O Terrorismo e a Ação Revolucionária nas Redes SociaisREDES SOCIAIS : PRÓS E CONTRASDiana Felizardo nº12Nádia Ferreira nº2...
“Viver numa sociedade livree democrática é uma coisamuito, mas mesmo muito,complicada”-Savater
Índice• Introdução• O que são as redes sociais?• Terrorismo e Ação Revolucionária (guerrilha) – Diferenças• Filosofia e as...
IntroduçãoFoi-nos proposta a realização de um trabalho tendo como tema geralos temas/problemas do mundo contemporâneo com ...
O que são as redes sociais?Redes sociais são um meio de conexão entre as pessoas na internet.Os sites de redes sociais ger...
Terrorismo e Ação Revolucionária (guerrilha) -Diferenças• A guerrilha geralmente é formada por pessoas que têm umaideologi...
Filosofia e as Redes sociaisEspaço público/privadoÉtica e Tolerância nas Redes Sociais – O DiálogoPolítica nas redes sociais
Espaço público• É a esfera do comum na vidapolítica da polis.• Baseia-se no uso da palavra e dapersuasão através da arte d...
Internet, Espaço Privado?• Pierre Lévy, Filósofo francês nascido em Tunis que estuda asinterações entre a internet e a soc...
• Portanto, de acordo com este sociólogo, não se deve publicar tudoo que nos acontece na vida nas redes sociais. Os nossos...
Redes sociais e a Política• Aristóteles dizia o homem é um animal político namedida em que se realiza plenamente no âmbito...
• Kant diria que o ser humano temdificuldade em se relacionar. Istoacontece devido à existência de umarazão e dos sentimen...
Anonimous, a revolucionar o mundo a partir deredes sociais desde 2003• Atualmente quando se vê imagens de uma revolução, p...
Fig2. – Blog do Anonymous Portugal (http://anonymouspt.blogspot.pt/ )
Ética e Tolerância nas Redes Sociais – O DiálogoCom o aumento da utilização das redes socias, o conhecimento de novasforma...
Diálogo segundo Apel e Habermas• Para estes dois filósofos defendem que devia haver uma discussãoaberta de ideias no Espaç...
O diálogo segundo RawlsJonh Rawls considera a democracia como o regimepreferível e que numa sociedade todos osintervenient...
Conclusão• A realização deste trabalho ajudou-nos a relembrar asmatérias lecionadas no 10º e 11º anos e perceber que umavi...
Bibliografia• PAIVA, M.; TAVARES, O.; BORGES, J. F.; Contextos11, 1ª Edição, Porto, PortoEditora, 2010;• PAIVA, M.; TAVARE...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Temas/ Problemas da Cultura Científico-Tecnológica

3.263 visualizações

Publicada em

Redes Sociais
historicofilosoficas.blogspot.pt

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.263
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
889
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Temas/ Problemas da Cultura Científico-Tecnológica

  1. 1. O Terrorismo e a Ação Revolucionária nas Redes SociaisREDES SOCIAIS : PRÓS E CONTRASDiana Felizardo nº12Nádia Ferreira nº2111ºA
  2. 2. “Viver numa sociedade livree democrática é uma coisamuito, mas mesmo muito,complicada”-Savater
  3. 3. Índice• Introdução• O que são as redes sociais?• Terrorismo e Ação Revolucionária (guerrilha) – Diferenças• Filosofia e as redes sociais• Espaço público/privado• A política e as Redes sociais• Ética e Tolerância nas Redes Sociais – O Diálogo• Conclusão• Bibliografia
  4. 4. IntroduçãoFoi-nos proposta a realização de um trabalho tendo como tema geralos temas/problemas do mundo contemporâneo com uma abordagemfilosófica do 11º ano intitulado “Desafios e horizontes da Filosofia”.Escolhemos “Redes Sociais: Prós e contras” por este meio decomunicação poder ser utilizado por Terroristas como por grupos deação revolucionária. O objetivo deste trabalho é mostrarmos que asredes sociais são um assunto atual e que é possível ter uma visãofilosófica do assunto.O ser humano tem a necessidade primária de se relacionar com osoutros, pois é um animal social e necessita dos outros para setransformar e da sociedade para sobreviver. Por essa necessidadeexistir é que as redes sociais têm tanto sucesso.
  5. 5. O que são as redes sociais?Redes sociais são um meio de conexão entre as pessoas na internet.Os sites de redes sociais geralmente funcionam tendo como base osperfis de utilizador - uma coleção de factos sobre o utilizador.Atualmente existem várias redes sociais, como por exemplo oblogger, facebook, twitter, etc.
  6. 6. Terrorismo e Ação Revolucionária (guerrilha) -Diferenças• A guerrilha geralmente é formada por pessoas que têm umaideologia em comum contra as ações políticas do Estado. Osguerrilheiros lutam contra o Estado procurando destituir o poderestabelecido com o objetivo de iniciar uma nova era política.Mesmo que o uma organização terrorista se enquadre na definição,este tipo de organizações comporta-se violentamente enormalmente impondo as suas ideias de forma sistemática.• Pode-se definir Terrorismo como uma Guerrilha comcomportamentos violentos, impondo as suas ideias de formasistemática e evasiva. Não é a nossa intenção de dizer que asguerrilhas não se comportam violentamente, isso já aconteceu, massão apenas atos isolados na história.
  7. 7. Filosofia e as Redes sociaisEspaço público/privadoÉtica e Tolerância nas Redes Sociais – O DiálogoPolítica nas redes sociais
  8. 8. Espaço público• É a esfera do comum na vidapolítica da polis.• Baseia-se no uso da palavra e dapersuasão através da arte daPolítica e da Retórica.• Para Aristóteles, a esfera públicaera o domínio da vida política, quese exercia através da ação e dodiscurso• Todos os cidadãos são livres paraexpressar as suas opiniões. Opoder da palavra através dapersuasão substitui a força e aviolência do espaço privado.• É a esfera da casa da família edaquilo que é próprio ao homem.• Trata-se de um reino de violênciaem que só o chefe da famíliaexercia o poder despótico sobre osseus subordinados (a sua mulher,filhos e escravos).• Não existia qualquer discussãolivre e racional.Espaço privado
  9. 9. Internet, Espaço Privado?• Pierre Lévy, Filósofo francês nascido em Tunis que estuda asinterações entre a internet e a sociedade, diz-nos sobre o Facebooke a Internet: “Eu leciono numa uma universidade e uso os media naminha sala de aula. Ensino a maneira correta de usar estasferramentas para intercâmbio deconhecimento, colocação (no mercado), etc. Para muitosalunos, o Facebook é só para colocar fotos dafesta de ontem . (…) A internet é um espaço público,sem restrições, mas com seus próprios perigos.(…) . É preciso ter muita atenção ao que fazemna internet, porque tudo o que se grava éregistado. É muito particular (o uso da internet),mas a internet não é particular, (…)”
  10. 10. • Portanto, de acordo com este sociólogo, não se deve publicar tudoo que nos acontece na vida nas redes sociais. Os nossos problemaspessoais devem ser resolvidos em casa, no espaço privado. Já osproblemas comunitários devem ser resolvidos através de debatesde ideias.
  11. 11. Redes sociais e a Política• Aristóteles dizia o homem é um animal político namedida em que se realiza plenamente no âmbitoda pólis. Segundo Aristóteles, a “cidade ou asociedade política” é o “bem mais elevado” e porisso os homens associam-se em células, desdefamília ao pequeno burgo, e a reunião dessesagrupamentos resulta na cidade e no Estado(“Política”, cap.I, Livro Primeiro).• Aristóteles iria dizer decerto que as redes sociaiseram uma ótima ferramenta para discutir osassuntos da pólis. Pode-se também imaginar queAristóteles faria parte de um partido político, etalvez fizesse parte do grupo “Anonymous”, queapresentaremos a seguir
  12. 12. • Kant diria que o ser humano temdificuldade em se relacionar. Istoacontece devido à existência de umarazão e dos sentimentos, que nos leva aquestionar o nosso ambiente e a querermodificá-lo.• Tendo em conta este ponto de vista, Kantaprovaria sem dúvida as redes sociais,visto que não é necessário contacto físicopara falar, não se mostram sentimentos,mas por outro lado, a sua utilizaçãoexcessiva leva-nos a apenas ignorar o quenos rodeia.
  13. 13. Anonimous, a revolucionar o mundo a partir deredes sociais desde 2003• Atualmente quando se vê imagens de uma revolução, para além degritos de liberdade e bandeiras, vêem-se também máscaras dopersonagem de “V is for Vendetta”, Guy Fawkes, as quaisrepresentam o grupo internacional de intervenção “Anonymous”.Este grupo, composto por milhares de pessoas por todo o mundonão tem um líder, visto que atua como um todo contra a opressãodas massas. Promoveu , por exemplo, a Primavera Árabe em 2011(Egito, Síria e Tunisia) , Occupy Wall Street em 2011. Para espalhar asua mensagem, este grupo utiliza as redes sociais tais como oTwitter e o Facebook, e, em Portugal mantêm um blog em queinformam sobre as suas operações no país. Este grupo não temreligião que os caracterize, apenas o facto de quererem a libertaçãodos povos oprimidos
  14. 14. Fig2. – Blog do Anonymous Portugal (http://anonymouspt.blogspot.pt/ )
  15. 15. Ética e Tolerância nas Redes Sociais – O DiálogoCom o aumento da utilização das redes socias, o conhecimento de novasformas de pensar é maior. No entanto, enquanto a maior parte dosutilizadores aceita as diferenças culturais como algo normal num mundo tãogrande, outros não aceitam as diferenças. Deste modo, é necessárioquestionarmo-nos acerca do que é aceitável ou não para as outras pessoaspublicar nas redes sociais.Afinal,
  16. 16. Diálogo segundo Apel e Habermas• Para estes dois filósofos defendem que devia haver uma discussãoaberta de ideias no Espaço público, mas o Estado democrático temque ser capaz de garantir os direitos fundamentais, nomeadamenteo direito à diferença.• Assim sendo temos o direito de publicar tudo o que queremos nasredes sociais, desde que o Estado garanta os direitos fundamentais
  17. 17. O diálogo segundo RawlsJonh Rawls considera a democracia como o regimepreferível e que numa sociedade todos osintervenientes estão interessados em participar nela,visto que são tidos como iguais entre si. No entanto,não nos podemos esquecer que cada pessoa temobjetivos e vivências diferentes. Sendo assim, umasociedade só será estável se se chegar a um consenso.Esse consenso é obtido através da análise de todas asconvicções (filosóficas, políticas ou religiosas) eproceder á escolha das que são razoáveis e nãoprejudicam os interesses dos outros.• Assim, de acordo com este autor devemos proceder a uma análisedas possíveis consequências das publicações nas redes sociais.
  18. 18. Conclusão• A realização deste trabalho ajudou-nos a relembrar asmatérias lecionadas no 10º e 11º anos e perceber que umavisão filosófica preenche muito mais o nosso conhecimentosobre o nosso dia a dia num mundo em constante evolução.• Pudemos concluir com este trabalho que as redes sociaispodem ser utilizadas pelas Guerrilhas para divulgar o seutrabalho visto que são normalmente apoiadas pela população(são do interesse comum), mas não devem ser utilizadas pelasredes Terroristas (embora estas o façam, principalmenteatravés de vídeos) visto que são conta o interesse geral eacarretam violência
  19. 19. Bibliografia• PAIVA, M.; TAVARES, O.; BORGES, J. F.; Contextos11, 1ª Edição, Porto, PortoEditora, 2010;• PAIVA, M.; TAVARES, O.; BORGES, J. F.; Contextos10, 1ª Edição, Porto,Porto Editora, 2010;Fontes• http://www.algosobre.com.br/geografia/terrorismo-definicoes-e-diferencas.html• http://redes.moderna.com.br/2012/10/31/os-caminhos-da-filosofia-no-mundo-digital/• http://www.bocc.ubi.pt/pag/antunes-marco-publico-privado.pdf• http://tecnologia.terra.com.br/internet/facebook-nao-e-so-para-as-quotfotos-da-festa-de-ontemquot-diz-filosofo,e958201fd70ea310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html

×