Aula sobre consumo e corpo

116 visualizações

Publicada em

Aula sobre consumo e corpo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
116
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula sobre consumo e corpo

  1. 1. TEORIA SOCIAL DO CONSUMO – AULA SOBRE CONSUMO E CORPO – 04 de maio de 2016 COMPORTAMENTO DOS ADOLESCENTES NAS REDES SOCIAIS O instituto Pew Research Center, que constantemente traz levantamentose tendências sobre tecnologia, divulgouuma novapesquisa neste mês de abril. Adolescentes entre 13 e 17 anos tiveram seu comportamentonasredessociais mapeadoporumrelatório queconstatou que 92% deles ficam online diariamente, incluindoainda 24% quedisseram se conectar constantemente. As redes sociaismais usadaspelosentrevistadossãoFacebook (71%), Instagram(52%), SnapChat(41%), Twitter(33%), Google+(33%), Vine(24%) e Tumblr (14%). A maioria (71%) dos adolescentes ouvidos na pesquisa do Pew Research Center também contou que usa mais de uma rede social. Dentro do grupo de adolescentes que utiliza uma única rede social (22%), as preferidas sãoFacebook (66%), Google+ (13%), Instagram(13%)e SnapChat (3%). A pesquisa também aponta que, nesta faixa etária, redes sociais focadas em imagem possuem público predominantemente feminino. No Instagram, são 61% de mulheres contra 44% de homens. A proporção fica 51% / 31% no SnapChat e 23% / 5% no Tumblr. A média de mensagenstrocadasdiretamentepelocelular ouvia apps entre adolescentesde 13 a 17 anosé 30 pordia. Segmentandoasrespostas apenasdasmeninas, amédia sobepara40. Entregarotasmaisvelhas, de15 a 17 anos, são aproximadamente 50 mensagens trocadas diariamente. Analisandoo Facebook, umadolescente entre 13 e 17 anos tem, em média, 145 amigos. Mas, na verdade, a maioria (34%) não faz ideia de quantoscontatospossuina rede. O levantamentotambémrevela que 30% possuematé cem amigosno Facebook;12%, entre101 e 200 contatos;9%, entre 201 e 300; e 15%, 301 ou mais amigos.
  2. 2. TEORIA SOCIAL DO CONSUMO – AULA SOBRE CONSUMO E CORPO – 04 de maio de 2016 EUA: 1/3 DAS ADOLESCENTES JÁ SE ENCONTROU COM ALGUÉM QUE CONHECEU NA WEB1 Adolescentes maltratadas estavam mais propensas que outras garotas a se apresentar online de forma sexualmente provocativa Um estudo publicado na edição desta semana do periódicoPediatrics mostraquetrêsemcada dezgarotasentre14 e 17 anos afirmam que já se encontraramcom pessoasque conheceramonline e que cuja identidadenão haviasido confirmada previamente. A pesquisamostra ainda os riscos que as adolescentes enfrentam na internet, principalmente aquelas que já foram vítimas de maus tratos, ou de abandono, ou apresentam problemas comportamentais ou baixa capacidade cognitiva. CONHEÇA A PESQUISA2 Resultado: Adolescentes que já foram vítimas de maus tratos estão maispropensasase encontrarpessoalmentecompessoasqueconheceram na internet 1 Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude/tres-em-cada-dez-garotas-entre-14-e-17-anos-americanas-ja-se-encontraram-com-pessoas-que-conheceram-online 2 Títulooriginal: Associationof Maltreatment WithHigh-RiskInternet Behaviors and Offline Encounters. Onde foi divulgada: periódico Pediatrics. Quem fez: Jennie G. Noll, ChadE. Shenk, Jaclyn E. Barnes e Katherine J. Haralson. Instituição: CentroMédicodo Hospital Infantil de Cincinnati, Estados Unidos. Dados de amostragem: 251 adolescentes dosexo feminino, 130 delas vítimas de maus tratos. De acordocomJennie Noll, umadasautorasdoestudoepsicólogado Centro Médico do Hospital Infantil Cincinnati, nos Estados Unidos, esses encontros podem não ter trazido mal algum, mas não deixam de ser perigosos para meninas. "Além disso, adolescentes maltratadas ou abandonadas estavam mais propensas que outras garotas a se apresentar online de forma sexualmente provocativa", relatou. Jennie é diretora de medicinacomportamentalepsicologiaclínica noHospitalInfantilCincinnati. O estudo foi realizado com 251 adolescentes do sexo feminino, das quais cerca de metade já havia sido vítima de maus tratos ou abandono, e durou de 12 a 16 meses, com o objetivo de observar o impacto dos comportamentos na internet nos subsequentes encontros marcados fora dela. "Se uma pessoa na internet está procurando uma adolescente vulnerável para começar uma conversa de cunho sexual, tal pessoa irá procurar alguém que se apresenta provocativamente", disse Jennie. Comportamentosdealto risco na internet incluem buscaintencional por conteúdo adulto, autoapresentações provocativas em redes sociais e
  3. 3. TEORIA SOCIAL DO CONSUMO – AULA SOBRE CONSUMO E CORPO – 04 de maio de 2016 recebimento de chamados sexuais online. Por outro lado, segundo Jennie, uma "criação de alta qualidade" e o monitoramento dos pais ajudaram a reduzir a associação entre fatores de risco e esses comportamentosonline, coisa que softwares com filtros que controlam a internet não têm capacidade de fazer sozinhos. A partir dos resultadosobtidos, a equipe chegouà conclusão de que modalidades de tratamento para adolescentes maltratadas devem ser ampliadas para incluir informações sobre segurança na internet. Tanto os pais como as adolescentes precisam estar cientes de que a autoapresentações online e outros comportamentos na internet podem aumentar a vulnerabilidade da pessoa. O estudo faz parte de um trabalho maior da pesquisadora sobre comportamentos de alto risco na internet e foi financiado pelo National Institutes of Health. O trabalho deve prosseguir ainda por um período de cinco anos, com 3,7 milhões de dólares dogovernofederal para obter mais dados sobre esse tipo de comportamento na internet.

×