Métodos para o estudo do interior da geosfera

373 visualizações

Publicada em

Métodos para o estudo do interior da geosfera
biologia geologia 10º ano
http://cienciasbiologiageologia.blogspot.pt/

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
373
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
30
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Métodos para o estudo do interior da geosfera

  1. 1. COMPREENDERA DINÂMICA EESTRUTURA DA GEOSFERA – VULCANOLOGIA
  2. 2. Açores Porquê um “laboratório” de Ciências da Terra
  3. 3. Métodos Diretos  Estudo da superfície visível – permite o conhecimento mais ou menos completo das rochas e de outros materiais que afloram ou que é possível ver diretamente em cortes de estradas, de túneis, etc.
  4. 4. Métodos Diretos  Exploração de jazigos minerais efetuada em minas e escavações – fornece dados diretos até profundidades que oscilam entre os 3 Km e os 4 Km.
  5. 5. Métodos Diretos  Sondagens– perfurações envolvendo equipamento apropriado que permitem retirar colunas de rochas correspondentes a milhões de história e que contam ao geólogo muitos acontecimentos do passado da Terra. - As sondagens permitem o conhecimento direto de zonas do interior da Terra, fornecendo dados como: composição, tipo de rochas existentes, temperatura, tipo de gases, composição da água de circulação.
  6. 6. Métodos Diretos  Sondagens - A perfuração mais profunda foi realizada pelos soviéticos, em 1970, no Noroeste da Rússia, e atingiu cerca de 12023 m, atravessando rochas correspondentes a mais de metade da história da Terra, 2500 M.a. A 2700 M.a.
  7. 7. Métodos Diretos  Magmas e xenólitos– os vulcões lançam para o exterior materiais oriundos de profundidades que podem atingir 100 Km a 200 Km, ou mesmo mais. - Embora a composição do magma não seja igual à do manto que o originou, os cientistas podem, com as devidas reservas, inferir acerca de certas condições em que foram gerados, como sejam as condições de temperatura e de pressão e sobre a composição do manto terrestre.
  8. 8. Métodos Diretos - O magma, ao movimentar-se, arranca e incorpora fragmentos de rochas do manto e da crosta. Esse fragmentos são transportados e ficam incluídos na rocha magmática após solidificação, constituindo xenólitos ou encraves, estes encraves podem ser provenientes de profundidades de cerca de 200 Km, ou mesmo mais.
  9. 9. Métodos Indiretos  Planetologia a astrogeologia - As técnicas aplicadas no estudo de outros planetas do Sistema Solar podem ser usadas no estudo da Terra. - A astrogeologia aplica princípios e métodos geológicos a um plano mais vasto, que inclui o Sistema Solar no seu conjunto. - O estudo dos meteoritos, por exemplo, tem permitido reconstituir os primeiros estádios de formação da Terra e confrontar a natureza e a composição desses meteoritos com as diferentes zonas que se admite constituírem o interior do globo terrestre.
  10. 10. Métodos Indiretos  Gravimetria – qualquer corpo situado à superfície da Terra experimenta uma força (F) de atração para o centro da Terra, que, segundo a lei de atração universal de Newton, é dada por uma expressão matemática. - A força da gravidade pode ser determinada com aparelhos chamados gravímetros.
  11. 11. Métodos Indiretos Gravimetria - Após a introdução destas correções seria de esperar que a força gravítica fosse igual para toda a superfície terrestre, como se ela fosse regular. Quando tal não acontece, as variações são designadas por anomalias gravimétricas.
  12. 12. Métodos Indiretos  Densidade e massa volúmica – a densidade global da terra pode ser determinada indiretamente. A massa é calculada pela aplicação da Lei de Atração Universal. O volume também é conhecido. A razão entre a massa e o volume dá a massa volúmica, que é cerca de 5,5 g/cm3. - Uma ilação a tirar desta constatação é que devem existir materiais de densidade muito superior no interior do planeta.
  13. 13. Métodos Indiretos  Geotermismo - O fluxo de calor do interior para a superfície do planeta – fluxo térmico – é contínuo mas não uniforme. Varia desde os altos valores verificados nos riftes aos valores mínimos verificados no interior das grandes placas continentais.
  14. 14. Métodos Indiretos  Geotermismo Gradiente geotérmico – é a quantificação da variação da temperatura com a profundidade, ou seja, o aumento da temperatura por quilómetro de profundidade. Em regra, a temperatura aumenta cerca de 30ºC por quilómetro, ou seja, por cada 33 a 34 metros de profundidade a temperatura aumenta 1ºC. O número de metros que é necessário aprofundar para que a temperatura aumente 1ºC denomina-se grau geotérmico.
  15. 15. Métodos Indiretos  Geomagnetismo Certas rochas retêm, pois, uma “memória” do campo magnético terrestre na altura da formação dos minerais ferromagnéticos que contêm. Este campo magnético que fica registado na rocha designa-se por campo paleomagnético e o estudo dos campos paleomagnéticos designa-se por palomagnetismo.
  16. 16. Métodos Indiretos  Geomagnetismo - O campo magnético tem mudado periodicamente a sua polaridade, ou seja, o Pólo Norte magnético, que está atualmente próximo do Pólo Norte geográfico – polaridade normal – já esteve, no passado, próximo do Pólo Sul geográfico – polaridade inversa. - A mudança de uma polaridade normal para a polaridade inversa designa-se por inversão do campo magnético. - Percorrendo os fundos oceânicos com um magnetómetro verifica-se que a intensidade do campo magnético em determinadas zonas é superior à intensidade média atual, anomalia positiva, e noutras zonas é inferior, anomalia negativa.
  17. 17. Métodos Indiretos  Geomagnetismo O paleomagnetismo fornece inúmeras informações sobre o passado da Terra: - regista inversões da polaridade do campo magnético terrestre; - apoia a hipótese da deriva continental dos fundos oceânicos a partir do eixo das dorsais.
  18. 18. Métodos Indiretos  Sismologia

×