Web Semantics

848 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
848
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Web Semantics

  1. 1. Web Semantics (Semantic web) Instituto Superior de Tecnologias Avançadas do Porto Sérgio Oliveira // www.sergiomco.com
  2. 2. Introdução Sérgio Oliveira // www.sergiomco.com <ul><li>A palavra “Semantic” traduz-se para o “Significado de” A Semântica de algo, é o seu significado. </li></ul><ul><li>A “Semantic Web” pretende ser uma forma de descrever conteúdos de forma a que máquinas entendam. </li></ul><ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><li>O ISTEC é uma instituição do ensino superior Português. </li></ul><ul><li>Os U2 são uma banda de rock </li></ul><ul><li>Este tipo de frases pode ser entendido facilmente por um humano, mas os computadores não as conseguem interpretar e “jogar” com elas. </li></ul><ul><li>Há quem defenda que a “Semantic Web” é a Web 3.0, o próximo passo na evolução. </li></ul>
  3. 3. Descrição Sérgio Oliveira // www.sergiomco.com Portanto…. A “Semantic web” é uma evolução da world wide web na qual a informação possa ser interpretada por computadores (ao inverso de apenas humanos). Permite assim, que browsers, “bots”, “crawlers” e outros tipos de software encontrem, guardem, partilhem e processem informação de forma automatizada, facilitando o acesso á informação por parte de nós, Humanos. A “Semantic Web” descreve a informação e relações entre coisas , (Como A é irmão de B, X pertence a Z, C é descendente de D), e descreve também, as propriedades das coisas (como tamanho, peso, altura, velocidade, preços, etc)
  4. 4. O que torna possível a “Semantic Web” ? Sérgio Oliveira // www.sergiomco.com <ul><li>RDF (Resource Description Framework) é faz uso de &quot;markup language&quot; para descrever informação e recursos da web. </li></ul><ul><li>Colocar informação em ficheiros RDF, torna possível para o software, procurar, coleccionar, analisar e processar informação. </li></ul><ul><li>RDF é um formato standard baseado em XML para descrever recursos existentes na Web. Definições RDF são consideradas como &quot;triplas&quot;, ou seja, consistem na conjunção do &quot;Sujeito&quot;, &quot;Predicado&quot; e o &quot;Objecto. </li></ul><ul><li>O Sujeito é o recurso em si, o predicado é uma propriedade desse recurso, e o objecto é o valor dessa mesma propriedade. </li></ul><ul><li>Predicado: Carro </li></ul><ul><li>Sujeito: Cor </li></ul><ul><li>Propriedade: Vermelho </li></ul>
  5. 5. Exemplo de RDF / XML Sérgio Oliveira // www.sergiomco.com <rdf:RDF xmlns:vcard=&quot;http://www.w3.org/2001/vcard-rdf/3.0/#&quot;> <http://www.sergiomco.com/contacto/1> <vcard:fn> “Sérgio&quot; <http://www.sergiomco.com/contacto/1> <vcard:email> “sergiomco@gmail.com&quot; <http://www.sergiomco.com/contacto/1> <vcard:tel> &quot;123456789 &quot; <http://www.sergiomco.com/contacto/2> <vcard:fn> “Oliveira&quot; <http://www.sergiomco.com/contacto/2> <vcard:email> &quot; geral@sergiomco.com&quot; <http://www.sergiomco.com/contacto/2> <vcard:tel> &quot; 122344568 &quot; </rdf:RDF> Nome Telefone Email Sérgio 123456789 [email_address] Oliveira 122344568 [email_address]
  6. 6. RDF – Linguagens de suporte Sérgio Oliveira // www.sergiomco.com OWL - Web Ontology Language OWL define os tipos de relações que podem ser expressas em RDF, usando vocabulário XML para indicar hierarquias, e relações entre diversos recursos. SPARQL - SPARQL Protocol and RDF Query Language SPARQL pode ser usada para expressar “queries “ entre diversos tipos de fontes de informação, onde os dados estão guardados sobre a forma de RDF. Exemplo: PREFIX abc: <http://example.com/exampleOntology#> . SELECT ?capital ?country WHERE { ?x abc:cityname ?capital ; abc:isCapitalOf ?y. ?y abc:countryname ?country ; abc:isInContinent abc:Africa. }
  7. 7. Considerações finais Sérgio Oliveira // www.sergiomco.com Tudo que pode ser descrito na internet, é um recurso. A internet é um grande repositório de dados sem qualquer tipo de ordem. Não possuímos uma base de dados sobre a internet, onde o conteúdo esteja organizado, e devidamente identificado, como os autores, preços, lojas, localização de lojas e outras características. Possuímos pequenas descrições “metadata” ou seja, informação sobre informação. Mas a “Web semantic”, pretende estender esse conceito.
  8. 8. Considerações finais Sérgio Oliveira // www.sergiomco.com Com o RDF, a proposta não é centralizar essa “metadata” sobre a internet num único local, mas criar uma maneira com a qual cada página, cada recurso possa criar sua própria “metadata” e torná-la disponível para quem precisar. O RDF não é uma linguagem, embora faça uso de algumas linguagens para se expressar. As mais comuns são o XML (formando RDF/XML), e o TURTLE (uma linguagem feita para expressar RDF de maneira simples).
  9. 9. Fim da apresentação Instituto Superior de Tecnologias Avançadas do Porto Sérgio Oliveira // www.sergiomco.com I have a dream for the Web [in which computers] become capable of analyzing all the data on the Web – the content, links, and transactions between people and computers. A ‘Semantic Web’, which should make this possible, has yet to emerge, but when it does, the day-to-day mechanisms of trade, bureaucracy and our daily lives will be handled by machines talking to machines. The ‘intelligent agents’ people have touted for ages will finally materialize. – Tim Berners-Lee, 1999

×