Arqueologia - Aula 3

894 visualizações

Publicada em

Aula de Arqueologia Bíblica

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
894
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arqueologia - Aula 3

  1. 1. Arqueologia Aula 03
  2. 2. Tema 3 A Bíblia e os povos do antigo Oriente Próximo. Os sumérios A Escrita (Mesopotâmia, Egito, Fenícios).  A história bíblica no contexto da história dos povos do antigo Oriente Próximo (Mesopotâmia, Egito, Mediterrâneo Oriental).  A literatura da antiga Mesopotâmia e a Bíblia.  Literatura suméria: a descoberta e estudo.  Catálogos de obras literárias.  Importância da descoberta da literatura suméria para os Estudos Bíblicos.  O mito da "Enki e Ninhursag" e o primeiro capítulo do Gênesis.  Mitos sobre a criação do homem e da confusão das línguas.  O mito do dilúvio.  História de um sofredor inocente e Ló.  "Lista dos reis" da Suméria 
  3. 3. • Escrita cuneiforme: desenvolvida pelos sumérios, • A escrita cuneiforme foi adotada subsequentemente pelos • Processo: feitas com elamitas, hititas e assírios e acadianos, babilônicos, objetos em formato de cunha (estilete feito de cana). Criada por volta de 3500 adaptada para escrever em seus próprios idiomas a.C. Gravados em tabuletas de argila, na durante (extensamente usada na Mesopotâmiavertical. aproximadamente 3 mil anos) • Representava da Escrita • Natureza silábicaformas do mundo (pictogramas), -> evolução para o simples e abstrato. • O registro mais antigo: século XIV a.C. e está escrito em símbolos cuneiformes da língua acadiana. O pedaço de • Tabuletas foi achado tostadas em fornos para prover barro escritopodiam ser em Jerusalém. um registro permanente; ou ser reaproveitadas
  4. 4. • História Universal: • • • • • • criação (Cosmos, homem), paraíso, rebelião, Dilúvio, confusão de línguas, contexto abramico • Enuma-Elish, • Dilmun, • Gilgamesh,
  5. 5.  Literatura mais antiga da Historia. Encontradas inscrições em dezenas de milhares de peças de barro cozido, em selos cilíndricos e tábuas de argila, objetos. Existem muitas obras literárias anteriores ao século XVIII a.C., como relatos mitológicos, épicos, hinos, lamentos, provérbios e ensaios. A literatura da antiga Mesopotâmia e a Bíblia.  Literatura suméria: a descoberta e estudo (séc. XIX).  Catálogos de obras literárias.
  6. 6. Importância da descoberta da literatura suméria para os Estudos Bíblicos. O mito da "Enki e Ninhursag" e o primeiro capítulo do Gênesis.  Mitos sobre a criação do homem:   Babel O A Criação no poema de Atra-Hasis e a Confusão das línguas. Programa Evidências mito do dilúvio: Utnapishtim e o Dilúvio, Gilgamesh  História  "Lista de um sofredor inocente e Jó. dos reis" da Suméria
  7. 7. “Primeiro Jó" existiu na Antiga Suméria. Origem do texto: fragmentos de barras de argila do Museu de Antiguidades, em Istambul, Poema sumério que, tal como o livro bíblico de Jó, trata da queixas de um homem justo que, em vez de ser abençoado pelos deuses, sofria toda a espécie de perdas e desrespeitos: "A minha palavra verdadeira foi tornada numa mentira", grita ele angustiado. Na segunda parte, o sofredor anónimo dirige súplicas ao seu Deus de uma forma semelhante a alguns versos dos salmos hebreus: Meu deus, tu que és o meu pai, que me criaste - ergue a minha face... Até quando me negligenciarás... Me deixarás desprotegido... E sem orientação? Segue-se depois um final feliz. "As palavras justas, as palavras puras proferidas por ele, foram aceites pelo seu Deus... o seu Deus retirou a sua mão da malfazeja manifestação".
  8. 8. Lista dos reis sumérios A lista registrava o local da realeza e governantes "oficiais", bem como o período de seus governos. Acreditava-se que o direito de majestade era concedido pelos deuses. Os reis antediluvianos anteriores ao século XXVI a.C. Seus reinados eram medidos em sars —períodos de 3600 anos: • 1. Alulim de Eridu: 8 sars (28.800 anos, de 453.600 até o ano de 388.800, antes do dilúvio) • "Depois que a realeza desceu dos céus, ela esteve em Eridug (Eridu). Em Eridug, Alulim tornou-se rei e governou 28.800 anos.“ • "Depois do dilúvio ter terminado, e a realeza haver descido do céu, ela passou a Kish“

×