Engenharia de Produção - Centro Universitário Senac

142.663 visualizações

Publicada em

O curso visa à formação de engenheiros de produção generalistas, humanistas, críticos e reflexivos, com capacidade de absorver, desenvolver novos conhecimentos e tecnologias, e intervir de forma criativa, empreendedora e responsável, podendo atuar nos diferentes elos da cadeia de produção de bens e serviços, buscando sempre, através da ciência e da tecnologia, atender às demandas das partes interessadas com atitude empreendedora e fundamentada por princípios de economicidade, responsabilidade social e sustentabilidade

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
142.663
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
135.747
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Engenharia de Produção - Centro Universitário Senac

  1. 1. A demanda por profissionais para enfrentar os desafios de desenvolvimento do Brasil no atual ambiente globalizado, que tenham visão sistêmica, considerando as cadeias de produção, atuem com determinação e fortes fundamentos de gestão e atitude empreendedora, buscando racionalização e economia de recursos, a inovação ou otimização de processos e a aplicação ou desenvolvimento de tecnologias com responsabilidade socioambiental é muito grande. Os engenheiros, particularmente do Centro Universitário SENAC, estão sendo preparados para esse fim. E engenheiros são profissionais diretamente relacionados ao desenvolvimento. Cenário de Mercado 3
  2. 2. Cenário de Mercado 4 O Brasil forma cerca de 40 mil engenheiros/ano. A Rússia forma 190 mil, a Índia 220 mil e a China, 650 mil. No Brasil temos cerca de 6 profissionais para cada mil trabalhadores enquanto que nos Estados Unidos e no Japão a proporção é de 25 engenheiros por mil trabalhadores. Fica clara a necessidade de engenheiros num país que valoriza o desenvolvimento e a solução de seus problemas às custas da própria mão de obra e não da importação de serviços de empresas de consultoria multinacionais, instituições de desenvolvimento de novas tecnologias, empresas de implementação de empreendimentos, etc. Dessa forma, o governo federal, para incentivar a formação de engenheiros, lançou no ano passado um projeto com o objetivo de duplicar o número de engenheiros formados anualmente no país - o Pró-Engenharia.
  3. 3. Demanda Profissional As transformações mundiais decorrentes da introdução de novas tecnologias exigem maior qualificação profissional na área produtiva e gerencial e abre-se mais ainda as portas para a atuação do engenheiro de produção, profissional com ampla visão, responsável pela integração das novas tecnologias, o homem e seu ambiente socioeconômico na busca de solução para os problemas globais. 5
  4. 4. Público-Alvo Egressos do ensino médio, com interesse pela área de exatas, habilidade com números, pessoas “antenadas” com o mercado, além de pessoas dispostas a investir na carreira e preocupadas com a qualidade do ensino ao escolher a instituição onde vai cursar. 6
  5. 5. Perfil do Egresso 7 O perfil do egresso do curso de Engenharia de Produção será um profissional de formação generalista, para atuação nos diferentes elos da cadeia de produção de bens e serviços que, no exercício de suas atividades, deverá sempre, através da ciência e da tecnologia, buscar atender as demandas das partes interessadas com atitude empreendedora e fundamentada por princípios de economicidade, responsabilidade social e sustentabilidade.
  6. 6. Mercado de Trabalho O mercado de trabalho do Engenheiro de Produção no Brasil começou a se tornar bastante abrangente, envolvendo como possibilidade de atuação todos os setores da economia, desde o primário (relativo às atividades de extrativismo, pecuária, agricultura, etc.), passando pelo secundário (toda a indústria de transformação) até o terciário (setor de serviços) e as Organizações Não Governamentais. 8 Neste sentido, podemos identificar como possíveis campos de atuação do Engenheiro de Produção: • As indústrias de uma maneira geral, como a de construção, automóveis, alimentos, agroindústria, eletrodomésticos, equipamentos, etc. • Empresas de serviço de uma maneira geral, como a de transporte aéreo, internet, consultorias, etc. • Empresas públicas como os Correios, a Petrobrás, ANEEL, ANP, BNDS. • Grandes empresas privadas de petróleo, concessionárias de telefonia, bancos, seguradoras, fundos de pensão, bancos de investimento, etc. • Empresas dos diversos setores de serviços de logística.
  7. 7. Mercado de Trabalho O Engenheiro de Produção pode trabalhar em áreas de planejamento, operações, logística, marketing e finanças em praticamente todo o tipo de empresa inclusive de consultoria, ensino ou pesquisa. Em síntese, ele deverá ser capaz de utilizar métodos organizacionais, fundamentos das ciências exatas e das sociais, além de técnicas de natureza matemática e estatística para projeto, seleção, modelagem, simulação, estruturação, implantação, operação, avaliação, qualificação, otimização e manutenção de sistemas de produção de bens e serviços. 9
  8. 8. Infraestrutura 10 Laboratório de Física Experimental Laboratório de Química Laboratório para Fenômenos do Transporte Laboratório de Eletricidade Laboratório de Informática Laboratório para Ensaios e Caracterização de Materiais Laboratório de Projeto de Produto ou Serviço e Projeto de Processo Laboratório de Tecnologia de Processos I e II Laboratório de Automação Industrial e de Serviços Laboratório de Termodinâmica Aplicada
  9. 9. Graduação em Engenharia de Produção 11 Disciplinas • Ciências Ambientais • Desenho Técnico e Geometria • Descritiva • Fundamentos da Engenharia • Geometria Analítica • Introdução à Administração para Engenharia • Pesquisa, Tecnologia e Sociedade • Pré-cálculo I • Projeto Integrador I • Álgebra Linear • Cálculo Diferencial e Integral I • Comunicação e Redação Técnica Ética, Cidadania e Sustentabilidade • Introdução à Economia para Engenheiros • Linguagem de Programação • Projeto Integrador II Disciplinas • Cálculo Diferencial e Integral II • Engenharia de Materiais • Estatística e Probabilidade • Física I • Laboratório de Física I • Tecnologia de Processos Industriais • Projeto Integrador II • Cálculo Diferencial e Integral III • Cálculo Numérico • Engenharia de Segurança do Trabalho • Física II • Laboratório de Física II • Química Geral e Experimental • Tecnologia de Processos de Serviços • Projeto Integrador IV 1ºano 2ºano
  10. 10. Graduação em Engenharia de Produção 12 Disciplinas • Eletricidade Aplicada • Física III • Gerenciamento de Projetos • Mecânica dos Sólidos • Pesquisa Operacional I • Mecânica dos Fluidos • Projeto Integrador V • Contabilidade • Transferência de Calor e Massa • Pesquisa Operacional II • Sistemas de Informação Gerencial • Termodinâmica Aplicada • Projeto Integrador VI Disciplinas • Automação Industrial e de Serviços • Gestão da Qualidade, Produtividade e Sustentabilidade • Gestão do Resultado Final Tríplice • Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos • Marketing Básico • Projeto de Produtos ou Serviços • Projeto Integrador VII • Arranjo Físico, Ergonomia e Qualidade de Vida no Trabalho • Engenharia Econômica • Gestão da Manutenção • Gestão de Pessoas • Organização das Indústrias • Planejamento e Controle de Produção • Projeto de Processos • Simulação de Sistemas de Produção • Projeto Integrador VIII 3ºano 4ºano
  11. 11. Graduação em Engenharia de Produção 13 Disciplinas • Ecologia Industrial • Eletiva I • Eletiva II • Empreendedorismo, Inovação e Economia Criativa • Gestão da Inovação • Gestão de Riscos • Introdução ao Direito para a Engenharia • Planejamento Estratégico • Trabalho de Conclusão de Curso I • Eletiva III • Eletiva IV • Gerenciamento de Conflitos • Sistema Integrado de Gestão • Trabalho de Conclusão de Curso II 5ºano
  12. 12. Estágio O estágio curricular tem duração mínima de 160 horas, e deverá ser realizado a partir da matrícula no quinto semestre, em conformidade com o plano de estágio e o manual de estágio do aluno, a ser aprovado pelo conselho de curso. Deverá ser realizado em organizações que estejam de acordo com o perfil desejado para o egresso, sendo realizado por meio de Acordo de Cooperação firmado entre ambas as partes (organizações e Centro Universitário Senac). O processo de validação do estágio é administrado pelo departamento de estágio do Centro Universitário Senac, com o acompanhamento dos professores orientadores e supervisores de estágio e pela coordenação do curso. 14
  13. 13. Estágio 15 O aluno-estagiário passa por dois processos avaliativos, um realizado pelo professor orientador e supervisor e outro realizado pela organização na qual efetua o estágio. Suas atividades devem necessariamente estar relacionadas diretamente às atribuições do Engenheiro de Produção, conforme definido pelo CONFEA, CREA e conselhos regulatórios desta profissão.
  14. 14. Parcerias Tecnológicas 16
  15. 15. Parcerias Institucionais 17
  16. 16. Diferenciais Senac com relação à concorrência Vinculado às necessidades mercadológicas atuais o Senac propõe-se a desenvolver em seus engenheiros as atitudes proativas vinculadas à inovação, ao empreendedorismo, à sustentabilidade, à ética pessoal e profissional e à preparação das organizações para um mundo globalizado. Outro diferencial importante é que os concorrentes ofertam cursos mais tradicionais, bastante focados nas áreas de exatas e com fraca base humanística, enquanto o curso do Senac tem uma proposta mais inovadora, trazendo para estrutura curricular disciplinas como: empreendedorismo, gestão da inovação, gestão de pessoas, gestão de conflitos e gestão da sustentabilidade. 18
  17. 17. Graduação em Engenharia de Produção 19 Local Centro Universitário Santo Amaro Certificação Diploma em Engenharia de Produção, autorizado pelo Conselho Superior Universitário – Senac*
  18. 18. Processo Seletivo 20 Informações direto na página do curso ou na Central de Atendimento Informações Senac: • 0800-883-2000

×