Relações entre Estado e biblioteca pública - Lilian Viana

1.638 visualizações

Publicada em

Apresentação de Lilian Viana sobre "Relações entre Estado e biblioteca pública" no projeto Biblio.lab da V Semana de Biblioteconomia da ECA/USP. Data: 29 de setembro de 2010.

Publicada em: Educação, Diversão e humor
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.638
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
313
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relações entre Estado e biblioteca pública - Lilian Viana

  1. 1. Biblioteca Pública e Estado entre o sonho e a realidade Lilian Viana
  2. 2. Origens da Biblioteca pública <ul><li>Surgimento: meados do século XIX – Estados Unidos e Inglaterra. </li></ul><ul><li>Características : “mantidas integralmente pelo Estado; com funções específicas e com a intenção de atender a toda sociedade”. </li></ul><ul><li>Considerações: Surge com papel social definido – educar as classes economicamente desfavorecidas, preservando os valores sociais vigentes. A instituição de bibliotecas públicas, criadas e mantidas com dinheiro público, era uma forma de obtenção de ganhos sociais e seus serviços deveriam ser orientados para isso. </li></ul>
  3. 3. Biblioteca pública no Brasil - Primórdios <ul><li>Bibliotecas das ordens religiosas e de particulares </li></ul><ul><li>Biblioteca Real (1811) Biblioteca Imperial Pública (1825) </li></ul><ul><li>Biblioteca Pública da Bahia (1811) </li></ul>
  4. 4. Biblioteca pública no Brasil - cenário até a década de 1930 <ul><li>Bibliotecas públicas brasileiras próximas às bibliotecas dos tempos coloniais: </li></ul><ul><li>apenas parte da sociedade era atendida; </li></ul><ul><li>servia como um meio de distinção intelectual aos criadores e usuários; </li></ul><ul><li>acervo era majoritariamente composto por obras representativas da cultura erudita européia; </li></ul><ul><li>os objetivos eram restritos ao apoio às atividades de ensino. </li></ul><ul><li>Tais características, aliadas ao sentimento de exclusão das camadas menos favorecidas economicamente, contribuíram para delinear a imagem da biblioteca como “templo do saber”. </li></ul><ul><li>Primeira Fase: Biblioteca como guardiã da cultura erudita européia. </li></ul>
  5. 5. A Biblioteca pública e o Departamento de Cultura de São Paulo <ul><li>transformações na Cultura (compreensão da cultura brasileira, construção da nacionalidade) ; </li></ul><ul><li>políticas públicas configuradas como iniciativas pela democratização da Cultura; </li></ul><ul><li>diminuição do aspecto excludente da Cultura; </li></ul><ul><li>formação de uma sociedade leitora; </li></ul><ul><li>as bibliotecas públicas passam a ocupar-se com a democratização do acesso aos livros, privilegiando as obras nacionais; </li></ul><ul><li>bibliotecas para atender a públicos diversos (Circulante, Infantil, Municipal e Populares); </li></ul><ul><li>atividades de mediação de leitura. </li></ul><ul><li>Talvez seja possível afirmar que esse é um dos primeiros momentos em que um governo brasileiro, no caso o de São Paulo, passa a considerar as bibliotecas públicas realmente relevantes à sociedade. </li></ul><ul><li>Segunda Fase: Valorização da cultura nacional. B ibliotecas públicas como espaço para construção da cidadania. </li></ul>
  6. 6. A Biblioteca pública e o Instituto Nacional do Livro <ul><li>política federal para criação e desenvolvimento de bibliotecas públicas pelo país; </li></ul><ul><li>aumento do número de bibliotecas públicas pelo país; </li></ul><ul><li>promoção do livro x promoção da leitura; </li></ul><ul><li>apoio ao desenvolvimento da indústria editorial; </li></ul><ul><li>escolarização da biblioteca pública (década de 1970). </li></ul><ul><li>Terceira fase:Biblioteca pública como um mercado consumidor de livros. </li></ul><ul><li>O desenvolvimento de bibliotecas e a formação de leitores parecem ser estratégias para consumo do livro, produto cultural difundido pelo INL, deixando de lado objetivos sociais amplos com vistas à cidadania. </li></ul>
  7. 7. Biblioteca Pública: reflexões sobre o tempo presente <ul><li>Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São Paulo (1983); </li></ul><ul><li>Sistema Municipal de Bibliotecas de São Paulo (2005 e 2008); </li></ul><ul><li>2008: fechamento de bibliotecas públicas pautado em fatores quantitativos - extinguir aquilo que não alcança os objetivos a que se propõe e dar espaço a projetos que se mostrem capazes de alcançar suas metas ou a situação crítica das bibliotecas é resultado de políticas públicas incapazes de fazer com que as bibliotecas públicas desempenhem o importante papel que lhes é conferido? </li></ul><ul><li>Quarta fase: Biblioteca pública como serviço. </li></ul><ul><li>A biblioteca não é tida, realmente, como direito dos cidadãos, constatação que parece se confirmar com a decisão de fechar bibliotecas públicas, pautada por fatores quantitativos, desconsiderando-se que a baixa freqüência às bibliotecas tem relação com políticas públicas ineficientes em promover a biblioteca pública no país e, com isso, consolidar o direito de acesso à Educação e Cultura. </li></ul>
  8. 8. Considerações <ul><li>formulação de políticas que, de fato, coloquem as bibliotecas públicas como instituições importantes dentro do contexto social; </li></ul><ul><li>profissionais capacitados, mudança de mentalidades ( SMB: “as bibliotecas disponibilizam computadores com acesso à Internet para consulta ao acervo por meio do catálogo online . As bibliotecas não dispõem de funcionário para auxiliar na pesquisa”); </li></ul><ul><li>uma visão retrospectiva pode minimizar possíveis erros e ser um caminho consistente para que seja alcançado um patamar sólido no campo das políticas para bibliotecas públicas. </li></ul>

×