Fórum de Engenharia - Centro Universitário Senac

1.432 visualizações

Publicada em

A engenharia é um campo com alta demanda. Porém, a carência de pessoal especializado neste setor é o ponto fraco do mercado. Poucos profissionais são capacitados e muitos deles acabam atuando em outras áreas, consultorias e bancos, por exemplo.

Pra mais informações, acesse http://j.mp/ofqpZb

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.432
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
31
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
47
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Inteligência Estratégica - Jorge Hori 14/10/11 Forum de Engenharia
  • Inteligência Estratégica - Jorge Hori 14/10/11 Forum de Engenharia
  • Fórum de Engenharia - Centro Universitário Senac

    1. 2. Conclusões
    2. 3. Regulação e Qualificação de Engenheiros - Dúvidas <ul><li>Há mais perguntas do que respostas consensadas a respeito: </li></ul><ul><ul><li>O mecanismo de atribuições definidas pelo Sistema CONFEA/CREAS não estaria defasado? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Reduzir de 270 para 88 como pretende o CONFEA ainda não seria excessivo? </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>A tendência não é para a especialização mas para a multifuncionalidade; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>As atribuições não deveriam ter um prazo de validade? </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>A duração do curso de graduação de 5 anos é o mais adequado? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Não poderia ser reduzido para a formação básica, abrindo as especializações em cursos de pós-graduação? </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Deveria haver um exame de qualificação para o exercício profissional, como existe para os advogados? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>A alternativa poderia ser um similar à residência, como dos médicos? </li></ul></ul></ul>
    3. 4. O problema maior <ul><li>O problema maior da formação dos engenheiros está antes do ingresso: </li></ul><ul><ul><li>Está na deficiência dos graus anteriores que não formam a fundamental competência em matemática e língua portuguesa. </li></ul></ul><ul><ul><li>Essa deficiência dificulta aos alunos acompanharem o curso, levando a um alto nível de desistências. </li></ul></ul><ul><li>A melhoria da educação fundamental é o maior desafio brasileiro. </li></ul>
    4. 5. A formação do engenheiro <ul><li>A formação do engenheiro deve compreender o domínio das ciências básicas (matemática, física, química) mas deve contemplar as ciências ambientais e de saúde. </li></ul><ul><li>O engenheiro é a profissão mais humanista e deve ser preparado para perceber e exercer esse papel. </li></ul><ul><ul><li>É um resolvedor de problemas em benefício da humanidade. </li></ul></ul><ul><li>Terá que trabalhar cada vez mais em equipes multifuncionais, mas a sua formação básica já deverá ser multifuncional. </li></ul><ul><li>Deverá desenvolver a capacidade empreendedora e de integração. </li></ul>
    5. 6. Aprender a aprender <ul><li>Diante dos rápidos e intensos avanços tecnológicos o engenheiro precisará ter uma base sólida nas ciências básicas, e estar preparado para acompanhar as mudanças. </li></ul><ul><ul><li>O aprendizado deverá ser permanente. </li></ul></ul><ul><ul><li>As especializações não podem ser consolidadas, sob o risco do obsoletismo. </li></ul></ul><ul><ul><li>O domínio de idiomas e das novas tecnologias é essencial. </li></ul></ul><ul><ul><li>Devem ser preparadas mais as mentes do que as carreiras. </li></ul></ul><ul><ul><li>Em todo processo deve ser consolidada a ética. </li></ul></ul><ul><li>O recém formado não sai pronto para o mercado de trabalho: </li></ul><ul><ul><li>Estágios nas empresas são um passo essencial para a capacitação. </li></ul></ul>
    6. 7. Inovação e ousadia <ul><li>O Brasil caminha para ser uma das maiores economias mundiais, mas a sua infraestrutura e sua engenharia ainda não estão preparadas. </li></ul><ul><ul><li>Enfrentou uma crise de mais de 20 anos, em que perdeu conhecimento e quadros. </li></ul></ul><ul><ul><li>Vem retomando, mas ainda não se recuperou inteiramente. </li></ul></ul><ul><li>Para enfrentar os novos desafios a Engenharia Brasileira precisa ser OUSADA e INOVADORA. </li></ul>
    7. 8. Sumário: PRINCIPAIS PONTOS
    8. 9. Reflexões <ul><li>A tônica principal dos debatedores foi a de propor reflexões aos participantes. </li></ul><ul><li>Por isso neste sumário há mais perguntas do que respostas. </li></ul><ul><li>E muitos alertas em relação aos desafios. </li></ul><ul><li>Houve um consenso geral em relação aos diagnósticos, mas divergências em relação à regulação profissional e dúvidas em relação à capacitação dos engenheiros pós formação. </li></ul>
    9. 10. Crise, retomada e tendências <ul><li>A economia brasileira perdeu posições no ranking mundial, mas vem retomando. </li></ul><ul><li>Já somos a oitava maior economia mundial, em termos de PIB, vamos avançar para a 5ª posição e, até 2050, podemos chegar a 3ª. </li></ul><ul><li>Vamos precisar de muita infraestrutura, muita engenharia e muitos engenheiros. </li></ul><ul><li>Não podemos ficar focados em oportunidades momentâneas: </li></ul><ul><ul><li>Temos que pensar muito além da Copa 2014 e da Olimpiadas 2016. </li></ul></ul>
    10. 11. O “bônus” demográfico <ul><li>O Brasil ainda conta com um “bônus demográfico” com uma estrutura piramidal na distribuição da população por faixas etárias. </li></ul><ul><ul><li>Diversamente dos paises mais desenvolvidos, onde o formato já é de barril. </li></ul></ul><ul><li>Ainda temos uma população ativa maior que paga a sustentação dos inativos. </li></ul><ul><ul><li>Com a redução da natalidade e maior sobrevivência dos idosos essa relação tende a se inverter. </li></ul></ul><ul><li>Não estamos preparados para essa situação. </li></ul><ul><ul><li>As gerações que estão se formando agora não tem a garantia de sua aposentadoria. </li></ul></ul><ul><li>Não podemos ficar esperando pela crise: </li></ul><ul><ul><li>Temos que nos preparar já para evitá-la. </li></ul></ul>
    11. 12. Avanços e crise da engenharia brasileira <ul><li>A engenharia brasileira teve um grande avanço entre os anos 50 e 80 do século passado. </li></ul><ul><li>Depois submergiu numa crise de mais de 20 anos: </li></ul><ul><ul><li>Quase acabou; </li></ul></ul><ul><ul><li>Perderam-se equipes, com a dispersão dos engenheiros para outros setores; </li></ul></ul><ul><ul><li>Perdeu-se o conhecimento adquirido; </li></ul></ul><ul><ul><li>Retraiu-se a formação de novos engenheiros </li></ul></ul><ul><li>Perdeu-se o sentido do planejamento. </li></ul>
    12. 13. Retomada <ul><li>Há uma retomada, mas com sequelas da crise: </li></ul><ul><ul><li>Há falta de profissionais qualificados em setores de tecnologia mais avançada, como o da Tecnologia da Informação; </li></ul></ul><ul><ul><li>No setor industrial falta capacidade de inovação, condição essencial, atualmente, para ganhos e manutenção de competitividade; </li></ul></ul><ul><ul><li>O setor da construção atende aos desafios da produção, mas ainda com custos elevados e problemas de qualidade; </li></ul></ul><ul><ul><li>O setor ferroviário precisa ser recomposto; </li></ul></ul><ul><ul><li>O setor de projetos está defasado em relação ao “estado d’arte”. </li></ul></ul><ul><li>Os investimentos ainda estão voltados a demandas reprimidas e a necessidades momentâneas, como Copa 2014 ou Olimpiadas 2016. </li></ul><ul><li>Não estão estruturados em torno de um projeto nacional </li></ul>
    13. 14. Projeto nacional <ul><li>O Brasil ainda não retomou um projeto nacional. </li></ul><ul><li>Tornou-se um grande produtor e exportador de commodities. </li></ul><ul><li>Mas a sua indústria vem perdendo posições no mercado nacional e internacional. </li></ul><ul><li>Esse é o Brasil que queremos? Essa é a nossa vocação? </li></ul><ul><li>Teremos condições de ser um importante “player” mundial nas áreas de alta tecnologia? </li></ul><ul><li>O mercado interno será suficiente para assegurar a continuidade do crescimento e a superação da crise internacional? </li></ul>
    14. 15. Oportunidade na área de TI <ul><li>O setor de tecnologia da informação é o que oferece grandes oportunidades de trabalho para os engenheiros: </li></ul><ul><ul><li>Há uma carência de engenheiros qualificados para atender à demanda; </li></ul></ul><ul><ul><li>Por conta dessa carência perdem-se contratos para outros paises; </li></ul></ul><ul><ul><li>Há um crescimento de engenheiros estrangeiros para ocupar os postos; </li></ul></ul><ul><ul><li>O setor paga salários competitivos para atrair as melhores competências. </li></ul></ul>
    15. 16. A falha na educação fundamental <ul><li>O grande problema nacional está na falha na educação fundamental. </li></ul><ul><li>Os jovens que chegam ao terceiro grau, com falhas essenciais na sua formação em matemática e português (escrita e leitura). </li></ul><ul><ul><li>Muitos não tem condições de acompanhar os cursos superiores, dai uma elevada evasão nos dois primeiros anos. </li></ul></ul><ul><li>Melhorar a educação fundamental é a maior das prioridades nacionais. </li></ul>
    16. 17. O papel do engenheiros <ul><li>O papel do engenheiro é resolver problemas, em benefício da humanidade. </li></ul><ul><ul><li>É o que tem o maior sentido humanista, porque cria benefícios para a humanidade. </li></ul></ul><ul><li>A sua formação não pode deixar de lado esse papel fundamental que é resolver problemas, com menos ideologia e mais efetividade. </li></ul>
    17. 18. Formação do engenheiro <ul><li>Os cursos de engenharia ainda formam engenheiros para os desafios do passado. </li></ul><ul><li>Precisam ser reformulados para acompanhar a evolução: </li></ul><ul><ul><li>A evolução tecnológica tem sido muito rápida e é díficil prever o futuro. </li></ul></ul><ul><ul><li>Estabelecer no presente as especializações de forma estrutural é um risco. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Essa pode ficar obsoleta em curto prazo. </li></ul></ul></ul><ul><li>A formação do engenheiro deverá seguir contemplando a formação nas ciências básicas como em matemática, física, quimica, geologia e outros. </li></ul><ul><li>As especializações devem ser desenvolvidas em pós-graduações. </li></ul>
    18. 19. Formação do engenheiro <ul><li>O novo engenheiro deverá ter formação básica em ciências ambientais e humanas. </li></ul><ul><ul><li>Para trabalhar em grupos multifuncionais precisa estar preparado para o diálogo. </li></ul></ul><ul><li>Terá que se capacitar no uso das ferramentas modernas propiciadas pela tecnologia da informação, incluindo as simulações. </li></ul><ul><li>O fundamental é preparar para aprender a aprender. </li></ul><ul><ul><li>Precisam estar com as mentes abertas para perceber e se ajustar às mudanças. </li></ul></ul>
    19. 20. Estágio e “trainee” <ul><li>O estágio dos recém-formado nas empresas deve ser um passo fundamental para a carreira profissional do engenheiro. </li></ul><ul><li>O “trainee” diversamente do estagiário estudante, não será apenas um auxiliar de baixo custo, mas deve ser familiarizado com todas as áreas da empresa, com um conhecimento de toda a cadeia produtiva, mediante programa bem estruturado. </li></ul>
    20. 21. Mudanças no perfil do engenheiro <ul><li>O engenheiro tradicional era um “tocador de obras”, com foco na técnica e administrando por “gestão de conflitos”. </li></ul><ul><li>O novo engenheiro tem que se preparar para trabalhar em equipes multifuncionais, administrando as interfaces e buscando qualidade. </li></ul><ul><ul><li>As dimensões ambiental, segurança e saúde são fundamentais. </li></ul></ul><ul><li>Deve desenvolver um perfil empreendedor. </li></ul>
    21. 22. Regulação <ul><li>Os cursos de engenharia estão sujeitos à regulação pelo MEC. </li></ul><ul><ul><li>A aprovação de novos cursos é demorada e pode estar defasada quando efetivada. </li></ul></ul><ul><ul><li>O prof. Helio Guerra entende que o programa dos cursos de engenharia hoje é uma commodity, não cabendo tanta burocracia para sua aprovação. </li></ul></ul><ul><li>O Sistema CONFEA-CREAs contempla hoje 280 especialidades. </li></ul><ul><ul><li>É demais, estando sendo estudada a redução para 80. </li></ul></ul><ul><ul><li>Foi ainda considerada excessiva. </li></ul></ul>
    22. 23. Certificação <ul><li>Questão controversa foi a certificação do engenheiro para o exercício profissional. </li></ul><ul><li>Foram levantadas e discutidas, sem consenso, as alternativas de: </li></ul><ul><ul><li>Um exame, similar ao da Ordem dos Advogados; </li></ul></ul><ul><ul><li>Residência, à semelhança dos médicos e </li></ul></ul><ul><ul><li>Estágios e treinamento introdutório (trainees). </li></ul></ul>
    23. 24. Inovação <ul><li>O Engenheiro deve estar preparado para inovar. </li></ul><ul><li>Não pode se intimidar ou se acomodar. </li></ul><ul><li>Precisa ousar. </li></ul><ul><li>Não deve seguir Maquiavel que alertava sobre os riscos de ser pioneiro: </li></ul><ul><ul><li>Terá que enfrentar as resistências e contrataques dos que não querem mudar. </li></ul></ul><ul><li>O exemplo presente é de Steve Jobs: </li></ul><ul><ul><li>Um dos seus principais ensinamentos é: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Fazer o que gosta </li></ul></ul></ul>
    24. 25. Ética <ul><li>A excelência da formação do engenheiro deve se fundar na ética. </li></ul><ul><li>A missão do engenheiro é melhorar as condições de vida da humanidade. </li></ul><ul><li>É o engenheiro que faz com que as pessoas possam ter acesso aos bens materiais e às facilidades. </li></ul><ul><li>Esse papel não pode ser comprometido por desvios éticos. </li></ul><ul><ul><li>A formação ética deve vir desde a edução básica (escolar e familiar) e deve ser consolidada na Universidade. </li></ul></ul>
    25. 26. Abertura <ul><li>Aluizio de Barros Fagundes </li></ul><ul><li>Presidente do Instituto de Engenharia </li></ul>
    26. 27. <ul><li>O curso de Engenharia tem currículo com forte conteudo logico matemático,voltado a resolver problemas . </li></ul><ul><li>O engenheiro é o que mais 'aprende a aprender', o que constitui a essencia da sua educação. </li></ul>
    27. 28. <ul><li>A engenharia é certamente a mais humana das profissões. O engenheiro usa seu conhecimento das leis da natureza, as domina e faz isso em beneficio do homem. </li></ul><ul><li>Nisso a engenharia é mais humana do que as chamadas ciências humanas que se atém tão somente ao homem e ao intrínseco conhecimento dele mesmo, mas que não tratam da interação com a natureza que o engenheiro conhece, domina e interage. </li></ul><ul><li>Também a engenharia é mais humana que as ciências econômicas que tratam da distribuição e acumulação daquilo que foi entendido pela humanidade como valor depois que o dinheiro foi inventado. </li></ul>
    28. 29. <ul><li>E os arquitetos que nos mostram o céu de cima de seus altos edificios, mas não nos tiram do inferno aqui em baixo. </li></ul><ul><li>Ao dominar as leis da natureza, o engenheiro deve conhecer e dominar a física. </li></ul><ul><li>Luiz Cintra do Prado, emérito professor de física da Escola Politécnica dizia: 'Engenharia é a Física mais bom senso'. </li></ul><ul><li>Mas o problema é que os 'Os físicos conversam com Deus e deixam a solução dos problemas aqui da Terra por conta dos engenheiros'. </li></ul>
    29. 30. <ul><li>Foram os engenheiros que desenvolveram a aplicação das leis de Maxwell sobre eletromagnetismo, que são lineares e desenvolveram a eletricidade que é o maior instrumento de modernidade do mundo. Basta uma pequena ou grande diferença de potencial para que os eletrons disciplinadamente circulem nos fios condutores. Hoje as aplicações da lei de Maxwell até são mais confiáveis do que as Leis exponenciais da Gravidade de Newton ou Equivalência massaenergia de Einstein. </li></ul><ul><li>Talvez, no futuro se os físicos puserem-se de acordo se o neutrino pode ser ou não mais veloz que a luz, os engenheiros possam dominar as leis exponenciais de Newton e Einstein e extrair a infinita energia disponível nos 'buracos negros' em benefício do homem aqui na Terra. </li></ul>
    30. 31. Aluizio de Barros Fagundes <ul><li>A finalidade do ensino não é apenas a transmissão de conteúdo para os discípulos mas uma oportunidade de estimulalos a descobrir os poderes neles latentes. </li></ul><ul><li>'A verdadeira finalidade da educação é formar mentes e não carreiras‘. </li></ul>
    31. 32. Regulação e formação de engenheiros <ul><li>Debatedores e Moderador </li></ul><ul><li>João Batista Crestana – Presidente do SECOVI- SP; </li></ul><ul><li>Marcos Túlio de Melo – Presidente do CONFEA; </li></ul><ul><li>Alcir Vilela Junior – Coordenador de Graduação do Centro Universitário SENAC </li></ul><ul><li>João Ernesto Figueiredo – Presidente do Conselho Consultivo do Instituto de Engenharia </li></ul><ul><li>Antonio Helio Guerra – Presidente da FDTE. </li></ul><ul><li>Rui de Arruda Camargo (moderador) – Vice-Presidente de Atividades Técnicas do Instituto de Engenharia. </li></ul>
    32. 33. Desafios e oportunidades na engenharia <ul><li>Debatedores e Moderador </li></ul><ul><li>Plinio Assmann – responsável pela implantação da linha pioneira do Metrô SP em 1974 </li></ul><ul><li>Cristiano Kok – Sócio e Presidente da Engevix Engenharia </li></ul><ul><li>Edson Luiz Pereira – Executivo de Parcerias Educacionais – IBM Brasil </li></ul><ul><li>Denis Gabos (moderador) – Professor do Centro Universitário Senac </li></ul>
    33. 34. Excelência na Graduação <ul><li>Engenheiro Cristiano Kok </li></ul>
    34. 35. 50 anos de evolução 1960-1965 1965-1970 1970-1975 1975-1980 Brasília Inaugurada Janio Eleito Jango Deposto Castello e Costa e Silva governam e morrem Guerrilha urbana Medici governa Guerrilha Araguaia Milagre econômico Geisel governa Morre Herzog Figueiredo eleito e anistia Criada OPEP Kennedy Eleito e Morto Guerra Vietnã Revolução cultural Golpe argentino Guerra 6 dias Che morto Nixon se aproxima da China. Fim da guerra V Allende morto Guerra Yom Kipur Carter eleito, morre Mao Tse Tung Barril a US$ 95 Paz Camp David Pilula anti-concepcional Gagarin em órbita Circuito integrado Calculadora bolso TI PC c/teclado e mouse Amstrong na Lua 1o. e-mail DDD no Brasil Internet Microsoft Apple Computers Theory net Bebê proveta Compact Disc 600 mil TVs no Brasil Produção 350 mil geladeiras Um milhão de Fuscas Embraer TV Globo Metrô de SP Itaipu e Tucuruí Angra 1 Lei de Informática Lei do divórcio
    35. 36. 50 anos de evolução 1980-1985 1985-1990 1990-1995 1995-2005 2005-2010 AIDS Gorbachev Malvinas Chernobyl Muro de Berlim Eleição de Clinton Mandela Presidente Comunidade Européia Bush eleito Atentado WTC Euro Eleição de Obama Quebra Financeira China Potência Fundação PT 120 milhões habitantes Diretas Já Sarney e Collor Planos Econômicos Hiperinflação Itamar Presidente Privatizações Plano Real FHC presidente Lula presidente MST Dilma Presidente Grau de Investimento Copa / Olimpíadas Celulares Transgênicos AOL WWW – internet Projeto Genoma Linux CAD Dolly GSM iPhone, iPad Facebook Início da recessão Moratória Externa Início Internet 186 milhões hab. 200 milhões de celulares
    36. 37. <ul><li>1900-1920 </li></ul><ul><ul><li>Motor de combustão interna </li></ul></ul><ul><ul><li>Iluminação Elétrica </li></ul></ul><ul><ul><li>Telefone </li></ul></ul><ul><ul><li>Rádio </li></ul></ul><ul><ul><li>Fotografia e cinema </li></ul></ul><ul><ul><li>Avião </li></ul></ul><ul><li>1920-1940 </li></ul><ul><ul><li>Linha de Montagem Industrial – Taylorismo </li></ul></ul><ul><ul><li>Aviação comercial – Dirigível </li></ul></ul><ul><ul><li>Popularização do automóvel </li></ul></ul><ul><ul><li>Eletrodomésticos </li></ul></ul>A evolução tecnológica (1900-1940)
    37. 38. <ul><li>1940-1960 </li></ul><ul><ul><li>Turbinas </li></ul></ul><ul><ul><li>Mísseis </li></ul></ul><ul><ul><li>Energia Nuclear </li></ul></ul><ul><ul><li>Radar </li></ul></ul><ul><ul><li>Televisão </li></ul></ul><ul><li>1960-1980 </li></ul><ul><ul><li>Satélites artificiais </li></ul></ul><ul><ul><li>Conquista do Espaço </li></ul></ul><ul><ul><li>Computadores </li></ul></ul><ul><ul><li>Microeletrônica </li></ul></ul><ul><ul><li>Xerox </li></ul></ul><ul><ul><li>Telex </li></ul></ul>A evolução tecnológica (1940-1980)
    38. 39. A evolução tecnológica (1980 – 2020) <ul><li>1980-2000 </li></ul><ul><ul><li>Fax </li></ul></ul><ul><ul><li>Computadores pessoais em rede </li></ul></ul><ul><ul><li>Internet </li></ul></ul><ul><ul><li>Imagem </li></ul></ul><ul><ul><li>Tecnologia da Informação </li></ul></ul><ul><li>2000-2020 </li></ul><ul><ul><li>Faça as suas previsões </li></ul></ul>
    39. 40. Perfil do engenheiro PASSADO PRESENTE FUTURO FAZER INTEGRAR PENSAR Tocador de Obra Trabalho em equipe Empreendedor Técnica Qualidade Ciência Prazos e Custos Prazos e Custos Prazos e Custos Gestão conflitos Gestão Interfaces Gestão Integrada
    40. 41. Perfil do engenheiro <ul><li>Formação em ciências básicas </li></ul><ul><li>Meio Ambiente e Saúde e Segurança </li></ul><ul><li>Espírito Empreendedor </li></ul><ul><li>Domínio de Informática </li></ul><ul><li>Capacidade de trabalho em equipe </li></ul><ul><li>Formação multi-disciplinar </li></ul><ul><li>Aprendizado contínuo </li></ul><ul><li>Domínio de línguas estrangeiras </li></ul>
    41. 42. Excelência na Graduação <ul><li>Domínio das ciências básicas – física, matemática, química, materiais, resistência, cálculo estrutural, fluxos, modelos matemáticos e estatísticos </li></ul><ul><li>Domínio de informática – cálculos científicos, funções estatísticas, desenho com auxílio de computador – necessidade de laboratórios </li></ul>
    42. 43. Excelência na Graduação <ul><li>Ciências do Ambiente – O tema é o de maior relevância na próxima década </li></ul><ul><li>Saúde e Segurança no Trabalho – ergonomia, prevenção de acidentes, saúde do trabalhador </li></ul><ul><li>Gestão da Qualidade – Normas IS0 9000 </li></ul><ul><li>Gestão de Recursos Humanos – liderança, trabalho em equipe e empreendedorismo. </li></ul>
    43. 44. Excelência na Graduação <ul><li>Menor Especialização – Há necessidade de formação de generalistas, capazes de atuar em diversas frentes de conhecimento. Deixar a especialização para o mestrado e doutorado, que devem ser estimulados </li></ul><ul><li>Inovação – Estimular a capacidade de inovação no curso de graduação </li></ul>
    44. 45. Edson luiz pereira Sobre o palestrante Formação acadêmica Mestre em Administração de Empresas – Mackenzie Graduação: Administrador – FASP Técnico em Eletrônica – ETE Getulio Vargas - Paula Souza Atividades profissionais IBM Brasil : Na área de Serviços desde 1975 – Várias posiçoes 2006 Executivo Desenvolvimento Profissional 2009 Executivo Parcerias Educacionais Mackenzie: Pesquisador no núcleo de Gestão Baseada em Valores e Professor das disciplinas: Competitividade e Desempenho Empresarial, Aprendizado e Mudanças Oranizacionais, Negociação ( Pós Graduação Lato Sensu).
    45. 46. Segundo o Dieese em 2010 foram 2,4 Milhões de desempregados nas regiões metropolitanas Fonte: Convênio DIEESE/SEADE, MTE/FAT e convênios regionais. PED - Pesquisa de Emprego e Desemprego Elaboração: DIEESE Índice Geral de Desemprego pelo DIEESE Há Vagas para Engenheiros e para Profissionais de TI ...E por outro lado
    46. 47. <ul><li>Embora as Empresas de TI empreguem atualmente 600 mil pessoas, haverá déficit de quase 92 mil profissionais para este ano (dados da Brasscom) </li></ul><ul><li>Em engenharia o quadro não é diferente o déficit esta em torno de 20 mil por ano de acordo com o CONFEA </li></ul>Fonte: BRASSCOM / SOFTEX Cenário da mão de obra de TI no Brasil Abril/2011
    47. 48. Futuro Fonte: BRASSCOM / SOFTEX <ul><li>Até 2020,o País precisa enfrentar o desafio de formar mão de obra tecnológica e com conhecimento da língua inglesa para, então, incorporar cerca de 750 mil novos profissionais ao mercado de TI, sendo 450 mil para o mercado interno e 300 mil em atividades para exportação. </li></ul><ul><li>A demanda por engenheiros será entre 600 mil </li></ul><ul><li>e 1.2 Milhão </li></ul>
    48. 49. Mão de obra estrangeira Fonte: MTE/Coordenação Geral de Imigração - CGIg De acordo com o Ministério do Trabalho, o número de profissionais estrangeiros autorizados a trabalhar no país em 2010 subiu 30% em relação à 2009, e hoje é de 56.006. A maioria é oriunda dos EUA e do Reino Unido, da Alemanha e das Filipinas.
    49. 50. Falta Educação Básica Nossos alunos não aprendem Inglês no ensino fundamental Grande crescimento do mercado de TI em contratos globais x
    50. 51. Prova ABC* Fontes: Todos pela Educação, Instituto Paulo Montenegro/IBOPE, Fundação Cesgranrio e INEP * Avaliação Brasileira do Final do Ciclo de Alfabetização
    51. 52. Educação no Brasil Fonte: ÍNDICE BRASSCOM DE CONVERGÊNCIA DIGITAL 2010 / Unesco e OECD <ul><li>PISA – Exame Internacional de Desenvolvimento Escolar / PISA – Matemática </li></ul><ul><li>2006: Brasil no 54º. De um total de 57 Países </li></ul><ul><li>2009: Brasil no 57º . De um total de 63 Países </li></ul>- 2006
    52. 53. Ranking Pisa 2009
    53. 54. Demanda por educação em TI Fonte: Radar 12 - Abril/2011 - Tecnologia, Produção e Comércio Exterior / IPEA O fato é que grande parte das conclusões de cursos de graduação ocorrem em ciências sociais e humanas, sendo ainda minoritárias as conclusões nas chamadas áreas de hardscience (exatas, biológicas, computação e engenharias)
    54. 55. Como consequência temos poucos alunos interessados em exatas 18%
    55. 56. Fonte : MEC/INEP/DAES/ENEM 17%
    56. 57. Fonte : MEC/INEP/DAES/ENEM 12%
    57. 58. Qual é o problema? <ul><li>O problema não é a oferta de cursos..... </li></ul><ul><li>...mas falta de alunos que consigam se formar </li></ul><ul><li>Como resolver? </li></ul><ul><li>Como ajudar o aluno de hoje a tornar-se um bom profissional de amanhã? </li></ul>E não é somente isso....
    58. 59. O mercado busca um profissional completo O Profissional deve ter outras competências alem de suas habilidades técnicas : Versatilidade Técnica Conhecimento do Negócio Habilidade de Relacionamento
    59. 60. Fonte: BRASSCOM 2010 Mercado Interno em 2010 As áreas ligadas a desenvolvimento de SW são as que mais crescem. Até 2020 a participação de TI no PIB Brasileiro será de 5,3%
    60. 61. Fonte:: IDC 2011 Detalhe do Mercado de Exportação de Serviços de TI em 2010 77%
    61. 62. ...As Linguagens de programação mais procuradas, Fonte: O Mercado de Serviços Offshore Brasileiro em 2010 - IDC
    62. 63. CONCLUINDO: <ul><li>Há falta de mão obra com qualificação em exatas – Engenheiros e Profissionais de TI </li></ul><ul><li>O mercado de TI é crescente e pode absorver muito mais profissionais do que já vem absorvendo </li></ul><ul><li>Se tivermos mais profissionais com as competências requeridas, o setor pode crescer numa velocidade ainda maior que a projetada. </li></ul><ul><li>As principais questões são: </li></ul><ul><ul><li>Como atrair e formar mais profissionais em Engenharia e TI? </li></ul></ul><ul><ul><li>Como adequar os conteúdos dos cursos às demandas de um mercado em evolução acelerada? </li></ul></ul>
    63. 64. Endereços <ul><li>Inteligência Estratégica (Jorge Hori) </li></ul><ul><ul><li>http://iejorgehori.blog.uol.com.br </li></ul></ul><ul><ul><li>http://cndpla.blog.uol.com.br </li></ul></ul><ul><ul><li>[email_address] </li></ul></ul>

    ×