-se de vida. E logo depois veio a boda dos dois
enamorados, que viveram felizes para sempre.
O conto nos convoca a pensar a necessidade de em alguns momentos “sentar-se à calçada” e olhar para a “ferida da
perna”. E, por outro lado, permite-nos o sentimento de que não se pode perder o sentido da vida, que está, por exemplo,
no texto literário, nas palavras, nas relações mais saudáveis, e por que não, na utópica ecologia social; não se pode perder
a esperança nos suaves milagres, apesar das “feridas grandes demais”.
CURTA, INSCREVA-SE E COMPARTILHE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos Tânia Alves
 
A princesa e o sapo
A princesa e o sapoA princesa e o sapo
A princesa e o sapoSuzy Santana
 
História infantil- A Amizade
História infantil- A AmizadeHistória infantil- A Amizade
História infantil- A Amizadefprc
 
Histórias infantis e contos power point
Histórias infantis e contos power pointHistórias infantis e contos power point
Histórias infantis e contos power pointdione mompean fernandes
 
O menino recompensado - António Botto
O menino recompensado - António BottoO menino recompensado - António Botto
O menino recompensado - António BottoCarla Maia
 
Corre, corre, cabacinha de alice vieira texto integral
Corre, corre, cabacinha de alice vieira   texto integralCorre, corre, cabacinha de alice vieira   texto integral
Corre, corre, cabacinha de alice vieira texto integralBibliotecadaEscoladaPonte
 
Branca de fome e os sete anões
Branca de fome e os sete anõesBranca de fome e os sete anões
Branca de fome e os sete anõesMarcia Oliveira
 
A história da galinha medrosa
A história da galinha medrosaA história da galinha medrosa
A história da galinha medrosaEster Oliveira
 
A menina do capuchinho vermelho no século xxi luísa ducla soares
A menina do capuchinho vermelho no século xxi   luísa ducla soaresA menina do capuchinho vermelho no século xxi   luísa ducla soares
A menina do capuchinho vermelho no século xxi luísa ducla soaresmarceurama
 
A Bela E O Monstro
A Bela E O MonstroA Bela E O Monstro
A Bela E O Monstrocigm1
 
Alice no país das maravilhas resumo (2)
Alice no país das maravilhas resumo (2)Alice no país das maravilhas resumo (2)
Alice no país das maravilhas resumo (2)1324bia
 
Conto infantil - A princesa e o príncipe
Conto infantil - A princesa e o príncipeConto infantil - A princesa e o príncipe
Conto infantil - A princesa e o príncipeniaramayo
 
Power point a bruxinha que voava numa escova de dentes
Power point  a bruxinha que voava numa escova de dentesPower point  a bruxinha que voava numa escova de dentes
Power point a bruxinha que voava numa escova de dentesTeresa Ramos
 
A Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr LoboA Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr LoboLuzia Couto
 

Mais procurados (20)

Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
 
A princesa e o sapo
A princesa e o sapoA princesa e o sapo
A princesa e o sapo
 
História infantil- A Amizade
História infantil- A AmizadeHistória infantil- A Amizade
História infantil- A Amizade
 
Histórias infantis e contos power point
Histórias infantis e contos power pointHistórias infantis e contos power point
Histórias infantis e contos power point
 
Peixinho arco íris
Peixinho arco írisPeixinho arco íris
Peixinho arco íris
 
O sapo apaixonado
O sapo apaixonado O sapo apaixonado
O sapo apaixonado
 
História com recadinho txt
História com recadinho txtHistória com recadinho txt
História com recadinho txt
 
O menino recompensado - António Botto
O menino recompensado - António BottoO menino recompensado - António Botto
O menino recompensado - António Botto
 
O Principezinho
O PrincipezinhoO Principezinho
O Principezinho
 
Branca de Neve
Branca de NeveBranca de Neve
Branca de Neve
 
Corre, corre, cabacinha de alice vieira texto integral
Corre, corre, cabacinha de alice vieira   texto integralCorre, corre, cabacinha de alice vieira   texto integral
Corre, corre, cabacinha de alice vieira texto integral
 
Branca de fome e os sete anões
Branca de fome e os sete anõesBranca de fome e os sete anões
Branca de fome e os sete anões
 
A história da galinha medrosa
A história da galinha medrosaA história da galinha medrosa
A história da galinha medrosa
 
A menina do capuchinho vermelho no século xxi luísa ducla soares
A menina do capuchinho vermelho no século xxi   luísa ducla soaresA menina do capuchinho vermelho no século xxi   luísa ducla soares
A menina do capuchinho vermelho no século xxi luísa ducla soares
 
A Bela E O Monstro
A Bela E O MonstroA Bela E O Monstro
A Bela E O Monstro
 
Alice no país das maravilhas resumo (2)
Alice no país das maravilhas resumo (2)Alice no país das maravilhas resumo (2)
Alice no país das maravilhas resumo (2)
 
Conto infantil - A princesa e o príncipe
Conto infantil - A princesa e o príncipeConto infantil - A princesa e o príncipe
Conto infantil - A princesa e o príncipe
 
Uma Prenda de Natal
Uma Prenda de NatalUma Prenda de Natal
Uma Prenda de Natal
 
Power point a bruxinha que voava numa escova de dentes
Power point  a bruxinha que voava numa escova de dentesPower point  a bruxinha que voava numa escova de dentes
Power point a bruxinha que voava numa escova de dentes
 
A Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr LoboA Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr Lobo
 

Semelhante a A Bela e a Fera

Artur azevedo a tia aninha
Artur azevedo   a tia aninhaArtur azevedo   a tia aninha
Artur azevedo a tia aninhaTulipa Zoá
 
Branca de neve e os sete anões
Branca de neve e os sete anõesBranca de neve e os sete anões
Branca de neve e os sete anõesFilipa Cunha
 
Mundo fabuloso
Mundo fabulosoMundo fabuloso
Mundo fabulosoCrisBiagio
 
Lendas de-portugal
Lendas de-portugalLendas de-portugal
Lendas de-portugalJWM V.
 
Livro das Histórias Populares
Livro das Histórias PopularesLivro das Histórias Populares
Livro das Histórias PopularesDenilton Santos
 
114836076 interpretacao-de-conto-fita-verde-no-cabelo
114836076 interpretacao-de-conto-fita-verde-no-cabelo114836076 interpretacao-de-conto-fita-verde-no-cabelo
114836076 interpretacao-de-conto-fita-verde-no-cabeloMaiara Siqueira
 
Angélica a marquesa dos anjos 1 - os amores de angélica (ed.nova cultural) ...
Angélica a marquesa dos anjos   1 - os amores de angélica (ed.nova cultural) ...Angélica a marquesa dos anjos   1 - os amores de angélica (ed.nova cultural) ...
Angélica a marquesa dos anjos 1 - os amores de angélica (ed.nova cultural) ...kennyaeduardo
 
Três Contos Populares Portugueses
Três Contos Populares PortuguesesTrês Contos Populares Portugueses
Três Contos Populares PortuguesesRicardo Leonardo
 
Carmilla, karnstein vapyre j. sheridan le fanu
Carmilla, karnstein vapyre  j. sheridan le fanuCarmilla, karnstein vapyre  j. sheridan le fanu
Carmilla, karnstein vapyre j. sheridan le fanulauc10
 
Branca De Neve
Branca De NeveBranca De Neve
Branca De NeveCJM
 

Semelhante a A Bela e a Fera (20)

Seleção de contos
Seleção de contosSeleção de contos
Seleção de contos
 
Contos Infantis: A bela e a fera
Contos Infantis: A bela e a feraContos Infantis: A bela e a fera
Contos Infantis: A bela e a fera
 
Artur azevedo a tia aninha
Artur azevedo   a tia aninhaArtur azevedo   a tia aninha
Artur azevedo a tia aninha
 
Os contos do 5.º E
Os contos  do 5.º EOs contos  do 5.º E
Os contos do 5.º E
 
Os contos
Os  contosOs  contos
Os contos
 
7 ano C
7 ano C7 ano C
7 ano C
 
Branca de neve e os sete anões
Branca de neve e os sete anõesBranca de neve e os sete anões
Branca de neve e os sete anões
 
Contos Tradicionais
Contos TradicionaisContos Tradicionais
Contos Tradicionais
 
Mundo fabuloso
Mundo fabulosoMundo fabuloso
Mundo fabuloso
 
Lendas de Portugal
Lendas de PortugalLendas de Portugal
Lendas de Portugal
 
Lendas de-portugal
Lendas de-portugalLendas de-portugal
Lendas de-portugal
 
Lendas de-portugal
Lendas de-portugalLendas de-portugal
Lendas de-portugal
 
Livro das Histórias Populares
Livro das Histórias PopularesLivro das Histórias Populares
Livro das Histórias Populares
 
Fabulas
FabulasFabulas
Fabulas
 
114836076 interpretacao-de-conto-fita-verde-no-cabelo
114836076 interpretacao-de-conto-fita-verde-no-cabelo114836076 interpretacao-de-conto-fita-verde-no-cabelo
114836076 interpretacao-de-conto-fita-verde-no-cabelo
 
Franz Kafka - O Castelo.pdf
Franz Kafka - O Castelo.pdfFranz Kafka - O Castelo.pdf
Franz Kafka - O Castelo.pdf
 
Angélica a marquesa dos anjos 1 - os amores de angélica (ed.nova cultural) ...
Angélica a marquesa dos anjos   1 - os amores de angélica (ed.nova cultural) ...Angélica a marquesa dos anjos   1 - os amores de angélica (ed.nova cultural) ...
Angélica a marquesa dos anjos 1 - os amores de angélica (ed.nova cultural) ...
 
Três Contos Populares Portugueses
Três Contos Populares PortuguesesTrês Contos Populares Portugueses
Três Contos Populares Portugueses
 
Carmilla, karnstein vapyre j. sheridan le fanu
Carmilla, karnstein vapyre  j. sheridan le fanuCarmilla, karnstein vapyre  j. sheridan le fanu
Carmilla, karnstein vapyre j. sheridan le fanu
 
Branca De Neve
Branca De NeveBranca De Neve
Branca De Neve
 

Mais de Sérgio Lima

TIRANOSSAURO 3-D.pptx
TIRANOSSAURO 3-D.pptxTIRANOSSAURO 3-D.pptx
TIRANOSSAURO 3-D.pptxSérgio Lima
 
Livro TIRANOSSAURO 3-D.pptx
Livro TIRANOSSAURO 3-D.pptxLivro TIRANOSSAURO 3-D.pptx
Livro TIRANOSSAURO 3-D.pptxSérgio Lima
 
Livro TIRANOSSAURO 3-D.pdf
Livro TIRANOSSAURO 3-D.pdfLivro TIRANOSSAURO 3-D.pdf
Livro TIRANOSSAURO 3-D.pdfSérgio Lima
 
TIRANOSSAURO 3-D.pdf
TIRANOSSAURO 3-D.pdfTIRANOSSAURO 3-D.pdf
TIRANOSSAURO 3-D.pdfSérgio Lima
 
A História da Cidade do Paulista.pptx
A História da Cidade do Paulista.pptxA História da Cidade do Paulista.pptx
A História da Cidade do Paulista.pptxSérgio Lima
 
Livro A História da Cidade do Paulista .pdf
Livro A História da Cidade do Paulista .pdfLivro A História da Cidade do Paulista .pdf
Livro A História da Cidade do Paulista .pdfSérgio Lima
 
Livro A História da Cidade do Paulista .pdf
Livro A História da Cidade do Paulista .pdfLivro A História da Cidade do Paulista .pdf
Livro A História da Cidade do Paulista .pdfSérgio Lima
 
Livro A História da Cidade do Paulista.pptx
Livro A História da Cidade do Paulista.pptxLivro A História da Cidade do Paulista.pptx
Livro A História da Cidade do Paulista.pptxSérgio Lima
 
Quando me sinto zangado
Quando me sinto zangadoQuando me sinto zangado
Quando me sinto zangadoSérgio Lima
 
Quando me sinto triste
Quando me sinto tristeQuando me sinto triste
Quando me sinto tristeSérgio Lima
 
Quando me sinto feliz
Quando me sinto felizQuando me sinto feliz
Quando me sinto felizSérgio Lima
 
Quando me sinto assustado
Quando me sinto assustadoQuando me sinto assustado
Quando me sinto assustadoSérgio Lima
 
A vaca que botou um ovo
A vaca que botou um ovoA vaca que botou um ovo
A vaca que botou um ovoSérgio Lima
 
Livro a sementinha que nao queria nascer
Livro a sementinha que nao queria nascerLivro a sementinha que nao queria nascer
Livro a sementinha que nao queria nascerSérgio Lima
 
A historia que_mora_nas_coisas_web
A historia que_mora_nas_coisas_webA historia que_mora_nas_coisas_web
A historia que_mora_nas_coisas_webSérgio Lima
 
Valente, o boi bumba
Valente, o boi bumbaValente, o boi bumba
Valente, o boi bumbaSérgio Lima
 
O bezerrinho cabecudo
O bezerrinho cabecudoO bezerrinho cabecudo
O bezerrinho cabecudoSérgio Lima
 
Pato donald historietas
Pato donald   historietasPato donald   historietas
Pato donald historietasSérgio Lima
 

Mais de Sérgio Lima (20)

TIRANOSSAURO 3-D.pptx
TIRANOSSAURO 3-D.pptxTIRANOSSAURO 3-D.pptx
TIRANOSSAURO 3-D.pptx
 
Livro TIRANOSSAURO 3-D.pptx
Livro TIRANOSSAURO 3-D.pptxLivro TIRANOSSAURO 3-D.pptx
Livro TIRANOSSAURO 3-D.pptx
 
Livro TIRANOSSAURO 3-D.pdf
Livro TIRANOSSAURO 3-D.pdfLivro TIRANOSSAURO 3-D.pdf
Livro TIRANOSSAURO 3-D.pdf
 
TIRANOSSAURO 3-D.pdf
TIRANOSSAURO 3-D.pdfTIRANOSSAURO 3-D.pdf
TIRANOSSAURO 3-D.pdf
 
A História da Cidade do Paulista.pptx
A História da Cidade do Paulista.pptxA História da Cidade do Paulista.pptx
A História da Cidade do Paulista.pptx
 
Livro A História da Cidade do Paulista .pdf
Livro A História da Cidade do Paulista .pdfLivro A História da Cidade do Paulista .pdf
Livro A História da Cidade do Paulista .pdf
 
Livro A História da Cidade do Paulista .pdf
Livro A História da Cidade do Paulista .pdfLivro A História da Cidade do Paulista .pdf
Livro A História da Cidade do Paulista .pdf
 
Livro A História da Cidade do Paulista.pptx
Livro A História da Cidade do Paulista.pptxLivro A História da Cidade do Paulista.pptx
Livro A História da Cidade do Paulista.pptx
 
Quando me sinto zangado
Quando me sinto zangadoQuando me sinto zangado
Quando me sinto zangado
 
Quando me sinto triste
Quando me sinto tristeQuando me sinto triste
Quando me sinto triste
 
Quando me sinto feliz
Quando me sinto felizQuando me sinto feliz
Quando me sinto feliz
 
Quando me sinto assustado
Quando me sinto assustadoQuando me sinto assustado
Quando me sinto assustado
 
A vaca que botou um ovo
A vaca que botou um ovoA vaca que botou um ovo
A vaca que botou um ovo
 
Livro a sementinha que nao queria nascer
Livro a sementinha que nao queria nascerLivro a sementinha que nao queria nascer
Livro a sementinha que nao queria nascer
 
A historia que_mora_nas_coisas_web
A historia que_mora_nas_coisas_webA historia que_mora_nas_coisas_web
A historia que_mora_nas_coisas_web
 
Brincar do que?
Brincar do que?Brincar do que?
Brincar do que?
 
Valente, o boi bumba
Valente, o boi bumbaValente, o boi bumba
Valente, o boi bumba
 
Tartaruga infeliz
Tartaruga infelizTartaruga infeliz
Tartaruga infeliz
 
O bezerrinho cabecudo
O bezerrinho cabecudoO bezerrinho cabecudo
O bezerrinho cabecudo
 
Pato donald historietas
Pato donald   historietasPato donald   historietas
Pato donald historietas
 

A Bela e a Fera

  • 1. A Bela e a Fera
  • 2. A Bela e a Fera é um tradicional conto de fadas francês. Originalmente escrito por Gabrielle-Suzanne Barbot, Dama de Villeneuve, em 1740, tornou-se mais conhecido em sua versão de 1756, por Jeanne-Marie LePrince de Beaumont, que resumiu e modificou a obra de Villeneuve. Adaptado, filmado e encenado inúmeras vezes, o conto apresenta diversas versões diferentes do original que se adaptam a diferentes culturas e momentos sociais.
  • 3. O conto "A Bela e a Fera"; relata a história da filha mais nova de um rico mercador, que tinha três filhas, porém, enquanto as filhas mais velhas gostavam de ostentar luxo, de festas e lindos vestidos, a mais nova, que todos chamavam de Bela, era humilde, gentil, e generosa, gostava de leitura e tratava bem as pessoas.
  • 4. Era uma vez um príncipe egoísta que um dia não prestou ajuda a uma velhinha que a solicitou. Só que esta era uma bruxa e gritou uma maldição: – Julgas-me indefesa! Pela tua falta de piedade condeno-te a viver a partir de hoje como uma Besta. A transformação foi imediata! O destino da fera ficaria ligado ao de uma rosa encantada, que viveria até que ele chegasse aos 21 anos. Então os dois morreriam. A menos que alguém o amasse! – Mas que mulher gostará de mim assim? Anos depois, numa aldeia próxima, já tinham esquecido o sucedido. Ali residia Bela, moça bonita, que gostava muito de ler e que era cortejada por diversos moços.
  • 5. Uma noite Maurício, o pai da Bela, perdeu-se no Bosque e, depois de muito caminhar, chegou ao castelo da Besta. Chamou, chamou e, como ninguém acorresse e a porta estivesse aberta, entrou e sentou-se junto da lareira, para se aquecer. – Invadiste a minha casa, velho! – gritou a Besta. – Sou um inventor… suplicou Maurício. – Juro que não direi a ninguém que o vi… Deixe-me ir embora…
  • 6. – Cala-te. – rugiu a Besta. – És meu prisioneiro! Dias depois, Bela entrou no castelo, quando andava desesperada em busca do pai. – Alguém me ouve? A Besta apareceu e levou-a à cela do pai. – Velho, vai-te embora, mas se contares a alguém o meu segredo, não verás mais a tua filha! Noite a dentro, a Besta lembrou-se que deveria conseguir o amor sincero de uma mulher… Mas como? Com pena de Bela, conduziu-a a um grande e confortável quarto. Deu-lhe de comer e portou-se com a máxima educação. E ofereceu-lhe um lindo vestido. No dia seguinte, ao entrar na biblioteca do castelo, ficou espantada. – Nunca vi tantos livros. Já os leu todos? – Não, respondeu a Besta. – Creio que é mais humano do que aparenta, senhor! Continuando o mostrar-lhe o castelo, entraram na sala aonde se encontrava a rosa mágica. – Está a morrer! – gritou ela. – E eu morro com ela! – disse tristemente a Besta.
  • 7. Entretanto Bela voltou à aldeia, para salvar o pai que, por ser inventor, o povo achava louco. E no afã de apresentar argumentos falou do castelo e do seu dono, salientando a bondade deste. Mas ninguém acreditou nela. E os camponeses armaram-se com forquilhas e enxadas para matar a Besta. Bela adiantou-se e, correndo quanto podia, conseguiu chegar primeiro ao castelo. E avisou o príncipe do perigo que o espreitava. Mas, já muito farto da vida que levava, ele não quis lutar. Um dos camponeses feriu-o com um punhal e empurrou-o de uma varanda do castelo. – Vou ajudarte! – gritou Bela. – Não podes morrer! Correu até ao jardim e beijou a Besta com amor, tentando reanimá-lo. Milagre, este voltou a ser o príncipe que antes fora. Mas nunca mais egoísta e cruel. O castelo encheu-se de vida. E logo depois veio a boda dos dois enamorados, que viveram felizes para sempre.
  • 8. O conto nos convoca a pensar a necessidade de em alguns momentos “sentar-se à calçada” e olhar para a “ferida da perna”. E, por outro lado, permite-nos o sentimento de que não se pode perder o sentido da vida, que está, por exemplo, no texto literário, nas palavras, nas relações mais saudáveis, e por que não, na utópica ecologia social; não se pode perder a esperança nos suaves milagres, apesar das “feridas grandes demais”.
  • 9. CURTA, INSCREVA-SE E COMPARTILHE